HONDA-BULL | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

terça-feira, 19 de junho de 2018 - 10:36Sem categoria

HONDA-BULL

MOSCOU (veremos)E a Red Bull confirmou hoje que vai de Honda em 2019 e 2020. Depois de 12 anos com a Renault, numa parceria muito bem-sucedida que rendeu 47 vitórias e a penca de títulos de Vettel e da equipe, chegou a hora de dizer adieu.

Já era esperado. Primeiro, porque time e fabricante vêm às turras há algum tempo, desde o início da era turbo-híbrida da categoria. Mas isso se releva, faz parte do teatrinho a troca de farpas daqui e d’acolá. O que aconteceu mesmo foi que a Renault, ao se juntar à McLaren, sinalizou que ela, sim, estava pensando em mudar o rumo. E a Red Bull entendeu o recado. Tanto que dispensou os franceses da Toro Rosso, sua filial italiana, para começar a trabalhar com os japoneses já neste ano. Foi o primeiro e mui necessário contato com a fábrica.

Os resultados não têm sido ruins. O maior problema da Honda nas temporadas anteriores, desde que voltou à F-1 como parceira da McLaren, era a falta de confiabilidade de seu motor. Ele quebrava tanto que nem era possível saber se era bom, ou não.

Aparentemente, não. Quando funcionava, faltava potência. É famosa a frase de Alonso numa corrida que já não lembro mais qual foi, pelo rádio: “Motor de GP2″, disse, em tom de lamento, quando era ultrapassado por alguém.

Parou de quebrar, com a Toro Rosso. Mas há uma certa desconfiança em relação à performance, ainda, em que pese a melhora visível nesta temporada. Para atender às necessidades de uma equipe grande como a Red Bull, a Honda terá de dar um salto de desempenho. Pode acontecer, claro. Os japoneses são reconhecidamente competentes e concentrados em seu trabalho. Não têm muita pressa e fazem as coisas direito, passo a passo.

Ocorre que o mundo de hoje tem pressa. E é por isso que o contrato fechado foi de apenas dois anos. Se não der certo, tchau. Mas tem outro dado aí. A partir de 2021, a configuração dos motores da F-1 muda, e a Red Bull não quer estar amarrada a ninguém quando isso acontecer. Vai estudar as opções disponíveis e tentar entender para que lado o vento estará soprando.

Todo mundo se lembra da Honda — e a admira — pelo período vitorioso com Williams e McLaren nas décadas de 80 e 90 do século passado. Foram anos de glória e conquistas, e seus motores eram disputados a tapa pelas grandes equipes. Não só o hardware — os motores propriamente ditos –, como o software — a capacidade de trabalho, a metodologia e os cérebros dos japoneses.

Os tempos mudaram, o domínio hoje é alemão, mas não se deve desprezar esse “H” aí embaixo, não. Com a McLaren, não deu muito certo, é verdade. Mas é preciso compreender que o momento da equipe também não é lá essas coisas, com saída de Ron Dennis, troca de comando, reestruturação do grupo como um todo. A Red Bull é mais, digamos, “familiar”. A relação será mais próxima e intensa. Pode dar certo.

201861962641_AMRBR_Honda_DR

26 comentários

  1. Alfredo disse:

    É muito provável que dê muito certo.
    O pessoal técnico da Red Bull trabalha de boca fechada, focado enquanto os da McLata falam aos 4 ventos e não produzem nada.
    O interessante é ver os alonsetes mãe Diná já prevendo o fracasso da parceria, até porque se der certo tanto eles como picaretonso vão ter de ficar quietos por umas 2 décadas. O Espanhol provavelmente abandona o barco da F1, pra ir andar, (DE HONDA

  2. Zé Maria disse:

    Já arrumei até “confusão” (óbvio que no bom sentido) com o Victor Martins lá no blog dele, por cismar que, no frigir dos ovos, o que a Red Bull pretende mesmo, são as unidades da Porsche, que todo mundo sabe que estará de volta num futuro próximo.
    É por esse motivo e nada mais, bajular o pessoal de Stuttgart, que puseram o “Porsche Boy” Hartley (fraquíssimo por sinal) na Toro Rosso esse ano, daí que deixam o pangaré se achar piloto de F1 agora em 18 e depois mandam a fatura para os caras, dizendo mais ou menos isso: “Me dá um motor aí!!
    Quem viver, verá.

  3. Francisco Cruz disse:

    Foi no GP do Japão de 2015.

  4. Julio Cesar Gaudioso disse:

    “GP2 Engine!” foi justo no GP do Japão há dois anos .
    Um verdadeiro tapa na cara dos engenheiros nipônicos que passaram (então) 2 anos entregando porcarias para o asturiano. Devolveu no local mais importante para eles (o GP, não nos seus corpos).
    Um projeto que nasceu de um conceito errado (minimalismo dimensional), num período em que as alterações eram proibidas, poderiam ter mudado o rumo antes do inicio dos campeonatos híbridos. Não o fizeram e amargaram os longos fracassos. Pior só na época que tinham equipe, tão ruim que resolveram curtir ali um clima de “paz e amor” simplesmente ridículo. Aparentemente a coisa está mudando, só não se sabe se alcançarão o nível das glorias antigas.

  5. Paulo Pinto disse:

    Verstappen, se for esperto, cai fora e deixa o Canguru Terceirizado (não passa de terceiro nos mundiais) amargar mais alguns anos sem título. O moleque tem o talento e a juventude a seu favor!

  6. Felipe Machado disse:

    Ainda duvido que a Honda dê certo. Se formos analisar a fundo, tirando aquela época de sucesso citada pelo Flavio Gomes, ela nunca mais conseguiu ir bem na categoria.

  7. Alfredinho disse:

    Red Bull Honda, essa eu quero ver!

  8. kalil disse:

    prezado fg,
    por que a honda vai tão mal na f1 e relativamente bem na indy?
    abraço!

    • Cristiano disse:

      O motor da Indy é diferente, não tem tecnologia híbrida e é fabricado nos Estados Unidos pela Honda Performance Development, que faz boa parte dos motores Honda de competição, inclusive fazia pra uns LMP1 e LMP2 anos atrás.

  9. kalil disse:

    salve camarada fg!
    Поздравляем Мать Россия!
    parabéns mãe Rússia!
    causa espécie como a honda vai tão mal na f1 e vai relativamente bem na indy.
    estranho, muito estranho.
    следовать за лидером, Мать Россия!
    объятие

  10. moisesimoes disse:

    - Sorriso no rosto dos haters e das concorrentes, e péssima notícia pra Max e Daniel. Mantendo o que está na equipes e pilotos, Hamilton e Vettel estarão “disputando” o campeonato até 2020. Pois havia uma chance com a Renault e Adrian Newey. E “uma andorinha só não faz verão”.

  11. Danir disse:

    Espero que dê certo. No caso da McLaren, houve muita má vontade e um super dimensionamento do chassi, que na verdade não é tão bom.

  12. Ricardo Bigliazzi disse:

    Bem, com pilotos e chassis de F-1 é provável que a Honda tenha mais sucesso!

    Mais uma que o Sr. Eu não Sabia foi capaz de criar, a falsa lenda que os Japoneses são incompetentes de acertar um projeto.

    Diz o velho ditado que o maior erro que cometemos e menosprezarmos a inteligencia dos outros, nesse caso da HONDA.

    • Thiago Moyses disse:

      Vamos esperar e ver. Está cantando antes da hora. Mesma expectativa criada quando fez a parceria com a McLaren. Mas, sinceramente, acho que essa é a senha para o Ricciardo sair da Red Bull. Não acredito no motor forte no primeiro ano, mas a evolução nesse ano vai dar uma pista.

      • Ricardo Bigliazzi disse:

        Acho que será bem melhor, veja os resultados da Mclarem com um motor de F-1 nesse ano. Não adianta nada ter um dos melhores equipamentos se os pilotos e o time não ajudam.

        O engraçado é que o pessoal da Renault só fala de seu próprio time e da RedBull, chegando ao absurdo em afirmar que até o final do ano vai trabalhar fortemente para o time das latinhas se arrepender da troca.

        As declarações partindo da Renault são muito interessantes pois eles conhecem muito bem onde os seus motores estão instalados e por incrível que possa parecer parecem despejar mais fichas no time da Casa do que na outrora poderosa Mclarem.

        Vale a pena sempre lembrar da declaração interessante do Button dada a algumas semanas atrás, Ele disse que estranha muito “um dos melhores chassis da temporada de 2017″ a demonstrar um desempenho tão pífio em 2018. Pelo jeito não era só motor de F-2, também tinham um chassi de F-2, porém os seus pilotos (de F-2) foram incompetentes em diagnosticar isso.

    • McLaren-12 disse:

      Não sabia que STR liderava o campeonato desse ano…

  13. Pedro Gomes disse:

    Flavio, a Red Bull deveria fabricar o seu próprio motor.

    • DAYTONA RACING disse:

      Pedro Gomes, os caras da Red Bull pensaram nisso, mas quando viram os custos mega altos para se fazer um motor deles mesmos, desistiram.
      É obviamente mais barato ter uma fornecedora de motores.

  14. Paulo F. disse:

    Anos duros para a RB.
    Só com uma revolução em Hamamatsu.

  15. Giulio Mela disse:

    E’ agora que o Ricciardo vai pra Ferrari e o Newey pra Renault…

  16. voulembrar disse:

    nesses dois próximos anos vão se fuder!

  17. Alexandre Neves disse:

    Que aposta! Conforme escrito: “veremos”.

  18. Henrique disse:

    Vem aí um novo desafio pra Honda, que é ajudar a Red Bull a vencer no campeonato e mostrar mais confiabilidade e desempenho em uma equipe grande. Se der errado, Helmut Marko não vai perdoar. O que me chamou a atenção foi o curto período de contrato, justamente pensando na mudança do regulamento e na ciscada que a Aston Martin vem dando na F1. Será que ela vai finalmente voltar a categoria? Já tem uma parceira, já está juntando dados, já está sentindo a energia e exigências de uma equipe com ambições como a Red Bull. Não sei, mas minha especulação faz sentido

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>