SOBRE EMERSON | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

segunda-feira, 4 de abril de 2016 - 17:01Automobilismo internacional

SOBRE EMERSON

SÃO PAULO (não é fácil) – Quando, em setembro, saiu o calendário do WEC sem a etapa de São Paulo, postei aqui uma breve nota explicando que os dirigentes da categoria decidiram excluir o Brasil, entre outros motivos, por conta de problemas de organização ocorridos nas etapas de 2012, 2013 e 2014. Todos sabem que Emerson Fittipaldi foi o promotor dessas provas, foi seu garoto-propaganda e maior incentivador, e é uma pena que esse campeonato não tenha mais uma etapa por aqui — o WEC é, hoje, gigantesco e espetacular.

Na ocasião, mencionei os problemas financeiros pelos quais o bicampeão mundial de F-1, pioneiro de todos, estava passando. Não era exatamente nenhum furo de reportagem. Bastava entrar no site do Tribunal de Justiça de São Paulo para consultar os processos envolvendo suas empresas. Havia, e há, muitos. Essas informações são públicas e podem ser acessadas por qualquer cidadão.

As reclamações de credores eram numerosas e apontavam para uma condição delicada do ex-piloto no que diz respeito a suas finanças. Ontem à noite, a TV Record colocou no ar uma longa reportagem sobre o assunto, avaliando em R$ 27 milhões o valor das dívidas das empresas de Fittipaldi. Foram registradas imagens da retirada, de um de seus escritórios, de carros de corrida, troféus e outros objetos a título de penhora. Teoricamente, serão leiloados para que parte dessas dívidas possa ser quitada. Hoje, o UOL ampliou o tema levantando outros processos e conversando com alguns credores.

Até agora, pessoalmente, Emerson não se manifestou. Segundo nota oficial de sua assessoria, ele está fora do país e suas empresas enfrentam “dificuldades geradas pelo cenário econômico do país”.

Quando se veem as imagens de peças que fazem parte do nosso imaginário de fãs de automobilismo — e de Fittipaldi, claro — sendo confiscadas, a sensação é ruim e dolorosa. É triste, sem dúvida. Como é triste também a situação daqueles que deixaram de receber aquilo a que tinham direito, mergulhando igualmente em uma condição financeira delicada — gente que quebrou, que não sabe se e quando vai ver a cor do dinheiro etc.

Enfim, é triste para todos. Mas a condição de ídolo não deve ser encarada, por ninguém, como salvo-conduto para o que quer que seja. Tomara que Emerson resolva seus problemas. E tomara que todos aqueles que se sentiram prejudicados por ele tenham suas demandas avaliadas e julgadas com isenção e justiça.

91 comentários

  1. O Emerson agora vai Demorar a Voltar pro Brasil, senão vai Correr o Risco de ficar Nu com a Mão no Bolso! Na época da sua equipe de F-1, ele ficou quase de cueca na mão com o fim dela, agora então nem se fala. O automobilismo brasileiro hoje está andando pra trás até na sua história que dessa vez é do Pioneiro Falido, Emerson!

  2. Paulo disse:

    Mentira cara.. quem falou isso pra vc mentiu..o Emerson não assinou nada nem acordou nada , pela simples razão que não pode ..os carros miniatura da Fittipaldi caíram no domínio publico e quanto muito as licenças pertenceriam á RAM e não a ele pois foi a RAM que comprou todo espolio da massa falida da Fittipaldi F1 inclusive o nome .. os carros existem em todo o mundo sendo fabricados pela Spark e existem no Brasil tbm. O que existe isso sim é um acordo exclusivo entre a Sprak e a Copersucar e mais ninguém pode usar a decoração Copersucar sem ser a Spark , exceptuando a empresa Brasileira de modelismo Automodelli que tem uma relação de muitos anos com a Copersucar e por uma questão de cortesia o Apuzzo pediu tbm á família Fittipaldi licença para construir os carros. Agora culpar o Emerson por uma burrada de uma empresa que sabia que não podia mandar construir os carros e mesmo assim divulga-los para conseguir assinaturas é errado. Na Europa qualquer modelista sabe que os carros são Spark e só eles produzem tirando eles só a Automodelli e alguns pequenos modelistas em quantidades reduzidas e por norma em kit ….

  3. retka disse:

    ele que pague suas contas! não tenho um pingo de dó dele. temos que separar as coisas foi um ótimo piloto etc mas tem que honrar seus compromissos igual a qualquer cidadão de bem. o cara mora na flórida e tá se cagando pro brasil e seu povo.

  4. Alberto disse:

    Tem uma que poucos se lembram.
    Essa coisa dele dizer que levou o Ayrton para o Ralph Firman da Van Diemen e disse a ele que estava levando um menino de ouro que seria campeão do mundo e blablabla é uma história bem mal contada. Ao que sei o Ayrton pediu ao Emerson para apresenta-lo ao Ralph e o Emerson apenas ligou pra ele e pediu pra receber o menino lá. Os dois nunca foram próximos, na realidade o Emerson se aproximou do Ayrton quando ele começou a fazer sucesso na F-1. O cara que poderia explicar isso não esta mais aqui (Ayrton) mas acho que se perguntar ao Ralph ele confirma.

  5. JT disse:

    A história do Emerson saiu na mídia pois ele é famoso, mas existem muitas pessoas quebrando por aí.
    Gente que conheceu um período de sucesso na carreira e achou que isto seria a regra para a vida, adquirindo um padrão de consumo acima do razoável.
    Gente que passa a rolar pequenas dívidas para não melindrar a esposa e os filhos, e para bancar aquela imagem de sucesso para os falsos amigos.
    O primeiro calote provoca algum remorso. É quando alguns corrigem as suas trajetórias. Mas a partir do segundo calote a bola de neve começa a girar. Para estas pessoas, o próximo negócio será a redenção esperada. O pulo do gato.
    Então os bancos limitam o crédito e alguns caem nas mãos dos agiotas, e os mais “espertos” envolvem os ingênuos em suas transações.
    Um dia a casa cai junto com a máscara.
    Alguns deles sabem que, se for necessário, vão renegociar as dívidas. Elas caem pela metade quando o devedor quer realmente pagar.
    Não tenho como – e não posso – afirmar que o perfil do Fittipaldi é esse que descrevi. Apenas afirmo que o episódio da reportagem me fez lembrar de alguns casos concretos que conheço.
    Liguem seus radares: nunca se sabe quando um amigo boa praça nos pedirá algum emprestado…

  6. evandro disse:

    Como fã do Emerson fico muito frustrado, vendo o passado vitorioso dele sendo mexido por mãos a mando da fria justiça, mas existe mais uma pá de gente k também teve suas coisas mexidas e confiscadas pelas mãos da justiça em razão dos calotes, pau que bate em Chico tem que bater em Francisco, lamento pela situação do Emerson.

  7. Pedro Araújo disse:

    Um colega de trabalho acabou de me contar que o Fittipaldi foi o primeiro sócio do cara da Polishop.

    Eu me lembro daqueles comerciais com o Emerson, vendendo o 7 Day Diet.

    Esse foi o primeiro produto que a Polishop vendeu.

    • Claudio Aun disse:

      Antes do Polishop, já haviam outros tropeços.:
      Marlboro loja de roupas e acessórios explorando a marca , Hugo Boss era o licenciado no BR, Revenda Mercedes em Araraquara .
      A verdade é uma só , ninguém faz dois negócios com ele

    • Paulo disse:

      cara vc esta errado … ele não foi socio nada.. seu genro que era … olha so a A história
      A história começou quando Carlos Agostinho Pires da Cruz, mais conhecido como Gugu da Cruz, apresentou a João Appolinário, formado em administração e que havia sido dono de empresa de confecção, sócio de uma rede de fast-food chinesa e também da rede de academias de ginástica Runner, uma grande oportunidade de negócio. Em 1994, Gugu, genro de Emerson Fittipaldi, participava de um almoço entre o piloto e o executivo da Globo Internacional Ricardo Salamandré, em Miami. Os dois pretendiam trazer ao Brasil um produto que fazia o maior sucesso nos Estados Unidos, o Seven Day Diet, uma espécie de dieta criada pelo nutricionista americano Gary Smith. Inicialmente eles queriam vender o produto na rede de farmácias Drogasil, mas não conseguiam as licenças para trazê-lo ao país. Depois de conseguir a liberação do produto, montou um plano de negócios com todos os investimentos que seriam necessários, aproximadamente US$ 1 milhão para criar a empresa.
      -
      -
      O empresário levou o projeto para Fittipaldi e ele disse que só entraria no negócio com a imagem, não iria desembolsar um tostão sequer. Gugu, então, procurou João Appolinário, que enxergou uma grande oportunidade de ganhar dinheiro. Foi um fenômeno de vendas. Em apenas seis meses, todo o investimento já havia sido recuperado e a empresa já dava lucro. O modelo de negócios foi o embrião da POLISHOP. Eles anunciavam em revistas e na televisão e vendiam o tal do shake por meio do call center. Sempre visionário, João Appolinário vislumbrou a oportunidade de trazer outros produtos inovadores para o Brasil e fundou a POLISHOP em 1996. Rapidamente a nova empresa ampliou o seu mix de produtos ofertados diariamente através de infomerciais, catálogos e internet.

  8. Saima disse:

    FG, alguém por dentro, quanto morreria num leilão por esses carros apreendidos? O toleman do Senna estava saindo por quase £1 milhão.

  9. Marcell disse:

    Tenho algumas coisas a dizer a respeito disso….

    Em primeiro lugar é triste, frustante ver uma situação dessas envolvendo um desportista. E obviamente o EF tem de arcar com as consequências de seus “calotes”
    Em segundo, parece que o Nelsão e o Helinho de fato tinham razão.
    E por ultimo…. A panama Papers vem por a (Nico Rosberg que o diga….) Mais um escândalo, nesse cenário atual onde não faltam os mesmos.

  10. Sanzio disse:

    Crise é a nova “muleta” para os “aleijados”.
    Fala-se de crise desde junho de 2013, sendo que ela pegou mesmo a questão de um ano. Ou seja, muito depois da etapa de 2012 do WEC, a qual ele já deu calote.
    Gostaria apenas que o Emerson fosse mais honesto e assumisse sua incompetência ao invés de culpar “a crise”.

  11. Marcelo disse:

    Flávio com todo o respeito a você, achei seu texto muito bonzinho para com o EF, digo isto porque sempre que tem coisas erradas você desce o pau nas pessoas envolvidas (corretamente). O cara nos negócios é um picareta.

  12. josé maria de souza disse:

    Há a história de uma queda de aeronave em que seu resgate foi feito por um serviço público e explorado depois comercialmente.
    josé maria

  13. ms disse:

    pra mim algumas “luzes amarelas” começaram acender em relação ao emerson quando aconteceu aquele fuzuê com o Helinho que ao final foi inocentado no principal das acusações que sofreu nos EUA, se bem que antes disso, naquele acidente que emerson teve com asa delta em uma de suas fazendas quando estava junto com um familiar, teve tb quem dissesse que tudo não passou de um lance promocional (ou se preferirem, mais uma trapaça……) de emerson pra atrair naquele momento a atenção da mídia em sua direção……emerson pra mim sempre adulou além da conta os poderosos de plantão e, pecado maior, justamente de quem estava no poder na época dos “anos de chumbo”…….da minha parte, não existe nem um tiquinho de dó em relação ao emerson não…….novamente (e como sempre…) nelson piquet com suas observações precisas e certeiras foi quem, mais uma vez, deu a melhor descrição da essência da personalidade do emerson : aquele que sabe, como ninguém, dizer exatamente aquilo que seu ouvinte quer escutar….e pelo jeito, emerson usou e abusou desse seu “talento”……….

    • Thiago Sabino disse:

      Sobre o acidente: não foi de asa delta… foi de ultraleve, que o próprio Emerson pilotava, e quem o acompanhava era o seu filho Lucca.

      O Ultraleve teve uma pane, caiu, e eles se machucaram. Acionaram o pessoal do Águia ( Salvamento Aéreo da PMESP), e os Bombeiros de Araraquara.

      Resgataram ele, e o levaram para o Aeroporto de Araraquara, e lá já os esperavam uma UTI aérea da Amil.

      Posteriormente, o Emerson teceu várias e várias loas sobre o resgate, só enfatizando que ele estava bem , por causa da Amil.

      E cagou mole pros PMs e Bombeiros que o resgataram lá no meio do mato.

      Quem me contou isso foi um colega, ex-piloto do Águia, e que estava nesse resgate. Xingou o Emerson de tudo quanto foi nome…

  14. Thiago Sabino' disse:

    É triste… mas, gosto de colocar as coisas por partes..

    - A reportagem: não achei sensacionalista não. O Gerson de Souza foi até ponderado, e em todo o tempo da reportagem , pontuou o lado positivo do Emerson, falando da sua história, e do que ele representa para o automobilismo. É lógico que, trata-se de um tema delicadíssimo, e que não iria ser algo para tratar com absoluto desnível de ênfase, só porque é o Emerson. Infelizmente, o que ele fez, mesmo que muitas das iniciativas foram em fomentar corrida de carros, gerou consequências em pessoas que acreditaram nele, justamente pelo passado e pela figura que ele representa. Levar um cano , vamos falar o português claro, É FODA….

    - A grana: Se realmente, a casa dele em Miami tiver esse valor de venda, porra, desfaz do que tem, chama todo mundo pra fazer um acordo, e PAGA…. Parece óbvio isso que to falando, mas porra, agora que a merda toda tá exposta, mostra que tem índole, e caráter, e que mesmo desfazendo de tudo o que tem, não vai deixar gente na mão. Não tenho nem ideia do tamanho da pemba (se são só essas 25 milhas), mas se ele tiver daonde tirar pra resolver, ia dar uma resposta bacana. Provavelmente, ao emitir aquela nota patética, deve estar cagando pra isso…

    - O ídolo: Somos pródigos em ter ídolos de barro, principalmente na questão pessoal. É só descer de SP pra baixada, e encontramos o maior de todos os tempos com uma esfera no pé, numa dicotomia que é de rasgar o rabo. Na vida profissional, o Pelé foi o Pelé. Na vida pessoal, o Edson foi atrapalhado nos negócios, quase quebrou nos anos 80 (consultem sobre a Pelé Sports & Marketing… pai google fala tudo), e só se mantém, porque justamente a imagem do Pelé profissional, sustenta as cagadas que o Edson fez após parar de jogar. Nem entro na seara pessoal, porque esta sim, é de fuder.

    Apareceu o Edson , do Emerson.

    - Os carros, troféus, etc.: Óbvio que, os oficiais de justiça iriam levar tudo que fosse considerado de valor. Pra gente, é duro mesmo como disse o Flavio, ver tudo aquilo ser retirado do cara que conseguiu na raça, na pista, e no braço. Mas se aquilo tudo for leiloado, e gerar recurso pra pagar alguém, que assim seja. Duro, mas necessário. Pelo menos, vi zelo no desmonte, e no transporte dos carros (até onde a vista alcança….vai saber depois no desembarque em Interlagos, e doravante….)

    - Copersucar e atuais dívidas : É…. não tem muito a ver… misturaram saco de boi com pão sovado : parecem a mesma coisa, mas são bem diferentes….. A Copersucar, como todos sabem, patrocinou até 79. Portanto, não era o Emerson quem bancava a equipe. De 80, até 82, aí sim, sairam como saltimbancos empresariais, buscando um caminhão de patrocínios….. mas no fim, mesmo com aquela colcha de retalhos de patrocinadores, não rolou. Motores e chassis dentro da sede da fábrica lacrada pela justiça inglesa, e ali foi o fim. Passou os anos 80 inteiro se ferrando pra pagar, e pagou. Ou tem algum processo contra ele na JUCESP, de antes de 1989, ano de sua redenção, e reerguimento? Então, Copersucar não tem nada a ver com os atuais papagaios….. justiça seja feita. Parece ainda ranço de gente que não cansa de malhar a equipe…. sei lá, posso estar errado…

    Espero, de coração mesmo, que ele se redima, que PAGUE todo mundo, que HONRE seus compromissos, que deixe o nome FITTIPALDI onde sempre deveria estar.

    Sei lá, as vezes penso que , ainda bem que o Barão não esteve aqui pra ver reportagens como a do Domingo……

    • Leandro disse:

      Sobre os carros da Fittipaldi, sei lá… Acho que não tem nada a ver com ranço, nem nenhuma especificidade, tanto que pegaram o carro da Patrick Racing que deu a ele o título da CART de 1989, que teoricamente não teria nada ver com a história.

      Acho que o negócio é pegar coisa de valor, pra leiloar por preço alto pra pagar todo mundo. Ou tou sendo muito inocente?

  15. Mario Gasparotto disse:

    Dever dinheiro não é crime, quase todo mundo por aqui, tem algum tipo de pendência a resolver. O problema é quando você começa a encarar as coisas como o “Silva daqui e o Silva de lá”. Não pagar um fornecedor daqui, um valor até baixo diante das cifras citadas (R$ 50 mil) mas que faz uma falta enorme para o fornecedor, e continuar uma vida de ostentação lá nos EUA, é crime sim! Isto é crime de estelionato! Pra mim, isto é uma decepção enorme. Com bancos, da pra negociar, empurrar, discutir os juros, mas com fornecedores de eventos, ai a coisa é complicada…

  16. Danilo disse:

    Vai ter que vender muitas baterias Moura pra sair dessa…

  17. JAL disse:

    Temos a tendência em achar que pessoas famosas (atores, desportistas, etc) são no dia-a-dia como aparentam ser quando exercem suas atividades. Vencedores, seres que habitam o Olimpo. A realidade pode ser bem outra.
    Desde sempre ouço que “santo” não ganha nada na F1… pode ser (espero que não) que o Emerson tenha um lado B desconhecido, ou pode ser “apenas” um empresário incompetente.
    De qq forma, que pague por seus erros e quite suas dívidas. Prejudicar vida de terceiros não é nada aceitável. E se as dívidas já são antigas, pior ainda, pois continua vivendo como quem não deve nada a ninguém e possui uma vida imaculada, inclusive aconselhando carreira de novos pilotos.

  18. Gus disse:

    Só em 1987, em uma única compra de uma lancha, ele fez um cheque capaz de comprar 15 Hofstetter’s de uma vez só – o carro mais exótico e caro do Brasil na época (Fonte: Revista Oficina Mecânica – dez/1987 Feira Transpo-São Paulo)

  19. Claudio Aun disse:

    Emerson foi meu grande Ídolo no automobilismo,mas sempre me chamou a atenção o fato dele não ter nem um patrocinador fidelizado a sua imagem, parcerias comerciais nunca são renovadas, e acabam sempre na justiça.
    Com 70 anos não sabendo fazer outra coisa a não ser pilotar, acho difícil quitar o que deve.

  20. Paulo Emilio disse:

    Se o Emerson Fittipaldi ” acertou ” com uma determinada editora os direitos de produção e comercialização das miniaturas de seus carros pressupõe-se a existência de um contrato escrito ! Isto é óbvio e o logico em qualquer negocio desta envergadura ! Dizer que por causa do sucesso da coleção o Emerson Fittipaldi exigiu mais dinheiro é no mínimo leviano e não serve como desculpa para o cancelamento parcial da coleção ! Coleção esta que inclusive foi vendida antecipadamente , como assinatura ! Mais respeito com o nosso eterno campeão ! Não é qualquer um que com 23 anos sai do Brasil e faz o que ele fez, no automobilismo ou em qualquer atividade ! E mais, ele tem bala na agulha, mesmo com quase 70 anos para lutar e sair desta dificuldade , com a ajuda de Deus !

  21. Otavio disse:

    “Mas a condição de ídolo não deve ser encarada, por ninguém, como salvo-conduto para o que quer que seja.”
    Isso aí. Não importa o bem que ele fez anteriormente, se fez merda tem que ser punido! Isso deve valer para todos, inclusive ex-presidentes!

  22. Fernando disse:

    Ah, parece brincadeira, comparar o caloteiro com sua vítima. Pensar que o choro é o mesmo. Que é a mesma tristeza. Por acaso o “calotado” pediu prá ser prejudicado?

    O cara bate em mulher, distribuiu calotes às dezenas, teve dedo dele no caso do Helinho, tem o suficiente para quitar tudo isso nos USA, e se bobear tem muito mais escondido por aí, coloca a culpa na “conjuntura econômica”, e é tratado a pão-de-ló pela mídia porque é um “ídolo”. Não é “popular” falar mal de ídolos…

    Anda de primeira classe, tem dinheiro prá pagar advogados e levar os processos até o STF!!! Sabem quanto custa isso??? Mesmo nos comentários todo mundo aliviando o calote, depois querem governantes honestos… Por favor…

    Sim, ninguém é santo, antes que falem, eu sei, todos sabemos, mas deveríamos fazer o possível para melhorar um pouco e não aliviar a dos desonestos. Prá mim este caso é questão de honestidade (falta de), não de incompetência.

    • Leandro disse:

      Bate em mulher!?!?

    • Saima disse:

      Cuidado com o que você escreve. Isso é calúnia. Se não pode provar, não fala. Nunca ninguém falou ou denunciou por isso.

      • Leandro disse:

        Calma, deixa o cara falar. Não dá pra dizer que ele é caluniador sem ler os argumentos dele.

      • Fernando disse:

        Porque será que algumas pessoas pensam que tem o direito de “advertir” desconhecidos sobre o que devem ou não escrever?

        Ninguém pediu seu conselho caríssima (o). Qualquer pessoa medianamente informada sabe como e porque o casamento dele com a Teresa terminou.

        Muita gente falou sobre isso à época, é informação da mãe da Teresa, me parece uma fonte bastante confiável. Agora que tal cuidar da sua vida.

    • Saima disse:

      Você vem aqui e escreve o que escreveu e eu é que cuido da vida alheia?

      • Fernando disse:

        Sim, o Emerson é uma pessoa pública, todos comentam a vida das pessoas públicas, escrevem sobre elas, especulam, palpitam, é normal, e não é por outro motivo que assim são denominadas, públicas. Você – e eu – não somos pessoas públicas, não devemos dar palpites nem advertir desconhecidos, preciso desenhar? Cuide de sua vida que eu sei cuidar da minha.

  23. joao disse:

    O Nelsinho ano passado andou dando umas indiretas para ele. Será que ele pisou na bola com o´Piquet.

  24. Johnny Delusional disse:

    Quero ver você então convencer minha ex-empresa de que um monte de gente só foi demitida por que os coxinhas gritaram “Crise!”…

    Igual ao pastor mentiroso da fábula que gritava “Lobo!” quando não tinha lobo nenhum.

  25. Pauno Coelho disse:

    Que dó ver a Coopersucar em cima do guincho.

    FODA.

  26. Audax disse:

    Pelo que soube de um piloto das antigas os Fittipaldi se meteram recentemente no ramo de iates de luxo e tiveram um grande prejuízo.

  27. mario disse:

    Na reportagem diz que ele tinha 26 contas totalizando R$ 256,00 . Será que o dinheiro foi gasto mesmo ou será que foi para algum outro lugar como no exterior ?

  28. Oswald Martins disse:

    Eu já li a biografia do Hélio Castroneves uma vez, o que ele fala do Emerson empresário é de chocar. Confesso que não acreditei 100%, mas lendo principalmente a reportagem do UOL…

    Fiquei curioso para ver um posicionamento do Helinho a respeito do assunto.

    • Acho que se o Helinho tiver mais que dois neurônios ele fica é fora dessa. Não diz respeito a ele, e o melhor nesse caso é ficar fora.

    • Léo disse:

      Em uma longa entrevista para a TV, Hélio Castroneves disse que foi EF que o denunciou à Receita Federal Norte Americana, por pura inveja e maldade.
      Ele disse ainda que não entendia tanta raiva e ódio em uma pessoa, que teve apenas o propósito de lhe prejudicar e lhe fazer o mal.
      Mas Helinho conseguiu provar tudo ao fisco e hoje segue sua carreira na Indy. Lembrando que sua volta após a suspensão, foi nas 500 milhas de Indianápolis, vencida por ele.

      • Oswald Martins disse:

        Sim, já tinha lido esse papo do Emerson ter relação com o processo que o Helinho enfrentou.

        Por isso, a curiosidade em ouvir o que ele teria a falar, mas também acho que ele deve ficar calado.

  29. GunneR disse:

    Adoro o Fittipaldi, mas eu gostaria de ver uma desculpa mais elaborada, pois até um assaltante pode se desculpar, dizendo: Só roubei por conta das “dificuldades geradas pelo cenário econômico do país”.

    (estamos em crise?! SIM! Todas os negócios estão em crise?! NÃO!)

  30. Quando li a biografia do Helio Castroneves e este relatou seus problemas com Emerson, pensei: “Helio é quem deve estar errado, imagina, o Emerson não faria nada disso, até porque parece absurdo demais da forma como é contado”.

    Só que outras histórias semelhantes começaram a aparecer, e aí está o que parece um melancólico desfecho. Chegar ao ponto de penhorar troféus e até coisas de escritório significa não ter mais onde achar dinheiro para quitar dívidas.

  31. joel lima disse:

    Um exemplo oposto seria o de Piquet = virou um dos mais importantes empreendedores na sua área e provavelmente ganhou muito mais dinheiro como empresário de que como piloto – mesmo levando em conta que ele já começou a pegar a fase em que os salários da F-1 começaram a aumentar exponencialmente. Se não me engano, Piquet foi o primeiro piloto a passar da cifra de 1 milhão de dólares ao ano quando assinou para a temporada de 82. Hoje, com os salários dos esportistas em geral, parece dinheiro de pinga (rs), mas na época era muito muito muito dinheiro.

    • Rodrigo Keke disse:

      Pois é, o Piquet empresário é ainda mais sagaz do que o piloto. Quanto aos salários, creio que o Lauda chegou antes dele a cifra de U$$ 1 milhão/ano.

    • Luiz disse:

      Quase lá Joel! Na verdade a temporada foi a de 88 quando o Piquet se transferiu para a Lotus e, o valor, US$ 1mi por mês.
      O Lauda foi o primeiro a ganhar 1 milhão por ano.

      • Pedro Araújo disse:

        Exato, Luiz. O próprio Piquet já falou que se transferiu par Lotus porque a grana era excelente. E ele nunca tinha firmado grandes contratos antes em termos de grana.

      • Saima disse:

        Na verdade, ele ganhou uma boa grana na Williams também. 3 milhões por temporada, mais os prêmios do título e o carro. Claro que na Lotus ele lavou a égua, ainda que quase tenha sido fatal pra carreira dele. Mesmo na Benetton, ele ganhou bem, com aquele esquema de pagamento em função de pontuação. Ele que nunca ligou pra negociar contrato, colocar em papel etc. foi regiamente pago. E no fim ainda estourou com a autotrac.

    • Pedro Araújo disse:

      Piquet precisou de apoio do governo (na época, gestão Itamar Franco) pra mudança numa legislação de acesso a canais de satélites, algo assim. O Hargreaves em pessoa tratou do assunto.

      Hoje ele diz que realmente ganhou (ganha) muito mais grana com a Autotrac do que com o que juntou como piloto. Emprega gente pra caramba, inclusive a empresa começou trabalhando junto com a universidade de brasília, em algum tipo de parceria.

      E ele se diz um cara sortudo, porque acabou que o acidente em indianápolis o forçou a realmente focar 100% na Autotrac.

      O Piquet é foda.

    • Antonio disse:

      Mas o Piquet, pediu ao Itamar Franco pra liberar um satélite para a empresa dele. .

    • Alberto disse:

      Foi sim,

      O Nelsinho usou muito dinheiro da CEB (Cia de Energia de Brásília), algo em torno de R$ 1 milhão em anos seguidos. Levando em conta que a CEB nunca teve concorrentes(não precisa de publicidade) e o Nelsão tinha uma relação bem estreita com o governo do DF na época, pode se dizer que ele usou dinheiro público. E ainda nessa mesma época e CEB comprou inúmeras unidades do sitema Autotrac, compra que foi muito questionada pelo valor e pela necessidade. Ninguem é santo

    • Leandro disse:

      Pedro, mas acho que não dá pra comparar com o Emerson. Ele podia usar a imagem pra arrumar um patrocinador pro Pietro (isso considerando as dívidas, ele não mexendo no próprio bolso), aí vai e pega do nosso bolso.

      A ajuda que o Piquet pediu é algo que não prejudicou ninguém e poderia até beneficiar outros indiretamente, não?

    • Saima disse:

      A CEB é uma empresa cuja capital social é misto – ou seja, tem acionistas privados e públicos, sendo o majoritário o governo do DF com a metade das ações mais uma ação ordinária, como determina a lei pra esse tipo de empresa. Ela é a mesma coisa, juridicamente falando, que o Banco do Brasil e a Petrobras (que patrocinam ou patrocinaram pilotos e equipes). O Piquet ter ido lá e feito um contrato, participado de uma licitação ou pedido um patrocínio não é ilegal porque qualquer um aqui – eu, FG, qualquer cidadão – pode ir lá e pedir. Dizer que ele se aproveitou de sua posição e prestígio pra obter recursos públicos é leviano.

    • Alberto disse:

      Saima,
      BB, Petrobras e CEB são empresas do governo, mesmo sendo capital misto quem manda é o governo, quem manda são os diretores que o governo coloca. Qualquer cidadão pode ir lá e pedir, mas se for qualquer um mesmo não consegue. Não fui leviano, apenas disse que o Nelsinho teve patrocínio da CEB(fato), ao mesmo tempo o Nelson vendeu Autotrac a CEB(fato), a CEB não tem concorrentes(fato). Certo ou não, o Nelsinho usou dinheiro público(fato)

  32. disse:

    “dificuldades geradas pelo cenário econômico do país” ? Virou moda como desculpas.
    Tenho opinião deste sensacionalismo da Record, algum credor chegou junto e agitou a matéria que o tal Gerson de Souza afirma que os carros estão no autódromo. Acho estranho um local municipal abrigar bens penhorados pela justiça, que tem alguém como fiel depositário…

  33. Flavio Gomes disse:

    Mais um retardado.

    • Richard disse:

      Lamentável o blogueiro falar assim para o leitor.

      O cara falou merda ? Sim.

      Mas o blogueiro não pode responder desse jeito, tem que falar como profissional e deixar o cara de lado.

      • Flavio Gomes disse:

        Amiguinho, eu respondo como achar que devo. Aqui é meu blog. Minha casa virtual. Não venham me dizer o que devo e o que não devo fazer. Eu não digo a vocês como devem se comportar.

    • Mario disse:

      Na boa Flávio, você parece ser um puta cara simpático e tal. mas cara, a sua personalidade virtual é infantil, birrenta e típico de menino mimado. De verdade, tem hora que dá vontade de parar de acessar seu blog e nao contribuir para o Grande Premium por conta desse posicionamento em que todo mundo é retardado e eu sou o espertalhao. Você vai dizer “nao vai fazer falta”, tudo bem, um nao vai, mas talvez muitos irao.

  34. Você está se referindo à Coleção “Lendas do Automobilismo Brasileiro”, que foi reduzida de 60 para 40 carros, deixando muita gente insatisfeita, até porque a editora também não deu nenhuma justificativa plausível.

  35. Se está devendo, que pague o que deve, principalmente se isso resultou na quebra de outras empresas (os fornecedores e parceiros prejudicados). Em se tratando do Emerson, nada disso me espanta, pois na maioria das vezes em que ele se envolveu em algum negócio, as coisas não deram certo, inclusive dentro das pistas (vide a Copersucar e a equipe que ele teve na Indy). Mas penhorar troféu é algo meio inútil, não? Até onde eu sei, eles não têm valor comercial algum, a não ser o sentimental. Pelo menos foi isso o que o Christian Horner disse na época em que roubaram parte dos troféus da sede da Red Bull.

  36. Renato disse:

    Duvido que ele tá quebrado.

  37. perna quebrada disse:

    É triste, mas chega um ponto que é de se duvidar até que ponto é ingenuidade ou…

    Investir numa equipe de F-1 nos anos 70 era loucura, mas pode-se dar o desconto pois ele e seu irmão eram jovens e idealistas e tal…

    Mas só amor ao automobilismo não justifica um senhor trazer o WEC para o Brasil sem calcular os riscos financeiros envolvidos…

    Que saia dessa.

  38. Renato de Mello Machado disse:

    É cada um tem quê carregar sua cruz.Reportagem muito honesta,parabéns.

  39. Leo Santos disse:

    Tudo muito triste.
    Mas foi um texto muito bom, que faz pensar nos dois lados da moeda.

  40. Deivid disse:

    Triste! Mas convenhamos, todos conhecem muito bem a trajetória e sabem que o “Rato” sempre possuiu dificuldades em administrar seus negócios (Quebrou pelo menos umas 4x).

    Quem se lembra da Copa Oggi? Anos 80… teve de fazer uns bicos para conseguir uns pilas e tapar o rombo da Fittipaldi Automotive…

  41. Rafael P Chinini disse:

    caraca, soco no peito isso!
    muito chato ver um ídolo estar dando um “mal exemplo”.
    sim, eu acredito na crise, a situação está péssima, MAS colocar a culpa nisso agora é pura balela.
    ninguém ao meu ver fali do dia pra noite, isso vem de tempos, desde o primiro WEC aqui que foi 2012.

  42. Pablo Martin disse:

    Perfeito. Caráter e idoneidade de lado, Ídolo do outro. Emerson sempre teve um lado B complicado. Tipo, agredir a esposa em público…

    É triste mas a Justiça tem que prevalecer, Sempre.

  43. Pedro Moral disse:

    Gostei!
    “Enfim, é triste para todos. Mas a condição de ídolo não deve ser encarada, por ninguém, como salvo-conduto para o que quer que seja. Tomara que [qq pessoa pública] resolva seus problemas. E tomara que todos aqueles que se sentiram prejudicados por ele tenham suas demandas avaliadas e julgadas com isenção e justiça.”
    Aplica-se a todos setores da vida pública.
    Concordo com vc, escriba!

  44. Jefferson Souza disse:

    Boa noite Fg!

    Muito triste a situação do EF! E de todos os credores obviamente.

    Ano passado em um voo para Miami vi o Emerson na primeira classe do avião… Imagino que naquela época ele ja devia estar deveras endividado… Não sei quem pagou a passagem etc e tal… Pode ter Viajado a convite de algum evento/patrocinador mas fico pensando em como será a vida dele daqui pra frente… Abrirá mão da primeira classe?! Voará como um simples mortal?! Se pobre e ficar rico é fácil mas o contrário….. E vivercomo rico devendo milhões não é uma atitude da grandeza do campeão EF! Que ele consiga superar essa fase! Abs

    • fabiom disse:

      amigo tem que lembrar que não ter conta com grana no nome dele não significa que ele não tenha grana. Tantos e tantos donos de empresas que ganham muita grana e não tem absolutamente nada em seus nomes. Pode ficar tranquilo que pobre com certeza ele não tá!

  45. Welton Martins disse:

    “A condição de ídolo não deve ser encarada, por ninguém, como salvo-conduto para o que quer que seja”.

    Isso foi MUITO legal

  46. FL disse:

    O que ele fez e faz com o dinheiro dele é problema dele e de quem emprestou. A casa dele em Miami esta a venda por só US$13 milhões, deve dar para pagar algumas das dividas. Mas isto é problema dele e não diminui a importancia dele como atleta, já como homem de negocios ….

  47. Marcos José disse:

    Só agora que entendi o porquê do “pedido” de verba ao governo federal pra ajudar na carreira do neto dele antes…agora está explicado!!

    • Marcos disse:

      Quando li a noticia na hora lembrei deste fato (“verba do governo”) que foi noticiado aqui. Lembrei também que a grande maioria que se pronunciaram tinha a mesma opinião: “O grande campeão tentando mamar nas tetas do governo” . Agora fica uma pergunta: Será que a verba iria para a carreira do neto ou seria utilizada para pagar as dívidas??

  48. Julio Lima disse:

    É claro que é difícil julgar de fora mas, olhando em retrospecto, Emerson teria feito bem melhor se procurasse apenas viver de sua imagem. Receberia bem por isso e o risco seria praticamente zero.

    Sempre que ouvi seu nome associado a alguma atividade econômica fiquei com um pé atrás. Desde aquele malfadado suco de laranja na Indy 500 de 1993. Deve ter pegado um encosto dos americanos ali, que não gostam de ver suas tradições mais caras quebradas a troco de comercial de laranjada.

    Também torço para que as coisas se resolvam, muito mais pelos credores do que pelo próprio Emerson, que deve muito bem saber onde estava pisando quando se aventurou nessas empreitadas. Se não sabe, deveria ter sido informado melhor.

  49. Eduardo_SC disse:

    Este Copersucar foi o gerador das dívidas dos anos 70 e 80 e, por coincidência, penhorado para quitar (parte) do rombo que este mesmo carro fez.

    • Saima disse:

      A Copersucar não teve nada a ver com as dívidas atuais. O Wilsinho disse que eles venderam tudo nos 1980´s pra quitar as dívidas e ficaram zerados (está no livro Fórmula 1 – Pela Glória e Pela Pátria). Tiveram que promover aquelas corridas de superkart e tal. Se é verdade, aí já não sei. E de lá pra cá, o Emerson deve ter ganhado até mais dinheiro (2x 500 milhas, prêmios na Indy, merchandising etc) que na época da F1.

    • Acarloz disse:

      E com certeza vai embora do Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>