MENU

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009 - 18:49Gira mondo

GIRA MONDO, GIRA

SÃO PAULO (mundo doido) - Quase todos os países que boiam sobre o petróleo são riquíssimos. A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Kuwait, o Bahrein, são todas nações prósperas, exageradas, cintilantes. O Ocidente admira Abu Dhabi e Dubai, baba por seus prédios espelhados, suas ilhas artificiais, campos de golfe, autódromos, estádios, verdadeiros oásis construídos no deserto graças à fartura do ouro negro (bonito, isso).

São países comandados há séculos por dinastias de xeques simpáticos à política externa norte-americana, e ninguém se importa que por aquelas bandas o poder seja exercido indefinidamente por famílias que estão cagando para as camadas mais pobres de suas populações, gente que brinca com a economia mundial, que financia guerras, que se aproveita da miséria alheia. Não fazem eleições, desprezam a democracia, mas rezam pela cartilha do capitalismo, compram Mercedes e Ferraris, banham suas torneiras de ouro, então são aceitos de bom grado, porque são chiquérrimos.

Aí Hugo Chávez convoca a população da Venezuela para saber se ela apoia a possibilidade de reeleições seguidas, ganha o plebiscito, e a mídia ocidental se ergue em seus tamancos contra o índio que pretende se eternizar no poder, torce o nariz, acha sua farda verde-oliva um horror.

Em Dubai, ficar no poder por séculos pode. Na Venezuela, não.

Sou contra as pretensões chavistas de continuísmo, acho que a alternância do poder é algo sadio quando acontece sob regras claras e democráticas, mas não moro na Venezuela, não voto lá, e o mínimo que qualquer cidadão de qualquer país tem obrigação é de respeitar a vontade popular de uma nação soberana.

Depois, a realidade da Venezuela precisa ser entendida não sob a ideia que os EUA têm de democracia, mas procurando compreender um pouco sua história muito particular. É um país que poderia ser tão esfuziante quanto qualquer emirado árabe cheio de Lamborghinis nas ruas, com a vantagem de ter um clima mais civilizado e belezas naturais incomparáveis. Só que é pobre de dar dó, porque suas elites tomaram o poder e suas riquezas de assalto por décadas, delas desfrutaram à vontade, até passarem o bastão, pelo voto popular, a um cara que não se importa com elas, porque tem coisa mais séria com que se preocupar.

Não entendo a grita contra Chávez, que encontra eco na mídia neoliberal do Brasil, que por sua vez influencia barbaramente a classe média que se informa exclusivamente por ela — é, estou falando da “Veja”, de Boris Casoy, de José Nêumane Pinto, do “Estadão”, da direita enrustida que também não engole Lula e seus incríveis índices de aprovação.

A esses, sugiro a leitura deste artigo de Emir Sader, mesmo sabendo que poucos lerão (a indicação é do Luiz Alberto Pandini). Chávez é o legítimo presidente eleito da Venezuela, e tem o direito de consultar a população de seu país quantas vezes quiser sobre o tipo de nação que ela quer para o futuro.

Se os resultados não combinam com o que o “Estadão” e a “Veja” pensam, paciência. Assim é a democracia, não?

165 comentários

  1. Peter disse:

    Luidhi, Marx escreveu isto:
    “Os donos do capital vão estimular a classe trabalhadora a comprar bens caros, casas e tecnologia, fazendo-os dever cada vez mais, até que se torne insuportável. O débito não pago levará os bancos à falência, que terão que ser nacionalizados pelo Estado”.
    Karl Marx, em O Capital, 1867

  2. Luidhi disse:

    Só complementando minha linha de raciocínio, o maior país socialista hoje é o Estados Unidos…

    Assim como previu Carl Marx, após a falência do Capitalisto, o Socialismo ia se consolidar.

    A estatização da massa falida dos bancos estadunienses são a prova mais real que Marx estava certo.

    Infelizmente a ansiedade de classes políticas e sociais aceleram o processo e deu no que deu na cortina de ferro…

    []‘s

  3. Luidhi disse:

    Tenho medo de reeleição indefinida. Não porque acho que o povo não pode eleger indefinidamente um governante que faz o bem pelo povo. Não sou venezuelano e não posso decidir por eles. Mas não gostaria que isso acontecesse no Brasil.
    A atração pelo poder é irresistível, e o ser humano ainda não está desenvolvido o suficiente para lidar com ele. Hugo Chaves é uma releitura de tantos outros governantes pelo mundo que já tivemos, entre eles Fidel Castro, Idi Amin (presidente/ditador de Uganda e um dos mais sanguinários assassinos que já tivemos), Hitler e até podemos colocar no balaio nosso Getúlio Vargas. Espero que nosso presidente/marionete Lula não entre na lista…

    Todos esses governantes entraram no poder com discurso de recuperar o país ou dar prioridade a políticas sociais, com resultados iniciais até que satisfatórios mas com desfechos trágicos .

    Para reflexão sobre o assunto, deixo citação do russo Mikhail Aleksandrovitch Bakunin:

    “Assim, sob qualquer ângulo que se esteja situado para considerar esta questão, chega-se ao mesmo resultado execrável: o governo da imensa maioria das massas populares se faz por uma minoria privilegiada. Esta minoria, porém, dizem os marxistas, compor-se-á de operários. Sim, com certeza, de antigos operários, mas que, tão logo se tornem governantes ou representantes do povo, cessarão de ser operários e por-se-ão a observar o mundo proletário de cima do Estado; não mais representarão o povo, mas a si mesmos e suas pretensões de governá-lo. Quem duvida disso não conhece a natureza humana.”

  4. Fernando Marson disse:

    Dubai e Venezuela: dois exemplos de lugares onde o povo sofre nas mãos de quem comanda.

    Sem mais.

  5. Diego Jeleia disse:

    Em 10 anos no poder, Hugo Chávez consultou sua população 15 vezes em plebisicitos que diziam respeito a diretrizes importantes da economia e política venezuelana, ou seja, a população participa ativamente das decisões governamentais…é a famosa democracia participativa.

    Vocês, meus amigos brasileiros, quantos plebiscitos participaram desde o processo de redemocratização do país? Qual era a relevância desses plebiscitos?

    Sua voz foi ouvida quando FHC propôs a reeleição para os cargos executivos?

    A ignorânica política do brasileiro, as vezes me assusta…

  6. Daniel disse:

    Flávio,
    primeiramente, acho que não é certo, muito menos justo, ofender (se esta foi sua intenção) alguém sem conhecer.
    Diz a educação, além da premissa básica do jornalista, apurar antes de se manifestar.
    Eu não te ofendi, não disse que você era algo, apenas manifestei minha opinião sobre sua posição política, e não sobre você como pessoa.
    Quanto a palavra enegúmeno, segue seu significado no Aurélio, que inclusive faz parte do portal Ig, o mesmo que abriga seu blog:

    energúmeno
    [Do lat. energumenu < gr. energoúmenos.]
    Substantivo masculino.
    1.Endemoninhado; fanático; possesso:

    como pôde observar, se sua intenção foi me ofender, não conseguiu. Particularmente, acho que cabe mais a você do que a mim.

    Quanto ao verbo transitivo direto fechar, segundo o mesmo Aurélio:

    fechar
    [De fecho (ê) + -ar2.]
    Verbo transitivo direto.
    9.Fazer cessar, provisória ou definitivamente, o funcionamento de:
    O governo mandou fechar a escola.
    11.Cercar em assédio:
    As tropas aliadas fecharam o inimigo.

    Qual foi a atitude do Chávez? fazer cessar, provisória ou definitivamente, o funcionamento de uma emissora?

    Melhor tirarmos a dúvida, lendo textos publicados neste mesmo portal Ig, apenas dois, dos vários no mesmo sentido:

    a) http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=435JDB002

    b) http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=479MON004

    Em resumo, acho que tudo o que disse para mim, serve para você. Desde o “energúmeno” (repito, se sua intenção foi me ofender), passando pelo “fechar” (deveria consultar antes todos os significados deste verbo), e finalizando pelo “Vá se informar primeiro antes de falar besteira.”

    Você ofente gratuitamente qualquer pessoa com posição contrária, ou pior, apela infantilmente, a qualquer erro gramatical para justificar sua posição, assim, você tenta deixar claro;
    - você, que não sabe nem escrever, só pode estar errado;
    -eu, que sou muito bom, só posso estar certo.
    Provavelmente, estas pessoas que não sabem escrever corretamente, assim como eu, não tenham tido as oportunidades que você teve, são frutos de governos e governantes como os que você defende, que geram aumento de desigualdades, entre outras desumanidades.
    Você deve, a estes ofendidos por você, respeito. Estão tentando.
    Este é um dos princípios do socialismo, trabalhar para o maior nível de igualdade possível, jamais o contrário, e muito menos, acentuar, ofendendo-os.
    Quando não se tem justificativa, ou fica quieto, ou aceita, mas nunca humilha.
    Você não gostaria que escrevesse:
    “Você não sabe nem o significado das palavras! Vá se informar primeiro antes de falar besteira.” Então, por favor, pense, reflita e cresça.

  7. luis antonio da matta machado disse:

    Prezado Flávio, voce está absolutamente certo, e seu comentário foi no mínimo muito corajoso , de vez que bate de frente e senta o pau nesses vendidos tipo Casoys , Alexandres Garcias, Estadão, Veja , etc. Achei perfeito o seu comentário e faço das suas as minhas palavras. A democracia que a Venezuela quer para ela, é desejo de seu povo. A democracia que o povo americano quer para ele, é o desejo dele, e assim será com todos os países que colocam o desejo de seu povo em primeiro lugar. A democracia é isso, é o melhor regime de governo, embora ainda seja o pior. Receba meus cumprimentos pela sua coragem e lucidez.
    Mandou muito bem.
    abs

    Luís A.Matta Machado

  8. Altair Acerbi disse:

    Pelo que percebi vou estar escrevendo só pra vc mesmo Flavio, logo isso acaba sendo divertido, então vamos lá :

    Não troco o meu direito de poder falar e criticar o desgoverno ( ou governo para alguns ) que esta aqui no Brasil.
    Também não troco o direito de vc falar o que quiser sobre o Lula, sobre o FHC, sobre que mvc quiser e quando vc quiser…..
    Vc já pensou se ao invés do leitor acima vc tivesse chamado o Chavez de energumeno ??????
    Apenas por essa razão acho que o governo dele é um erro.

    Abraço

  9. Daniel disse:

    Flávio,
    você está comparando por baixo, muito baixo.
    Gostaria de ver o Brasil assim?
    Gostaria de ver a TV onde trabalha ou tem amigos, fechada simplesmete por discordar do presidente nacional?
    E você, ainda fala em democracia?
    Por favor, fale de automobilismo, sua cegueira e irracionalidade política são monstruosas.

    RESPOSTA DO FG:

    A TV não foi fechada, energúmeno. Vá se informar primeiro antes de falar besteira.

  10. Marcelo D disse:

    O sujeito lê Veja/Folha, assiste o JN e se considera super informado, acha o Serra o melhor governante de todos os tempos, acha que os 85% do povo que apoia o Lula são ignorantes, que o Chavez é mais ditador que o Mugabi, que FHC mudou o país e o Lula só deu continuidade, adora Reinaldo Azevedo e Mainardi, e entra nos comentários dos blogs vomitando o ranço direitista. O que me deixa feliz (e o que essa gente não se conforma) é que isso é a minoria! Viva o povo brasileiro!

  11. Rodrigo Duarte disse:

    O que o Flávio Penna falou realmente é uma tremenda bobagem. Tem gente que tem uma idéia errada sobre o comunismo ou sobre comunistas. Apesar de me considerar comunista, não me considero nenhum expert no assunto e é preciso ler muito, muito mesmo pra tentar entender 10% do que Marx quis dizer para nós. Porém de uma coisa não tenho a menor dúvida, comunismo não significa pobreza, de jeito nenhum. Se Marx pudesse pensar nos dias de hoje, todos teriam direito a ter um notebook em casa. Comunismo não é um retrocesso tecnológico. Ser comunista não significa que eu ou o Flavio Gomes ou qualquer um não possa ter um iate, não possa comprar uma Ferrari ou não possa jogar Playstation, uma coisa não tem nada ver com a outra, eu parto do princípio que ser comunista significa basicamente ter uma ideologia e praticar esta ideologia significa tentar explicar e disseminar ela para a tão sonhada Revolução do Proletariado.

    Diferente do que muita gente pensa, não seria nenhum pecado mortal almoçar na Ráscal. Aliás, eu adoro lá, muito bom.

  12. R/T disse:

    Ah é, o Ricardo acima levantou uma questão factual interessante, os USA são os maiores compradores de petroleo venezuelano, assim como foram um dos patronos daquele presidente boliviano que assinou aquele acordo em 1999, prontamente desfeito por Morales em 2006, que vendia BTU de gás a 1/10 do preço de mercado, ou seja, fazia caridade aos USA, a gente mesmo e a Argentina, as custas da riqueza contida no solo de uma Nação pobre, como é ainda a Bolivia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>