DICA DO DIA | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

quinta-feira, 22 de novembro de 2018 - 0:42Dica do dia

DICA DO DIA

Preciosa, a dica do Thiago Fagury de Goiânia. Trata-se de uma entrevista de Ayrton Senna no “Jô onze e meia”, o “talk show” de Jô Soares no SBT. Foi gravada em julho de 1989. A emissora está colocando no YouTube alguns desses programas. Senna já era campeão do mundo e as rusgas com Prost já estavam começando. Bate-papo simpático, sem nenhuma grande novidade, mas que é muito legal para matar a saudade de ambos — Ayrton e Jô.

19 comentários

  1. Alfredinho disse:

    Essas entrevistas acabam virando raridade devido ao adeus prematuro do campeão.

  2. Felipe Oliveira Mendes disse:

    Que coisa rara, simpática, ver o Ayrton assim um pouco mais relaxado, menos sisudo e formal que nas intervenções com a emissora oficial.

    Flávio, lembro de um artigo seu de uns dez anos atrás sobre a relação dos pilotos com álcool, me marcou um trecho que você dizia que só nas raríssimas vezes que tomava uma cervejinha é que o Ayrton era feliz como deveria ser o tempo todo, jovem, talentoso e rico. Confesso que foi difícil imaginar a cena, haha, mas curti.

  3. Antonio Seabra disse:

    Entrevista interessante. Poucas vezes vi o Senna tão descontraído e dando respostas muito bem articuladas, sem se preocupar com marketing pessoal e afins. As respostas dele foram sempre calmas, realistas e de uma simplicidade francisca, centradas na verdade dos fatos. Pilotos, em geral tendem a um egocentrismo (ele inclusive,ou principalmente), mas nessa entrevista ele foi bastaste aberto e imparcial. Gostei de ver.
    Já o Jô, apesar da experiencia, da grande cultura geral, já era chato naquele tempo: queria mostrar conhecimento demais e falando besteira, Levegh como piloto (expoente) de F1, ou “qual é a velocidade na curva”?: Ainda bem que o Ayrton consertou: depende da curva !!!
    Ver o Darcy Ribeiro no video foi uma excelente lembrança; uma mente brihante, um homem agradável, bem humorado, um patriota apaixonado, que era a prova viva que uma pessoa pode ser de extrema esquerda (ou de extrema direita, da mesma forma) sem ser radical, parcial ou chato. Fantástico., um grande brasileiro.

  4. Chico disse:

    Flávio,
    A maioria dos leitores do blog não vai saber quem é, infelizmente, mas na primeira fila, aplaudindo (aparece em 2min27) está ninguém menos que Darcy Ribeiro, um dos maiores (se não o maior) intelectuais brasileiros. Nunca imaginei uma cena com Senna e ele juntos.
    Abraço!

  5. Rodrigo disse:

    Interessante eles falarem da segurança dos carros em comparação a epocas antigas.

  6. Ricardo Bigliazzi disse:

    Sou “Piquezista” mas sempre que o assunto Ayrton é apresentado fico com um sentimento no minimo ruim; que perda, que tristeza, que vazio.

    Na época do acidente trabalhava no Banco Nacional, vivia diariamente o sentimento de idolatria do povo para com o Ayrton, vivia aquilo numa situação bem atípica, trabalhava no “Banco do Cara” mas conseguia ver os dois lados (Fãs e Ídolo) com certa neutralidade.

    A clientela era “macaca de auditório” do “Cara”, e Eu lá ouvindo tudo e apoiando a conversa com uma neutralidade de um “Monge Tibetano”, no máximo saia um politicamente correto: “realmente, Ele é muito bom mesmo, admirável”. Mais ou menos como um torcedor Palmeirense (que sou) vendo um jogo no meio da Gaviões da Fiel,

    “Que Paixão, que Perda, um Pais com um vazio no peito”, são sensações que sempre terei daquele momento e sempre que o assunto Ayrton volta a baila, como nesse vídeo do Jô e do Ayrton.

  7. Plinio disse:

    Curiosa a ideia que havia na época que brasileiros eram bons pilotos. Não vivi essa época, mas acho que muitos brasileiros acreditavam nisso. Não é bem por aí né. Mas é interessante o efeito produzido trinca Emerson, Piquet e Senna. Curioso também como a imprensa brasileira foi ufanista na época do Senna. Você mesmo já comentou isso algumas vezes. O lugar da imprensa na história é importantíssimo e interessantíssimo. Mas o Jô era muito bom.

    • Marques Goron R. da Silva disse:

      Ué, mas os pilotos brasileiros não eram bons mesmo??? Ou tudo foi invenção da imprensa? Agora fiquei na dúvida…

    • Segafredo disse:

      Como vc não viveu, não compreenderia mesmo, a “idéia” de que Brasileiros eram bons de verdade!! Pena por vc amigão!!

      • Marmelada-44 disse:

        Os pilotos brasileiros que foram campeões não passaram de tri, daí essa ideia de que eles não eram tão bons.

      • Segafredo disse:

        Só para ignorantes, como vc Pinto, esse pensamento de que os números, pelo menos na F1 são determinantes!

        Ainda bem que só aqui no Brasil, e por meio de recalcados, a gente escuta isso………..Pelo mundo afora todos reconhecem Ayrton como o mais fantástico piloto, o maior de todos os tempos!!

        Não adianta choramingar….pois nem o Hepta e muito menos o Tetra chegarão perto do nível de um Ayrton!!

  8. Gustavo Barbosa disse:

    Oi, Flávio.

    Alonso foi campeão, no Brasil, em 2005 e 2006. Valeu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>