AUSSIES (2) – SAPATTADA | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

domingo, 17 de março de 2019 - 20:55F-1

AUSSIES (2) – SAPATTADA

meld199

Bottas: melhor corrida da vida, disparado.

RIO (não, não tenho hora) – Às vezes um segundo piloto tem momentos de brilho que nem sempre seu companheiro, claramente melhor ao longo de um campeonato, de uma carreira, consegue com tanta autoridade. Baixa um santo no cara, sei lá. De supetão, lembro de Barrichello em Silverstone, 2003. Não vou dizer que foi seu maior desempenho — Alemanha/2000 é imbatível –, mas ele colocou mais de 25s em Schumacher, que terminou em quarto. Uma façanha.

Bottas fez isso hoje na Austrália. De longe, a melhor corrida de sua vida, com o requinte de cravar a volta mais rápida no final para ficar com um ponto extra que pode até não fazer muita diferença no campeonato, mas eleva sua autoestima aos céus.

Foi estranho o baixo rendimento de Hamilton — segundo colocado a 20s de distância do finlandês, sem que nada muito grave tivesse acontecido com ele, sua namorada, seu carro, seu avião. Ele largou mal, isso é fato. E admitiu. Disse que talvez tenha de treinar mais. Depois da corrida, a Mercedes contou que o assoalho quebrou, perto do pneu traseiro esquerdo. OK, um desempenho tão ruim de seu pentacampeão sempre deve ter alguma explicação. Mas, sinceramente, é até sacanagem atribuir a uma merdinha de pedaço de assoalho a vitória acachapante de Bottas.

meld193

Hamilton: aconteceu alguma coisa, sim, mas não é desculpa.

Valtteri é um piloto discreto, para não dizer fraco, na maior parte do tempo. Chegou à Mercedes em 2017 e hoje alcançou apenas sua quarta vitória com a equipe — e na carreira. No mesmo período, Hamilton ganhou 20. É uma discrepância muito grande. Mas abstraia-se tudo isso para fazer justiça ao nosso simpático Sapattos. Ele construiu o resultado com enorme competência a partir da largada, muito melhor que a do inglês, e em pouquíssimas voltas abriu uma vantagem que só poderia ser anulada em caso de um safety-car.

Incrivelmente, não houve a necessidade de nenhuma intervenção na corrida de Melbourne, normalmente acidentada pelas características bem peculiares de Albert Park. E, assim, Bottas foi sumindo, sumindo, sumindo, até se dar ao luxo de, nas voltas derradeiras, avisar à equipe que iria buscar o ponto extra do giro mais veloz da prova. E assim foi, com 1min25s580 contra 1min26s057 de Hamilton, a segunda volta mais rápida do dia. Meio segundo. Para aplaudir de pé.

A corrida em si não foi das mais espetaculares dos últimos tempos, mas teve algumas atuações dignas de nota. E uma robusta lista de decepções que pode começar, pela ordem cronológica, pela incrível barbeiragem de Ricciardo na largada. Ele colocou duas rodas na grama para passar alguém, acho que Pérez, mas no meio do caminho havia algo parecido com um meio-fio. Explodiu sua asa dianteira, ele teve de ir para os boxes e, pouco depois, abandonou. Um desastre para quem corria em casa e estreava por um novo time, a Renault.

meld199c

Vettel: lentidão esquisita e afago da Ferrari contra Leclerc.

Depois, a Ferrari. Vettel parou cedo demais e seu segundo stint, com pneus médios, foi horroroso. Foi ultrapassado por Verstappinho com a mesma facilidade com que se corta um tablete de manteiga com faca quente. Adoro essa comparação. Mais tarde, quando seu novo parceiro Leclerc se aproximou, a equipe mandou o monegasco tirar o pé para não deixar o humor do alemão ainda pior. Primeira ordem idiota do ano. Pombas, corrida inaugural, quarto e quinto, ninguém ia bater em ninguém, são civilizados. Mattia Binotto começou bem sua trajetória como chefe de equipe. Mostrou-se um babaca. Tem mais 20 corridas para se recuperar.

(Aqui cabe mencionar o que chamamos de “outro lado”. Leclerc não reclamou, disse que a equipe não quis arriscar nada, e preferiu fazer um discurso otimista para o resto do ano. “Não há motivos para entrar em pânico ainda, apenas não fomos bem neste circuito”, falou. Sebastian resmungou o tempo todo. “Por que estamos tão lentos?”, perguntou pelo rádio em determinado momento. Já Binotto justificou a ordem de equipe dizendo que não era uma briga pela vitória, e que Vettel estava de birra com os pneus. Por isso, o melhor era mesmo manter as posições e evitar problemas.)

Nessa relação de frustrações, podem ser incluídos também Grosjean (perdeu a roda dianteira de novo, como em 2018), Sainz Jr. (quebrou o motor), Norris (começou bem com a McLaren, especialmente na classificação, mas terminou lá atrás) e Gasly, que com uma Red Bull de pneus macios na parte final da prova não conseguiu passar Kvyat, de Toro Rosso e pneus mais duros, ficando fora dos pontos.

meld195

Verstappinho: primeiro pódio da Honda desde 2008.

O elenco de gente sorridente após o GP da Austrália, porém, foi também numeroso. Verstappen, da mesma Red Bull, chegou em terceiro e levou à Honda ao seu primeiro pódio desde o terceiro lugar de Barrichello em Silverstone/2008 pela extinta equipe de fábrica — que deu origem à Brawn e, depois, à Mercedes. Masashi Yamamoto, o homem da montadora japonesa junto ao time rubro-taurino, caiu em prantos após a corrida. Merecidas, as lágrimas.

Magnussen em sexto também teve motivos para comemorar, assim como os demais que pontuaram, a saber: Hülkenberg, Raikkonen, Stroll e o já mencionado Kvyat. Kimi fez seus pontinhos na estreia da Alfa Romeo e acho que vai andar melhor em pistas com maiores possibilidades de ultrapassagem. Lance foi bem melhor que Pérez, uma surpresa. Kevin, da Haas, foi consistente desde sexta e não cometeu erros. Nico buscou pontinhos importantes para a Renault, num dia em que Ricciardo decepcionou. Palmas para todos. Dormiram em paz com suas consciências.

No frigir dos ovos, foi um GP OK. Inesquecível para Bottas, certamente. Mas uma corrida que, apesar do domínio da Mercedes com um de seus carros, não dará necessariamente o tom da temporada. Tem muita coisa para acontecer ainda.

140 comentários

  1. Marmelada-44 disse:

    Eu gostaria de saber quando é que a Mercedes vai devolver a vitória tirada do Bottas na Rússia/2018.

  2. Leandro costa disse:

    A.transmissao da corrida estava pior do que de costume. Os 3 fora do tempo, se atropelando a todo momento, Galvão errando o nome dos pilotos, uma lástima

  3. Mônica disse:

    E o meu gatão pontuou com a tranquilidade de quem sabe o que faz, mostrando que ainda tem lenha para queimar!

    #IceKiss

  4. Gabriel P. disse:

    Alguém mais aqui reparou naquela “touquinha” do Hamilton no pódio quando tirou o boné ?
    No treinos também estava com ela.
    Alguém tem um palpite do porquê ?

  5. CRSJ disse:

    Valtteri Bottas jogou toda sua frustração do ano passado fora nessa corrida vencendo de forma absoluta sobrando tempo até pra buscar o ponto extra da melhor volta no final.
    Hamilton antecipou seu Pit Stop num erro tático pra marcar o Vettel, mas acabou sendo marcado pelo Verstappen que só não conseguiu o segundo lugar por um erro, nem parecia que estava de motor Honda em vez do antigo Renault.
    Vettel foi o vexame da corrida e só não chegou em quinto por causa da ordem de equipe que segurou o novato Leclerc que começa roubando a cena do Vettel na Ferrari.
    Coitado do Ricciardo, é melhor nem escrever ou falar.
    Pobre Williams! Chegar é uma vitória e pontuar vale ouro.

    • Alfredinho disse:

      Bottas venceu porque Hamilton trocou os pneus cedo demais. O mesmo aconteceu com Vettel, que seria ultrapassado por estar com os pneus gastos.
      Não houve vexame, nem de Hamilton e nem de Vettel. Carros iguais, pneus com idades diferentes.

      • Guilherme disse:

        Bottas passou na largada e sumiu… eu não usaria a palavra “vexame”, mas temos que admitir que o hamilton não teve chance nenhuma nessa corrida, Já o vettel… o cara esta fora de sintonia ja faz algum tempo

  6. José disse:

    Hamilton, parça do menino Ney, já perdeu pro Rosberg por “tá de boa” até ser tarde demais.
    Não duvide de nada dessa geração.
    E ainda tem Vettel chorando no rádio mesmo com a equipe segurando Deus e o mundo pra deixar só o melhor da fruta, sem semente e sem azedo.

    Alguém pelo amor de Deus traga os anos 80 de volta.

    • Comentarista Crítico disse:

      Pois é cara! Uns caras tudo mimado. Até o Alonso que é do início desse ciclo de mimados, era um mimado como piloto. Teve que pedir pra equipe pra passar o Massinha, quando era mais digno e mais honroso passar por conta própria. Hamilton também é outro. Quem se lembra de Monza 2011? Não fosse Sr Brown e ele teria saído do circuito direto pro hospício por não ter conseguido passar o Schumi(ainda mais em um circuito como Monza). E é sempre cheio de mimimi quando não vence. Arrogante e mimado. E Vettel nem preciso falar. Quando reclama de um adversário, o mimimi dura dias. E ele parece pensar que nada pode ser difícil. Se joga vídeo game, com certeza deve largar sempre da primeira opção(e o vídeo game pra um piloto é um treino). E por isso quase sempre manda mal quando não larga na frente. Tem um psicológico bambo e por isso a Ferrari deu um freio no Leclerc. Depois de tudo que o Vettel passou na temporada passada e o cara ainda começa a temporada seguinte levando passão do novo companheiro? Imagina o clima negativo que ficaria na equipe? Imagina o golpe psicológico no Vettel já de cara em um ano que ele busca recuperar sua credibilidade? Mas vamos ver até onde o Leclerc vai aturar ser submisso. Ou o Vettel melhora, ou então se o Leclerc é um piloto com espírito de Campeão vai chegar a hora que vai ligar o foda-se pra Ferrari e vai passar o Vettel quando tiver novas oportunidades.

    • Amaral disse:

      Manda trazer. Mas antes manda passar na peneira. Senão vem Figueiredo e Sarney junto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>