A VERSÃO DA BAND | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015 - 17:34Indy, IRL, ChampCar...

A VERSÃO DA BAND

20150203_094133_resized_1

Foto feita hoje no autódromo pelo blogueiro Fred Maia

SÃO PAULO (vai sair cara, a brincadeira)A Bandeirantes divulgou nota hoje afirmando que o atual governo do DF tinha prometido apoiar a realização da corrida da Indy em Brasília. Isso, antes da posse. Não quer dizer muito, nem conserta as irregularidades dos contratos apontadas pelo Ministério Público. Claro que o governador eleito não iria dizer simplesmente que não faria a prova sem ver os contratos — embora a Band afirme que ele conhecia os ditos cujos. De qualquer forma, só quando eles foram vistos com cuidado, depois da posse, é que o caldo entornou. Mas a emissora tem razão ao alegar que o chefe da Casa Civil tinha garantido a realização da prova no início do ano. Quem provavelmente não tinha razão em garantir nada era o chefe da Casa Civil.

Essas coisas jamais aconteceriam se a iniciativa privada cuidasse de seus eventos privados sem envolver o poder público neles. A iniciativa privada, que tanto critica o tamanho do Estado, é a primeira a correr para as tetas deste quando vislumbra a chance de privatizar lucros e estatizar prejuízos.

Tudo seria mais fácil se a Bandeirantes, maior interessada na corrida, na condição de promotora, cuidasse dos custos dessa promoção. O mesmo raciocínio vale para São Paulo, na F-1. Não entendo por que a Prefeitura da cidade tem de pagar pelas arquibancadas provisórias que todo ano são montadas em Interlagos. Quem deveria cuidar disso é o organizador da corrida — no caso, atualmente, a TV Globo.

“Ah, mas e as reformas do autódromo?”, perguntará alguém. É diferente. O autódromo é um equipamento público, que deve ser mantido pelo poder público. Assim como as ruas, os parques e as praças. Interlagos tem manutenção razoável, e as novas obras são necessárias para adequar o autódromo às suas necessidades, que incluem a F-1, mas não são exclusivas dela.

“Ah, mas em Brasília não deveria ser assim também?”, perguntará outro. Sim. Mas só em tese. O DF não tinha dinheiro para reformar nada, não estava pagando nem seus funcionários. Não tinha nem de começar a conversar com a Bandeirantes para fazer essa corrida, tamanhos os custos. Os contratos foram irregulares, de acordo com o MP. Era ano de eleição. Seria mais prudente para o promotor, no caso a Bandeirantes, amarrar tudo direito, e não contar com dinheiro de um governo sabidamente falido e desastroso. Autódromo não era prioridade no DF, e nem havia verba para reformar um equipamento abandonado há 40 anos. Interlagos terá novos boxes pagos com verba bem definida, vinda do governo federal, inclusive. Em Brasília, não havia dinheiro. A Bandeirantes deveria ter consciência disso.

O fato é que essa corrida da Indy foi mal planejada, as coisas foram feitas a toque de caixa, atropelando prazos e regras, e contando com verba de um governo quebrado e deprimente, o de Agnelo Queiroz (PT), que fez tudo errado.

E tanto estava tudo errado, que não vai ter corrida nenhuma.

Só espero que o novo governo do DF não abandone o autódromo à própria sorte. É equipamento público, que deve ser mantido com zelo e transparência.

Quanto à Bandeirantes, que se entenda com a Indycar e busque o que considera serem seus direitos. E, da próxima vez, que procure ser mais cuidadosa.

Abaixo, a íntegra do comunicado da Bandeirantes sobre o assunto:

Comunicado da Band
A Band garante a devolução do valor dos ingressos aos milhares de fãs da Indy que iriam assistir a Brasilia Indy 300. Todas as orientações sobre o ressarcimento estão no site da livepass (livepass.com.br). A emissora lamenta os transtornos causados aos aficionados pela categoria, uma das mais importantes do automobilismo mundial, e reitera sua surpresa com o cancelamento unilateral anunciado pela Terracap.

ENTENDA O CASO:
Todos os entendimentos para a realização da prova ocorreram de forma pública e transparente, conforme descrito a seguir:

As negociações
Em novembro de 2013, a direção da Rede Bandeirantes foi procurada por representantes do governo do Distrito Federal e pelo então governador Agnelo Queiroz, interessados em levar a prova para Brasília. A Band, que já não era mais a responsável pela realização da corrida, teve que atuar junto aos promotores do evento nos Estados Unidos. Depois de algumas semanas o negócio ganhou forma. Todas as etapas que levaram à celebração do contrato foram públicas e aconteceram dentro de um ambiente de absoluta transparência.

Compromisso
O termo de compromisso, que deu início formal à relação, foi assinado por Agnelo Queiroz no dia 21 de março de 2014 em um evento público, em São Paulo. A assinatura foi testemunhada por centenas de pessoas. Entre elas estavam o ex-presidente Lula e várias autoridades do Governo do Distrito Federal, que não se cansaram de enaltecer os termos do acordo. O fato foi amplamente divulgado pelos veículos do Grupo Bandeirantes, sites especializados e imprensa em geral.

Início dos trabalhos
Em maio de 2014, por ocasião da realização da Indy 500, o então governador Agnelo Queiroz, acompanhado por vários secretários, foi aos Estados Unidos em visita oficial e se reuniu com o governador de Indiana, o prefeito de Indianápolis e o presidente da Indy Car, confirmando seu compromisso internacionalmente.

Em setembro do ano passado, após seis meses de tratativas, como consequência do termo de compromisso, a Band assinou com a Terracap o contrato que teve a súmula publicada no Diário Oficial. Durante as negociações, todas as exigências do Governo do Distrito Federal e da própria Terracap foram atendidas pela Band.

A partir de então, semanalmente, a emissora realizou reuniões técnicas para acompanhar o andamento dos trabalhos da pista. Todas as reuniões – devidamente registradas em atas – contaram com a participação de representantes do governo do DF, da Terracap e da Novacap, sem que qualquer problema fosse levantado. O autódromo de Brasília pertence à Terracap, que era a única responsável legal pela licitação para a reforma. Portanto, a Band não teve qualquer envolvimento, nem com a frustrada licitação, nem com as obras.

Compromisso reiterado pelo atual governo
Os entendimentos entre a Band e o novo governo começaram muito antes da posse. No fim de novembro, o atual governador, Rodrigo Rollemberg, ainda na condição de governador eleito, almoçou com a direção da Band e assegurou seu apoio à realização da corrida. Na ocasião, Rollemberg disse que conhecia o contrato e suas penalidades e que já tinha tomado a decisão de apoiar o evento. O governador eleito orientou , inclusive, seus assessores a procurarem a equipe de seu antecessor para comunicar o apoio e garantir agilidade nas providências.

Na segunda semana de janeiro, após a posse, o chefe da Casa Civil Hélio Doyle, falando em nome do governador Rodrigo Rollemberg, deu uma entrevista ao Jornal da Band onde “garantia” a posição do governo: “A realização da corrida de Fórmula Indy no dia 8 de março está garantida. O governador Rodrigo Rollemberg já havia se comprometido a dar sequência a esse contrato”, afirmou (veja em http://bit.ly/1DAFbxl). No período da realização da corrida, previam-se que pelo menos 100 milhões de reais deveriam circular em Brasília, fato que era comemorado por Doyle. “Um evento desse porte em qualquer cidade gera retorno e naturalmente movimenta a economia local”, disse. O cronograma seguiu sem problemas.

A procuradora-geral do Distrito Federal, Paola Aires Correa Lima, apresentou em 13 de janeiro último um recurso ao Tribunal de Contas do DF pedindo o prosseguimento das obras. Segundo ela, o custo de realizar a prova é a melhor alternativa para o Distrito Federal. Ainda nesse recurso, a procuradora afirma que há dotação orçamentária e recursos financeiros para o cumprimento do contrato.

Na data de ontem, a Band obteve acesso ao processo administrativo da Terracap correspondente ao contrato. Dele não constam qualquer fundamento legal que determine a suspensão da prova e o cancelamento da reforma da pista. Constam, sim, pareceres e deliberações atestando a legalidade do contrato.

Cancelamento unilateral
Alheio a tudo isso, à regularidade e à transparência do negócio, o Ministério Público resolveu recomendar ao Distrito Federal que se abstivesse de realizar qualquer ação que visasse à realização da corrida.

O Governador Rodrigo Rolemberg, por meio da estatal Terracap, determinou o cancelamento da prova, sem qualquer pré – aviso e sem dar qualquer oportunidade de manifestação da Band, pondo a perder tudo aquilo que seria herdado pelo contribuinte do Distrito Federal. Agora, o autódromo de Brasília está demolido, sua pista está semi-asfaltada e sem qualquer perspectiva futura. Além de gerar empregos e movimentar a economia local, o evento cancelado seria visto em cerca de 120 países. Um terço dos ingressos acabaram logo nas primeiras horas. As cerca de 15 mil pessoas que compraram o seu ingresso para a corrida e os treinos serão agora ressarcidas.

A Band está adotando as providências legais cabíveis, inclusive para ressarcir seus prejuízos. Agradecemos o apoio dos parceiros que, assim como a emissora, investem no esporte e acreditam na capacidade dos brasileiros de realizar grandes eventos.

35 comentários

  1. Ron disse:

    “Essas coisas jamais aconteceriam se a iniciativa privada cuidasse de seus eventos privados sem envolver o poder público neles. A iniciativa privada, que tanto critica o tamanho do Estado, é a primeira a correr para as tetas deste quando vislumbra a chance de privatizar lucros e estatizar prejuízos.”
    Assino embaixo, Flavio.

  2. mob disse:

    Chefe da casa civil garantindo construção de pista pra Indy. $ó aqui….

  3. Pedro disse:

    Uma pena o cancelamento. Aposto que o finado Luciano do Valle faria dar certo. E digo mais. Se estivesse vivo, Faria acontecer com poupa e circunstância.

  4. Paulo Emilio disse:

    JFK , as Torres Gêmeas ! Adoro teoria da conspiração ! Vejam o que fizeram com o autodromo do Rio, em breve um belo condomínio ! Aposto , que pelos mesmos motivos , com os mesmos apoios , só que desta vez mais bem disfarçado, em breve Brasilia terá mais belíssimos conjuntos de apartamentos de 50 m2 , com area fitness , piscinas , quadra disto, quadra daquilo , no local onde um dia Emerson Fittipaldi venceu com sua Mclarem , onde a Formula Super Vê e os Carros de Turismo divisão 1 fizeram grandes duelos ! Automobilismo no Brasil está morto !

  5. RENATO disse:

    Este ano resolvi atender um pedido que meu filho a tempo me fazia em ver a F1 em Interlagos e tivemos um ótimo final de semana com transporte muito bom, comida decente, banheiro razoável, conforto aceitável, segurança, atendentes na portaria extremamente educados e prestativos, público bem comportado,boas atrações, uma pista ótima, carros fantásticos, uma boa corrida e acima de tudo uma organização impecável.
    Baseado nisso meu filho pediu para ver a Indy e de cara fiquei com a pulga atrás da orelha questionando a realização da corrida, porém com o andar das informações resolvemos ir.Resultado:Passagens pagas, 4 diárias de hotel, pagas e ingressos idem, mas não tem problema já conheço Brasília meu filho não, é uma cidade especial e com certeza teremos outro bom final de semana, mesmo sem a corrida, não vou me estressar com estes safados.
    Infelizmente é mais uma vergonha para o Brasil

  6. Lucas S.A. disse:

    Pode ser meio rasteiro, até ignorância da minha parte, mas não consigo entender, sob hipótese alguma, o Estado como proprietário de praças esportivas. Todos os eventos que estas sediam são de raríssimo interesse público e enorme interesse financeiro privado. As praças vivem sucateadas porque seus lucros não sustentam sequer o custo de manutenção (que obviamente vai para o bolso de organizadores), pago no fim das contas com impostos. Os estádios de futebol até que nem tanto, mas pensem nas canchas de outras modalidades, ou nos autódromos (que verdade seja dita, provavelmente já viram tempos piores, à exceção do Nelson Piquet). Porque não privatizá-las em definitivo, e cada um cuida e promove como queira, sem onerar o dinheiro, e pior, a máquina estatais, cujas funções primordiais definitivamente são outras?

  7. Fernando Lima disse:

    Não tem desculpa…já era de conhecimento público a situação política e administrativa do DF no final do ano passado, quando os termos de serviço foram assinados pelo governador derrotado Agnelo Queiroz e a Bandeirantes…
    Desculpe o termo mas quero mais é que a Band se f*** depois dessa…

  8. Brabham-5 disse:

    Criticamos muito as forçadas da Globo.
    Mas a Band, tirando o jornalismo SÉRIO de alguns profissionais (que não tem envolvimento com esporte), não merece lá muita confiança.
    Principalmente na sua área de esportes.

  9. alan disse:

    Citando FG :
    “um governo quebrado e deprimente, o de Agnelo Queiroz (PT), que fez tudo errado”.

    Parabéns FG, sempre acreditei em você!!!! Você é meio doidinho mas não é burro.

    Esse episódio da Indy é na verdade mais uma lástima ( como se não houvessem bastante ainda….) na História dum grande país da América do Sul que insiste em não evoluir!!!!!

  10. Ricardo Cérbero disse:

    Este vai ser mais um daqueles casos que, quanto mais mexer/investigar, vai ficar cada vez mais claro que foi uma tentativa de locupletação – como construir um estádio com capacidade com o dobro da população local, para citar apenas um exemplo – com várias bases legais (patéticas e anacrônicas em sua maioria, mas é a lei) para as partes interessadas usarem como defesa até a eternidade. Da parte da Band, o problema pro lado deles é que a Indy processou eles nos EUA, e, gostem ou não, a justiça por lá é mais eficiente. Quando envolve dinheiro então… e certamente deve ter uma cláusula bem generosa por cancelamento da prova, considerando o histórico.

    Dito isto, pobre Rede Bandeirantes.

    Posso ser mal interpretado com isso que vou falar agora, mas tem que ver a situação que o autódromo ficou, afinal, dinheiro já foi gasto ali. Acho que vale fazer uma PPP e terminar. Se aplicarem o raciocínio do copo “meio vazio”, será mais um patrimônio público destruído e mais alguns milhões de reais de verba pública (a construtora um dia irá receber, com juros e correção) literalmente pelo ralo.

  11. Marcus Simões disse:

    Esse pseudo-governador Agnulo Queiroz é um verdadeiro Rei Midas às avessas! Onde põe a mão, faz virar merda! Impressionante, não só o que foram esses 4 anos de desgoverno, mas as sequelas que ainda vão ficar por anos!!!

  12. Rafael Ribeiro disse:

    Ao meu ver, autódromos deveriam ser privados, já que o automobilismo é puramente negócio. O Estado não deveria gastar um único centavo em construir, manter ou organizar nada. Poderia sim dar incentivos fiscais, no máximo. Menos uma coisa para inchar a máquina, menos uma teta para mamarem, menos um problema para cuidar…

    E cá entre nós, vebas vindo de Brasília para reforma dos boxes de Interlagos, num momento como o atual, é altamente perdulário…

  13. Ricardo Bigliazzi disse:

    De vez em quando penso que querem fazer com que todo mundo acredite que a Band é a maior vilã desse estorinha, chego a acreditar que o pessoal da Band é tudo ex-funcionário da Petrobrás.

  14. JOCA disse:

    “A iniciativa privada, que tanto critica o tamanho do Estado, é a primeira a correr para as tetas deste quando vislumbra a chance de privatizar lucros e estatizar prejuízos.”

    FALOU TUDO.

  15. perna quebrada disse:

    Olha, esse negocio ta muito estranho.

    Tá, o Governo do DF fez um contrato superfaturado sem base legal nenhuma.

    Mas e a Band? Não tem nenhum advogado que faça a sua assessoria? Não tinha ninguém pra verificar que aquele contrato não valia um tostão furado? Ninguém que percebesse que que poderia haver superfaturamento naquele contrato? Quer dizer que eles assinam um documento sem ler?

    Ou foram coniventes com tudo isso?

  16. Ricardo Sarmento disse:

    Poxa, vendo essa foto, as obras tavam evoluindo. Mas infelizmente o preço a ser pago era muito alto, literalmente nesse caso. Não adianta ter um autódromo novinho em folha que foi reformado sob o preço de alta corrupção, grave desvio de dinheiro público, em detrimento de pais de família que estão com seus vencimentos atrasados.

    Talvez por puro otimismo, espero que uma solução seja dada ao impasse dessa reforma, para que o terreno não caia na mão de empreiteiras vorazes, que no fim das contas, só estão fazendo o trabalho delas. Pilantra é quem vender o terreno.

  17. Jonny'O disse:

    Tem a esperança da Formula Truck salvar o autódromo, já salvaram outros ,por certo vai salvar mais um.

  18. Frederico Maia disse:

    O Agnelo empolgou com a construção do estádio elefante branco e achou que iria trazer para Brasília um monte de eventos. Em 2012 ele prometeu o mundial de Moto GP para 2013 e todo mundo sabia que não iria sair porque nem projeto de reforma do autódromo tinha na época, Já em 2013 prometeu novamente o moto GP para 2014 e acabou cancelando após apresentar o projeto que alterava até o sentido da pista. Quando apresentou a Indy ninguém botava fé. No início de novembro não tinha quase ninguém trabalhando na reforma. Somente no final de dezembro começaram a derrubar os antigos boxes. Quando vi aquilo tudo indo pro chão cheguei a pensar que o negócio iria pra frente.
    Como o novo governador Rollemberg não tem quase nenhuma experiência administrativa e já começou no primeiro mês de governo a descumprir as principais promessas de campanha como não aumentar os impostos e diminuir os cargos comissionados, não tenho a mínima esperança que tenhamos pelo menos a pista do autódromo reformada nos próximos quatro anos. Automobilismo é considerado esporte de rico e não dá retorno em votos.

  19. lincoln falcao disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkk,,,,,,,,,,,,,,,,, cada dia uma bizarrice desses politicos de merda………….nao me surpreendo com + nada…

  20. valter disse:

    Aprenda a lição Band: não se negocia com politicos em final de mandato.E mais: quando a esmola é demais o santo desconfia. A Band, através de sua direção, foi infantil ao acreditar nos politicos brasileiros.

  21. emerson carara disse:

    Concordo 100%

    As empresas sao tao culpadas qto os politicos corruptos em acordos espurios…..

  22. Marcelo PC disse:

    Tô orgulhoso de ver o FG2015. Mais um belo postar.

  23. Paulo Ferreira disse:

    Gostaria de ver os espertos virem aqui reconhecer a transparência do FG ao apontar o quão desatroso foi o governo do Agnelo, mostrando no próprio texto como sendo do PT, sendo coerente com a realidade brasileira, sem abandonar os seus próprios ideais políticos, mesmo sendo esse um blog pessoal onde ele não tem nenhuma obrigação de sê-lo.

    Nunca concordei com as posições políticas do Gomes, mas nunca deixei de ler ou perder o interesse no que ele escreve, especialmente sobre política, pois quando o faz, o faz bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>