SALVEMOS O MUSEU | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

quinta-feira, 20 de setembro de 2012 - 17:44Museus & coleções

SALVEMOS O MUSEU

SÃO PAULO (respostas?) – Hoje de manhã o Roberto Nasser me ligou. “Acabaram de lacrar o museu”, me disse, com a serenidade de quem sabia que ia acontecer, mais cedo ou mais tarde. Sem nenhum desespero na voz, sem vociferar contra ninguém. Fecharam e lacraram o Museu do Automóvel porque o Ministério dos Transportes requisitou o prédio para guardar seu arquivo morto que está apodrecendo em algum canto no Rio de Janeiro. Vai-se gastar uma boa grana para transportar esse arquivo morto. Alguém vai ganhar bastante dinheiro com isso.

A insensibilidade das pessoas é inacreditável. Algum burocrata do ministério, e aí não importa se o governo é pestista, tucano, democrata, republicano, comunista ou talibã, assinou essa requisição. Como a maioria dos técnicos e burocratas, não se preocupou com as consequências da assinatura que colocou no papel. Talvez nem saiba que no local requisitado funciona um museu. Ou talvez saiba, mas não deu importância. Foda-se o museu, deve ter pensado o burocrata do ministério preocupado com o arquivo morto. É um idiota, o cara que assinou. Assim como são igualmente idiotas todos aqueles que, diante dos pedidos insistentes de tanta gente, todos com ótimos argumentos, não moveram um dedo para solucionar a questão antes que se chegasse ao ponto de lacrar o museu. São idiotas todos aqueles que, na Justiça, fecharam os olhos para os recursos e petições e não fizeram nada. São uns idiotas os que se viram diante do problema e não ajudaram o Nasser a encaminhar alternativas. Idiotas, só temos idiotas no Brasil.

Agora, vamos à parte prática. O Nasser me explicou que há solução para o acervo mudar de lugar. Sendo assim, que o Ministério dos Transportes faça bom uso do prédio. No fundo, eu desejo que pegue fogo, um dia, no arquivo morto. Mas o que importa, agora, é encontrar uma nova casa para o museu. Há uma possibilidade no Parque da Cidade, e parece que depende apenas da redação de um decreto simples do governador do Distrito Federal que autorize o uso de um prédio vazio. Nasser também conseguiu falar com gente do gabinete da ministra Marta Suplicy, da Cultura. Pode ser que ela o receba em audiência.

Abaixo, e-mail que recebi do Nasser ontem, esmiuçando o assunto. É longo, mas merece ser lido. Como se vê, tem até gente no primeiro escalão que está querendo ajudar, como a ministra do Gabinete Civil Gleisi Hoffmann. Mas a Advocacia Geral da União, aparentemente, está com pressa. Apressadinhos. O juiz da 5ª Vara Federal também estava meio impaciente. Não deu a menor bola para o pedido de reconsideração do Nasser. Vejam:

A proposta do Ministério dos Transportes em fechar o Museu do Automóvel e aproveitar suas boas instalações para abrigar, como justifica “o arquivo morto de órgão extinto “, por mais esdrúxula e inadequada possa parecer, cresce insidiosamente. Após as contestações, recursos, agravos, um nunca acabar de contatos no âmbito do judiciário e político nos estamentos federal e distrital, pensei que a situação estivesse calma, à espera de uma solução administrativa ou de uma pacificação política. Paulo Dubois, administrador do Parque da Cidade, individualizou prédio sem uso e capaz de ser rapidamente adequado a sediar o museu. Toda a documentação foi encaminhada ao governador do DF, Agnelo Queiroz, para a assinatura do necessário decreto de mudança de destinação da área. No campo jurídico, a Advocacia Geral da União, após constatar que ninguém assumiria a responsabilidade de tomar conta do acervo, sua riqueza, veículos únicos e a biblioteca, maior do país, propôs apresentar um plano de mudança para o museu.

Em paralelo, a ministra-chefe do Gabinete Civil enviou aviso à AGU recomendando providências para uma solução amigável. Ocorre que o decreto do Ggovernador não surgiu; a AGU descobriu que, fosse fácil transferir o museu, isto já teria sido feito, e do aviso da Ministra não se considerou. Assim, a AGU reconheceu a dificuldade da remoção do acervo e solicitou ao iuiz da 5ª Vara Federal que mandasse lacrar o museu.

Eu estava fora do país quando informado, abortei minha viagem, mudei agenda, cancelei palestra que faria em São Paulo, para acompanhar o negócio de perto. A Secretaria de Patrimônio da União, onde meu pedido transitou durante dez anos, recebeu ordem do citado juiz para apor o lacre. Redigi um pedido de reconsideração, e fui recebido para despacho com o juiz que, aparentemente não se mostrou interessado em analisar as razões, sequer o pedido para manter o museu funcionando até a sentença na ação. Até agora trabalha-se sobre uma liminar, cujos fundamentos foram afastados pelo pedido da mesma AGU.

Lacrar o museu significa fechá-lo. O acervo fica mais ou menos protegido, entre paredes, mas não pode ser limpo, mantido, ou os motores serem funcionados. Ou seja, é o início da catástrofe que todos assistimos no Museu Paulista de Antiguidades Mecânicas, em Caçapava. A entrada no prédio pode ser feita pelo pessoal do museu apenas para retirar itens pessoais. Na prática do inexplicável, a solução nada serve às partes. Nem entrega o imóvel ao Ministério dos Transportes para ali guardar as preciosidades alegadas do “arquivo morto de órgão extinto” como explica na petição inicial — aliás este entulho elegante está guardado no Rio de Janeiro —, nem deixa o Museu cumprir sua missão social, estar aberto ao público.

Solicitei uma audiência com o governador, outra com a nova ministra da Cultura, a senadora Marta Suplicy, que tomou posse com discurso sobre a importância dos museus. São as duas autoridades objetivamente ligados ao tema. Estou ao aguardo de ambos com expectativa de resolução.

Sou um otimista, embora de pouca paciência para convívio com a ignorância institucional. A importância do tema para a cidade tem gerado manifestações de apoio de antigomobilistas e gente que não é do ramo, mas entende a importância do existir um equipamento como este. Afinal, reúne raridades, duas exclusividades mundiais, quatro unidades tombadas pelo patrimônio público de São Paulo, já recebeu mais de 120 mil visitantes. As assinaturas à petição pública na internet têm aumentado, assim como as mensagens nas redes sociais divulgando a situação. Amplo leque de manifestações positivas. O tricampeão Nelson Piquet, do exterior, mandou mensagem se disponibilizando para levar o tema às autoridades. O Museu do Caramulo, o mais importante de Portugal, quer saber como auxiliar ! A bobagem vaza.

O descrédito do Brasil no cenário mundial será chaga difícil de fechar. Cerrar equipamento cultural às vésperas dos eventos internacionais, e quando os turistas já têm chegado à capital, será enorme. Brasília nada tem investido para a Copa exceto o estádio, de desconhecido uso posterior à Copa. Sem ampliar as opções turístico-culturais, ainda fecha um ponto importante de atração para a cidade. Além do apoio de gente esclarecida, a disputa tem parceiro importante: o Ministério Público do DF baixou procedimento para que o governo local e secretarias criem uma solução para impedir o fechamento, eis que vedado pela Lei Orgânica do DF. Mas, neste país que nos desorienta, uma instância recomenda solução para impedir o fechamento. Outra, federal, manda fechar.

Acredito numa solução rápida e positiva. São muitos os argumentos favoráveis e apenas um em contrário. Vejo os advogados da AGU e o magistrado como pessoas de extremada coragem. Nestes tempos de redes sociais, bullying, comunicação imediata, suas ações pró fechamento serão comentados por largo tempo pela lamentável vitória em fechar um museu e expor o país e suas autoridades maiores. Esta imagem profissional de insensibilidade com o país irá acompanhá-los em toda análise para promoção. Um outro aspecto que não se deve desconsiderar é o período pré-eleitoral. A divulgação dos atos ou omissões de dois governos do PT, o federal e o brasiliense, é carga adicional que os candidatos do partido dispensam neste momento de julgamento do “mensalão” e de desgaste de imagem.

Enfim, reitero a certeza que, com tantos argumentos, apoios, ajudas de pessoas que sequer conheço, estamos fazendo uma barreira sólida para evitar um resultado que em nada interessa, desde o aluno de primeiro grau à presidente da República. Entretanto, quero tranquilizar meus amigos: todos sabem, gosto de automóveis, sua história, mantenho minha convicção que em nossa passagem por aqui devemos construir e não apenas gastar e usufruir, tenho crença na obrigação social de dividir conhecimentos. Entretanto, o que pode se chamar generosidade não se confunde com desvario ou falta de noção. Se o governo do país nas esferas federal e na distrital entendem que museus são desnecessária frescura, que o obscurantismo é melhor que a luz, paciência. Fecharei o Museu, exportarei o acervo, venderei a biblioteca e, talvez, ainda agradeça aos agentes da justiça e da política ter-me poupado dos continuados esforços, da aplicação de tempo, recursos, emoções, e lamentarei ter nascido no país errado.

Você acha que pode ajudar ? Proteste, fale, coloque nas redes sociais, escreva aos políticos de sua região, proteste junto ao gabinete da presidente, ao governador do DF, à ministra da Cultura, ao advogado-chefe da União.

Melhores saudações antigomobilistas do Roberto Nasser, curador

Aqui está a petição pública para quem quiser assinar. Todos que puderem ajudar, ajudem.

49 comentários

  1. Bruno disse:

    Notícia Ruim. Tem que preservar a história.

  2. lUIS FELIPE disse:

    EU TRABALHEI 4 MESES NO MUSEU . Tinha uns 23 anos …O Nasser é uma pessoa muito correta . Dirigi o Onça (dura pra cacete a direção…) e um Ford Landau da presidencia que as vezes tirava um cochilo dentro dele !!! (82 automático a alcool) e ficava matando tempo dentrO do ITAMARATY EXECUTIVO 67 …… Uma pena o que acontece no Brasil Aquele Museu foi feito na unha por ele…..

  3. lUIS FELIPE disse:

    EU TRABALHEI 4 MESES NO MUSEU . Tinha uns 23 anos …O Nasser é uma pessoa muito correta . Dirigi o Onça (dura pra cacete a direção…) e um Ford Landau da presidencia que as vezes tirava um cochilo dentro dele !!! (82 automático a alcool) e ficava matando tempo dentr do ITAMARATY EXECUTIVO 67 …… Uma pena o que acontece no Brasil A

  4. Nei Arthuzo disse:

    Flavio, veja o caso do museu da Varig que pode ter seu acervo leiloado para pagamento de dívidas: http://www.avioesemusicas.com/assim-se-perde-um-pouco-da-historia-da-aviacao-no-brasil.html
    Pelo jeito vai (ou já foi!!!) pelo mesmo caminho do museu do automóvel…

  5. Zé Zanine. disse:

    Está se discutindo a questão do acervo do Museu do Autómovel não é de agora.
    Como um ministro pode se sensibilizar com a questão? não pode!
    Um ministério que é usado como moeda de troca por conta da governabilidade, não pode ter a frente alguem interessado!
    Enquanto isso o Museu é lacrado, nossas estradas são um lixo e estão desatualizadas.

  6. LUIZ EVANDRO AGUIA disse:

    Flavio ..Ja assinei a Petiçao…..vamos torcer, pra dar certo.. abs .Aguia from Floripa ^^

  7. Corcel Bino disse:

    Vamos lançar uma campanha: “Doe um scanner ao Ministério dos Transportes”. Assim quem sabe ele faz um back-up do arquivo morto do RJ e poupa o Museu do Automóvel do despejo. Alguem lá do MT deve ser fã de Barata.

  8. Eduardo Aranha disse:

    Entendo a revolta estampada em muitos comentários, diante de barbaridades como esta. Todavia, não podemos nos limitar a comentários irados, precisamos agir.

    Precisamos encontrar formas de mobilizar a sociedade, utilizar os meios de comunicação e as redes sociais para conseguir dezenas de milhares de assinaturas à petição.

    Estou enviando o seu post a diversos jornalistas e líderes de opinião que conheço. Quero crer que entre os leitores do seu blog haja muitas pessoas que tem amigos ou acesso a influenciadores de opinião, que poderiam repercutir esta causa.

    Um abraço e parabéns por expor este absurdo com um texto irretocável.

  9. Wolf disse:

    Não é possível uma coisa dessas…….conheço o Nasser e o Museu……figura ímpar e local maravilhoso…….continuemos no combate!!!!!!!!

  10. Valter Prieto disse:

    Tenho certeza que haverá lugar de acesso público para esse acervo.
    O país não pode ser tão mal agradecido para com uma pessoa que dedica boa parte de seu tempo em prol da história.

  11. Nilson disse:

    Petição assinada.

    Mas que história desagradável, puts!!!!

    E esse Gorvenador de Brasília também é outro sem futuro, essa história do museu já esta na mídia há um bom tempo e esse energúmeno não tomou nenhuma providência!!! Também pudera, é tanta notícia de corrupção no lombo dele que ele não tem tempo para ADMINISTRAR A CIDADE!!!!!!!

    Acho que o jeito é pedi para o Cachoeira ligar para o Governador, quem sabe assim ele dará um jeito nessa situação exdrúxula.

  12. Pereira disse:

    Assinado. Espero que o tamanho do texto não tenham assustado os leitores do blog.
    Sugiro, na próxima vez que pedir assinaturas para a petição, colocar no início do texto.

  13. Marcelo disse:

    Apoiado e já assinado.

  14. Serginho disse:

    Assinado.

    Pra quem acabou de voltar da Italia, com seus milhares de museus, sua cultura preservada, ver isso acontecer por aqui é simplesmente desanimador…

  15. Paulo disse:

    Olá Flávio. Já li outros posts sobre esse assunto e tento acompanhar de alguma forma. Me chama atenção o fato do Nasser não citar o IBRAM – Instituto Brasileiro de Museus, que possui diversos editais para investimentos em museus. Vc sabe se houve contato direto com eles?

  16. Marques Goron R. da Silva disse:

    Assinado,

    Infelizmente essa é mais uma péssima notícia num ano repleto delas.

    Incrível que esse é o segundo museu onde o Willys Capeta foi abrigado e que também foi lacrado. Ele estava anteriormente em Bebedouro, no falido museu de antiguidades mecânicas…

  17. Tulyo Cruz disse:

    Fiquei sabendo deste caso ontem por intermédio do AUTOentusiastas (Bob Sharp), assinei a petição e fiz questão de divulgar em minha rede de amigos na internet. Quanto ao arquivo morto, acredito que, e como você mesmo disse – alguém vai ganhar bastante dinheiro com isso – seria mais sensato e barato se microfilmassem todos os documentos, que caberiam, num quarto 4×4. Por formação sou técnico em microfilmagem, já não exercendo a profissão há alguns anos, mas acredito que esta técnica esteja mais aprimorada e eficiente. Mas vai entender cabeça de burocrata. Sorte ao Nasser e um abraço prá você.

  18. alberto disse:

    Já assinei. Ministra Marta, a Sra. tem 5 Bilhoes de dinheiros pra admistrar a cultura do país, que não se restirnge apenas a escolas de samba, bailes funk e merenda escolar.

  19. Angelo disse:

    Desativar um museu pra criar o arquivo morto de órgão público extinto em outro estado é tão surreal que parece que veio direto das páginas de um livro do Gabriel Garcia Marquez. O Brasil é uma caricatura de si mesmo. E a burrice aqui é apartidária.

  20. Claudio Luccisano disse:

    Assinei !!!
    É duro viver em um país onde a grande maioria de nossas autoridades não tem nem uma pálida ideia do que é memória e história.
    Duro é imaginar o que está por trás de uma “transferência de arquivo”.

  21. Minoru disse:

    Já fiz a minha parte!
    E o tal museu que ia ser criado em Interlagos, não há nenhum passo além da idéia de criá-lo?
    O da ULBRA se foi, agora o de Brasília e o de Caçapava se chover de novo, também será perdido… não vai sobrar nenhum???

  22. Mariana disse:

    Também já assinei, mas é muito difícil essas petições públicas darem em alguma coisa. Sou historiadora e não é brincadeira a quantidade de museus que são fechados no Brasil por qualquer coisa, sem nenhum apoio do poder público (aliás, até mesmo por determinação dele, como nesse caso).
    A petição vale por trazer o assunto à público, principalmente causando algum agito na internet, aí fica mais fácil acreditar em um desfecho favorável na justiça. Outra coisa que me ocorreu é que quem está defendendo o museu é o Suplicy, vamos ver se ajuda ser a ex dele a nova ministra.

  23. ags5859 disse:

    Sr Nasser…Esquece, o senhor vive em um pais sem moral..e fatores extra reais nas ações de pessoas com ameba cefalica grau III.
    Em resumo, vá pescar, pois ai tem rolo , ai tem neguin que querendo algo, ou um bando de neguin afim de ve-lo bem por baixo.Acho que seu trabalho é fora do comum, mas…é o brasil..de letras miúdas,esse brasil que dá dois passos a frente e 6 pra trás..

  24. Alexandre - BH disse:

    “… e lamentarei ter nascido no país errado”. Engraçado: o que o Nasser escreveu eu sinto todos os dias.
    Que país burro é este, que dá um belo foda-se para um museu, mas paga 2 milhões pra retardado (ou retardada) que ganha edição de reality show?
    Aonde esta nação pretende chegar, com gente que fica milionária só por mostrar na TV peitos e rabos moldados em silicone e anabolizante, mas cérebros do tamanho de azeitona?
    Que lugar estranho é este, que idolatra o bandido, o desonesto, o brega, o fútil?

    Se eu fosse o Nasser, não ficaria batendo cabeça com isso não. Não querem o museu? Então vão todos à merda. Continuem se matando por um ingresso pra show do Michel Teló. É o que vocês merecem. Vendo o acervo pra quem valoriza, arrumo minha capanga e dou uma banana pra esta província. E fim.

  25. locha primo do chunda disse:

    nada mais facil e tranquilo que uma canetada no fim do expediente.. camarada nem deve ter lido e tascou a assinatura bonita a la escala richter, toda lambrecada e rasbicada….. acho que o nasser deveria por la a carcaça o opala que matou o JK la na Dutra… quem sabe eles assim saberiam do que se trata????!!!!!

  26. Roberto Fróes disse:

    Já assinei essa petição faz tempo!
    Paisinho de merda!
    Arquivo morto de órgão extinto, localizado a mais de 1000 km de distância! Extremamente relevante, não é mesmo?
    Cultura prá quê? Para ser um pouco mais inteligente e não aceitar uma excrescência dessas?
    Repito: paisinho de merda…

  27. Sérgio luiz Donadel disse:

    Só uma coisa mais para deixarmos chateados. Quando é um assunto banal sobre F1 com nomes de brasileiros envolvidos o número de comentários passa fácil de 100, 200, chegou em alguns até 1000. Quando é um assunto que envolve nossa memória automobilística até agora tem 5 ou 6. Será o efeito de escutar música breganeja que está afetando o bom senso daqueles que se dizem gostar de automóvel como certa empresa de combustível? É tenso o assunto.

  28. Sérgio luiz Donadel disse:

    Flávio, minha assinatura é de número 1005. Faz tempo que acompanho essa marmota. Só pode acontecer mesmo em Brasília – terra dos contrastes – onde um Museu que preserva a memória do automóvel como esse é tratado desta maneira. Você mesmo conhece vários museus da Europa como da Mercedes, Audi, VW, Ferrari e sabemos como a memória do brasileiro é curta, capaz de nem lembrar a noite o que comeu de manhã, que dirá de preservar este ou qualquer outro museu. Depois querem que o Brasil saia do 3º mundo, como, se não preserva sua cultura. Força ao Nasser que não conheço pessoalmente, mas que pelas últimas imagens deles está abatido, necessitando deste apoio nacional. Vamos torcer para que esta situação seja resolvida da melhor maneira e logo podermos estar aqui neste espaço democrático para vermos a volta deste Museu em pleno funcionamento.
    Sérgio Luiz – Barra do Garças – MT

  29. João José F. da Silva disse:

    Petição assinada.
    Como comentei ao assinar a petição , por esse e outros motivos é que a minha esperança de um país melhor há muito tempo já se foi.
    Estamos cercados de parasitas , que só disponibilizam seu precioso tempo quando o assunto a ser tratado lhes renderá mais dinheiro ou mais poder. O resto não interessa , pois nele estão incluidas coisas sem importancia , como a cultura , o povo ,o país.
    Nunca alcançaremos o desenvolvimento , nuna chegaremos a ser uma grande nação.
    Brasileiros , conformem-se. Seremos sempre o capacho , a lixeira , a latrina.

  30. nando figueiredo disse:

    O que me deixa mais indignado, é que um assunto serio como esse não parece comover as pessoas que acessam o blog.

    Assuntos sem real importância, do tipo quem era melhor: Senna x Piquet, geram calorosos posts com direito a replicas e treplicas.

    E por essas e outras que um ministerio acha melhor transformar um museu bem cuidado em arquivo morto, o “povo” não se interessa por um ou pelo outro, pro “povo” é tudo igual. Infelizmente.

  31. Franco disse:

    Eita que esse país mata nossa esperança a cada dia. Só falta mesmo a turma do ECAD ter fervido no museu para cobrar pela execução mecânica das músicas que tocavam ao fundo do vídeo que ilustra o post. Palhaçada demais!

  32. Enko disse:

    acabei de assinar, temos que nos unir para evitar barbáries como esta, ser de foro inevitável o fechamento do museu no lugar, brasília tem por obrigação moral arrumar outro,local condizente com o acervo.
    dona dilma, ligaram para voce: ana maria braga e disse: ACORDAMENINA.
    tá na hora de alguém gritar pela nossa memória tão desgastada pelo tempo.
    quem sabe agora a nossa sinistra da cultura, (a plantadora de coqueiros argentinos), resolva fazer algo,ou vai nos mandar relaxar e gozar de novo.

  33. Marcelo Melo (Jacarepaguá - RJ) disse:

    Assinei e postei no meu Perfil do Face, que – de famoso – consta o Panda e o Bruno Mantovani. SÓ FALTA VOCÊ, FG !!!! rs

    Sorte e força ao Nasser.

    Tâmo junto, mermão !!!

  34. Sergio Luis dos Santos disse:

    Na verdade, eu espero mesmo que Interlagos tenha o seu museu do automóvel, que seja grandioso e que um dia seus organizadores tragam todas estas coleções e museus espalhados pelo Brasil, sendo escurraçados de lá para cá, e coloquem todos lá. Cidades que não dão a mínima para a história não a merecem ter por perto. Brasília, Rio de Janeiro… Mas se fôsse para colocar umas bolas de futebol com umas camisas velhas penduradas ah! tinha até discurso de autoridade, não é mesmo?

  35. Ze Pedro disse:

    Assinado!
    Se quisermos mudar alguma coisa neste país,devemos agir!

  36. sandro disse:

    Vamos colocar o Piquet nessa de arrumar um lugar!!!!!

  37. Roberto Mota disse:

    Já assinei a petição!!Força,Nasser.Vai dar tudo certo.

  38. apuzzo disse:

    Flavio,não poderia ter sido melhor o seu tópico. Os detalhes do anexo do Nasser retratam a real situação.
    Que sejam utilizados todos os meios de divulgação,para mostrar o máximo de apoio pela manutenção do museu. Cada um fazendo a sua parte,será mais provável um bom êxito
    Estou repassando ao meu meiling

  39. Ricardo Otto disse:

    Isto me cheira a oportunismo. Se não tiver onde colocar, Nasser vai ter que vender o acervo? Será que não tem gente do governo louco para ficar com as preciosidades?

  40. walter disse:

    Deplorável a justiça que faz este juiz, creio que mais importante que a cultura do país seja a grana que vai rolar na operação do transporte de um arquivo do RJ para o DF, provavelmente para traças previlegiadas se alimentarem. E ninguem, absolutamente ninguem faz nada para acabar com estas maracutaias.

  41. Pedro de Albuquerque Maranhão disse:

    Aviso novamente que fiz 3 fotos do museu lacrado hoje à tarde. Elas estão à disposição para serem usadas por quem quiser. Segue meu e-mail para contato:

    pedro.a.maranhao@gmail.com

  42. Januario Jereba disse:

    Assinado, “twittado” e “facebookado”!

  43. JC disse:

    Flavio, não estão montando um museu no autódromo de Interlagos?
    Não seria possível a transferência para lá?

  44. Toni Trombini disse:

    Petição assinada.

    Preservar a memória histórica combina apenas com as civilizações mais evoluídas. Infelizmente para nos cudomundianos.

  45. Espinosa disse:

    Brasileiro não gosta de preservar a sua História, Um bom exemplo é a avenida paulista , vejam o que restou dos seus belos casarões, outro exemplo e a antiga fábrica da WEMAG, e sem falar de Jacarepaguá, infelizmente para o brasileiro é tudo velharia, coisa de povo emergente.

  46. Acarloz disse:

    Juiz apressado? Só se era dor de barriga… As vezes esse país é muito bunda… Pelamor…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>