MENU

domingo, 12 de novembro de 2017 - 18:42F-1

VENDE A MÃE (10)

bra178

Massa em sétimo: o primeiro dos outros

SÃO PAULO (público pagante: 141.218 espectadores nos três dias) – Abrir com o quê? A bela — e previsível — atuação de Hamilton, ou a digna despedida de Massa de Interlagos?

Fiquemos com o brasileiro. Se é verdade que o adeus do ano passado foi repleto de lágrimas e emoções — com a providencial ajuda do acaso, que o tirou da corrida com uma batida bem na reta dos boxes, diante das arquibancadas –, o deste, do ponto de vista esportivo, foi bem mais intenso. Afinal, ele foi até o fim da prova, que é o que qualquer piloto deseja. E acabou sendo aquilo que, nesta temporada, a gente tem chamado de “primeiro dos outros”, a saber: o melhor de todos, descontando os favoritos das três equipes grandes, Mercedes, Ferrari e Red Bull.

Felipe terminou o GP do Brasil em sétimo, com uma atuação bem convincente a partir da largada. Era nono no grid, fechou a primeira volta em sexto. Isso foi determinante para o resultado final. O quinto era Fernando Alonso, a quem ultrapassou na relargada da prova, neutralizada com safety-car já na primeira volta, após acidente entre Magnussen, Ricciardo e Vandoorne no S do Senna. Só o australiano sobreviveu. Os outros dois abandonaram.

bra172

Alonso aplaude o brasileiro: despedida digna

O reinício se deu na volta 5, e Felipe foi decidido para cima do espanhol, que acabaria acompanhando-o de perto até o fim da corrida. E conseguir segurar o asturiano acabou sendo o ponto alto da atuação de Massa, que era mais rápido nas retas, mas mais lento no miolo. Qualquer erro poderia ser fatal, tanto que Fernando cruzou a linha apenas 0s481 atrás do brasileiro. E foi Alonso, também, o responsável por uma das mais belas imagens do domingo, ao sair do cockpit de seu carro e esperar pela passagem do ex-companheiro de Ferrari, para aplaudi-lo de pé.

Depois da cerimônia de pódio, com Vettel, Bottas e Raikkonen — exatamente os três primeiros na primeira volta, que acabaram nas mesmíssimas posições sem um atacar o outro em nenhum momento, exceto na largada, quando Sebastian passou o pole Valtteri –, Massa foi chamado ao local para saudar o público das tribunas e também a turma do Setor A que invadiu a pista para festejar o GP.

bra173

Com Barrichello: dois últimos vencedores

Subiu com o filho, Felipinho, e foi recebido por Rubens Barrichello, que assistiu à prova nos boxes da Mercedes. Ali estavam os dois últimos pilotos brasileiros que venceram na F-1. Massa ganhou pela última vez quando ainda era piloto da Ferrari, em Interlagos/2008. Rubens, e Monza/2009, pela Brawn. “Uma salva de palmas pro Felipe por tudo que ele fez pra gente”, pediu Barrichello ao público, antes de trocar algumas palavras com ele em inglês.

Massa, bem emocionado, agradeceu aos torcedores. “Amo vocês, vou sentir muita falta, o que vivi hoje foi uma emoção imensa, que não vou esquecer nunca”, disse. Antes, pelo rádio, recebera uma mensagem em inglês do filho, e desabafou gritando um “vamo, porra!“, depois de receber uma bandeira verde de um comissário, na falta de uma do Brasil. Estava valendo. “Foi uma corrida maravilhosa, depois de uma largada incrível. O resultado foi como uma vitória para mim”, completou.

Como era quase um GP amistoso, depois da conquista antecipada do tetra por Hamilton, Felipe acabou virando um dos personagens do dia. Talvez não o principal, porque afinal era uma corrida, e o vencedor sempre merece algumas palavras elogiosas — pronto, Vettel, sinta-se elogiado, especialmente pela largada que você mesmo definiu como “crucial” para chegar à quinta vitória no ano, 47ª na carreira. Outro, sem dúvida, foi Hamilton.

Na véspera, o inglês bateu na classificação e, por isso, teve de largar dos boxes. Era de se esperar uma prova interessante, com ultrapassagens em profusão e a busca por um pódio difícil, mas possível. Ontem mesmo o inglês já tinha traçado seus planos: “Vou me divertir o máximo que puder”.

bra17b

Hamilton parte para cima de Verstappen: ultrapassagens fáceis

A escalada de Hamilton pode até parecer impressionante nos números ao longo da corrida, mas também não foi nenhuma epopeia, pela facilidade que encontrou em todas as ultrapassagens. De último para 16º na primeira volta, graças aos abandonos dos primeiros acidentados; na volta 7, P11; na nona, P10, a 12 segundos do líder Vettel. Mesmo com pneus macios — menos velozes que os supermacios da maioria –, foi subindo, subindo, até chegar ao sétimo lugar na 16ª volta, com Alonso e Massa na mira. Levou os dois tranquilamente pouco depois e, na volta 21, era quinto, atrás apenas de Vettel, Bottas, Raikkonen e Verstappen.

Seu ritmo era muito forte, e como tinha pneus mais duros, iria fazer seu pit stop depois de todos eles. O que o levou à liderança na 30ª volta, para espanto de muita gente. E foram sólidas 13 voltas na ponta, até fazer sua parada para colocar pneus supermacios, o que significava que faria um segundo stint bem veloz.

Lewis voltou dos boxes em quinto e começou a descontar a diferença que o separava de Verstappen muito rapidamente. Em dez voltas, da 44ª à 54ª, a vantagem do holandês caiu de 10s7 para 3s. Não tinha como segurar. Na 59ª, no meio da Reta Oposta, sem nem precisar disputar freada, passou por Max como se ele estivesse parado. Havia ainda uma chance de pódio, porque Raikkonen estava apenas 4s8 à frente.

bra177

Vettel: vitória tranquila e, reconheça-se, inútil

E Hamilton bem que tentou. Começou a emplacar voltas na casa de 1min11s até diminuir a diferença para 0s5 a cinco voltas do final. A ultrapassagem parecia inevitável. Só que o adversário era de certa estirpe, campeão mundial, experiente e gelado como sempre. Kimi não se assustou, não se apavorou, não se esgoelou e, simplesmente, se manteve na frente. “Meu ritmo era bom”, justificou.

Lewis acabou num ótimo quarto lugar, que se não chega a ser glorioso dado o equipamento de que dispõe, foi admirável pela diferença que o separou do vencedor Vettel: apenas 5s468. O que deixou o britânico da Mercedes bem feliz. “Me diverti muito”, afirmou.

Mas essa diferença também tem de ser relativizada. Quando o GP foi retomado após o safety-car na volta 5, ele era 14º e estava só 4s770 atrás do líder — o pelotão estava “achatado” pela intervenção do carro de segurança, outro sopro do destino que anulou a desvantagem de largar dos boxes. Essa diferença chegou a 17s824 na volta 21, a maior antes de seu pit stop. Depois da parada, bateu nos 18s323, na volta 44. Dali até o final, 27 voltas depois, ele conseguiu descontar 12s855 para Vettel, o vencedor, o que dá pouco menos de 0s5 por volta — nada de outro mundo, considerando os pneus que tinha.

De qualquer maneira, é algo que, do lado de fora, empolga o público. Ainda mais quando o sujeito sai de último para, ainda que só por algumas voltas, assumir a liderança. Por conta do esforço, Hamilton mereceu o voto do amigo internauta e foi eleito o Piloto do Dia. Depois dele fecharam a zona de pontos Verstappen, Ricciardo, Massa, Alonso, Pérez e Hülkenberg.

anittarenault2

A torcida de Anitta: negócio é negócio, amigos à parte

Não foi exatamente um daqueles GPs do Brasil inesquecíveis, como o de 2016 e quase todos os que tiveram na chuva uma grande aliada no passado. O domingo foi luminoso, ensolarado, sem uma nuvem num céu azul de doer — bem diferente do sábado cinzento, úmido e gelado.  O público foi bom, vibrou com as manobras de Hamilton e aplaudiu Massa no final.

Ao contrário das corridas dos EUA e do México, marcadas por muitas atrações extrapista e cerimônias mirabolantes — algumas de gosto bem duvidoso, diga-se — estimuladas pelos novos donos da F-1, Interlagos viveu um dia mais discreto, que teve como maior atração pop a cantora Anitta, responsável pelo Hino Nacional antes da largada.

Agraciada com polpudo cachê da Renault, andou também num carro da marca pela pista e foi cercada por repórteres assim que chegou ao paddock. “Anitta, você vai torcer pro Hamilton, que é seu amigo, ou pro Felipe, que é brasileiro?”, perguntou uma delas. “Vou torcer pra Renault, é por isso que eu estou aqui”, respondeu.

Sinceridade é tudo. Gosto dessa moça.

80 comentários

  1. Fabricio disse:

    CONCERTEZA,,, Gostaria q a corrida fosse pra Floripa, no quintal da minha casa!,,,,

  2. Leandro Batista disse:

    Só um mero detalhe: a mesma coisa que o Hamilton fez domingo eu vi ao vivo Schumacher fazer em 2006. E naquela época não tinha essa história de DRS. Se não subisse colado depois da junção, não conseguia passar no S do Senna…

  3. CHAGAS disse:

    Hamilton o nome da corrida. (se passasse Kimi….. seria a cereja do bolo)
    Vettel dando o pulo do gato e Bottas vacilando (de novo)
    Red Bull e Renault desceram um degrau (muito por conta do motor).
    Massa e Alonso colocando as coisas no lugar em relação a seu companheiros. (memorável os aplausos do espanhol)
    Toro Rosso conseguindo a façanha de ser a pior que a Sauber (motor???).
    Stroll e Grosjean….. barbaridade, e o cara de pau do francês achou errada a punição?? (palmas para ele)

  4. GARLET disse:

    Hamilton teve muita sorte na largada, o safety car anulou o prejuízo de largar dos boxes, e com motor novo, ao meu ver passeou na pista. Engraçado é essa questão toda sobre a segurança, assaltos etc. Feliz coincidÊncia, pois aqui no SUL não se fala em outra coisa, F1 2020 em Florianópolis. Ao meu ver, discurso ensaiado do Hamilton etc. Essa F1, se o cara for um pouquinho ingÊnuo, acredita em tudo. Outra coisa, final de ano desanimador para quem esperava maior igualdade entre os carros. Até metade do ano a Ferrari estava lá, Red Bull chegando, mas da metade pra frente a Mercedes está com um motor anos luz a frente de todo mundo. O que o Hamilton fez ontem desanimou por 2 motivos, a Mercedes é 0,5s por volta mais rapido que todos os outros carros em uma pista “normal”. E claramente o Bottas não tem o mesmo equipamento do HAmilton, a Mercedes deu uma “tesourada” no carro do Bottas depois do episódio em que Hamilton não conseguia passa-lo na pista, e teve de devolver a posição no final. Acredito que o Bottas, com o mesmo equipamento, poderia repetir o feito do Rosberg, o que seria uma TRAGÈDIA para a Sky e os ingleses, pois um inglês vencendo com um carro alemão é o que manda na F1 hoje. $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

    • Marcelo disse:

      Ano que vem é Penta do |Hamilton e o Vettel pode se retirar com seus 4 títulos , porque acabou. A mercedes vem com tudo , no próximo ano, e o contrato do Kimi só vai até o final de 2018. Caso o Ricciardo vá pra lá , aí lacra o caixão .

      • Paulo Pinto disse:

        Ricciardo? Quem é Ricciardo? É aquele piloto que está sendo o clone de seu conterrâneo e antecessor na Red Bull, que não conseguia passar de terceiro no Mundial?

        É esse, Marcelo?

      • moisesimoes disse:

        - É o carinha que “lembra” nos comentários mas tá ruim da memória? Mas não quer lembrar quem venceu primeiro em 2014 sem motor Mercedes, e por três vezes, não é? Ou o melhor do resto em 2014? Ricciardo foi companheiro de um certo tetracampeão que foi quinto lugar geral em 2014. Refresca aí o miolo mole:
        http://www.autoracing.com.br/f1-vettel-esta-analisando-dados-de-ricciardo/
        Ou sua memória fraca diz que Vettel já foi vice de Webber?

        Esse é o cara que tira onda com Alonso por ter um monte de vices, mas considera que o vice campeonato de Vettel já está garantido, risos. Melhoras. Leia o comentário do Fernando. Sem mais.

        P.S.: Hamilton dois vices. Vettel, também dois. De qualquer modo, o duelo deve continuar ano que vem, ano de desempate, senhores. Que venha 2018.

      • Paulo Pinto disse:

        O comentário do Fernando foi postado antes do meu. Está endereçado ao Sennafredo, com certeza.

        Vettel foi vice para o Button com a imbatível Brawn GP.

        O quinto de Vettel não vai ficar na História da categoria, como não ficou o quinto de Lauda, de Prost, de Schumacher. etc. E o motivo é óbvio.

        Sou anti-Alonso e todos aqui sabem disso. Algum problema?

        Se Ricciardo não se sagrar campeão, e tudo leva a crer que não vai conseguir (pegou Hamilton com um foguete e Vettel na cola), ele será lembrado pelos terceiros que garimpar ao longo da carreira.

        Sem mais.

    • Segafredo disse:

      Cara, agora é sério……… não diga que vc é do aqui do sul ok?

    • Fernando disse:

      Se não tem o que escrever não escreva por favor.

    • markonikov disse:

      “bostou pouco, mas bostou bonito”

  5. Alfredinho disse:

    Analisando a temporada com cuidado e sem paixão, veremos que Hamilton e Vettel foram os grandes protagonistas em praticamente todos os circuitos. Os demais pilotos das três equipes de ponta tiveram um brilhareco aqui e ali. E o restante do pelotão lutou muito pelos pontos nas posições intermediárias. Até os dois que foram desconsiderados no princípio do ano, Stroll e Palmer, mostraram serviço até onde suas máquinas permitiram.

    Foi um bom campeonato e ainda resta uma.

  6. José disse:

    Baita corrida do Hamilton. Mas bem dito por você, Flavio, relativizada pelo equipamento que dispõe e pela entrada do Safety-car. E ainda pelas regras atuais, como DRS e obrigatoriedade do uso de pneus, onde utilizou os supermacios com o carro mais leve e na hora que todo mundo estava com macios. E teve 71 voltas para o serviço, já que um dos empecilhos de largar dos boxes foi anulado justamente na primeira volta.

    Espetacular mesmo foi a corrida de Schumacher em 2006, que além da concorrência ter carros melhores que a concorrência de hoje, esteve em último, com pneu furado no S do Senna, tendo que dar uma volta inteira até os boxes e já com a corrida em andamento, ou seja, teve menos que as 71 voltas para se recuperar e 1 volta atrás do líder na ocasião. Aquele sim um feito impressionante.

  7. Paulo disse:

    A pergunta que ano quer calar ?

    Coincidência este ano o numero de assaltos em torno do autódromo, justamente quando esta prestes a abertura do projeto de privatização ?

  8. David Santos disse:

    Pra mim o Hamilton foi o melhor-piloto do GP-Brasil! A fora isto foi um GP-chato que logo na largada já definiu o ganhador. Agora que venha Abu Dhabi,

  9. Markonikov disse:

    Primeiro GP do Brasil que eu fui, afinal, fui virar classe média agora kkkkk. Muito legal, fiquei no Setor A, do lado da torcida do Verstappen e um povo muito louco da Australia, com uns cangurus … muito logo, cada passada do Ricciardo, era Canguru, Canguru … o povo do verstappen tava meio quieto, achando que iria ver uma corrida igual do ano passado … enfim, achei tudo muito legal, tirando cobrarem 6 conto em meio copo de água … cerveja a 10 conto até que vai, é o padrão nesses eventos, mas venderem água de 200 ml é foda né, ainda mais debaixo daquela lua que estava … Mas tem que tirar o chapéu para esses caras, só ao vivo para ver que a velocidade é impressionante mesmo e como freiam esses carros, o cara freia de 347 km para o que, 90 km no S do Senna? Ver os caras virem no pau para o boxe e frear para 80 km é impressionante … meu respeito a todos os pilotos, esses caras sim merecem o que ganham …

  10. Celso disse:

    Eu Ri muito qdo ela disse na Globo, ao vivaço, que iria torcer pra quem pagou o cachê kkkkkkkkkkkkkkkkk

    De boa, acharem que a audiência vai cair pela saída no Massa? A maioria absoluta assiste porque gosta de F1 . E os poucos que ainda assistiam por causa do brasileiro, me perdoem, mas já deveriam ter abandonado há muito tempo.

  11. Mônica disse:

    Com mais um pódio e segurando o mais recente tetra, o meu gatão mandou um recado para todos aqueles que vivem dizendo que ele está acabado.

  12. Anselmo Coyote disse:

    Faltando umas 4 voltas Kimi freou um pouquinho antes, nada que pudesse ser considerado desleal, o que fez Hamilton dar uma travada e “quadrar” os pneus. Foi o suficiente para o inglês não atacar mais até o término da corrida.
    Foi muito sangue frio e só com mto tempo de estrada se consegue fazer isso. De qualquer fiorma não gostei, embora tenha torcido pelo Kimi por anos a fio. Fazer para si próprio é uma coisa. Fazer em benefício de terceiro é repudiável.
    Lamento, Kimi, mas vc se tornou um… (não vou falar em respeito aos colegas e ao blogueiro).
    Abs.

  13. Paulo Leite disse:

    Não gostei muito do ‘Vende A Mãe’, por respeito a minha mãe e a mãe dele. Mas deixa pra lá que a corrida já acabou. Para 2018 pos-leilão (ugh) de Interlagos, sugiro ‘Vende Pullover Cardigan’, porque é o que restará dele após vender as últimas glebas de terras. Sobre o Filho da Mãe em pauta, outro candidato a candidato em 2018, que não é flor para cheirar, esclareceu claramente quem elé é e como virou milionário às custas dos amigos de asas. Aqui: https://www.youtube.com/watch?v=RNEr3l27Nks

  14. alexia disse:

    E no primeiro confronto da história de dois tetracampeões na pista, Vettel levou a melhor (!). Que venha o Penta em 2018 (pro Vettel, é claro (!!). E Flávio, discordo da sua legenda: “Vettel: vitória tranquila e, reconheça-se, inútil”. Nenhuma vitória é inútil ! E não teve nada de tranquila, Vettel ficou somente 2,5 segundos na frente do Bottas ao longo de toda a corrida, fez uma corrida perfeita, sem erros ( o menor erro seria fatal, Bottas estava muito próximo). O talento de Vettel é subestimado, mas isso vai mudar, e não vai demorar muito: 2018 tá logo ali !

  15. A Ferrari não vencia o GP Brasil desde 2008 justamente naquela decisão em Interlagos na última vitória do Massa.no primeiro campeonato do Hamilton. O Vettel já tem três vitórias no GP Brasil de F-1, mais uma ele iguala o Schumacher. O Massa chegou em sétimo no limite no seu terceiro melhor resultado no ano fazendo mais uma despedida pra sua coleção, um resultado como esse agora já ficou raro na reta final de sua carreira. O Verstappen ficou limitado cabendo ao Hamilton fazer o seu espetáculo na sua corrida de recuperação numa oportunidade de vitória perdida pelo Bottas. O Stroll voltou nessa corrida no início do campeonato correndo completamente fora de sintonia, nessa irregularidade o Massacrado não terá dificuldade em ficar na frente dele no campeonato pra sua sorte.

    • CHAGAS disse:

      Sério mesmo?? Você achava que o Stroll iria vencer o Massa no mundial. Das duas uma, ou você é um dos muitos daqui que torce contra o Brasil, ou é de uma ignorância ímpar.

      • A realidade é dura, o Massa em 13 temporadas completas só fica na frente de seus parceiros duas vezes, assim mesmo porque o Jacques Villeneuve estava enferrujado na Sauber em 2005 e o Kimi Räikkönen relaxou em 2008 depois da conquista do seu campeonato de 2007 na Ferrari, ainda estou subtraindo 2009 porque o Massa se acidentou. Com o novato Bottas que só tinha um oitavo como melhor resultado na nanica Williams em 2013 perdeu de três a zero na própria Williams sendo que duas de virada do Bottas. Com o irregular Stroll começou com 20 a zero na pontuação, mas depois do GP do Canadá pipocou entre os seus azares e agora está aí suando pra ficar na frente do Stroll que ainda não é um aluno nota 10. Isso não questão de torcida e sim de uma realidade que é dura!

  16. Guilherme disse:

    A formula 1 tem que criar um sistema de handicap e abolir a asa móvel, nunca vi tantas ultrapassagens sem a menor emoção ou qualquer dificuldade. Quando o hamilton abria a asa atras do Raikonen chegava a ser 30 km/h mais rápido! Isso contra o segundo melhor carro do mundial.

  17. Segafredo disse:

    Se fosse um Tedesco a ter realizado a façanha de Hamilton ontem, vc concerteza não faria menção de coisas tipo, “pelo equipamento que dispunha” ou “apesar do SafetyCar ter ajudado” etc………essa tua parcialidade da nojo……..o recalque do karaio, kkkkkkkk. Mas infelizmente não temos outro lugar pra escrever tão bom quanto este seu!

  18. Iuri Jacob disse:

    Acho que assistimos a corridas diferentes. A despeito do marasmo dos 3 primeiros, achei a corrida muito legal. Você esqueceu completamente do Ricciardo, por exemplo, que também fez uma excelente corrida. E sim, o Hamilton tirou “apenas” 0.5s por volta em relação ao Vettel. Mas ele tinha 20 carros na frente, o Vettel estava de cara pro vento. Ok, vamos relativizar. Mas não muito.

    • Guilherme disse:

      Não é relativizar! A diferenca da mercedes do hamiltompara as demais em interlagos foi ridículo. Graças ao safety car no comeco da corrida ele abriu a aza e grande parte das voltas, ate colar no pelotao da frente. Como a telemetria mostrou ele chegava a ser 30km/h mais veloz na reta principal! Cara seja sincero émuita diferença.
      A diferenca foi tao grande q ele passou o vertappen pouca coisa depois do meio da reta oposta, mesmo se o max nao freiasse pra fazer a curva nao chegaria no hamilton.

  19. Brabham-5 disse:

    Blá bla blá e deu Vettel. A gente assiste os treinos e corridas pela Globo, pela Sportv e só vê os “especialistas” apostando em vitórias e poles de Hamilton, Verstappen e até do Ricciardo. Fazem questão de tratar o Vettel como “zebra”.
    O Vettel marca um volta recorde pista, comentários curtos e secos. Agora, quando a mesma coisa é feita por Hamilton ou Verstappen, ou quando Alonso consegue passar para o Q3, ah, é uma festa de elogios de uns 5 minutos. Até o Raikkonen recebe mais torcida por pole e vitórias que o Tetracampeão Vettel.
    Não consigo entender tal tratamento com o alemão, que é um grande piloto, mais campeão que Alonso e Verstappen (que são ARROGANTES e de dificil convívio com colegas de equipe), tão simpático, discreto na vida pessoal e pés no chão como Ricciardo e bem menos popstar que o Hamilton, o Neymar da F1.
    Mas, cada um com sua torcida/preferência/identificação com seu ídolo.
    Fazerem uma festa por Massa chegar em sétimo no Brasil. Acho que não há imagem mais perfeita do que foi Massa na sua carreira (nunca foi do bloco dos top de talento do grid) e nunca foi merecedor de expectativa maiores por parte do torcedor brasileiro. COADJUVANTE. Como o convidado para a tal “festa de despedida”, Rubens Barrichello.
    Parabéns ao dois: um desfilando com a faixa de “Miss simpatia” e o outro com o “troféu fair play”.
    Não imagino Piquet e Senna fazendo tal festa por chegar em sétimo com a desculpa do rótulo “primeiro dentre os outros”. Jamais.
    E quero concluir dizendo que na fase atual de liderança do ranking de vergonha internacional em que o Brasil se encontra, quem deveria ter cantado o hino brasileiro ontem era a Vanusa doidona.
    Hahahahaha!

  20. Marcio disse:

    Massa, vai tarde (pela segunda vez)

  21. Gus disse:

    347 km/h antes do S do Senna….esses carros são irracionais apesar de todas as críticas à tecnologia (excessiva), barulho e estirpe do motor.
    As “unidades de potência” (parem o mundo!) da Renault eram – com auxílio do DRS – uns sólidos 5 km/h mais lentos do que os Mercedes.

    • Fernando disse:

      Pois, é isso que não compreendo nos “saudosistas apenas amantes do barulho”. Quem gosta de corrida gosta de VELOCIDADE, se os carros não tem mais o barulho legal, ou se são complexos demais e poucos compreendem, ou se isso pode afastar o público e acabar por quebrar a categoria é outra coisa, a se pensar, claro, mas outra coisa. Velocidades insanas, freadas insanas, velocidade em curva monstruosa, aceleração brutal, isso é automobilismo, e é o que prefiro, barulho e legal mas é só barulho, Kombi sem escape também faz. Os carros “tecnológicos”, como já são os de rua, quebram menos, mais carros na pista, mais legal, simples. Já o regulamento… é ele que estraga tudo…

  22. Gus disse:

    Brilhante análise, Flávio! Com aquela usina, Hamilton não fez nada de outro mundo não…deveria – na verdade – abocanhar até a terceira posição do Kimi. Correr contra um grid de “carros 1.4″ tendo um “1.6″ é moleza…o problema é quando encontra um outro 1.6.
    Creio que faltou falar da prova do Ricciardo. Esse também mandou na sandália direita e fez a fila em carros inferiores, mas nem tanto.

  23. Rodrigo Moraes disse:

    Achei engraçado quando a Anita falou que ia torcer para a Renault. Achei que a Globo ficaria puta! Mas dai entraram os reclames e um deles era justamente da Renault, anunciante da F1 na Globo. Então, acredito que a pergunta e a resposta tenham sido combinadas.

  24. Gabriel P. disse:

    Vai ser ótimo não só para a Globo, Interlagos ou tudo que gira em torno dos esportes a motores e a F1 não ter nenhum Brasileiro como piloto em 2018.
    Vai assistir quem gosta mesmo e assim se saberá qual a real audiência no Brasil

  25. Rafael Rego Bh disse:

    Meu sexto GP do Brasil. Campeonato já estava decidido? Não importa. Como eh bom estar lá, viver a história do GP de perto…Que respeito por todos os pilotos, quanto talento pra guiar sempre no limite, sem erros. As brigas nem sempre precisam chegar nós “finalmentes” para serem interessantes. Vettel e Bottas andando no limite, brigando por cada décimo a corrida toda, o mesmo para Alonso e Massa…lindos.

    O ponto baixo do meu dia foi uma discussão com os guardinhas da entrada do setor Q, reta oposta. Os caras me fizeram jogar um protetor solar novinho no lixo. E um monte de gente tb. Com o argumento de que poderiam ser jogados na pista. Embaixo daquele sol, uma sacanagem enorme essa atitude. Fdps.

  26. Wanderson Marçal disse:

    Com DRS, estratégia diferente de pneus e motor novo a “remontada” do Hamilton não teve nada de espetacular. Espetacular foi a do Schumacher em 2006, tocando roda com um pessoal que tava acelerando tudo. Hoje foi absolutamente protocolar até chegar no Kimi. E na ultrapassagem que interessava ele não conseguiu. Seu mérito foi imprimir um ritmo forte sem erros — coisa que dá um pouco da noção da diferença absurda dele pro Bottas, que com o melhor carro nunca ameaçou o Vettel.

    GP nota 6. Na média do que vimos até aqui no ano.

    • Leandro Batista disse:

      Eu estava lá. Eu vi ao vivo o que o Schumacher fez. Nada de DRS. Pra dividir o S do Senna o cidadão teria de sair colado no carro da frente depois da junção. Hoje não tem como defender a posição contra um piloto que vem de trás com 30km/h a mais de velocidade…

  27. Evandro disse:

    Terminou….agora começa tudo de novo. Todos os brasileiros que lá chegaram o fizeram às suas custas e seus sacrifícios, portanto não adianta exigir um incentivo ao esporte. Nunca houve, nunca haverá. Talvez surja alguém, mas ano que vêm não será então vai ser preciso muita inventividade para garantir um mínimo de audiência que deverá migrar definitivamente para a tv paga. Felipe fez a parte que lhe coube, que lhe cabia e que teve a capacidade de fazer. Ponto. Muito obrigado. Agora vamos nos conformar com o que virá. Gosto de carros, corrida e de F1 então quero ver onde vou depositar minha torcida ano que vêm. Acho que Hamilton, não é bobão, trabalha pesado, curte bastante, gosta de carros e de cachorro.

  28. Marcelo disse:

    Flávio, acho que faltou falar um pouco da corrida do Ricciardo. Corridassa também e ao contrário de Hamilton, para ele a vida é fácil mas nem tanto assim. Ele fez ultrapassagens bem agressivas, corre muito!

  29. Bola da Vez disse:

    E se surgir uma vaguinha na Sauber. Será que ele volta?

  30. Marcos Roberto disse:

    Bottas empolgou no começo do ano e agora chega a dar raiva nem tentou passar o Vettel. Muito fraco.

  31. Edison disse:

    Anitta, tem como não gostar dela? Um espetáculo.
    Quanto ao nome dos textos (vende a mãe ) achei bastante ofensivo. Gostei.

  32. Ferrarista disse:

    Sinto dizer mas o fim da F1 no Brasil está decretado. Ano que vem a audiência no Brasil será extremamente baixa e logo logo a Globo deixará de transmitir as corridas de F1, assim como fez com a Moto GP. O Massa poderia ter dado um fôlego a mais para o Brasil continuar na F1, mas infelizmente aquele acidente de 2009 lhe trouxe um azar terrível e no pacote veio o Alonso junto… Se não fosse por aquele acidente, o Kimi não teria sido dispensado e o Alonso não teria ido para a Ferrari em 2010 e certamente o Massa teria disputado o título com o Vettel naquele ano… Podemos dizer que aquela mola do Rubinho decretou o fim da F1 no Brasil… Triste fim para um país que já teve Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna.

    • Wanderson Marçal disse:

      Alonso assinou contrato com a Ferrari em Dezembro de 2008. Antes do acidente. E duvido muito que o grosso da audiência da F1 hoje se dê por conta do Massa, um piloto que há um bom tempo só faz número no grid. Menos.

    • Fabio disse:

      Acho que será ótimo se a Globo deixar de transmitir a F1. Daí fica só com o SporTV que manja muito mais do assunto. Gosto mais do pessoal de lá.

  33. Paulo Pinto disse:

    Vettel perdeu a pole mas ganhou a corrida. Abriu 22 pontos em relação a Bottas, restando 25 em jogo. Basta um oitavo lugar para garantir o vice, mesmo que o finlandês vença.
    Isso acontecendo, Vettel será o primeiro piloto não-Mercedes a quebrar a hegemonia das dobradinhas dos pilotos mercêdicos, que ocuparam os primeiros lugares nos Mundiais que dominou até agora.
    Lembrando, também, que o alemão foi o único piloto não-Mercedes a liderar o Mundial nos últimos quatro anos, num total de 11 GPs.

    • McLaren-12 disse:

      O segundo é o primeiro dos últimos. Ninguém se lembra, ninguém se importa, ninguém faz coleção de miniaturas dos vice-campeões do mundo. Exceto os tarados por salsichão e alemão.

      • Pangaré 14 disse:

        O segundo é o primeiro dos últimos. E o décimo-quinto é o quê, Sennafredo?

        Hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha!

      • Segafredo disse:

        Pinto………deixe de implicar com o colega Mclaren-12, senão logo logo vc fica sem mais ninguém pra implicar alem de eu, kkkk.

        Pela enésima vez…………….eu não sou ele, ele não é eu! Só compartilhamos do mesmo ponto de vista, ok?

      • Paulo Pinto disse:

        Eu não implico. Gosto de interagir e me divertir.
        Vocês postaram dois comentários seguidos em um outro post com a diferença de um minuto. Além disso, a redação de vocês é muito parecida.
        Vou dar uma de bobo e pensar que são duas pessoas. Assim você fica feliz.

      • McLata-12 & Sennafredo disse:

        Pinto… pela primeira vez você raciocinou com presteza e fico feliz por isso.
        Eu só não entendi de onde você tirou essa ideia de que eu e o McLata-12 somos a mesma pessoa.

  34. Zé MCZ disse:

    O importante é o show! Show tem que continuar!
    Se o Lewis queria se divertir, então por que fazer a pole?! O que vale mesmo é money!(no idioma pátrio)
    É isso aí Anitta! Amanhã mesmo vou procurar um Gordini!
    Money… É o que unicamente interessa àquele vendilhão, que é capaz de privatizar a própria mãe. Acabe a grana pra ver! Ora! Se não vende!…
    FDP!
    É xô!

    Tá decretado! O Lewis Hamilton é o atual MELHOR PILOTO DE TODOS OS TEMPOS!

  35. Eduardo Britto disse:

    Gente, foi impressão ou a Globo perdeu o momento da bandeirada final em Interlagos? Achei uma falha bisonha de transmissão…

    • Paulo Pinto disse:

      Na volta final, não se sabe porque, o Galvão falou que ainda faltava mais uma volta. E quando Vettel cruzou a linha de chegada, vencendo, o narrador disse que o alemão mereceu o vice, sendo que o vice ainda está em jogo entre Vettel e Bottas.
      Nessas ocasiões, o maior narrador do Brasil (na minha opinião) deveria solicitar os comentários do Reginaldo Leme. E deveria, também, se aposentar (na minha opinião).

      • Alexandre disse:

        O galvão como sempre falou mais que devia, e não deixava o Burti (ou ele não estava ouvindo) as transmissões de radio dos pilotos, sou mais os caras e transmissão da Sportv…quando este canal colabora cumprindo respeitando a programação e colocando os vts de corridas em horários em todos possam ver!

      • Eduardo Britto disse:

        Assisti só as 10 voltas finais, e nesse período a Globo não mostrou um instante sequer o líder Vettel… Até na bandeirada de chegada não deu pra ver direito o vencedor… Não sei se por culpa do Galvão ou da equipe que fica por trás dele, a transmissão do final da prova foi confuso e desinformativo…

      • zempa disse:

        Teve um momento em que o Galvão chamou o Hamilton de Emerson…

      • wilchaia disse:

        o mais chato do brasil voce quer dizer

      • Celso disse:

        É pq se perdeu no meio da babação ao Felipe Massa.

        Dia desses o Reginaldo, na SportV, nem percebeu que o treino havia acabado. Ficou lá, esperando a volta do Hamilton.

    • Gus disse:

      Deram uma bela vacilada…mas também: os dois primeiros não polarizaram uma grama de atenção, e emoção.

    • Amaral disse:

      Não chegou a perder, só falaram logo depois.
      Mas ficou aquela coisa de “ah, que se dane a chegada”, já que ali na frente estava tudo definido.
      Queriam saber se o Hamilton tentaria um ataque suicida e improvável sobre o Raikkonen ou se o Alonso tiraria cavalos do motor do nada pra subir a reta mais forte que o Massa, o que não conseguiu a corrida inteira.
      Claro que nada disso aconteceu, aí eles anunciaram o óbvio quando o alemão já tinha passado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>