MENU

quarta-feira, 10 de setembro de 2014 - 23:53Álbum sobre rodas, DKW & cia.

ÁLBUM (SOBRE RODAS) DE FAMÍLIA

augusto61

SÃO PAULO (fofos) – Ah, não dá para não publicar a foto e o e-mail que o Augusto Freire mandou em nosso grupo de discussão de fumacentos…

A foto é de Julho de 1961, foi tirada na primeira vez em que fomos ao local onde hoje moram meu pais, no Lago Sul em Brasília. Na época, sem asfalto, a rua era uma picada no meio do cerrado. O Candango pertencia ao Paulo Silva, amigo do meu pai e dono do terreno vizinho ao dele. Da esquerda para a direita, sentados no capô, estão meu irmão, eu, a filha e o filho desse amigo do meu pai.

Sobre esse Candango, uma historinha interessante, que descobri conversando com o Henrique Hargreaves, ex-dono do Candango que hoje é do Celso Santoro.

O Paulo Silva, amigo do meu pai, ficou pouco tempo morando em Brasília, retornando logo ao Rio de Janeiro. Mas antes de voltar vendeu o Candango para… Henrique Hargreaves. Mas calma, não é o mesmo carro do Celso.

O Hargreaves ficou alguns anos com o Candango e depois vendeu, ainda nos anos 60. Só que tinha uma lembrança tão boa do carro que muitos anos depois conseguiu comprar – já como carro antigo – outro Candango igual àquele. É esse outro que pertence hoje ao amigo Celso Santoro.

A história me foi contada pelo próprio Hargreaves, que lembrava-se inclusive do nome da pessoa que lhe vendeu o primeiro Candango, Paulo Silva.

Nostálgicos abraços

Augusto Freire

Eu não aguento essas histórias. Fico com os olhos marejados. E quando vejo esse Candango, fico me perguntando… Onde estaria? Que tenha sobrevivido, tomara. E se não, que tenha tido uma boa vida.

3 comentários

  1. Alex disse:

    Até há pouco tempo atrás havia um Candango que ficava quase todos os dias estacionado em frente a uma oficina na Lapa de Baixo (São Paulo) na rua Felix Guilhem. Só que tinha a capota de lona.

  2. Jorge Diehl disse:

    Imagine na década de 60 uma Vemaguete com o pai, a mãe, a avó e os cinco filhos (fora a bagagem no bagageiro sobre o teto) rodar 750 km num dia em estrada de chão (incluindo uma serra) para visitar os parentes. Assim eram as viagens da minha família…

  3. valmir lopes disse:

    carro, assim como cachorro, também é gente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>