MENU

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010 - 16:14Brasil, Carros, Nas asas

VOLVO X FERRARI

GUARUJÁ (nem pensava) – Falou merde o ministro da Defesa da França, Hervé Morin, quando comparou os caças Rafale a “uma Ferrari”, enquanto os suecos Gripen seriam “um Volvo”. Primeiro, se é para mencionar um automóvel sueco, que mencione de vez um SAAB, já que os Gripen são feitos pela própria (embora a divisão de automóveis nada mais tenha a ver com a turma que faz aviões, exceto a origem; a SAAB nasceu fazendo coisas que voam, para depois da Guerra migrar para coisas que andam).

Os Rafale custam 140 milhões de doletas, contra 70 milhões do preço de etiqueta dos Gripen. Contra esses, pelo que entendi (sou leigo no assunto), pesam dois fatores: não ter sido ainda testado em combate e ser monoturbina. No mais, só vantagens: mais barato, menor custo por km voado, maior transferência de tecnologia etc. A FAB recomendou ao governo a compra dos caças da SAAB, como informou a “Folha de S.Paulo” nesta semana. Mas o país pode acabar optando pelos Rafale em nome da ampliação de seus negócios com a França.

Como já disse, sou leigo. Aparentemente os Gripen são mais convenientes, até porque não imagino que o Brasil vá entrar em guerra com alguém num futuro próximo. Por mim, para ficar em solo, poderiam comprar carcaças de MIG velhos que dava na mesma. Mas jamais compreenderei os meandros da realidade militar.

No que diz respeito à frase infeliz do ministro francês, aí posso dar palpite. Tiro no pé. Para quê serve uma Ferrari? É um carro que não é usado, e sim exibido. Uma coisa meio esquizofrênica, altíssima tecnologia, caríssimo, e quem o compra não o tem para a função essencial do automóvel, a mobilidade. Vão parar nas garagens de milionários e nos Emirados Árabes Unidos. Um dia, se alguém conseguir fazer uma estatística de quanto rodam, em média, as Ferraris de rua por ano, talvez haja uma crise de depressão nos funcionários de Maranello — que fazem aquilo tudo com o maior carinho para que elas sejam encostadas assim que compradas, porque em lugar nenhum do mundo uma Ferrari presta para alguma coisa que não seja comer mulheres.

Já um Volvo tem serventia. Faz tudo que uma Ferrari faz, mais, até, como andar em estradas de terra ou passar por lombadas. Tem ar-condicionado, direção hidráulica, airbags, tocador de CD e MP3. É seguro, pode ser entregue nas mãos de uma manobrista e, dependendo do modelo, também come mulheres — mais interessantes, talvez, do que loiras siliconadas que a Ferrari pega.

Assim, se o Brasil tiver de optar entre uma Ferrari e um Volvo, que não pense duas vezes. Pode ir no Volvo de olhos fechados. Mesmo que a Volvo, agora, pertença aos chineses. Pelo que sei, não vão acabar com eles, e continuarão sendo feitos na Suécia.

gripen_ng_profile

193 comentários

  1. Fábio Ozzeca disse:

    Papo-furado!!!!!

  2. wilson disse:

    FLAVIO.ESSE MINISTRO DA DEFESA E UM PERFEITO IDIOTA E NAO SABE O QUE FALA .PRIMEIRO PORQUE COMO VOCE MESMO AFIRMOU SAAB NAO E VOLVO APENAS USA UMA TURBINA QUE LEVA O NOME VOLVO MAS NA VERDADE E UMA GE 404 MADE IN EUA USADA NO GRIPEN E SAAB SEMPRE FOI SCANIA MAS NUNCA VOLVO .PORTANTO EM VEZ DE ELE COMPARAR FERRARI . PORQUE NAO COMPARA PEUGEOT,CITROEN E RENAULT COM SAAB SO PARA VER SE OS SAABS NAO SAO MUITO MELHORES DO QUE ESSAS PORCARIAS FRANCESAS .NAO QUERO TIRAR O MERITO DO RAFALE MAS O VERSATIL GRIPEN E IMBATIVEL SOB VARIOS ASPECTOS .VELOCIDADE,MANOBRABILIDADE E INTERFACE HOMEN -MAQUINA NUMA SITUACAO DE GUERRA ELETRONICA IMCOMPARAVEL . PORTANTO TEMOS NA MARCA SAAB. O MELHOR AVIAO DE COMBATE ,UM DOS MELHORES AUTOMOVEIS E O MELHOR CAMINHAO DO MUNDO . E DALHE SAAB … FLAVIO

  3. Marcos disse:

    Melhor coisa é o Brasil comprar a melhor opção:

    F18 SuperHornet!

    . (ponto final)

  4. alex disse:

    E ai blz Flavio?!?! Primeira vez q comento aqui!!!
    Tbm não entendo nada de aviões nem de carro, mas gosto do q vc escreve, e é o blog q acesso para saber de F-1 sem a opinião da nave mãe e seu locutor oficial, bom voltando ao assunto o problema dos aviões da Suécia é q eles não existem!!! É apenas um projeto!!! Nunca voou, não foi vendido ou produzido!!! Os franceses nunca venderam pra ninguém, então é bem possível que nós “espertões” vamos ser os primeiros. Os que vendem e já voaram por ai em combate são os dos americanos (Boeing) que é a segunda opção dos militares brasileiros.
    Mas seguindo o raciocínio de que os Rafale são a Ferrari e nós vamos deixar parado mesmo, então é melhor comprar dos filhos do Sarkosi!!!
    Abs

  5. Felipe Holtz disse:

    FG,
    Sem querer me meter no seu blog, mas acho que tem muita gente que circula por aqui postando seus comentariozinhos sem o mínimo de civilidade, para dizer o mínimo. Comece a cortar o naipe desse pessoal que aparece dizendo “Publique isto ou aquilo, se você for homem!” ou coisas muito piores. Ler algo assim é lamentável e muito desagradável para os demais leitores que não desejam se deparar com este tipo de palhaçada. Além de provocadores e insolentes, dá a nítida impressão que o fazem apenas para você retrucá-los com veemência e se tornarem “famosos”. Pare de publicar ( é só uma sugestão, e não um imperativo) comentários desse tipo que o nível melhorará e muito.

  6. Luke disse:

    “Parabéns” FG, num único post conseguiu ofender a Ferrari, as mulheres, as loiras…

  7. Eduardo Melo disse:

    Creio que o Grippen não foi testado em combate e nem mesmo fora dele. Parece que é apenas um protótipo sem horas de voo suficientes para saber o custo de hora de voo ou de manutenção.

    • Minoru disse:

      O Grippen (a versão anterior, não o NG) já voa há algum tempo e vendeu mais do que o Rafale, que é só utilizado pela França por questões politico-patrióticas.
      O Grippen NG é aquele caso típico de se o copo está meio cheio ou meio vazio, tudo depende de como encaramos os fatos e pelo que vejo a grande maioria vê o copo meio vazio… me lembrei de um caso em que um país, sem poder comprar armas americanas e com pressa comprou o que podia por a mão e fez a opção por um avião desconhecido e que nunca havia entrado em combate.

      O país é Israel e o avião é o Mirage III.

      Ironicamente, o feito dos pilotos israelenses foi o maior porta voz da Dassault, que vendeu-os aos montes aos países que não tinham muito recursos e que não tinham acesso ao arsenal americano e nem se dispunham a comprar dos soviéticos, com medo de retaliações comerciais. Quando os americanos se deram conta, os franceses tinham abocanhado uma boa fatia do mercado.
      Eu acredito que o copo do Grippen está meio cheio, com possibilidades boas de encher para matar a nossa sede; o do F18 está quase vazio, ainda que o seu conteúdo seja saboroso não há quase nada (para não dizer nada) a oferecer e o do Rafale… onde está o copo, será que ele existe?!?

      PS.: Me lembrei também das Falklands/Malvinas, quando os americanos entregaram aos ingleses de bandeja tudo o que tinham dos A4 argentinos e não conseguiram os dados dos Exocet dos franceses!

    • Minoru disse:

      Me esquecí: outra ironia é que os brasileiros cogitaram comprar o SAAB Draken antes dos Mirage III mas os neutros suecos não quiseram saber de negócios…

  8. Eduardo Bonates disse:

    Não pode ser o melhor post deste blog (com certeza há muitos outros tão bons quanto este), mas com certeza é sem sombra de dúvidas o mais verdadeiro!

    Todo mundo que compra uma Ferrari ou qualquer outro carro que custa algumas centenas de milhares de dólares tá pensando em comer mulher! O resto é conversa!

    Parabéns ao autor do blog!

  9. Joao Ferreira disse:

    É verdade, acho que a única Ferrari com mais quilometragem é a da F-1 mesmo….mas convenhamos, se te oferecerem uma Ferrai, vc não vai aceitar??? Mesmo que seja para pegar mulher, é melhor que um Volvo oferecido….

    Como na avião, deve ser a mesma lógica, não para comer mulher, mas questão de grife, encurtar relações com a França realmente, aquelas conversas politizadas, “Comprei seus aviões agora deixa eu vender meu alcóol na França”….

    Tem muitas coisas fora da visão de todos que se quer comentam para ver a merda que dá…..

    Se for assim, comprem logo os F-18 Super Hornet, tem países que nunca ouvi falar, nunca entraram em guerra e se entrar perde feio, que tem estes aviões, pra quê? Só falta ser para pegar mulher literalmente….”Olha o meu avião gata!!!!”

    Um abraço!!!

  10. Alcaide disse:

    Interessante o post, muito interessante mesmo. O negócio é o seguinte, como disse Minoru: “O FX-2 NÃO É UMA COMPRA DE PRATELEIRA!!!” e neste caso estratégia e política caminham lado-a-lado. Que os estadunidenses jamais repassarão os dados do F-18 isto é certo, além do mais as chamada cláusulas exclusivas colocariam o país nas mãos deles. Imaginem um conflito pela amazônia e com envolvimento direto ou indireto dos EUA, os pontos que ficariam fora da chamada “trasnferência de tecnologia” que a Secretária de Defesa tanto apregoa derrubaria as nossas aeronaves em poucos instantes. Já os Rafale, se a transferência realmente ocorrer, como defende a Ddassault, o Sarcozy e toda a torcida do Paris Saint Germain, estamos dando um passo adiante, afinal de contas não existe equipamento estadunidense embarcado nos Rafale, o que garantiria uma “certa independência”, mas tenho cá as minhas ressalvas. e em relação ao Grippen, é uma incógnita, ainda não decolou, existe apenas um protótipo, o preço final ainda é incerto e um avião monoturbina para um país continental é dar um tiro nos dois pés e amputar um dos polegares. Lembremos que é um investimento para longo prazo, que o país agora ocupa outra posição no cenário internacional, temos de patrulhar a amazônia verde e a chamada amazônia azul (200 milhas náuticas da nossa costa) e a compra não envolve apenas 36 caças, mas sim 120. Outro ponto a favor dos Rafale, o acordo com a França para construção do submarino nuclear que agora são três. Um site interessante para ser visitado e analisar um pouco esta discussão é o seguinte: http://www.defesabr.com/

  11. ELVIBRUNO disse:

    FG,
    post bacana.
    Enquanto os carrinhos não decolam, põe mais avião no ar.
    Grande abraço.

  12. Minoru disse:

    Bom, vou dar o meu pitaco:

    Concordo em parte com as colocações que o Mister M fez, realmente o Su-35 – eu sou fã dele também mas o seu custo de manutenção é impeditivo para nós, brasileiros – é um baita avião (em todos os sentidos) e os indianos deram um baile nos F15 americanos no Red Flag.
    Mas tudo tem o seu “porquê” de ser pois uma das coisas que os americanos apuraram é que a assinatura do radar do Sulkhoi é proporcional ao seu tamanho ou seja, enorme. Com isso em um mundo onde quem atira primeiro mata o outro primeiro e isso não significando que o alvo está em seu campo de visão ( o chamado BVR – Beyond Visual Range ) um aparelho menor leva vantagem neste aspecto pois neste mesmo Red Flag os F16 menores “derrubavam” os F15 pois os tinham na tela primeiro!
    Então num cenário que você é abatido antes de ter a oportunidade de ocorrer um “dog fight” é grande, o menor é melhor.
    Todos os três possuem suas vantagens e desvantagens como:

    – o Rafale e o F18 serem biturbina ( maior capacidade de sobrevivência x maior assinatura térmica ) e o Gripen NG não (o oposto),
    – o Rafale e o F18 possuirem versões navais ( o que seria um indicativo de um avião mais robusto) e o Gripen NG não (mas já cogitada),
    – o Rafale (muito pouco) e principalmente o F18 terem sido usados em combate e o Gripen NG não (pois ainda é um prototipo)
    – o Gripen NG ser um protótipo e se cogitando que exista uma parceria/transferência tecnológica (em especial os códigos-fonte) possamos adquirir tecnologia/conhecimento para o país, coisa que podemos esquecer em relação ao F18 cujas raízes remontam a década de 70 e em relação aos franceses a coisa seria um tanto quanto nebulosa.
    – quanto aos armamentos, o mais flexível seria, em tese, o Gripen, pois ele admite qualquer armamento de qualquer procedência, depois o Rafale e bem lá atrás, o F18, sendo que, ao que me conste, para usar um míssil americano você precisa ter a “benção” de Washington ( o que eu acho um absurdo )

    Poderíamos discorrer o dia inteiro sobre quem é melhor mas acredito que a maioria esmagadora dos post se esquece de um detalhe importantíssimo: O FX-2 NÃO É UMA COMPRA DE PRATELEIRA!!!
    Isso implica desde em compensações comerciais (os chamados “off-set” e que não são necessariamente ligadas ao plano militar) e indo até a delicada transferência de tecnologia, onde o Gripen levaria uma teórica boa vantagem pois além do aprendizado em se fazer um avião supersonico, ele têm o seu foco de mercado nos países mais pobres, coisa que o Rafale não é e os americanos jamais deixariam produzir um F18 fora dos USA, vamos ser realistas.
    Temos mão-de-obra mais do que qualificada, temos matéria-prima em abundância então porquê não pensar mais adiante?
    Mas uma coisa para mim chama muita atenção: como o Brasil mudou a ponto de ser tão cortejado desta forma, que uma declaração supostamente (digo supostamente pois quem trabalha com compras e vendas sabe MUITO BEM do que eu estou falando) catastrófica pode derrubar tanto os preços de uma concorrência!
    É, meus amigos, as aparências enganam e para finalizar, na minha opinião, mais vale um monomotor voando do que um bimotor no chão!

    • ELVIBRUNO disse:

      Perfeita colocação Minoru, o conflito que existe é o seguinte: a FAB quer o melhor equipamento dentro das suas condições e o governo quer a melhor proposta dentro das suas pretenções. Apesar de não ser petista, concordo com a posição do governo em escolher a melhor alternativa para uma indústria aeronáutica voltada para equipamentos militares de ponta, mesmo que isso venha de encontro aos interesses militares.

  13. Daniel Ramos de Oliveira disse:

    A Ferrari é um carro daqueles que tu tem,mas que no dia-a-dia sai com um Mini Smart,é um carro pra sair nos fins de semana,dá uma estaquidinha no motorzão,passar por Balneário Camborui,pra pegar uma minas(rs.),e voltar pra casa bem acompanhado,só pra isso serve uma Ferrari na garagem.
    Apesar que aqui na minha cidade,tem um cara que tem duas Ferraris,e a mulher dele utiliza,uma quase todo o dia,não sei como o cara deixa ou como ela consegue dirigir,mas ela dirigi(rs.).E o mais inetressante,ele deixa ele com a F430 e anda com uma F360 Modena,eu até hoje quero entender esse cara hehehehehe

  14. Mister M disse:

    Finalmente um post q preste heim!!! Eu tb sou leigo no assunto mas como nem de F-1 que vc cobre a duzentos e não sei quantos anos vc entende… Vou tentar te dar outro enfoque sobre esse assunto… Pq comprar os caças? 1 – Questão política… O seu amigo chaves, aquele mesmo, comprou os praticamente invencíveis Sukoi (a Rússia costuma repassar pessoal treinado juntos com as armas que vende e existem pilotos russos q são verdadeiros ases e que sabem tirar o máximo desse formidável avião de combate) que ganharam de lavada dos F-15 americanos em um exercícios que a Índia fez contra os EUA (dizem q os pilotos americanos fizeram corpo mole para incentivar o programa F-22, mas só Deus sabe pq esse avião é absolutamente sinistro; até radar na cauda tem e atira mísseis guiados para trás, tem turbinas hiper potentes, faz manobras de deixar beija-flor com inveja…). Então vc gostando ou não a situação geopolítica do continente precisa de equilíbrio… Aí vc fala, o Chaves não é louco de invadir o Brasil… Tb acho mas eu não quero pagar para ver e vc? 2 – Questão estratégica… Em velocidade supersônica se chega mais rápido a qualquer lugar especialmente em um país continental não acha? E com sensores militares vc pode fazer levantamentos precisos com incrível independência sobre os mais variados assuntos. Quem não monitora o próprio território está dando o seguinte recado para os outros, aqui é terra de ninguém, façam o q quiserem. Seria como manter um puta cachorrão brabíssimo e treinado para matar em casa, ele pode até te morder, mas mesmo que não impossibilite que algo de ruim aconteça a vc e a sua família, impõem um belo respeito e se pegar algum infeliz, vai dar umas mordidas daquelas; custa caro sim; comprar, treinar, alimentar, veterinário mas muita gente faz isso; não faz? Sem contar que comparativamente ao orçamento brasileiro esses caças são muito mais baratos. 3 – Questão técnica… Quanto mais avançados os aviões que vc possuir e dominar tecnologicamente melhor para vc pq todo esse preparo e conhecimento pode ser aplicado em outros campos.
    Nem vou comentar os antigos F-5 modernizados, por melhor q tenham ficado são muito leves e suas células (estruturas básicas) são muito antigas (os aviões são projetados para serem o mais leves possível então os materiais sofrem fadida com o decorrer do tempo e depois de determinado período precisam ser descartados) sem falar das turbinas completamente obsoletas que falham muito….
    Sobre os concorrentes: F-18 são os meus preferidos. Em primeiro lugar pq são inteiramente americanos, completamente testados e aprovados em combate em várias frentes incluindo na marinha americana. Provavelmente são muito pesados para o nosso antigo porta-aviões mas só de ser usado nessas condições extremas já atesta a qualidade do avião. Tem duas turbinas, as vantagens são óbvias; se uma falhar a outra te trás para casa… Vidas não têm preço!!! É de longe o design mais robusto e confiável com toda a tecnologia dominada pelo fabricante, vc não depende de mais ninguém e ainda tem um preço intermediário. Rafale são uma porcaria feita pela França quando desistiu do programa Eurofighter que aliás é um avião muito superior e mais capaz que o próprio Rafale, não foi comprado por nenhuma outra nação também é muito leve e pequeno para o tamanho do Brasil. Sem contar que tem tecnologia americana q pode ter a sua transferência melada pelos yankes. Gippen é uma incógnita, ser monoturbina é um tiro no pé… Teoricamente só serve como alternativa secundária a um avião maior… Ex: EUA tem os grandes F-15 antigos ou F-22 novo biturbina para superioridade aérea e os F-16 antigos e F-35 novos monoturbina para complemento. Foi feito para um país muito menor com necessidades e situação geopolítica completamente diferente. Não foi testado ainda de nenhum jeito. É interessante desenvolver esse projeto, sim… Mas a defesa do país ficará capenga.
    Falei demais? Não sei… Mas eu tenho certeza que os pilotos da FAB querem o F-18, a Embraer quer o Grippen e o Lula quer a porcaria francesa (porque $erá?). Mas eu desconfio que o jogo começou com as cartas marcadas pq o melhor avião disponível são os Sukoi; o nosso querido e amado presidente semi-analfabeto vai cagar e andar para qualquer argumento técnico científico e comprar as porcarias francesas que de longe são as piores alternativas. Eu espero que o próximo presidente seja homem literalmente, entre e cancele essa porcaria toda e compre uns aviões que prestem.

  15. Abdo disse:

    FG, para dar um uma descontraída( tem gente ficando extressada com o assunto aqui) , lembrei desse comercial comercial da Volvo cutucando os donos de Ferrari.

    http://www.youtube.com/watch?v=Ff0jt1KzlyQ&feature=related

    Abraço !

  16. Ricardo Bigliazzi disse:

    Declaração da FAB.

    http://www.defesanet.com.br/01_lz/fx2/01_fab_05jan10.htm

    Declaração da SAAB (eles são as “virgens do cabaré”… será que eles acreditam em Papai Noel).

    http://www.defesanet.com.br/01_lz/fx2/01_sb_jan.htm

    Imperador.

  17. ELVIBRUNO disse:

    “Trânsferência de tecnologia”, qual nos foi repassada com o Atlas-Impala ( XAVANTE ) e com o projeto AMX ( A1)? Se o Brasil entrar em guerra com a Venezuela, com certeza Tio Sam irá nos dar toda força se estivermos com os F18 ou qualquer outro caça. O Irã até hoje usa os F 14 TOMCAT vendidos pelos EUA quando eram “mui amigos”. O que importa é a circunstancia.

    • Minoru disse:

      Na minha humilde opinião, o projeto AMX apenas introduziu a Embraer no mundo dos jatos que hoje são um grande sucesso comercial, só isso… e a propósito, a tecnologia do Xavante foi repassada Aermacchi italiana, sendo que o Atlas Impala nada mais é que uma versão feita na África do Sul deste avião.
      Quanto ao Irã, quase todos os seus antigos F-14A estão no chão, a maioria canibalizada e sem condições de vôo, e em relação a Venezuela, apenas possuir um excelente avião não basta; nossos “caçadores” são superiores como já foi comprovado contra os franceses e americanos e o velho F5 modernizado se saiu melhor que a encomenda.

    • Minoru disse:

      … repassada pela Aermacchi …

    • ELVIBRUNO disse:

      Então vejamos:
      A principal tecnologia apreendida com o projeto AMX foi em relação aos processos de construção de peças ( asas, pilones, estabilizadores horizontais, tanques de combustível internos e externos, tomadas de ar e trens de pouso principais) e não a parte de motorização e aviônicos, pois o motor escolhido foi a dor de cabeça do projeto, o motor Spey é de concepção antiga e tem um histórico de altos e baixos na sua operação no mundo, causando atrasos no projeto. Fora isso, para um novo projeto militar não se utilizou nada. A Embraer aprendeu sim com o AMX, mas não a ponto de desenvolver o 145\170\190 baseado na experiência do AMX, afirmar isso é uma basófia.
      A propósito do Atlas-impala, Xavante ou o nome que preferir nos paises onde foram vendidos\fabricados sob licensa, trata-se do Aermachi MB 326 e suas variações. é o mesmo avião, trata-se apenas de um treinador\ataque leve, ultrapassado e que já causou muitos acidentes fatais por onde passou. E pra mim, Fusca é Fusca em qualquer lugar do mundo.
      Aos F14 iranianos é o seguinte: das 80 unidades recebidas a partir de 1976, 46 estão em condições de voo(25 em inventário,????????) e não se sabe o número em processo de modernização ( é pouco para um caça de 40 anos?), e mais, eles conseguiram aumentar o alcance dos AIM – 54 phoenix como também melhoraram o radar AWG-9. Segundo analistas, os F14 estão voando e melhores do que antes.
      E os F 5M, não se iluda com os resultados da CRUZEX 2, os franceses tinham enchido a cara com champanhe. Ótimos pilotos nós temos, mas o F5 M é apenas um CORCEL II reformado com um bom cd-player.
      Quanto aos venezuelanos, eles tem apenas os SUKOY -30 MK2, SÓ.

    • Minoru disse:

      Caro, eu não afirmei que a Embraer aprendeu a fazer jatos apenas com o AMX, mas ele foi, sim, um passo importante para isso, assim como o Xavante o foi a seu tempo, e os Bandeirante/Brasília pois não se corre antes de se aprender a andar e de se engatinhar portanto não é uma “basófia”.
      Da mesma forma, com o Xavante a Embraer a montar em jato, com o AMX participou pela primeira vez no desenvolvimento de um avião a jato, que é algo bem diferente de um turbohélice e que teve no protótipo CBA123 o seu fim como fabricante de turbohélices regionais e o seu início na era do jato com o ERJ135 com todo o conhecimento adquirido nos diversos setores em que atuou.

      Voltando aos F14, o governo americano gosta tanto dos iranianos que, para evitar que “materiais sensíveis” deste avião caiam no mercado negro, os desativados e sem condições de irem para a reserva são totalmente destruídos de imediato. Não acredito na capacidade da industria aeronáutica iraniana (vide o caça frankestein que lançaram com metade de um F5 e o resto de Deus sabe lá o quê) portanto esse papo está mais para impressionar os vizinhos.

      E quanto aos Sukhoi SU30 venezuelanos, eles existem sim mas é tal qual aquele ator meia-boca que pegou a Enzo do produtor do filme para fazer graça e a detonou… não basta ter carteira de motorista ou o carro.

      Ah, mas não foi só com F5 velhos que ganhamos dos franceses, pois já teve uma certa ocasião onde com os antigos Mirage III por diversas vezes os franceses foram “abatidos” nos seus novíssimos Mirage 2000 mas isso é uma outra estória, ok?

    • Minoru disse:

      Mas a César o que é de Cesar… antes da modernização dos F5 e com o sucateamento dos Mirages, acho que foi no primeiro CRUZEX se não me engano, os “jogos” tiveram que ser reiniciados pela simples “destruição” de todos os caças brasileiros antes do seu término.

  18. Renato disse:

    De longe o melhor post do blog, hueaheauh!

  19. Tony Gonçalves disse:

    Pessoal, uma compra desse porte tem que ter cunho politico/economico no meio.
    Não tem jeito.
    Quem está com a grana na mão tem mais é que barganhar ede todas as formas possíveis e não apenas no campo militar ou de eficiência dos jatos.
    Compra jato da França e consegue uma tarifa de exportação mais camarada para algum dos nossos produtos…
    Não defendo o Lula ou o PT, mas nesse caso tem que negociar muito mesmo.

  20. Tony Gonçalves disse:

    Bom, Ferrari tá mais pra obra de arte, pra não usar mesmo ( embora na Alemanha o pessoal use ).
    Vale como status e como símbolo de perfeição em matéria de esportivos realmente magníficos.
    Volvos são grandes carros. Já tive nas antigas um 850 turbo e era um puta automóvel.
    Na realidade a qustão é que ferrari é feita na Itália…
    O que o ministro da França tá defendendo seu produto numa comparação com um carro feito na Itália??????

    • Duque disse:

      Bom, para um país que só consegue fabricar carroças – Ranault, Citroen e Peugeot – só restou ao Ministro da França apelar para um carro italiano (poderia recorrer a um alemão, também). França e carro, duas coisas que definitivamente não combinam !!!

  21. MSM disse:

    Qt a Volvo x Ferrari, lógico que as Ferraris são lindas, não ´dá para não ouvir aquele motor e não se emocionar. Mas qt aos Volvos, sou fã incondional dos carros desta montadora, desde os primeiros importados para cá, tanto sedã qt station wagon, me fazem ficar com torcicolo qd vejo algum passando nas ruas aqui no Rio.
    Já sobre os aviões, embora os caças suecos sejam mais econômicos em todos os sentidos, acho que o governo vai escolher o caça francês, pois o Brasil há muito tem, tradicionalmente, relações comerciais fortes com a França, inclusive por usar o caça Mirage e o helicóptero Puma.

  22. José Paulo disse:

    1000 vezes Volvo. Foda-se a Ferrari, que só ganhou alguma coisa na F1 quando teve um inglês, um francês e um gênio alemão pilotando. Antes disso, não sei se lembram, quando os carcamanos tomavam conta, sempre era o maior orçamento do grid e uma piada nas pistas.
    Quanto aos aviões, fica uma sugestão: Já que não há guerra iminente, o Lula deveria mandar os engenheiros da Embraer, que são bons pra caralho, desenvolverem o avião de guerra que se busca. Seria a melhor solução.

  23. Coelho Voador disse:

    o Grippen, apenas com o combustível do tanque principal, não consegue voar de São Paulo para Brasília sem reabastecer. Para uma simples viagem, pode usar um tanque externo, mas um caça não é avião de passeio. Em situação de combate, decolar com um tanque externo reduz muito a capacidade de carregar armamentos, pelo espaço e especialmente pelo peso do tanque… já vi falarem que o Brasil não está comprando aviões para guerra… nesse caso seria melhor comprar jatinhos executivos da Embraer, são mais baratos e mais confortáveis, cabe mais gente… e atravessam o Brasil com um tanque de combustível, coisa que o Grippen não consegue nem com tanque externo.

  24. Antonio disse:

    Ui, Ui, Ui, o blog é meu eu escrevo o que quero!!!!
    A bola é minha, joga quem eu quero!!!
    Isso não é postura de um profissional da comunicação!!Quem se propoe a ter um blog, seja la do que for, tem que ter humildade para aceitar a opinião do leitores. Ou sera que temos q ver e escrever só coisas bonitas ???
    O presidente não pode fazer o que quer não!! O dinheiro que ele usa é nosso, dos nossos impostos, do povo.
    Agora FG se não gosta do que le aqui, tira do ar esse blog. pq com certeza eu não perco mais meu tempo vendo nada aqui.

  25. Andre disse:

    Simples,

    Essa eu ouvi in loco direto da boca do General Militar Adido do consulado brasileiro junto ao Governo do Canada e dos EUA. Nao vou colocar o nome dele.

    Mas disse ” a diplomacia so funciona quando tem retaguarda “, ou seja carcaca de Mig nao intimida ninguem. Mesmo que fiquem no chao neguinho tem que acreditar na capacidade de defesa.

  26. Marcio disse:

    Quanto ao SAAB esqueci de dizer andei lendo que ele tem um raio de ação menor (voo sem necessidade de re-asbastercer no ar) o que é lógico pois ele foi projetado para um país do tamanho da Suécia!
    E comprar aviões de guerra não é questão de entrar em guerra com ninguem é questão de proteção e também não passar vergonha, com uma força aérea que mais parece um bando de carroças voadoras, e transferência de tecnologia significa também o desenvolvimento de novos sistemas que podem render algum dindin para nós mais para frente não necessariamente na área militar.
    Falando em MIGs Flavio eles nãao estão tão fora de linha assim não a venzuela já fez um acordo com a Russia na compra de MIGs 29 de última geração a Russia ainda os produz e são armas ainda letais. foi até essa noticia que motivou a renovação de nossas aeronaves pois nossos F5 e MIRAGES mesmo os 2000 não fazem frente a eles.
    Não é o caso de que vamos entrar em guerra com Chaves ou o Kiko, e sim , caramba somos o maior pais da America do Sul agente ainda vai continuar usando essas velharias fora de linha pondo em risco até a vida de nossos pilotos?

  27. Eduardo (PE) disse:

    Até alguns anos atrás nem equipamento de som as Ferrari tinham. Tudo para não “atrapalhar” o grande barulho de seus possantes motores.

  28. Marcio disse:

    Flavio a transferência de tecnologia do Grippen também pode ser um tiro no pé pois grande parte dessa tecnologia vem do EUA e sabe como são os gringos com relação a isso, só botam dificuldades…
    Com relação a esse relatório ta meio estranho por o f18 americano como melhor opção que o RAFALE ta me parecendo beicinho dos técnicos com relação as declarações do nosso presidente antes do relatório ser entregue, pois nós até podemos usar os F5 TIGER, mas eles são da Northrop ( se escrevi errado me perdõem) o F18 é da McDonnell Douglas acredito que tenha diferenças, no caso do RAFALE e da mesma fabricante dos nossos velhos MIRAGES III e dos nosso atuais tapa buracos MIRAGE 2000, ou seja mesma mecânica e com uma cooperação de transferÊncia de tecnologia bem mais “amigavel” que a americana, acredito que isso está mais para politica e egos feridos do que um relatório totalmente isento…

  29. marcio disse:

    Nao podemos esquecer o escandalo do projeto SIVAM do governo FHC, que apesar de ser mais muito mais util (se estiver funcionando) que os caças do Lula tambem foi uma escolha politica com cheiro de maracutaia. Infelizmente nesses episodios a gente vê que não existe diferenças entre o principe e o sapo.

  30. Guilherme disse:

    Talvez a comparação certa seja: Peugeot (França) X Volvo (Suécia)…. Pelo menos ficaria mais bem explicado geograficamente…

  31. Fabao disse:

    A decisao vai acabar sendo politica, o Brasil vai querer o apoio Frances para a sonhada cadeira da ONU e acabou! ou pelo menos caso a compra nao vire, vao dizer que fizeram o possivel.
    Se for fazer valer a logica, vao de Saab.
    Sobre Ferrari X Volvo, o que o Herve Morin nao deve ter pensado e que o dono de uma Ferrari pode muito bem ter um Volvo para o uso diario!
    Eu teria um Volvo tranquilamente,puta carro, otimo para quem tem familia por que espaço nao eh problema.
    Ja a Ferrari nao eh uma questao de utilidade, a compra eh mais uma questao emocional do que qualquer outra coisa.
    comer mulher agente come ate andando a pe!
    Ah! mulherao? vc come com Porsche, Lamborghini, Audi etc!
    Tem muito supercarro ai e mais barato do que Ferrari, eh carro para quem gosta( eu teria umas 5).
    Talvez seja por isso q nao da para discutir politica, nego poe algumas coisas (nao sei se eh ideologia ou paixao por que para alguns partido politico parece futebol) mas todos os governos pisam muito na bola tambem.
    Nao sou petista e nao sou tucano, se o Brasil optar por uma compra por questoes politicas vou ficar muito puto por que tem grana nossa ali. Para a força aerea o SAAB eh melhor , otimo!
    Transferencia de tecnologia? e os AMX? por que nao estudaram e desenvolveram em cima daquela merda?

  32. Coelho Voador disse:

    Flávio, o Grippen seria ridiculo no Brasil… nem deveria ser considerado, um avião com autonomia digna de um país que é uma grande ilha, não tem autonomia para defender o território de um país continental como o nosso… o melhor avião seria o russo da Sukhoi, mas este foi estranhamente eliminado do processo… o Grippen é que deveria ter sido eliminado… a melhor máquina era o Sukhoi, mas os negócios com a França envolvem fabricação no Brasil e também submarinos nucleares… bem interessante… e lembrando que os militares devem estar bem putos com o Lula, prestes a perturbar a aposentadoria tranquila de ex-torturadores e criminosos da ditadura…

  33. carioca disse:

    MORTE AOS PETISTAS,PRINCIPALMENTE AO SAPO BARBUDO.

  34. carioca disse:

    flávio gomes fala bobagem demais,adora defender esse governo do sapo barbudo,lula é o maior defensor do país,só defende ladrão e acha corrupção normal,amiguinho de idiotas como chavez,morales e fidel castro,apoia o mst que não faz nada que presta,defende terrorista(battisti) ou seja é mais um sindicalista que adora mamar nas tetas públicas,e quanto aos caças é mais fácil deixar para quem entende que é o caso das forças armadas.

  35. Eric disse:

    Simplesmente sensacional a parte em que mete o cacete nas “rossas”.

    Por menos $$$,se compra um Porsche 911 Turbo e até a mulher usa se quiser para ir ao mercado.

  36. speed disse:

    tenho o grande prazer de ter um Volvo XC-60. Deve pesar umas 2 toneladas…Mas tem um motorzinho caprichado: 6 cilindros em linha, 3.0 turbo e 282 HP. Impecável, 0 a 100 em 7 segundos. E não bate em nenhum quebra-molas. Bem melhor que uma Ferrari inusável em SP. Sou mais Suecia no caso dos caças…Se forem tão bons quanto o Volvo…

  37. Júlio previero disse:

    Mulher não gosta de Ferrari….(e nem de homem).Mulher gosta de cartão de crédito….(e dinheiro)..

  38. Fred Berli disse:

    E sobre esse lance de transferência de tecnologia, não é simplesmente montar os aviões na Embraer. Isso é montar uma linha de produção tal qual a propria Embraer fez na China.
    Tranferir tecnologia é outros 500

  39. Fred Berli disse:

    Eu acho que essa historia do parecer técnico, com os Rafale em 3o lugar foi simplesmente a aplicação do velho ditado “quem desdenha, quer comprar”.
    Ja li que os Rafale poderiam sair agora por U$40 mi, o que ja é um preço bem mais em conta.

  40. luis antonio da matta machado disse:

    Flávio, continuo te admirando cada vez mais. Não sei como vc aguenta esses boçais que se acham os caras mais exxxpertos indo nessa conversa de Veja , e outros .
    Eh, tucanada nojenta.

  41. JP disse:

    Em tempo:
    França = 1º mundo, potência econômica = membro do Conselho de Segurança.

    Se a decisão pela compra dos Rafale for concretizada, fica claro o interesse do Brasil em se aproximar daquele país.

    Geopolítica é que move o mundo.

  42. Pedro disse:

    Os fatos é que o Gripen é um avião que não existe, o preço não considera os armamentos, o motor e o software são americanos e nem o governo sueco se comprometeu a comprá-los. Já o hornet, a grandiosa transferência de tecnologia será permitir fazer a asa e a fuselagem, ou seja, corre-se o risco de virar um gurgel, faz a carcaça, chega na hora do motor, tem que comprar de quem você quer concorrer… Enfim, não acho que seja grande furada esta compra dos rafale, que já foi testado, é fabricado por quem sabe e tem tradição de caças e ainda promete transferir tecnologia integral, pois, temos sim, capacidade de absorver a tecnologia, afinal, não somos tão vira-latas assim.

  43. Andre Decourt disse:

    Rafale igual uma Ferrari, esse avião francês, que ninguém compra deve ser Peugeot, Citroen e Renault, tudo junto….

    Quebra e ninguém sabe consertar ……

  44. Felipe Holtz disse:

    Olha, FG, o negócio é o seguinte: Os Gripen não tem tecnologia 100% sueca. Não saberia te dizer o quanto daquele avião é sueco, mas tem muitos componentes de aviônica e mísseis de origem americana. E é aí que está o x da questão: o governo americano tem uma lei, dos anos 60 ainda, que proíbe qualquer tipo de transferência tecnológica no campo militar para países latino-americanos. Acredite se quiser, é a pura verdade. Existe um lobby das empresas americanas para que essa lei seja extinta, pois estariam perdendo mercado para fabricantes de armas russos e franceses. Bom, se o Brasil comprar esses aviões pseudo-suecos estará fazendo um negócio de altíssimo risco, pois os fornecedores americanos do Gripen podem, e com certeza o farão, vetar a tal “transferência de tecnologia” para o Brasil pelos motivos que já expliquei. Tudo bem, custa a metade do preço, mas acho que o negócio com a França será muito mais vantajoso para o Brasil, apesar de algmas declarações desastradas por aí. Agora, o que tem de gente escrevendo bobagem no seu blog sobre esses assunto, Deus me livre…

    • ELVIBRUNO disse:

      Assim como o F 16 e o F18, o Grippen NG é um caça multifuncional, mas a grande vantagem do Gripen no mercado internacional é a capacidade de arma-lo com uma enorme variedade de armas de diversas origens. Assim você pode equipa-lo com mísseis Mica, se o governo americano vetarem a venda de mísseis Amraam para seu país, ou ainda mesmo, pode-se adapta-lo com mísseis R-77 russos. Caso necessário, os motores Volvo RM – 12 poderiam ser substituídos pelos russos Tumansky ou Lyulka , dentre outros ítens. Essa capacidade é também única e o torna muito atraente no mercado de caças.

  45. Fernando Melo disse:

    Sensacional o post.

  46. Danilo Gaidarji disse:

    A citação de “comer a mulherada” foi demais!!!

  47. roberto disse:

    e o celso amorim nossa sumidade da diplomacia, não falou merda também quando se referiu a uma decisão política? (comentário anterior não foi publicado)…

    • Flavio Gomes disse:

      Não. Falou claramente. Decisão política. Ninguém esconde isso.

    • Ricardo Bigliazzi disse:

      Decisão politica??? Então pra que licitação???

      Alguém conhece a piada dos dois presidiarios jogando “escopa”????

      O presidiario novato sempre perdia do veterano quando iam jogar “escopa”… os caras pegavam as cartas…. e sempre o presidiario veterano virava as cartaas na mesa e dizia “escopa”… e pegava a grana do presidiario mais novo… tudo era sem logica… e diante da trapaça o presidiario mais novo se antecipou ao movimento do presidiario mais velho e ao mesmo tempo que mostrava as cartas já foi falando “escopa”… na hora que ia colocar a mão no dinheiro o presidiario mais velho disse… “escopa real”…

      Isso tá mais parecendo um jogo de “escopa” em um presidio turco… o mais inteligente é o ultimo a cantar… “escopa real… o Rafale venceu”.

      Imperador

  48. Rodrigo Dutra disse:

    Os caças da SAAB tem uma autonomia de voo muito menor, algo como 900km enquanto um rafale tem o dobro disso. Pra um país com a dimensão da Suecia isso não é um grande problema, mas pro Brasil é sim. Apesar de que realmente a proposta sueca parece ser bem vantajosa

  49. carioca disse:

    Eu gosto dos comentários flávio gomes,mas algumas vezes fala bobagem igual ao galvão bueno,comparar uma ferrari,com esses carros sem graça da volvo é sacanagem,dizer que pode pegar mulheres mais interessantes com um volvo é brincadeira,eu quero mais é uma ferrari que venha junto com uma loira siliconada,carro não é feito apenas para mobilidade e usado tbm para pegar mulher……

  50. Glauber disse:

    Este é o calibre dos imbecis que atualmente governam este país. E querem avião francês pra poder embolsar muuuita grana.
    A Suécia quer passar a produzir a nova geração deste modelo de avião aqui na Embraer. Mas eles querem os Rafale, pagando o dobro de preço, alegando que é por causa da transferência de tecnologia. Será que produzir os aviões suecos aqui na Embraer não seria também trazer 100% da tecnologia?
    Engana que eu gosto.

    • Flavio Gomes disse:

      Quem quer embolsar grana? Você tem provas para fazer tal acusação? O problema do Brasil é esse: tem gente que fala merda demais e não há consequência nenhuma para essa verborragia descontrolada.

    • Joaquim de Souza disse:

      Embolsar grana como???? ai ai ai!!!

      O povo ouve o escândalo do Arruda, que é um infeliz, misturam as coisas e falam que todos são ladrões… Tudo bem que as vezes nós ouvimos pérolas de políticos de todas as bandeiras, inclusive nosso “presi” falando que imagens não falam por sí, Sergio Cabral dizendo que o Rio está sendo roubado em relação a partilha do pré-sal e o Serra fazendo “totô” no “bimbim” em relação a marginal Tietê…

      FAIZ PARTI!!!!

    • Microempresário disse:

      Claro, só alguém muito mal intencionado imaginaria que vai rolar grana em um negócio destes. Negócios de bilhões de dólares com o governo são sempre conduzidas com a mais absoluta austeridade. Na verdade, nem mesmo um único membro do governo viajará a Paris para assinar os contratos; mandarão por Sedex.

    • alexandre disse:

      è a mesma verborragia que diz que a corrida de Formula Indy (não sei se ainda é chamada assim) que será realizada em São Paulo é puramente eleitoreira . Gomes , voce tem prova disso ?

    • Bugre disse:

      Os armamentos dos caças suecos são americanos, o que leva ao mesmo problema dos caças F-18. Funciona assim: O brasil compra os mísseis e os EUA “guardam” eles para nós lá em território americano. Um dia, se o Brasil entrar em guerra, avisa os EUA que vai precisar dos mísseis e eles mandam para nós. Bom negócio né?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *