MENU

segunda-feira, 1 de maio de 2017 - 18:39F-1

O TEXTO DO EDGARD

SÃO PAULO  (aí está) – Quando Edgard Mello Filho era colunista do Grande Prêmio, no início dos anos 2000, escreveu um texto histórico sobre sua experiência com Ayrton Senna numa perua Audi dando voltas em Interlagos no sentido contrário ao da pista.

O relato é espetacular e está na memória afetiva de muita gente. E, por isso, são recorrentes os pedidos de republicação. Mas o texto desapareceu no limbo da internet, já que os arquivos do site dos tempos do iG não foram mantidos integralmente. Muita coisa, de fato, sumiu.

Bem, recebi o texto de um blogueiro, Fábio de Souza, a quem agradeço de coração. Aproveitamos para republicá-lo no Grande Prêmio neste 1º de maio, com autorização do Edgard, e aqui está o link.

Deliciem-se. A história é, mesmo, maravilhosa e divinamente contada.

euemellonovolvo

Mello na última terça dando uma volta comigo, no sentido normal: muita inveja!

42 comentários

  1. Andre disse:

    o Edgard é PHODA!!!!
    tão bom comentarista como foi piloto: sou fã!!!!!!
    forte abraço
    muitos mil km mais… espero que vire esse velocímetro!

  2. Allan Guimaraes disse:

    Quando ele contou a historia em outra oportunidade (audio), ele quase me matou de rir quando disse que o “Chefe” ia alucinando e o Edgar cutucando, até que disse “Kankunnen KKK faz” e Ayrton teria dito “Ah, é? Também faço!”. Não importa nem sé é exagero, já fico satisfeito em ver o Edgar nas segundas contando da sua forma as história sensacionais (como da mão dos técnicos da ELF manejando os galões de combustível). Aquilo não existe, mata qualquer um de rir! Tô esperando ele contar da Ellen Lohr, no DTM, quando a mesma quase deu um safanão, acho que no Palmer ou Warwikc ou outro ex-F1. Será que ele lembra?

  3. Harry - BSB disse:

    Já li esse texto muitas vezes. Toda vez que eu queria reler eu digitava no google “faz o shakedown do onça” que o buscador me levava a ele. Excelente!!!

  4. Kadu disse:

    Excelente…!!
    O texto é magnífico e a pilotagem do Senna deve ter sido algo realmente mágico naqueles momentos.
    O Edgar é o melhor.
    Adoro quando ele narra a Nascar..

  5. Denis de Oliveira Júnior disse:

    Sensacional!

  6. Fabio disse:

    Flávio,

    Você pode apelar para o archive.org , lá eles tem cópias feitas em datas específicas onde podem ser recuperados estes dados:

    https://web.archive.org/web/*/www.grandepremio.com.br

    Vocês podem por exemplo procurar a última cópia feita antes da mudança de hospedagem, recuperando assim os artigos perdidos.

  7. rafaelle disse:

    muito sortudo eu, acabei de ler o texto e na tv no FoxNitro tava lá o Edgard Mello F. foi ótimo.

  8. Sergio Magalhaes disse:

    Esse texto do “Professor” é um clássico da literatura automobilística, Flavio. Eu o tenho guardado desde quando foi publicado pela primeira vez no Grande Prêmio. Se soubesse que estava à procura, teria lhe enviado.
    Pois bem, ontem viajei e me deliciei novamente nele ao vê-lo publicado novamente no site.
    Aproveitando, e ontem, no Fox Nitro, o próprio Professor citou o “onça”, por onde andaria, se é que ainda existe em algum canto o opalão? Já pensou em tê-lo em sua coleção?
    Pergunte ao Edgard se tem alguma notícia, poderia ser uma pauta para o Fox Nitro.
    Abração, Flavio!

  9. Leandro Batista disse:

    Obra-prima de texto. Nada mais a acrescentar…

  10. Renato disse:

    Procurei esse texto algumas vezes. Uma obra prima ! Bom saber que faço parte dos que se encantaram por essa história e realizaram o desejo de poder lê-la novamente.
    Muito obrigado !!!

  11. Lucas disse:

    O texto dele é como as grandes pinturas renascentistas que o próprio Edgard citou, tem detalhes (muitos), camadas, profundidade. Coisa linda de se ver. E ler. Aproveitando pra cutucar… Sério que você tentou impressionar o Edgard em Interlagos?

  12. Alvaro Ferreira disse:

    Edgard prá Academia Brasileira de Letras! Que texto!

  13. Amaral disse:

    Senna era diferenciado. Amem ou odeiem, endeusem ou endemoniem, era diferenciado. Acima da média. A razão (números) e a emoção (fãs) dizem isso.
    E o Edgard também é. Dá tristeza quando um texto dele acaba. Se ele escrevesse detalhadamente cada uma das oito voltas eu leria o texto até o fim. Me deliciando calmamente, como quem toma como última refeição antes da execução o mais delicioso e divino néctar.
    As tiradas dele são o momento em que você dá aquela respirada pra oxigenar o cérebro depois de um longo mergulho, com novo ânimo para mergulhar novamente. Sensacional.
    Lembrava vagamente desse texto na época original. Ainda bem que esse texto saiu do limbo. Gratidão eterna ao arqueólogo virtual. Coisas assim não podem morrer.

  14. Zé Bigorna disse:

    Eu lembro da época em que o texto foi publicado originalmente. Pouco depois viria o TV GP. Esses vídeos se perderam também?

  15. marco cordobê disse:

    Bom dia Flavio.
    Puxa vida, este texto do Edgard li há muito tempo e um dia destes achei via internet. Reli..
    Cara a emoção que senti relendo foi a mesma do dia que me deliciei a primeira vez. Eu já era fã do Edgard e dali pra frente, nossa, tornei-me mais fã ainda. Dá pra gente sentir o que foi aquela volta, ainda mais quando o seu companheiro de Fox cutucou o Ayrton com vara curtíssima e ele inverteu o torpedo no final da subida do café e sentou a bota…
    Sou sincero e admito, chegam a escorrer lágrimas lendo o relato.
    Grande Edgar. Imenso Ayrton…saudades pra sempre.
    Abraços e sorte.

  16. Adam disse:

    Melhor que o Edgard falando do Chefe, só mesmo quando ele falava do sapateiro dick vigarista (com todo respeito à sua lastimável condição).

    Ahahahahaha lambe botas excluindo mais um comentário meu em 3…2…1…

  17. tevez disse:

    Putz…..Parabens por publicar esta magnifica parada
    Pecado sumirem alguns conteudos geniais.
    Por isso prefiro livros…eles ficam para sempre

  18. Richard Baggs disse:

    Antes de ser representante Audi, ele só andava de Mercedes Touring. Lembro porque uma 300 dele foi roubada no estacionamento do centro de práticas esportivas da USP. Isso deve ter acontecido em 1988 ou 89. Parece que nunca foi recuperada.

  19. Leonardo disse:

    Obrigado por compartilhar. Emocionante.

  20. Fumio Kurihara disse:

    Nunca tinha lido essa volta espetacular de Audi. E por Edgar, só podia ser ele. Esse é fera, monstro do auto. Sabe tudo, sabe descrever porque viveu lá dentro. E pensar que a sorte bate na porta de alguns e temos que conviver quase 40 anos ouvindo um cara chato. Já faz um bom tempo quando vejo F1 está no mudo. Azar do Reginaldo obrigado a escutar e ficar quieto porque não deixam ele falar.

    • Amaral disse:

      Poderiam inverter os papéis. O comentarista como narrador e o narrador como comentarista de bico calado. Seria um revival daquela campanha-boato-piada que rolou na internet, só que agora, “à vera”.

  21. Julio Cesar Teixeira Campanha disse:

    Que texto espetacular! Que delícia de ler cada palavra e sentir a emoção! Obrigado Flávio por compartilhar isso com a gente.

  22. JJ Letho disse:

    Flavio o seu capacete lembra o do Hulkenberg. Quem fez?

  23. perna quebrada disse:

    “Precisa ver se não pega ninguém, nenhum anu errante no contrapé da biaba.”
    Mais Edgard que isso, impossível!

    No dia seguinte a morte de Senna, ele estava participando da transmissão da Manchete e coitada da repórter perguntou:
    - Existe a hipótese de ele ter sofrido um infarto durante a corrida?
    E o Edgard, sutilmente:
    - Infarto quase tenho eu quando ouvi uma besteira dessa!

  24. jbchaves disse:

    Flavio, por favor, traga o Edgar de volta para o Grande Premium…seria como contratar o Messi…

  25. Kleber disse:

    Li, no comentario, do meu comentario, do post original da foto…
    Como vc diz FG… Com um complemento…

    Foda pra caralho, puta que pariu!

  26. Professor disse:

    Lí o texto de dentro do carro, quanta inveja,

  27. danir disse:

    Muito bom o texto. Digno de um profissional de gabarito, consegue demonstrar quem foi o “Chefe” com precisão. Gostaria de ter uma experiência igual. Os deuses sorriem para os iluminados.

  28. moisesimoes disse:

    - Sensacional relato! De uma profundidade que só mesmo o Mestre Edgard poderia traduzir.
    E a verdade é que, mesmo depois de 23 anos, o “trabalhador do 1º de maio” incomoda muito comentarista anônimo. Explicação? Os heróis da velocidade simplesmente não morrem. É história.
    ” ‘… fazendo história’, expressão que abomino, mas não sei bem por quê. Até que faz sentido: fazer história. É, fez história. ”

    Boa semana. Ano que vem tem mais, rs.

  29. Rodrigo Monassa disse:

    lindo mesmo, tão bom ver a forma apaixonada e ao mesmo tempo divertida que o Edgar conta.
    saudade dele, eu cheguei a ver campeonato brasileiro de stock car com comentarios dele lá no começo dos anos 80, acho que a Bandeirantes transmitia.

  30. EduardoRS disse:

    Procurei muito esse texto na Internet e não achei. É uma delícia poder lê-lo novamente. Um dos melhores relatos que já vi. Quase dá para se sentir no banco do carona da Audi, curtindo o momento. Deve ter sido algo surreal.

  31. Pablo disse:

    Fiquei com uma curiosidade ao ler o texto. O que foi que ele perguntou sobre Donnington? E qual foi a resposta?

  32. José Marinho disse:

    Li este texto muitos anos atrás, fechei os olhos e recriei mentalmente a cena, como quando eu fazia nas narrações do Edgard da Formula na rádio Bandeirandes. Tenho ele impresso.

  33. Farid Salim Junior disse:

    São momentos assim que valem uma vida!
    E, eu vivi algo assim, com o Emerson Fittipaldi. Era aluno da escola do Expedito Marazzi (grande cara, faz muitafalta…)e, de repente o campeão chegou e sairam para conversar a sós. Ao retornarem, o Marazzi falou para a galera: “_ Quem tiver coragem, vai dar uma volta com o Emerson na pista!”. Foi por sorteio, pois não dava mais para competir por tempo de volta no carrinho da escola, já que havia acabado a aula e não tinha combustível na baratinha. Eu fui o primeiro a entrar no bólido e saímos… Não dá pra descrever a emoção de estar ao lado de um ídolo, e vendo o que ele sabe fazer melhor, ou seja, o motivo de ser O Ídolo! Isso foi em 1980… Parece que foi ontem…
    Também andei lá com o Marazzi – que também era um “bota de primeira qualidade” – e, aprendi muito com ele. Ficamos amigos, conversávamos muito e, várias vezes ele me chamou para umas voltinhas pelo antigo traçado (saudades das curvas 1, 2, 3 e 4, Ferradura, Sol e Sargento…) dando dicas, conselhos, que muitas vezes eu nem ouvia, só pra curtir a arte de guiar pintada e bordada por ele.
    Por isso, entendo a emoção do Edgard, mesmo ciente de que andar com ele, já deve ter sido o mesmo para o Flávio! Inenarrável, inesquecível, indelével!

  34. Comentei, dias atrás aqui no blog, que os 2 primeiros textos que li no site foram um seu – “Ímola, 1994″ – e o outro, do Edgard. Era esse!

    Sensacional!

  35. Celio ferreira disse:

    Li o texto de cabo a rabo , uma delícia , a linguagem etc…. muito legal
    Senna era realmente diferenciado…

  36. Joca disse:

    Um belo texto, uma linguagem de quem sabe para quem sabe. Um dos melhores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>