Democrata, o nosso Tucker | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

segunda-feira, 12 de dezembro de 2005 - 19:01Carros

Democrata, o nosso Tucker

Bem, não há necessidade de contar a história toda aqui, porque ela já está bastante bem documentada em publicações especializadas e, na internet, no BestCars. Mas faço questão de registrar as emoções que vivi hoje ao fazer uma matéria que deve ir ao ar no Limite, da ESPN Brasil, no comecinho do ano que vem.

Fui atrás do Democrata, o carro brasileiro feito em meados dos anos 60 que não vingou por sacanagem do governo militar e das montadoras instaladas no país na época. A fábrica foi fechada em 1968 e algumas carrocerias se salvaram. Um carro, um único, roda ainda, em Passo Fundo (RS). Outro está sendo restaurado pelos irmãos Finardi em São Bernardo do Campo e fará parte do acervo do museu de Roberto Nasser, jornalista e advogado de Brasília que trava uma comovente batalha pela preservação da memória da indústria automobilística brasileira. No ano que vem, aliás, Nasser lança um livro sobre o Democrata.

Vi o carro sendo restaurado, as carrocerias que ainda restam e o único motor de que se tem notícia. E fui à fábrica, ou ao que restou dela, no Riacho Grande, um distrito de São Bernardo. Sobrou uma parede e o piso. Ali nasceu e morreu um sonho. Vale a pena ler o texto do BestCars, para conhecer essa história. Ela é muito parecida com a do Tucker, que já foi levada ao cinema. Abaixo, a entrada da fábrica há 40 anos. Não vou exagerar e dizer que quase chorei ao ver o que foi feito dela. Mas deu muita pena. Pena do Brasil, por ser um país tão mambembe, aquele que poderia ter sido e não foi. A história do Democrata e da Ibap (Indústria Brasileira de Automóveis Presidente) é emblemática nesse sentido. O Brasil é um dos países que mais montam automóveis no mundo. E não tem nenhuma montadora nacional, por conta de putarias como as que fizeram com empresas como a Presidente, a Gurgel e tantas outras.

Dias desses esteve uma comitiva chinesa por aqui para fazer negócios. Quando informados da quantidade de montadoras instaladas no Brasil, os chineses escancararam os olhos e perguntaram quantas eram nacionais. Nenhuma, foi a resposta. Os caras não acreditaram.

26 comentários

  1. Perandin disse:

    Cara, estive nessa fabrica em 1985.
    Incrivel, estava lacrada pelo governo federal.
    Tinha um caseiro, ele autorizou minha entrada.
    Inesquecivel, quatro ou cinco carros abandonados na linha de montagem. Talhas com motores pendurados prontos a serem montados nos carros.
    Bancadas com ferramentas, peças, motores, luvas dos operarios e um sem fim de objetos utilizados na montagem dos carros.
    Anos depois falava sobre isso e não acreditavam.
    Fui chamado de mentiroso entre outras coisas.
    Recentemente falando com um amigo apaixonado por opalas, cincas entre outros carros, falei sobre o democrata. Ele não acreditou fomos ao google e achamos essa materia.
    Lindo.

  2. perandin disse:

    Camarada, estive nessa fabrica em 1985.
    Estava lacrada, com uma placa na entrada “Proibida entrada. Lacrada pela receita federal” ou algo do tipo.
    No entanto, tinha um caseiro que me deixou entrar. Impressionante, quatro ou cinco carros na linha de montagem, talhas com motores suspensos, bancadas com motores sendo montados, ferramentas, luvas, peças e uma enorme quantidade de objetos usados na montagem dos carros. Tudo ali parado a anos.
    Fiquei impressionado, anos mais tarde quando falava sobre isso era taxado de mentiroso. Ninguem acreditava.
    Recentemente falando com um amigo amante de carros falei novamente da minha visita em 1985. Ele não acreditou, Fui então ao google e encontrei esse material que mostra que eu não sou mentiroso, inventor ou sei la o que….
    Valeu pela materia….

  3. Rodrigo disse:

    Olá:tudo bem galera?é o seguinte:eu adoro carros antigos,e eu sempre adiciono no arquivo do meu notebook fotos grandes de carros:e eu queria pedir para vocês por favor para colocarem para mim uma foto grande do carro democrata na parte lateral tamanho médio-grande:por favor:se vocês conseguirem uma foto do carro democrata de lateral em tamanho médio-grande eu agradeço:

  4. Finamore disse:

    Flávio, eu também já estive nas ruínas da IBAP, fomos recebidos por um rapaz que era filho de um ex-funcionário da fábrica, realmente é uma pena de se ver do que restou do lugar, tinha um molde de um democrata crivada de bala que segundo esse rapaz disse que a PM de vez em quando ia até o local fazer treino de tiro, outra coisa que ele chegou a nos mostrar foi o local onde tinha 02 unidades do carro enterradas e que parece que são de carroceria de 04 portas, você também chegou a ter essa informação? Se desenterrasse utilizando jatos de água igual ao método utilizado em garimpo poderia achar um grande tesouro!

  5. Renato Feitosa disse:

    Pois é cara…! já vi que vc entende mesmo de carros realmente o Democrata é o nosso Tucker verde amarelo

    visite meu blog…
    carrosnosangue.spaceblog.com.br

  6. vinicius machado afonso disse:

    PROCESSO AO FLAVIO PRADO, CONTINUAÇÃO-
    ESTOU FICANDO ” VICIADO ” NESTE SITE, TODO DIA TENHO DE ABRI-LO PARA VER AS NOVIDADES E ME INTERAR COM PESSOAS QUE COMO EU ADORÃO CARROS.Desculpem a emoção bati na tecla ENVIAR ser ter visto saiu um post antes quero tambem saber ; a Troller não foi vendida para a Ford, Fabio LIma A outr que fin levou a ” BS Colwain , nao sei se e assim que se escreve, aquela empreza de um Brasileiro como o Gurgel Visionario que queria Peitar as grandes fabricantes de pneus, trabalhava com pneus reciclados da Europa. Abrços Flavião se e qeu posso chama-lo assim continue bombando não sei onde.

  7. vinicius machado afonso disse:

    ‘ VOU PROCESSAR FLAVIO GOMES ‘ calma, calma para quem pensa antes de ler, e que sou adepto a este Belo Site e leitor do Warm up a mais tempo, e desde outubro do ano passado venho navegando ja vi quaze tudo desde dezmbro de 1995, So que estou ficando

  8. Carlos Bragatto disse:

    Meu tio teve um Presidente. Falei com ele ha uns dias, e ele falou “ah eu tive um carro desses, fui acionista da empresa” ou algo assim.

  9. Sérgio Marcos Gomes disse:

    Incrível viagem ao passado. Tenho exatos 50 anos e, naquela época já era franco admirador de máquinas. Meu pai contava, entusiasmado, a história de “nossa” fábrica de automóveis, todas as vezes que passávamos em frente às edificações, no caminho para a praia.
    Infelizmente a ignorância sempre foi muito maior que a perseverança, neste país. Interessante que me lembrei de Gurgel, quando lançaram a campanha “sou brasileiro, não desisto nunca…” Exceto se for empreendedor e depender de incentivos federais.

  10. Rangel disse:

    Este tipo de coisa não acontece só com automóveis não, existem muitos indícios no Brasil de grandes Empresas, principalmente Multinacionais que usam de subterfúgios para a não chegada de pequenas Empresas com custos baixos e mais ágeis em lançamentos no mercado.,

  11. TORQUATO disse:

    É de lascar as oportunidades que o Brasil teve para crescer e todas foram desperdiçadas. O Barão de Mauá queria industrializar o Brasil no séc IX e foi sabotado pelo império, agora a IBAP e a Gurgel também. O brasileiro se acomoda em comer porcaria estrangeira enguanto eles comem o melhor de nossos produtos. Enquanto está dando lucro toda montadora se diz brasileira, mas se um dia formos espertos teremos em nossas ruas carros totalmente BRASILEIROS.

    Valeu F. Gomes

  12. Rodrigo Wagner de So disse:

    Caro Flavio:
    Na época a revista Quatro Rodas fez uma matéria sobre a nova indústria. Todo o teor, levava a crer que era um golpe de empresários querendo investimento das pessoas. Isso nâo foi assim?
    Um abraço
    Rodrigo

  13. Mechanist disse:

    Talvez seja interessante uma montadora aqui no país começar como o Kasinski começou com motos. AS motos dele eram bem feinhas, mas baratas. Começou devagar, e hoje faz motos que batem em alguns quesitos a Honda, e já está se aventurando no mercado de motos esportivas de 600cc. Quem sabe não daria para ter uma tragetória similar com montadoras de carros?

  14. Luciano Balarotti disse:

    Flávio:

    Vale a pena ler a reportagem já citada na Oficina Mecânica. Não tenho mais a revista mas pelo que me lembro na época a fábrica ainda estava de pé e existiam alguns motores e carrocerias incompletas dentro dela, sem falar de outras carrocerias enterradas (fúnebre, não?) no terreno.

    Ler essa história é tão triste quanto saber dos problemas de saúde do visionário — e para mim muito bem sucedido — João Augusto Conrado do Amaral Gurgel

  15. Flavio Chinini disse:

    A Troller faz veículos especiais, para poucos. Mas a intenção da IBAP era atingir uma fatia maior da população. Flavio Gomes, que tal uma entrevista com o Nélson Fernandes??

  16. Flavio Chinini disse:

    Comovente esta história. Dá pra sacar que “quebraram” a empresa do Nélson Fernandes. A indústria brasileira poderia ter um rumo completamente diferente se a IBAP, ou a Gurgel dessem certo. É revoltante!

  17. Carlos Trivellato disse:

    Bom dia!

    Tudo bem, por um lado também acho um absurdo dependermos tanto de estrangeiros, porém, achar que “sacanearam” a Gurgel, é complicado.
    Convenhamos, o sonho do cara era um pouco alto pela qualidade do que era produzido, até que durou muito!

  18. Mack 5 disse:

    É isso que dá ser brasileiro…
    Um pais infeliz, com dirigentes infelizes e um povinho que só quer tomar a bendita da Pinga no final do trabalho e às favas com política e economia…
    O pior é que tudo ainda continua assim, nessa ditadura velada, em que se eu chamar um José Dirceu, ex guerrilheiro, que pregava a liberdade, de ladrão, que de fato é, eu vou preso…

  19. Eduardo S SP disse:

    Desde aquele época essa nação dá provas de sua burrice e inépcia para lidar com certas coisas, e aproveitando para fazer um off topic, o exemplo mais recente tá sendo este da telefonia fixa. Reclamavam muito dos tais “pulsos” (os 4 minutos de chamada) que aqui no estado de SP custavam 15 centavos, com os impostos (0,0375 por minuto) e graças a burrice de alguns nação “mambembe” que reclamavam sem saber, as agencias controladoras mudaram as regras e o minuto de ligação custará em média 10 centavos, mais que o dobro

    “è la nave va”

  20. Diga Mello disse:

    Pô, Flavio, e você acha que um carro denominado ‘Democrata’ iria resistir ao regime militar? Deveriam tê-lo chamado ‘Bazuca’, ‘Granada’, ou algo mais apropriado à época, concorda?
    Estou querendo lhe enviar um e-mail. Desculpe se passou batido, mas não encontrei o endereço aqui no blog.
    Obrigado, e um abraço.

  21. Tuta disse:

    Fala aí, Cabeção, tu chorou olhando a parede!
    É brabo, cara, montadora não é bem uma empresa sadia. Nem a Sadia é.
    hahahahahah. O que tu achou dessa? E tu limpou o nariz na manga da camisa ou tinha levado um lencinho?
    Hhahahahahahahaha

  22. Alessandrp disse:

    Conhecia a história há anos (de uma edicao da Oficina & Mecânica dos anos 80 e do BestCars), e me emociono todas as vezes que leio alguma coisa a respeito. E é isso mesmo, sempre essas perguntas, o que o país poderia ter sido, e assim vai… Com certeza uma bela matéria para o Limite! Parabéns!

  23. David_V8BigBlock disse:

    pq será q o projeto nao foi aceito….olha o nome do carro: democrata. Numa epoca de repressao….

  24. Fabio Lima disse:

    “E não tem nenhuma montadora nacional (…)” :

    E a Troller, no Ceara ???

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>