MENU

terça-feira, 11 de março de 2014 - 8:52F-1, Imprensa

TUDO E MAIS UM POUCO

SÃO PAULO (muito orgulho) – A temporada mais esperada dos últimos tempos começa na noite de quinta em Melbourne. E nas últimas semanas o pessoal do Grande Prêmio virou madrugadas preparando o mais completo Guia da F-1/2014 que a imprensa brasileira jamais publicou. Nunca se viu nada parecido na mídia nacional, em volume e qualidade de informações.

Todo o time do site, além de colunistas e colaboradores eventuais (como eu), participou. O resultado está na especialíssima edição #48 da Revista WARM UP, com projeto gráfico de Bruno Mantovani e coordenação de Victor Martins, Evelyn Guimarães e Renan do Couto, além da participação sempre luxuosa do impecável Ivan Capelli.

Muita gente reclama que a F-1 perdeu espaço na imprensa brasileira. É que, na verdade, a imprensa brasileira é outra. É essa que a gente faz. Só não vê quem não quer.

elguia14

45 comentários

  1. Kaka disse:

    Só parabenizar um trabalho deste de qualidade, ainda bem que temos essa equipe para sempre nos manter informados.

  2. Marcos Gonçalves disse:

    Parabéns pelo trabalho, mas o Guia feito pelo Flávio Gomes estava melhor e mais engraçado.

  3. Luis Antonio disse:

    Colocaram o nome dos carros ! RB 10 ( Red Bull ) , W 05 ( Mercedes ) , F14 T ( Ferrari ) , C 33 ( Sauber ) , etc … . Acho que nem precisava , já que por aí ninguém fala que a Ferrari F 14 andou mais que o Red Bull RB 10 ou que a Willians FW 36 é bonita com a pintura da Martini !!!

  4. Americo Teixeira Jr. disse:

    Essa edição está tão boa que todos da equipe devem se sentir felizes, orgulhosos. Se eu, com a minha coluninha, estou adorando estar participando, imaginem o Flavio Gomes e a turma nota mil que dizeram tudo isso. Parabéns, mesmo, molecada:

    Evelyn Guimarães
    Flavio Gomes
    Bruno Mantovani
    Ivan Capelli
    Victor Martins
    Renan do Couto
    Gabriel Curty
    Hugo Becker
    Juliana Tesser
    Ivan Capelli
    Rodrigo Berton

  5. Chupez Alonso! disse:

    Alguém já pensou na possibilidade de nenhum carro completar o GP da Austrália?

    Ou de um carro que esteja 5 voltas atrás ganhe a corrida depois que os da frente quebrarem?

    Se ano passado ganhava quem economizasse mais pneus, este ano será quem economize motor. Ainda espero ver a F1 onde o piloto possa acelerar tudo que sabe sem economizar nada.

    Ganharia o melhor, o mais rápido, não o mais econômico.

    • Rafael P. disse:

      Aguardando o primeiro a falar que esse cara é o Alonso. Hora de pegar a pipoca e assistir as discussões mais sensatas que existem nesse site. (sim, fui irônico)

    • Allez Alonso! disse:

      Esse manja. Ninguém pensou nessa possibilidade porque ninguém é burro como você. Várias equipes fizeram simulação de corridas. E não precisa completar toda a corrida, com 75% você pode ser declarado vencedor com pontuação integral. Cinco voltas, qual foi a ultima corrida que você viu onde teve um retardatário cinco voltas atrás do líder? Não é nascar, e não vai ter luckydog na f1, putz. Vencia o carro que mais economizava pneus, de onde você tirou isso, que f1 você assistiu? A Lotus foi vencedora? E esse ano, apesar de cinco ao invés de oito motores, ninguém vai economizar motor durante a corrida e sim combustível, releia o texto. Depois releia de novo, e de novo. Mas fica aqui outra critica pro WarmUp, desenhem. Façam mais infograficos, com bastante figurinha e bastante cores, tem gente que só desenhando pra entender. E mesmo assim talvez não entendam.

  6. Alan Roberto disse:

    a revista tem versão pra smartphone??

  7. Willian disse:

    parabéns a todos e como vc disse a formula 1 perde espaço pra quem quer……pra mim com seu blog e o warm up to bem servido

    abraço

  8. Marcel disse:

    Flavião, boa tarde. Estive lendo a revista, logo no início na matéria “A Nova F-1″, tem uma citação na seção: “tudo novo de novo”, no 6º parágrafo, que diz que o DRS serve para aumentar o arrasto, sendo que esse sistema serve para diminuir o arrasto aerodinâmico. Ficou estranho ler isso. Outra coisa é que no quadro “O que muda para 2014″, que tem uma foto de uma Ferrari de lado, o motor será limitado em 15 mil rpm, mas não é ele que vai chegar a impressionantes 125mil rpm e sim essa é a rpm da turbina, que será limitada a 125 mil rpm. Um abraço.

  9. rafael disse:

    OK, mas, quem transmite os treinos?

  10. Mauricio Alves disse:

    É por essa imprensa aqui que eu acompanho a F1. A outra.., ah, deixa prá lá!!

  11. Allez Alonso! disse:

    Realmente o brake-by-wire só funciona atrás, também ficou estranho a informação do rpm do motor que é limitado há 15 mil rpm’s ” que pode chegar a 125 mil rpm quando o turbo entra em ação.” Mas isso é besteira, parabéns a equipe do GP, única crítica que faço é que faltou o capacete dos pilotos. Nesse link tem alguns cascos.
    http://www.f1technical.net/forum/viewtopic.php?f=1&t=18334

  12. affonso disse:

    Tem um erro no infográfico. Diz que o motor passa de 15k para 125K RPM quanto o turbo entra em ação.

  13. Ulisses disse:

    Disse tudo sobre a imprensa brasileira atual!
    E parabéns a você e toda a equipe pelo belíssimo “material” apresentado aos leitores!

  14. Rômulo disse:

    Falta uma maior explicação do funcionamento integrado dos sistemas de recuperação de energia. Vi essa falha em todo site brasileiro q li.
    Tem que deixar claro que os dois sistemas são integrados ao motor e a uma bateria. Não há pressionamento de um botão como antigamente. A bateria pode fornecer energia, através de um dos MGU, equanto carrega recebendo energia do outro, SIMULTANEAMENTE. Assim como pode aproveitar a energia de ambos. Tudo isso é feito eletronicamente e deve funcionar em sincronia, algo que os motores Renault não estão conseguindo. O carro do Vettel perdia potencia no meio da reta no Bahrain.

    Além disso, faltou dizer que as equipes poderão trocar a relação de marchas uma vez durante a temporada, isso é muito importante.

    A redução de combustível passou de 160 pra 100 e não 150 pra 100.

    Na parte aerodinamica, como sempre, não há explicações claras sobre a física por trás das mudanças. Veja bem, não estou dizendo que deveriam haver formulas, só acho que uma noção básica de pressão aerodinamica e como a asa dianteira direciona o fluxo de ar através do carro e alimenta os difusores. Esse negócio de “não há grande diferença entre os bicos” vocês tiraram da sua cabeça. Não da pra afirmar isso com a informação que dispomos no momento. Talvez algumas equipes até troquem a configuração do bico durante a temporada. Fora que não é a toa que das 4 grandes, 3 usaram uma abordagem diferente da maioria das equipes.

  15. Eduardo Daniel disse:

    Pena que a pré-corrida na TV vai continuar aquela pataquada desgraçada…

  16. Lucas Alba disse:

    Tem como pedir a revista por internet? aqui em Fortaleza, nunca vi pra vender!

  17. PedroL disse:

    Parabéns ao excelente trabalho do Grande Prêmio, pra mim sempre foi o melhor lugar para se estar, é um habito chegar no trabalho, apanhar meu café e entrar no site para me ver as “quentinhas” do dia, além de navegar nesse blog, irreverente e alto astral, misturando cultura, automobilismo etc e tal…
    Desejo todo o sucesso do mundo a esse povo.

  18. Ricardo Garcia disse:

    A F-1 não perdeu espaço na mídia, mas sim, o público que perdeu interesse nela pelo marasmo que se tornou e os espaços foram tomados por outras materiais ou modalidades esportivas que este publico passou a se interessar.

  19. gustavo maia disse:

    Meio estilo ilha de caras, mas explica(?!) como cada piloto escolheu o respectivo numeral:

    http://www.f1fanatic.co.uk/2014/03/11/driver-chose-2014-number/

    O Ericsson foi o mais profundo: “I just like that number”

    How each driver chose their 2014 race number

  20. Estevão disse:

    A imprensa brasileira só dá visibilidade se tem conterrâneo na ponta. Se Massa começar a ter bons resultados vamos ver F-1 toda noite naquela porcaria do JN.
    Abs.

  21. Marcão disse:

    Bom dia Flávio, sou admirador do seu trabalho e acompanho sempre seu blog, pesquisando em jornais antigos da Folha sobre a construção da Nova Faria Lima, me deparei com essa sua coluna do dia 22/01/1994 sobre o começo da temporada daquele ano, vc acertou que a Williams era uma naba e que o Senna ja sabia disso, mas o seu último paragrafo é o mais hilário hehehe…

    abs

    Vai ser fácil, sim

    FLAVIO GOMES

    De um dia para o outro, Senna deixou de ser favorito, a Williams já não tem mais o melhor carro do mundo, o campeonato ficou equilibrado, a Ferrari voltou ao clube dos favoritos. Esse é o resultado de algumas declarações pouco entusiasmadas de Ayrton depois de poucas voltas guiando uma máquina que ele mesmo, há algum tempo, disse que pertencia a algum ET, vinha de outro planeta, era imbatível.
    Senna não está otimista, Frank evita falar como campeão e isso bastou para os plantonistas da bola de cristal proclamarem a profecia que ninguém esperava: não vai ser tão fácil assim, pode escrever, me dizem em italiano, inglês, francês, alemão e croata. Eu não falo alemão nem croata, mas sei que é isso que os caras dizem.
    Motivo da desconfiança: Senna não gostou do carro que lhe deram para guiar. Ele anda reclamando, diz que não é nada daquilo que falavam, tem defeitos, sim, e tudo isso porque tiraram alguns chips e botaram uns amortecedores no lugar. Experimente trocar o volante de seu carro por um guidão de bicicleta. A sensação será a mesma que Ayrton tem ao dirigir o híbrido passivo que testa no Estoril.
    É claro que o Williams de 93 sem suspensão ativa não é nenhum espetáculo. O carro que surgiu em 91 foi feito sob encomenda para as engenhocas eletrônicas que a equipe soube desenvolver como ninguém. O desempenho pouco vistoso só salta aos olhos porque a Williams botou a cara para bater antes que os outros. Está testando componentes para o novo carro, esse sim o que vale a partir de Interlagos. Quando a Ferrari, a McLaren e a Benetton começarem a andar com seus carros novos, também vão enfrentar problemas. E, pior para eles, vão ter menos tempo para resolvê-los. A Williams está na frente de novo.
    As mudanças de regulamento da F-1 vão fazer de 94 um ano de pilotos e motores. A Williams pode ficar tranquila. Tem o que há de melhor no mercado nos dois quesitos. Vai ser fácil sim. Se não por outro motivo, principalmente porque Senna não tem adversário humano à altura com as ausências de Prost e Mansell –o trio de ferro do automobilismo mundial.
    Se Prost voltar –e ele só volta se o motor Peugeot for um foguete–, aí sim dou a mão à palmatória. Vai ser menos fácil. Imaginar que Schumacher, Hakkinen e até mesmo Alesi podem ameaçar Senna e a Williams é quase a mesma coisa que apostar na Portuguesa no Campeonato Paulista. Chance zero, brother.

  22. RENE FERNANDES disse:

    Matérias de alta qualidade e muito informativas! Estou curtindo muito a boa leitura! Não o “mais do mesmo”.

  23. paulo costa disse:

    Parabéns à equipe, muito completinho, esclareceu tudo. Apenas uma questão, no gráfico “O que muda para 2014″ causa estranheza ver a indicação no freio dianteiro e a informação se referir ao freio traseiro.

    #GoMassa19

  24. Só não vê quem não quer… disse tudo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>