“A EUROPA ACABOU” | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

terça-feira, 29 de novembro de 2011 - 15:49Autódromos, F-1

“A EUROPA ACABOU”

SÃO PAULO (será?)Bernie Ecclestone decretou: a Europa acabou. Para ele, num futuro próximo, serão não mais do que cinco etapas do Mundial no Velho Continente. A Europa é passado, acrescentou Bernie. Putz.

Eu adoro a Europa e, em geral, não levo muito a sério as fanfarronices do pequeno grande chefe da F-1. Mas muitas vezes, embora exagerando, ele acerta no que diz. A Europa precisa, de fato, se reinventar. Gosto de falar “reinventar”. Há uma enorme crise econômica, de autoestima, de confiança e de esperança para os países que escreveram a história do Ocidente e da humanidade, de certa forma.

Países como Portugal, Espanha, França e Itália derivaram para a direita, para o rancor, o ressentimento, o conservadorismo. Suas populações são cada vez mais velhas e os jovens estão cada vez mais sem rumos. Legiões de imigrantes de antigas colônias vivem em estado de segregação social e não há luz visível no fim do túnel. Ninguém nem sabe onde está o túnel. Faltam boas cabeças, pensamento moderno. É tanto problema para resolver no presente, que o futuro foi deixado de lado.

No que diz respeito à F-1, o calendário do ano que vem, com 20 etapas, tem oito na Europa: Espanha, Mônaco, Valência, Inglaterra, Alemanha, Hungria, Bélgica e Itália. Duas estão penduradas, Bahrein e EUA. A fila para entrar tem Rússia e Nova Jersey, por enquanto. Quando Bernie fala em no máximo cinco, dá para intuir quem está na linha de tiro para cair fora. Valência e Spa, por exemplo, parecem com os dias contatos.

É assim.

42 comentários

  1. andreia silva disse:

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Amei a foto! Hilária! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Melhor ainda porque a bandeira da Alemanha não está entre as esfarrapadas! kkk

  2. gevago prescendo disse:

    esses países precisariam de um Lula para serem salvos, assim como nós fomos.. e olha que desenvolver a europa é uma tarefa muuuito mais fácil que desenvolver o Brasil de 2002..
    Ainda bem que tivemos Lula e agora Dilma, que vem sendo uma ótima presidenta

  3. Jáder, O Pitoresco disse:

    Francamente, o que eu não entendo é a postura bocó da Fórmula Indy disso.

    A cada ano que passa a Europa vem sendo mais abandonada pela categoria máxima do automobilismo.

    Alguém me responda: por quê então a Formula Indy não aproveita esse vácuo deixado pela Fórmula 1 e não cai em cima dos circuitos europeus?! Me custa entender isso!

  4. Marcus disse:

    “É tanto problema para resolver no presente, que o futuro foi deixado de lado” Fantástica frase, FG, excelente resumo do problema social e humano da Europa de hoje.

  5. G_Rech disse:

    Derivaram para a direita (Portugal, Espanha, França e Itália)? Governos populistas são direita na Europa? Na América Latina certamente não. Qual era a orientação dos governos que afundaram esses mesmos países?

  6. Eduardo disse:

    Discordo do ponto em que você atribui a derrocada à uma caminhada para a direita dos países citados. Todos eles estavam à esquerda, e atribuo isso como a causa da sua debilidade econômica atual. Gastos sem controle, benefícios sociais insustentáveis geraram o quadro europeu de hoje. A caminhada para a direita se deu APÓS.
    Sim, sou liberal.

  7. EduardoRS disse:

    A Europa acabou pro Bernie, isso sim. Acabou porque hoje tem gente que dá mais $$$ – leia-se governos autoritários do oriente (países árabes, China) e novos-ricos (Índia, Coréia do Sul, etc). O Bernie quer é grana, e ele vai onde dá mais dinheiro. Suga os yuans e as rúpias deles… mas realiza a corrida num horário que seja adequado ao telespectador europeu! Se a Europa estivesse acabado mesmo, ele estaria se lixando para o horário das corridas, da mesma forma que ele se lixa para os telespectadores das Américas.

    A Europa não vai acabar tão cedo. Para nossa sociedade atingir o nível de desenvolvimento da sociedade média européia, vai levar algumas gerações (isso se conseguir). Quem já passou algum tempo por lá sabe disso. Na Europa é possível andar de bicicleta nas ruas sem ser atropelado, o povo separa o lixo direitinho, os serviços públicos funcionam relativamente bem, a infraestrutura é ótima, o nível de segurança é bom. Nações com esse senso de organização e planejamento jamais serão derrubadas. Agora imagine uma crise econômica dessa magnitude por nossas bandas? Estaríamos sem dinheiro, sem infraestrutura, sem desenvolvimento, sem organização, sem segurança – literalmente f*didos. Se alguns dizem que a Europa está acabando, nós, por outro lado, nem começamos.

    • Renato F1 disse:

      Êta visão televisiva! Vai ver de perto a “zona do euro” atualmente. Literalmente, está uma zona o velho continente. A onda agora é outra: BRICAS. Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul! Vê se acorda!

      • Juliano disse:

        O triste é ter que te contrariar, mas como eu gostaria que o que vc esta dizendo fosse verdade. Enquanto 5 milhoes de turistas vao ao Brasil por ano, 80 milhoes vao a França. Diga-se de de passagem, isso é apenas um detalhe. Comparar Brasil com Europa é a mesma coisa de querer comparar o céu com o inferno, ou seja, nem a distancia continental entre as naçoes fazem com que o Brasil seja pelo menos uma unha do dedo mindinho do pé da Europa.

    • ENIO disse:

      concordo em genero, numero e grau…

  8. Mauro Batera disse:

    Olha, sem Spa a F1 fica perneta!

  9. Ivan disse:

    Derrapaste meu caro, nada disso tem a ver com a direita, com rancor ou ressentimento Trata-se da péssima política praticada por péssimos políticos aliada a baixíssimos padrões éticos e morais de ambos (isto “é” a crise e não o capitalismo), políticos e empresários. Acontece também nos países “progressistas” do “bem estar social” (conta que não fecha), e sem falar no delírio que foi a adoção do Euro, isso sim uma grande burrice! Há também um pouco de xenofobia por conta do desemprego (estrutural) e estagnação por conta do envelhecimento da população, mas, onde afinal está tudo bem? Aqui????? O Bernie quer o dinheiro dos incautos, não consegue mais isso na Europa nem nos EUA. Ele pensa que só ele é malandro.

  10. PAULO MOREIRA disse:

    Eu queria saber o que a porcaria do circuito da Hungria faz na F1?
    Tantos excelentes circuitos na berlinda e ninguém fala nada sobre esse kartódromo!
    A única coisa boa, foi a maior ultrapassagem de todos os tempos entre os gênios Piquet e Senna. Que ironia!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  11. Antonio disse:

    Convenhamos que no contraste ao “rancor” existe a arrogância exuberante de um cara que manda, pode, faz, e foda-se o resto desde que os euros cheguem na conta dele. O problema com os circuitos na Europa é esse mesmo, circuitos pé-no-saco mas com euros pra pagar, e circuitos deliciosos com “rancor” de encher a conta de euros desse mesmo cara. Vejamos por exemplo o Estoril, o novo Algarve que pelo que tenho acompanhado em outra modalidades é um tesão de circuito… porque não uma corrida na Argentina ou na África do Sul, grana até existe, menos o intere$$e.
    A F1 gostosa de acompanhar acabou, não a Europa.
    Lusa na A que conta mesmo :D

  12. Francisco Libânio disse:

    Texto fantástico, análise perfeita. Infelizmente, assim como a economia mundial, a F1 vai se distanciando dos velhos centros europeus e indo para os novos. Rússia, China e Índia juntam-se ao tradicional Brasil e fecham o BRIC que, devagarmente, vai dando as cartas no plano econômico. Paralelo a isso, os magnatas árabes vão fazendo da F1 seu recreio enquanto houver petróleo e eles tiverem dinheiro. Nessa brincadeira já perdemos circuitos legais como Portugal, México, França e os mais antigos Holanda e Suécia. Bélgica tá na mira, Hungria, apesar de chato como circuito, tem um astral legal, também. Isso me lembra uma frase do próprio Bernie que disse, quando sugestionado a sacar Mônaco da temporada e a Ferrari do grid, que sem os dois ia procurar outra coisa pra fazer. Começo a achar que ele já tenha achado essa coisa a fazer.

  13. Marcio disse:

    Vai ser a pá de cal no meu interesse na F-1, já não acho muita motivação para assistir as corridas, mas sempre aguardava com ansiedade as provas de circuitos tradicionais europeus e pelo jeito até isso vai deixar de existir.

  14. Junior disse:

    Não dá para deixar Spa e tirar Hungria? Aquilo já deu o que tinha que dar, ou seja, nada.

  15. jefferson disse:

    O Bernie esta mais perto de acabar que a própria Europa. Quando ele morrer, vai ter umas 15 corridas na Europa. Com toda essa onda de protesto no oriente e a falta de interesse da população de países como a China, Coreia, Malasia (não se joga dinheiro fora para sempre), com o esporte, a única forma de voltar a fazer corridas será nos países tradicionais

  16. Carlos Henrique disse:

    Excluir Spa do calendário é uma insanidade.

  17. Anarqusita disse:

    Uma Europa em crise ainda sempre será mais civilizada que um Brasil em plena prosperidade.
    Quanto às guinadas dos governos para a direita, isto não tem nada a ver com a idade das populações: desde que me conheço por gente, ela sempre foi elevada. Será que é porque as esquerdas também não estão correspondendo às expectativas?

  18. Flavio Chinini disse:

    Eu não gosto destas opiniões do Bernie. Acho que assim ele cospe na história do automobilismo. Tudo nasceu lá. Acho que muito da importância que a Fórmula 1 tem hoje vem das corridas na Europa. Dessa maneira, acho que os grandes palcos do automobilismo, como os circuitos na Europa, tendem a sumir.
    Acho que sou contra pelo fato de odiar Tilkódromos (que o Bernie ama).

  19. Fernando Rodrigues disse:

    Tirar Spa da F-1 é a mesma coisa que tirar o molho de uma macarronada. Valência tudo bem pq é uma droga,mas Spa é uma das pistas mais velozes que tem,seria péssimo! E torço muito mais para um Gp na Rússia do que em Nova Jersey,seria muito mais interessante!

  20. José Morelli disse:

    Dizem que o problema da Europa é a baixíssima taxa de natalidade aliada de uma população velha muito numerosa. Não dá pra iniciar políticas de aumento de natalidade porque a crise econômica está corroendo a Europa inteira (de certa maneira é merecido, estão pagando pela arrogância, avareza e soberba) e por isso não há confiança dos poucos jovens heterossexuais em fazer família. Resultado, a Europa está num beco sem saída. Os homos (nada contra) estão dominando geral por aquelas paradas e se beneficiam do enfraquecimento da noção de família nuclear cristã para ganhar terreno e praticar suas próprias políticas que aos poucos distorcem cada vez mais o velho continente.

    O problema mais grave é que o que parece ser solução pra Europa hoje lembra muito o que parecia solução pra Europa após a Crise de 1929….ou seja, autoritarismo à vista. Há quem diga que Fascismos, Nazismos e outros “ismos” possam voltar mais vivos do que nunca por aquelas bandas….

    De certa maneira a descrença no Neoliberalismo e nas políticas econômicas ridículas que eles tomaram favorecem por exemplo o fortalecimento da noção de que o bem-estar social é uma responsabilidade tão grande que não pode estar nas mãos de empresários safados que só pensam no enriquecimento próprio e no enriquecimento de seus grupos de influência ao mesmo tempo que faz discursinho de economista confiante. Uma guinada à esquerda seria uma alternativa interessante pra Europa, caso realmente a crise se acirre tanto ao ponto de fazer os caras pensarem em alternativas para o futuro. O problema é fazer alguma mudança numa Europa cheia de velhinhos caquéticos que não estão entendendo nada do que está acontecendo….

    E o drama da F1 é óbvio, é a grande contradição desse esporte. Embora grande maioria dos fãs da categoria prezam fatores como tradição, o esporte em si é dependente das sinuosidades que o mundo financeiro está submetido. A F1 é um circo que só funciona onde tem dinheiro, na atualidade o fluxo do dinheiro é mais intenso pras bandas da Ásia….e os dirigentes da categoria (aí está o Bernie pra não me deixar mentir) sabem disso e levam o esporte pra onde a frequência da movimentação de grana está. Esses indivíduos partem do seguinte pressuposto: A F1 é um esporte que nasceu e cresceu às custas do desenvolvimento da economia e do ritmo industrial o que impede de ser um esporte que dê vazão à fatores como tradição. Eu tendo a discordar MUITO dessa opinião porque a tradição é sim fator a ser considerado e manter corridas na Europa é respeitar tradição. Aì alguém pode falar, “mas tradição não paga a conta no fim do mês”, pode até não ser, mas é possível que ela abra caminhos pra criar uma economia suficiente pra manter a F1 numa certa estabilidade. Me baseio em que? Na NASCAR….a categoria americana é pura tradição, poucas mudanças são feitas e a categoria é uma mina de ouro nos EUA. Como se explica esse fenômeno? Eu acho que a F1 só tem a ganhar o dia que o Bernie morrer e deixar a liderança desse negócio aí, esse velho é muito ganancioso.

  21. Carlos Trivellato disse:

    Morei na Itália em 1.985. Naquela época, o momento econômico era bom, até um emprego ( ainda que “lavoro nero” ) acabaram arrumando para mim. Adoro a Itália, mas por aquilo que ela já foi, sua herança cultural que é um patrimônio mundial, enfim, fora o fato de ser oriundo e de ter ainda alguns amigos por lá, não me dou lá muito bem com a arrogância sem fundamento do italiano de um modo geral.
    Berlusconi não ficou tanto tempo no poder por acaso, ele é a cara do italiano contemporâneo. Quando resolvi voltar para cá, a impressão era justamente essa, um dia, tudo isso que está acontecendo iria acontecer.
    Esse é um país todo a se construir, enquanto as “velhas matrizes” já estão ultrapassadas, afogadas pelo orgulho sem pé nem cabeça daqueles que por lá ficaram. Ainda que países como a Itália se virem de alguma maneira para sobreviver, investindo em tecnologia e mais alguma coisa que se possa exportar, o que dizer de gregos, portugueses e mais alguns que não são mais que figurantes em uma comunidade econômica a caminho da falência?
    Também adoro a Europa, mas acho que Sr. Bernie infelizmente tem toda razão.

    • Lio Campos disse:

      Chi marquinho ! ! ! será o fim do mundo mesmo…?? dizem umas profecias não sei da onde que o Brasil seria o primeiro ( ou um dos primeiros) País do mundo ..eu nunca acreditei nisso devido ao alto padrão da Europa em relação ao Brasil, país de analfabetos que aceitam tudo IMPOSTOS ALTISSIMOS, CONTROLAR, MULTAS EM CADA ESQUINA ..agua de rua péssima e cara ,luz carissima,IPTU carrissimo,segurança NADA, saude NADA, educação NADA …prestação de contas do dinheiro publico NADA …como pode um País tão corrupito assim com um povo tão idiota assim ser um dos primeiros ???? É logico que é fim do mundo…

      • Renato F1 disse:

        Basta olhar a curva de evolução do BRIC e ver que muita coisa mudou em duas décadas. Por acaso, em 1991, ano do último título de um brasileiro na Fórmula 1, a inflação estava com meta de 4,5% ao ano com máximo de 6,5%? Naquela época, era de 50% ao mês!

        A inflação é o primeiro passo para estabilizar a economia! Agora vem o crescimento econômico-social da população. Para quem não sabe, o povo brasileiro está estudando mais do que naquela época. Programas sociais tem afixado as pessoas no campo – antes era uma debandada para a cidade, conhecido como êxodo rural. Quando o povo adquirir mais conhecimento, vai perceber que a próxima etapa é o combate ao político corrupto (e não corrupito!). Aliás, a qualquer tipo de corrupção em qualquer setor. Basta aguardar um pouco. As próximas décadas serão uma virada do povo que, com mais conhecimento, vai saber o que fazer!

  22. Luiz Oliveira disse:

    Na “geografia” da F1, o país não tem mais importância….Quem manda é aqueles que pagam a despesa…O país é segundo ou terceiro plano……E os países europeus, que estão sofrendo na pele, a burrice de terem apoiados governos neo-liberais voltados para os interesses dos ricos, é questão de tempo se reajustarem…..Acabarem com a idiotice do euro e voltarem a ser soberanos de seus países.

  23. Cassio Pit disse:

    Entendi. Já que eu não voto no Lula (ou no Tarso Genro aqui no sul), sou rancoroso e ressentido. E eu q nem sabia disso!!

  24. Levi Davet disse:

    O problema da F1 é que o bolso de Bernie é mais importante que a satisfação do torcedor.

  25. Rafael Chinini disse:

    poutz….triste demais isso!!!
    tem os melhores circuitos, todos tradicionais, e a Europa ainda tem paises fortes no automobilismo…será que vai se contentar com a Ásia? que mal começou, já tem país pulando fora tb, como Coreia, China etc….eu acho é que Bernie vai ter que baixar o preço dele!

  26. Flavio,

    Adoro seu blog (exceto seus posicionamentos políticos, diferentes dos meus, anarquista de carteirinha). Seus textos são primorosos e é leitura obrigatória. Não acho que o Bernie esteja certo em relação ao fim da Europa. Não sou de direita, mas a esquerda tampouco trouxe nada de novo, tanto para a Europa quanto ao Brasil. Sei que vc é socialista o que respeito, mas a esquerda se corrompeu, se prostituiu, serve a grupelhos…enfim….cada cabeça uma sentença.
    Abraços.

  27. Ricardo Bigliazzi disse:

    Sei lá… acho que não. A Europa também tem as suas discrepancias.

    A Grécia é uma das maiores vilãs da historia nos ultimos tempos… tanto medo e tanto terror para uma economia que tem a pujança economica da GRANDE SÃO PAULO?!?!?!?

    Diante dos fatos… vejo com ressalvas a afirmação do Bernie, ele é um “mercador”… acho que a Europa “acabou” para o tipo de negócio dele… os “novos mercados” podem gerar mais receita para ele… e as oportunidades de negocio devem ser casadas com as datas disponiveis, temos muitas pistas pouco rentaveis na Europa que não devem ser utilizadas no já “pequeno” calendario disponivel da categoria.Diante desses fatos devemos pensar como o velho Bernie… “podemos ter um GP de MERDA na India… mas aquilo é um negócio de OURO para mim”… esse ingles sabe muito bem como ganhar dinheiro.

    Segue o jogo… sempre teremos GP´s na Italia, França, Alemanha,Espanha, Inglaterra e na Belgica (por causa da pista)… e pensando bem os ñão precisariamos de mais GP´s por lá.

    Esse cara não dá ponto sem nó…

    Imperador

  28. marcos jose disse:

    Mônaco, Inglaterra, Alemanha, Bélgica (alterando com a França) e Itália permanecem; talvez se a Bélgica não ficar, a Hungria. Esta é a minha opinião.

  29. Tales Ramalho disse:

    Direita? Desde quando? A jodida Espanha, por exemplo, nos últimos 30 anos e 8 mandatos teve 6 (seis) mandatos de esquerda.
    Agora, que bateram no fim do tunel, voltaram a eleger um conservador. O que não quer dizer muita coisa.
    Para o Bernie tudo o que não é dinheiro é passado…

  30. Mariana disse:

    Valência já iria tarde!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>