MENU

segunda-feira, 29 de maio de 2017 - 17:08F-1

SOBRE ONTEM DE MANHÃ

sobremon17b

Vettel, ajudado pela Ferrari: de vez em quando vai acontecer

SÃO PAULO (por enquanto) – Bem, não há dúvidas de que as 500 Milhas ofuscaram Mônaco ontem, ao menos no coração deste que vos bloga. Então, pode ser que, aqui e ali, eu fale da Indy, de Alonso, de Sato, da Honda, do carro laranja #29. Pode ser. Talvez ao final do texto eu não tenha tocado no assunto. Textos vão se escrevendo sozinhos. Vai saber.

Mônaco. O grande assunto do dia foi: a Ferrari favoreceu Vettel? Ou, em português bem claro e tosco: a Ferrari fodeu Raikkonen?

Eu não seria tão assertivo, como não fui ontem. Ninguém, na minha modesta opinião, quis deliberadamente estragar o domingo do finlandês. Que a estratégia de parar depois, numa pista que não gasta pneus, acabou se mostrando melhor, isso é fato. Mas ela só funcionaria se o interessado em questão, Vettel, cumprisse aquilo que seria necessário para ganhar a posição, a saber: enfiar uma série de voltas muito rápidas para descontar o tempo perdido atrás de Raikkonen.

Vettel fez isso, ganhou a corrida. Insisto que pilotos não são obrigados a fazer o que não querem. Se Kimi tivesse convicção de que com os ultramacios ainda poderia ficar mais um tempo na pista, poderia ter discutido isso com o time pelo rádio. Em geral, porém, pilotos fazem aquilo que lhes é pedido. Os caras nos boxes têm mais condições de avaliar cenários, orientar estratégias. É preciso confiar neles, como disse Raikkonen. Não funcionou muito bem, como se viu.

Por outro lado, diante de duas estratégias diferentes, quem ficaria com a melhor delas numa situação de campeonato como a que temos em 2017? Aquele que luta pelo título, claro. Não estou, aqui, passando o pano na Ferrari. Não gosto de favorecimentos, ainda mais quando eles podem tirar de alguém a chance de ganhar uma corrida. Ontem, ficou claro que a estratégia para Vettel foi melhor. Mas ela foi deliberadamente traçada para prejudicar Raikkonen? Não sei. Foi deliberadamente traçada para ajudar Vettel? Foi. Ajudar um significa necessariamente prejudicar o outro, ser sacana, escroto, desleal?

A resposta deixo para vocês. Na minha cabecinha de mamão, a Ferrari trabalhar para Sebastian ser campeão é algo que faz sentido. E caberá, sempre, ao outro piloto reverter o quadro. É uma luta solitária, claro. Mas Rosberg encarou uma dessas nos seus anos de batalha com Hamilton, até conseguir derrotá-lo. Webber não conseguiu com Vettel. Nem Barrichello com Schumacher. Bottas, se quiser bater Hamilton, terá de fazê-lo por conta própria. Raikkonen, se desejar não passar pelo que passou ontem, terá de se virar sozinho. É assim. Pelo simples fato de que um piloto sempre é melhor que o outro. E o melhor será privilegiado quando for preciso. Na maioria das vezes, isso não é necessário. Mas, às vezes, é.

Hamilton disse não ter dúvidas de que a Ferrari escolheu seu primeiro piloto. Toto Wolff, seu chefe na Mercedes, contemporizou e falou que a equipe italiana não fez nada de propósito. É bom lembrar que o próprio time alemão já fez coisa parecida neste ano, tirando Bottas da frente de Hamilton mais de uma vez para não atrapalhá-lo. Portanto, não sejamos ingênuos. Nesta temporada apertadíssima entre dois pilotos de equipes diferentes, essas coisas vão acontecer de novo. Na Mercedes e na Ferrari. É como digo sempre. Nesses casos, os maiores aliados dos segundos pilotos são os coleguinhas da equipe rival. Se Raikkonen tivesse uma Mercedes entre ele e Vettel, por exemplo, a história poderia ser diferente. Se Bottas estiver na frente de Hamilton um dia desses com uma Ferrari separando os dois, a Mercedes não vai fazer nada para jogá-lo para trás.

É a dura vida de um segundão.

Bem, começamos com o quê?

sobremon17c

Bernie: chatonildo

A FRASE DE MÔNACO

“A F-1 agora é gerida como uma filial do Starbucks, com alguém sempre colocando leite no café.”

Bernie Ecclestone, mal-humorado, criticando a gestão dos americanos da Liberty. Acho que ele está sendo injusto. O Starbucks é realmente ruim, chato, invasivo com aquela história de te chamar pelo nome (eu sempre dou “Fora Temer”) para entregar um copo de café. Mas sempre vamos reforçar aqui o que têm de positivo essas lufadas de ar fresco que o grupo está impondo à categoria. Todos estão gostando, por exemplo, da intensa atividade nas redes sociais. Menos o Bernie.

Voltando à corrida de ontem, importante dizer que no segundo escalão aconteceram alguns eventos merecedores de certo destaque. Como, por exemplo, a primeira vez que a Haas terminou um GP com seus dois carros nos pontos — Grosjean em oitavo, Magnussen em décimo. Em compensação, a Force India, que vinha colocando seus dois carros na zona de pontuação desde a primeira prova do ano, zerou. E Pérez ainda foi punido por bater em Kvyat no final. Não aconteceu nada com sua posição, 13º. Mas deixou o russo bem zangado.

Falando em 13º, uma coincidência boba, mas sempre uma coincidência. Foi a posição de largada de Hamilton em Monte Carlo. A única vez que ele tinha largado em 13º na vida fora no GP da França de 2008. Justamente o último em que Raikkonen tinha feito uma pole até a de sábado, encerrando um jejum de 8 anos, 11 meses e 6 dias — o maior entre duas poles da história, superando os 8 anos e 18 dias que Mario Andretti levou para voltar a largar na pole-position entre os GPs dos EUA de 1968 e do Japão de 1976.

É verdade que a pole não resultou em vitória para Kimi, mas a primeira fila da Ferrari, sim. O que nos leva a…

O NÚMERO MONEGASCO

Number-82…dobradinhas na história alcançou a equipe italiana com o 1-2 de Vettel e Raikkonen. E foi a primeira desde o infame “Fernando is faster than you”, informação passada a Felipe Massa no GP da Alemanha de 2010 em Hockenheim, lembram?

Aliás, vencer a partir da primeira fila não é novidade em Mônaco, como se sabe. Em 64 GPs de F-1 disputados nas ruas do Principado (esta foi a 75ª corrida, mas nessa conta entram as provas anteriores ao nascimento da categoria, em 1950), nada menos do que 28 vezes o pole ganhou, e em 15 oportunidades venceu o segundo no grid. Dá um total de 43 vitórias para quem largou na primeira fila, 67,2%. Bastante.

Quem esteve visitando os amigos ontem foi Nico Rosberg, atual campeão aposentado, que mora por aqueles lados. Outro que poderia ter apenas feito uma visitinha foi Jenson Button, chamado pela McLaren para correr no lugar de Alonso. No fim das contas, fez um ótimo treino de classificação, levou o carro laranja ao Q3, mas largou em último por troca de componentes do motor. Nas últimas voltas, bateu em Wehrlein e foi… punido! Não vai pagar nunca, porque a punição foi a perda de três posições no grid da próxima corrida. Da qual ele não participará. Button acabou sendo um dos personagens da corrida, como notou nosso cartunista oficial Maurício Falleiros, com sua pena genial.

Falle1ros

falleirosmonaco

Maldade com a Honda? Bem, somos pagos para pegar no pé. De todo mundo. E pegamos no pé quando não somos pagos, também. A Honda está devendo. E ainda largou Alonso a pé em Indianápolis. Sorte dos japoneses que acabaram vencendo a corrida com Takuma Sato. Incrivelmente. E, pela vitória, está de parabéns. Gostamos muito de ver Taku com sua garrafinha de leite. A gente sempre gosta e não gosta de algumas coisas, como nossa premiadíssima seção faz questão de nos lembrar.

gostmon17

Sainz: bom

GOSTAMOS…

…muito do sexto lugar de <<< Carlos Sainz Jr. com a Toro Rosso, piloto que vem mostrando serviço com frequência nesta temporada. Há quem diga que já tem gente de olho grande no menino. E é gente graúda, que veste vermelho e fala italiano.

sobremon17a

Pódio novo: ruim

NÃO GOSTAMOS…

…nada do novo pódio de Mônaco >>>, tirando todos do chão, onde a festa era mais autêntica, divertida e ensopada de champanhe. Era o único pódio diferente da F-1, desde o início dos tempos. Agora, ficou praticamente igual aos demais. Chatice, isso.

Bem, acho que é tudo. Desculpem a demora. Os dias têm sido curtos para a quantidade de coisa que tenho de resolver às vésperas de uma mudança grande que vem por aí. Nada a ver com o blog, nem com a F-1, nem com nada que vos diga muito respeito. Coisas da vida, mesmo, esta maluquice que nos cabe viver.

101 comentários

  1. s sergio disse:

    alonso fantástico, soberbo. pelo menos é isso que a midia diz mas fica sempre na promessa e nas desculpas, mais dos jornalistas do que dele prórpio. existe coisa mais mentirosa do a imprensa????

  2. Não houve favorecimento da Ferrari ao Vettel no GP de Mônaco, afinal ele usou a tática certa para superar o Raikkonen. acelerando ao máximo durante o Pit Stop bem no estilo Schumacher para conseguir voltar na frente e ganhar a corrida.

  3. Marcelo disse:

    Alguém sabe onde posso conseguir os tempos de todas as voltas de cada piloto do último gostaria de Mônaco? Essa informação existe / está disponível ?

    • Alexandre disse:

      Sim, em: http://www.fia.com/events/fia-formula-one-world-championship/season-2017/eventtiming-information-22

      E olhando a tabela de tempos entre Kimi e Vettel, o que foi decisivo para a perda da posição do finlandês foi a volta que ele fez depois do pit, na volta 35. Virou 1’19,518, 3,072s mais lento que Vettel, que virou na mesma volta 1’16,446. Vettel não fez nada além do que já tinha feito na volta 32, onde virou 0,611s mais rápido que Räikkönen. Diferença de voltas entre Kimi e Vettel depois do pit (negativo é favorável à Vettel)

      35 -3,072s
      36 0,150s
      37 -0,546s
      38 -0,368
      39 17,146 (volta do pit do Vettel)

      A volta decisiva foi a 35. A Ferrari liberou a volta do pit de Räikkönen no meio do tráfego de uma McLaren e uma Sauber – acredito que do Vandoorne e do Button, respectivamente. Essa volta que ele teve que lidar com esses retardatários que ferrou a corrida dele. E os pneus supermacios só renderam no carro do Vettel. Antes das paradas, até a volta 32, cada um girou mais rápido que o outro a mesma quantidade de voltas – 16, e Kimi fez em média voltas melhores em 0,241s e Vettel 0,248. Da volta 40 em diante, descontando as voltas entre a 60 e 67 (SCV e SC) , Vettel virou 24 voltas mais rápido que Räikkönen, 0,579s em média; Kimi virou 0,606 mais rápido que Vettel, mas só virou 7 voltas melhor que o alemão.

      Esse vídeo abaixo analisa a volta 35, com a McLaren e Sauber atrapalhando um pouco a volta 35 do Kimi: https://youtu.be/AxO15MzE3eM.

  4. GuilhermE disse:

    “Nem com nada que vos diga muito respeito”. Ahahahahah.

  5. Pablo disse:

    A primeira vista pensei vendo esse novo pódio de Monaco que foi a primeira bola fora do Liberty Media. Mas aí lembrei que há algumas semanas na F-E o pódio foi esse mesmo usado na F1, então foi coisa do pessoal de lá mesmo

  6. Victor disse:

    Flávio vai embora do Brasil.

  7. Daniel Cabron disse:

    Aì que final de texto misterioso! Vai morar no Uruguai? Desembuche senão peço ao Léo Dias pra descobrir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>