BUS STOP | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

terça-feira, 4 de maio de 2010 - 17:57Bus Stop

BUS STOP

SÃO PAULO (tinha TV de plasma?) – Que tal o motorhome da BRM clicado em 1971, em foto enviada pelo Fábio Mandrake? Aliás, Yardley, se minha memória afetiva não me trai, era marca de perfume. Ou sabonete, talco, algo assim. Confere? Existe, ainda?

54 comentários

  1. Foster Móz disse:

    yardley era ou é concorrente da Revlon, marcas de cosméticos
    par os saudosos, Peter Revson era filho do dono e precisou mudar o nome pra poder correr

  2. Spada disse:

    Yardley eram cremes.

  3. Fernando Dalla Palma disse:

    FG o forte é sabonete, tenho uma caixa nova deles. (linda por sinal)
    Se tiver interesse mando a foto por email.
    Abraços.

  4. Fefo disse:

    Isto ainda existe, no Rally dos Sertões as equipes mais pobrinhas ainda usam os motor homes dos anos 70, é o maior barato. Já fui 3 vezes numa equipe de apoio e não tem nada melhor do que atravessar o país num motorhome. Bem, talvez tenham coisas melhores, mas bem menos divertidas…

  5. É ilusão de ótica, por causa das faixas e do teto abaulado. Eu só usava Avanço. Na mulherada. Abraço.

  6. Du Oliveira disse:

    É impressão ou o formato do onibus está acompanhando a curvatura do barranco?

  7. Evandro disse:

    Houve uma época em que havia a Yardley Mclaren e a Marlboro Mclaren, 2 equipes distintas e carros idênticos.

  8. Evandro disse:

    Houve uma época em que havia a Yardley Mclaren e a Marlboro Maclaren, 2 equipes distintas e carros idênticos.

  9. André disse:

    Alguem aqui em casa tem um talco da Yardley…

  10. Fabao disse:

    Parece que a Yardley mudou de donos e existe na Inglaterra ainda

    • jotaefe disse:

      Sim.Com novos donos voltou ao mercado inglês.
      Entretanto, devem ter mexido na fórmula porque o produto atual não chega nem aos pés do original.
      Que saudades daquela loção pós barba.

    • O Peter Revson era o unico herdeiro de um Imperio que na epoca… na decada de 70 era avaliado em 1 Bilhão de dolares… era uma coisa espertacular.

      A familia era chocada com essas coisas de corrida, se não me engano ele tinha um irmão que morreu em um acidente de corrida entre 67 e 68.

      Coisas da vida…

      Imperador

  11. Clezio Soares da Fonseca disse:

    Hoje em dia, na falta de todos, uso ” Tarco e Verva” mesmo.

  12. Clezio Soares da Fonseca disse:

    Yardley já usei, mas o meu preferido era a loção após barba e a colonia “Canoe” da Dana Cosméticos, aquela que tinha um veleiro cheio de bandeiras na ilustração. Depois, por não encontrar mais, comecei a usar Denim, a mesma que patrocinava Nigel Mansell na Willians e o Piquet.

  13. Silvio Rodrigues disse:

    O que diabos esse cara está fazendo? Alguém sabe?

  14. Rodolpho disse:

    Yardley era uma marca de cosméticos masculinos (perfumes) da Revlon, que pertencia a familia Revson, cujo filho Peter, era piloto da BRM, no domingo da primeira prova de F1 no Brasil em 72 (?) , foi o primeiro carro a entrar na pista para o Warmup, motor v12 ou 16, não lembro, mas o roncoe o estrondo na reduzida no final do retão, nunca vou esquecer.

    • Trololo Man disse:

      Acho que se confundiste, Rodolpho… Peter Revson corria sim num carro patrocinado pela Yardley, mas não era BRM, mas sim a McLaren de 72-73 (a BRM tinha patrocínio Yardley em 70-71, passando a ser Marlboro em 72-73).

    • Caique Pereira disse:

      Rodolpho,

      Em 1972, aqui no Brasil, a BRM já tinha o Patrocínio da Marlboro e vieram Niki Lauda, Helmuth Marko, Holden Ganley e Beltoise (tenho fotos que fiz, do Lauda sendo rebocado para os Boxes no Warm-up). Quem em 1972 usava o Patrocínio da Yardley era a Mc Laren, com Hulme e Revson. Ao longo do ano de 73 se juntou o Jody Scheckter. Em 74 a Marlboro foi para a McLaren e a Yardley ficou na McLaren semi-oficial com o Mike Hailwood.

      Abraços!

    • Transformation disse:

      Ele corria com outro nome porque a F1 nessa época era mal vista pelos politicamente corretos, tanto de direita. como pela esquerda.
      Peter Revson se considerava um egocêntrico por se dedicar a fazer o que gostava. Incrível como as coisas mudam em 40 anos…

    • O nome da Familia era Revlon, segundo a lenda, o Peter Revlon mudou o seu nome por causa da familia… que era contra esse negocio de corridas.

      Ele morreu em um acidente em Kyalami no ano de 73 pilotando uma Shadown

      Abraços

      Imperador

    • rubem rodriguez gonzalez disse:

      Aproveitando o gancho vou me retratar, realmente ele morreu testando um UOP-SHADOW em treinos livres no circuito de Kyalami em 1974 conforme afirmou corretamente o preto. acho que só tinha uma meia dúzia de pilotos testando naquele dia inclusive um deles era o Emerson, que junto com Grahan Hill foram tentar salvar o piloto, lembro bem disso pois eu tinha a quatro rodas – quando ainda era uma revista de verdade – da época que vinha com aquele suplemento legal das corridas de F-1com a cobertura total do acidente.

      Bizarro é que apenas 03 anos depois o seu sucessor na equipe o galês Tom Pryce morreu tragicamente em outro Shadow em um dos acidentes mais inusitados da categoria, o atropelamento de um bandeirinha que morreu instantaneamente e matou o piloto com o extintor de 30 kg que carregava no momento. Assisti essa corrida -que tinha a particularidade de ser aos sábados- ao vivo e lembro bem que o acidente foi tratado com banalidade pela cobertura da tv, só ao final da transmissão é que veio a notícia do ocorrido, essa também foi a ultima corrida do grande J.C. Pace, o nosso grnade Môco que ameaçava estourar nessa temporada de 77, coisas da vida…….

  15. 1V3N disse:

    Ironia do destino, Peter Revson (na verdade, Revlon) correu patrocinado pela Yardley!

  16. 1V3N disse:

    O Busão podia ser perfumado, mas estava podre. Ó o meca fazendo o reparo!

  17. edu disse:

    bons tempo quando a F1 era esporte e não negócios

  18. rubem rodriguez gonzalez disse:

    Linda a pintura sóbria dos carros da Yardley, o mais engraçado é que a empresa de cosméticos patrocinava o Peter Revson, que na verdade era Peter Revlon, herdeiro e dissidente da família que para desgosto da família e contrariando a todos foi correr de automoveis ao invés tocar os negócios da empresa, daí o Revson. Tal e qual um tal de Nelson Piquet Soutomaior que mudou várias vezes a grafia do seu sobrenome para não vincula-lo tradicional família que não queria seu nome associado a essa profissão “maldita” que na realidade era vista com maus olhos pelas elites, era coisa de vagabundo e rebelde sem causa.
    Interessante ainda mencionar que foi a bordo de um Yardley – só que era um Mclaren M23 – que o Peter Revson perdeu a vida em um treino livre na pista de Kialamy na Africa do Sul em 1974, esse apesar da fortuna era um verdadeiro bota e não chegou a categoria máxima montado em malas de dinheiro, foi na base do talento mesmo. Playboy mas talentoso…. fazem falta esses espécimes raros na categoria, a categoria sempre teve alguns deles normalmente fechando o grid . Mas de vez enquando aparecia um igual ao Revson.

    • vitão disse:

      Ricky Van Opel , por exemplo.

    • rubem rodriguez gonzalez disse:

      Bom exemplo vitão. um ótimo dublê de playboy e último no grid… mas também era legal ver playboys, mecenas e baitolas tipo o lorde Heskerth manter uma equipe de F-1 – e competitiva! – apenas para para manter o seu blond boy o James Hunt, o legal é que da “parceria” aboioladea surgiram um bom piloto – nunca podemos chamar um campeâo do mundo de piloto ruim – e uma equipe que foi de ponta, tendo seu expoente máximo no gp da Holanda de 1975 com a vitória do Hunt pilotando um carro próprio, isso depois de correrem algumas temporadas com carros alugados da March.
      Taí uma boa receita de superávit e competitividade: uma Force india hoje se equivale ao que era a March na época, era melhor fabricar mais alguns carros e vende-los para essa rabeira do grid pelo menos até essas equipes aprenderem a fazer carros ou quebrarem, o que acontecer primeiro. Ao menos teríamos todos os pilotos disputando mais ou menos a mesma categoria, hoje aquilo que se disputa lá atrás é na melhor das hipóteses a F-1B……..

  19. leandro 440 magnum disse:

    Impressão minha ou o teto é curvado?

  20. Very disse:

    Parece que a foto foi tirada ontem!

  21. Flávio Mascarenhas disse:

    Yardley of London, marca de cosméticos existe desde 1770.

  22. Joca disse:

    A BRM era uma das mais ricas equipes da F1, e chegou a ter 5 carros no grid. E tinha essa chimbica como Motor Home. As coisas mudaram um pouquinho…

  23. preto disse:

    Delirei,Revson era herdeiro da Revlon,concorrente da Yardley.

  24. preto disse:

    A Yardley,era ,não sei se ainda existe,uma grande, da industria dos cosméticos.Patrocinou tambem a Mclaren e um de seus herdeiros,Peter Revson ,foi piloto de F1 na Mclaren,onde ganhou 2 GPs, em 73,mas morreu em 74 ,testando a Shadow ,sua equipe na epoca,para o GP da Africa do sul.

  25. Rodrigo Lombardi disse:

    “Não olhe agora, John, mas tem um motorhome em cima de você.”

  26. Fernando Kesnault disse:

    Perfumaria Yardley. O norte-americano Peter Revson corria pela equipe Yardley McLaren e era ao mesmo tempo, herdeiro da perfumaria Revlon, coisas do destino….

  27. Humberto Corradi disse:

    Foto excelente! O cara embaixo consertando alguma coisa, o piso de terra batida e as cores diferentes da equipe. Muito bom.

    Valeu

  28. Carlos OLsen disse:

    Yardley era a principal concorrente da Revlon
    no ramo de cosmeticos nos EUA.
    O dono da REVLON, tinha um filho chamado Peter Revlon
    que corria de formula 1com o nome de Peter Revson na
    equipe Yardley McLaren, com Dennis Hulme como companheiro de equipe, isto no ano seguinte da foto,
    em 1972. Um bom piloto…

  29. Antonio Carlos disse:

    Era perfume do bom, usei muito nos anos 70. Se ainda existe, não sei.

  30. Fábio Mandrake disse:

    Existe sim Flávio, só que agora a Yardley London pertence a um grupo asiático mas mantém suas linhas de perfumes, sabonetes e talcos, eu mesmo tenho um vidro antigo de loção pós barba com o grande Y estilizado igual ao do motorhome.

    Abraços

  31. Adal Avin disse:

    Marca de cosméticos masculina. Eu usei o seu creme de barbear por vários anos, vinha num pote de madeira, e não em bisnagas, e era excelente!

  32. Fabio Farias disse:

    Cosméticos, rival da Revlon, e o Peter Revson que era da familia proprietária da Revlon (o nome já diz) era piloto da equipe Yardley BRM…..

  33. JCMATTIOLI disse:

    Uau!!! Usei muito a “Yardley London English Lavender”, um clássico dos anos 70s. Yardley é uma das mais antigas empresas de cosméticos do mundo (desde1770). Em 1910, estabeleceu-se Bond Street (aquela, do Sherlock) e tem duas Royal Warranties´, que Sua Majestade concede à empresas com produtos de alta qualidade. Para variar a marca foi adquirida por uma rica familia asiática (2005)… Curioso que na década de 70 patrocinava a McLaren, pilotada pelo Peter Revson, herdeiro da americana Revlon, outra potência dos cosméticos.

  34. LBM disse:

    Yardley é da área de perfumaria. Patrocinava a McLaren na época.

  35. Regi Nat Rock disse:

    Que eu me lembre era loção pós barba.
    Mas tinha uma linha extensa de produtos, perfumes, e por aí vai. Alguma das gigantes comprou a marca acho que foi a Revlon

  36. Aliandro Miranda disse:

    Será que o cara ali embaixo morreu?

  37. chris amon disse:

    marca de cosméticos, rival da revlon..acho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>