MENU

domingo, 11 de setembro de 2011 - 13:21Gira mondo

NINE-ELEVEN (1)

SÃO PAULO – Esta semana fui procurar o que tinha escrito depois dos atentados de 11 de setembro. Desapareceu dos arquivos internéticos, mas encontrei o texto original.

Não creio que escreveria algo muito diferente hoje. Talvez sim. Certamente melhor. Essa história das baratas, sei lá. No calor dos fatos, nem sempre a gente consegue ser muito preciso. Basta ver que matei mais de 20 mil no texto, porque quando vi aquela merda toda desabando imaginei que era isso que tinha de gente ali, 20 mil, talvez mais. Foram menos de 3 mil.

Bem, não é nenhum tratado, é apenas um texto. Na época não existiam as redes sociais, as coisas não se amplificavam como hoje. Talvez não tenha sido lido por muita gente. Pingo aqui como exemplo de arqueologia da web, apenas, sem a menor pretensão de levar ninguém a refletir sobre nada. Nem sobre baratas.

O PLANETA DAS BARATAS

Sou um interessado observador de baratas. Elas são nojentas, asquerosas e purulentas, delas chego a ter medo, mas admiro sua agilidade e destemor diante de adversários tão hostis e bem maiores. Dizem que no dia em que o planeta se dizimar de vez numa nuvem radiativa, só vão sobrar as baratas.

Talvez seja melhor. Não há notícias, no mundo das baratas, de semelhantes se trucidarem por nada. Talvez porque elas não tenham nada na cabeça, não sei sequer se têm cabeça. Baratas não se matam. São uma espécie bem-sucedida, como os pernilongos, as lacraias e as mocréias, que vivem em paz sem maiores sobressaltos.

Os animais, quando se matam, o fazem por causas bastante razoáveis. Ou para comer, ou para se defender. Eles não odeiam os outros animais. São indiferentes aos sentimentos das moscas, das pulgas ou dos gnus. Têm seus instintos, suas próprias leis, e vão levando a vida através dos séculos.

O homem, não. É um fracasso como espécie animal. É capaz das maiores façanhas tecnológicas, de ir à lua e clonar gente, mas incapaz de estabelecer regras de convivência que deveriam fazer parte de algum código genético interno, como o das baratas, das lacraias e das mocréias. O homem fabrica armas que têm como único objetivo matar outros homens. E transforma suas criações mais formidáveis, como aviões, em mísseis recheados de gente muito mais eficientes que ogivas nucleares.

A estupidez, e não a criatividade ou a inteligência, é a característica mais marcante da nossa espécie, é pela estupidez que seremos lembrados pelas baratas daqui a alguns milhões de anos. E o 11 de setembro de 2001 será emblemático, o dia em que o homem a exerceu com esplendor.

Eu e as baratas passamos o dia anteontem colados na TV, vendo nossa estupidez transformada em espetáculo de mídia. Nada mais formidável, cardápio para todos os gostos. Para aqueles que defendem o troco imediato, com a mesma violência e insanidade, e para os que acreditam que, finalmente, a arrogância do poder econômico e político recebeu sua lição, sentiu na pele o que é ter medo, o mesmo medo disseminado pela força ao longo dos anos.

Aqueles que admiram a superioridade imposta por nossos vizinhos do norte ao resto da humanidade no último século, que se sentem incomodados pelas nações que não tiveram a competência de construir suas disneylândias e não jogam basquete direito, estão radiantes. É a hora de provar de uma vez por todas quem manda no galinheiro.

Estes devem ter adorado a figura patética do presidente caubói garantindo a vingança com discurso hollywoodiano, “não se enganem, já vencemos outros inimigos antes, vamos vencer de novo”, um Forrest Gump mal-acabado defendendo ideais de liberdade, democracia e justiça nos quais só quem nunca esteve nos EUA pode acreditar.

(Basta meia hora em território americano para perceber a falácia dos tais ideais. Que liberdade existe num país vigiado por câmeras e satélites, onde jogar um chiclete na rua é motivo para ser detido pela SWAT? Que democracia é essa que referenda uma eleição fraudulenta e coloca na presidência um sujeito que teve menos votos que o derrotado? Que justiça é essa que faz com que esse país se ache no direito de interferir nos destinos de todos os outros exportando guerras e miséria?)

Os EUA apanharam. Não sabem de quem, mas talvez saibam por quê. E, se não sabem, era hora de alguém se dirigir ao seu povo e admitir que se meia-dúzia de doidos foram capazes das atrocidades do 11 de setembro, é porque muito mal esse país andou fazendo a outros povos por aí para ser tão odiado. Infelizmente, o caubói não é esse alguém. Sob a sombra e o cheiro fétido de 20 mil cadáveres, o caubói estava mais preocupado, horas depois dos atentados, em garantir aos seus cidadãos que “a economia americana está aberta aos negócios como sempre”.

Eu e as baratas nos espantamos com essa declaração. Aliás, nos espantamos também com palestinos festejando a morte de milhares de inocentes, em Beirute e Jerusalém. Ouvi alguém dizer que o que aconteceu ontem mostra que o mundo precisa de deus no coração. Discordamos, eu e as baratas. Foi o excesso de deus, assim mesmo, em minúscula, que levou as Cruzadas a dizimarem inimigos que acreditavam em outro tipo de deus, na Idade Média. Foi o excesso de deus no coração que conduziu os judeus na expulsão dos palestinos de seu território depois da Segunda Guerra. É o excesso de deus no coração que faz os árabes explodirem lanchonetes, shoppings, pizzarias, aviões e prédios pelo mundo afora.

O que há, e nisso eu e as baratas concordamos, é um excesso de deuses nos corações dos homens. Um deles, citado pelo caubói, é o mercado, a economia, o papel verde que move as engrenagens do planeta, e que uma barata amiga confessou ter roído um dia, de um maço escondido sob o assoalho, sem saber do que se tratava — não apreciou o paladar. Em nome de deus, ou de Deus, ou das várias modalidades de deuses, matamos, explodimos, arrebentamos, crucificamos, bombardeamos, torturamos e acompanhamos tudo pela TV como se fosse um grande espetáculo, e nisso concordamos de novo, eu e as baratas, somos muito bons.

Não há guerra boa ou paz ruim, escreveu Benjamin Franklin, curiosamente num 11 de setembro. As baratas discordam, a próxima guerra será muito boa porque sobreviveremos, me disse uma.

As baratas são bem melhores do que nós.

57 comentários

  1. Feio Tomaz disse:

    Infelizmente o texto continua atual.

  2. luiz alberto disse:

    Eu continuo achando que :O TERRORISTA É O COVARDE IDIOTA QUE PENSA QUE É HERÓI.
    Mas na minha opinião o maior atentado terrorista da humanidade foi efetuado em 6 de agosto de 1945 na cidade de Hiroshima e depois na cidade de Nagasaki, entendam bem ERAM CIDADES com população civil constituida de criança jovens e idosos e não uma fortificação militar como a base militar atacada pelos japoneses. Só que a ipocrisia e subserviência da imprensa brasileira a intereçes americanos nunca cita isto.más qualquer pessoa que conhece um pouco de história e não é deslumbrado pela mentiras que Hollywood prega para justificar EUA o sheriff do mundo,sabe muito bem.
    E uma coisa que me intriga é ;sê o Impire States com seu 102 andares tem uma população superior a 20 mil pessoas,como que as duas torres com o dobro de andares só tinha 2700 pessoas,vcs não acham estranho e o avião que caiu sobre o Pentagono ,caprichosamente caiu sobre uma area que estava com reformas e praticamente sem funcionários.Pode ser destas coincidências divinas más que é estranho é!

  3. Oliver disse:

    Essa estoria do atendado é simples:
    Golpe dos Merdados Unidos para pegar as reservas de petróleo do iraque…
    não vou ficar discursando aqui …os fatos estão ae para quem quer correr atras …
    O pior é esse silencio geral, como uma verdade universal em prol da mentira …..somos todos cúmplices …
    bombas nas torreas gêmeas, testemunhas mortas, videos que compravam a verdade deletados ou apreendidos …
    Essa é a grande pegadinha do bush …
    Como eles adoram dizer:
    A vida de inocentes valem em favor da nação …
    Acreditem na farsa ..
    Dois videos agora que comprovam um pouco dessa farsa:

    Torre 7 implodida internamente:

    http://www.youtube.com/watch?v=972ETepp4GI&feature=related

    Farsa no pentágono:

    http://www.pentagonstrike.co.uk/pentagon_bp.htm#Main

  4. Guilas disse:

    Ainda faltou ao homem entender o básico sobre Deus: Ele é, acima de tudo, amor.

  5. Mozart disse:

    Não sei por que, me lembrei daquele filme ” Joe e as baratas ”
    Mas voce tem razão, depois daquelas duas bombinhas que os coitados dos americanos jogaram em Hiroshima e Nakazaki, dias depois, quando chegaram as equipes de resgate e começaram a vasculhar tudo, nada vivo foi encontrado, até que….lá debaixo dos escombros, apareceram duas coisinhas vivas, ainda zonzas, meio desnorteadas, pedindo água etc…
    e não é que eram duas baratinhas !!!

  6. Daniel disse:

    É triste…
    Quando deveríamos apenas lembrar das vítimas inocentes dos atentados, vítimas de inúmeras nacionalidades (inclusive brasileiros), nos preocupamos apenas em renovar nossos discursos de ódio.
    E quando isso ocorre, é sempre bom ter de plantão o culpado de sempre, o povo judeu, como comprovam os inúmeros comentários preconceituosos aqui publicados.
    Realmente a estupidez humana não tem limites.

  7. Jackson Wille disse:

    Muito bom o texto! Parabéns.

  8. Patrick disse:

    Nem precisavas republicar esse texto. Nunca esqueci dele. Um dos melhores que já li. Confesso até, que à época, com 14 anos, me utilizei de parte do texto numa prova de redação do colégio, não tanto para aproveitar as boas palavras, mas sim com vontade de difundir o texto.

  9. Alvaro disse:

    Realmente Flávio, as baratas não tem o mesmo ‘excesso’ que os homens, em todos os sentidos.

    Belo texto.

  10. Filipe disse:

    Flavio

    Muito se falou, muito se escreveu, mas sem brincadeira, este foi o melhor texto sobre o 11 set que eu li na época do atentado.

    Abraços

  11. D.Pierotti disse:

    Como sempre, perfeito.

  12. Muchacho disse:

    Carai, me lembro muito bem desse texto….me assusto ao me dar conta que acompanho os escritos by FG a mais de 10 anos, que se passaram como se fossem 5.

  13. Sanzio disse:

    Flavio, você já havia colocado esse texto aqui há algum tempo, só não lembro o por quê. Não sei se foi por causa de algum atentado, por causa do aniversário… realmente não lembro.
    Mas sei que a parada é por aí mesmo, um texto genial e que me dá esperanças de quem um dia, quando for dominado pelas baratas, este seja um mundo melhor.

  14. Edson Bellozo disse:

    Grande texto Flávio. eu não era seu leitor nesta época, mas pensei como você. Grande abraço!

  15. Mauricio disse:

    Um texto como todos os seus outros textos sérios. Articulado e bem posto. Parabéns, por isso acompanho sua coluna quase diariamente já a dois anos.
    Eu me lembro desse dia em 2001 como se fosse hoje pelo choque que me causou. Não consegui trabalhar. Lembro-me que estava desmobilizando uma obra em Itaguaí, Rio de Janeiro. Cheguei no escritório, liguei meu PC e por acaso tinha uma TV daquelas mini instalada dentro do almoxarifado. O pessoal estava em volta, todos falando, assustados, não querendo acreditar. Parecia coisa de filme. Eu olhei para a tela no exato momento que o segundo avião se chocou com a torre sul. Fiquei sem fala, chcado e com vontade de gritar, chorar, enfim um monte de coisas.
    Discordo de você com relação ao fato de estarmos assim por um excesso de deuses… Não aceito. Estamos assim pela falta de Deus isso sim. Se não nos lembrarmos que o sinonimo de Deus é Amor.
    Não se engane Flávio, como muitos se enganan, em pensar que aqueles que idealizaram este ataque o fizeram a pretexto de um deus, usando os mecanismos de uma religião (uma instituição humana), manipulando a fé das pessoas. Tudo o que voce falou é verdade, muitos abusos foram cometidos em nome de deus, a pretexto dele, mas apenas como instrumento de poder. Para auferir vantagens de poder e dinheiro.
    Osama Bin Ladem sabia muito bem o que queria fazer e como fazer. Em momento algum ele pensou que o estava fazendo em nome de Deus e sim em nome de sua pessoa e nada mais. Usou o Islã apenas como arma. Inocentes sim eram os terroristas que se imolaram em nome da fé por conta de um homem que queria apenas escrever seu nome na história e que não tinha um grão de fé. Que belo modo de se eternizar.
    Eu não temo os muçulmanos, eles são do bem como qualquer um de nós. Temo sim os loucos que usam a fé como instrumento de poder, de riquesa, de vingança.

  16. Tamerlane disse:

    Here are some pictures of the inside of the World Trade Center on 9/11 from my friend who escaped the chaos:

    http://karakullake.blogspot.com/2011/09/new-911-photos.html

  17. João Alves Ribeiro disse:

    Muito bom. Amo os animais inclusive as baratas. São quase perfeitos. Quanto a nós…

  18. Marco disse:

    Assino embaixo. Apenas me permita uma estupidez corretiva: mocréias são humanas, estupidas e feias. Entre os animais, encontramos as moréias. E muitos outros exemplos de regras de convivência melhores que as nossas.

  19. JOSE JULIO JESUS disse:

    Só para pensar. No Brasil morrem por ano aproximadamente 40.000 (quarenta mil) pessoas em acidentes de caros. Nesses últimos 10 anos, apoximadamente 400.000 (quatrocentas mil) pessoas morrerem por aqui e estamos dalando de 2.740 pessoas que morreram noa atentados. Morrer nos Estados Unidos é mais chique né….. Povo ignorante e hipócrita!!!!!!

    • galileu disse:

      que comentário mais sem noção, muitos dos que morrem em acidentes no brasil, não são tão inocentes assim, são sádicos que ao volante de um carro saem bebados ou drogados ceifando vidas inocentes, uma fatalidade na estrada, um pedestre distraido que atravessa a rua em hora errada pegando o motorista deprevinido, esses são vitimas inocentes, não tiveram chance.
      agora como já postei, existem os que procuram o acidente sem se importar com a vida alheia já que se acham imortais, andar a 300 kmh na nrodovia de moto, tirar rachas na rua e etc…
      quanto ao 11/9, por mais que os estados unidos interfira na vida de outros paises, não dava o direito dessa turma da al qaeda eliminar tantos inocentes, (sim eles o são, pois orreram sem ter como se defender, e sem saber o porque estavam morrendo),
      como já disse, guerra santa ou não deveria ser resolvida entre os presidentes das nações inimigas, vamos para o ringue e tyrocamos porrada e pronto.

    • Fabiano disse:

      Verdadeiro lixo humano você,hein Jose…

  20. Rogerio disse:

    Parabéns as (crase) baratas, pela eloqüência;
    parabéns a você, por ver tudo por um ponto de vista sempre incomum;
    e parabéns a mim, por ter esse blog nos meus favoritos. Grande abraço

  21. Paulo disse:

    Excelente texto Flávio, como sempre!
    Já havia o lido antes em algum lugar e (minha namorada aqui ao meu lado me lembra) cheguei até a mandar o texto por email a amigos… Acho que foi inclusive a partir de quando comecei a acompanhar seu blog…
    Abraço!!

  22. Cristiano Azevedo disse:

    No final das contas, os 20 mil do texto foram poucos. E os números ainda não param de aumentar.

  23. Fernando Vieira disse:

    Achei curioso, em primeiro plano do lado direito da foto um outdoor anunciando a série “24 horas” ícone da doutrina antiterror de Bush, Cheney e Rumsfeld.

  24. Leandro disse:

    Porque será que tem um cartaz do Jack Bauer nessa foto?

  25. Fabiano disse:

    Ótimo texto, mas com uma ressalva. As baratas são melhores que a maioria de nós, mas não todos. Já vi por aí pessoas tão boas a ponto de superar as baratas. Não são muitos, mas existem. Coincidência ou não, a maioria não tem deus (com “d” minúsculo mesmo) no coração. Talvez a razão de tudo esteja na criação (pelos homens) dos pseudo-deuses. Mas quem poderá reverter este quadro? Nem os bons…

  26. Conde disse:

    Não li o original , estava começando a te acompanhar . Mas conferi nas publicações que vc postou aqui e no livro . Sensacional .

  27. Eugênio Meirelles disse:

    Parabéns Flavio.

  28. Manoel Sena disse:

    Mil vezes os ideiais de liberdade dos Estados Unidos, com todos os seus defeitos multiplicados por mil, mas que vem evoluindo ao longo do tempo, do que de qualquer País Árabe, com suas sandices religiosas e falácias, violência aberta contra mulheres e intolerância de todas as naturezas! O perigo para o planeta (ou seja, para nós) é a Guerra Santa inventada por estas turmas, não o capitalismo Americano. Ou vocês acham que não a Al Qaeda não imagina e tentará assim que possível um 11/09 global? Bastam algumas armas nucleares bem apontadas. Na visão deles, nós também somos impuros, não é? Infelizmente, teremos que torcer para os nossos filhos e netos conseguirem deter este pessoal.

    • Pedro Araújo disse:

      Opa, olha a generalização “qualquer país árabe”!

      E temos mais um delírio interpretativo da realidade do mundo de hoje: ‘ideais de liberdade do Estador Unidos (…) que vêm evoluindo ao longo dos tempos”… putz.

      O crash de 2008, o iminente super crash de 2010… quem precisa de bomba nuclear pra desestabilizar “os ideais de liberdade dos EUA”? Bush Júnior + Dick Chenney + Alan Greenspan já fizeram este serviço.

      E quanto aos países árabes, algumas de suas populações estão tentando sair dos seus respectivos buracos totalitários desde março.

      Um país que precisaria de um levantye desses, por sinal, é a Arábia Saudita – onde mulher não pode votar – cujo governo tem total e irrestrito apoio dos “ideias de liberdade dos EUA”.

      O Kadaffi já foi um pária, mas depois se alinhou ao “povo da liberdade”, aí entrou pra turma, aí depois voltou a ser um pária.

      Sadam Hussein foi armado pelos EUA para poder se contrapor ao Irã dos anos 80.

      Bin Laden foi treinado pela CIA para desestabilizar a URSS no Afeganistão.

      Quem lê Noam Chomski ficou sabendo que os EUA bombardeou a ÚNICA fabrica de remédios do Sudão, para desestabilizar um regime que não era alinhado aos seus interesses na região.

      Alguém lembra dos massacres de Sabra e Chatila?

      A lista é interminável, com casos de todos os participantes.

      Repetindo: cuidado com a generalização. Não trate as atitudes de um grupo específico ou de algum governo (democracia ou não) como sendo de um povo. Nem do povo Árabe, nem do povo Americano, nem do povo Judeu.

      É disso que os extremistas do dois lados de alimentam.

  29. José Morelli disse:

    Esse texto me faz lembrar de Men in Black I, com aquela barata gigante disfarçada de Vincent O’nofrio depois do incêndio, defendendo a honra das baratas no planeta que as abomina como a Terra.

    É um dos filmes mais hilários e aliás, um dos últimos filmes em que o World Trade Center foi cenário, em várias cenas as duas torres ao fundo são vistas como símbolos maiores do poderio norte-americano.

  30. Joao Racy disse:

    Na minha modesta opinião, que te acompanho desde os tempos da JP… um dos seus melhores textos Flavinho, parabéns!

  31. Jose Medeiros disse:

    Trabalhava para os Diarios Associados na Epoca e você tinha uma coluna. Guardei o texto até hoje. Sem puxar o saco: “Brilhante”

  32. andré frej disse:

    Uma imprecisão tremenda no texto. Tempos depois ficou provado que as imagens dos palestinos comemorando não eram atuais. Estavam nos arquivos da CNN e foram exibidas mundialmente para referender a estratégia judaico-israelense-sionista de desqualificar a luta do heróico povo que resiste ao genocídio na Palestina ocupada.

    • Cleiton Pessoa disse:

      Fonte por favor?Acredito que nem todas as imagens foram….isso é desculpa de capados.

      O problema dos povos orientais-pseudo-primitivos, leia-se qualquer país num regime totalitarista é em pouca parte culpa dos Norte Americanos e sim da própria cultura de guerras e invasões mútuas desses países, não precisa sem um expert em história pra saber disso. Culpa maior se deve dar primeiro a desculpa de que “deus quis” (minúsculo mesmo), segundo aos seus próprios governantes que enriquecem rapando dinheiro a rodo e limpando a bunda com nota de US$100, que compram carrinhos importados “baratos” para seu bel prazer, moram em mansões que dariam pra abrigar toda a favela da rocinha enquanto sua população vivem na merda, pobreza, sem estudo (totalmente conveniente) saneamento básico, saúde e outros benefícios que qualquer pessoa com uma liberdade relativa teria.

      Eu chamo esses fundamentalistas, seja islâmico ou não, de pessoas capadas intelectualmente. Quem joga a culpa somente nos EUA por guerras no mundo, é o cara que vê a mulher dando pra outro, sabem quem é, conhece o sujeito e coloca a culpa no porteiro do prédio, que é negro, sem educação e não tem como se defender. É como o brasileiro lida com os fatos e vota, o cara pode roubar, matar, deixar milhões sem escola e saúde, mas o cara é bom, é agradável, tem uma lábia e merece uma chance. 1 peso e 2 medidas são o lema do Capados.

    • galileu disse:

      cleiton pessoa, muito bom o seu comentário, aqui no brasil não se admite que se fale a vedade sobre nossos governantes, mas o que eles fazem,é a verdadeira sintese do quen eles ffizeram, fazem e continuarão fazendo.
      quem denuncia, coloca na imprensa é chamado de canalha e outros adjetivos impublicaveis.

  33. Marcus Doria disse:

    Admita que os extremistas muçulmanos realmente odeiam a “liberdade”.
    Os EUA dos Republicanos é e sempre foi deplorável no sentido de, através de guerras e poderio militar, querer controlar o mundo como lhes convém.
    Mas eu sempre preferiria 1000x mais viver lá do que no Afeganistão dos Talibans.

  34. Leonardo disse:

    O dia em que Flávio Gomes soou como Diogo Mainardi.

  35. Zeca Lacerda disse:

    “O maior atentado terrorista da historia.” Os atentados terroristas norte-americanos a Hiroshima e Nagazaki nao sao nada, afinal o que sao mais de 220 mil japoneses mortos em face a 2.740 estado-unidenses mortos nas Torres Gemeas?

    • Luiz Morais disse:

      Zeca, esse é um ponto muito controverso. Um pq os ataques no Japão em 1945 não foram terroristas, os exércitos eram identificados então. Segundo que em números os ataques no Japão passaram o número de mortes nos campos de concentração nazistas. Terceiro que em qualquer um dos tres csos, o número é só um número, que não põe ordem de grandeza na barbárie cometida em todos os casos. Os ataques aos judeus foram terríveis, bem como os dos judeus aos palestinos, como os americanos sobre os japoneses e por fim dos árabes islâmicos sobre os americanos. O número na verdade, quase não faz diferença ante à idiotice do ser humano.

    • Zeca Lacerda disse:

      Pedantismo pouco eh bobagem. Eu me utilizei de uma alegoria quando me referi as bombas como “atentados terroristas”.
      Tudo de bom pra voce.

  36. Decio Renner disse:

    esqueceu as baratas sobreviventes de Hiroshima e Nagasaki, que salvaram-se também de dois avioazinhos mui amigos.

    • galileu disse:

      o que os japoneses fiuzeram em pearl harbour não conta?
      ao mesmo tempo em que se diziam alinhados aos americanos estavam atacando a ilha.
      ali foram mais do que dois aviões.
      nada contra o povo japones, tenho vários amigos entre eles que tambem não acham correto o que foi feito.
      tudo é uma questão de costumes entre os povos.
      quem é martir em uma ji had vai para o céu onde o espera não sei quantas virgens eternas, fontes inesgotáveis de leite e mel, riquesas mil e coisa e tal.
      sobre o japão e seus costumes, leiam shogun e terão uma breve idéia, ou melhor leiam um livro pós guerra chamado corações sujos, onde um grupo ligado a uma seita chamada shindoremei, (me parece que é assim que se escreve), não aceita no brasil o japones que diz que o país perdeu a guerra, esses membros da seita vinham à casa do “traidor” e ameaçavam: voce tem o coração sujo, lave a sua garganta, não dmorava muito para esse japones aparecer morto e decaptado em algum lugar.

  37. galileu disse:

    como sempre, (agora comentando sério), voce é competente em seus textos, realmente o excesso de deuses no coração dos homens está matando, o planeta.
    essa jihad, (guerra santa), tão aclamada por esse povo ainda vai causar a destruição da raça humana.
    todos se apegam em favor dos judeus pelo holocausto,,mas se esquecem do que esse povo faz com os palestinos.
    bim laden foi cria dos estados unidos, assim como muamas gadaff e sadan hussein.
    o americano toou pau no camboja e no, vietnan por tentarem meter o bedelho no país dos outros sem uma estrutura de combate na selva, (aliás quando um predidente quiz acabar com a gruerra do vietnam, acabou assassinado)
    nada contra a religião musulmana, a judaica, a católica ou qualquer outra que seja, mas matar em nome de um deus, isso é imperdoável, principalmente quando inocentes são,mortos sem o, saberem por que.
    guerra deveria ser como luta de box, junta-se os dois presidentes inimigos em um ring e dexem eles trocar porrada té não, poder mais, quem vencer, venceu, ficaria menos cara e o povo não sofreria essas atrocidades.
    onde há sobra de deuses existe a falta de um unico DEUS.

  38. Caio Fernando disse:

    BRILHANTE, PERFEITO! Reproduziu todo meu pensamento sobre o acontecimento.

  39. Geraldo disse:

    cara vc é uma barata!! oh desculpa um Barato!! kkkkkkkk salve os pontos do novo Senna!! se prepare para aguentar!!! vc provocou!!

  40. galileu disse:

    esse seu texto sobre baratas tambem está no livro?
    assim não pode, assim não dá.
    soubesse que voce iria contar o livro aqui, não teria comprado, e faltaria din heiro para voce correr na proxima etapa da classic. rzrsrsrs

Deixe uma resposta para Pedro Araújo Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>