MENU

domingo, 25 de setembro de 2016 - 12:44Arte, Museus & coleções

CARROS COMO ARTE

SÃO PAULO (ficou bonito) - Não gosto da ideia de carros estragando no tempo, mas gosto da ideia de pensar em carros como arte, fazendo com que eles sejam parte de uma performance permanente, de anos, submetidos aos caprichos da natureza. É o que esse alemão fez em sua propriedade com 50 clássicos — e tem coisa muito boa, como Jaguar e Rolls Royce.

Michael Fröhlich foi, inclusive, piloto. E o carro de sua última corrida faz parte dessa… instalação, por assim dizer.

17 comentários

  1. Daniel Amorim disse:

    Isso aí chama farta de porrete

  2. Maxwell disse:

    Alguém sabe o modelo desse Jaguar?

  3. Enrique Aguadé Lameira disse:

    Tudo bem que cada um faz pode fazer o que quiser com as suas coisas,sao dele ,ele pagou e ponto…mas fazer isso com un xk 120 pelo amor de Deus¡¡¡ isso deveria estar protegido como parte da historia do automobilismo,Nao façam isso¡¡¡

  4. Carlos disse:

    Ah, cara, que você não consiga manter um carro íntegro e original em sua totalidade, tudo bem, cada um sabe de suas possibilidades. Agora, deixar uma porção de carros apodrecendo de propósito no tempo, a constatação só pode ser uma, esse cara não curte carros!

  5. Marcus Simões disse:

    Esse cara é um baita de um preguiçoso que está sem dinheiro ou não quer gastar com esses carros. Mas, também não quer vendê-los. Então faz uma m***** dessa e diz que é arte….

  6. Thiago Carvalho disse:

    Tinha q bate nesse alemão com gato morto, só para quando o gato miar.

  7. JP disse:

    Se fosse um pobre coitado com carros apodrecendo no terreno da sua casa perto de algum rio, seria esculachado.

  8. Maxwell disse:

    PQP, que carro lindo!

    Flávio, que Jaguar é esse, sabe dizer?

  9. GARRETT disse:

    Tenho muito mais tesão em caminhar em um ferro velho, e imaginar o passado, aventuras, de carros e principalmente trens, do que ir a um encontro automotivo e ver um monte de bigodudo alisando seus carrinhos antigos. Prefiro imaginar a história, imaginar como seria aquela peça restaurada, admirar amassados,, batidos, podridão. Imagina tudo isso com a trilha sonora da natureza, o som dos pássaros e o aço enferrujando, dando espaço para o que está por vir………….

  10. Jason Vôngoli disse:

    Necrófilo do caralho.

  11. Victor disse:

    Pessoas ricas com dinheiro fazem cagadas. Esse não fugiu da norma. Deve ser uma das coisas mais estupidas que eu já vi alguém fazer com qualquer coisa (certamente, a maior idotisse envolvendo carros).

    • Fernando disse:

      Hehe, pessoas ricas “com dinheiro” fazem cagadas! E é uma norma!!! ABNT?
      E pessoas ricas “sem dinheiro”? Também fazem cagadas? E pessoas pobres “com dinheiro”? O que será que fazem? E o que faz uma pessoa rica ser cagona e uma pobre não? E o mais importante: o que faz uma pessoa ser tão preconceituosa e afastada da realidade? Em tempo, também achei a “instalação” uma bobagem.

  12. edubassan disse:

    Realmente, para quem é apaixonado por carros, idéias inusitadas como essa são, quase sempre, bem interessantes. Moro nos EUA e tive a oportunidade de fazer sozinho em cima de minha Road King a route 66 de ponta a ponta no último verão americano. Uma das partes maravilhosas da trip foi descobrir em pequenas cidades no meio do nada muitas dessas instalações “escondidas” feitas por gente simples e, aparentemente, sem muitos recursos. Achei muito mais legítimo as histórias de amor por carros dessas pessoas que conheci do que as produções cinematográficas e fakes dos points turísticos indicados nos guias de viagem. É exatamente esse tipo de olhar que indico a quem quiser se aventurar nesse tradicional e famoso roteiro. ;)

  13. Celio ferreira disse:

    Nossa que arte mais idiota , carros se estragando no tempo.Está mais pra
    cemitério de carros antigos….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>