SOBRE CURVELO | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

segunda-feira, 21 de novembro de 2016 - 22:12Stock Car

SOBRE CURVELO

imagem_release_805316

SÃO PAULO (vai melhorar) – Consegui ver apenas um pedaço da corrida 2 da Stock em Curvelo, a incrível vitória de Ricardo Maurício e a incrível infelicidade de Barrichello a poucos metros da linha de chegada — é o preço do risco, essas panes secas não têm sido tão raras assim na categoria. Acontece, e no fim das contas Felipe Fraga se saiu bem do fim de semana mineiro, ao ganhar a primeira prova. Agora, leva 37 pontos de vantagem sobre Rubinho para a etapa final, em Interlagos — com pontuação dobrada.

Mas, como disse antes de os carros irem à pista, minha maior curiosidade repousava sobre o Circuito dos Cristais. E, do que vi, gostei e não gostei.

Gostei, evidentemente, da estreia nacional de um novo autódromo, uma iniciativa particular que coloca Minas Gerais no mapa do automobilismo. A pista tem uma extensão legal, 4.420 m (o mais longo do país), relevo, variedade de curvas, beleza natural. Mas não é dos mais rápidos. Entre aqueles onde a Stock corre, tem a menor média de velocidade, inferior a 150 km/h.

Não gostei de ver tanta coisa inacabada. Não se trata apenas de achar feia a moldura de terra-quase-barro, que causa má impressão no visual. Tive a sensação, compartilhada por vários pilotos, de que a pista não estava 100% preparada em termos de segurança — áreas de escape precárias, árvores perigosas ao longo do traçado, coisas assim.

Felizmente não houve nada de sério. Agora, é dar um acabamento adequado, ver o que deu certo, o que deu errado, corrigir uma coisa aqui, outra ali. O saldo, a distância, me parece positivo. Então, parabéns a todos. Não é fácil fazer um autódromo e colocar tudo para funcionar numa categoria exigente em termos de estrutura como a Stock. Que estas duas corridas tenham sido apenas o início de uma bela história, que começou a ser escrita neste fim de semana.

10 comentários

  1. PRNDSL disse:

    Foi isto mesmo: muros de tijolo furado que explodem quando atingidos e telhas de metal fazendo de vez de guard-rails … áreas de escape = zero !!!

  2. Rodrigo Vila Verde Rodrigues disse:

    Vamos ter paciência. A iniciativa foi excelente, mas a grana certamente é limitado. E pra ser franco, o traçado superou minhas expectativas. Poderiam ter feito uma pistinha de 2,5km. Com o tempo eles vão. Elaborar os entornos e infraestrutura. É só ter paciência.

  3. André Lima disse:

    Legal a iniciativa dos empresários de fazer uma pista de corrida, num país onde não se tem muito investimento para isso. Mas é estranho como a gente se acostumou em entregar obras inacabada e deixar o jogo seguir. Não duvido nada que na próxima corrida esteja tudo do mesmo jeito.

  4. Danir disse:

    Assisti as duas baterias e penso que a turma da Globo elogiou demais, sem apontar uma série de deficiências que precisam ser sanadas. Se pensarmos que é uma grande novidade o fato de termos um novo autódromo no Brasil, com o descaso que existe quanto ao automobilismo, ta muito bom. Mas com certeza precisa de alguns melhoramentos, para não ficar naquilo que é uma tradição no Brasil; improvisação e jeitinho, Gostei mas tem que melhorar.

  5. MarcioD disse:

    Com relação ao traçado achei bacana mas com curvas demais, travado demais, tipo Hungaroring. Em condições normais em uma categoria equilibrada como a stock, ultrapassagem mesmo só na reta dos boxes de bom comprimento e largura.
    Com relação à segurança há muito a se melhorar. Nos treinos Galid capotou e por pouco não acertou uma árvore ( deve ser um pequizeiro, que se você cortar por lá é perigoso até ir preso). O piloto Lapenna saiu fora da pista e bateu numa placa de concreto solta, atrás dela havia um muro de tijolo furado que se espatifou.
    Ai apareceram algumas máquinas e começaram a fazer “proteções” de terra solta onde havia barrancos e colocando pneus soltos na frente.
    Parece que alguns guard rails eram feitos de telha galvanizada
    Conforme o jeito que um carro sair da pista ele pode capotar naquele barro que a margea.
    Graças a Deus na corrida não houve um acidente de maiores proporções.
    A truck sabiamente cancelou a corrida por lá, não há condições de se receber os caminhões ali.
    De toda forma é uma iniciativa muito louvável num pais carente de autódromos onde muitos fecharam ou estão ameaçados e mais, feito aonde não havia.
    Se forem eliminados os barrancos em volta da pista, cortadas o grande nº de arvores que estão por lá, e se forem feitos áreas de escape, caixas de brita, guardrails, proteção de pneus e etc. vai ficar legal.

  6. claudio conrak disse:

    A velha mania de fazer as coisas nas coxa no Brasil, o que vale é o sensacionalismo, o faiz-de-conta….

  7. Sergio Miami disse:

    Flavio que bom que comentou isso.. ao ver a corrida tinha ficado com a impressão de o circuito ser muito lento, muito bonito o desenho mas muito travado e circuito longo e lento acho que não funciona muito bem e as corridas tendem a ser monótonas. BTW entendo agora porque a truck cancelou a etapa lá.. estava muito inacabado mesmo..

  8. ms disse:

    tá fácil não….o que me consola……é que certas coisas…… apenas acontecem nessa vida….se vc for um Rubens Barrichello……

  9. Renato de Mello Machado disse:

    É essa do Barrica, foi dose.Mas ele tinha de arriscar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>