MENU

terça-feira, 6 de outubro de 2015 - 17:26Caminhões, One comment

ONE COMMENT

Grande ideia, essa da Samsung na Argentina.

22 comentários

  1. Caio disse:

    Que Show hein.. Mas só a Samsung para fazer isso..kkkk

  2. Speedster disse:

    Tirando o meu chapéu aqui!

  3. Mauricio disse:

    Essa aqui tbm é legal: https://www.youtube.com/watch?v=cdf3kuZzl70. E foi antes da Samsung, Esse anunciante terá quer muuuuito criativo para sair da enrascada que se enfiou…

  4. Camilo disse:

    Boa intenção, boa implementação. Praticável em maior escala? Não sei, não sou especialista.
    Mas se os seus motoristas fossem orientados a ajudar os carros de passeio a fazer ultrapassagens mais seguras, usando a comunicação via pisca-alerta?
    Aprendi a comunicação via pisca-alerta para usar nas estradas antes mesmo de aprender a dirigir, apenas observando meu pai guiar nas nossas viagens.
    Menos tecnologia, mais gentileza.
    Abraços.

  5. Adriano Del Vigna disse:

    Só não pode colocar muitas dessas telas, se não, o caminhão pode parecer “transparente” ou invisível, e pessoas desavisadas acabarem colidindo.

    Isso na verdade pode virar também uma forma de camuflagem militar, com telas flexíveis cobrindo toda a área a ser “camuflada”.

  6. Conde disse:

    Que show ! Sensacional .

  7. Anselmo Coyote disse:

    Dá pra ver até se uzômi tá lá na frente…kkkkkkkk

  8. Figo disse:

    Há muitos anos, quando viajava de carro com a família, boa parte dos caminhoneiros dava sinais com a seta, indicando se era seguro ou não ultrapassar. Meu pai dizia, claro, que a gente não poderia acreditar cegamente, “tem que conferir”. Na maioria das vezes, a indicação era correta.

    Hoje em dia, é muito raro ver esses sinais – assim como está ficando raro o uso da seta.

    Essa ideia mostrada no vídeo é boa. Porém, lembrei de uma frase que ouvi há algumas semanas: “nada é à prova de idiotas”.

    • Roberto Fróes disse:

      O pior era que aqui no Brasil o código era o inverso, por exemplo, da Argentina, onde a seta para a esquerda significava “ultrapasse agora”.
      Viajei para o Chile em 2000 (de carro) e tomei alguns sustos, pois olhava, não via ninguém, começava a ultrapassar e recebia seta esquerda. Voltava correndo…
      Pior, quando era o inversa, recebia seta direita, ameaçava ir, e dava de cara com outro carro ou caminhão.
      Quando acostumei, não tinha confiança.

      • Figo disse:

        Não sabia disso, muito interessante. Obrigado.

      • joniebson disse:

        Parece ser verdade, lembro de há alguns anos ter ouvido falar que os argentinos engrossavam as estatísticas de acidentes no sul do Brasil por causa desse código trocado.
        E, cá pra nós, o deles não faz sentido algum. Se quem está na minha frente dá seta pra esquerda, quer dizer que ele vai ultrapassar alguém, tenho que aguardar, por óbvio. E se ele dá seta pra direita, indica que vai sair da pista para o acostamento, abrindo espaço pra ser ultrapassado.

    • TJ disse:

      E o insulfilm acabou com a comunicação visual entre os motoristas.

  9. Clayton Araujo disse:

    Simplesmente ESPETACULAR! Reduziria de bastante as mortes nas estradas brasileiras.

  10. Cláudio F1 disse:

    Gostei da ideia, devia ser obrigatório em carretas, caminhões e ônibus.

  11. Alexandre disse:

    não vai resolver o problema. O problema nao é a visão e sim a imprudência. O certo seria acabar com as estradas mãos duplas….

  12. Geri Quaquara disse:

    Lá como cá espera-se que a iniciativa privada faça algo. Visto que o poder publico esta paralizado em função de uma certa politica retrógrada. E se o cara quiser ultrapassar um caminhao que nao tenha o patrocinio da samsung? Faz como? A samsung fez isso pra salvar vidas? Sem ganhar nada? Larga a mao de ser bobo!

  13. Luiz disse:

    Outra inovação…fazendo diferente.

  14. Rodrigo Viana disse:

    Espetacular!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>