SEM NOÇÃO | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017 - 19:50Brasil

SEM NOÇÃO

SÃO PAULO (só piora) – Desde que o ex-prefeito Fernando Haddad reduziu os limites de velocidade nas Marginais — para quem é de fora de São Paulo, são as avenidas que margeiam os rios Tietê e Pinheiros –, os acidentes fatais nessas vias caíram 52%. Foi uma vitória da civilidade numa cidade onde boa parte dos motoristas é selvagem e acéfala.

As Marginais, historicamente, sempre foram usadas para rachas, pegas e atrocidades em geral. Com a fiscalização por radares e a redução das velocidades máximas permitidas, se tornaram um pouco menos violentas. Essa redução se estendeu por toda a cidade e os números apontam melhora no trânsito e diminuição dos acidentes e atropelamentos. É o que se faz no mundo todo.

Mas São Paulo elegeu um prefeito que anda de SUV e tem amigos que gostam de carros potentes. Uma de suas bandeiras na campanha eleitoral foi aumentar os limites de velocidade das Marginais, o que agrada em cheio à classe média babaca que infesta a metrópole. Fará isso a partir do dia 25, contrariando todos os estudos que apontam os benefícios das medidas tomadas pelo prefeito anterior.

E sabem quem será o garoto-propaganda da campanha que vai informar os paulistanos que eles poderão correr mais nas Marginais?

Emerson Fittipaldi.

Em 2015, Emerson esteve junto à presidenta Dilma Rousseff e ao presidente da FIA, Jean Todt, abraçando a campanha mundial da entidade para redução da velocidade nas vias das grandes cidades – “a 5% reduction of the average speed would decrease the number of fatal crashes by 30%” é uma das bandeiras do projeto.

O parágrafo acima faz parte de um questionário que o Grande Prêmio enviou à assessoria de Fittipaldi sobre o tema. Até agora, 19h30 de sexta-feira, as perguntas não foram respondidas. Falei com a assessora de imprensa do prefeito e ela afirmou que o ex-piloto não cobrou cachê. Pelo menos isso.

Algumas rádios de São Paulo, que apoiaram o golpe que tirou Dilma da presidência, serão inundadas com a voz de Emerson nos próximos dias. Isso ninguém faz de graça. Aliás estamos pagando a conta do golpe não só com as propagandas da Prefeitura, como também com “spots” comerciais do Ministério do Turismo e do Ministério da Educação — que vêm sendo veiculados há semanas nas emissoras da cidade a preço de tabela. Um deles sugere que as pessoas viajem para o Nordeste, porque lá faz sol. O outro é uma cascata sobre o projeto que exclui disciplinas do Ensino Médio.

O governo federal, nos mandatos de Lula e Dilma, não anunciava nessas rádios. Isso, em parte, explica as intermináveis horas de ofensas e mentiras que elas levaram ao ar nos últimos dois anos, até que o impeachment tirasse do poder uma presidenta eleita com mais de 54 milhões de votos para nele alojar a figura soturna das mesóclises. Um dia depois de Dilma deixar o Alvorada, o governo golpista passou a anunciar nessas emissoras. Os boletos chegaram rapidinho, como se vê.

E aí vem Fittipaldi colocar sua voz nessa campanha absurda que chancela a selvageria — uma liminar proibiu o aumento das velocidades, mas é evidente que será derrubada, mais cedo ou mais tarde. Os acidentes e as mortes vão aumentar — mas é certeza que os números que serão divulgados pela Prefeitura nos próximos meses dirão o contrário, e não serão questionados pela imprensa, emissoras de rádio incluídas. Os donos de SUVs de Moema, Pinheiros, Vila Olímpia, Perdizes e Morumbi irão aplaudir o prefeito de suéter, gratos por poderem acelerar um pouco mais seus carrões pagos em 48 prestações.

Me pergunto como é que alguém como Fittipaldi se presta a esse papel, ainda que não seja uma surpresa ele ter aceitado o convite. Quando trouxe o WEC para correr em Interlagos, Emerson chegou a participar de evento com o ex-prefeito que pregava um pacto nacional pela redução de acidentes. Aí está ele na mesa, o segundo à direita depois de Haddad.

6hSP9665_691

O que mudou de lá para cá? O que aconteceu com o Emerson que apoiava, como mostra a foto acima, “um pacto pela vida”? Justo ele, um cara que, como piloto, sempre lutou por melhores condições de segurança (chegou a se recusar a correr uma vez na Espanha), faz campanha por um trânsito mais civilizado pela FIA, tem noção da barbaridade que será perpetrada em São Paulo.

Ou será que não tem?

Olha, a julgar pelas últimas notícias envolvendo seu nome, acho que não tem, não. Emerson parece não ter mais noção de nada. Nem do ridículo.

235 comentários

  1. Eduardo disse:

    Flávio, qual seria a explicação no caso de outros países, nos quais a velocidade permitida as vezes é bem além do regularmente utilizado no Brasil, e mesmo assim, com muito menos acidentes? Seria a qualidade dos motoristas?

  2. Pablo Emilio disse:

    Façamos o seguinte:
    “Pacto pelo acidente ZERO” velocidade máxima 20Km/h

  3. antonio stricagnolo disse:

    Classe merdia comprando SUV em suaves prestações e a mesma coisa do que a classe C, D, etc… comprando carro “popular 1000 ” a perder de vista,no fundo tudo isso não passa de populismo para ganhar voto dando a todos a impressão que o pais melhorou,pura mentira que a estrategia Gransciana ensina,por outro lado temos leis brandas que dão salvo conduto a crimes,e porque? Porque fazer poucas e boas leis com punição exemplar não só para crimes de transito vão afetar “aqueles” que mais praticam o errado,sabem quem são? Então,no fundo fica todo mundo tampando o Sol com a peneira no estilo Poncio Pilatos só pra ninguem sair falando que nada foi feito,e nessa ganha um monte de gente,agencias de publicidade,fabricantes de placas,empreiteiras e por ai vai,é a economia girando no bolso do idiota que paga imposto.

  4. Jorge disse:

    Esquerdista Caviar.
    Mora em Moema.
    Hobby, colecionador de carros antigos (algo suuuper popular de fácil acesso a toda classe C e D do nosso país)
    Dublê de piloto, Classic Cup, com o Meianov e depois com o Bon Voyage, esporte amplamente popular em Paraisópolis.
    Jornalista e blogueiro nas horas vagas.

  5. Jorge Roberto disse:

    Segue o link, de um forte motivo/indício, do porquê o Emerson “apoiar” este aumento de velocidade. P.S.: Tem que mudar o nome do texto de “Sem Noção”, para “Espertão”. http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2017/01/por-que-fittipaldi-faria-campanha-por-mais-riscos-nas-marginais

  6. Paulo McCoy disse:

    Particularmente falando, uma das vantagens de ser uma pessoa ILHA – e, claro, materialista ‘in extremis’ –, é ter 100% de foco na principal coisa que move o mundo. Dinheiro, of course. Sabemos, somente ele permite adquirir bens materiais e – principalmente –, um poderoso Ford Mustang ( = Símbolo máximo de #Felicidade!).
    Mas, gostos automotivos a parte, sabemos que na nossa vida, APENAS o dinheiro é que define nossas rotinas, projetos, etc. Por este motivo, difícil entender porque tantas pessoas que atuam no Automobilismo nacional demonstram ‘desconforto’ quando o jornalista Flavio Gomes escreve textos de teor polêmico em seu blog. Será que o dinheiro que elas tem no banco – ou nas aplicações junto à NYSE – evapora-se à cada postagem do fundador do website WarmUp? Elas perdem o direito de dirigir seus possantes veículos ao saberem das últimas?
    Eu, particularmente, nunca perdi dinheiro (tampouco, conquistas materiais) em visitar, diariamente, este blog. Leio – se for o caso, releio – e …vida que segue. Para mim — pegando como exemplo este tópico envolvendo SP –, pouco importa as decisões administrativas e atitudes protagonizadas pelas pessoas citadas no texto. Afinal, como acontece desde 2005, nunca constatei perdas monetárias ao saber das opiniões externadas pelo piloto do carro #69.
    Em resumo: se as pessoas fossem materialistas e tivessem ciência de que a coisa mais importante do mundo se chama dinheiro, elas jamais demonstrariam desconforto ao ler os textos que o Flavio Gomes escreve em suas plataformas digitais…

  7. juli boschetto disse:

    QUEM APOIA A CARNIFICINA QUE UM PREFEITO PIADA COMO DORIA QUER FAZER, TEM QUE SER UM DIREITOPATA MUUUUITO BURRO

  8. André disse:

    É nessa seção de comentários que há várias pessoas discordando da frieza dos números e chamando quem olha as estatísticas de ‘esquerdista’?

  9. Murilo disse:

    Caro Flavio, acompanho seu blog há anos, sempre leio os posts até chegar na última publicação que eu já tinha lido anteriormente, porém não me lembro de ter deixado sequer um comentário por aqui, mas posso estar enganado!

    Acho que vc escreve muito bem, sempre defende seus pontos de vista com muita paixão, porém acho que a maior parte do seu público atual discorda fortemente do seu ponto de vista político (eu tbem estou nessa)!

    Muitas vezes é difícil de ler textos de uma pessoa que vc admira e ser chamado de babaca e golpista entre outros adjetivos com frequência sem se decepcionar, várias vezes pensei em parar de ler seu blog, mas realmente gosto de seus textos (não políticos), e sabemos que está cada dia mais complicado achar autores que entendam e gostem de automobilismo no Brasil.

    Sei que seus pontos de vista não mudarão, porém talvez fosse mais prático e cordial não bater nisso com tanta força! Calma cara!!! Essa agressividade com seu público não vai te trazer benefício algum!

    Um abraço

  10. Marcelo disse:

    As marginais não são mais a via expressa que podem ter sido quando foram projetadas, os carros não proporcionam mais a mobilidade de 50 anos atrás em nenhuma grande cidade. São muitos, simplesmente não cabem mais e são ineficientes nesses ambientes. Como conceito de mobilidade, liberdade e autonomia, vão sendo inexoravelmente atrelados ao passado. Parece ser difícil aceitar isso. Por isso a grita de alguns pela velocidade máxima, e não pela melhor eficiência e segurança da velocidade média

    Citando João Serva em artigo da Folha de São Paulo: “A redução dos limites de velocidade está baseada em dois objetivos complementares: diminuir a gravidade dos acidentes (…) e melhorar o trânsito para quem anda de automóvel. Por isso é tão irritante ouvir viciados em carro defender o aumento dos limites de velocidade para melhorar o trânsito.”

    Leio com prazer este blog escrito por quem obviamente gosta de carros e sabe separar e analisar automobilismo e mobilidade urbana como coisas distintas que realmente são.

  11. Luiz disse:

    Não entendo esse povo todo reclamando do seu texto. Os dados estão ai, queda de velocidade = diminuição de acidentes e mortes. Isso é fato!

    Lamentavelmente vamos ver mais vidas sendo perdidas de forma estúpida.

  12. Willians Thiago disse:

    Caramba FG não tem jeito…uma dentro e outra fora ??? Vai malhar até o Rato por causa dessa ideologia esquerdopata de achar que trafegar em uma via expressa a 90 km/h (raramente em razão do fluxo) vai matar mais gente…estas pseudo estatisticas fabricadas por ciclistas são fontes seguras ???

  13. Yoshiya Kusamura disse:

    Sou um grande admirador seu pela sua paixão e conhecimento pelo automobilismo, seu virtuosismo como jornalista e escritor e acima de tudo, pelo seu bom senso e dicernimento. Parabéns pelo texto. Você é o cara!!

  14. Carlos disse:

    Qdo esse blog se limitava a falar pura e simplesmente de automobilismo me dava satisfação em visita-lo, Atualmente dá preguiça, entro de teimoso ou pq ainda me encanta o automobilismo?

  15. Marcos disse:

    Provavelmente estava pensando nessa possibilidade: http://9gag.com/gag/aYK8nAv

  16. Gustavo disse:

    Boa noite!
    Diversão aqui é garantida com certos leitores que sua página tem, literalmente não sabem nem “quantos lados tem a bola e nem quantas rodas tem um formula um” imagine de outros assuntos. Para eles bom era pagar 114 reais numa botija de gás, 7,50 num litro de Petrobrás, 87 mil num carro 990 centímetros cúbicos e assim vai….em 2001 era assim.

  17. Claudio disse:

    Entendo que seu questionamento no texto é a respeito da postura do Emerson, que fez campanha pela redução e agora fará pelo aumento da velocidade. Sem comentar a respeito das pessoas, mas sim a respeito do tema “limite”, tenho uma sugestão. Vi na Alemanha uma rodovia, nos arredores de uma grande cidade, que tem o limite de velocidade móvel, de acordo com o tráfego. Não parece ser algo tão complicado. As placas possuem lampadas que podem apontar diferentes limites para cada situação. Penso que quando o transito ´é menos denso, poderíamos ter de volta os 90 km/h de limite da via expressa e os 70 km/h das vias locais. Quando fica mais denso este limite seria menor.

    • Marcelo disse:

      Está aí uma sugestão que merece ser analisada com mais profundidade, Porém, na minha opinião, só na pista expressa, pois é a única que poderia eventualmente se comportar realmente como pista expressa quando não houver uma densidade maior de veículos.. Nas outras, os limites deveriam permanecer os atuais, mais seguros.

  18. Eudes disse:

    Gostaria de saber se o Emerson foi a primeira opção dessa campanha ou se outros pilotos foram convidados antes.

  19. Ricardo disse:

    Flavio,
    concordo em partes com você, porém o acidente fatal que teve a maior redução foram os atropelamentos (pedestres e motos), porém cabe a seguinte pergunta, um pedestre atravessando a marginal tiete, ele quer chegar onde? ele não deveria nem tentar atravessar, deveria usar as pontes, usar as calçadas dessas pontes.
    As motos, por sua vez, não diminuíram a velocidade com que eles utilizam as marginais, pelo contrario, é muito fácil você ver motoqueiros na pista expressa da marginal, onde as mesmas são proibidas (isso serve para também para os ciclistas que usam a pista expressa).
    O problema das marginais não é a velocidade imposta, número de radares, prefeito que decreta a lei, o problema são as pessoas que utilizam as vias. Vivemos num País em que a população é mal educada (ou mal-educada ou mau-educada…).

  20. Franz disse:

    Ingênuo acreditar que a redução foi para diminuir as mortes. Estes radares são uma industria de arrecadação, não ensinam nada! Se todos os motoristas andassem na velocidade exigida pelos radares ela faliria. Se for verdade que a redução para 50km diminuiu as mortes, então vamos reduzir mais, 30 km deve dar uma redução de 70 %, ou então Zero km por hora, assim ninguém morre de acidente automobilístico.

  21. kuka Lienert disse:

    Não adianta discutir, encrencar, afrontar, apontar o dedo, xingar, espernear… nada! O que nós lemos aqui é o que esta escrito e pronto/ponto… Coloquemos na cabeça que as frases transcritas de um teclado de um notebook são a mais pura das verdades… Elas são descritas com a maior sinceridade, sempre vertidas de dentro de um coração brasileiro… A vida é bela e o céu azul… o resto é uma reta de mão única e sem retorno… coloquem na cabeça que a Portuguesa é tão boa (ou melhor) quanto o Real Madrid, que um DKW é melhor que qualquer carro, que a sua opinião jamais pode ser compartilhada…

    Coloquem na cabeça que não podemos ser amigos, que não podemos argumentar pois você provavelmente é cara de classe média que trabalha 10hs por dia para tentar dar a melhor educação para seu filho Palmeirense e que está louco por uma chuteira do CR7…

    Outro dia eu ví um Lada na rua e achei tão lindo, tirei um monte de fotos… pena que este estava passando pela Avenida Europa… Vamos tomar um chopp? Puts, melhor não, pois você pode pagar a conta com um cartão American Express? Instalei a Net em casa e vou assistir ao Fox Nitro e já volto! Canal 573, né? (instalei o Net Combo HD!)

  22. Delmar Viana disse:

    Automobilismo? kkkkkkk! O Kibeloco que se cuide! Sensacional!

  23. Marques Goron R. da Silva disse:

    É, esse blog tá mesmo mal das pernas. Pensava que esse barraco ia render pelo menos uns 500 comentários, mas até agora não passou nem de 200…

  24. Eduardo disse:

    Não tem mais pq voltar aqui, vc quer apenas leitores de esquerda no seu blog. Resisti eqto consegui, não dá mais. Boa vida.

  25. Reynaldo Scalco Jr. disse:

    Flávio, admiro o seu trabalho mas desta vez a “coisa” desandou! Você e os ciclistas passaram dos limites porque defender o PT a esta altura do campeonato é como querer andar de bicicleta na via expressa da marginal… Sem falar nas ofensas desnecessárias. Pegou mal e respeito é essencial e deve ser recíproco! O melhor dos mundos seria você se manter onde é bom: falando de carros antigos e automobilismo! Mas o blog é seu…

  26. Reinaldo Bascchera disse:

    Olá Flávio. Excelente texto! Concordo em gênero, número e grau com o que nele está escrito. Há tempos você não escrevia sobre “não automobilismo”, certamente para não ler o monte de asneiras que os coxinhas (alguns enrustidos, outros não) acéfalos escrevem, penso eu. Há quem pense que alguém deve ter opinião sobre um assunto e não sobre outros, como se a vida fosse subdividida em caixinhas. Bem medíocre isso, mas é da essência desse povo retrógrado pensar assim. Parabéns pelo texto e por suas posições políticas claras. Isso é muito raro hoje em dia. Continuo frequentando o blog, ávido por informações sobre carros antigos, automobilismo e também , para não dizer principalmente, sobre “política” bem escrita. Abraços.

  27. Gus disse:

    Novamente misturando alhos com bugalhos: donos de SUV “riquinhos” são o mesmo que rachadores, que curte automobilismo virtual – e só pode “pilotar” nessa condição – é gordinho que gosta de funk…marginal é lugar de ciclista e de pedestre, e dane-se a mobilidade de milhões de pessoas.
    Aconselho a ler o que o Autoentusiastas têm a falar sobre o “retrocesso social” (????) – mas claro, Bob Sharp e cia são tarados por velocidade, não contam…

  28. Alex disse:

    É a primeira vez que vejo um cara se xingar e não perceber.

  29. Gabriel P. disse:

    Flávio
    Se o prefeito e o Emerson acham que aumentar a velocidade não tem problema.
    Então convide-os para um teste
    Entrem num carro a 50 Km p/ hora em direção a um muro de concreto e freiem a 100m do muro.
    Depois façam o mesmo a 100km p/ hora e freiem nos mesmos 100m.
    Eles teriam coragem?
    Quanto maior a velocidade, o tempo de reação tem que ser menor, o que torna duplamente perigoso guiar nesta velocidade no perímetro urbano.
    .

  30. Zé Alonso disse:

    Flávio, sou do interior de SP, Sorocaba, e confesso que dirigir nas marginais sempre foi um desafio para este condutor caipira. Inúmeras vezes a tensão me fez perder a saída para algum destino, pois ficava atento aos “rápidos motoristas” paulistanos me ultrapassando a 100km/h, dos 90 permitidos. No final de 2016 fui ao sepultamento de uma tia lá na Vila Alpina, e uma surpresa foi conseguir VER o que margeia a marginal, conseguir dirigir mais relaxado foi uma experiência única (e pelo jeito a última também). Um alento, e surpresa, foi ouvir de meu primo, médico intensivista, morador da cidade, e “anti-petista” por convicção, elogios a decisão do governo do Prefeito Haddad quanto a redução da velocidade nas avenidas e com isso a queda do número de vítimas do excesso de velocidade. Pena que durou pouco. E Adória é tarde.

  31. Bruno Carvalho disse:

    Olha….eu acompanho o FG a uns 15 anos….sempre gostei do conteúdo e textos automotivos que ele pública. Muito embora não concorde com a posição política dele, sempre procurei respeitar e ignorar os textos políticos. Mas ao ver o tipo de tratamento que ele dá ao seu público me enoja bastante, ele não respeita as posições contrárias. Aliás ele não é diferente de qualquer outro petista e comunista. O cara tem uma vida de alto consumo e totalmente capitalista e prega se socialista. Patética o tipo de tratamento com o público que lhe dá audiência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>