“GP ÀS 10″: A MCLAREN E A INDY | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

quarta-feira, 13 de junho de 2018 - 19:52Gomes, Grande Prêmio

“GP ÀS 10″: A MCLAREN E A INDY

11 comentários

  1. clodoaldo lelli disse:

    já perguntei um monte de vez sobre o porque de tanta fama e tão poucos feitos do alonso e só recebi como respostas os bordões criado por galvão bueno nas transmissão das corridas “o melhor do grid ” ou “o mais completo” esse ultimo me parece o mais mentiroso porque a impressão que tem é que acertar carro ele não sabe olha pro tempo de ferrari sem o massa que não um piloto brilhante mas sabe acertar o carro e como a equipe caiu e voltou a subir com o vettel

  2. Thiago disse:

    A culpa de tudo ( ZIKA ALONSO! )
    foi campeão pela Renault, depois foi para
    Mclaren e viu que não teria privilégios de nº1
    voltou para Renault e foi um fiasco com
    toda aquele historia que todos sabem.
    Foi para Ferrari e não deu em nada, só foi
    sair e tudo melhorou pelos lados italianos.
    A honda saiu e está melhorando no grupo RedBull.
    Será que ele é tão grande piloto assim? ou foi mais
    uma cria de Flavio Briatore?
    Piloto com privilégios ao seu companheiro sempre vai ser mais rápido que o tal!
    quando teve Hamilton no seu primeiro ano de f1 tomou um pau de um garoto!

  3. Rafael Antonio disse:

    O Alonso não quer mais saber do nível de competição, pilotagem e tecnologia da F1. Ele quer saber de corrida de verdade como ele mesmo disse após o Gp de Mônaco.

    Vai em frente cara e vai para a Indy mesmo. 300 gps e dois títulos na F1? tranquilo já brilhou. Quem sabe aconteça com ele algo semelhante que está acontecendo com o Robert Wickens.

  4. moisesimoes disse:

    - Bom fim de semana mesmo, Gomes, eheheh. Começando sobre a Indy, esse novo carro é sim, muito bom. Tem um visual que agrada, com muito potencial para desenvolvimento, é bem seguro, bem técnico e difícil de pilotar. Acho que com os ajustes necessários em médio prazo, será possível andar em fila dupla ou até mesmo tripla em ovais curtos. Os pontos cruciais contra, como sempre, tem sido o calendário curto demais e circuitos que não deveriam constar (como Detroit), incluir outros que não recebem uma corrida há anos (Michigan, Laguna, Sebring) e uma novidade de impacto como uma corrida latina, ou no Japão ou mesmo na Europa. Eu fiquei revoltado com a venda do oval de Lausitzring, palco perfeito pra Indy na Europa e claro, com a destruição impiedosa de Jacarépaguá.
    Poderia ter corrida até na argentina (http://projetomotor.com.br/mais-rapido-que-indy-este-oval-argentino-pertence-a-um-time-de-futebol/).
    Já o aeroscreen está sendo bem sucedido nos testes, um motor mais potente vem aí e tô torcendo pra Toyota ou pra Ford entrar no negócio. A coisa é promissora. No entanto, quem assistiu a última corrida no Texas, viu mais moscas que pessoas nas arquibancadas.

    Chegando no Alonso, ele que se cuide pois a pressão vai continuar. Afinal de contas, muita gente acha que quem sai da F1, dos melhores pilotos, fodásticos etc e tal, tem a obrigação de não apenas vencer, mas ser campeão da categoria. E pro povão, a Indy só tem gente que sabe virar o volante pra esquerda.
    Hoje ele está no meio termo. Quer provar sutilmente que ainda está no auge da forma, que pode vencer, que é competitivo, que pode ser campeão, que é um talento desperdiçado, que a F1 tá uma merda, que é uma competição de equipes, do melhor motor. E com alguma proporção, ele até está certo nisso tudo, mesmo sem nada a provar, ainda mais surfando na onda do momento, bem aceita, que é o chatismo das corridas da F1, da mesmice dos resultados.
    Michael Andretti vai gostar. Roger Penske aprova. Gil de Ferran curtiu. É positivo tê-lo como um cara que está afim de disputar com “qualquer um” no braço numa competição mais nivelada, e que vai dar alguns números a mais, nem que seja de curiosos, à categoria americana. Profissionalismo, a Indy já tem melhorado e muito, especialmente depois daquela temporada horrorosa de 2012, com Barrichelo (até Alesi na Indy 500) e tudo mais. Prova de que ter um ex-F1 nas tomadas de tempo não significa sucesso. E ninguém mais quer ouvir “Lotus”por aquelas bandas.

    Quanto ao que deve preocupar muita gente – eu – é ele levar umas porradas dos “rockies”, reclamar das punições e bandeiras amarelas, pedir pra ultrapassar companheiro de equipe e sair falando mal da Indycar. Isso, não. Cair na tentação de não saber comparar a F1 com a Indy é coisa que “hater” sabe fazer como ninguém. E eu ia esquecendo: tomar uns banhos de sal grosso, pois o carro é “open wheels”e o motor pode ser Honda.

    Desculpa pelo comentário grande demais. Boa Copa, bom trabalho.
    Vou torcer pra Bélgica.

  5. Danir disse:

    Olá Flavio Gomes, parece que começo do verão está um pouco frio por aí. Não sou fã do Alonso, mas concordo que é um grande piloto. Dito isto, penso que não é tão errado ele se engajar em uma experência na Indy. A diferença de tecnologia existe, mas no que diz respeito a pilotos, não é qualquer um que pode estar no topo e em algumas situações, a competitividade é maior do que na F-1. Voces já imaginaram uma Sauber lutar de igual para igual com uma Mercedes ou Ferrari? Na Indy isto é possível e não é raro de se ver. Os americanos gostam de dar oportunidades iguais para os pilotos,(via regulamento) para avivar a competição. Embora pela logica os melhores se sobressaiam como de costume. Na minha opinião o que está faltando na Indy, é melhorarem o desempenho nas ultrapassagens, com algumas modificações aerodinâmicas e aumentarem o número de ovais. Acho esta história de push to pass ou asa móvel uma …erda. É nos ovais que a Indy se diferencia e não é qualquer um que consegue ser bom num oval.. No mínimo o Alonso vai chamar a atenção do mundo europeu para a Indy.

  6. Alex disse:

    Confesso que também não vejo muita graça na indy… Perdeu muito depois que houve aquela divisão entre indy e irl e nunca mais voltou a ser a mesma coisa.
    Se eu fosse o Alonso parava de vez…ia pra casa. Ganhou rios de dinheiro, já foi campeão duas vezes…tá bom assim.
    Podia ter ganho mais? Podia. Mas podia acontecer tanta coisa ruim também. Taí o Kubica para provar.

    • Edu Ed disse:

      Com todo respeito, então você não entende a “cabeça de piloto”. Em relação a Indy, pessoalmente estou gostando muito da atual temporada. Principalmente as corridas em oval, tendo o novo pacote aerodinâmico eliminado o chamado “pack racing”.

    • Ricardo Bigliazzi disse:

      Concordo contigo, já deu o que tinha que dar na F-1, a sua “famosa velocidade” já não é atributo suficiente para atrair as equipes de ponta.

      A “famosa velocidade” só não é um atributo maior do que sua extraordinária capacidade de não agregar valor algum a um time. E todos os times grandes da F-1 conhecem muito bem isso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>