ONE QUESTION | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

quarta-feira, 30 de outubro de 2013 - 0:01One question

ONE QUESTION

SÃO PAULO (não ofende) – Leio nos pasquins eletrônicos que a BMW, do Brasil e da Alemanha, foi condenada a pagar 400 milhões de dilmas à família do cantor João Paulo, que morreu num acidente com carro da marca em 1997 na rodovia dos Bandeirantes, em São Paulo.

O carro, uma 328i, capotou e pegou fogo.

Pelo que diz a matéria, de início um laudo do Instituto de Criminalística determinou que o excesso de velocidade teria causado o acidente. João Paulo também estaria sem cinto de segurança e, na época, falou-se sobre um suposto cansaço do cantor, que tinha acabado de fazer um show em São Caetano. O acidente aconteceu de madrugada.

O juiz que mudou a causa do acidente diz que estourou o pneu dianteiro direito “com base num laudo pericial”.

Longe de mim defender ou atacar alguém, mas me pergunto, e essa é a “question” do título do post: como periciar um pneu e/ou uma roda de um carro que pegou fogo e dele/dela nada sobrou? Como afirmar que um pneu que derreteu pode ter furado sozinho, ou por problema de montagem, ou sei lá como? Marcas no asfalto? Seriam suficientes? OK, poderia haver marcas de roda no asfalto, mas como afirmar que se um pneu de fato estourou não foi um prego, ou algo assim?

Sei lá.

107 comentários

  1. arthur disse:

    Eu fico triste com uma decisão assim.
    Eu estudo há 10 anos pra passar no concurso da magistratura.
    Enquadraria esse caso como suicídio, na dura. Que se vire o desembargador pra reformar minha sentença. O fato de a pessoa estar a bordo de uma BMW não a garante e não a isenta de acidentes. Ao contrário. Se não tiver muito juízo, o carro se torna UMA ARMA na mão do usuário, e o fabricante, por mais endinheirado que seja, nao tem a menor culpa, pois quem usou o instrumento como arma foi o condutor! Lamento muito, e espero, como entusiasta de leis e de carros, que esta sentença seja reformada. Abraços.

  2. Nelson disse:

    Porque um juiz destes não cobra pelas mortes nas estradas federais que não tem a menor conservação? Quantos morreram na São Paulo – Curitiba por atrasarem a construção da pista dupla em um trecho em que acharam um CASAL DE PAPAGAIOS e não quiseram incomodá-los?

  3. antonio stricagnolo disse:

    Brasil,meu Brasil brasileiro ……………………………………………………………………..

  4. Lio Campos disse:

    Justiça ??? que Justiça ??? Só acredito na Divina, a dos Homens não vale nada Eu ja fui vitima da má Justiça varias vezes e PERITO !! ! Qual quer MANÉ pode ser PERITO neste País de merda só existe um curso que dura 6 meses acho que no Paraná, qualquer um que tenha curso Superior pode fazer qualquer um de PERITO Por exemplo se o Flavio (Jornalista juramentado exelente só sabe fazer isso mas faz super bem Jornalismo) Resolver qualquer dia ser PERITO em DESASTRE AERONAUTICOS , pode em 6 meses ou DESASTRES MARITIMOS de SUBMARINOS pode em 6 meses Ai pergunto algum PERITO realmente sabe o que esta dizendo ??? No meu caso fui lesado por um par de PERITOS que o Juiz indicou que eram AMIGOS do Juiz disseram que eram de confiança do Juiz e COBRAM para fazer isso e cobram caro …pois acho que tem que sustentar uma Familia grande né ??? É como Eu disse só JUSTIÇA DIVINA ESTA NÃO PRECISA de PERITO nem de JUIZ nem de Réu no fim tudo é JULGADO COM A MAIOR JUSTIÇA e vão caindo morrendo ,tendo HEMORROIDA, CANCER ,LEPRA PARALISIA QUASE TOTAL DE TUDO.essas coisas que faz o neguinho sofrer à beça antes de morrer FORA PERDER TUDO DINHEIRO QUE GANHOU ILISSIDAMENTE isso tudo Eu tambem ja vi varias vezes acontecer para quem não soube fazer Justiça

  5. Janir disse:

    Deve ser o mesmo juiz que disse que Thor é inocente no atropelamento do ciclista.

  6. JOÃO disse:

    Caros, se estivesse dentro do limite permitido para o local isso provavelmente isso não teria ocorrido. Porem no site do IG tem as fotos da perícia, e é estranha a marca no asfalto do lado direito, enquanto que do lado esquerdo há marcas na grama, o que presume-se que o carro estava com as 4 no chão. O risco do lado direito indica que algo (provavelmente o aro) veio tocando no asfalto. Algo muito estranho aconteceu. O que? eu não sei.

  7. Leonardo Costa disse:

    Se ele estivesse a 80 km/h acho que o resultado do acidente seria diferente, ou talvez nem tivesse ocorrido. Na minha opinião ele se matou, mesmo que sem querer. A forma como dizem que ele dirigia naquela noite, a mais de 200 km/h e sem cinto, já tira completamente a culpa de quem fabricou o carro, o pneu, a estrada e qualquer outra coisa.

  8. Jonny'O disse:

    Ué!!!!!! Mas a culpa não é do Pneu???

    Ou do posto que tava com o calibrador desregulado….. não pode?

  9. Paulo disse:

    Flavio,

    Absurdo esse caso, condenar a BMW pelo acidente mostra como anda o nivel dos juizes e da nossa justiça.

    Como diz e ditado : bunda de nenem e cabeça de juiz, agente nunca sabe o que vem.

  10. Mauricio disse:

    Tendo em vista os resultados de alguns julgamentos de ações na justiça brasileira, posso dizer que a justiça criativa impera.
    O que vale é o bom argumento e não a veracidade do mesmo. Tem juiz aceitando cada coisa!
    Neste caso, se houve falha de pneu, quem teria de ser processada não é o fabricante do carro, mas do pneu.
    Como você mesmo comenta, tal laudo é muito estranho nessa altura do campeonato, ainda mais após um incêndio onde o carro foi destruído e os pneus queimaram (e não derreteram)
    Mas como estamos especulando, só vendo os documentos do processo.
    Mas que é esquisito, isso é mesmo cara.

  11. Rogério disse:

    E os honorários do sr “adevogado”, seriam o quê?
    Coisa de R$10.000.000,00?
    Será que ele emprestaria uma grana, uns 5 milhões, pro filho do primo do vizinho da empregada do meritíssimo juiz?
    Uma mão lava a outra, ou em latim, “hodie mihi, cras tibi”…

  12. Marcao disse:

    Li essa noticia sobre a morte de um cantor sertanejo fiquei surpreso com um “detalhe”: a noticia diz que a BMW foi condenada a pagar de R$ 500mi pela morte do cantor que sofreu um acidente com seu carro numa rodovia brasileira (detalhe se vc ficou em duvida, MI quer dizer MILHOES mesmo !!!), continuando sobre o “detalhe” que falei la em cima, “a perícia inicial constatou que o acidente ocorreu a 268 km/h – velocidade superior à máxima indicada pela fabricante de 240 km/h”. Pergunto: se o cantor sertanejo estava acima da velocidade permitida pelo fabricante E duas vezes e meia acima da velocidade da rodovia, que culpa tem a BMW com o acidente ??? Qual a competencia do cantor em conduzir um carro a 268km/h numa via publica depois de um show ?

  13. Rodrigo Brayner disse:

    Telemetria?
    (perdão, eu tô rindo muito)

  14. Alan disse:

    R$ 400 milhões de reais.

    Se juntarmos a indenização as famílias de todos os mortos do voo da TAM em Congonhas não chega a este valor.

    Imagina se quem tivesse morrido fosse o Daniel, que fazia a primeira voz e era mais aparecido…

  15. Flávio, apenas uma correção. Pneu (borracha) não derrete, não funde, apenas queima. Abraços

  16. Diego Zomer disse:

    Fora que, considerando ser verdade, que fosse provado de fato que o pneu estourou devido à alguma falha técnica, o réu deveria ser o fornecedor dos mesmos, e não a BMW, assim como foi a Firestone a responsável pelos acidentes e capotamentos com os Ford Explorer nos anos 90.

  17. Bruno Bertolo disse:

    Enquanto isso, há pagodeiro que estava embriagado e em alta velocidade que atropelou e matou um motociclista, mas não foi condenado a pagar milhões à família da vítima.

    Nada como ser celebridade ou possuir posição de destaque no Brasil. A vida de um cidadão comum não vale nem 1/10 da honra de um magistrado, por exemplo.

    Considerando que estava em velocidade incompatível e sem cinto de segurança, é possível sustentar que ele contribuiu para o resultado morte, razão pela qual os Tribunais Superiores devem reformar a sentença de 1º grau.

  18. Victor disse:

    Se o Brasil-sil-sil fosse um pais sério, essa velocidade daria era prisão na hora, por tentativa de homicídio, e não essa ridiculosidade que o sr. Juiz decretou.

  19. Franco disse:

    Ok. Suponhamos que o pneu estourou. Estourou por que? Tinha furo, passou por cima de algo pontiagudo, estava com pouco ar e flexionou lateralmente em excesso por causa da curva e alta velocidade? O carro e pneus estavam com as características originais? No estado que o veículo ficou depois do acidente fica difícil verificar.

    Na verdade, o que mais chama atenção nesse caso nem foi o acidente em si, a morte do artista, valor de indenização, etc. O que assusta é o fato de a justiça tratar os cidadãos de forma tão diferente. Vai um cidadão comum, com seu carrinho 1.0, capotar e falecer num acidente nas mesmas supostas circunstâncias. A família NUNCA vai receber qualquer coisa além do Seguro DPVat. Vai sofrer décadas nesta “justiça” brasileira. Nem o seguro do carro ou de vida, caso tenham, em razão de o condutor estar sem cinto e em excesso de velocidade.

    Se numa viagem um qualquer cair com seu carro num buraco e sofrer um acidente pode tirar o cavalo da chuva porque vai se ferrar sozinho.

    O Poder Judiciário brasileiro é uma indecência.

    • Airton disse:

      Franco, o que achei mais indecente, mesmo, é a demora de 17 anos para uma mísera decisão de primeiro grau da Justiça paulista. Ainda que tenha tido perícia, o que sempre atrasa os processos, é muito tempo. E não creio que a ação tenha sido ajuizada há pouco tempo.
      Quanto à decisão, já faz algum tempo que a jurisprudência não considera meras expectativas de ganhos futuros para embasar pensionamentos, prevalecendo nesses casos a tal da “teoria da perda de uma chance”.
      Abraço

  20. Juarez disse:

    O que ocorre é que o Brasil é contaminado por uma visão meio moralista e religiosa de que em qualquer contenda uma corporação ou um rico está errado.
    As vezes corporações e ricos estão errados de fato. Contudo, os fatos devem ser apurados rigorosamente pois muitas vezes o pobre ou o cidadão comum é quem está errado. No caso do filho do Eike Batista o ciclista atropelado tinha teor alcoolico dez vezes superior ao permitido. Qual a iluminação daquele trecho em que já havia ocorrido diversos atropelamentos antes. Não que se exclua a possibilidade do jovem estar em excessoe ter contribuido assim para o fato. Me parece muito estranho no caso da BMW do “cantor” João Paulo que um estouro de pneu desse causa já que deveria haver marcas de borracha raspando contra o chão ou de metal do aro da roda. Não ter marcas dá a entender que o cara saiu da pista ao perder o controle pelo excesso de velocidade ou sono. Se estava em excesso de velocidade confirmado pela defesa para mim já liquidaria o caso. Mas, não é assim no judiciário ou na sociedade religiosa e moralista. Há este ressentimento pois muitas vezes quem tem o poder não é punido pelo que efetivamente faz e isso é uma tragédia brasileira pois de fato precisa existir punição sem que com isso tenhamos que fazer uma caça as bruxas prévia sempre que alguém rico ou uma grande corporação esteja envolvida em algo.
    Ademais, para guiar carros de potência elevada o cara deveria ter carteira de habilitação especial concedida depois de n anos de habilitação, depois de idade x e depois de curso específico.

  21. Fernando Amaral disse:

    desde quando falha num pneu é responsabilidade do fabricante do automóvel ?
    e, creio q mais importante, caberia ressaltar o fato da vitima do acidente nao estar utilizando o cinto de segurança; deveriam elaborar propaganda para sua utilização a partir desse fato.

    grotesca a atuação do “juiz de direito”.

  22. gera disse:

    Patifaria! é a desonestidade acorbetada pelos direitos de uma justiça hipócrita.

  23. Eric disse:

    A pericia está bem(hahahahah) correta…êêê brasilzão….para começo de conversa, nem uma 850 i 12 cilindros chegava a 268 km/h…..todas eram limitadas a 250 km/h.

    Uma 328, com 190 cv….mal chegava aos 230 km/h reais….pelamor…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>