“GP ÀS 10″: LEWIS SERÁ O MAIOR? | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

quarta-feira, 19 de setembro de 2018 - 11:53Gomes, Grande Prêmio

“GP ÀS 10″: LEWIS SERÁ O MAIOR?

85 comentários

  1. CRSJ disse:

    Hamilton já é um dos maiores e se a Ferrari e o Vettel continuarem errando assim o Hamilton pode se aproximar do Schumacher até sem fazer muita força.

  2. Giovanni disse:

    Os comentaristas de F1 justificam suas escolhas pelo resultado, só que o resultado é 80% carro. Diziam a mesma coisa do Vettel quando emplacou quatro títulos pela RBR. Desde a década de 90 é muito claro que qualquer piloto top que sentar no melhor carro ganhará tudo até o carro cair de rendimento (geralmente quando muda o regulamento, a cada 5 anos).

    Um piloto pra ser o maior de todos os tempos tem que bater todos os seus companheiros. Hamilton perdeu dois dos três anos que dividiu a McLaren pro Button e perdeu um pro Rosberg, sendo que em dois anos (2013 e 2015) foi melhor que o alemão mais por falta de agressividade do Rosberg do que por ele mesmo.

  3. ms disse:

    por incrível que pareça acho que o maior desafio de hamilton é conseguir “reconhecer” e “administrar” o próprio talento (que, diga-se de passagem, é monstruoso)…..falo isso pq a impressão que tenho é que nem o próprio hamilton consegue dimensionar e avaliar direito o tamanho de sua competência ao volante e por conta disso não consegue se apossar e usufruir em em toda plenitude dessa verdadeira dádiva que Deus lhe deu….. e se por um lado vejo hamilton como uma pessoa muito bem resolvida, fico pensando se por trás dessa incapacidade de reconhecer a extensão do próprio talento e se apossar do mesmo não haveria aí resquícios de algum complexo de inferioridade…….

  4. Claudio Capistrano Jr disse:

    Fala Flávio blz?, sou fã de seu Blog e sempre que possível entro para saber de notícias do mundo do automobilismo, bem como saber da sua opinião nos variados assuntos sobre o tema.
    Acho interessante a sistemática de vídeos a qual você se propôs, acredito que facilita e muito o seu trabalho na hora de fomentar conteúdo a seu blog.
    Por vezes, é possível utilizar fone de ouvido para te escutar por outras vezes não, dessa forma, e claro se você quiser, até porque quem sou eu para dizer como deves conduzir seu blog, poderias utilizar aplicativo que já traduz as suas falas em forma de legenda, facilitaria leitores assim como eu por vezes não consegue te “escutar”.
    Forte abraço.

  5. Gus disse:

    Sim, ele poderá ser o maior de todos os tempos se a Mercedes continuar em estado de graça (e a Ferrari continuar a patinar na estratégia).
    Ele é um baita piloto, esse ano, provavelmente está dirigindo melhor do que ninguém.

  6. LUIS EDUARDO disse:

    Toda vez que surge algum piloto hegemônico – Senna, Schumacher, Vettel, e agora Hamilton, essa pergunta vem à tona. As pessoas tendem a julgar pelos números absolutos, sem relativiza-los pelas circunstâncias. Senna, por exemplo, tem números inferiores por causa da morte prematura. Schumacher foi um grandíssimo piloto, mas foi favorecido porque sua geração não foi das mais brilhantes. E Hamilton corre numa F1 extremamente segura e pouco competitiva, em que a tecnologia facilita a condução e gera um abismo entre as equipes.

    Pra mim não há um, mas quatro maiores, especiais entre os especiais: Fangio, Clark, Senna e Schumacher. Hamilton pode se juntar a eles como um quinto nome. Está no auge da maturidade. Mas não será pelos números que chegará a esse patamar máximo, e sim por uma magia especial, algo dificil de explicar, um carisma que eu vejo nos outros quatro acima. Acho que seu lugar na história está mais pra ficar um degrau abaixo – ao lado de Jackie Stewart, Jack Brabham, Alain Prost, Niki Lauda, Graham Hill, Emerson, Piquet. O que não o desmerece. Todos são inesquecíveis, todos são monstros sagrados.

  7. murilo medeiros disse:

    Acrescentando….

    Hamilton nunca passou marcha na vida, é cambio borboleta atrás do bolante pra não quebrar a unha! Pegou a F1 no momento mais Nutella possível, onde as corridas parecem videogame, e pra ultrapassar tem um botãozinho no volante, assim até eu!!!. Hamilton não vale meio Piquet, quanto mais um Senna!

    Vai dizer que o Hamilton é melhor que o Nick Lauda, que a cada corrida não sabia se voltava pra casa vivo, sofreu um acidente onde saiu todo queimado, pra ser tri campeão!!!

    Hamilton é top 10 depois de muito choro e olhe lá….

    • Flavio Padilha disse:

      Caro Murilo! saudações…
      Você deve ter 13 anos… Pelé jogava com uma bola pesando 1 KG, Ronaldinho uma bola de 450 gramas, hoje as bolas são de plástico, e o melhor é aquele que se supera em seu tempo com o que lhe é oferecido. pronto!
      Lewis tem números espetaculares, corre desde que nasceu, é humilde, adora nosso país e ainda colhe o ódio imposto por uma rede televisiva e seus carrascos. Pô! não conseguem entender como ele é bom, como ele pilota, como ele nos lembra o Senna ? É difícil suportar tanta perfeição? aceite e será feliz…abraços!https://br.motorsport.com/eurof3/video/hamilton-vs-vettel-formula-3-2005/212540/

    • Hector Munhoz disse:

      Requer muita burrice e ignorância acreditar que os pilotos da era do câmbio com alavanca e embreagem eram “melhores” que os atuais. Os carros hoje são absurdamente mais rápidos.

      • ANSELMO JOSE ALVES disse:

        E esse volante parecendo penteadeira de viúva que o cara tem de ficar vigiando a corrida inteira e neles mexer conforme combinado com os mecânicos etc. É um elemento a mais para desequilibrar e comprometer a performance do piloto.
        O que eu acredito é que o sujeito que era bom no passado seria bom hoje e que o sujeito que é bom hoje seria bom se tivesse corrido no passado.
        Mas a F1 é sim um esporte onde se trabalha muito mas que se não contar com uma boa dose de sorte de nada adianta.
        Abs,

    • Gus disse:

      Se Hamilton corresse nos anos trinta, ele também faria barbaridades com os carros de pré-GP, TALENTO não escolhe era para desabrochar, acontece que apenas somos fruto do nosso meio, contingências diferem com o tempo, com a época, mas a essência dos eleitos é imutável.

  8. Brabham-5 disse:

    Melhor que Senna.

  9. murilo medeiros disse:

    O que é ser bom num esporte onde 90% dos resultados advêm do carro e não do piloto? Jacques Villeneuve, Damon Hill, Button já foram campeões porque tinham o melhor carro. Até o Irvine… o Irvine porra!!! Já brigou por um título por que tinha o melhor carro em 99.

    Piloto bom consegue bons resultados com carros ruins. O Senna quase ganha Mônaco de Toleman, Barrichello fez pole de Jordan, o Schummacher venceu de Benneton em 92, o Alonso venceu de Renault meia boca em 2003, o Vettel venceu de Toro Rosso!!!… Esses resultados na minha opinião mostram muito mais do que ser campeão com uma Mercedes quase imbatível.

    Pra mim o Hamilton é um excelente piloto que teve quase sempre o melhor carro em mãos, mas não é o melhor de todos os tempos.

  10. Já passou os grandes dos anos 70 e 80, claro. Mas ainda está atrás de Schumacher, Fangio e Clark, ainda, pois acho que ele termina a cerreira como o melhor de todos os tempos, sim.

  11. Thiago Azevedo disse:

    O Hamilton está guiando demais esse ano. O melhor ano dele, sem dúvidas, pois quase não está errando e está incrivelmente rápido.
    Mas ele já ficou atrás de companheiros de equipe: Rosberg, Button, que embora sejam ótimos, não estão entre os melhores.
    Na minha lista, Senna, Schumacher e Alonso estão à frente dele.

  12. Carlos Pereira disse:

    Depende o critério que você usar. Pode até ser por vitórias, campeonatos, etc.
    Mas só isso basta ???

  13. Danilo A. disse:

    Acho uma besteira enorme tentar comparar pilotos de épocas diferentes. Mesmo a comparação entre pilotos da mesma era já algo difícil de se fazer. Hamilton é realmente melhor do que Alonso? Eu sempre achei que sim, por pouco, mas dá pra argumentar o contrário também.

    Mesmo quando os caras têm o mesmo carro a comparação pode ser difícil – vide Senna e Prost, Alonso e Hamilton, Piquet e Mansell. Eu tenho minhas opiniões sobre cada um desses duelos, mas não é difícil encontrar argumentações em contrário.

    Enfim, esse tipo de coisa é basicamente questão de opinião. A discussão é inócua e interminável. Uma perda de tempo, enfim.

  14. Markonikov disse:

    Sou Hamilton roxo, desde 2007. Torci para ele contra o Massa, briguei até com a muié, lembro bem. Porém, basta ver uma volta do carro do Senna em 1988 e uma hoje … V12, câmbio manual, pula mais que mula picada … é outro nível de dificuldade … veja uma volta hoje, parece um videogame, até o próprio Hamilton reconhece … então não dá para comparar somente por números … isso que estou invocando os anos 80, imagina antes … sempre o último vai ser melhor … basta ver q quando ele e o vettel pendurarem as chuteiras, vai vir um verstappen e enfileirar título em cima de título, assim segue … porém, é inegável que ele é um dos mais rápidos da História mesmo e tem uma paixão que o Vettel não tem … afora que sim, é o primeiro piloto negro da Formula 1, o que torna seus feitos maiores sim, coisa que é tabu falar …

  15. Flavio Padilha disse:

    Que vídeo espetacular….Parabéns!
    Com muita calma e sem ofender os amantes do automobilismo e seus ídolos, a postagem foi baseada em estatística e nos pilotos em questão. Que legal Flavinho! muito bem feita! e criteriosa…
    Claro! não podemos esquecer que cada um tem seu piloto favorito e contestar Senna, Prost, Piquet , Jamais! Clark, o maior de todos e meu ídolo de infância e sua Lotus 49, seria perder o sonho de criança.
    Hamilton é um cara legal, ofendido por 10 temporadas pelo GV, RL e uma covardia com um cara tão legal. Quando ele vem ao Brasil visita o túmulo do Senna, o acha o melhor de todos, mas, seus números , tendem a prosseguir , ser mais uma estatística e não fruto de comparação desse ou aquele… Como Fangio!!!
    Lewis Hamilton! o melhor de todos os tempos…Uma vitória a cada três corridas. Nada Igual!!!! Abs e em especial aos Vetteletes, que foram sugestionados pela RG a torcer contra o 44…

  16. Fábio disse:

    O maior de todos não sei, mas já o considero melhor/maior que o Alonso.

  17. Marcos disse:

    Importante contar o milagre, como também contar o santo…

    Schumacher chegou em uma Benetton que estava sendo reconstruída pelo talvez melhor desenvolvedor de carros que existiu, Nelson Piquet. Junto com Jonh Barnard, estava revolucionando a aerodinâmica da F1 com bicos “altos” que se tornariam os “bicos de tubarão’ em 1991. Piquet venceu 2 provas em 1990 e 1 em 1991. Podemos certamente dizer que a Benetton já era a terceira força em termos de equipe.

    Em 1991, quando o garotão alemão dividiu o box com o Quarentão Piquet (depois de seu acidente em Ímola, sabidamente ficou 1s mais lento), perdeu o duelo nas 5 provas que teve com o desmotivado tricampeão.

    Se olhar Hamilton, sim, teve a primazia de entrar numa equipe top. Porém, de cara, dividiu o time com Fernando Alonso em seu auge, vindo de um bicampeonato e mesmo assim, rivalizou com Fernando e terminou o campeonato à sua frente.

    O que eu admiro em ambos é a capacidade de se manter motivado por anos e anos e anos. Isso sim é louvável!

    • murilo medeiros disse:

      Em 2007 o campeonato terminou com Kimi 110, Hamilton 109 e Alonso 109. Aonde que o Hamilton foi melhor que o Alonso? 109 a 109!!! Ambos vencendo 4 corridas cada.

      • Marcos disse:

        Amigo. Não há “empate” em colocação de campeonato de construtores e pilotos. Há critério de desempate, e neste critério, Hamilton superou Alonso. Ambos venceram 4 corridas, porém Hamilton esteve 5 vezes em segundo lugar e Alonso 4 vezes. Hamilton foi o vice-campeão e Alonso o terceiro colocado no campeonato!

      • Marcos disse:

        Isso, sem contar outro parâmetro importante, polepositions, que é a medição de velocidade pura de um piloto: Hamilton 6 x 2 Alonso

      • Marcelo disse:

        Hamilton = 5 poles
        Alonso = 2
        Por isso, ja dava pra ver a velocidade do inglês
        No mais , era estreiante e alonso já era muito experiente

      • Alberto disse:

        Quando a F1 chegou na Hungria, para disputar a 11ª de 17 provas em 2007, a tabela mostrava Lewis Hamilton com 70 pontos, Fernando Alonso com 68 e Felipe Massa com 58 pontos. Apesar das três vitórias até então, Kimi Räikkönen somava também dois abandonos, um quinto e um quarto lugares e tinha apenas 52 na tabela. Muitos davam o finlandês como carta fora do baralho na disputa pelo título.

        Mas um incidente entre Alonso e Hamilton, que poderia ter sido apenas uma briga caseira, acabaria tendo consequências 10 semanas depois, em 21 de outubro, quando foi disputado o GP do Brasil, a última etapa daquele ano. Um incidente causado pela tradição da McLaren em deixar seus pilotos disputarem livremente na pista. Em 1989, essa atitude acabou em acidente entre Ayrton Senna e Alain Prost em Suzuka e com a saída do francês da equipe de Woking.

        Os dois pilotos da McLaren à época sempre foram fãs declarados de Senna e acabaram repetindo o enredo vivido pelo ídolo de ambos. Hamilton tinha obtido nove pódios — dentre esses, duas vitórias — em suas nove primeiras corridas na F1 e era a sensação do ano. Alonso, contratado a peso de ouro da Renault, sofria com a pressão – estava 14 pontos atrás do companheiro de equipe.

        Em 2007, a McLaren adotou um revezamento nos treinos para definição do grid. A cada corrida, um piloto teria direito a três voltas rápidas e o outro faria apenas duas voltas. Naquele fim de semana, pelo combinado, Alonso teria a primazia de uma a mais. No entanto, Hamilton resolveu romper o trato — assim como Senna fizera com Prost em 1989 — e decidiu que ele também teria direito a fazer 3 voltas lançadas naquele sábado nublado em Budapeste.

        Sem a concorrência das Ferrari, mal adaptadas ao traçado húngaro, a briga pela pole ficou entre a dupla da McLaren. Alonso cravou 1min20s133 em sua segunda tentativa e Hamilton respondeu com 1min19s781. O espanhol voltou aos boxes com menos de 3 minutos para o fim da sessão e, após a equipe trocar seus pneus, ficou estranhamente parado no pit-lane. Hamilton entrou nos boxes, e a equipe que ainda digeria o ato de Alonso, mandou o inglês rapidamente à pista. Mas Lewis não cruzou a linha de chegada antes do cronômetro estar zerado e não pôde bater o tempo que o espanhol acabara de fazer, 1min19s674.

        Sabendo que o inglês faria outra volta, Alonso ficou parado nos pits de propósito. Sozinho numa equipe simpática a Hamilton, ele só contava com seu fisioterapeuta. Foi ele quem cronometrou o tempo que Fernando deveria segurar os pits para impedir a terceira tentativa do inimigo.

        A contra-manobra de Alonso para evitar a traição de Hamilton foi imediatamente percebida pelo inglês. Adotado pela McLaren aos 14 anos, o inglês tinha a empolgação dos mecânicos do lado dele — a equipe preferia ver Lewis campeão. Na volta para os boxes, Hamilton explodiu com o chefe Ron Dennis:

        — Vai se foder, Ron. Nunca mais faça isso comigo.
        — Vai se foder você, nunca mais fale assim comigo, Lewis. Cumpra o acordo com Alonso. Tamanha confusão não ficou dentro de casa. Não bastasse a discussão aos berros no motorhome da McLaren entre Alonso, Hamilton e Ron Dennis após o treino, os comissários chamaram o espanhol para esclarecimentos. A FIA resolveu se meter na briga prateada e puniu Alonso com a perda de cinco posições no grid. Estava criada a maior rivalidade da F1 depois de Senna × Prost. Nas duas ocasiões (1989 e 2007), era Ron Dennis quem gerenciava os gigantescos egos dos pilotos.

        Hamilton venceu a prova com Räikkönen embutido em sua caixa de câmbio — apenas 0s7 atrás do inglês. Alonso passou Ralf Schumacher e Nico Rosberg, mas ficou encaixotado atrás de Nick Heidfeld, chegando apenas em quarto lugar. Ao sair de Hungaroring, Hamilton estava preocupado apenas com Alonso, 7 pontos atrás. Räikkönen, espectador privilegiado da briga entre eles, estava 20 pontos atrás na tabela.

        Na Bélgica, a dupla protagonizou a cena mais angustiante do campeonato. Sem se falar desde a Hungria, Alonso e Hamilton desceram a Eau Rouge lado a lado, quase tocando rodas, a 320 km/h. No pitlane, as expressões dos integrantes de todas as equipes falavam por si: a briga dos dois virou quase uma questão de vida e morte. Alheio a tudo isso, bem ao seu estilo, o finlandês venceu em Spa e, ajudado por Massa, trouxe a diferença para Hamilton para apenas 13 pontos.

        Com seis pódios nas seis últimas etapas, o homem de gelo derreteu a vantagem de Hamilton. O inglês sucumbiu à pressão e marcou 2 pontos no Brasil e atolou na brita na China. Alonso foi segundo em Xangai e terceiro em Interlagos, mas acabou com os mesmos 109 pontos do inglês. Ironicamente, morreram abraçados. Para além da divisão interna, as punições da FIA por espionagem industrial abalaram o clima na equipe de Woking. Räikkönen marcou 26 pontos nas três provas finais e levou o caneco para a terra do Papai Noel. Sem clima, Alonso acabou caindo fora da McLaren para voltar à Renault. Era a maior demonstração de força do pupilo Hamilton dentro das amarras da equipe que o criou. Ninguém esperava que o espanhol um dia voltasse a figurar nos boxes com Dennis por perto. Precisou a Honda voltar à F1 para convencer — nem foi preciso tanto — Alonso a deixar a Ferrari, onde ficou cinco anos sem título. Curiosamente, foi na Hungria semanas atrás que Fernando obteve seu melhor resultado no ano, um quinto lugar.
        Tirem suas conclusões, texto extraído na integra pelo site grandepremio. Obs. Alonso fez mais voltas rapidas nas provas que Hamilton

  18. Fernando disse:

    Escolher o melhor da história? Impossível! Só na cabeça dos numerólogos isto é possível. Numerólogos não percebem épocas diferentes, regulamentos diferentes, número de corridas diferentes, pistas diferentes, companheiros de equipe diferentes, pontuação diferente, idades diferentes, equipes diferentes, tratamento dado pelas equipes diferentes, ufa! Tudo é sempre diferente, impossível de ser comparado, mas os numerólogos, principalmente os absolutos que não percebem a relatividade das estatísticas sempre afirmarão que há um melhor, um “número” maior… fazer o que, azar deles incapazes de sorver a enorme quantidade de variáveis e nuances que nos faz adorar este esporte.

  19. Paulo disse:

    Os únicos parâmetros críveis, objetivos para avaliar piloto são os resultados..
    Os outros são mera especulação, gosto pessoal, enfim.

    E em termos de resultados, hoje o Hamilton só tem um a sua frente, o Schumacher. Os demais já foram superados.

    Se vai superar os resultados que ainda esta atrás do alemão eu não sei, mas capacidade e “vida útil” para superá-los, ele tem.

    E antes que digam que ele tem um canhão nas mãos, ele teve realmente em 2014, 2015.. assim como os outros campeões tiveram.

    E ele está adicionando algo que poucos fizeram, ser campeão sem ter o melhor carro.

  20. John Player disse:

    Maior que Senna já é.
    Mas ainda abaixo do Schumacher e do Fangio.

  21. ms disse:

    digo que nunca vai existir um piloto maior que todos mas sim aqueles que foram os maiores cada um em suas “respectivas praias” então vamos lá: senna foi o maior de todos na chuva, gilles foi o mais arrojado, emerson foi o maior estrategista, piquet foi o melhor ajustador de carros, Schumacher foi o mais rápido, button tocava seu bólido com o mais elegante traçado que já passou por essas bandas da f1, prost foi o mais regular e preciso ( um verdadeiro cronômetro humano ), Jim Clark foi o mais habilidoso, agora se for pra cravar qual o maior piloto de todos os tempos eu sem pestanejar diria que foi juan manoel fangio pq conseguia segurar dentro daquelas pistas precárias em todos os sentidos aquele carro igualmente precário no formato de um charuto e ainda assim ser pentacampeão, um verdadeiro feito que nunca mais será superado por qualquer outro piloto….quanto a hamilton podemos dizer que independentemente do resultado do campeonato ele já está consagrado como um dos grandes pilotos que já passaram pela f1 , :

  22. Segafredo disse:

    Senna>Alonso>Hamilton>Prost>Piquet>Lauda>Schumacher>Vettel……………………simples assim!

  23. Tales Gaede disse:

    Ser o único da história a vencer o compeonato na temporada de estréia é a cereja que faltou no bolo do Hamilton. Comeu o Alonso com farinha mas era muito afoito na juventude e cometeu dois erros ridículos que custaram o campeonato. Erros que Schumacher me parece que não cometeria. Perder para o Rosberg também me pareceu caso dele pensar em harakiri. Dadas as circunstâncias.

    Eu diria que o Hamilton gosta demais de curtir a vida para continuar correndo até superar os números do Schumacher. Por outro lado impressiona como a pilotagem dele parece melhorar a cada corrida.

    Ainda defendo que os super gênios do esporte não podem ser comparados. Hamilton, Schumi, Senna, Fangio e poucos outros são de outros planetas. Ponto

  24. Sergio Balbino disse:

    Já penso que o Hamilton, ratificando o Penta, chega no nível “maioristadostempos” de Schumacher devido ao fato de ter enfrentado (e derrotado) uma geração muito mais forte que a do alemão.

    Schumacher teve em Senna seu maior adversário e não vimos uma briga épica entre eles nos anos de 94 à 96. Depois, Mika a parte, só enfrentou “pangarés” (Hill, Villeneuve, Coulthard, Rubens e etc).

    Já Lewis venceu (e perdeu) para uma talentosa geração de Alonso, Button, Raikkonen, Vettel e Rosberg. Todos Campeões do mundo (9 titulos no total) e o proprio Schumacher…

  25. Paulo Pinto disse:

    Maior que Senna ele já é, do alto de seus quatro títulos.

  26. André Fonseca disse:

    Já é, hj com o Penta encaminhado, o terceiro melhor de todos os tempos atrás de Schummy e Senna, não necessariamente nessa ordem.

  27. Plinio disse:

    Há o tangível e o intangível. Hamilton e Schumacher são fenomenais. Pelo intangível gosto mais do Hamilton porque acho que ele teve, e continua tendo, adversários mais duros. Mas não carrego certeza nenhuma disso…

  28. clodoaldo lelli disse:

    cada um tem seu preferido como maior de todos os tempo fangio, clark,senna,schumacher e agora hamilton só não da pra tentar enfiar o alonso nessa conta afinal qual foi a maior façanha dele foi perder o titulo pro vettel poque não consegui passar petrov

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>