MENU

domingo, 29 de abril de 2018 - 23:35F-1

BAKU DE QUEM? (3)

batidabaku

RIO (tarda, mas não falha)Desta vez, a sorte soprou para Hamilton. A corrida que ele menos mereceu vencer, e que teve tanta gente digna de aplausos — Bottas, Raikkonen, Leclerc, Sainz Jr., Stroll, Alonso… –, acabou caindo no seu colo graças à pequena tragédia pessoal de seu companheiro de equipe, que teve um pneu furado a duas voltas do final. Eram os momentos derradeiros de um GP muito doido em Baku, e Bottas já se imaginava lépido e faceiro no degrau mais alto do pódio quando passou por um pedaço de carro quebrado no asfalto e estourou seu pneu direito traseiro.

Antes disso, um incidente doméstico mudara o destino da prova do Azerbaijão, que parecia destinado a Vettel, líder da largada até a parada para troca de pneus, na volta 31. Voltou em segundo, mas Bottas, que esticava o primeiro stint até onde desse, teria de parar também e logo as coisas voltariam ao normal para o ferrarista.

Mas em Baku não é de bom tom apostar na normalidade. Um pouco mais atrás do trio Vettel-Bottas-Hamilton, que puxava o trem dos primeiros colocados, Verstappen e Ricciardo vinham se esfregando a corrida inteira na luta pela quarta colocação. Tocaram rodas, trocaram de posição, a tensão se sentia no ar. Mas a disputa se dava dentro dos limites aceitáveis de civilidade.

Isso até a volta 38, quando Ricciardo, depois de finalmente passar o parceiro, fez sua troca de pneus. Verstappen parou na volta seguinte e, surpresa!, saiu dos boxes à frente de novo. O australiano, então, perdeu a paciência. Na volta 40, na freada para a curva 1, embutiu na traseira do jovem Max, que se defendeu, na minha visão, de maneira legítima. Só que Ricciardo não conseguiu brecar e encheu a traseira do garoto, levando a Red Bull a um abandono duplo doloroso para o time.

Aqui, um parêntese. Os pilotos evitaram se xingar publicamente e a equipe falou em “acidente de corrida”, garantindo que eles são livres para brigar como quiserem, desde que isso não se repita mais. O único a cuspir marimbondos foi Helmut Marko, que esbravejou contra o que chamou de “ausência de cérebro” de seus meninos. Ricciardo se desculpou com a equipe. Max falou que essas coisas acontecem quando a refrega é intensa.

Bem, o fato é que por conta da batida o safety-car foi acionado na volta 40, pela segunda vez na prova. A primeira fora logo na largada, graças a duas batidas: Raikkonen com Ocon e Alonso com Sirotkin. No caso da primeira, o piloto da Force India abandonou e Kimi teve de fazer um pit stop prematuro, trocando o bico e caindo para último. Sua recuperação foi notável, como se verá adiante. Na segunda, o russo da Williams ficou pelo caminho e Alonso teve dois pneus do lado direito furados, conseguiu chegar aos boxes, trocou tudo que podia e, “em nome da honra”, como disse, voltou para a corrida e terminou em sétimo dizendo que foi a melhor prova de sua vida. “Poucos pilotos insistiriam em continuar com o carro todo arrebentado daquele jeito”, se auto-elogiou.

Voltando à panca rubro-taurina, o safety-car permitiu que muita gente fosse para os boxes colocar pneus ultramacios para a fase final da prova, e quem se deu bem foi Bottas, que fez sua única parada nesse momento e se manteve na liderança porque Vettel parou, também. Quando a prova estava para ser reiniciada, na volta 43, uma presepada de Grosjean fez com que o carro de segurança se mantivesse na pista até a volta 47. O francês da Haas, que fazia uma corrida brilhante, de último para sexto, bateu sozinho quando ziguezagueava para aquecer pneus. Houvesse um buraco no chão para se enterrar ali, Romain entraria nele, de vergonha.

Na relargada, foi um pega pra capar. Como a enorme reta dos boxes de Baku oferece muito vácuo, Vettel tentou uma manobra suicida e foi para a ultrapassagem sobre Bottas na curva 1. Fritou os pneus, errou a freada e caiu para quarto, sendo ultrapassado por Hamilton e Raikkonen. Seu pneu ficou quadrado e ele ainda perderia uma posição para o surpreendente Pérez. Aí, a duas voltas do fim, estourou o pneu de Bottas e Lewis herdou a ponta para ganhar, talvez, a corrida que menos mereceu na vida.

Kimi, que tinha se estrepado na largada, foi o segundo e Pérez levou a Force India ao pódio, seguido por Vettel, Leclerc, Sainz Jr., Alonso, Stroll, Vandoorne e Hartley. Não, você não leu errado: Charles Leclerc, da Sauber, ficou em sexto, com uma atuação espetacular, fazendo seus primeiros pontos na F-1. Hartley também pontuou pela primeira vez com a Toro Rosso, e o oitavo do riquinho Lance tirou a Williams do zero na temporada.

Foi a 63ª vitória da carreira de Hamilton, que já não sonhava com ela desde a volta 23, quando precisou trocar pneus mais cedo que todo mundo por conta de uma travada de rodas que acabou com sua borracha, comprometendo qualquer chance que eventualmente tivesse de alcançar Vettel. Mas o safety-car mudou tudo, e quando se recebe uma chance dessas de bandeja, o melhor a fazer é aproveitar — não sem antes fazer questão de dizer que quem merecia, mesmo, era Bottas.

Com o resultado, Lewis, que ainda não havia vencido no ano, assumiu a liderança do campeonato com 70 pontos, contra 66 de Vettel. O alemão lamentou o pódio perdido, mas não se arrependeu de tentar passar Bottas na relargada final. “Era uma chance que eu tinha, óbvio que deu errado, mas eu precisava arriscar alguma coisa”, falou. Bem, é uma forma de ver a vida. Se tivesse ficado quietinho em segundo, talvez a vitória caísse em seu colo, não no de Hamilton, quando o pneu de Valtteri foi para o espaço.

Mas o “se” não corre, como se diz. E, no fim, novamente graças ao imponderável — no caso a batida de Ricciardo e Verstappen –, mais uma corrida desta temporada maluca virou de cabeça para baixo quando uma reviravolta parecia improvável.

Que seja assim até o final do ano. Gostamos do imponderável.

137 comentários

  1. Paulo Pinto disse:

    A Red Bull pode ser a terceira força em termos de disputa nas pistas e nos campeonatos, mas é a primeira força em batidas e porradas.

    São muito bons nisso, a tal ponto que não batem só nos outros. Batem um no outro, também.

  2. Giovanni Baffodionza disse:

    Será que só eu achei que o Grosjean (da equipe satélite da Ferrari) bateu de propósito no muro, durante a bandeira amarela, no final da corrida? Faltavam ainda 9 voltas, e logo o safety-car sairia. Aí, O Hamilton (ou o Botas) poderia atacar o Vetel e levar a vitória. Com a pancada (estranha muito estranha, especialmente considerando a larga experiência do Grosjean), a retomada da corrida ocorreu faltando apenas pouco mais de 3 voltas. Ora, não interessa à FIA mais um ano de reinado do Hamilton (isso, até as pedras da calçada já perceberam faz tempo). E houve o precedente da primeira corrida, na qual OS DOIS carros da Haas tiveram parafuso solto (nas rodas, na cabeça dos diretores da escuderia, e na dos velhotes que tomam as decisões durante a disputa, lá na sala de controle, mas devem estar míopes e surdos). Tudo muito, mas muuuito conveniente mesmo. Hoje, quem manda em tudo é o interesse financeiro, mas na F1 nem se tenta disfarçar, a coisa é escancarada, e só não vê quem não quer.

  3. Luiz disse:

    Verstappen parece uma espécie de Gilles Villeneuve da era moderna da F[ormula1. Muita velocidade e uma ousadia que beira a irresponsabilidade.

  4. Mansell disse:

    Max culpado. E a Mercedes deve ter levantado as mãos pro céu quando Bottas furo o pneu… o segundo piloto na frente do primeiro? Iria ser um problemão…

  5. João Reis disse:

    Concordo com o modo de pensar do Vettel. Ele tomou a decisão correta com as informações que tinha no momento. Ele não sabia se estaria tão próximo do Bottas de novo, obviamente não sabia que o finlandês se estreparia sozinho e, obviamente também, não sabia que daria tão errado. Imagino que na cabeça dele o pior que poderia acontecer era não passar e manter o segundo lugar. Por isso, pra mim, fez o certo, mas deu errado.

    • Anselmo Coyote disse:

      Não curto esse alemão que comemora efusivamente as vitórias que a Ferrari constrói para ele como se tivesse algum mérito. Com o canhão da Red Bull e o multi-21 nem é preciso falar nada.

      Porém, enquanto ele não tiver uma bola de cristal dentro do cockpit o que ele tem de fazer é o que fez na corrida.

      A imprensa tem de falar qualquer coisa. Papel em branco não é jornal. Se ele tivesse acertado estariam babando com a excelente vitória. E se não tivesse tentado estariam babando mais ainda dizendo que devia ter atacado.

      Ele fez o certo e ponto final.

      Abs.

    • Segafredo disse:

      Puta que pariu……………………ninguém consegue enxergar que a manobra do Schukrute não foi uma tentativa de ultrapassar Bottas?? Ele estava se defendendo de Hamilton por isso perdeu o ponto da freada, ou seja, sempre que pressionado erra!

  6. Bola da Vez disse:

    O pessoal aqui está acusando o Max, mas os comissários não viram assim. Se vissem, puniriam o garoto mais uma vez!

  7. CHAGAS disse:

    Hulkemberg começou a prova em ritmo alucinante, largou em 14º e logo já estava chegando no Sainz para lutar pelo 5º??? Obviamente estava querendo fazer mágica, errou feio, estampou o muro. Falha fatal porque Alonso não erra assim e mesmo não tendo carro a altura da Renault vai acumulando pontos nessa luta pelo sétimo posto neste campeonato. Hass ridícula nessa prova. Bottas…… barbaridade homem azarado, um pedacinho de carro tirar a vitória e pelo amor de Deus sete voltas com SC e povo do Azerbaijão não limpa a pista direito? Outra coisa importante foi entrar o SC na batida das Red Bull, como os carros ficaram uns 15 metros longe da pista, não teria necessidade disso, bastava o VSC. Ao meu ver acidente tolo, que poderia ser evitado por ambos, Verstapen fez dois movimentos mas foram muito leves, e o Ricciardo que teve tempo de frear poderia tirar o carro, mas deu uma de “louco” acho que pra mostrar um pouco de frustração com sua posição atual dentro da equipe. Agora uma corrida com Stroll e Hartley pontuando tem que ser uma corrida maluca. Palmas pra Leclerc.

    • zezinho disse:

      Tinha tempo de frear não amigo, ambos estavam no fim da reta e o vácuo é cruel, o travamento da rodas indica que não tinha que fazer. Se o Ricciardo tira pro lado de fora naquela velocidade era capaz de rodar e se tivesse sorte, ido parar na área de escape.

    • CHAGAS disse:

      Uma coisa é uma coisa. Outra coisa é outra coisa. Bottas levou a pior e isso acontece em corrida. Para mim não teria de ter SC mas já que teve meu salientei que o trabalho foi mal feito. Se fosse bem feito limpariam a pista direito.

  8. Filololo disse:

    Imponderável de Almeida, grande personagem de um magnifico escritor, Tenho pena do GOSTWRITER que esta escrevendo para o Gomes. Esta esquecendo dos apelidos, pô!

  9. Marcelo disse:

    Impressão minha ou a Ferrari não tem estratégia a não ser esperar para ver o que a Mercedez faz e copiar. Porque não colocou o Ultra macio para o Vettel na parada dele. Apesar do carro melhor a Ferrari está dando sorte quando está ganhando. A red Bull e a Mercedez tem estrategistas bem melhores.

    • Segafredo disse:

      E tem outra….na parada do SafetyCar se o Schukrute continuasse com os pneus amarelos ganharia a corrida igual!

    • Ron disse:

      Acho que a estratégia da parada do Vettel foi a de “marcar” o Hamilton, acreditando que o Bottas fizesse o mesmo (lembrando que o Massa sugeriu que a Mercedes deveria arriscar o ultra-macio pelo pouco de voltas que faltava). O final da corrida sem a batida das Red Bulls provavelmente seria uma perseguição do Bottas ao Vettel: sairia dos boxes uns 10s atrás, de ultra-macios e faltando umas 10 voltas.
      Com a entrada do safety car, a Ferrari perdeu a vantagem sobre o Bottas em relação ao pit stop (da mesma forma que ganhou sobre o Hamilton na Austrália) e preferiu não arriscar o Vettel a ficar de macios até o fim contra o resto dos carros de ultra-macios.

      • Segafredo disse:

        Mas o alemão não precisava entrar no boxe……..ficaria em primeiro de pneu amarelo!

      • Ron disse:

        Se não tivesse acontecido o safety car das Red Bulls, eu concordo que não precisaria.
        Ocorrida a batida, se ele não entrasse para trocar os amarelos, teria que suportar a pressão de carros rápidos que estariam de ultra-macio (no mínimo, as duas Mercedes e talvez o Raikkonen). Eu não tenho acesso ao Live Timing, mas é capaz de que o Vettel, mesmo não entrando no box, ainda saísse atrás do Bottas devido à desvantagem de tempo (acho que uns 12-13s em ritmo de corrida) e à velocidade reduzida do SC.

      • Segafredo disse:

        Ta certo….teria a desvantagem de velocidade. Bottas ainda sairia a frente acho.

    • Anselmo Coyote disse:

      Exato. A Mercedes está acumulando azares e problemas com o carro, mas está lá. Bastou uma vitória do Hamilton para assumir a ponta da tabela. E que continue assim, sem imponderáveis, com a Mercedes à frente e a Ferrari no pelotão da merda brigando com a Red Bull. Se bem que eu gostaria que Ricardo e Max chegassem mais perto para brigar com a Mercedes e que a Ferrari ficasse lá brigando pelo 6o lugar com quem aparecesse.
      Abs.

  10. Thiago Azevedo disse:

    A culpa foi do Verstappen.
    Ele não pode ficar mudando de linha o tempo todo. Quando ele voltou a frente do Ricciardo, este perdeu pressão aerodinâmica e o carro não freou.

  11. Ron disse:

    Vitória mais sem merecimento do Hamilton e azar grande do Bottas.
    Vacilo monumental do Grosjean e grande resultado do Leclerc.
    Com o Verstappen mudando de lado não dá. O vídeo da câmera onboard dele, que começa aos 0:31, mostra as variações na direção (é só colocar o cursor do mouse em cima da linha da pista à esquerda). O Ricciardo vem de asa aberta, faz o drible direita-esquerda (conseguindo o espaço para um “mergulho”), leva a fechada e ainda trava roda antes de bater. https://www.youtube.com/watch?v=36YFQTFzZwU
    Boa participação do Massa na transmissão (apesar de também ter ido bem, tive a impressão que o Burti ficou se sentindo meio ameaçado). Algumas vezes a equipe da emissora oficial fica conversando sobre algum assunto (que até pode ser importante), mas parece que esquece de olhar a corrida e acaba perdendo algum detalhe (por exemplo, na hora que o Verstappen saiu dos boxes na frente do Ricciardo, quem percebeu foi o Massa).

    • Elcio disse:

      Concordo plenamente!!
      Verstappen muda duas vezes o sentido!!!
      Pela câmera do Ricardo da pra ver claramente!!!!

      • Anselmo Coyote disse:

        Segundo o regulamento ele pode mudar de posição uma vez para defender a posição e outra vez para fazer a tomada da curva se for preciso.
        O que não pode fazer – e isso é novo no regulamento – é mudar a trajetória para qualquer lado depois que iniciou a frenagem.
        Abs.

  12. Elcio Roberto Duarte disse:

    E pensar que o Bottas estava ganhando a corrida e passando o Hamilton na classificação!!!
    Fincando a dois pontos do Vettel!!!
    Tem que beber muita cerveja mesmo!!!!

  13. Eduardo_SC disse:

    Sinceramente os dois pilotos da Red Bul, foram patetas. Mas como o Max está com o filme queimado, ele que deveria vira uma p*ta e deixa o Roccardo passar lotadona reta.

  14. Mônica disse:

    O meu gatão derrotou o Daniel Riccardo no ano passado e vai fazer o mesmo este ano. Não sei porque ficam dizendo que esse piloto, só porque ganhou umas corridinhas na sorte, vai para o lugar do meu gatão.
    Claro que não!

  15. Fábio Mandrake disse:

    Nova Zelândia não pontuava desde Jarama 1976 com Chris Amon e Mônaco desde Monte Carlo 1950 com Louis Chiron. A Williams está mesmo parecendo que vai levar um “pau” das outras equipes, triste isso.

  16. cesar disse:

    Cara, esse campeonato está tão louco que era pro Bottas estar na liderança…

  17. Segafredo disse:

    Essa história do Schukrute dizer que tentou passar o Bottas é balela de amarelo, kkkkk todo mundo viu que ele quis defender do Miltão e acabou atrasando-se na freada. Por dentro ele levaria o Xis do Finlandês.

    #pilotinhofakedemerda

    • Paulo Pinto disse:

      Preste atenção nos efeitos, “viúva” fanática e “alonsita” derrotada:

      Se Vettel tivesse passado o Bottas naquela tentativa, o pneu estourado iria ser o do alemão.
      O que parece ser um mal, acaba sendo um bem.

      #VocêSabeQuemAcabouComAlonso?

  18. Edu disse:

    Pela imagem onboard dá para perceber o movimento ligeiro do Verstappen mudando para a direita, é sutil e não é a primeira vez que ele faz a manobra, mas o moleque é bom o futuro da F1? Não mesmo!!! Continuam passando a mão na cabecinha do holandês, o Ricardão risonho errou, sim ! teve sua parcela de culpa, pneus frios e freios frios todos estavam reclamando da falta de aquecimento e aderência, mas mais uma vez o garoto futuro da F1 faz das suas, são quatro corridas e ele aprontou em todas, hora de rever o futuro!

  19. Rafael Friedrich disse:

    A frase mais antiga da Fórmula 1: Sorte de campeão. Bottas tem menos este ponto no seu sonho de ser campeão. C”est la vie em homenagem a Leclerc.

  20. Herbert disse:

    O Vettel poderia ter ficado em segundo, mas isso não é instinto de um grande campeão. Um grande campeão sempre busca a vitória mesmo que para isso possa arriscar sua corrida, prefiro um corredor assim do que um medroso que sempre aguarda os outros quebrarem para ganhar posições

    • valmir lopes disse:

      Concordo, isso faz as corridas serem boas.

    • Anselmo Coyote disse:

      Tem hora para recuar e hora para atacar. Trocar as bolas é burrice ou covardia. Era hora dele atacar e ele atacou. Se não tivesse atacado estariam dizendo que devia ter.
      E outra coisa, como bem observou um comentarista aqui no blog: se ele tivesse à frente do Bottas seria o pneu dele a furar.
      Abs.
      PS. Esse alemão não é 30% do que dizem que é. Para início de conversa com um carro muito superior à Mercedes e depois de liderar por 13 corridas ele perdeu o título.

  21. Igor disse:

    O Verstappen em uma das ultrapassagens de Ricciardo deixou o carro, “sem querer”, tocar no outro, espremendo ele no muro. Na hora da batida, o cara está vindo a 300 por hora e o Verstappen fez um movimento pra direita, mesmo que leve, e depois outro pra esquerda. Não tem como não acertar a traseira dele desse jeito. Mas teve quem entendeu que foi de corrida, porque não foi brusco…

  22. Joao Rodrigo disse:

    Tive a impressão que o MAX mudou duas vezes de direção na defesa contra o Ricciardo… não é a primeira vez que ele faz isso e nem a primeira vez que resulta neste tipo de acidente… visivelmente ele deixa o carro ir para a direita quando Ricciardo inicia a manobra e volta para a esquerda quando percebe que será ultrapassado… isto já no meio da reta…

  23. Thiago disse:

    Acredito que o Max foi errado sim. Essa manobra dele é desleal e extremamente perigosa. Fazer isso com um companheiro de equipe é pior ainda. Riccardo teve toda a paciência do mundo para fazer a ultrapassagem. Além disso, a Red Bull sacaneou o Riccardo na parada de box. Enfim, Max é o menino mimado e a Red Bull só piora a situação.

  24. Alfredinho disse:

    Alguém tem que avisar aos pilotos da equipe das latinhas, que os carros de Fórmula-1 não são carrinhos de “bate-bate” de parque de diversões.

  25. valmir lopes disse:

    Piquet conseguiria passar tranquilo, e por fora.

  26. José Luiz disse:

    Só discordo da defesa “legítima” do Verstapen, Como pode ser legítima se mudou de direção duas vezes ao ser atacado? Não existe mais a regra de que só pode mudar uma vez?

    • Joao Folda disse:

      Penso exatamente igual. Não há como concordar com os que querem “dividir” a culpa com o australiano. A regra é clara.

      Se não existissem regras e a defesa da posição fosse um “vale tudo” , ´claro que nem Ricciardo nem ninguém arriscaria passar Verstappen ali.

      E possivelmente em lugar nenhum .

      E essa estória de que o holandês fez um “movimento sutil”… por favor né ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>