MENU

quarta-feira, 18 de abril de 2018 - 18:26Dica do dia

DICA DO DIA

RIO (demais!) – Quando a gente acha que já leu ou ouviu todas as histórias possíveis sobre Ayrton Senna, o Glauber Carrico manda este link do “Motorshow” com texto assinado por Douglas Mendonça sobre episódio que eu desconhecia completamente — e creio que muita gente, porque não me lembro de ter visto nada sobre o assunto mesmo nas biografias mais detalhadas do piloto.

Resumindo (porque tem de ler o texto todo), no final de 1988 o Banco Nacional resolveu dar de presente ao mais novo campeão da F-1 um Gol GTi, que era o esportivo mais foda do país na época. Para isso, encomendou o modelo direto à Volkswagen.

A montadora se cercou de todos os cuidados possíveis para entregar a Senna um carro impecável, mas quando ele estava sendo preparado aconteceu um acidente: o bichinho caiu do elevador e deu perda total.

Outro exemplar foi providenciado, claro, e finalmente entregue a Ayrton — a foto, histórica, registra o momento.

Consta que ficou com a família até 1996. A grande pergunta é: por onde será que anda esse carro? Seria um achado e tanto.

gtidosenna

23 comentários

  1. Sergio Balbino disse:

    Lembro de uma quatro rodas antiga que eu tinha, lí uma reportagem sobre arrancada em Interlagos e lembro que no canto da página existia um “bate papo” com o Leonardo Senna. Ele era questionado se tinha vontade de ser piloto também e ele respondeu que a mãe não aguentaria dois pilotos na familia, e que ele ele estava em Interlagos com seu Gol GTi Turbo que não tinha concorrentes nas arrancadas.

    Seria este modelo?

  2. Claudio disse:

    Legal que a entrega pelo jeito foi feita na oficina, aparece umas bancadas ao fundo, uma furadeira de bancada, parece ser uma ponteira dupla ali em cima da bancada, muito legal a foto.

  3. Humberto disse:

    Eu não sabia dessa história mas, lendo-a, lembrei-me que certa vez estava na oficina Auto Center (oficina que cuidava dos carros da família Senna), do Zézinho Dirani (pai dos pilotos Danilo e Denis) e este Gol GTi estava lá. Logo chegou o Leonardo Senna e fomos tomar um café no buteco da esquina (eu, o Zé e o Leonardo Senna). Nem dormi direito naquela noite.

  4. KARLO disse:

    Para os privilegiados… um carro feito a dedo.
    Para os mortais… um carro feito nas coxas e com uma lista de racalls inteminaveis.

  5. Luiz AG disse:

    Sei lá é mesma coisa que presentear Bill Gates com um tablet. Ou Erlon Musk com um Toyota Prius…
    Achei meio estúpido, mas é minha opinião

  6. murilo medeiros disse:

    Desconhecia a história!

    Aqui fala sobre os outros tantos carros de rua que ele teve.
    https://www.flatout.com.br/ayrton-senna-fora-das-pistas-os-carros-de-rua-do-tricampeao/

  7. Ricardo Bigliazzi disse:

    O Banco sempre tratou o Senna muito bem e Ele sempre respeitou o que o Banco fez para Ele, acho que existia mesmo uma “divida de gratidão” na relação.

    Trabalhei no Banco Nacional e posso atestar que o Senna fazia coisas para o Banco que estavam absolutamente fora do contrato.

    Trabalhava na Área de Postos de Atendimento Bancário (PAB´s). O Banco era muito forte nesse segmento.

    Lembro de uma convenção nacional da área realizada no Anhembi. No meio da manhã do sábado a programação do evento foi paralisada, lembro do Celso Penteado (Diretor Nacional da Área) anunciando a entrada de uma pessoa muito especial.

    Era o Senna, sempre torci para o Piquet e pude acompanhar o momento com uma certa “distancia emocional”, foi uma catarse. Os mais de 600 participantes do evento entraram numa especie de histeria, acho que acontecia isso com os Beatles, só que no caso deles isso era mais com as mulheres, já com o Senna era com todos.

    Olhava para o Senna e para a plateia, foi muito legal ver a força e a grandeza do ídolo para os seus fãs. Se isso estava no contrato dele? Claro que não, foi apenas para atender um pedido de um grande amigo dele que trabalhava na área de MKT de PAB´s do Banco. Mais ou menos assim: “Cara vai lá, 10 minutinhos, fica bem perto de Santana, quintal da sua casa”.

    O cara foi (junto com a Galisteu), deu o recado e foi o ponto mais alto do encontro. Tão marcante que até um fã do Piquet não consegue esquecer.

    OBS.: Na época tínhamos o PAB da Volkswagen, outros tempos, tempos em que o mesmo possuía mais de 20.000 contas correntes. Tempos em que a Fabrica de São Bernardo do Campo estava completamente ocupada. Aí deve ter história: “Banco, será que Vocês não poderiam convidar o Senna para uma cerimônia em que lhe entregaremos um carro novo que estamos fazendo? Será que Ele topa um convite desses, poderíamos fazer um bem bolado, se Eu pedir não vai rolar, mas com Vocês o Cara topa tudo?”… pura imaginação, porém bem capaz de ter acontecido.

  8. Luiz Fernando disse:

    Ronaldo Berg escreveu sobre esse GTi no site Autoentusiastas em 11 de setembro de 2016: http://www.autoentusiastas.com.br/2016/09/excesso-recomendacao-faz-bem/

  9. Celso disse:

    O Ronaldo Berg, colunista do site Autoentusiastas, publicou em 2016 um relato sobre este episódio interessante com o Ayrton, acessível em http://www.autoentusiastas.com.br/2016/09/excesso-recomendacao-faz-bem/.

    Abs

  10. Leandro Aquino disse:

    Quem lhe entregou o carro foi Ed Rooney, o diretor da escola no filme “Curtindo a vida adoidado”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>