MENU

quarta-feira, 18 de janeiro de 2006 - 20:50Automobilismo internacional

FRANKFURT-DARMSTADT: A IMOLA ALEMÃ

SÃO PAULO (ainda não fui) – Nem todos conhecem a história de Bernd Rosemeyer, que morreu aos 28 anos em 28 de janeiro de 1938 tentando bater o recorde mundial de velocidade pela Auto Union. Bernd, um ex-motociclista, é considerado pelos alemães mais antigos o melhor piloto do país em todos os tempos, maior do que Schumacher.

Ele morreu numa manhã gelada na autobahn Frankfurt-Darmstadt a quase 430 km/h. A tese mais aceita é de que seu streamliner foi atingido por uma rajada de vento. O carro praticamente se desintegrou. A Mercedes, no mesmo dia, tinha feito sua tentativa de recorde, também.

O amigo Roberto Fróes, que já foi coroinha da catedral de Barcelona, me mandou uma nova versão, fruto de exaustivo estudo do jornalista italiano Aldon Zana. Está aqui, em inglês, num site finlandês.

O texto é muito bom, quase um thriller. Vai a detalhes mundanos, como diz Zana, relatando até a discussão sobre o pagamento do seguro e dos custos dos funerais, que a Auto Union quis dividir com a SS (estávamos em 1938, lembrem-se, e embora Bernd fosse um velado crítico do nazismo, por sua aura de herói chegou a receber um título qualquer do governo nacional-socialista; seu carro tinha uma suástica no dia do recorde).

A tese de Zana é de que o carro foi feito às pressas, não foi devidamente testado, a carroceria era fina demais, foi mal colocada no carro, deformou-se com a velocidade, fez dele uma máquina incontrolável. Um erro de projeto, enfim. A Audi, recentemente, refez do nada um streamliner, mas o de 1937, que corria em Avus e outras pistas. Está no museu de Ingolstadt.

Nunca se saberá a verdade, assim como nunca se saberá exatamente o que aconteceu no carro de Senna em Imola/94. Esse é o maior problema do homem, o que mais o atormenta desde o início dos tempos: nunca saber qual é a verdade, mesmo sabendo que sempre há uma Verdade.


Na foto, a segunda passagem de Rosemeyer na busca do recorde;
ao fundo, o hangar do Zepellin em construção

17 comentários

  1. Marques disse:

    Como se matar cara ce tá loco, ali foi comprovado quebrou a barra de direção ou suspensão e o carro perdeu a tragetoria, foi isso e por cima a barra perfurou o cerebro dele por isso que ele morreu se ele tivese silplesmente batido não merreria.

  2. Marques disse:

    Ele não reduziu pelo contrario entrou na tamborelo acelerando, as faiscas eram do açoalho raspando no asfalto.

  3. PedroJungbluth disse:

    perái, 1200 km/h foi atingido por um veículo com turbinas, um jato sem asas.
    Queria saber o record de veiculo tracionado pelas rodas.

  4. PedroJungbluth disse:

    Ora, todos sabem o que aconteceu com Senna em 1994.
    Pode dizer o que quiser, a verdade so foi acobertada pelas implicações legais do fato.
    Senna sabia dos riscos, viva falando disso. Ele morreu pela paixão, se eu fosse o Frank Willians também sumia com o carro.

  5. Onon Nono disse:

    tah esquecendo do Osama Bin Laden. tao tudo tomando margueritas numa ilha da america central =P

  6. Carlos Trivellato disse:

    Boa tarde!

    Heróis, sempre os heróis! Como a humanidade precisa disso. “…nunca saber qual é a verdade, mesmo sabendo que sempre há uma verdade…”, filosófico hein Flavio!

  7. joão disse:

    O ESPECULADOR É UM POBRE DIABO…. NÃO TEM NEM NOÇÂO DO QUE DIGITA AQUI…..

  8. Renato disse:

    Na verdade ele não se matou. Foi tudo uma encenação, e nesse momento ele tá numa ilha do pacífico lendo o Blog do Gomes e tomando uma cerveja junto com o Elvis Presley, o Lee Oswald, o Tancredo Neves e alguns habitantes de Roswell, Novo México.

    Mas tenho notícias de que ao ler alguns dos posts abaixo ele acaba de tentar se matar de verdade, de desgosto com o futuro da humanidade.

  9. Verdade seja dita disse:

    Concordo com o especulador, porém ele se matou porque a xuxa largou dele.

  10. O especulador disse:

    Isso das marchas é o que dizem pra vocês… acredita quem quer.

  11. Sergio disse:

    pq entao ele reduziria várias marchas e reduziria consideravelmente a velocidade antes do impacto?

    antes de postar, informe-se.

  12. O especulador disse:

    Vou lançar uma polêmica: para mim, o Senna se matou. Basta ver como a trajetória mudou de repente, ainda que pouco perceptível. É como se tivesse jogado o carro em cima do muro de propósito. É isso. Podem jogar as pedras.

  13. joão disse:

    esse sim merece scutar o DASLIEDDEUTSCH(a canção dos alemães,pois corria em um carro tatalmente alemão (com suástica e tudo) não como um piloto que faz parte eixo e que ninca o vi falando alemão.
    digo o eixo pelo fato do referido piloto ser alemão e correr por um carro italiano que usa pneus japoneses.
    e o pior disso tudo ,o carro desse piloto é projetado por um tal aldo %[email protected]$&@#
    será que depois disso preciso citar o nome do piloto a qual me refiro?

  14. Pablo disse:

    Para carros construídos para esse fim, única e exclusivamente para recorde de velocidade, o recorde atual é 1.0001MACH, o que dá mais ou menos 1200km/h… Não faz feio não…

  15. MSS disse:

    a história é bacana … %[email protected]$&@#até … o duro é entender/aceitar (sei lá !!!!) que o cara chegou a 430 km/h com um carro construido na década de 30 … Isso é uma SOVA nos engenheiros atuais …

  16. Pablo disse:

    Enquanto pilotos tem de brigar com o relógio e os outros concorrentes e mesmo assim em suas corridas não exibem lances de ousadia, fala-se de grandes pilotos. E na época em que além do relógio e dos concorrentes o piloto precisava se preocupar com o carro, com os pneus, com o piso e até com sua própria vida e ainda assim produzir imagens de tirar o fôlego 70 anos depois, fala-se de que? Heróis, no mínimo.

Deixe uma resposta para PedroJungbluth Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>