FILME TRISTE | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

segunda-feira, 27 de setembro de 2010 - 22:15Cinema

FILME TRISTE

SÃO PAULO (tudo acaba) – Não seria honesto dizer que fecharam meu cinema. Tenho um escritorinho neste prédio há 14 anos e fui uma única vez ao Gemini nesse tempo todo. Nem lembro o que fui ver. Mas antes, bem antes, costumava, sim, assistir a uma fita ou outra numa das duas salas. Confortáveis, grandes, com cheiro de pipoca. Gemini. É um ótimo nome para um cinema. Na porta do prédio na Paulista e na outra entrada da galeria, pela Joaquim Eugênio de Lima, havia sempre um letreiro com as atrações em cartaz. Sempre dois filmes. Foi assim desde 1975, quando o edifício Sir Winston Churchill foi entregue à cidade, com sua fachada de mármore e aparelhos de ar-condicionado espetados nas janelas. Um belo prédio, que atravessa o quarteirão e tem uma terceira entrada, pela alameda Santos. No coração da metrópole. No centro do universo, bem no meio da Paulista, onde tudo acontece. Onde se comemoram títulos de futebol, onde Lula fez seu primeiro discurso, nas escadarias da Gazeta, depois de eleito em 2002. Onde acontecem manifestações, passeatas, carreatas, quebra-quebras. O centro do universo.

Não, não seria honesto dizer que fecharam meu cinema. Eu não era um habitué. Mas sempre foi reconfortante chegar todos os dias para trabalhar e observar os cartazes na porta, para prometer a mim mesmo que aquele filme eu veria amanhã, ou depois, e nunca via, mas eles estavam sempre lá. Era reconfortante ver na bilheteria as meninas quase sempre mal-humoradas esperando pela plateia que também nunca chegava. Era reconfortante ver, no meio da tarde, casais clandestinos esgueirando-se pelo saguão e subindo as escadas rápido para sessões quase particulares ao cheiro da pipoca e com gosto de drops Dulcora. Existem ainda os drops Dulcora?

Foi ontem, não sei bem com quantas pessoas em suas poltronas já puídas, assim como o carpete colorido, anos 70 na veia, psicodélico, moderno, que o Gemini fechou. Eram duas salas para 379 pessoas cada. Um sobrevivente da era em que os cinemas ficavam nas ruas. Na verdade, de uma segunda leva, já. O Gemini não era propriamente um cinema de rua. Ficava na galeria comercial de um prédio, assim como havia alguns outros em shoppings da Paulista, assim como ainda sobrevivem algumas salas no Conjunto Nacional. Quando foi inaugurado, os cinemas de rua do centro da cidade já viviam seu ocaso. Hoje, os cinemas estão nos shoppings monumentais com seus sistemas de som Dolby, imagens em 3D e combos de pipoca e refrigerante que custam mais que a entrada. Veja o filme e compre a calça jeans na saída.

Parece que havia anos que os donos das salas não pagavam aluguel, ou contestavam valores na Justiça, ou tentavam expulsá-los do prédio, queriam fazer uma igreja, uma dessas brigas sem fim. E enquanto os tribunais não resolviam as questões, o cinema permanecia aberto para quase ninguém, e uma hora a conta não fecha, mesmo. E se a conta não fecha, que se feche o cinema. Vão-se as moças da bilheteria, o cara da pipoca, a menina que vendia drops Dulcora, o operador dos projetores. Cinema Paradiso.

Passei por lá agora. Há um cartaz feito numa impressora de computador. ATIVIDADES ENCERRADAS, diz o papel fixado pelo lado de dentro do vidro fumê da bilheteria, com um endereço de e-mail embaixo para quem quiser alguma informação.

Desconfio que ninguém vai querer informação nenhuma. Desconfio que só eu me importo com essas coisas.

88 comentários

  1. V. Maghetti disse:

    Eu morei próximo ao Gemini durante meus primeiros trinta anos de vida (tenho 58), e lembro-me de sua inauguração e do sucesso que fazia no bairro, com suas paredes e poltronas revestidas em tecido listrado de tons fortemente coloridos, bastante modernos em uma época de cinemas com poltronas revestidas em tecido monocromático. As poltronas atrás do acesso, duas em cada fileira, eram disputadas pelos casais, pois permitiam certo isolamento.
    Frequentei o Gemini desde sempre, mesmo nos últimos tempos, quando ele exibia filmes que estavam saindo de cartaza, o que era ótimo pasra quem os havia perdido no circuito “principal” de cinemas.

    Só posso lamentar o seu fechamento, vai fazer muita falta!

  2. Johnny Menacci disse:

    Fui ao Gemini uma única vez em 2001 para ver “Gladiador” com uma amiga. Era um domingo à noite, chuvoso. Cheguei em cima da hora. Subimos as escadas correndo e chegamos na sala já com o filme nos letreiros iniciais. Nem deu tempo de reparar na decoração, nos detalhes. Infelizmente não terei mais a oportunidade de ver algum filme e de reparar nos detalhes, pois o Gemini fechou, que pena…

  3. Ivan disse:

    Esse caso me lembrou outro parecido em Salvador…

    O ART era um cinema (na verdade eram 2 geminados) que fez parte da minha adolescencia. Pra mim era o melhor que tinha, até hoje nenhum “multiplex” conseguiu chegar perto do conforto e da qualidade do ART.
    Ar condicionado gelando, tela de boa qualidade e sim excelente. A pipoca era baratinha e o pessoal super simpático….

    Era bem localizado, no centro de Salvador e ainda tinha uma espécie de praça na frente, lugar para estacionar, tudo muito bem organizado.

    Mas o ART perdeu espaço para os cinemas de shopping, e assim como o Gemine, foi caindo aos poucos, sessões cada vez mais vazias até o fechado e a relocação para a Igreja da Bispa Sonia (aquela mesma).

    Triste

  4. Anderson disse:

    Pode-se dizer que tenho sentimento parecido com esse do Flávio….por qse 5 anos trabalhei no mesmo prédioe dps mais um ano na Alameda Santos qse na entrada da galeria…e todos dias via os filmes a serem exbidos…essas salas não deveriam fechar,eu acho um porre assistir filme em shoppings,muita gente mal educada,aborrescentes que não fazem silêncio e assim por diante!

  5. Egon Kniggendorf Jr. disse:

    Ah Flavio… você fala que “acho que só eu me preocupo com essas coisas” já sabendo que vai ser uma choradeira danada aqui entre os posts.
    Como pode alguém nascido antes da década de 70, que more em São Paulo e que nunca tenha ido ao Gemini???…
    Eu ia muito com minha namorada atual esposa, de moto e depois sentávamos nos diversos bares na calçada, pra tomar chopp e conversar.
    Ah que saudade… como os gostos e pequenos prazeres eram mais românticos e simples que os de hoje.

    Realmente dá saudade. Muita.

  6. Adriano Silva disse:

    Lembro de ter feito um curso de Banco de Dados Oracle no prédio, em 2004.
    Era todo sábado e o dia inteiro; quando voltava do almoço sempre olhava o que estava em cartaz no Gemini e sempre prometia ver algum filme lá, e nunca fui.
    Cá estou em Fortaleza há 2 anos, praticamente, e fiquei arrepiado com esse relato do FG.
    Às vezes, sinto como se a vida fosse piorando com o tempo, mesmo com a sensação de que ela está melhorando.

  7. Andre Decourt disse:

    Os que acompanharam o fechamento de quase todos os cinemas de Copacabana sabem muito bem o que é isso. Até hoje para mim é inconcebível pegar um carro para assistir um filme num shopping lotado, ou até mesmo em um bairro vizinho, que tem alguns cinemas “cabeça” na rua. Se todos fossem iguais a mim os cinemas de shopping já teriam fechado e os de bairro voltariam

  8. Waner Jr disse:

    Certeza que alguma Igreja Evangélica comprou; na minha cidade 2 Cinemas no centro foram comprados pela Universal

  9. Luis Filipe disse:

    só mais uma coisa … minha primeira vez vingou depois de uma seção no gemini …

  10. Luis Filipe disse:

    pou … que pena …. é uma parte da minha historia que se fecha … lembro de assistir filmes por lá , Pela facilidade de quando se é garoto … Marcava-se com a namoradinha por ser fácil de chegar; dinheiro contado, tinha o certo para a entrada minha, o da menina e ida e volta do onibus. no máximo sobrava para um refri … mas era muito bom ir ao gemini , trocar os primeiro beijos, amassos …

  11. Carlos Romero disse:

    Flavio eu queria saber o end. de e-mail que estah no aviso! Seria possivel informar?

    Bem comentando sobre o Gemini…

    Eu sou mais um dos poucos que se interessa por coisas que fizeram a “historia” do nosso cotidiano paulistano!

    Sinto pelo Gemini ter encerrado as atividades. Esse cinema era um dos poucos antigos e tradicionais cinemas, dos anos 70, que costumava a frequentar.

    Enfim tudo tem seu ciclo e um dia esse ciclo se encerra!

    Por favor se puder nos informe o end. de e-mail!

    Grato!
    Carlos

  12. Murilo disse:

    Juro que tentei escrever algum texto que se aproximasse da sua definição do Gemini…Mas não consegui….O Gemini foi o cinema onde aprendi a namorar em cinema, a comer pipoca da velha pipoqueira, a levar moleton para alcochoar o braço da cadeira na hora do amasso (alguém lembra ainda o que é um amasso?) mas não consegui. Obrigado por descrever o que senti ao fechar este cinema. Um pedaço do meu coração que se foi….Não engulo esta balela que cinema na Av.Paulista não dá lucro, claro que se não se modernizar não vai prá frente, mas só cinema em shopping???? Lamentável…..
    Mais uma vez, obrigado Flavio pelo Texto e OBRIGADO GEMINI….

  13. Pedro Paiva disse:

    Nasci em SP e durante muitos anos cinema pra mim era Gemini, Center 3 e Astor. Todos na Paulista. O Astor era o melhor de todos. Além de enorme, tinha uma armadura medieval “de verdade” no saguão!

  14. Ze Augusto disse:

    Fiquei chateado com essa noticia,pois estudei no objetivo nos anos 80,ia sempre no cinema,vezes pra namorar e outras pra matar aula.
    Qto ao Vitor só é nostalgico quem tem passado,vc é novo ainda um dia entenderá!

  15. Rodrigo Duarte disse:

    Eu me incomodo. Já fui ao Gemini algumas vezes, para mim sempre foi mais fácil, pois meus pais moram na Joaquim Eugênio de Lima e podia ir a pé ao cinema. Mas reconheço que nem me lembro da última vez em que frequentei este cinema tão simpático e acolhedor. É uma pena.

  16. Fernando Gilliatt disse:

    Tb fiquei triste… Sempre que algum filme legal saia de cartaz antes de eu ter visto, ficava de olho na programação do Gemini que lá aparecia!!! Os dois últimos que vi foram assim… O Segredo dos Seus Olhos e Tudo Pode Dar Certo… Enfim, eu já tava meio preparado pra isso… Todas as sessões eram muito vazias e uma hora ia acontecer… Uma pena pois era dos poucos lugares em que o cinema era o principal, sem a barulhada das pipocas e celulares e falatórios imbecis típicos das salas big blaster dos shopings….

  17. Roseli Lopes - São Bernardo do Campo disse:

    Esse cinema Gemini era muito aconchegante. O que eu mais gostava nele eram as fileiras das pontas. Tinham somente duas poltronas. Perfeitas para os namorados assistirem sem ninguém ao lado. Nessa época (anos 80) você pagava a entrada e assistia a todas as sessões, se quisesse. E escolhia o lugar. Bons tempos em que assisti “Os caçadores da arca perdida”, “ET”, “Goonies”, “A cor púrpura” e outros, mais de uma vez com o mesmo ingresso.

  18. Willian disse:

    Assisti dois filmes no Gemini e me arrepiei ao ler esse relato… Grande perda para a cidade de SP.

  19. RCRG72 disse:

    Olha, também tenho uma estória. Um dos mais antigos cinemas de Teresópolis-RJ, minha cidade natal, fechou há alguns anos quando eu ainda morava lá. Em seu lugar abriu uma igreja universal, PQP!

    E pasmem, Teresópolis ficou por pelo menos uns 5 ou 6 anos sem salas de cinema, se não me engano.

    Incrível heim! E quando inauguraram um novo shopping, veio o novo cinema. Mas o novo não tinha as grandes lembranças do antigo.

  20. Fábio Peres disse:

    Bom, tempos modernos: hoje não se comemoram mais títulos na Paulista, nem Lula faria mais discursos por lá porque não pode; os cinemas dos shoppings ganham espaço sob os antigos, que se tiverem sorte virarão igrejas neopentecostais modernosas; e as ruas do Centro e proximidades ficam cada vez mais degradadas, abandonadas pelas novas gerações que vão, de lugares fechados em lugares fechados, deixando as ruas à sua própria sorte.

    Pois é … que sina …

  21. @ndrebz disse:

    O Gemini fechou, com o drops Dulcora não sei o que aconteceu, mas as lembranças ficam para sempre, com certeza.

    http://www.youtube.com/watch?v=Efe20Mz2AQU

  22. Mauricio disse:

    Poxa , todo santo dia passo em frente vou jantar no top center e cruzo a galeria, uma pena mesmo , mas To achando que vai virar praça de alimentação , sei não!

  23. A última vez que fui no Gemini foi já há bastante tempo, para ver “A Última Noite”, que viria a ser o último filme do Altman. Acho que não poderia ser mais apropriado…

  24. Trabalho há 03 meses no prédio em frente à porta da Al. Joaquim Eugênio de Lima.

    Desde o primeiro dia estava querendo ir conhecer este cinema. Cheguei a perguntar pra namorada qual filme gostaria de ver.

    Fechou antes de eu ir assistir.

  25. Cesar disse:

    Poxa, Flavio, em 14 anos vc poderia ter ido mais de uma vez ao Gemini. Quem sabe os caras não teriam quebrado. Lamentar agora é tarde.

  26. João Jesus Teixeira Junior disse:

    É Flavio…..parece que de antigo apenas vamos ter a CC e a CCC. Ninguém tem respeito pela história ou pela memória do passado. Vamos em frente. Não adianta reclamar.

    abraço

  27. Jeambro disse:

    Nâo tenho paciência para ir em cinemas nos shoppings, coisa mais chata, em vez de diversão você tem só aborrecimentos, trânsito, fila para entrar no shopping, estacionamento, fila para comprar ingresso, fila para entrar, cinema apertado, fila para sair, mulher falando na cabeça para jantar por ali mesmo, fila pra comprar comida. Não, sinto muito não dá mais. Cinema na rua era muito melhor, ia toda semana.
    Agora só assisto filme em casa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>