SOBRE A SÉRIE B | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

segunda-feira, 24 de agosto de 2009 - 14:04Futebol

SOBRE A SÉRIE B

SÃO PAULO (onde anda Belchior?) – Sábado, 80 mil pessoas foram ao Maracanã para ver o Vasco na Série B. Alguns anos atrás, num jogo da terceira divisão, o Fluminense levou mais de 100 mil ao estádio — não tenho os dados precisos, mas eles não importam. O Palmeiras caiu um dia e voltou nos braços de sua torcida, que passou um ano feliz da vida, assim como os torcedores do Atlético Mineiro, do Grêmio, do Botafogo, do Corinthians quando eles caíram, e depois voltaram.

O maior público da Portuguesa no Canindé nos últimos anos foi na decisão da Série A2 do Paulista. Na Série D, a torcida do Santa Cruz encheu o Mundão do Arruda nos três jogos.

Ninguém olha para esses acontecimentos como deveria. A análise futebolística no Brasil (e deve ser assim no mundo todo) é de uma chatice atroz, limita-se a números bobos, 3-5-2, 4-4-3, 3-5-1-1, “duas linhas de quatro”, essas merdas, cientificismo fátuo que se desfaz no primeiro chute errado, no primeiro frango, discussões intermináveis sobre o toque de mão no gol e o pênalti que não existiu. Não é novidade o que estou dizendo, há uma corrente de pensamento que acha tudo isso muito chato, mesmo, e há bastante tempo. E tem gente que adora.

Parece até maluquice alguém como eu, que trabalha numa emissora de esportes que fala 90% do tempo sobre futebol, dizer essas coisas. Mas vá lá.

O futebol é a torcida e o torcedor. A arquibancada. O melhor do Museu do Futebol em SP é ficar debaixo das arquibancadas vendo as torcidas do Brasil inteiro nos telões. O sofrimento, a alegria, o riso, o choro, o canto, o urro. O resto é acessório. E o problema da crônica esportiva, há séculos, é que ela não frequenta a arquibancada, e por isso não compreende a essência do futebol. A arquibancada é um mundo, é o universo em escala, é a vida no seu estado mais puro.

Não fosse assim, o que explicaria essa repentina paixão de torcedores magoados e feridos por seus times nas divisões inferiores? Longe dos holofotes, da tal de elite, dos noticiários, dos álbuns de figurinhas, da TV às quartas e domingos? Esse é um fenômeno, compreendido só por quem está lá.

Não há solidariedade maior do que a que se vê numa arquibancada da segunda divisão, ou num jogo do Juventus, ou do América do Rio. É o sentimento do recomeço, que a maioria das pessoas tem medo de assumir, a mudança de rumo e realidade que na vida real assusta e apavora. No futebol, ela é forçada, o torcedor é levado a ela independentemente de sua vontade, então só resta mesmo recomeçar. E é ali, na arquibancada, que se vive esse recomeço do qual a gente vive fugindo. Ali, ninguém tem vergonha de começar de novo, não há olhares de censura dos amigos e da família, estamos todos no mesmo barco, dispostos a trocar o carrão e o apartamento de quatro quartos pelo fusquinha e pela quitinete, é a chance de ser feliz com menos e se orgulhar disso.

Futebol é isso aí, Albert Camus é o único cara no mundo que entendeu o que é o futebol. E Carlos Alberto Parreira, por vias tortas, tinha razão. O gol é um detalhe.

85 comentários

  1. OSKAR disse:

    O MAIOR CHATO DO FUTEBOL, ADEPTO DO CIENTIFICISMO FÁTUO É O CELEBRADO PVC – O ANTI-NELSON RODRIGUES

  2. Alexandre disse:

    Lindo post. De arrepiar! Parabéns!

  3. Silvio Taka disse:

    Ingressos mais baratos aliados a um estilo de jogo mais puro, mais disputado: esse é o segredo da série B. É gostoso de assistir, e se for baratim, dá pra ir em todos!

  4. André Soares disse:

    Recomendo o livro Febre de Bola do Nick Hornby, torcedor fanatico do Arsenal

  5. Rodrigo Duarte disse:

    Boa, eu já frequentei muito arquibancada. Mas não sei não, claro que tem uma sensação gostosa, mas eu sempre fui daqueles que gosta de ver o jogo, ao invés de ficar pulando e agitando a camisa. Concordo sobre a sensação única do torcedor, é muito legal esse negócio de torcida, o torcedor é apaixonado, o time é pro resto da vida, de fato, “até que a morte nos separe”. Ninguém muda de time (ou quase ninguém).

    É difícil explicar, até porque o futebol é um meio bem podre, bem nojento, e a maioria dos times, que estão, infelizmente, infestados pela corrupção, tem torcedores fanáticos que vivem levando tapas na cara, sendo desrespeitados e mesmo assim vão até o fim com o time, tentam reerguer o time. Só um exemplo, Eurico Miranda no Vasco, não preciso falar mais nada né.

    Como em todo lugar, existem excessões e também tem uns animais, que se auto intitulam de “torcedores organizados”, esses na minha opinião usam o time como motivo para uma boa briga.

    Pra acabar, o futebol tem tudo isso de apaixonante que você citou Flávio, mas eu gosto de ver o futebol como uma coisa mais exata, como uma coisa que merece um estudo mais aprofundado. Claro que futebol não é ciência, impossível ter certeza, assim como todo esporte, pois estamos falando de homens, seres humanos, e desses não dá pra ter certeza de nada. Nada é previsível, nem a psicologia conseguiu. Senão, seria fácil acertar na loteria esportiva, só estudar futebol. Por outro lado, eu gosto muito e me divirto por exemplo com as análises do PVC, os lances de erros de arbitragem, os seus próprios comentários mesmo, Trajano, Soninha, Antero. Adoro aquele canal, os profissionais que compõe o canal e toda a programação, claro, adoro futebol.

    Só uma coisa, não lembro quem falou, acho que foi um ex-técnico chamado Tim, que essas coisas de esquema 4-4-2 3-5-2 e etc só podiam ser vistos em campo antes do apito do início da partida. Quando a partida começava, todo esse negócio de tática ia pro saco hehe. Acho que já ouvi o Armando Nogueira falando dessa história, mas não tenho certeza.

  6. Edmilson Fidelis disse:

    “Futebol é inteligência em movimento”.

    “Aprendi muito sobre os homens assistindo a jogos de futebol.”

    Estas frases são de autoria de Albert Camus, filosofo contemporaneo nascido da Argélia.

    Não conheço alguma obra sua que fale diretamente do futebol, mas sua paixão pelos esporte é bastante conhecida.

    Pela segunda frasa pode-se inferir que, indiretamente, tem muito do futebol em sua obra.

    Dizem que a primeira frase foi feita inspirada em Pele.

    Em tempo: Camus era goleiro em time universitario na Argélia.

    Futebol também é cultura. Cultura também é futebol.

    Agora falando o filosofo “Eu mesmo”:

    “Torcedor é tudo igual, só muda a camisa!”

  7. Fluminense 100 mil na Série C? Não sei não. O máximo que vi num jogo foi um público pouca coisa superior a 33 mil torcedores, numa partida contra o “possante” Villa Nova, de Nova Lima (MG), vencida pelo Flu por 3 x 1. Eu fui nesse jogo.

  8. WGE disse:

    E por isso que torço pleo AMERICA MINEIRO ….

    Falando nisso Flavio, ano que vem a gente se encontra na Série B … hehehe vamos invadir o Canindé …. hehehe

    Abraços.

  9. André disse:

    Não se esqueça que o Caxias lotou o estádio Centenário no mata mata da C contra o Guaratinguetá. Abraços

  10. Alan disse:

    Baixou o Nick Hornby no flavinho, mas disse tudo.

  11. João Ferreira disse:

    Parabéns Flávio, eu díria que tudo faz parte do folclore do Futebol, o gol, a torcida da geral do maracnã, o penalti que não existiu, enfim, estes comentaristas que vivem discutindo se´foi bola na mão ou mão na bola, se não fosse essa interpretação idiota, não existiria mais o comentário, seria um esporte seco que viveria de estátisticas frias que não significam nada, o que vale no futebol é a comparação de Pelé com Maradona, com o Garrincha, com os diversos Pelés genéricos ou alternativos por aí….

    Ou seja, num país que o futebol é jogado em qualquer lugar, num banheiro, telhado, cadeia, num lago gelado ou mesmo num estábulo e com uma bola de meia, um crânio humano, um sapato furado, tampinha de garrafa, etc….se um jogo não termina com o apito do arbitro, não tem graça.

    Parabéns…

  12. victor freire disse:

    fg, deu uma tristeza quando você falou do santa cruz… :~(

  13. Marilia Compagnoni Martins disse:

    falou tudo, o futebol é o torcedor e a torcida, e eu acho que vc é o único comentarista que vai ao jogo e senta na arquibancada….

  14. Saulo Novaes disse:

    Realmente inspiração é uma coisa que só vem de tempos em tempos, é como achar dinheiro na rua. Quando vem, só faz bem. Parabéns pelo texto. Não via esse seu lado há uns bons 3 anos.

    E entendo cada palavra, apaixonado por futebol que sou e como testemunha ocular da história, pois tive o prazer de entrar no campo naquela final da A2 e participei da Ave-Maria mesmo não sendo católico. Nessa hora não importa, deixei minha crença e meu time do coração em outra esfera para fazer jus aos dois sobrenomes portugueses nesse dia. No mesmo ano, voltei a ser sofredor com a queda do bretão mais brasileiro.

    Belas palavras escritas nesse post. Guarde-as. E não brigue com a inspiração novamente. Deixe as pavonices e ideias brejeiras de lado, deixe os outros falarem de máximos e machados e siga essa trilha aí. És um Flávio muito melhor.

  15. Levi Davet disse:

    Olha Flavio, acho tua visão coerente, mas eu admito que adoro discussões táticas, sei lá, é uma de muitas maneiras distintas de se enxergar esse fenômeno surpreendente complexo que é o futebol.

    É uma face mais técnica, mais fria, com a qual o torcedor pode até nem estar tão preocupado assim porque o importante mesmo é ganhar e tirar sarro do amigo no trabalho, mas acho legal quando se fala que fulano armou a zaga com três zagueiros sendo um na sobra, que siclano colocou o artilheiro no segundo tempo pra segurar os zagueiros do adversário, só pra ficar em exemplos simples. A gente fala disso o tempo todo em corrida também, oras! Que a Brawn rende mais no calor, que o Hamilton acaba com os pneus, que o Rubinho vai fazer um primeiro stint mais longo…

    O importante é falar de alguma coisa porque gosta. A paixão da torcida, a tática do técnico, a genialidade do craque, as discussões políticas, o mercado da bola, tudo isso aí e algo mais compõe o esporte e sempre vai haver alguém pra comentar cada um desses tópicos. Não dá pra ser radical. Só o que não dá pra fazer é falar sempre de tática, aí enche o saco mesmo.

    Agora, um dos comentários falou aí que o PVC não gosta de futebol brasileiro… Pô, isso é uma baita sacanagem com o PVC!!! O cara é colunista do Lance, participa do Bate-Bola, Linha de Passe, tem o Loucos por Futebol…

  16. Jeambro disse:

    É impressionante, mas para mim os dois melhores comentaristas esportivos do Brasil, é o Gerson e o Tostão, um tricolor das Laranjeiras e o outro cruzeirense, ou seja torcedores assumidos mas totalmente lúcidos em seus comentários, aliás o Gerson é o único comentarista que eu respeito a opinião quando fala mal do Vasco, pois sei que não tem ranço no seu comentário. Os demais, puxa vida que show de horrores, no Rio de Janeiro, um flamenguismo descarado, principalmente na emissora “oficial”, em São Paulo, um bairrismo inacreditável, principalmente na emissora que você trabalhou Flávio, a Bandeirantes. Os times ditos pequenos em São Paulo, como a Portuguesa, o Juventus, a Portuguesa Santista e outros tantos, não tem nem 30 segundos de notícia na programação diária. As cotas de espaço na programação são divididas proporcionalmente ao tamanho da torcida (business), ou seja, Corinthians o dia todo. Haja saco.
    Quanto à série B, tá bem gostosa de assistir, realmente os jogos são muito mais emocionantes.

    Ps. manda o Milton Neves, o Godoi, e o Paulo Morsa prá Sibéria com um Lada sem banco e movido a álcool (sem injetor de partida a frio), alugado em Chernobil. Eles merecem bem mais do que isso

  17. É. Faltou falar do Bahia, aí.
    Não que eu seja Bahia – não sou. Mas merecia *muito* a lembrança neste contexto.
    Engraçado que eu moro numa kitnet e tenho um fusquinha. E uma Tornado, vá lá. Mas, no futebol, sou Flamengo.

    []´s

  18. Torcedor brasileiro é tudo interesseiro, escolhe o time pelos títulos que ganha, quer dizer que se o São Paulo virar o Juventus da Moóca e não ganhar mais nada o cara larga o time??
    Realmente o futebol está muito chato, só se fala em “rumo a Tóquio” ou “tri-hexa soberano”, babaquice.
    Quando você fala que torce pra Lusa, os bobões da “elite” se assustam “nossa mas nunca ganhou título” ou “não conheço nenhum torcedor da Lusa” ou ainda (e pior) “por quê?” Ô cara quer uma explicação do porquê de torcer pra um time e não pra outro, como se isso fosse coisa que se explica.
    Ah se eles soubessem como é bom torcer pra Associação Portuguesa de Desportos…

  19. Alex disse:

    Queria, inicilamente, parabenizar o maravilhoso comentário do amigo Flávio, assim como também parabenizar os comentários, que aqui foram postados, de todos os torcedores apaixonados, pela sinceridade e pela sensibilidade. Ontem, assisti ao jogo Avai X Flamengo, e fiquei indignado com os pseudo-especialistas de futebol, que diante da vitória do Avaí, teimavam em tentar apresentar desculpas como, o “Flamengo tá desintrosado, esse time nunca jogou antes…”, quando bastava dizer simplesmente o que tinha acontecido, o Avaí foi mais time, mas não um time como o Avaí, ou Ceará, ou ABC, ou Remo, entre outros, jamais poderão vencer os “grandalhões” do nosso futebol, pois é ruim pros negócios, tiram a tv, tira o patrocínio, é por isso que a CBF está matando os campeonatos estaduais, onde ainda resisite um restinho do bom e velho “FUTEBOL PAIXÃO!!!”

  20. Marconni disse:

    A exposição da série A faz com que ela caia na mesmice. A primeira divisão tem cara de filme na Tela Quente, e a série B é uma sessão de cinema. Minha digníssima futura esposa (diz que) torce pro Corinthians, mas, baiana que é, nunca viu o time ao vivo.
    Hoje ela já nem tem as contas de quantas vezes viu o Bahia jogar (pelas séries B e C, e pelo Baiano)… No último, vencemos o Dragão do rapaz do post anterior, e ela tava lá pulando com a gente no segundo gol…
    O Bahia é (ou era, até um dia desses) o primeiro em arrecadação e um dos melhores em público desse campeonato. E assim vem acontecendo há anos.
    A prpósito, me divirto com V.Sa. no twitter que é uma beleza!

  21. joao plata disse:

    A torcida do Vasco é a 2ª mais bonita do Brasil!! Só perde para a do Brasil de Pelotas (que eu lembro que você comprou camisas pros seus filhos naquela bela cidade)

  22. Paulo disse:

    Este blog agora é de futebol ?

  23. GUI disse:

    As emissoras chamam a Série B de “segundona” ,e as coberturas são ridículas, só falam dos grandes que “caem”. E ainda temos que aguentar os comentários de Godoy, Milton Neves,Noronha, e outras moscas de bar. Ora bolas, acho a Série B muito mais emocionante que a Série A. Quem assistiu Campinense 2X2 Paraná e Campinense 3X3Lusa,sabe o que estou dizendo. Isso sem falar na C e D. Os jogos são mais emocionantes, há mais torcedores nos estádios e há respeito entre as torcidas. Infelizmente meu time tá na lanterna. Mas vamos sair dessa no segundo turno. Viva a Série B. Avante Campinense!!!

  24. Mário Mesquita disse:

    E eu, tricolor, já estou de cabelo em pé com a lanterninha…

    Aqui, já estamos cantando pro time do Fluminense:

    “voce não vale nada, mas eu gosto de voce”…

    Assim vamos acabar disputando o “torneio sanduiche”, jogando com Mixto, Bauru, Americano…

    Acorda, Fluzão!! Fora Horcades! Fora Celso Barros! Fora Renato!

  25. Roberto disse:

    FG, vale lembrar que eles (mídia exclusiva do futebol brasileiro) não deixam que emissoras de esporte de verdade transmitam os jogos, como é o caso da ESPN. Um exemplo de que eles só fazem lob pra quem querem é o caso do Lateral Daniel Alves, quem acompanha a ESPN sabe da trajetória do rapaz, aí me vem um reporter da Globo, falando besteira tratando-o como se fosse um mero desconhecido, aí o público que tbm só acompanha pela tv aberta fica engolindo tudo que eles falam.

  26. Daniel disse:

    Concordo Flávio quem se afasta da arquibancada se afasta do futebol real. Fui ao Maraca como vou em todos em São Janu. O Vasco tem um ingrediente a mais que me motiva a sair de casa que é ficar livre de vez do Eurico. Se o Vasco subir bem o Eurico está enterrado.

  27. Marcos Vinícius Valerio disse:

    Concordo plenamente !!!! E digo mais, enquanto as emissoras insistirem em deixar esses dinossauros comandando debates esportivos vai ser assim. É duro a gente que é torcedor de verdade e apreciador do futebol na sua mais pura essência não ter vez nem voz.
    Quem poderá nos defender?
    Quando irá aparecer na nossa imprensa televisiva alguém que faça pelo nosso futebol o mesmo que fazem nos Estados Unidos pelo basquete? Ou seja, priorisam o espetáculo, o talento. Engradecem o feito de um time pequeno quando este bate um grande ao invés de caçar as bruxas do grande quando é derrotado pelo pequeno.
    Quando irão aprender a mostrar a alegria da arquibancada no momento de um gol ao invés de só mostrar a cara do jogador ou o técnico?
    Meu sonho é ver um dia, nosso futebol que é o melhor do mundo, sendo praticado, administrado e explorado da melhor maneira possível, por profissionais, e não por idiotas limitados que mesmo depois de décadas de profissão mostram ao vivo numa transmissão que aindam não sabem que um impedimento acontece no momento do lançamento e não ao receber a bola.

  28. Martins disse:

    O mais bacana é ver famílias se confraternizando com outras famílias que nunca se viram e talvez nunca venham a se ver.

    No sábado foi assim: 80.000 vascaínos de todas as classes, uma enorme quantidade de mulheres e crianças, torcendo na maior alegria e paz.

    Alguém soube de alguma confusão? Pois é, não houve mesmo… maravilha de exemplo.

  29. Felipe Trench disse:

    Flavio, para variar, brilhante coluna sobre futebol. Aliás, você poderia elaborar um livro de crônicas e esta deveria estar entre elas.
    Parabéns, compartilho com você dessa idéia sobre futebol.

  30. Ernesto disse:

    Eu só queria ver o Fla na série B só prá ver se ele coloca mais de 100 mil no maraca.

  31. Didier Pironildo disse:

    Os jogos da série B são muito melhores que os da série A. Certeza absoluta, independente dos times em campo.

  32. ELIAS DA SILVA disse:

    HOJE OUVIR FUTEBOL É EXERCICIO DE PACIENCIA POS A MAIORIA DESSE PESSOAL OCUPA O TEMPO FALANDO BOBAGEM E FALANDO MAL DE SEUS INIMIGOS NO FUTEBOL,ENCHERGAM FALTAS ONDE NÃO VEMOS,IMPEDIMENTO ONDE NÃO EXISTE MESMO OS TELEVISIVOS COMETEM ERROS ABSURDOS MESMO COM A IMAGEM PROVANDO O CONTRARIO,ELES SABEM TUDO E NÃO TENTEM PROVAR O CONTRARIO,TODOS SÃO IGUAIS AO GODOY JORNALISTA DA BAND , COMENTARISTA DE ARBITRAGEM QUE CHINGOU O GOLEIRO FELIPE DE FDP AO VIVO EM UMA TRANMISSÃO DA TV,POR FIM TA DIFICIL ACOMPANHAR ESPORTE NA MIDIA BRASILEIRA ,POS ELES SE ACHAM OS MELHORES TREINADORES,JOGADORES,ARBITROS ,TORCEDORES ELES SÓ NÃO SÃO OS MELHORES JORNALISTAS.

  33. Adriano Silva disse:

    Concordo plenamente com o Flávio. Fui no jogo Ceará x Atlético-GO no Castelão, em Fortaleza, e é realmente muito bom ir num estádio e aprender sobre o verdadeiro mundo do futebol.
    O futebol na TV é uma m…., tanto que desisti de ver futebol na telinha, sá abro exceção para a final da Uefa Champions League e para a Copa do Mundo.
    Meus esportes agora são Futebol Americano, Baseball, Hockey no Gelo, NBA, Automobilismo e Motociclismo.
    Futebol, só no estádio.

  34. O comentário do Rogério Magalhães é perfeito. Torço pra Ponte e é a mesma sensação.

    Só que eu desacorçoei do futebol. Tá tudo uma verdadeira merda.

  35. gustavo Paioli disse:

    O Vasco e o Atletico-GO são coadjuvantes pois o astro principal é o Bugrão que deu uma de morto para arrancar de vez no segundo turno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>