PAUL ROSCHE, 82 | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

quinta-feira, 17 de novembro de 2016 - 20:24F-1

PAUL ROSCHE, 82

O gênio dos motores BMW Paul Rosche morreu terça-feira, aos 82 anos. Foi com uma obra sua que Piquet conquistou o título mundial de 1983. Todo respeito a ele.

21 comentários

  1. Mais uma lenda que se vai da velha F-1 clássica. Piquet com esse carro deu uma das viradas mais sensacionais da história da F-1 na conquista do seu Bicampeonato chegando estar 14 pontos atrás do líder Prost da Renault faltando apenas três corridas para o fim daquele campeonato de 1983.

  2. Fernando disse:

    Mais uma lenda na história da F1 se vai……..

  3. Jayme disse:

    Cara se eu fiquei emocionado imagina o Nelsão. Que carro lindo, que baita motor, e para quem reparou tinha um Renault atrás dele, como o do Prost que perdeu o campeonato pra ele na África do Sul, quando o Piquet saiu com menos combustível, abriu um puta tempo pro francês, parou reabasteceu e levou o campeonato!

  4. joel lima disse:

    Carro tão lindo esteticamente que só vê-lo parado já é um prazer rs – ao contrário dos designs atuais, que é de uma feiura de doer, seja na F1, seja na campeã no quesito feiura, que é a indy.

  5. Ricardo disse:

    Vi esse carro ao vivo. Piquet é Monstro!!!! Rosche era uma Mago!

    Que descanse em Paz!!

  6. ms disse:

    com certeza, todo respeito a ele…..mas, por melhor que seja a maquina, a qualidade da “peça” que fica na frente do volante com certeza fez toda diferença pra conquista daquele título…. só não sei até quando teremos carros guiados por pilotos pq tudo indica que num futuro próximo, vão querer também abolir essa “pecinha insignificante” dos carros de f1, ficando apenas motor…..potência …..e tecnologia….e quando isso acontecer darei adeus às corridas de F1 pq não vejo a menor graça em assistir e torcer pra carros correndo sem um piloto dentro deles…OBS: piloto fora do carro, guiando por contrôle remoto como num autorama, pra mim também não vale…. .

  7. Garlet disse:

    Deutschland über alles………..

  8. Marcelo D. disse:

    O carro mais bonito da história da F1,

  9. Luis Carlomagno disse:

    Esse foi e ainda é o carro mais bonito que eu vi da F-1. Maravilhoso e vencedor, nele juntaram um eficiente projeto, um motorzão e um genio no volante….

  10. Valmir Lopes disse:

    Se não o mais bonito, está entre os 5 carros mais bonitos da F 1

  11. perna quebrada disse:

    1- Que aflição de ver o Piquet sentado na asa e aquilo quebrar.

    2- Vontade de falar pro Button:
    - Volta lá e pede a bença, porra!

    3- Qualquer capacete de moto de hoje é mais seguro que o que o Piquet usava…

  12. Só vi agora o Piquet no final de macacão da Brabham, meias pretas e tênis marrom dando autógrafos de mal humor. Vai troféu limão!!!

  13. Acho este o F1 mais lindo da história.

  14. Thiago Azevedo disse:

    Um barato o motor ser fechado sem torquímetro! hehehe

  15. Carlos Pereira disse:

    PQP !!! Como era lindo ver esse carro nas pistas. Sem dúvida o mais belo F1 que o Piquet pilotou !!!

  16. Paulo F. disse:

    R.I.P. Paul
    Para dar medida de quão genial era: o motor BMW de Piquet possuía bloco de série, e iniciou a vida no início da década de 60 com modestos 70 cv. Rosche transformou em um monstro de até 1400 cv! Só vinte vezes a potencia inicial!
    E o BT 52 esta entre os carros mais elegantes da F1. Design by Murray!

    • Zé Maria disse:

      Diz a lenda que pelo menos no início, os blocos eram todos de carros de rua já usados e/ou abandonados, daí a BMW deu preferência à eles em detrimento de unidades novas, por já estarem devidamente rodados e testados.
      Algo como os pneus de avião, mais seguros os recuperados pós uso do que aqueles que por serem zero nunca tiveram suas carcaças testadas “na real”.

      • Paulo F. disse:

        Sem lenda, os blocos eram usados mesmo.
        Pneus recauchutados de avião tem vida em torno de 20 a 30% maiores que os novos. O assentamento das fibras da carcaça explica este fenômeno!

  17. Renato de Mello Machado disse:

    Trabalho formidável quê esse cara fez nesses motores,F1 animal muito diferente da de hoje.Procurava muita informação nas revistas da época sobre o trabalho dele.Talento quê se foi.

    • Julio Cesar Gaudioso disse:

      Eu fazia o mesmo, sempre admirei o trabalho dos mestres da arte da engenharia e Rosche era um dos grandes no seu campo. O que ele fez naqueles motores da F1 foi incrível, mil cv/litro numa época de injeção mecânica, eletrônica embarcada limitada etc.
      Hoje qualquer um compra em loja uma FuelTech FT600 e consegue ajustar a injeção e ignição de cada cilindro “conforme o gosto do freguês”, seamless shift (mudança de marchas sem tirar o pé do acelerador) etc. Imagino o que gente como ele, Mezger (da Porsche) Rocci (Ferrari) e Chitti (Alfa/MotoriModerni) não fariam naquele tempo com a tecnologia eletrônica atual. Creio que seriam motores ultrapassando os 2 mil cv fácil.

      • Renato de Mello Machado disse:

        Isso meu caro, Julio Cesar quê bom quê o amigo tem esse pensamento.Os meninos de hoje tem tudo a disposição para equipar seu carro ,e ainda reclamam quando dá algo errado.Não tem noção de quanto era difícil equipar um carro nos anos 70, 80 e um pouco dos anos 90.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>