MENU

terça-feira, 6 de março de 2012 - 15:17Autódromos

BYE BYE RIO

SÃO PAULO (maçarico ligado) – As obras do Parque Olímpico, que será erguido onde hoje fica o autódromo de Jacarepaguá, devem começar em 60 dias. O processo de licitação foi concluído ontem e o consórcio vencedor, que concorreu sozinho, informou que agora é passar as máquinas e começar a trabalhar.

Mas há um impedimento legal. A CBA tem um acordo com a Prefeitura, assinado em 2008, que prevê que a destruição de Jacarepaguá só pode ser levada a cabo quando outro autódromo for construído no Rio. Existe o tal projeto de Deodoro, que está apenas no papel.

Claro que nenhum autódromo será feito em Deodoro, e claro que Jacarepaguá vai começar a ser destruído em dois meses.

Adeus, automobilismo carioca.

30 comentários

  1. Pedro disse:

    Enquanto isso o Rio Grande do Sul inicia a construção do seu quinto autódromo, em Santa Maria. Todos bancados por prefeituras ou pela iniciativa privada.
    Bacana são os campeonatos regionais gaúchos, que correm nessa diversidade de circuitos. Enquanto isso São Paulo tem apenas um, Rio não tem mais e Minas Gerais tenta construir seu primeiro.
    O que eu acho incrível é que nenhum empresário do sudeste pensou ainda em construir algo no modelo do Velopark gaúcho, considerando o mercado do sudeste para esse tipo de empreendimento ser dezenas de vezes maior no sudeste do que no sul.

  2. Sérgio disse:

    Sabe o que mais revolta? Passada a farra olímpica, adivinha o que vai acontecer com o que for construído, com a tal parque? Isso mesmo: virará sucata, sujeira e imundice. Um autódromo histórico terá sido sacrificado a troco de um evento fanfarrônico de 15 dias.

    E o triste é que tem verdadeiros trouxas que ainda caem nessa cretinice de “espírito olímpico”.

  3. Mello disse:

    Há uma corrida de Fórmula Truck agendada para 1/4 (sem piada) e uma da Stock Car agendada para 15/7. Pelo que disse, a da Truck vai ocorrer, mas a da Stock já era.

  4. Não há motivo para indignação, trata-se de uma tragédia anunciada desde 2010. Apenas estão executando. (Muito já foi debatido e não teve jeito, vão demolir um dos autódromos mais bonitos e bacanas das américas).
    Agora, nos resta “botar” pressão em cima das autoridades com relação a construção de uma nova pista para o Rio de Janeiro.
    Nisso inclui CBA, Prefeitura, Gov. Estado, etc…envolver todos.

    A propósito lanço uma pergunta: Alguém já viu alguma confederação/federação/etc esportiva fazer alguma coisa em prol do esporte a qual está envolvida? (não me refiro apenas ao automobilismo, mas à todas as modalidades).
    Classifico esse pessoal como oportunistas de plantão que enxergam nesses grupos uma chance de exercer poder e ganhar algum troquinho. Algo sindical…

    Um forte abraço.

    Danilo Troncoso
    Programa Octanagem, toda terça-feira às 20h30 em http://www.radioesporteclube.com.br

    • Luiz Oliveira disse:

      Vi a CBV, desde o meio dos anos 70, sempre atuante. Tivemos, pelo menos, 3 gerações de jogadores vitoriosos. E não havia clubes, empresas. Era o esforço da confederação. Agora a coisa está um pouco zoneado. Onde colocam a globo, algo fede.

  5. Valter disse:

    Políticos de forma geral servem apenas para contra-piso de obra. Turma inútil e parasita.
    Além disso, qualquer pessoa que é anti-corridas precisa levar umas bordoadas bem dadas com porrete de borracha de pneu para lembrar que são idiotas.

  6. Viva a farra do dinheiro público disse:

    Viva a copa! Viva as olim-piadas!!!
    Viva a farra do dinheiro público!!

  7. Luiz Oliveira disse:

    Esse acordo é judicial.O projeto em Deodoro (no antigo campo de provas de tiro) e a grana existem, Falta tomarem vergonha e assinarem

  8. Joca disse:

    Prezados um pouco da alma de meus antepassados diria “revolução, vamos sitiar o Rio e o palácio do Governo, degola neles etc.., mas na época atual globalização, internet e outras porcarias digo neste estado não tem um advogado para ajuizar uma ação publica, baseado na lei do esporte? do interesse coletivo, cade a Globo não lhe interessa a permanencia do autódromo?
    Se quiserem sitiamos e estacionamos nossos carros onde os cavalos foram amarrados.

  9. Ed disse:

    Isso é pura culpa dos responsáveis pelo automobilismo no Brasil, que acredito por incompetência, estão acabando com o automobilismo no país ! Se houvesse corridas nesse autodromo com frequência (com algum retôrno financeiro), com certeza isso não aconteceria. Aliás, dizem que a piscina “olímpica” feita para os jogos panamericanos, virou criadouro de dengue, isto é, sem uso, igual ao autodromo? Será que o dinheirão gasto para essas Olimpiádas, vão ficar às môscas depois do evento? Meu Deus! Quem poderá nos salvar desses políticos imbecís ! ! !

  10. peter Losch disse:

    Fui, alguns anos atrás, levar meu filho para assistir sua primeira corrida de automóveis. Era Stock Car. Completa desorganização e momentos de puro estresse. Um lixo. Eu olhava para o rosto do meu filho e notava a tensão, a vontade de sair logo dali. Desta forma, já vai tarde.

  11. JC Simonassi disse:

    FG
    O dinheiro já corrompeu a todos os envolvidos … vão acabar com tudo porque alguns poucos vão faturar zilhões com os empreendimentos na área.

    É muita vergonha … aliás o Rio de Janeiro é uma bandalheira sem igual neste pais. O povão carioca se f… dia após dia sem que o poder público faça minimamente o que deveria fazer !!! Enquanto que nos palácios uma dúzia de bacanas deitam e rolam com os acordos que estamos cansados de ver serem noticiados … Esse é o Rio … esse é o Brasil !!!!

    Cambada ….

  12. MARCOS ANDRÉ RJ disse:

    Não foi a Erundina que levou….foi o Marcelo Cachaça Alencar que deixou que o evento fosse…e depois veio o Cesar Mongoloide Maia e passou a régua…Deixou o pessoal da cart e da fim esperando na porta do circuito para vistoria-lo, resultado perdemos as motos e a indy.

    Por isso que as montadoras instaladas aqui não levam nosso automobilismo á sério, por isso que o Emerson Fittipaldi não se mete e mandou seus netos fazerem escola nos EUA, por isso que as empresas preferem investir sua grana no carnaval, na micareta, jogo de peteca, X-games e outras coisas…

    • Luiz Oliveira disse:

      Nem um, nem o outro…Na época era o angorá meu nome é trabalho moreira franco……Alencar, o aecinho do rio, era o prefeito no período……e o maia foi defeito 3 vezes do rj…uma espécie de maldição dos demos…

  13. Marcelo David Macedo disse:

    Adeus, automobilismo carioca. Ponto.

    E muito mais grave, doloroso e preocupante que isso, é que o projeto de construção do Parque Olímpico prevê a remoção de uma comunidade chamada Vila Autódromo, composta por 500 famílias, que à época formaram a favela graças à outras remoções, fruto da especulação imobiliária nos anos 1970 ali naquela região – quem conhece o Rio, sabe como foi.

    Já existem vários processos de remoção em curso na cidade, casos escabrosos, principalmente na Região Portuária. Peço que isso aqui não fique sem divulgação, é a única chance que temos para travar algum abuso cometido pelo Poder Público. Os representantes da Vila Autódromo falam até em novo caso Pinheirinho…

    Flavio, e mais alguém que esteja lendo, por favor, engrossem esse coro. Mais urgente do que o esporte em si é a vida e o destino de milhares de pessoas, mulheres, crianças. Segue o link com o blog da comunidade:

    http://www.comunidadevilaautodromo.blogspot.com/

    • Joca disse:

      Armem as barracas dento do autódromo (não na pista ao entorno), ninguém consegue tirar, movimento dos sem autódromos, MSA, talvez se consiga uma verba do governo federal, sou um dos primeiros, no traçado qual o melhor lugar para ficar?

      A comunidade desculpe a brincadeira. torço por vocês a situção é muito séria, tenham fé naquilo que acreditam.

  14. Araujo disse:

    Eu acredito que o automobilismo carioca (e fluminense) começou a morrer em 1990, quando Luiza Erundina levou a F1 do Rio para São Paulo. Ao perder a mais importante categoria do automobilismo mundial é bem possível que os governantes locais tenham pensando que não valia a pena investir em algo “menor”, se havia algo ali perto “muito mais rentável”. A partir daí os desastrados, incompetentes e gananciosos governos estaduais e municipais deram “de ombros” para corridas de carros, talvez imaginando que o carnaval bastasse para gerar riqueza. A RioTur alega que o carnaval carioca traz mais dinheiro para a cidade que todos os oito maiores eventos de São Paulo somados – incluindo o carnaval paulistano e a F1 (tudo isso para dizer que não é pouco dinheiro). Eu não gosto de carnaval (detesto), mas respeito quem o faz. Mas considero uma tolice pensar apenas na quantidade de grana que um evento pode gerar. E os anos foram passando, abandono, descaso, desordem… Agora automobilismo só na memória.

    • Flavio Gomes disse:

      Se a Erundina não trouxesse o GP para São Paulo, a F-1 estaria fora do Brasil. O Rio estava descartado.

      • Joca disse:

        Um autódromo tem que ter alma se não tiver morre, Interlagos tem, são poucos no Brasil, Jacarepaguá tem?

      • Luiz Oliveira disse:

        Olha o bairrismo…….Moreira Franco (desgovernador do rio em 86) é que não teve nenhum interesse e competência para renovar o contrato….A partir daí, com os sucessivos desgovernos no RJ, o automobilismo foi sucumbindo……É claro que Deodoro nunca terá o charme que teve Jpa…..E interlagos do passado era uma coisa…Hoje é um elefante branco a beira de um esgoto a céu aberto

      • Araujo disse:

        Só para ficar claro: não estou atribuindo responsabilidade à Erundina. Apenas tento estabelecer este momento – da saída da F1 para Sampa em 1990 – como o princípio do fim do automobilismo fluminense. O motivo desta saída já foi bem explanado por todos aqui. O que quero dizer é que a morte de Jacarapaguá é apenas um dos últimos episódios de uma novela mal escrita que se arrasta há mais de duas décadas. Vinte e tantos anos de governos incompetentes, que só pensam no carnaval e na fortuna que lhes gera. Como se a cidade pudesse abrir mão de outros eventos importantes, ainda que menos lucrativos. Quando viram o que rende uma Indy ou MotoGP, e tendo perdido a F1, os gananciosos governantes devem ter dado risada e pensado: “para quê precisamos de autódromo?” Ou seja: este “bye bye” não é de hoje. Vem sendo dado há muito tempo…

      • Luiz Oliveira disse:

        O problema não é destruir o autódromo…É construir um lixo em cima……..Onde se ganha diversas vezes o valor da obra é na construção….Vide a Cidade da Música no RJ, que custou dezenas de vezes….Vide o TRT SP do finado juiz lallau……Onde se pode ganhar mais: construindo um “centro olímpico praticamente na barra da tijuca ou um autodromo em deodoro ???……O primeiro vai custar talvez 100 vezes o segundo…Porque não se pode roubar nos dois ???….Sabemos que iremos ser roubados (como de hábito), mas construam em deodoro

    • Nelson disse:

      A culpa não foi da Erundina ter levado para SP.A culpa foi dos governantes porcarias que o Rio vem tendo a decadas.O autodromo era ótimo,os pilotos todos da f1 preferiam correr no Rio,principalmente porque nas horas vagas passeavam pelas praias e não pelos iguatemis da vida.Mas como ninguem fez nenhum esforço para segurar o segundo maior evento carioca,simplesmente escorregou pelos dedos.O Rio é uma amostra em tamanho pequeno do Brasil:maravilhoso mas comandado pelo que há de pior na politica.

  15. Thiago C.A. Leal disse:

    Adeus automobilismo carioca? Adeus a uma parte da história do automobilismo brasileiro. Adeus, memória. Adeus, Nelson Piquet (2 vezes!). Adeus, Alain Prost (CINCO!). Adeus, futuro. Adeus, passado. Tantos crimes contra a história, o patrimônio e a memória em nome de dois eventos que só vão durar um mês cada um…

  16. Alberto disse:

    Você escreve as coisas como se fossem um ‘ultraje’…
    Na nossa bandeira há uns dizeres em uma faixa branca que atravessa um globo azul…. inicialmente era pra ser “Amei-o ou Deixe-o!”, mas iria ser muito radiacal, daí mudaram para “Ordem e Progresso”.
    Não adianta reclamar dessas coisas… elas sempre vão acontecer, pois não há ninguém e nem cidadãos brasileiros que consigam tirar os nossos “representantes” no poder desse maravilhos, mas injusto pais.
    Boa Tarde!

  17. Fábio Mandrake disse:

    Como carioca estou de luto, meu pai era engenheiro e desde que a F1 começou a correr lá em 1978 ele era responsável pelas obras do autódromo.Por conta disso assisti todas as corridas ao vivo, aprendi a dirigir na pista de Jacarepaguá(numa Brasília verde).Quando comprei um Maverick em 1990(tinha 20 anos) acelerei ele lá.Participei de exposições de carros lá(com meu Karmann Ghia azul).Tenho fotos e mais fotos de vários eventos lá, amadoras e depois profissionais até por conta de minha profissão de fotógrafo.Participo com amigos aqui do Rio do S.O.S Autódromo do RJ(com amigos de longas datas André Buriti, Roberto Octavio etc).Já existe um vazio dentro do coração de cada carioca apaixonado por velocidade, agora com a completa aniquilação, existirá um vazio no coração de todo brasileiro apaixonado por corridas.Triste fim Flavio.
    Uma pergunta:Flavio vc ja acelerou lá?
    Abraços

  18. Sou Pacheco, mexe e vê se aguenta!!! disse:

    E se não abrigasse a F1, Interlagos teria o mesmo destino. Se bem que inventaram de sediar mega-eventos evangélicos ali, portanto não sei se teria não.

  19. Leonardo muntoreanu disse:

    Acho que devemos lutar ate o final para termos um autodromo aqui no Rio, e não deixar esses palhaços a vontade !!

    • Nelson disse:

      O pior é que temos,o problema é que vão acabar com ele.Obras,sem elas quem vai ganhar dinheiro?Querem mandar o autódromo para DEODORO,muito mais longe e pior que interlagos.Corrida noturna nunca terá,pois chegar lá a noite vai ser tarefa para super corajosos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>