MENU

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011 - 11:49Dica do dia, Indústria automobilística

DICA DO DIA

SÃO PAULO (inacreditável) - Quem mandou foi o Ricardo Divila. Dois fotógrafos franceses publicaram no final do ano um livro que retrata a decadência de Detroit, antiga capital mundial do automóvel. Algumas fotos estão aqui. É chocante. Os EUA estão acompanhando ao vivo a morte lenta e gradual de uma cidade inteira. E, aparentemente, ninguém faz nada. Deixa-se o mercado cuidar de tudo. Da vida e da morte. As grandes montadoras foram fechando suas fábricas, engolidas pela concorrência asiática, milhares de pessoas foram perdendo seus empregos, emigraram, largaram tudo para trás.

Tenho enorme curiosidade para saber como é viver em Detroit hoje em dia. Alguém aqui passou por lá recentemente?

94 comentários

  1. Filipe disse:

    Impressionante como o flime Robocop previu isso no final dos anos 80, agora so falta uma companhia(OCP), transformar em uma nova cidade, e dar outro nome a ela, eu sugiro Delta City, igual do filme, uma pena, uma cidade que era o berço da industria automobilistica

    • Ze Ruela disse:

      Filipe, a cidade ainda eh muito rica ao contrario do que a visao simplista das fotos traduz. Va ateh Grosse Point ou BLoofield Hills e veja um modo de vida que vc nao acredita que exista. Um indicador: Ferraris, Bugattis e outros, dormindo na rua, no inverno. E nem eh pelo gelo e frio mas pelo fato que a poder publico convive com o gelo utilizando toneladas de sal pra derrete-lo. Carros que no Brazil so se encontram na Avenida EUropa, no salAo do Automovel OU em Jurere Internacional sao literalmente DERRETIDOS como daily drivers sem doh nem piedade… Venha visitar e avalie vc mesmo.
      A OCP estava errada, rsrsrs.

  2. Zéca disse:

    Independente do assunto, decadência e suas causas, vejo a mais sensacional galeria de fotos dos que encontrei nos últimos tempos.
    Se fosse um parque temático eu, com dinheiro, seria o primeiro visitante.
    Mas os blogueiros que vivem ou visitam a cidade têm razão, a livre concorrência transforma os ambientes, cria novas oportunidades e se renova, é só acompanhar.

  3. Gilberto disse:

    Estive em Detroit recentemente, a cidade tem realmente vários pontos degradadados, algo difícil de ver em cidades americanas, ao menos no nível de abandono em que estão.
    Mas em alguns pontos já aparecem sinais de melhora, e o comentário geral é de que as indústrias automobilísticas já começam a recontratar e existe também um foco grande na agricultura no momento.
    Tem uma reportagem interessante neste link para quem estiver interessado:
    http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/3872_DETROIT+UMA+CIDADE+EM+BUSCA+DE+UM+NOVO+CAMINHO
    []‘s

  4. Paulo Marcelo disse:

    O trio do Top Gear passou por lá a pouco tempo e num gostaram nada do que viram…

  5. Rael Gugelmin Cunha disse:

    Flávio, meio simplista dizer que as fábricas foram fechando devido somente a concorrência asiática. O processo começou bem antes, quando as próprias fabricantes americanas mudaram para o Sul do país, abandonando a cidade e seus trabalhadores e famílias sem pudor algum.
    E depois sim, a “culpa” é da eficiência asiática (principalmente japonesa, que mesmo com mão de obra mais cara monta carros mehores e mais baratos).

  6. bio disse:

    Flávio, esse é os Estados Unidos que não aparece nos telejornais do Brasil.

  7. JCMATTIOLI disse:

    Me baixa a maior tristeza todas as vezes em que vejo construções antigas, prédios históricos e artísticos abandonados e caquéticos. Essas fotos não fogem a esse sentimento. Pena que, nessa matéria, encontram-se prédios abandonados a décadas e que aparecem como se isso ocorrera em tempos recentes, o que é uma tremenda distorção dos fatos. Estive em Detroit há uns 2 anos atrás e, o que posso dizer, é o mesmo que o Benzie Ben comenta no post original (em tradução livre, sem muito capricho):

    “”””””Benzie Ben diz:
    20 de fevereiro de 2011 às 02:49

    Existem dois aspectos a serem considerados nessa matéria:

    Em primeiro lugar:
    Estas fotos são tão antigas que não mostram a realidade atual. Por exemplo, depois que essas fotografias foram tiradas o ‘Fort Shelby Hotel’ foi completamente restaurado e está funcionando há mais de um ano. O ‘Book Cadillac Hotel’ também foi suntuosamente restaurado e está em operação há tempos.

    Muitos outros prédios do centro foram renovados ou estão em processo de recuperação. O ‘Edifício Kales’ é um dos vários edifícios de escritórios que foram convertidos para apartamentos, com muito sucesso. Existem projetos em andamento para alguns dos prédios mostrados também se transformarem em residências.

    Nos últimos dez anos, a entidade ‘Downtown Detroit Partnership’ e outras organizações têm obtido muito sucesso na melhoria da área central .

    Em segundo lugar:
    Tudo se resume ao lugar onde se posiciona a câmera fotógráfica e ao ponto de vista do fotógrafo. A maioria das grandes cidades têm suas ruínas. Se os fotógrafos que fizeram essas fotos tivessem apontado suas câmeras para o ‘Martius Park Campus’, ou para a ‘Riverfront Walk’, ou para ‘Belle Isle’, ou para ‘Palmer Woods’, ‘Hart Plaza’, ‘Eastern Market’, ‘MGM Grand Hotel’, ‘Comerica Park’, ‘Ford Field’, ‘Teatro Fox’, ‘Arena ‘Joe Louis’, ou para a Cidade Grega, ou para o ‘Grand Circus Park’ as pessoas, ao redor domundo pensariam: “Que belíssima cidade!” “”””””

  8. Francis disse:

    Alguém assistiu ao documentário “O mundo sem ninguém” do History Channel? É exatamente isso que se passa em uma cidade abandonada e, quem diria, logo em Detroit. Quantas relíquias tem nesse lugar, quantos souvenires a serem recolhidos. O paraíso dos caçadores de tesouros. Aguardemos a vez de Nova York, Washington, Miami, San Francisco, Los Angeles…

  9. tomitão disse:

    A OCP não deu jeito na cidade?
    Chama o Robocop!

  10. Ze Ruela disse:

    Morei em Detroit de 2004 a 2007. Suburbio de Detroit. E visito o llugar a trabalho no minimo 1 vez por mes.
    Verdade que a cidade atravessa um periodo muito dificil e decadente.
    Porem a vida por lah continua. Da mesma forma que as fotos mostram degradacao e destruicao nao muito longe desses locais existem suntuosos cassinos (MGM, Greektown, e outros), Fantasticas arenas esportivas (Joe Louis, Palace de Auburn Hills, Comerica Park), excelentes Hoteis e restaurantes.
    Ha sim uma enorme iniciativa pra recuperar predios antigos e reviver o centro, Mas Detroit como capital do automovel que ainda eh, Nao eh uma cidade amiga de pedestres. Ou seja onde ir de carro for um problema, nao havera movimento. Nao ha transporte publico (onibus, metro). Taxis so no aeroporto e sob chamada. , sao poucos.
    Entao o que se ve eh uma ode a vida com automovel. So onde ha espaco pra eles ha vida na cidade. E essa vida (com muito luxo e ostentacao) estah fora do centro. num cinturao que circunda a cidade a aproximadamente 20 milhas de distancia onde a maioria destas fotos foram tiradas. Lugar onde os terrenos urbanos sao de no minimo 2000m2 pra cada casa.
    Detroit vem ressurgindo, mas nao sera o que foi no passado.

    • JCMATTIOLI disse:

      Boa, Zé Ruela. Foi em Detroit do pós-guerra que se criou esse estilo de vida ‘suburbano’, com muitos habitantes (a maioria brancos, classe média com bons salários) mudando-se para subúrbios elegantes, espaçosos e afastados, mas que dispunham de uma boa rede de tráfego para automóveis (free ways). Daí, para a grande novidade — mais de um automóvel por família — se disseminou para todo o país e, depois, para o mundo. Conseqüentemente, a área central foi sendo ocupada por imigrantes europeus e afro-descendentes (argh… palavrinha horrível e preconceituosa!), menos favorecidos economicamente…

  11. Luiz disse:

    Desde o final de 2008 tenho ido bastante a Detroit. E posso dizer que a primeira vez foi chocante mesmo, pois era época em que o Leman Brothers tinha acabado de falir, era a pior época da crise.
    Depois disso, a cidade só tem melhorado. Lugares antes desertos voltaram a funcionar, bares, lojas, shoppings.
    O centro da cidade é mesmo bastante degradado, mas acredito que também já melhorou em relação a 2008.
    Quanto a pessoas nas ruasnão se vê mesmo, pois em Detroit nem calçadas há, assim como em diversas outras cidades dos EUA.
    Abraços!

  12. Guilherme Calciolari disse:

    Estive lá em março do ano passado (justamente por causa dos Red Wings, o time de hóquei no gelo). O contraste é quase chocante, de um lado você vê o Comerica Park (Tigers) e o Ford Field (Lions), e do outro vários hotéis abandonados. O prédio da GM, o Renaissance Center, continua firme e forte, e o complexo segue muito bonito, mas no resto da cidade a situação é bem diferente.

    Fiquei numa casa de subúrbio, e no caminho pro centro (pensem na Rod Anchieta, mas ladeada por casas) o que mais tinha era casa largada. Com o preço dos imóveis caindo pelas tabelas, muita gente largou a casa por nem valer a pena esperar por comprador (hoje dá pra achar terreno por US$100, só tendo que reformar a casa).

    A maioria dos meus amigos veio de fora, Nova York, Dallas, Seattle, Florida, Colorado, um cara da Inglaterra… Tudo gente que não teve opção além de sair e buscar um outro lugar pra viver.

    Mas a cidade vai se reerguer, o povo é batalhador e vai encontrar alguma coisa pra fazer.

  13. Neto disse:

    Flávio….. É montagem, e das brabas……..

  14. Andre Decourt disse:

    O ocaso de Detroit vem dos anos 40/50, quando as cidades suburbanas alimentadas pelo produto principal da cidade começaram a virar o eldorado do americano médio que morava em Detroit, lá ele podia ter contato com jardins, vida mais pacata e o principal não conviver com a população negra que desde a grande depreção migrava para a região para trabalhar com o principal produto da cidade.

    Nos anos 70 houve um erro estratégico, os prédios abandonados, há 10/15 anos, foram sendo demolidos, um atrás do outro, criando vazios urbanos que espantavam mais ainda os ocupantes restantes e a cidade começou a perder população, levando primeiro o comércio e serviços a ruína, logo após as grandes indústrias com plantas antigas e ultrapassadas foram ou para novas instalações em outros lugares ou fecharam sofrendo a recessão e a concorrência com os alemães e japoneses que ofereciam produtos viáveis e com a qualidade melhor e depois desse esvaziamento demográfico e financeiro foi a vez e dos serviços públicos como escolas, hospitais e até mesmo delegacias, pois a densidade demográfica foi ficando cada vez menor não justificando o gasto do orçamento em prédios antigos e sub-utilizados.

    Acontece algo parecido com certas áreas de São Paulo e aconteceu nos anos 70 com áreas do Rio, esvaziadas economicamente e demograficamente, no Rio houve ainda outro esvaziamento a partir dos anos 80 nos subúrbios, por tributos altos, plantas antigas recessão e principalmente violência como a grande área perto do Alemão e Penha, antes cheia de grandes indústrias. Mas em São Paulo assistimos o esvaziamento demográfico mesmo.

    No Brasil temos alguns exemplos de cidades que caminham para o abandono, um dos exemplos é Cambuquira, que tem hotéis e comércio fechados, e moradores indo embora.

  15. JP disse:

    Sensacionalismo barato, hipócrita e desnecessário, moacir.

  16. AS disse:

    Li ano passado num jornal que é a cidade com o maior número de mesquitas dos EUA… e parece que a colônia árabe adotou a cidade como uma das preferidas. Mas isso é irrelevante… a economia americana é dinâmica e da mesma forma que cidades diminuem, outras crescem. E para uma economia de mais de 14 trilhões de dólares de PIB, o final está bem longe… bem longe. E o americano não estranha ter que mudar de estado pra trabalhar… No Brasil se isso acontece, haja depressão.

  17. Rafael Wuthrich disse:

    Essa não pe a capa do “Physical Graffitti” do Led Zeppelin????

  18. Alan disse:

    “As grandes montadoras foram fechando suas fábricas…”

    Uma fábrica tem linha de montagem. Uma montadora (maldito termo brasileiro) tem linha de fabricagem?

  19. Álvaro Azevedo disse:

    Muito triste pra um cara que sempre amou carros ver a cidade fundada por: Antoine de Lamothe-Cadillac desse modo. General motors…tenho muitos documentários das linhas de carros, Buick, Cadillac, Pontiac etc. Dá até um aperto no peito. Como eu queria ter nascido na dec de 40, ter crescido na dec 50, vivido a dec 60, curtido a dec70 e sumir daqui no final da dec de 80! E em especialmente ter vivido em Detroit.

  20. mozart ferreira disse:

    Vingaram Hiroshima e Nagasaki, sem kamikases e radiações.

  21. Banana Joe disse:

    pera aí…
    A decadência de Detroit é a decadencia da indústria automobilistica americana.
    E não começou ontem.
    Desde a decada de 80 os japoneses levaram para os USA carros melhores e mais baratos do que os locais.
    O consumidor não é bobo vai atrás do que é melhor e se for mais barato melhor ainda.
    Pegue um Ford, ou chrysler da década de 80/90 e compare com um Honda ( digamos um Taurus contra um Accord ).
    O japa é bem superior, mais bem construído, mais bem acabado, mais moderno e ainda um pouco mais barato.
    Não tem o mesmo carisma mas é inegavelmente melhor.
    De lá pra cá a situação só acentuou, e só nos últimos anos é que a indústria americana sinalizou com algo melhor, de melhor qualidade, mas até recuperar, se é que recupera, vai longe
    Desse jeito tem mais é que falir mesmo…

  22. Paulo Mina disse:

    Estive em Detroit 4 anos atrás, fiquei assustado quando entrei em uma loja de conveniência de um posto de gasolina, o “atendente” ficava dentro de uma cabine blindada, esse posto era próximo a uma loja gigantesca da Target, que também dava medo de ficar lá dentro, fui de carro de NY para Chicago e passei por outras cidades tidas como médias/grandes, Cleveland é uma cidade fantasma, tirando os mendingos não víamos mais nínguém nas ruas, nem restaurante abre de segunda feira, Pittsburgh também tem várias fábricas abandonadas, mas pelo menos tem seu charme,

    Abraços

  23. brauliostafora disse:

    A revista Superinteressante fez uma reportagem sobre Detroit recentemente. Eles comemoraram, e viram na cidade um exemplo a ser seguido…

  24. Tiago Mio disse:

    Detroit a cidade que viu o nascer o motor V8, agora está fim.

  25. Thiago disse:

    Sem falar no sindicalismo irresponsável que aumentou muito o custo trabalhista de uma fábrica em Detroit. Mas, novamente, coisas da esquerda…

  26. Thiago disse:

    Detroit há mais de 20 anos tem prefeitos Democratas (a “esquerda” nos USA), que aumentaram muito os impostos lá, expulsando muitas empresas. A culpa não é do “capitalismo” e do “mercado”, foram esses 2 fatores que fizeram GM, Ford e Chrysler se tornarem gigantes, a culpa é de Democratas incompetentes que tentatam “socializar” Detroit.

    • Joao disse:

      Se voce acha que um prefeitozinho que seja democrata ou republicano era capaz de influenciar a GM Chrysler e Ford, e dar muito valor a um prefeito. Sim os sindicatos/democratas fizeram a vida das montadoras um pouco dificil mais o problema real e que as montadoras americanas so fizeram produtos podres nos ultimos anos, so dando atencao as caminhonetes e SUV’s. Dai quando o preco do petroleo foi a $140 e ninguem compro mais Hummers, eles tiveream que pedir falencia. Culpar democrata nao e justo.

  27. Paulo R. Filomeno disse:

    Aqui na terrinha aconteceu a mesmissima coisa com TODAS (sem exceção) as estações ferroviárias do interior do país. Onde não passa um trem metropolitano, da CPTM, da Supervia ou de outra grande capital, as estações ferroviárias, pátios, cabines, oficinas, eletrificação, etc. FOI TUDO PRO ESPAÇO. O site http://www.estacoesferroviarias.com.br mostra tudo isso.
    E na região do ABC, muito galpão de industria automobilística / automotiva foi também deixado, dos anos 80 para cá. Pelo menos aqui viraram supermercado, shopping ou condomínio.

  28. Alexandre M. Barros disse:

    Observei um comentário, e entrei no google street view..e realmente é impressionante o abandono da cidade. Vários prédio e casas abandonadas, as ruas totalmente vazias, parece cenas do filme “EU SOU A LENDA”.

  29. Thiago Barbosa disse:

    Os executivos das grande montadoras optaram por explorar os trabalhadores mexicanos e fechar fabricas nos EUA, acabaram transformando “Detroit a cidade dos carros” em “Detroit, a cidade fantasma”, e de quebra ajudaram muito na falencia do país Parabens aos genios executivos das montadoras, nem Bin Laden teria tanta eficiencia.

  30. CLAUDIO AUN disse:

    NÃO FOI SÓA INDUSTRIA ASIATICA RESPONSAVEL PELA DERROCADA DE DETROIT, OS BENEFICIOS SINDICAIS EM EXCESSO CONTRIBUIRAM BASTANTE COM ESTE QUADRO,PREFERIRAM MORRER A ACABAR COM OS BENEFICIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>