BOA ESCOLHA | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

terça-feira, 29 de março de 2016 - 18:31Automobilismo internacional

BOA ESCOLHA

sperafico01

SÃO PAULO (acelerem) - Durante quatro anos, de 1999 a 2002, a Petrobras manteve um mui bem-sucedido projeto de “motorsport”, como os amigos gostavam de dizer, ao montar uma equipe na Fórmula 3000 — Petrobras Junior Team era o nome oficial da bagaça. A categoria era verdadeiramente uma formadora de pilotos para a F-1, com corridas preliminares dos GPs — inclusive em Interlagos, em algumas temporadas –, e o time brasileiro despejou ao menos um de seus meninos na categoria máxima — Antonio Pizzonia, que depois tomaria outros rumos na vida.

A estreia se deu em 1999, com a dupla Max Wilson e Bruno Junqueira. Esteve longe de ser um ano ruim. Max fez poles em Imola e Hockenheim e Bruno largou em primeiro em Magny-Cours e venceu a corrida da Alemanha. Nick Heidfeld, que corria pela equipe júnior da McLaren, dominou aquela temporada e conquistou o título. Bruno foi o quinto colocado e Max, o oitavo.

Em 2000, antes até do imaginado, o time brasileiro já era um dos grandões numa turma que tinha pilotos como Fernando Alonso, Justin Wilson, Sébastien  Bourdais e Mark Webber. Com vitórias em Barcelona, Nürburgring, Mônaco e Budapeste (além de duas poles, em Imola e na Hungria), Junqueira conquistou o título numa corrida em Spa, ofuscando completamente seu novo companheiro de equipe, Jaime Melo Jr., que terminou o campeonato apenas em 12º. Era a senha para tentar a F-1, mas o brasileiro foi derrotado numa espécie de vestibular promovido pela Williams por Jenson Button — então um ilustre desconhecido que terminara a temporada inglesa da F-3 em terceiro lugar, mas fora considerado o destaque do campeonato pela revista “Autosport”.

A Petrobras seguiu em frente, alinhando Antonio Pizzonia e Ricardo Sperafico (na foto lá em cima) em 2001. O “jungle boy” fez uma pole em Monza e venceu em Hockenheim. Ricardo largou na frente na corrida alemã e, na Bélgica, fez a pole e venceu. Quinto lugar na classificação para Sperafico, sexto para Pizzonia — o título ficou com Justin Wilson. A dupla foi mantida em 2002, com Ricardo fechando o campeonato em quinto. O amazonense teve uma temporada apagada e foi o oitavo. A taça acabou com Bourdais.

E depois de quatro anos na F-3000, a Petrobras tirou o time de campo, com missão cumprida: oito poles, sete vitórias, um título. Àquela altura, o investimento da estatal já estava mais voltado para seu programa de fornecimento de combustível e lubrificantes para a Williams, que começara em 1998 e só terminaria 11 anos depois. Os pilotos que passaram pelo Junior Team estavam, bem ou mal, encaminhados em suas carreiras.

Conto tudo isso para saudar o anúncio feito hoje, de que a Petrobras vai patrocinar Pedro Piquet e Sérgio Sette Câmara na temporada europeia de Fórmula 3. Eles correm por equipes diferentes, mas terão o apoio da empresa. É uma ótima escolha, já que não há brasileiros com potencial nas categorias de acesso mais próximas, GP2 e GP3, e a F-3 voltou a ganhar importância depois que Max Verstappen pulou de lá para a F-1 sem escalas.

Pedrinho é o melhor dos Piquet — palavras do pai a um grande amigo — e Câmara foi adotado pela Red Bull, o que é sempre um bom sinal, porque a turma das latinhas não aposta em gente errada.

Que eles consigam o que pretendem. E que a Petrobras retome sua vocação de apoiar pilotos e o automobilismo. Conheço o pessoal que milita no esporte a motor há anos — tanto na área técnica, como nos tempos de fornecedora da Williams, quanto na de marketing. Gente da maior competência e qualidade, funcionários de carreira apaixonados pelo que fazem e pela empresa onde trabalham.

Boa notícia, essa de hoje.

41 comentários

  1. Alberto disse:

    Flavio,

    a noticia é boa mesmo mas acho que o investimento da Petrobras tinha que começa mais cedo, no kart. Os 2 pilotos da F-3 são muito bons, mas será que são os melhores das suas respectivas gerações? Será que os melhores não ficaram no kart sem dinheiro para ao menos mostrar a cara aqui ou na Europa? Passeie pelos kartodromos do Brasil (a verdadeira várzea!) e verá meninos muito talentosos que não tem dinheiro sequer para ir a São Paulo competir. Quando a Petrobras pegar estes meninos aí sim iremos achar um Vetel, um Alonso ou um Hamilton. Oferecer patrocínio a quem já esta na F-3 limita muito a busca de novos talentos

  2. Renato disse:

    Engraçado como agora o Flavio Gomes mudou a sua opinião. Quando era o Banco do Brasil que apoiava uma equipe totalmente brasileira com 4 pilotos brasileiros, ele não entendia o retorno do projeto, mandou o dono da equipe procurar patrocínio com empresas privadas, mas agora a Petrobras patrocina dois pilotos da F-3 e o projeto faz todo sentido, os diretores estão de parabéns etc… Gostaria de entender qual é o retorno para a Petrobras.
    Para relembrar a memoria: http://flaviogomes.grandepremio.uol.com.br/tag/banco-do-brasil/
    Engraçado como as opiniões mudam quando os interesses são outros. Porque não manda agora os diretores da Petrobras prestarem conta também?

    • Flavio Gomes disse:

      Ô Zé Mané, eu achava o patrocínio para a equipe de GT questionável, ainda mais de um banco. A Petrobras tem tudo a ver com corridas. Agora não me enche mais o saco. Eu tenho o direito de achar o que bem entender do que quiser. E se você insinuar “interesses” de novo, leva um processo no meio da ideia. Chega desse negócio de falar qualquer merda, acusar os outros, apontar o dedo sem prova de nada. Cai fora.

  3. Marcio disse:

    Qualquer empresa séria no mundo cortaria investimentos supérfluos numa crise financeira. Mas sendo do estado as coisas não são tão sérias…

  4. Riacardo Bigliazzi disse:

    Muito boa a noticia do apoio da Mercedes Benz (e do Lauda) para o Pedro. Nessas horas é que vemos que o nosso Tri-Campeão Mundial é mais respeitado fora do Brasil do que aqui em Terra Brasilis.

  5. AirTiger disse:

    3…2…1….pessoal reclamando do ‘Bolsa Gasolina’….ahhhh…..não….esse ninguém reclama…..
    Só reclamam é do Bolsa Família……

  6. Victor disse:

    Nada justifica empresas estatais apoiando pilotos, unicamente (ou equipes, como no caso da Sauber e o BB). É um dinheiro que simplesmente não volta, não traz melhorias nenhuma ao nosso esporte. Bola fora, bola fora.

  7. emerson disse:

    Gostaria muito de um estudo do ROI deste investimento., porque vc paga 4 reais o litro de gasolina, para pagar o rombo feito por administradores incompetentes, e eles investem dinheiro – que nao tem! – na “playboyzada”?!

  8. Riacardo Bigliazzi disse:

    Pelo menos temos certeza que a Petrobras será vitoriosa em alguma coisa no ano de 2016. Que o Pedro continue a trilhar o caminho das vitorias, parece que tem muito jeito para a coisa.

  9. Pedro Wolthers disse:

    Gostaria se saber em que dia da semana e horário a FOX passa as reprises das corridas da F 3 inglesa ou européia e gostaria tb que vc colocasse os horários das transmissões da F E tb na FOX.

  10. Paulo Barros disse:

    Muito bom! Ainda é pouco para o que já foi o automobilismo brasileiro, mas já é alguma coisa. Quem sabe futuramente voltar a bancar um time.

    Mas não dou 24 hs para algum retardado começar a chamar o Piquet de comunista no facebook…

    Quer apostar?

  11. Antonio disse:

    Tá sobrando dinheiro na Petrobras

  12. Victor disse:

    Pra mim são os pilotos que têm melhor condição de crescer. São as melhores opções para patrocínio. Acertaram em cheio!! O Sette Camara faz bonito! Piquet pode mostrar agora.

  13. Alvaro Ferreira disse:

    Parabéns à Petrobras! Essa é a empresa que funciona, tocada por gente honesta, trabalhadora e capaz, e não aquela que tristemente foi usada por um bando de bandidos de terno.

    Boa sorte na empreitada, sucesso aos garotos.

  14. Anselmo Coyote disse:

    A Petrobrás precisa mais do que nunca de um marketing forte para desfazer o estrago que essa pirotecnia em tornos de desvios (que houveram realmente e foram muitos) ocorridos.

    Antes que os neófitos fiquem animadinhos quanto aos desvios na estatal, cabe-me o doloroso dever de lhes informar que não é de hoje que ela é sistematicamente dilapidada por ladrões de toda ordem.

    O jornalista Ricardo Boechat ganhou o prêmio Esso de jornalismo de 1989 com uma reportagem denunciando corrupção na Petrobras.

    Sorry, guys.

    Abs.

    • fernando_sp disse:

      Anselmo Coyote, antes de se meter a besta em falar inglês (sorry, guys), vê se aprende a nossa querida e tão espancada língua portuguesa. Esse “HOUVERAM DESVIOS” doeu meus ouvidos, meu cérebro e minha alma. Pelo amor de Deus, em que turma do MOBRAL você se formou, hein ?

  15. Sennista disse:

    Pena a Petrobrás não ter descoberto ou se interessado a tempo pelo maior desenvolvedor de combustíveis (fósseis e não fósseis) de todos os tempos. Ele mesmo, o mito Senna. Gênio. Certo, Flávio?

  16. Memorildo disse:

    Lembro bem de toda a expectativa em torno do Pizzonia, que havia ganho tudo nas categorias anteriores e vinha com tudo para a F-3000! Na 1a. corrida, em Interlagos, largou em 4o., assumiu a ponta na largada e ia ganhar com o pé nas costas quando, ainda na 1a. volta, o penalizaram por ter ultrapassado sob bandeira amarela (um acidente no bloco de trás exatamente no momento em que ultrapassava para assumir a liderança). Parece que essa punição “desconjunturou” todos os astros e Pizzonia nunca mais foi o mesmo, e sua carreira nunca foi o que se esperou por todos os resultados brilhantes até então. Eu o considero o “Elivélton” do automobilismo brasileiro. Elivélton era um atacante que jogava no São Paulo de Telê, craque, sempre chamado por Parreira para a seleção; Parreira até disse uma vez que a seleção era Elivélton e mais 10. Isso durou de 1991 (quando surgiu) até o Pré-Olímpico de 1992, em que a seleção não se classificou para a Olimpíada: Elivélton tomou uma pedrada da torcida adversária no Defensores del Chaco no Paraguai e nunca mais foi o mesmo (no fim do mesmo ano já era banco no São Paulo…).

  17. Erich disse:

    Obrigado por publicar meu comentário. É assim que se faz a democracia neste país.

  18. leohora disse:

    Na boa, a Petrobras tá ferrada, cheia de divida precisando urgentemente de mudanças na gestão pra voltar a crescer e investir. Definitivamente não é momento de de gastar grana com nisso. A vocação que o Petrobras precisa retomar com urgencia é outra, e passa muito longe das competições automobiliticas.

    • Acarloz disse:

      Não concordo, se ela sobreviveu à pilhagem que sempre houve por lá e que se multiplicou nos últimos anos, pode tranquilamente patrocinar um projeto sério e que lhe trará um bom retorno.

      • AirTiger disse:

        Aumentou devido a FHgaga que: 1) vendeu metade dela na bolsa de NY, deixando de ser uma empresa 100% estatal; 2) desobrigou-a a seguir os trâmites da lei de Licitações, fazendo com que facilitasse as maracutaias; 3) que nomeou TODOS os diretores envolvidos nas maracutaias…..

  19. Fábio Peres disse:

    Um patrocínio digno, que tem a ver com a imagem da Petrobras. Que siga até a F1 – até porque não me conformo de ver o Banco do Brasil mantendo o Nasr lá quando uma Sauber podia ser pintada com as cores brasileiras apoiando nossos pilotos.

  20. Celio Ferreira disse:

    Ultimamente só notícia ruim da Petrobras , mas eis que aparece uma
    notícia bôa , Sorte para os garôtos , que venha a F1 no futuro , pois
    nossos pilotos na maior categoria está acabando .

  21. Gus disse:

    Grande notícia, aposto bastante no Piquet!

  22. Clayton Araujo disse:

    Ótima notícia! Que tenham bom desempenho e consigam chegar na F1. Seria ótimo ver novamente o nome PIQUET na categoria máxima.

  23. daniel disse:

    gente da melhor qualidade que nunca vai chegar a diretoria nenhuma e muito menos ao conselho de administração…

  24. Erich disse:

    Com o preço do combustível que temos no Brasil, dá para a Petrobras patrocinar todos os esportes a motor.

  25. Bruno disse:

    Acho que o Nelsão foi marketeiro nessa (e tem que ser mesmo), mas melhor que o Nelsinho eu duvido. Nelsinho tinha tudo para estar na F1 até hoje e como protagonista, por falta da presença do pai na carreira cometeu um erro juvenil que o tirou da categoria para sempre. Nelsinho brilhou no kartismo nacional (tri-campeão brasileiro se não me falha a memória) numa época que o Brasil produzia pilotos de nível mundial (Carrapatoso, Nicastro, Roberto Streit, etc), disputou GP2 com Rosberg e Hamilton. Não vejo Pedro nesse nível de pilotagem ainda.

  26. ThiThiago Farina disse:

    Concordo que é um excelente projeto da petrobras, mas precisa ter continuidade depois que esses pilotos conseguirem caminhar sozinhos e dar oportunidades para outros se promoverem na F3 ou outra categoria de base.
    Precisamos de incentivo no Brasil também, começando no kart em campeonatos regionais e anuais, principalmente quanto a diminuir custos.

  27. José Brabham disse:

    Boa notícia mesmo!

  28. Lucas S.A. disse:

    Que ótimo, cancelam parceria científica com as universidades públicas pra pagar brinquedo de rico…

  29. disse:

    Nessas fizeram bem, pegaram 2 pilotos já embalados rumo a F1. Só espero que a F3 continue com transmissão ao vivo pelo site da categoria no Youtube, e não quando acessarmos apareça que as imagens estão fechadas para seu país.

  30. Wagner Campos disse:

    Flávio, n consegui encontrar quem transmitirá a temporada aqui no Brasil. Vc tem essa informação?

  31. ewerton souza disse:

    Pedro Piquet este menino vai longe sem pachequismo da globo!

  32. Paulo disse:

    E parabéns à Petrobras.

  33. Paulo disse:

    Que bom! Com os anos do Felipe Massa chegando ao fim, e tendo só o Nasr, bacana pensar na real possibilidade de termos mais brasileiros no grid da F1 em alguns anos. E gente capaz, com chances de lutar por vitórias, como tem demonstrado. Boa sorte aos garotos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>