MENU

segunda-feira, 28 de setembro de 2015 - 18:17Automobilismo internacional

SUICÍDIO ASSISTIDO

SÃO PAULO (nunca entenderei) – Qualquer um pode colocar seu carro de rua no velho traçado de Nürburgring, o temido Nordschleife. Basta pagar um punhado de euros e sair para o abraço.

Abraço com o capeta. Alemão é tão metódico e preocupado com segurança, mas permite que coisas como essa aí embaixo aconteçam — o Alexandre Neves mandou o vídeo.

Foi no fim de semana retrasado. O carro é um Renault Mégane. Parece que o cara sobreviveu.

Passear pela histórica pista germânica é um grande barato. Só que ninguém passeia, apenas. Todo mundo se sente piloto e soca o pé na jaca. Há, no YouTube, centenas de vídeos parecidos. Mesmo assim, a barbárie é permitida e legalizada. Lembra os “track days” que têm-se popularizado no Brasil — e que também considero uma aberração, porque sai todo mundo acelerando feito doido sem equipamentos de segurança e tendo como companhia apenas suas habilidades duvidosas.

Tem bastante gente se machucando. Morrer é questão de tempo.

64 comentários

  1. Focusman disse:

    Em bairro que não tem quadra as crianças jogam bola na rua, dizem…

    Se no Brasil existem mais pistas onde as pessoas pudessem acelerar seus carros, sejam eles originais ou não, as mortes na pista seriam menores?

    Acho que não.

    Não quero ser polêmico, mas considerando o número de pessoas que conheço e realmente gostam de acelerar carros, e como eu, moram em lugares onde não existe local próprio para tal, que acidentaram nos últimos 20 anos, posso afirmar que velocidade nas mãos de quem sabe lidar com ela, mata muito menos do que se prega por ai.

    É como a lei seca. Hoje sou impedido de tomar uma taça de vinho durante um jantar, ou mesmo tomar algumas cervejas (já sofri alguns acidentes de carro e sempre estive sóbrio, pois bebendo dirijo bem devagar e de maneira prudente), mas a pessoa que dirige bêbado ao ponto de fazer merdas, continua por ai bebendo e fazendo merdas.

    Ver vídeos de acidentes em Nurburgring ou em Interlagos, ou na fazenda Capuava, só mostra que a maioria deles é causada por imprudência. A imprudência mata mesmo a baixa velocidade.

    Antes juntar um monte de imprudentes dentro de um ringue para se matarem, que deixa-los nas ruas. Na Alemanha existem pistas com velocidade liberada, mas as implicações legais ao se envolver em um acidente são tão extensas, que o autódromo se torna o lugar preferido para se acelerar. Que assim seja!

  2. Paulo Pinto disse:

    Muito esclarecedor, por sinal.

    Bem vindo ao time, Fernando! E vá se acostumando com as brincadeiras.

  3. Daniel Magnani disse:

    Bom, as despesas com lamina de guard rail, limpeza de pista, resgate médico e guincho ele vai ter que pagar.
    Se for para se esborrachar, melhor que seja em uma pista, porque se não fosse lá ele estaria acelerando na rua sem a menor dúvida.

  4. gera disse:

    Muito frequentado, neguin quer
    é adrenalina, tem até furgão.

  5. Emon disse:

    Trackdays são também populares na Europa/EUA, com instruções e equipamentos bem básicos, não vejo problema, e acho que criticar Nurburgring por isso não faz sentido, quantas mortes eles tem lá por conta disso? aposto que não muitas… querer proibir isso é querer matar o sonho dos entusiastas, é como querer proibir carros antigos, já que são inseguros pra caramba comparado com carros novos, pense nisso.

    quem viaja de Kombi antiga sabe que é péssima em termos de segurança e tem mais chances de bater/morrer, quem anda rápido em Nurburgring sabe que tem chances de perder o controle, mais chances do que se estivesse a 60KPH, mas ambos são legais e com um pouco de cuidado te deixam vivo.

  6. Marcos disse:

    Complicado. Tive a honra de andar lá, umas 6 voltas num ClioRS alugado. Andei feito uma velhinha boa parte do tempo.

    E você, Flavio ? Já foi ? Se sim, guiou o quê ?

  7. Betocam disse:

    Acho que ele tentou quebrar o record do Pedro Piquet.

  8. Hector Brenta disse:

    Flavio, eu vi o acidente , estive ai nesse dia, estou dentro do porsche amarelo que passa ao lado, as instruçoes sao pra nao parar em caso de acidente, os serviços de pista fazem esse trabalho. O rapaz que pisou a grama numa parte rapida, errou , mais saiu andando, mesmo assim foi acionado o helicoptero e ele nao sofreu maiores consequencias. Qto aos comentarios sobre o circuito e seu uso, cada um pensa o que quiser, melhor que correr na rua. Cabe lembrar que essa pista è publica e portanto os acidentes sao tomados como em qquer rua , vai policia, tem BO, voçe paga os danos à pista e ao terceiro , em caso de bater em alguem.. Cada um entra ai por conta e risco, mais repito , é melhor que correr nas ruas e estradas.

    • Marco disse:

      Concordo. Estive em Nurburgring em 2011 e 2013. Andei lá com o carro alugado durante a viagem, uma C-Max e depois um Golf. Nada de Porsche, afinal, “nóis é curintiano”…haha. Porsche, só no museu…

      As regras são bem claras, tanto no site quanto nos locais onde são recarregados os cartões.

      Tudo bem explicadinho. Inclusive responsabilidade e custo dos danos.

      Ninguém te obriga a entrar ali. E me lembro bem. Quando fui em 2011, a pista estava bem cheia, tanto que dei algumas voltas e parei pra descansar (o sobe e desce deixa grogue de início…hehe). Quando voltei, haviam fechado para que o “trânsito” ficasse mais livre…

      E, convenhamos, muito mais seguro que dirigir por uma BR da vida…

  9. Leandro Batista disse:

    De uma olhada nos profissas que fazem track day em interlagos. Uma chuva torrencial e o gênio resolve fazer a curva em cima da zebra…

    O

  10. Shadow disse:

    Suicídio assistido, assim como F1, Indy, Nascar, Futebol americano, Futebol, fazer trilha, escalada, pular de para quedas, assistir jogo da seleção… que bobagem…

  11. granito disse:

    Ficaria preocupado de um acidente desses numa rodovia. Num autodromo o sujeito assume os riscos. Fico triste porque a diversão do cara acabou ali, fora isso, querer proibir,regulamentar, cobrar seguro obrigatório, limitar velocidade são bobagens dessa sociedade esquizofrênica que acha que sabe o que é bom e o que é ruim para o individuo

  12. leonardo disse:

    Eu acho bacana, acidentes acontecem sempre, mesmo em eventos oficiais, pilotos altamente credenciados, pelo número de carros que passam lá todos os dias, é pouco o numero de acidentes, mas como nas autobans… são menos, porém mais impressionantes. Nada para o desejo de um gearhead de acelerar, melhor que seja em uma pista q na rua, acompanho alguns canais sobre Nurburgring no youtube e é um tesão! A morte… todos concorremos a ela.

  13. Zeca disse:

    FG
    Já estive lá em Nurburgring e deis 7 voltas…. e posso dizer, voltaria lá mil vezes.
    É claro que tem seu risco mas é controlado, desde que vc não seja um maluco. Mas o cara sendo maluco vai fazer absurdos nas estradas “normais” e envolver muita gente inocente.
    Quanto a quem esta lá, da para perfeitamente dirigir rápido e de forma “defensiva”. Aluguei um Swift Sport preparado para pista com santo antonio instalado freios e suspensão melhorados e com uma potencia adequada a quem não esta tão acostumado com pistas (+/- 150cv).
    Importante lembrar que na Alemanha, nas AutoBahns não há limite de velocidade…. ou seja o pais tem uma cultura de velocidade e responsabilidade muito diferente da nossa…. infelizmente.

  14. Giuliano SPFC disse:

    Na boa, eu adoro o modo como os alemães enxergam as coisas, eles deixam o cidadão acelerar forte nas Auto Bahns, deixam os caras acelerarem nos autódromos e cada um que cuide do seu e assuma a sua “bronca”, se prejudicar outras pessoas ou cometer algum crime, sentirá o peso da Lei, o Estado Alemão deixa o cidadão assumir riscos e o deixa ciente das responsabilidades de assumir esses riscos, mas eles tem um nível educacional muito grande, e nesse caso, a impressão que tenho é que com isso, o Estado não precisa ser babá dos cidadãos, dizendo pra ele toda hora o que pode ou não pode fazer.

  15. Flavio disse:

    Se não puder ser feito em uma pista de corrida, não poderá ser feito em lugar algum.
    Deixem que se divirtam e se matem, lá é o lugar certo para isso.
    Minha avó dizia: Passarinho que come pedra sabe o cu que tem.

  16. Agnaldo disse:

    Reitero o que já disseram abaixo. O cara quer andar sem capacete, tubo bem, desde que, em caso de acidente, assine um termo onde abre mão do atendimento do SAMU, de internação pelo SUS, bem como, caso fique paraplégico ou pior, de pensão do INSS. Assim, o sujeito não estará onerando o Estado, nem a população.

  17. Davi disse:

    Tem gente que acha que ter coragem é o suficiente… Vai tomar um curso de pilotagem pô!

  18. Fabiano disse:

    Isso mostra que o Megane é mais seguro que os carros da JL, os da Stock !!! kkkkkkkkkkkkkkkk

  19. Mentecapto disse:

    Flávio Gomes, você mesmo é um cara que vive dizendo que o mundo anda tão chato, que o politicamente correto tomou conta do pedaço e coisa e tal…

    Não pesquisei as estatísticas de morte nesses eventos, mas acredito que são baixíssimas. Muitos humanos tem esse desejo enorme de acelerar e curtir a velocidade e a interação com o seu carro. Deixe as pessoas se divertirem. Quem está ali na chuva, sabe que vai se molhar. Mas você entra na chuva por seu livre arbítrio.

    Se não for ali em um autódromo, vai ser nas rodovias, nas cidades. Qual local é mais perigoso?

    Agora uma coisa eu concordo, a galera acha que boné é capacete. Talvez para evitar manchar esse tipo de evento, capacete ( e outros cuidados) deveriam ser obrigatórios.

    Na minha humilde opinião!

  20. Flavio Bragatto disse:

    Notem que o piloto-cinegrafista está trajado de calça jeans, camiseta e tenis.
    Se o carro dele estivesse 50m mais para frente, ou um pouquinho fora do traçado, teríamos dois caixões.
    Esses caras tem merda na cabeça em correr assim, desprotegidos.

  21. Ze Ruela disse:

    A pista eh particular, e tem servico de socorro medico e guincho.
    Ao contrario do que pensam muitos, pagar nao significa que podera fazer o que bem entender. Algumas regras basicas sao:
    Ultrapassagens sao somente permitidas pela esquerda;
    Os trechos mais perigosos tem velocidade limitada e controlada por cameras;
    Eh proibido cronometria;
    O local onde os carros entram e saem do circuito eh tambem uma interrupcao na pista e tem velocidade controlada. (Cones, barreiras e tudo mais)
    A pista eh fechada em condicoes climaticas desfaforaveis;
    O custo eh de EUR 27/volta
    Todo dano causado ao circuito e servicos em caso de acidente sao cobrados a parte;
    Mesmo com todos esses ajustes sempre existira risco e consequentemente acidentes.
    Nao sei se exigir equipamento de seguranca e carros preparados ira diminuir os problemas. Os ‘pilotos’ sentiriam-se protegidos e mais afoitos provavelmente.
    Moro a 100km do circuito e jah estive la por diversas vezes. Nao vejo problemas no modelo de negocio atual.

  22. Marcelo disse:

    Já fui lá… De carro alugado… Melhor experiência em 4 rodas que já tive na vida… Mas como em todo lugar, tem gente que abusa…
    Recomendações de segurança que recebi ao comprar o passe na bilheteria:
    - não interessa para que lado é a curva, NUNCA ultrapasse pela direita;
    - Sinalize com seta para esquerda quando for ultrapassar;
    - Olhe no espelho por carros mais rápidos;
    - Sinalize para esquerda e dê passagem;
    - Mantenha-se vivo e divirta-se.
    Considerando o perigo da pista, foi um briefing bem mequetrefe mas, como tudo na Alemanha, se obedecer funciona…
    A maior reta fica fechada com cones, que te obrigam a sair da pista e passar na cancela para validar o seu cartão a cada volta.
    O que achei bizarro: não existe separação por categoria… Haviam motos, carros de passeio, carros de corrida de aluguel (aliviados, com santo antonio e pneus slicks), tinha até uma po88@ de um onibus, cheio de turistas e com um guia falando sobre as historias de cada curva…
    Tem gente endinheirada que mora por perto e compra passes anuais para ficar acelerando seus porsches e ferraris por lá… Andam muito rápido mas seguem a risca as regras de sinalização e ultrapassagem… Quem faz asneira são turistas com carros normais que se empolgam mais do que devem…
    Ou playboyzinhos com carros “tunados” que parecem cadeiras eletricas quicando a cada curva…
    Dá pra andar razoavelmente rápido com alguma segurança, mas tentar andar no limite pra fazer volta rápida no meio daquele caos é realmente pedir pra se machucar…
    Outra coisa, o prejuízo financeiro vai muito além do seu carro… Se vc estragar um guard rail, tem que pagar… Se tiverem que fechar a pista pra consertar o que vc fez, vc paga pelo tempo que a pista ficar parada… Pode sair muito cara a brincadeira…
    Sobre socorro, tem fiscais pela pista inteira com radios, mas ambulancia mesmo, vi apenas uma (poderiam haver mais).
    Não vi nenhum acidente forte no dia em que estive por lá, mas já morreu bastante gente ao longo dos anos… A maioria de moto, pelo que me disseram no café que tem ali…
    Na cabeça deles, é como uma Autobahn de mão única e cheia de curvas… Dizem que se te flagrarem ultrapassando sem seta vc toma multa… Se te flagrarem ultrapassando pela direita vc pode até ir preso…
    Mas não sei o quanto isso é verdade ou o quanto é para assustar novatos… Só sei que todo mundo que me passou deu seta, e todo mundo que abriu passagem também (com exceção do ônibus, que andava o tempo todo pela direita e com o pisca alerta ligado…
    Sinceramente acho que vale o passeio… Pra quem curte automobilismo, é uma espécie de Meca, mas onde se vc morrer, não vai ser por pisoteamento…

  23. Geraldo Casselli Júnior disse:

    É evidente que falta alguma forma de uma boa infraestrutura. Conter os impulsos da galera em uma pista tão longa de quase 23 km deve ser algo complicado. Aclives e declives, retas longas onduladas, curvas fechadas curtas ou longas, trechos secos de um lado, e molhado do outro, etc, tudo era uma incógnita para até para aos mais experientes pilotos (Niki Lauda que o diga). Nunca conheci Nurburgring, mas curtiria demais passear por ali. Sem os malucos do lado, claro !!!!!!

  24. Jonny'O disse:

    Ainda acho melhor dessa forma, é melhor o cara se espatifar em uma pista do que encarar outro carro na contra mão, as estradas são infinitamente bem mais perigosas, sem segurança externa.

    Partindo do principio que é preciso prudencia seja qual for a ocasião, uma pessoa imprudente vai ser mais perigosa em uma rodovia normal.

    O cara que bateu no vídeo poderia ter matado alguém em uma rodovia ou ter se partido em vários pedaços se não tivesse aquele quardrail duplo que só existe em pista de corrida.

  25. valter fanco disse:

    Acredito que já tenham falado aqui mais de uma vez….Este acidente ocorreu num circuito fechado que mesmo tendo seus riscos, todos que entram lá estão sujeitos a qualquer tipo de acidente, afinal estão numa pista de “corrida”, mas estava me referindo aos grandes motociclistas de finais de semana que sobem em suas potentes máquinas e fazem verdadeiros absurdos pelas rodovias e depois postam no facebook como grandes feitores da humanidade!!! na verdade são grandes idiotas.

  26. Alexandre Neves disse:

    Respeito o direito a opiniões divergentes, como daqueles que se manifestaram a favor da liberdade de se arrebentar desde que não prejudique mais ninguém.

    Só vamos lembrar que automobilismo é um esporte de alto risco. Não dá pra entrar numa pista como Nordschleife e acelerar sem o devido preparo e suporte. É o mesmo que escalar o Everest sem treinamento e equipamento de segurança.

    Se a pessoa deseja escalar montanha, praticar salto livre, ou acelerar numa pista de corrida, que o faça com o devido preparo, já estará exercendo o seu livre arbítrio,

  27. regis disse:

    cara, qto carro…fico imaginando se possui ambulâncias, monitoramento…caso não, é realmente suicídio premeditado,

  28. Gomidez disse:

    Olá Flávio, olha esse trecho do episódio do Canal Brasil da série “Ayrton – retratos e Memórias”:

    https://youtu.be/RMIAXVAdOgY

    Acho que nem a série e nem o assunto em discussão não é novo pra ti, mas vale a pena pra seus leitores aqui saberem, espero. Abraços!

  29. Willians Thiago disse:

    Aprendeu neh FG ? A tutela é própria !!!

  30. Sergio Magalhães disse:

    Impressiona a quantidade de carros.

    Como pode, liberar a cambada toda de uma vez para acelerar numa pista que exigia respeito dos grandes pilotos do passado.

    Até parece que etão numa estrada.

  31. Gilmar Pereira disse:

    Flavio,

    Mudando de assunto, apesar da relevância deste que você tratou com tanta assertividade. É que tenho uma amiga cujo irmão, que é ESPECIAL, é botafoguense (detalhe: em uma família de flamenguistas) e está se preparando para assistir pela primeira vez um jogo no estádio. Ela publicou no facebook dela a história do irmão e neste link (http://blogdonetocruz.com.br/compartilhe-jovem-especial-do-piaui-tem-sonho-de-conhecer-jogadores-do-botafogo/) estão os detalhes.

    Se você puder ajudá-la, seja no FSR ou aqui no seu blog, agradeço demais.

    Abraços

  32. Ricardo disse:

    Nao sei porque vc se incomoda tanto com isto.

  33. Rodolfo disse:

    acho que o importante é ser dado a opção, uma pista aberta é o mais “seguro” possível que um amador vai conseguir chegar perto do limite do próprio carro, melhor fazer isso do que correr nas estradas. Fora que, qual a diferença entre uma pessoa que escolhe correr o risco em uma pista e uma que escolhe ser fumante e ter um risco a longo prazo? Não fazendo mal pra ninguém o problema é só dele.

    • Marcos Brás disse:

      O que você disse não faz o menor sentido. Todo mundo tem direito de se suicidar, OK. O fumante fuma por opção, muitos que conheço fumam sozinhos, longe das pessoas que não estão a fim de serem fumantes passivos. A diferença é que esses caras em Nürbürgring, assim como em outras pistas e nos “track days” brasileiros correm ao lado de dezenas de outros carros. Chegar ao limite com outras pessoas em volta, correndo o risco de se matar e levar mais gente junto? Aí não, amigo. Ainda bem que você usou “seguro” entre aspas mesmo.

  34. Roberto Fróes disse:

    Poderia, talvez, existir algumas “categorias” ou algo assim.
    Concordo com o Fernando – que diz com todas as letras que o Estado tem que dar liberdade.
    Sem colocar, entretanto, outros que querem a liberdade de andar por ali sem correr riscos.
    Com “categorias” pode ser que isso não existisse…
    Alguém aí falou em capacete para motos. Concordo inteiramente, não deveriam ser obrigatórios. Cada um faz o que quiser com sua própria cabeça!
    O contrário dos óculos protetores! Imagine um besouro ou uma mosca no olho, a 120 ou 200 km/h, seja a que velocidade for.
    Já aconteceu comigo, não em moto, mas em carro, com a janela aberta!
    E eu tenho a visão reduzida em um dos olhos. Mas o que sofreu uma picada de abelha, marimbondo, ou sei lá o quê, foi justamente o bom…
    Maior sufoco!

    • Roberto Fróes disse:

      Resumindo, capacete só ajuda se o acidente acontecer.
      A falta de óculos pode muito bem ser a CAUSA do acidente – e envolver quem nada tem a ver com isso.

      As “categorias” em Nordschleife, por exemplo, “com prática”, “sem prática”, quem quer andar até 150 km/h, quem prefere acima disso, e por aí a fora.

      E claro, já que o negócio é bem pago, não poderia faltar equipe de segurança.

      Eu bem que gostaria de contornar o Caroussel…

  35. Flavio ailon disse:

    Pu@$)$+323#iu………….

  36. Armando disse:

    Estranhei que, durante todo o tempo da filmagem, não se aproximou nenhuma equipe de socorro.
    Principalmente por ser uma atividade de amadores, altamente sujeita a acidentes, as equipes de socorro deveriam estar prontas para agir rapidamente.

  37. Jayme disse:

    Ainda prefiro que se arrebentem numa pista, afinal é escolha do sujeito, do que o que os idiotas fazem em nossas estradas e ainda filmando com suas ridículas câmeras. Aquele idiota que filmava e falava como um retardado fez escola e ninguém faz porra nenhuma. Na pista se o cara morrer a escolha foi dele, ninguém o obrigou.

  38. perna quebrada disse:

    Quando vi a água do radiador voando lembrei do acidente do Pedro Piquet.

    Milagre…

  39. Silvio Rodrigues disse:

    Já vi algo parecido numa rodovia no interior de SP, o cara passou pela direita, tirando fina do carro a minha frente, estávamos na velocidade legal (120), ele passou como um foguete, sem controle, se arrebentou num barranco, capotou umas 4 vezes, inacreditável a estupidez.

  40. Marcos Milani disse:

    O cara saiu do carro andando “normalmente”, sem maiores danos. Além dos permanentes que ele já tinha no cérebro e nos braços (curtos).

  41. Fernando disse:

    Acho que alemães e americanos detestam serem tutelados pelo Estado. Se o “suicídio”, e é quase isto mesmo, não onera o Estado qual o problema? Se não coloca mais ninguém em risco não há problema.

    Ser tutelado pelos governos como somos aqui no Brasil desde sempre parece insuportável para a população de alguns países desenvolvidos. É o caso por exemplo dos capacetes para motociclistas nos USA, se não onera o Estado e não oferece risco a ninguém, a não ser a quem esta na moto, o problema não é do Estado.

    Liberdade é o nome da coisa. Eu acho uma “bobagem” também, mas liberdade é coisa séria, mais importante do que um ou dois mortos que tiveram o direito de decidir pela “bobagem”, e tutela do Estado é coisa sempre a se evitar.

    • Serginho disse:

      Concordo com quase tudo. A raça humana é autodestrutiva (auto-destrutiva? auto destrutiva?) por natureza. Sempre fez merda, e sempre vai fazer. Se o sujeito assume o risco de que pode se arrebentar, e não coloca mais ninguém nessa condição, problema dele. O difícil é controlar uma situação dessas pra que não envolva mais ninguém.

    • Igor Freire disse:

      Os alemães são tão ou mais tutelados pelo Estado do que a gente. Inclusive, o direito alemão tem influenciado bastante o direito brasileiro. Há exceções, como essa de Nurburgring, mas é uma reclamação comum do pessoal mais liberal no Direito Alemão.

      Abraço

    • pedro araujo disse:

      no caso dos capacetes para motociclistas, não é questao de tutela do estado. é questao de custo de internação e tratamento e custo indireto no caso do sujeito se tornar invalido. nos EUA o Estado nao paga o tratamento ou a aposentadoria por invalidez, mas aqui existe este custo para a populacao com menos grana. quem tem dinheiro nao usa o servico do estado, mas a maioria da populacao sim. daí a obrigatoriedde do uso do capacete.

      nao conheço o sistema alemao, mas é bem capaz se se aproximar mais do sistema brasileiro do que do americano. ainda tem um bom resquicio do “estado de bem estar social” lá.

      no mais esse papo de tutela do estado é mais um discurso da turma que acredita no estado minimo.

      • Otavio disse:

        Na verdade acho que isso é para ter mais alguma maneira de poder multar. Se o Governo estivesse preocupado com a saúde das pessoas daria condições melhores à população que precisa. Ahh sem precisar trazer médicos cubanos.

      • Fernando disse:

        Certamente vc percebeu, e esta bem claro, que me referi ao uso de capacetes nos USA, não aqui. E também acho que há muito do tal “estado de bem estar social” na Alemanha, e isso é ótimo, quando é sustentável.

        Quanto a ser tutelado pelo Estado é questão de gosto, opção, se vc gosta ok, é seu direito, eu detesto. A parte do “discurso” confesso que não entendi, já o tamanho do Estado nada tem a ver com o quanto ele se mete na vida particular dos cidadãos. E não tenho turmas. Abraço.

      • Mentecapto disse:

        O governo até pode bancar, mas a vítima vai ter que encarar uma espera infeliz da fila do SUS. O que vai rolar para o motociclista é ele sacar os 12 paus do DPVAT

  42. Fernando disse:

    Se a pista fica fechada ela vai falir, isso ja ficou claro.. se deixa aberta ela é uma aberração…

    Ó senhor da sabedoria qual sua solução então?

Deixe uma resposta para Flavio ailon Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>