MENU

domingo, 28 de junho de 2015 - 13:46Automobilismo internacional

PIQUET & SENNA

pilotoonenelsinho

Pilotoon de Bruno Mantovani

SÃO PAULO (incrível) – O mundo do esporte dá voltas. Ô, se dá… Quis o destino que hoje um Senna tenha ajudado um Piquet a conquistar um título mundial. A Fórmula E encerrou sua temporada com uma rodada dupla em Londres que teve tudo aquilo que o fã do automobilismo gosta. Drama, tensão, chuva, ultrapassagens, alto nível de pilotagem, punições, suspense até o último instante.

E Piquet. E Senna.

Dois que nunca se deram, Nelson pai e Ayrton tio.

Dois que se dão, Piquet filho e Senna sobrinho.

Hoje, Nelsinho era o que tinha menos chances de ser campeão, apesar de liderar nos pontos. Sua classificação, pela manhã, foi um desastre. Não por sua culpa. Os dois últimos grupos pegaram pista molhada. Buemi, que ao lado de Di Grassi brigava com o título também, andou com pista seca.

Resultado: Buemi em sexto no grid, Di Grassi em 11°, Piquet pimpolho em 16°. Nessas condições, num circuito estreitíssimo, era muito difícil conseguir chegar perto o bastante do suíço. O normal seria ver o ex-piloto da Toro Rosso ganhando uma ou duas posições, tentar uma volta mais rápida, que dá dois pontos, e faturar o título — ainda que por pequena margem. Lá de trás, o brasileiro teria enormes dificuldades, talvez, até para pontuar.

Mas Nelsinho largou muito bem. Ganhou quatro posições de cara. Um dos que estavam à sua frente era o companheiro de equipe, o que facilitaria as coisas quando fosse necessário. No primeiro stint, Piquet segurou a onda para trocar de carro depois dos outros. Não deu muito certo, nem muito errado. Voltou onde estava, de novo atrás do parceiro, mas a quase 10s dele.

Aí a sorte deu u’a mão. Ou duas.

Primeiro, Buemi rodou quando saiu dos boxes e perdeu a posição que ganhara no início da prova. Foi ultrapassado por Bruno Senna. A matemática entrou em campo.

Depois, um safety-car na 20ª das 29 voltas aproximou todo mundo — batida de Leimer. Isso permitiu que na relargada Nelsinho passasse o parceiro Oliver Turvey e, na balada, ganhasse também a posição de Salvador Durán — esta, sua ultrapassagem mais fácil e importante na corrida. Assumiu o oitavo lugar. Imediatamente à frente, o inimigo Di Grassi. Tentar algo sobre ele estava fora de questão — Lucas mandaria o jovem Piquet para o lago do Battersea Park. Assim, restava torcer para tudo acabar como estava. Com Buemi em sexto, Nelsinho seria campeão por um mísero ponto. “Vai, Bruno!”, deve ter gritado dentro do capacete.

Claro que a e.dams avisou seu narigudo piloto de que a vaca estava indo para o brejo. E ele partiu para cima de Senna alucinadamente, porque era a única chance que tinha de ser campeão. O primeiro-sobrinho foi duro na defesa de sua posição, mas não fez nada de errado. Se não se esforçasse tanto, tiraria o título de Nelsinho. Senna segurou uma barra pesadíssima, porque o helvético tinha mais carro e, claro, motivos mais do que suficientes para passar por cima dele. Mas Bruno ficou firme. E deu a taça a Piquet.

Um Piquet. E um Senna.

Buemi ficou bravo, gesticulou em direção a Bruno, mas estava mais irritado consigo mesmo do que qualquer outra coisa. “Ele se colocou nessa posição quando rodou sozinho e eu o ultrapassei”, disse Bruno. Tinha toda razão. No final, o vencedor Sarrazin foi punido com 30s em seu tempo total de prova por usar mais potência do que o permitido e a vitória ficou com o inglês Sam Bird. Bruno foi o quarto, com Buemi em quinto, Di Grassi em sexto e Nelsinho em sétimo.

Piquet pilotou muito bem durante toda a temporada. Ganhou duas corridas, aprendeu rápido a lidar com carros que eram uma novidade total, soube usar de estratégia, foi agressivo quando precisou, largou quase sempre de forma precisa e decisiva, mereceu amplamente o que conquistou. Foi por um ponto, 143 x 144. Quando seu pai ganhou o Mundial de F-1 pela primeira vez, em 1981, também foi por um ponto, 50 x 49 na disputa com Carlos Reutemann.

Os deuses das corridas capricham, quando querem.

85 comentários

  1. Pdr Rms disse:

    Gostei muito da categoria, valeu muito a pena ter acreditado e acompanhado desde o começo e o final fechou com chave de ouro uma temporada tão emocionante. Contudo, comento abaixo 3 pontos negativos que me incomodaram ao longo da temporada e deveriam ser repensados (2 ficaram muito óbvios na última corrida e poderiam ter estragado o final da temporada):

    1 – Repensar locais e melhorar o traçado dos circuitos com mais pontos de ultrapassagem. Criticamos constantemente o traçado dos Tilkodromos ou Monaco ou Hungaroring, mas a maioria dos circuitos da Formula E faziam estes circuitos da F1 parecer Monza ou Spa. Isto ficou ainda mais evidente no ridículo traçado de Londres. Qualquer categoria do automobilismo que vislumbre um mínimo de seriedade não pode correr num traçado daqueles.

    2 – O formato da classificação dividida por sessões de pilotos pode trazer grandes injustiças, como aconteceu ontem, pois colocam os pilotos em desigualdade sem que possam fazer alguma coisa para atenuar tal desigualdade. Certamente não da para ter todos os carros fazendo volta classificatória ao mesmo tempo. Talvez a melhor forma de melhorar isso seria realizar várias sessões (até em dias diferentes) que contariam para a formação do grid. Todo o trabalho de uma temporada quase foi definido pela chuva de ontem, sem que Di Grassi ou Piquet pudessem fazer algo a respeito.

    3 – O Fan Boost pode ter ajudado na divulgação da categoria, mas a concessão de uma vantagem técnica a 1 ou poucos pilotos deveria estar unicamente atrelada a critérios técnicos.

    Ainda assim, o saldo é amplamente positivo.

  2. David disse:

    Adorei a F-E !!!

    Muito bom o nível de competitividade, as disputas… F1 tem muito a aprender…

    Bruno e Nelsinho deram um show… Di Grassi também… só o Bruno tem que aprender a escolher melhor as equipes, essa Mahindra é ruim demais…

  3. Mario Mesquita disse:

    Não tinha visto uma corrida da E ainda e gostei.

    Não tem ronco de motor, mas tem som de disco voador de desenho animado. Achei simpático.

    Valeu pelo título do Nelson Jr. Mas se fosse outro brazuca seria legal tb.

    A próxima temporada vou acompanhar, perece mais legal que a atual F1.

  4. Brabham-5 disse:

    Flavio, posso fazer uma crítica construtiva, ou melhor, uma sugestão, para vcs tentarem nas transmissões da F-E?
    Quando rolar um trasmissão via radio piloto-boxes, ou algum piloto estiver dando uma entrevista ao vivo, ao ínvés de traduzir “por cima” sobre a fala do entrevistado, enquanto ele responde, aguarde um pouquinho, deixe os telespectadores ouvir toda a entrevista e depois de terminada, entre e traduz o que o entrevistado disse. Assim, conseguimos ouvir a entrevista em inglês e a tradução sem atropelos.
    Com o áudio do microfone da entrevista aberto, sem baixar o volume e a sua voz, ou de qualquer outro comentarista, falando por cima, muitas vezes embaralha tudo e não conseguimos entender na integra, nem sua tradução, nem o entrevistado.
    Quando falam “todos ao mesmo tempo” não se entende nada “em casa”.
    Deixa o entrevistado falar tudo, aí você entra e diz o que o cara falou. Tranquilo. Fica perfeito.
    É legal para quem está em casa ouvir as transmissões de rádio e as entrevistas sem interrupção ou encobertas por comentários…(erro que acontece muito na Globo com a F1, sob o comando de Galvão Bueno, Luiz Roberto e a Mariana Becker, um festival de atropelos…)
    Espero que minha sugestão seja útil.
    Abraço.

  5. Brabham-5 disse:

    Como fã incondicional do sobrenome Piquet, dou os parabéns ao Nelsinho, fazendo história por ser o primeiro campeão de uma categoria nova, com ótimo nivel dos pilotos no grid e mando um abraço de agradecimento (espero que Nelsinho faça o mesmo) para o Bruno Senna.
    Nas últimas 3 voltas, lembrou muito a forma “cascuda” de pilotar que caracterizou o tio campeão. Valeu Bruno! Sensacional.
    Ontem Piquet filho e Senna sobrinho HONRARAM OS SOBRENOMES.
    Bom, acertei meu prognostico, daria Nelsinho, Buemi em segundo e Di Grassi (paralisado pelo ódio ao Nelsinho) em terceiro.
    Existe uma F1 fora da Globo que nos dá alguma alegria não é? É a F-E de Piquet Jr. e Senna sobrinho!!
    Só uma um último comentário: se nessa ultima corrida, ao invés de Nelsinho estivesse o Massa para vencer o título, na última volta quebraria uns dois carros á frente do Buemi (ou o que fosse necessário) e o suíço sairia da pista como campeão! hehehehe
    Os antis e fãs do DisGrassi podem se rasgar agora!! hahahahaha

  6. Andre Decourt disse:

    Piquet filhote provou nesses últimos anos que é um piloto extramente versátil, conseguindo andar bem com qualquer coisa que lhe dão. Quem sabe teremos um campeão de Le-Mans no futuro?

  7. Julio Cesar Ruthes disse:

    Foi um final de semana bem legal em Londres! O resultado do sábado deixou um baita suspense no ar e depois dos treinos no domingo, pensei que o título ia ficar nas mãos do Buemi. Mas a prova decisiva me surpreendeu. Foi uma decisão histórica. Valeu a pena assistir. Fico na torcida por uma etapa da F-E no Brasil!

  8. Ppaulo disse:

    Legal a transmissão
    Mas lembro de vc dando uma chamada no Barrichello por falar em “salvar pneus” quando comentava corridas pela globo.
    Um dos seus colegas de transmissão queria “salvar baterias” esse fim de semana.
    Ajuda o cara, faz favor. Nem precisa ser tão público.

  9. Andre disse:

    Flavio, não era mais fácil ter um sistema que possibilitasse a troca da bateria, ao invés de trocar de carro?
    Digo isso, pois pega mal pro publico, o piloto ter que trocar de carro depois de poucos minutos.
    O Tesla Model S vai ter um sistema que troca a bateria em postos especificos, em apenas 90 seg

  10. Muitos dizem que Nelsinho é um mala, que é arrogante e isso e aquilo.

    Só que Nelsinho Piquet e Bruno Senna, são muito mais maduros do que pai e tio foram no passado.

    Conseguiram fazer com que as desavenças do pai e do tio no passado não passassem para eles e são, bons amigos hoje em dia, assim como Bruno também é bem amigo de Nicolas Prost.

    Não acho que Bruno se desdobrou na briga com Buemi para tentar ajudar o Nelsinho. O fez porque é piloto e homem de brio, querendo brigar por posições, como qualquer piloto.

    Nelsinho foi o piloto mais inteligente de todo o campeonato, o que mais evoluiu e que melhor entendeu a parte técnica dos carros, mais um gene puxado do pai, e sagrou-se campeão merecidamente.

    Uns dizem que Nelsinho só venceu porque Di Grassi foi eliminado na outra corrida. Oras, regras estão aí para serem cumpridas. E quando Nelsinho tinha tudo para ter um pódio e foi acertado pelo Trulli em uma das primeiras corridas? Então acho que é balela, Nelsinho foi sim o campeão merecido.

    Torço também pelo Di Grassi, mas ele não mereceu ser campeão. Ele desenvolveu esses carros, tinha apoio da Audi em sua equipe e, mesmo assim, não conseguiu o título.

    Buemi tinha o carro da equipe mais forte da F-E, na minha opinião, e também não levou.

    Nelsinho transformou a China Racing em uma equipe bem preparada e seu feedback certamente ajudou o pessoal da equipe a evoluir mais e mais.

    É isso. Nelsinho escreveu o nome na história. O primeiro campeão mundial de carros elétricos com a chancela da FIA. Uma categoria que eu tenho certeza que veio para ficar e se estabelecer no topo em um futuro próximo.

    Abraços!

  11. Marcos disse:

    A F-E é fácil a mais empolgante categoria de monoposto dos últimos 10 anos, no mínimo.
    Um equilíbrio absurdo, pistas desafiantes, pilotos talentosos que se não estão na F1, azar dela que só pensa em dinheiro… Tem tudo pra dar cada vez mais certo. Que tenha vida longa. Assisti quase todos os gps e todos foram pauleira pura.
    E parabéns ao Piquet Jr, assiti ao vivo sua primeira vitória na Nascar (Nationwide), assiti boa parte de suas corridas na GP2, Na A1, e sempre entrou pra brigar na frente. O guri é foda.

  12. Sandro Marques disse:

    Confesso que estava torcendo para o Di Grassi, mas como não ficar satisfeito com um título que no fim das contas veio para o Brasil do mesmo jeito? Ainda por cima com a participação inesperada do Bruno Senna no resultado final da disputa.
    Parabéns ao Nelsinho, parabéns ao Lucas e a todos os pilotos e integrantes das equipes porque apesar de ser uma categoria estreante eles trabalharam no mais alto nível. Deu gosto de ver as corridas, fazia tempo que eu não acompanhava uma categoria em que tivesse tanta emoção em praticamente todos os finais de corrida. Vida longa a Fórmula E!

  13. Thiago Leal disse:

    Faltou um detalhe: um Piquet, um Senna e… um domingo de manhã, numa categoria cujas corridas, tradicionalmente, são nos sábados. Bem nostálgico para brasileiros saudosos das corridas dos anos 80 e 90. Triste de quem perdeu, até a patroa assistiu comigo e adorou. Que beleza de nova categoria. Estou ansioso por setembro e a próxima temporada.

  14. Apareceu o intruso Buemi quase atropelando totalmente os brasileiros aos 44 minutos do segundo tempo, mas nos 45 Deus foi brasileiro dando o Título pro Nelsinho que apaga de vez sua passagem pela Máfia da Renault na F-1. Parabéns Nelsinho por ter sido o Primeiro Campeão da Fórmula E! Parabéns Di Grass por ter sido o primeiro vencedor de uma etapa na categoria, além do terceiro lugar no campeonato. Parabéns ao Bruno Senna que não lutou pelo Título, mas ajudou na decisão do campeonato em favor do Nelsinho com um brilhante quinto lugar que acabou sendo quarto na última corrida segurando o feroz Buemi!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>