AUSSIES (2)

SÃO PAULO (morri de rir) – Devo confessar que gargalhei de madrugada. Acho que foi no primeiro treino, na transmissão da Sportv, que o impagável Lito Cavalcanti foi mencionar a equipe de Bruno Senna e mandou um “HRT” no ar. Depois, percebeu que não precisava. Ao que parece, Hispania está liberado nos canais globais. Aí, num bem-humorado protesto contra a babaquice imposta pela chefia, que proíbe a citação de nomes como Red Bull, Toro Rosso ou Virgin, Lito mandou: “HRT, VRT, IPVA, INPS, IPTU, é um monte de siglas, uma sopa de letrinhas…”

Foi algo assim, não anotei o que o Lito falou literalmente, mas foi bem engraçado.

A gente perdoa. Como se sabe, os funcionários da Globo e de suas filiais não têm culpa em algumas coisas. Há anos chamam times de vôlei, basquete e futsal pelos nomes de suas cidades, para não usar as marcas que lhes dão nomes, os câmeras são obrigados a cortar bonés em entrevistas, logotipos são adulterados por computador, uma várzea só. Assunto já batido aqui. É que a revolta do Lito foi um barato. E ele que se cuide. Fico imaginando se um dia alguém lança no mercado de calçados e afins as botas “Fogo”. E o Lito terá de se referir ao seu clube do coração como BFR. Aí ele não aguenta.

Comentários

  • O Lito é um profissional de respeito, e acho que ficaria muito bem transmitindo a corrida sozinho, assim como o Fausto Macieira na moto velocidade. Tem cara que tem carteirinha de repórter mas não tem competência. Sorry.

  • Não sou muito fã do Lito Cavalcante, acho o Celso Itiberê muito melhor, mas tenho que dar os parabéns a ele, pois apesar de ser funcionário da rede TV Paulista, ele fala o que pensa, já o vi várias vezes no Linha de Chegada dando opiniões contrárias as da emissora, incluindo aí o Reginaldo Leme, e nas transmisões não é diferente.

  • A redeglobo e uma TV que não respeita o direito de expressão de seus funcionarios, eles cortam tudo que possa indagar um patrocinador.
    E quase uma ditadutra ala Chaves.

    “Viva a liberadade de expressão meu povo, não a deixe morrer”

  • incrível, isto não ocorre só na F1, os comentaristas da globo sempre cobram das empresas patrocínio para nossos atletas. Quando o conseguem, a própria globo faz questão de não mostrar…aí o patrocinador fica desistimulado,,,,,os funcionários daempresa deveriam fazer uma pressãozinha,,,,,por a culpa 100% na globo também é fácil…

  • Há muito tempo este monopólio da RG já encheu o saco. Já q não tem outra alternativa, vamos ver a transmissão na TV e ouvir no rádio, de preferência na Bandeirantes, pois dá pra ouvir o nome normal da scuderias…

  • Caraca foi muito engraçado mesmo, e o mais incrível foi o Galvão dizer no treino de qualificação que “eles” Galvão, Reginaldo e o Carlos Gil eu acho, que vão ensinar ao Bruno Senna e ao Di Grasi que não devem falar em milhas, qualifine, etc… Pois o tele espectador não entende!!! hahahaha Porra os caras são demais, acham que só analfabetos que não entendem nada de corridas que ficam 3 horas da manhã vendo corrida de F1, esta foi de matar!!!

  • Não sei como vai ser amanhã, mas hoje, no final do treino, ao falar do Lucas Di grassi, Galvão falou um “VIRGIN” bem sonoro..
    ainda um pouco envergonhado, mas foi Virgin sim.
    acho que até ele deve achar babaquice isso tudo..rs
    vamos conferir amanhã.

    • Verdade, ele disse umas 2 ou 3 vezes, ainda que de um jeito meio esquisito.

      Acho que ele ficou meio sem saber o que fazer e chamou a Virgin várias vezes de “a equipe do Di Grassi”

  • Dr. Flavio Gomes,

    Vossa excelência como jornalista renomado, dublê de piloto, escritor, jurista singular (por não ter conhecimento das leis que regem sua atuação, como jornais, revistas, rádio, TV e internet). Perigoso!!! risos…
    Para lhe ajudar a fazer textos sem apelação leia um pouco! Opa, muito mais… sobre as leis que formam o Direito Publicitário, como artigo escrito por Caroline de Camargo Silva Venturelli e Camila de Camargo Silva Venturelli:

    “Nota-se que com a difusão dos meios de comunicação de massa e a conseqüente atuação da Publicidade e da Propaganda objetivando a promoção de marcas e a venda de produtos através da exploração da imagem, a presença do Direito se torna fundamental a fim de evitar agressões à dignidade da pessoa humana no que tange ao poder de discernimento àquilo que deve ou não ser consumido, principalmente quando há a exploração de valores e ideologias que não se coadunam com os valores previstos no ordenamento jurídico.

    O esforço conjunto na esfera internacional torna-se essencial para que a propriedade intelectual, notadamente as marcas e a imagem, não sejam utilizadas de forma indiscriminada e irresponsável pelos meios publicitários, e notar que o esporte, como prática estimuladora do cultivo de hábitos mais saudáveis e sem vícios nocivos à saúde, seja utilizado pela Publicidade como meio a estimular os jovens a seguirem esse exemplo de vida.

    Também é muito importante mencionar que o Brasil tente acompanhar as tendências mais modernas no campo da Publicidade anti-tabagística promovida no mundo, salientando a presença, já vista, de legislação específica sobre o tema do tabaco e do esporte.”

    Porém é bom ler o artigo todo para melhor conhecimento! Beleza…

    Fonte: http://aldeiajuridica.incubadora.fapesp.br/portal/direito-publicitario/doutrina/publicidade-propaganda-e-direito-divulgacao-de-marca-e-exploracao-da-imagem-o-problema-do-tabaco-no-esporte-1/