MENU

sábado, 4 de junho de 2011 - 2:22Rali

VELHINHOS NA ESTRADA

SÃO PAULO (ano que vem, sem falta!) – De longe, do jeito que dá, vamos acompanhando as Mil Milhas Históricas Brasileiras. A tchurma largou na quinta de manhã, vocês lembram, aqui de SP. A primeira perna terminou em Angra dos Reis, na quinta à noite. O relato abaixo é do meu brother Diego Inzaurraga:

Desde Angra dos Reis, lugar maravilhoso onde chegamos às 16h45. Para começar a etapa, o meu navegador apertou o botão errado e não disparou um dos cronos. E eu esqueci de zerar o hodômetro… Acredito que os nervos nos distraíram um pouco, mas vamos que vamos. Entrando na Dutra encontramos o Karmann da Dacon com uma roda saindo para fora, estourou o eixo. O pessoal teve de voltar para São Paulo e trocar de carro, perdendo a etapa de hoje. Pouco a pouco fomos entrando em sintonia com Leo, questão fundamental para uma tripulação. Erramos a saída da Dutra para Ubatuba, e logo soubemos que um monte de gente engoliu a mesma saída. O Fusca do Saloma é um canhão, passou batido enquanto a gente aguardava para largar um PC fazendo um barulhinho bem legal. Decidimos não dar bola para o hodômetro e andar só no velocímetro, que demonstrou ser superpreciso, pois da metade da prova pra frente zeramos todos os controles horários. Na descida da serra, que eu tinha feito uns anos atrás de moto, não lembrava o gradiente de descida e entrei com o pé embaixo e encontramos a Ferrari Dino de Thiago del Rey e na hora de ultrapassar veio um cotovelo e freamos forte e reduzimos de quarta para terceira, segunda, primeira… e alavanca na mão de novo, como quando chegamos ao Parque Fechado!!!! Ainda bem que o carro ficou engatado pois só com o freio nao ia dar para segurar naquela descida. Numa baia que tinha ao lado aparafusamos a tampinha de novo e continuamos. Parada na Marinha Real, abastecimento, lanche e na estrada de novo para completar os últimos PCs que fizemos com uma exatidão incrível, tudo zerado. Último deslocamento e chegamos ao hotel. Amanhã a prova vai ser dura, serao 12 horas direto no carro, piso ruim em alguns trechos e muita conta para fazer. Pelo que escutamos extraoficialmente estaríamos em quinto ou sexto lugar, o que nos deixa superfelizes para a primeira etapa. Amanhã mandamos notícias de Tiradentes!

18 comentários

  1. Tomitão disse:

    Olha só…
    Cheguei ao estacionamento do Shopping Iguatemi e vi os carros lá parados e os corredores em festa!
    Deve ter sido do caramba o rallye!
    Nesse link (http://www.fiat-fiorella.blogspot.com/) postei algumas fotos dos carros ao final da primeira edição das Mil Milhas Históricas Brasileiras, organizada pelo MG Clube do Brasil.
    Ano que vem tem mais e espero estar lá de novo.
    Quem sabe, dentro de um desses…
    Abs.
    Tomitão

  2. tomitão disse:

    Foi às 12:30, ontem

  3. cacá Clauset disse:

    Ano que vem sem falta!

  4. Lucas Martin disse:

    to me roendo por não poder participar… e nem tenho carro antigo.. meu passatão foi vendido a alguns meses… ainda faço meu triciclo e me junto a galera!

  5. Lionel de Campos disse:

    GENIAL ESSES CARROS…VAMOS DIVULGAR SEMPRE….PRECISA TER CORAGEM DE TIRAR UMA JOIA DESSAS DA GARAGEM E POR NUM RALLY…….ANO QUE FLAVIO PARTICIPANDO……

  6. Edilson Vieira disse:

    Que carro bonito ducarái!! Ah, Rogério, Posto de Controle (PC) é onde se apura o tempo que cada competidor está fazendo naquele trecho. Se ele estiver adiantado ou atrasado em relação ao seu horário de largada, perde pontos. Se passar no Pc exatamente np horário em que deveria (sem nem um minuto a mais ou a menos), diz-se que “zerou”o PC. No final, somando-se todos os trechos cronometrados da prova, ganha quem perder menos pontos, ou seja, foi mais regular, por isso se chama rallye de regularidade.

  7. Rogério disse:

    Para a grande maioria da turma aqui deve ser um termo tão comum quanto GP, mas eu fiquei boiando. O que é a sigla “PC” citada no texto?

  8. tomitão disse:

    Fotos dos carros no Shop Iguatemi, antes de largarem:
    http://fiat-fiorella.blogspot.com/2011/06/mil-milhas-historicas.html
    Amanhã volto lá para ver a chegada!

  9. Eduardo disse:

    Meu sonho de consumo, dentro da realidade é inportar um escort mki, e botar ha estrada.

  10. Felipe Passos disse:

    O trecho de serra da Rodovia Oswaldo Cruz aqui em Ubatuba não é brincadeira não! Tem que descer no motor e no freio senão não para.

  11. juninho queluz disse:

    Vi essa turma toda passar aqui em Queluz.
    Até tirei umas fotos..

  12. EDU H@RMEL disse:

    Gosto muito de relatos como este.. parce que voce está de carona.. desculpem a ignorância: quem copiou quem a Forde copiou o Chevette (Kadett na Alemanha) ou vice-versa??

    • Junior disse:

      O projeto do escort nao tem nada com o chevette ele segue as linhas do corcel 1 se voce reparar bem que foi lançado em 1968, sendo o primeiro chevete lançado em 1970, ou seja,s e alguem copiou alguem, foi a chev que copiou a ford

    • Marcelo disse:

      Na verdade o Corcel é um projeto da Willys, baseado em um Renault. A Ford herdou o Corcel quando comprou eles. O Escort é um projeto Ford
      O Chevette veio do Opel Kadett, que tambem existia na Europa desde a decada de 60.
      Creio que o unico motivo de serem parecidos é porque são carros da mesma epoca e da mesma faixa de mercado. Mas isso é opiniao minha, se alguem conhecer a historia real, por favor conte pra nos divertirmos

  13. Vitor Saiki disse:

    Uma pena o blog oficial não ter vingado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>