MENU

Thursday, 26 de November de 2009 - 21:55Museus & coleções

HISTÓRIA NO LIXO

atibaia

SÃO PAULO (até dói) – Acabo de receber a notícia pelo blogueiro Fernando Boarati, e é de partir o coração. Eu nunca tive a chance de visitar o Museu Ferroviário de Atibaia, e pelo jeito agora é tarde. O proprietário capitulou. Amanhã, seu acervo vai a leilão. É uma tristeza.

Reoproduzo um techinho da reportagem do valoroso “O Atibaiense”, assinada por Thais Otoni:

O leilão, sob responsabilidade da empresa Imperador Leilões, está dividido em 11 lotes e representa o fim de um dos pontos turísticos da cidade. Entre os itens estão uma locomotiva com dois vagões de passageiros, originária da Inglaterra e datada de 1899; um vagão de passageiro da Alemanha, de 1938; dois vagões-restaurante, de 1921 e 1925; vagão correio/bagagem inglês de 1927; locomotiva fabricada nos EUA em 1893 com vagão de passageiro do mesmo ano. Há ainda um bonde, fabricado na Inglaterra, que foi totalmente restaurado. O acervo conta também com peças como um auto de linha, dois giradouros de locomotiva (de 1882), uma ponte metálica (1895) e 14 aparelhos de mudança de via.

O proprietário do museu, José Augusto Roberto disse que no Brasil há apenas seis grupos com um acervo do porte do de Atibaia. Agora, a cidade perdeu o seu. Desde que veio para Atibaia, há 26 anos, houve uma série de tentativas para que houvesse incentivo ao Museu Ferroviário, incluindo projetos de uma linha de 26 km para os turistas, que agregaria a recuperação de algumas estações de trem da cidade e ainda um projeto de passeio com o bonde recuperado pelo centro da cidade. Mas ficou só no sonho. Burocracia, projetos não concretizados do Governo Federal de recuperação das ferrovias brasileiras, custo elevado de alguns projetos, brigas políticas. Uma série de fatores não permitiu que projetos maiores fossem levados adiante.

De concreto, o visitante do Museu Ferroviário podia fazer uma viagem ao passado, em uma autêntica estrada de ferro do século XIX, construída em uma área de 300 mil m². Uma réplica de estação ferroviária era a sede do Museu e abrigava peças como o bonde, locomotivas, vagões de passageiros, de bagagem, de correios, restaurante e dormitório. O visitante podia conhecer o galpão de restauração, fazer um passeio de maria-fumaça, de 1.300 metros e cerca de 10 minutos (ida e volta), em uma locomotiva restaurada, de 1881 e ainda ver as relíquias do local.

Nessas horas é que eu digo que é preciso governo. Federal, estadual, municipal. Museus como esse simplesmente não podem fechar. Isso é cultura, história, educação. Autoridades não podem ficar insensíveis a essas coisas. Onde está o secretário de Cultura do Estado nessa hora? E o ministro?

Ninguém está nem aí com nada.

87 comentários

  1. Detetive Camargo says:

    Gostaria de contribuir com a seguinte informaçao , na verdade os trens do Sr José augusto, que se cansou de ser abusado e desfeito pelas aurtoridades locais resolveu levar seu maquinario para a cidade de Socorro Sp interior onde esta em fase de implantaçao de um passeio turistico nos trens do Sr José Augusto… que escondeu essa informaçao da midia , mas em visita ao local ele me contou sem detalhes sobre o projeto e aceabei descobrindo pois sou turista de socorro …

    felizmente lá em Socorro ao contrario de atibaia existem interesses culturais e educacionais ao contrario de at ibaia que mais forma bandidos.

  2. Miguél Castilho Merida Filho says:

    Quer saber onde estão esses cidadãos.Eles e seus familiares devem estar usando o dinheiro que deveria ser usado para recuperar nossa memória historica,visitando os pontos turisticos de outros paises que se preocupam em preservar seus patrimonios históricos.
    Eu sou ferroviario e vivo numa cidade que levou mais de duas decadas para reataurar o museu local,e agora burocratiza tanto a visita ao local que desestimula sua visita.

  3. JORGE DE XEREM says:

    Ola companheiros da HISTÓRIA da FERROVIAS é um grande prazer falar com vcª. pessoa,
    Eu sei que muitas pessoas que gosta de HISTÓRIA não gostaria que DINHEIRO publico focê
    para lixo, o que nos podemos fazer é ser unir para os MUSEUS não sumam de contar as nossas HISTÓRIA da FERROVIA, eu não sei o que passa na cabeça de alguns politicos que não
    gosta que falem em coisas antigas, aqui eles acham que eu estou maluco com essas HISTÓRIA de TREM.
    Eu estou montando um grande ACERVO da HISTÓRIA da FERROVIA aqui em XEREM, Duque
    de Caxias RJ: veja meu projeto no GOOGLE assim (museu do trem em xerem) facebook.
    Eu estou aceitando a DOAÇÃO de um VAGÃO de MADEIRA para ficar parado aqui no meu SITIO, que eu estou fazendo o MUSEU, PELO AMOR A HISTÓRIA NÃO DEIXA VIRA SUCATA
    NOSSA HISTÓRIA; VEJA QUEM PODE AJUDAR AGADOR NOTICIAS…..
    (MOSTRAR A HISTÓRIA DA FERROVIA É PURIFICAR A NOSSA ALMA……)
    É COM AMOR E CARINHO QUE VOU MOSTRAR E FALAR DA NOSSA HISTÓRIA……
    QUE DEUS NOS ABENÇOEEE……

  4. Eduardo Marini says:

    Flavio,
    Eu conheço o Museu Ferroviário de Atibaia.
    Sou ex-ferroviário da Estrada de Ferro Santos a Jundiaí e um dos meus interesses é a ferrovia.
    Sempre que posso visito tudo que se relacione com estradas de ferro.
    É uma pena o que pode acontecer com o museu. Mas num país que as pessoas dão mais atençao as novelas, big brother e outra coisas do genero. Fica facil culpar o governo por estes tipos de acontecimentos(seria nossa herança lusitana que culpa o governo de tudo, e esquece que cada povo tem o governo que merece).
    Será que se as pessoas tivessem mais interesse em visitar museus, parques, do que ir para as baladas e etc., este tipo lazer e entretenimento (museu ferroviario de Atibaia) não precisasse do governo para continuar existindo?
    Não adianta culpar o governo se o povo não faz nada.
    um abraço
    Eduardo

  5. Thais Otoni says:

    Obrigada pela citação Flávio. Acho importante a divulgação do assunto, pois aqui em Atibaia pouco tem sido falado do leilão. Infelizmente o Museu foi esquecido por aqui.

  6. Luiz Souza says:

    Bem, Pessoal,

    Ainda temos algum tempo, o leilão foi adiado, e se alguma Prefeitura se interessar pode até arrematar o lote. Agora, não se se é possível inserir uma cláusula impedindo a saída desses Bens Históricos do Brasil e seu desmembramento, ficando tudo em poder de um único comprador!!!

  7. Guerwin says:

    Estão organizando a corrida da Indy. O retorno aos próprios bolsos é maior.

  8. Renato Mello says:

    Ao ROGÉRIO MAGALHÃES, que postou exatamente às 14:02 e disse (entre outras besteiras) o seguinte:
    “Pois é, FG… enquanto isso, coisas como Lei Rouanet e outras leis de incentivo só servem mesmo para bancar os Cirque du Soleil da vida ou essa meia dúzia de atores metidos a besta e que só são famosos porque tem uma elitezinha intelectualóide de merda que os endeusam, que criam espetáculos, usam dinheiro público e ainda cobram fábulas de ingresso.”
    Caro Rogério; creio que você nunca pegou a Lei Rouanet para ler. Provavelmente deve ser de uma profissão de “elite”, pois considerar uma lei que dá meios para que a CULTURA possa proliferar em nosso país, só sendo assim. Não, não se assuste com o contraponto: existem “profissionais de elite” que nem encostam em um livro, vivem apenas e tão-somente do “glamour” da POSIÇÃO que a profissão dá (médico, advogado, etc.). Felizmente, existem os bons e os maus em todas as classes, não? Pois bem, indo direto ao assunto agora: sou UM dos “meia dúzia de atores metidos a besta”. Ah, sou também um (talvez, na SUA concepção)”professor de teatro e música metido a besta”. Formado ralando a bunda em banco de faculdade (UFMG, prazer). E lhe digo, caríssimo: Se com a Rouanet é ruim, SEM ela é quase IMPOSSÍVEL se montar uma peça de teatro nessa merda de país. Ou se produzir um show. Ou montar uma exposição de artes plásticas. E os que MAIS se beneficiam dela NÃO são os “famosos” que você diz. Ao contrário: esses são os que conseguem os benefícios dela SEM DIFICULDADES, pois já vem COM patrocínio junto. Os outros (os não famosos, os metidos a besta, ou quem sabe os “merdas”, como eu seria? Seria?) conseguem seus benefícios a muito custo e sofrimento, encarando muita burocracia. E creia-me: quando conseguimos os benefícios dessa lei, podemos montar um espetáculo com mais qualidade para nosso público. Pagar salários decentes aos atores (sabia que existe um SINDICATO de atores?), aos iluminadores, sonoplastas, fora os custos de produção. No caso de um show de música, sabia que existe um tal de ECAD, que sósabe explorar dos músicos no Brasil, além de uma Ordem dos músicos que nada faz por eles a não ser explorá-los também com anuidades absurdas para terem o DIREITO de tocar? Ahh… não tinha dito que sou músico também, não é? Desculpe. Pois é. Como vê, leis referentes à CULTURA são necessárias DEMAIS nesse país, pois se dependesse de pessoas como você, teríamos apenas a “Cultura de verdade” (poderia explicar o que seria, por favor…? Confesso que fiquei um pouco perdido nessa sua tese…).Só para te ilustrar uma coisa que pelo jeito não deve saber: os ARTISTAS, quando da revolução de 64, foram, juntamente com RAROS abnegados jornalistas, quem MAIS LUTARAM PARA QUE ESSE PAÍS SAÍSSE DA DITADURA! Atores fazendo aquecimento vocal, corporal e DE TIRO antes dos espetáculos “subversivos” (Boal, Guarnieri e tantos outros); quadrinistas/ cartunistas denunciando a ditadura com seus cartuns (Ziraldo, Jaguar, Millôr…);músicos entoando canções contra os abusos nos porões e tentando conscientizar o povo (Vandré, Chico Buarque, Caetano…); isso, para não falar outros tantos nomes. Então, amigo, ANTES de TENTAR DEFINIR a “Cultura de verdade” do nosso Brasil varonil,lembre-se um pouco de quem ajudou esse país a chegar em um nível que até mesmo boçais como você tenham a LIBERDADE DE ESCREVER MERDAS COMO A QUE ESCREVEU: OS ARTISTAS BRASILEIROS. Divirta-se MUITO em seu mundo sem cor, sem risos, sem alegria. Sinceramente?Não me importa sua idade, ou que profissão tenha. Vejo que é um infeliz. Não gostaria de estar em seu lugar.
    Um abraço de um ator/autor/professor/diretor de teatro e músico vocalista MUITOOOOOOO METIDO A BESTA,
    Renato Mello.

  9. André S. says:

    Infelizmente também é assim com livros, móveis, filmes…

    • Alexandre says:

      Entrei no site e fucei um pouco. São 11 lotes, apenas 3 receberam lances até agora, 2 lotes estão indo para o usuário “Santos” e um para o usuario “kamura” (ou algo assim). Com 6 milhões dá pra levar tudo… eh muito dinheiro para uma pessoa, mas absolutamente nada para uma prefeitura. Infelizmente a coleção vai se separar.

  10. Essas notícias me deixam doente, e perplexo, com a falta de iniciativa desses malditos políticos !!!

  11. Roberto Costa says:

    POR FAVOR ESQUEÇA O POS ANTERIOR QUE ESTÁ COM ERROS

    Publique este:

    Já que não criam novos museus deveraim pelo menos tratar para que os existentes se mantivessem em atividade!
    “Êita Brazilzin”!!!!!

    Responder

  12. Raul P says:

    É um pecado mortal. Os primeiros a terem interesse na manutenção desse museu deveriam ser o próprio município e os seus habitantes. Governos Estadual e Federal não estão nem aí. Eu levei meus filhos, quando pequenos, para esse pequeno passeio de 1.300 mts. Uma maravilha.
    Dizem que Deus distribuiu pelo mundo os povos mais diferentes. Para os fortes ele deu terras quentes e aridas ou com temperaturas muito abaixo de zero. Para os fracos ele escolheu uma terra em que se plantando tudo dá…

  13. Ricardo de Pinho Kolasco says:

    Boa tarde, Flávio.

    Este foi o único canal que eu achei para entrar em contato contigo, já que no twitter você não respondeu nada.

    É o seguinte, sou colecionador de carros antigos e moro em Betim/MG.

    Tenho 01 kombi vovozinha 1975 – placa preta, 01 fusca 1963 – placa preta, 01 fusca 1971 (que possuo há 16 anos), 01 opala diplomata 1991 e 01 Puma GTB S1 1978, da qual sou o 2º dono, toda original, com apenas 10.194 km.

    Não sei se já foi feita alguma matéria do Indiana Gomes sobre a puma GTB, mas, se não foi, eu tenho certeza que meu carro é digno de fazer parte do seu quadro no Limite.

    Fica a sugestão aí, se quiser posso enviar fotos do carro para voce ver. É realmente muito novo e original. Pela kilometragem dá pra você ter noção.

    Estou escrevendo porque logicamente ficaria muito honrado em ter meu carro participando do Limite.

    Sou seu seguidor no twitter @ricardo_galo13.

    Sou fã do seu trabalho também e acompanho sempre o Limite, logicamente aguardando o quadro do Indiana Gomes, que é o “plus” do programa…… rsrsrs

    É isso aí então, escrevi através desse comentário porque não achei outro meio de falar contigo.

    Qualquer coisa me responde lá pelo twitter, desde que a resposta não venha acompanhada de um “Block”, porque é muito engraçado e legal seguir seu twitter.

    um abração e sucesso.

    • Flavio Gomes says:

      Já fiz matéria com um cara que coleciona Pumas, entre eles GTB.

      • Ricardo de Pinho says:

        Flávio, bom dia!

        Gostaria de pedir a gentileza de, se for possível, esse meu comentário ser apagado. A rigor, nem um comentário foi. Apenas foi a maneira que encontrei de entrar em contato com você. Ficarei imensamente agradecido se puder apagá-lo.

      • Flavio Gomes says:

        Cinco anos depois?

      • Ricardo de Pinho says:

        Tem vários outros comentários meus em posts diferentes que você fez no blog. Apenas gostaria que fosse removido esse especificamente porque em sites de busca pelo meu nome ele aparece. E consta alguns dados que eu não gostaria que aparecesse. Enfim, se for possível apagar, te peço a gentileza de fazer, ainda que tenham se passado 5 anos.. Ficarei agradecido.

      • Flavio Gomes says:

        Vou ver como faz isso. Mas não vejo motivo algum. Se você não quer seu nome em ferramentas de busca, entre em contato com o Google.

  14. Cranio says:

    O pior que eu estou morando em Atibaia há 3 anos e nunca soube deste museu. Olha que visitamos diversos locais na cidade, mas nunca soube deste. É uma pena.

  15. Paulo César says:

    A culpa é de quem vota nestes LIXOS de políticos, o descaso não é só com a memória, é com a saúde, educação, moradia, justiça, saneamento básico, infraestrutura, ciência, segurança pública e por aí afora…..

    O povo troxa vai votar neles em 2010 de novo ! Todos ! de todos os partidos !

    Cada povo merece os políticos que têm, porque vota neles !

    Onde está o prefeito e a secretaria de cultura de Atibaia ? Estes são os primeiros responsáveis pela preservação deste patrimônio.

  16. Rogério Magalhães says:

    “Nessas horas é que eu digo que é preciso governo. Federal, estadual, municipal. Museus como esse simplesmente não podem fechar. Isso é cultura, história, educação. Autoridades não podem ficar insensíveis a essas coisas. Onde está o secretário de Cultura do Estado nessa hora? E o ministro?

    Ninguém está nem aí com nada.”

    Pois é, FG… enquanto isso, coisas como Lei Rouanet e outras leis de incentivo só servem mesmo para bancar os Cirque du Soleil da vida ou essa meia dúzia de atores metidos a besta e que só são famosos porque tem uma elitezinha intelectualóide de merda que os endeusam, que criam espetáculos, usam dinheiro público e ainda cobram fábulas de ingresso.

    E ainda vem ministro da cultura com porra de Vale Cultura. E ainda vem secretário estadual de cultura ficar preocupadinho com resultados. E ainda vejo secretarias de cultura como a que eu trabalho, em SBC (que só vai virar secretaria mesmo em janeiro, tome cabide de emprego para os “amigos” da estrelinha do 13), mais preocupadas com fazer média para pré-estréia de filme sobre um certo ex-torneiro mecânico da Mercedes-Benz, torrando grana até de gasosa para carro oficial ficar entregando convite vip para meia dúzia de puxa-sacos…

    Enquanto isso, O QUE É CULTURA DE VERDADE, a HISTÓRIA com H maiúsculo, fica sempre relegada ou mesmo abandonada, apodrecendo e apodrecida. Afinal de contas, museu não dá voto, não serve para clientelismo, não serve para fazer média com puxa-sacos… e isso é típico da nossa classe política, de TODAS as matizes ideológicas (???).

    Se depender de político, infelizmente notícias como essa serão sempre a praxe. Nem os abnegados aguentam, mais cedo ou mais tarde capitulam… é uma pena, tremendamente lamentável…

    Enquanto isso, vamos levar a Indy para minha Sampa querida e parar de vez a Marginal ou sejá lá onde for… eita Brasil…

  17. Thiago Schauenberg Pereira says:

    Alías, fica aqui um link com algumas informações sobre o museu.

    http://www.sindileo.com.br/m_trem.html

    É uma jóia!

  18. Thiago Schauenberg Pereira says:

    Que pecado. Aqui em São Leopoldo tem um museu parecido com este. Ele foi reformado a alguns anos atrás. É bem bonito, vale a pena visitar.

  19. iverson says:

    Mas trem ninguem coloca em garagem, por isso acho que vai atrair gente do ramo, pois tem de ter infra-estrutura até para retirar as peças, e para colecionar então… logo, podem apostar que acervos como o do museu ferroviário de S.J.Del Rey vão se enriquecer com essas peças, ou ainda outras ferrovias históricas e turisticas que estão sendo, devagarzinho, surgindo no Brasil, como de Ouro Preto a Mariana, e outras no interior de SP e no Sul. Aqui em JF um grupo de amigos do trem ganhou algumas peças (locomotiva, vagões…) e demoraram até conseguir restaurar, justamente pela falta de infra-estrutura. Foi autorizada pelo governo a criação de um roteiro turistico com esta composição, mas estão esbarrando no problema do alto trafego de trens de carga na nossa malha.
    Um abraço.
    Iverson

  20. Robson says:

    Se alguém quiser passear num legítimo trem a vapor, ainda restam três locais no estado de SP: Viação Férrea Campinas Jaguariuna, passeio de 3h (ida e volta) num trecho da antiga companhia Mogiana partindo da estação Anhumas próxima ao Carrefour da Rod. Dom Pedro. No Museu do Imigrante no bairro do Brás, pertinho do Metrô, passeio curto (20min.) mas muito legal. E também na Vila de Paranapiacaba, Município de Santo André, local construído pelos ingleses onde funcionam dois museus e em um deles há trem a vapor para um passeio semelhante ao do Museu do Imigrante, mas com seu ‘charme’ próprio. Todos estes museus são mantidos pela ABPF, Associação Brasileira de Preservação Ferroviária, sem ajuda de nenhuma esfera do governo, contando apenas com o que é obtido na venda de ingressos e doações. Ainda tem gente que esta aí pra alguma coisa, besteira é esperar algo do governo.

    • Rogério Magalhães says:

      Eu já visitei esse museu de Paranapiacaba ano passado, durante o Festival de Inverno da cidade, só não andei no referido trem porque, no dia anterior, havia acontecido um descarrilamento do vagão e ainda não tinham colocado nos trilhos novamente. Mas a visita é cobrada, um ingresso de um valor até baixo, mas que ajuda, sem dúvida alguma. Vale a visita para conhecer um pouco como era aquele sistema funicular…

  21. ALEX B. says:

    Porque a tal de ex-RFFSA não embarca numa dessas?

Leave a Reply to Robson Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *