DKW NA VEIA | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

terça-feira, 20 de maio de 2014 - 21:26DKW & cia.

DKW NA VEIA

INGOLSTADT (tá tarde) – Eu já devia ter capotado, mas cumpro minhas promessas. A noite chegou, a madrugada idem, e cá estou a editar fotos e a escrever. Melhor fazer isso, mesmo, com as coisas ainda fresquinhas na memória.

De manhã a Audi Tradition abriu a exposição dos brasileiros, cortei a fita inaugural, dei algumas entrevistas para a mídia local e gostei do que vi. São quatro DKWs nacionais, os três de que falei ontem (um Belcar 67, um Malzoni e um Fissore), mais um Puma DKW que pertence a um colecionador suíço de Pumas, isso mesmo, de Pumas. Walter Steffen é o nome da figura, que comprou esse vermelhinho há três anos pelo Mercado Livre.

Conheço gente que já fez isso lá do Brasil. Gente doida…

Os painéis estão OK, o filme do taxista japonês maluco com o Pelé e outros passageiros é genial (espero que me deem uma cópia amanhã) e estava tudo beleza na empresa.

Agora, ao que interessa.

A tarde foi reservada para uma visita secreta aos galpões secretos da coleção secreta da Audi Tradition, que na verdade mudou de razão social recentemente para Auto Union GmbH. Não me perguntem por quê. Parece que a Auto Union cuida da Tradition, do museu e de mais alguma coisa que não vem ao caso. Acho, mesmo, que a Audi quis ressuscitar Auto Union por alguma razão ainda secreta. Cheia dos segredos, a Audi.

Na verdade minha visita nem foi tão secreta assim e não colocaram uma venda nos meus olhos. O Alex, jovem mecânico da Tradition, me levou para um dos galpões no fundo da firma, onde por três pisos se espalham uns 200 carros que, vira e mexe, saem dali para eventos de clássicos por toda a Europa, ou passam uma temporada no museu. Esses 200 funcionam perfeitamente e tem de tudo nesses três andares, como se vê nas fotos abaixo — DKW, Horch, Wanderer, Audi, NSU, carros de corrida, de rali, protótipos antigos, motocicletas, peças, pneus, rodas e estoque de óleo dois tempos.

Alex catou o monstrengo vermelho que postei de manhã e me mandou sair pela cidade.

Vixemaria. Esse quattro Sport, 1983, vale cerca de 250 mil euros, me contou o garoto. Fizeram uns 200, só, para homologar e colocar no Mundial de Rali, e essa história todo mundo conhece: os quattro enrabaram todo mundo, até que a FIA proibiu um monte de coisa e acabou com o insano Grupo B.

Era meio insano jogar um negócio desses na minha mão, mas como sou um cidadão respeitador das leis e cumpridor das minhas obrigações, não fiz nenhum absurdo — 7 mil giros em primeira não são um absurdo. Com o Sport fomos, aí sim, ao galpão realmente secreto, que nem é tão secreto assim, porque nada que tenha capacidade para 500 carros dá para esconder.

Mas ninguém entra lá, não. Isso posso garantir. E não tem nada que identifique o local como sendo o depósito do acerto das quatro argolas.

Nesse galpão a Audi guarda carros mais modernos e todos os protótipos já construídos pela marca. Aqueles carros de salões de automóvel, sabem como é? Que nunca entram em produção. Um mais lindo que o outro. Mais uma porção de modelos que, por alguma razão, a empresa acha importante guardar. Sei lá, o primeiro A2, o último TT, o décimo-sexto A4, não tem muito critério.

Lá está também um carro que participou de um filme famoso, “I, Robot”, de 2004. Lembram dele? É o Audi RSQ. Infelizmente, não poderei revelar a história real do automóvel. Quando comentei com o amigo do Alex que me contou tudo, o rapaz que nos recebeu nesse enorme galpão, que meus leitores iriam adorar o caso, ele colocou as duas pesadas mãos nos meus ombros e disse: “Herr Flavio, sabemos onde o senhor mora e onde fica a escola dos seus filhos”.

Achei melhor ficar na minha. “Nem é tão boa assim essa história”, respondi ao gigantesco tedesco. Como vocês devem ter notado, nem fotos dessa monumental garagem pude tirar.

Voltamos para a sede da Tradition, dei uma passeada pelos três andares, reencontrei o conversível amarelo que me emprestaram para um passeio em 2008 e acabou a visita aos galpões secretos.

De noite, na abertura oficial da exposição, falei lá umas patacoadas, contei sobre o que se faz de DKW no Brasil, ouvi vários discursos em alemão que a Leila, santa Leila que conheço desde os tempos em que ela trabalhava no Brasil, traduziu e jantamos no próprio museu, em meio a DKWs de todos os tipos, ao lado de uma Schnellaster, de um F102, de várias motos e de tudo aquilo que, um dia, quando eu for presidente do mundo, vou confiscar e levar para casa. Contei umas mentiras para o povo dar risada e dei outras tantas com Peter Kober, meu brother, até que sua esposa teve um ligeiro mal-estar e ele se mandou para descansar.

O rango estava legal, e tinha até caipirinha. OK, a feijoada carecia de mais feijão, mas hoje nem é quarta-feira, então estão perdoados. Amanhã vou sentar num Monza vermelho para rasgar as estradinhas da região. Meu voo é só de noite. Pretendo secar um tanque, não menos.

LEGENDAS

Demorou, mas consegui inserir a galeria de fotos decentemente. Mas tive de sacar as legendas. Então, da esquerda para a direita, vamos a elas: 1) motoneta DKW Hobby, por ela eu matava alguém; 2) Puma, Malzoni, Fissore e 67, brasileirinhos em ação; 3) o filme descoberto nos arquivos da Audi, rodado em São Paulo, Santos e Brasília com o taxista doido; 4) 67 e JK, coisas do Brasil; 5) o Fissore que foi do Hélio Marques e o Malzoni restaurado pelo Rodrigo Theise, hoje parte do acervo da Audi; 6) selfie, porque também sei fazer; 7) uma woodie, a coisa mais linda do universo; 8) as verdadeiras Flechas de Prata; 9) o Type C ao lado de um Fórmula Jr; 10) um dos vencedores de Le Mans, como manda a tradição, sem ser lavado depois da corrida; ao lado dele, um dos monstrengos do WRC; 11) mais dois de Le Mans; 12) um dos carros da equipe de rali do Reino Unido; 13) o protótipo para o Grupo B que nunca correu porque a FIA extinguiu o campeonato; 14 e 15) um dois tempos dois cilindros de plástico; não, não é um Trabi, é uma imitação da Auto Union e só existe esse porque era protótipo; 16) belezinhas lado a lado, tudo DKW; 17) o F9, protótipo único de 1941, tendo ao lado o amarelinho que já foi “meu” em 2008 num passeio pela Saxônia; 18) a melhor moto de corrida de todos os tempos; 19) Auto Union na oficina, esperando pela revisão dos 80 anos; 20) vista geral da exposição, que deu certo, afinal.

53 comentários

  1. Luiz Carlos disse:

    Parabéns pela bela Reportagem Flávio. O amigo Caique tem razão é mesmo o Puma DKW que pertenceu ao Lúcio. A época eu o anunciei no Mercado Livre e tive a Honra de fazer a negociação diretamente com o Sr Walter Steffen (contando com ajuda dos Srs Hans Lemke em Portugal e do Amigo Ulrich Aeckerle -Uli de Campinas).
    Nos vemos em Poços de Caldas em Agosto. Abraços

  2. Luis Felipe disse:

    Flavio, quem eram aquelas moças mais altas que você, lá na foto de cima?

  3. Rui Teixeira disse:

    Flavio,

    Fantástico! Bela reportagem.
    Aproveito para reconhecer o teu mérito, que graças a você que estes carros estão aí, mostrando a rica história do automóvel no Brasil.
    Só temos que agradecer pela sua iniciativa, pelo seu compartilhamento.
    Certamente fica a inveja de não estar aí e ver o exemplo como eles sabem preservar a história.
    Boa Estadia e enriqueça com mais texto.
    abraços 2tempos

    Rui Teixeira

  4. Daniel Garcia disse:

    Aproveita “estica” até Mônaco e faz uma cobertura diferente para nós. Eu ajudo na vaquinha.

  5. Frank disse:

    imagina a poera que junta isso

  6. Chupa Kabra disse:

    Olá, como se faz para enviar sugestões de temas para o FG? O email antigo dele está recusando novas mensagens….

    Obrigado.

    CK

  7. Fabio disse:

    Realizar um sonho, conseguir agregar alguma coisa a este mundão, conhecer e interagir com pessoas e produzir algo que ambas nunca imaginaram que chegaria a acontecer! Da hora! Parabéns.

  8. Pelicioni disse:

    Cade o Audi que o chabi do momento pintou?

  9. Boca disse:

    Flávio Magliori Gomes,

    Você é fodástico!!

    Parabéns e o admiro cada vez mais.

  10. Robertom disse:

    Muito, muito legal !
    Quem sabe algum dia consigo fazer algo parecido…

    P.S. : O pessoal que repaginou o visual te sacaneou, compare sua foto do blog com o selfie.

  11. Guilherme disse:

    Flávio, na foto você ficou parecido com o Laerte da novela das 8.

  12. Renato disse:

    Como é bom vermos locais onde essas raridades são amadas e expostas a pobres mortais como nós…
    Lembro do extinto Museu da Ulbra (Canoas/ RS), onde, com as devidas proporções, centenas de carros históricos eram mostrados em condições absurdamente impecáveis.
    Infelizmente, problemas administrativos fizeram com que todo aquele acervo fosse dilapidado.
    Quem teve a oportunidade, agradece até hoje por isso…

  13. angelo disse:

    cabia bem nestes carros brasileiros umas placas amarelas de 3 dezenas da decada de 60 p completar o visual

  14. Paulo Barros disse:

    Mesmo para você isso deve estar sendo uma experiência fantástica!
    Que coisa impressionante uma única empresa manter um acervo deste tamanho com esta abrangência histórica e com todo esse cuidado e esmero. E depois dizem por aí que brasileiro gosta de carro…

  15. Mario Alves disse:

    FG, fique hipnotizado só de ver as fotos, imagina eu no meio dessas preciosidades. O Fissore do Hélio Marques e o F9. Eu seria o primeiro a chegar e o último a sair.

    Abrç.

    PS: Amanhã eu te passo as informações quentinhas sobre o DKW do vizinho.

  16. Gus disse:

    Não é preciso fazer nenhum absurdo com o Quattro Sport, para passar ao leitor uma ideia do que é dirigir – e não pilotar – o carro.

    Mas o resto do relato e das fotos já valem a pena…

    Bom passeio!

  17. carlos lima disse:

    Que viagem, hein, Flavio? Sensacional! As fotos estão muito boas, carros e motos incríveis. Bravo!!

  18. Ricardo Bigliazzi disse:

    Bem legal!! Parabéns!!

  19. Vitão disse:

    pelo Quattro S2 e por um R10 TDI eu faria qualquer coisa imoral , ilegal, ilícita, degradante, perigosa, ultrajante, perigosa, proibida, ou que engorda.

  20. Ronaldo disse:

    Caraca Flávio!!! O 67 é igualzinho ao que meu pai teve… saudades…

  21. Ulisses disse:

    Isso sim que é uma viagem!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  22. Tuta disse:

    Olha os zoinho da criança.

  23. Dk disse:

    Tu é chato, rabugento, mal humorado, teimoso, feio e baixinho. Mas quando eu crescer quero ser igual você. Que opurtunidade, que experiência sensacional. Mais uma para suas histórias de viagem. No fim é isso que importa, as histórias que temos para contar. Parabéns.

  24. Christian - Do Niva disse:

    Gostei das bandejas em baixo dos carros para conter o óleo, afinal são todos muito “poçantes”…melhor que papelão ou jornal.

    Minha saudosa Veraneio era tão poçante que perdia um litro de óleo por dia, onde parava ficava a roda de óleo no chão.

  25. Fernando disse:

    Gomes novamente parabéns pela visita, pela exposição, entrevistas, passeios de quattro e obrigado pelas fotos, lindos demais todos os carros e motos MAS fiquei com vontade mesmo é de ver o galpão secreto, isso deve ser mesmo de outro mundo.

  26. Thiago Elero disse:

    Amo os carros do Grupo B, tenho vários videos e o meu favorito é o Audi, literalmente um MONSTRO!

  27. Roberto Brandão disse:

    Flávio,
    Que maravilha!
    Sou louco por aquele DKW conversível, de 2 portas, que você dirigiu. Pude ver um, na cor prata, em Mônaco, em frente ao cassino, em 1975.
    Tenho o certificado original do curso de mecânica para mulheres que a Vemag disponibilizava. Com fotos das participantes, dentre elas, uma hoje velhinha simpática de 94 anos que dirige seu Audi por São Paulo. Interessa para a exposição?

  28. José Luiz disse:

    Lindas, especialmente as motos e a woody.

  29. Conde disse:

    Sensacional . Impressionante . Curte tudo que vc merece .

  30. askjao disse:

    Show hein… coisa de patrão!!!! Agora, vamos ao que interessa. Traz ai para mim, do free shop, 2 garrafinhas de bala 18. Abraços!

  31. o coracao tá bom hein don gomes. ver tanta belezura assim e sair sem apoio médico é pra poucos., terei que ver essa exposicao com minhas próprias retinas, bora restaurar a schnellinha?!

  32. Fernando Santin disse:

    Parabéns, cara! Que sonho!!!

  33. Antonio Marcos disse:

    INVEJA BOA.

  34. Harerton Dourado disse:

    Linda essa Vemaget woodie!!!

  35. Flávio, você pode passar algum detalhe do filme de 8 minutos encontrado nos arquivos da Audi?

  36. disse:

    200 carros! Viva o Trevisan.

  37. Fã number one DKW (O(###)O) #96 disse:

    Olha esse vermelho, que DKW mais lindo!!!!!

  38. Caíque disse:

    Flávio, esse PUMA é o que era do Lucio, que morava em Brasília e hoje mora no E. Santo e tem um Blog. Esse carro esteve em Poços de Caldas em 2010 e estava a venda…ficou 1 ano esperando seu novo dono.

  39. Rubens Bueno disse:

    Da próxima vez denunciarei sua participação no complô para reerguer a DDR. De recompensa, vou no seu lugar.

  40. Samuka disse:

    E ae galera. Se fosse pra escolher um: eu ia de 19 !

  41. Anderson disse:

    Fascinante…Uma oportunidade destas não é para qualquer jornalista Flávio, tem que ter DNA de DKW!

  42. Marcos Alvarenga disse:

    Inveja. Muita inveja.

    Mas você merece. Já que alguém tem de entrar e não ia ser eu, que seja você mesmo.

  43. jammal disse:

    Não sei se é problema no meu navegador, mas não consigo ver as fotos ampliadas. Mas, mesmo assim, continuo morrendo de inveja de vc. Cara, tem um monte de DKWs anunciando na internet a preço de banana (http://lista.mercadolivre.com.br/dkw). É claro que estão muito detonados….. Estou me segurando pra não fazer uma loucura. O problema é restaurar, nem imagino quanto custa. E aí, tenho medo de não ter grana e ficar com um elefante branco.

Deixe uma resposta para Nathan Laurence Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>