PASSA-PASSA

SÃO PAULO (vixemaria) – A temporada de 2011 já é a que tem maior média de ultrapassagens por corrida nos últimos 30 anos. Não há estatísticas confiáveis anteriores a 1982 para saber se antes disso as coisas eram ainda mais agitadas. Em Istambul, foram 113. O aumento de ultrapassagens vem sendo muito acentuado desde a primeira corrida da temporada: 29 na Austrália, 56 na Malásia, 85 na China e agora 113 na Turquia.

Alguém escreveu nos comentários da corrida, já não vou saber quem, que na verdade o que se tem neste ano não é piloto que ultrapassa o outro, mas que passa o outro; não precisa se esforçar, porque quando chega, leva porque o cara da frente está com os pneus esbagaçados, ou porque usa a asa móvel.

No primeiro caso, é apenas uma questão de encontrar alguém mais lento à frente. Isso acontecendo, o piloto sabe que não vai ter de estudar o melhor momento, dividir uma freada, nada disso. Vai, desvia e passa. No caso das asas móveis, é só abrir a bagaça e esperar pela desgraça do que está à frente, indefeso, sem poder lutar pela posição.

Sim, as corridas estão mais divertidas de se ver. Mas continuo com minhas dúvidas. É legal desse jeito? Dia desses escrevi que sim, pelo menos as pessoas que estão assistindo têm mais do que apenas uma procissão de carros velozes e coloridos para ver durante quase duas horas. Mas não está meio artificial demais, não? As ultrapassagens, que eram como o gol do futebol, elaboradas, tecnicamente difíceis, bonitas, marcantes, não ficaram meio bestas, fáceis, banais?

Continuo sem saber direito o que pensar.

Subscribe
Notify of
guest
172 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Paulo Emilio
Paulo Emilio
11 anos atrás

Eu não acredito que quem gosta de automobilismo e acompanha a Formula 1 a décadas como eu pode acreditar que o que estamos vendo são ultrapassagens ! É deixar demais de lado o senso crítico ! De que adianta termos 1.000 ultrapassagens por prova se quem vai a frente não pode modificar o seu traçado e nem usar a tal asa movel para se defender ! A Formula 1, como acredito quase todas as categorias do automobilismo atual , passam por um momento crítico ! O que dizer do fato de que em uma prova de 01:30 são permitidas e realizadas 04 paradas nos boxes para trocar os pneus ! De uma categoria em que quem larga na frente em 99% das vezes vence a prova ! Pobre e repetitivo espetaculo para a TV ! Chega de artificialismo ! Haja botox e silicone !

2SIX
2SIX
11 anos atrás

Para mim, a solução seria a volta dos freios de aço…

Ricardo Hilgenberg
Ricardo Hilgenberg
11 anos atrás

Eu compartilho sua dúvida. Antes, quando tínhamos a fila de carros, falava-se da turbulência e, consequentemente, a impossibilidade de se ultrapassar… Mas Rubens não passou Schumacher na Hungria? Temos vários outros exemplos.

E se fizessem como no final dos anos 80, corridas sem pitstops? Já que os pneus não desgastariam e não teríamos abastecimento, as estratégias de boxes também não influenciariam, evitando aquele cenário onde o de trás não ultrapassava e entrava nos boxes para ganhar a posição no pit. Sem isso, teria que ser tudo na pista. O que acha, Flavio?

Na China até achei legal pois o coitado do cara da frente dava o lado de fora e tentava se proteger, mas na Turquia não tinha jeito, era por fora, por dentro, por todos os lados… foi meio broxante.

Um abraço,
Ricardo.

DEX
DEX
11 anos atrás

Se por um lado quebra aquela monotonia de desfile de carros, deixando atrativa a competição, a sequência de ultrrapassagens com a asa aberta beira a mais pura covardia, não há nenhuma chance de defesa. A condição dos pneus é aceitável, pois são volateis e acho que ainda não acertaram o tempo deles e as reações com temperaturas + altas isso talvez se acerte pro meio da temporada, mas a abrir a asa pra ultrapassar é como passar por carro de 1000cc com 5 pessoas+ar condicionado ligado na subida da Anchieta e você de motor 2.0 e sozinho, é acelerar e ir embora, enquanto o outro se arrasta (ao menos é essa a impressão).

Caveira
Caveira
11 anos atrás

Se não tem nenhuma, reclamam….. Quando passa a ter, reclamam também…… este é o ser humamo……

Boa Morte a todos
Caveira

Tiago Marçal
Tiago Marçal
11 anos atrás

A F1 era como o gol no futebol…hoje é como o basquete com suas cestas, simples assim! Pra saber se você gosta dessas novas corridas é só se perguntar se você gosta de basquete!rs Então Flavio, tu gosta de basquete?! =D

Rafael Rodrigues
Rafael Rodrigues
11 anos atrás

Até hoje a F1 ainda não “acertou a mão”. Regras ridículas sepultaram a ultrapassagem, tirando peso aerodinâmico, colocando pneus sulcados e outras bizzarrices.

Regras ridículas agora banalizaram-na. Acabou aquela história de: “ah, fulano conseguiu um pódio porque nas ultimas dez voltas segurou na unha a posição.”

Eu sempre desconfio das soluções muito simples, mas porque raios eles simplesmente não liberam as regras? Deixa cada um por si, cada um com a aerodinâmica que achar melhor, tira a telemetria, metade dos botões do volante e deixa o pau cantar. Seria muito mais justo.

Felipe
Felipe
11 anos atrás

Bem FG concordo com vc, elas… as ultrapassagens se banalizaram, principalmente por causa dos pneus. Realmente fica muito complicado segurar a posição… não tem como, mas será que a Fia não poderia voltar com os pneus normais do ano passado… sem esse desgaste excessivo e manter a asa móvel? Poderia colocar em dois pontos dos circuitos, 90% tem sempre duas retas. Acho q a asa movel varia de eficiência de circuito para circuito, na Turquia penso eu que mesmo sem o desgaste dos pneus tiriamos uma corrida muito boa em decorrencia do traçado.

Mesmo assim prefiro desse jeito com os pneus esfarelando, se não fosse isso teríamos uma temporada parecidissima com 92, 96 e 2004 onde apenas uma equipe corria e as outras iam seguindo enfileirados atrás, sei que mesmo assim o vettel ganharia, mas eh merecedor pois ele e o carro são realmente os melhores e por isso ganhariam em qualquer situação.

Falow abs.

NILSON PAIM
NILSON PAIM
11 anos atrás

Flávio…a questão é que tornou-se em 80% dos casos, um ato artificial. O piloto “passado” pode estar em clara vantagem na corrida (entenda-se cumprir a distancia total de uma prova em menor tempo possível), mas naquele momento, pontual, ele foi inferiorizado por uma artimanha “comercial”, puramente comercial. A regra do combustivel, limitações e desgastes de pneus e a utilização do KERS, são questões técnicas e de performance das equipes e pilotos e permite melhor “sorte” aos mais competentes. Mas a “asa em angulo de ataque” é artificial e completamente injusta. Acredito que somente a retirada deste componente ou a liberação total e irrestrita deste “artificio” (embora perigoso !!!) manteria a competição nas mãos de quem faz acontecer, e o diferente entre os pilotos seria real. A banalidade da “passagem” é um desserviço a quem constroe uma ultrapassagem (aproximação, melhor ponto, retomada de aceleração) e aos que se jogam “loucos” e apostadores, que diga-se, é o melhor do automobilismo competitivo. Obrigado, Nilson Paim-PFundo/RS.

Gabriel
Gabriel
11 anos atrás

Flavio, concordo plenamente assim como concordei anteriomente quando falou da banalização das ultrapassagens. Acredito que a formula 1 esta cada dia mais virando uma brincadeira de engenheiros, pois, o piloto tem que fazer aquilo que o engenheiro diz e tudo mais… ele é um escravo do que os engenheiros medem e falam….” você esta freando de mais na curva 8″ ; ” Voce tem que ser mais rápido que o piloto da frente”; “Alonso esta mais rápido que você”; entre outras coisas…..
Vejo os pilotos de hoje como futuros microprocessadores….. daqui a pouco veremos corridas não tripuladas onde os pilotos estarão nas arquibancadas com seus controles remoto.

e
e
11 anos atrás

ESSA COISA DE PNEUS ACABANDO É UM BABAQUICE A ASA MOVEL ATE DA PRA ENGOLIR JA QUE O QUE FOI ULTRAPASSADO PODE REAGIR E USAR DA MESMA ARTIMANHA MAS PNEUS DESGASTANDO?? E A SEGURANÇA DOS PILOTOS NAO PODE SER AFETADA??? E O RUBINHO QUE REPRESENTA OS PILOTOS QUE DIZ DISSO ??? SERIA BOM PERGUNTAR A ELE NAO É GOMES??

Andre Decourt
11 anos atrás

Prá mim arrancaria todas as asas, voltaríamos aos charutinhos, aí leva chassis e motor e logicamente braço

vitão
vitão
11 anos atrás

ficaram banais sim, não exigem arte, perícia ou talento. Virou um video game. Se a FOM queria promover a f-1 entre os mais jovens, fez da pior maneira possível.

Jean
Jean
11 anos atrás

Pois é, a história da goleada de penalty, aumentou o número de gols, mas os bonitos, praticamente não se vê mais.

Adriano
Adriano
11 anos atrás

Nao acho artificial, as asas moveis sao pra todo mundo, os pneus tambem, cada um que use da melhor forma,, se um piloto foi ultrapassado em funcao da asa movel que retome sua posicao na volta seguinte,,,

Luiz Souza
Luiz Souza
11 anos atrás

Para pessoas normais e não fanáticos como nós, ficou muito divertido.

Até meu pai tem visto as provas da F1 esse, com esse passa passa frenético.

Tirando o Vettel o campeonato está bem mais disputado na pista !.

Acredito que os pilotos estão se divertindo, com roda com roda, igual na Turquia teve.

Acho que não ficou tão banalizado assim.

O maior problema no passado é que dificilmente vc veria alguem passar em pista.

Tem a largada, 3 voltas de euforia, todo mundo fica em procissão mais umas 15 voltas, só se ganhava a posição no box e olhe lá.

Hoje não mais, pelo menos tem roda com roda, uma briguinha, alguns toques algo á mais pode acontecer e dar emoção as provas.

Logicamente que em circuitos como Monza, Spa e Interlagos eram sempre as melhores provas do ano.

Imagina neste ano como serão !

Sempre digo: “O que o Tilk matou da F1, os pneus e asa móvel trouxeram devolta”

Sandro Goiano
Sandro Goiano
11 anos atrás

Não.

Gusta
Gusta
11 anos atrás

Ótima relfexão Flávio; sim, a coisa ficou meio artificial , mas acontece que o gol – principalmente com os pits – estava ficando muito díficil de acontecer no passado. As corridas eram empates com sabor de derrota para o telespectador.

Agora, dá para imaginar alguns imponderáveis nas disputas de ultrapassagens, e isso não acontecia antes…

Guzz
Guzz
11 anos atrás

Tudo bem Gomes?

Eu também sou dos que ainda não sabe ao certo se está bom assim. Acho que “tá ruim mas tá bom”…

Vendo bem superficialmente, é algo com na Indy, onde as bandeiras amarelas agrupam todos novamente e a “emoção” reacende. Acho que se não fossem as bandeiras amarelas e os vários reabastecimentos, seria igual à F1, pilotos indo embora e dando voltas nos mais lentos.

Alvaro Megamix
11 anos atrás

Verdade, ficou artificial sim , mas no caso da asa movel , se ultrapassa, na proxima volta o ultrapassado pode usar a asa tambem. Para o piloto deve ser a maior sacanagem ser ultrapassado e não poder fazer nada, para nós que estamos assistindo é ótimo.
No caso dos pneus , acho que as equipes e pilotos vão se adaptar. Agora que ficou bom assistir ficou , acabou a monotonia , tirando o Vettel que vai la na frente, inclusive apareceu muito pouco na ultima corrida. abraço

Marcelo Granzotto
Marcelo Granzotto
11 anos atrás

Pois é. Nem tudo é unanimidade, como os Ladas.

Eu ainda preferia que aquele Overtaking Working Group tivesse dado resultados no sentido de fomentar ultrapassagens “reais”. Asa traseira/extrator gerando menos turbulência e mais vácuo e dianteira menos suscetível à turbulência, junto com pneus slick adequados (menor dependência de grip aerodinâmico).

Fábio Eduardo
Fábio Eduardo
11 anos atrás

Teriam que ter mudado os carros, e não colocar asa movel ou pneu que desgasta facil para facilitar a ultrapassagem. Fico mais divertido, mas vai chegar uma hora que vai enjoar por ser muito simples, e facil, como você disse acima.

Sidney
Sidney
11 anos atrás

Olha , no caso da asa , parece né ?? Mas o Hamilton tomou um suador para passar o Butom , e o Massa então ??

Acho que os pneus provocam coisas legais , como a Sauber que ajeita o carro para não gastar pneus . E o Shumacher tomando passão por todos os lados ?? Sem o pneus gastos , o carro dele tinha 2,5m de largura…

E ainda não teve corrida com chove e seca , ai sim vai ser mucho loko

Abraços.

PS Voce també usa Pirelli com desgaste da FIA / FOM ??

Sandro
Sandro
11 anos atrás

Assisti o GP turco e fiquei com a impressão de que as ultrapassagens ficaram banalizadas e sem emoção. O próprio Regi se manifestou na transmissão apesar de depois ter voltado atrás cobrindo de elogios tais ultrapassagens. Acredito que o grande problema da F1 continua sendo os circuitos. Mexem-se tanto nos carros para tentar resolver o problema que acabam deixando o esporte de lado. Como sempre a F1 é tratada mais pelo lado comercial do que o esporte.

Rodrigo
Rodrigo
11 anos atrás

Acho que os dois pontos de vista estão certos. Está legal de ver as corridas, mas fica sempre aquela coisa de “ah, se não fosse a asa não passava”, ou “nossa, passou muito facil… o outro tá sem pneu, tá na hora de parar”.
Apesar dos passadões que estamos vendo, note-se, não existe a briga pela posição.
Acho que os pilotos pensam assim, ó: pode passar, porque eu vou para os boxes, troco os pneus e te pego na proxima.

Fernando Cesar Miranda
Fernando Cesar Miranda
11 anos atrás

Olá FG,

Acho que a formula 1 ficou bem mais divertida e levará um tempo para que todos nós nos acostumemos com este “corre-corre”.
Já tinha ouvido está comparação da ultrapassagem com a do gol no futebol, e estavamos em um jogo retrancado e feio, em que o placar de zero a zero ou um a zero estava ficando comum.
Prefiro pensar no basquete ou no volei. São muitos pontos por partida. As partidas são corridas e, muitas vezes, não menos emocionantes.
A F1 burocratica, assim como o futebel “de resultado”, não agrada ao publico que gosta do espetáculo.
Embora “artificiais” as medidas implantadas trouxeram de volta o espetáculo a F1.
Os pneus forçam a estratégia, da classificação à corrida, e são iguais a todos.
A asa móvel, se não dá chance de defesa, dá a oportunidade do “troco” na próxima volta. E dá-lhe ultrapassagens.

Eu gostei …

[]s
Fernando.
@fcmiranda_

rubem rodriguez gonzalez
rubem rodriguez gonzalez
11 anos atrás

VIVA A NASCAR INTERNATIONAL!!!!!!

Já temos ultrapassagens(?) aos centos, trinta paradas nos boxes por corridas e pontos distribuídos até o décimo colocado e regulamento intrincado.

O que falta para a meu ver para no meu caso nem precisar mais ligar a televisão:

INTRINCAR AINDA MAIS O REGULAMENTO, AINDA ESTÁ DANDO PARA ENTENDER ALGUMA COISA.

AUMENTAR OS NUMEROS DA PONTUAÇÃO, AMERICANO ADORA NÚMEROS ROBUSTOS, QUE TAL COMEÇAR COM 10.000 PONTOS PARA O VENCEDOR E DISTRIBUIR PONTOS ATÉ PARA QUEM TEM A MULHER MAIS GOSTOSA? SERIA DIVERTIDÍSSIMO PARA QUEM GOSTA DE ÓPERA BUFA E PALHAÇADA EM GERAL. ÓTIMO PARA PÚBLICOS BBB….

ABERTURA DE OUTRO BOXE, ASSIM O CARA PODERIA USAR PNEUS EXTRA-ULTRA-HIPER-SUPER SOFT QUE DURAM APENAS MEIA VOLTA, O CARA FAZ UMA ESTRATÉGIA DE DUZENTAS PARADAS NUMA CORRIDA DE 70 VOLTAS E PODE SE DAR BEM….

INTRODUÇÃO DO BOTÃO “OFF OTHER” QUE PERMITE QUE O OPONENTE QUE SE ENCONTRA A MENOS DE UM SEGUNDO E 357 MILÉSIMOS DO OPONENTE DESLIGAR O MOTOR DO OUTRO, MAS ISSO SE DARÁ ENTRE DUAS BALIZAS FINCADAS NO FINAL DA RETA OPOSTA ( SE HOUVER) OU ENTÃO NA SAÍIDA DA TERCEIRA CURVA A DIREITA E SE A LUA ESTIVER ALINHADA COM O QUARTO ANEL DE SATURNO, COISINHA SIMPLES E DESCOMPLICADA……

E PARA ACABAR DE VEZ COM A CATEGORIA E NÃO ATRAPALHAR O MEU SONO DOMINICAL, A INTRODUÇÃO DOS EMOCIONANTES OVAIS…..

Acho que com essas medidas a F-1 poderia ser apenas disputada nos EUA pois a intenção clara dessa pataguada toda e entrar no bilionário mas ridículo circuito americano de automobilismo, não nego a vocação dos ianques para o esporte automotor, o problema é que todas as categorias lá são acompanhadas pelo show business e o compromisso maior fica por conta da grana que rola e pela predisposição que o americano possui para o esporte-gincana e a galhofa em geral, luve-se a graneira FIFA QUE APESAR DE TODAS AS PRESSÕES NUNCA MODIFICOU O FUTEBOL PARA SER MAIS ACEITO PELOS IANQUES, já a F-1 através da FIA, FOCA e mais o que valer partiram pesado para a prostituição e o resultado é essa mixórdia que para mim parece mais uma aberração do que uma corrida da categoria que já foi a máxima do automobilismo e se esforça para virar a mínima…… Mas os negócios vão bem, o importante é a grana, a corrida é só um mero detalhe……

Tito Neto
Tito Neto
11 anos atrás

Acho que a defesa de posição é tão bonita quanto a ultrapassagem. E tem acontecido diversas ultrapassagens e quase nenhuma defesa de posição.
Lembro de algumas corridas que assisti, nas quais um piloto levava algumas voltas para conseguir uma ultrapassagem, mesmo tentando em todos os pontos da pista.
Hoje é tudo muito previsível. Sabemos que a “passagem” vai acontecer sempre no mesmo lugar e as vezes, até antes da freiada.
Parece aquelas corridas de arrancada. Sem graça.

Bruno Mantovanelli
Bruno Mantovanelli
11 anos atrás

Realmente, as corridas estão mais movimentadas e mais gostosas de assistir, porém a ultrapassagem ficou banalizada. É muito fácil ultrapassar agora. O piloto da frente muitas vezes nem tenta brigar pela posição.
Acho que a asa traseira móvel é um exagero.
Imagine essa asa traseira em Interlagos. Na reta dos boxes…. vai ser desleal..

Júlio
Júlio
11 anos atrás

Bem, Flávio, no início do campeonato foi divertido ver a asa móvel funcionando, o aumento do número de ultrapassagens, a maior “emoção” nas corridas, mas o que está fazendo a maior diferença e deixando a F-1 com essa cara de “artificial” são os pneus.

As brigas entre carros com rendimento parecido tendem a ser mais emocionantes com a asa móvel, mas o desgaste rápido dos pneus faz com que os carros variem demais seu rendimento…

Creio que isso vá ser regularizado no decorrer do ano, até porque, como vi no Blog do Groo, daqui a pouco os ambientalistas vão cair de pau em cima da F-1 por causa dos resíduos de pneus deixados para trás…

cyro de cicco
cyro de cicco
11 anos atrás

Eu até acho certo a questão dos pneus , pois envolve estratégia, um momento x, y , z na pista. Se pensarmos bem, a questão do pneu é igual para todos. Já a questão da asa, eu não curto. Extremamente artificial, parece coisa de desenho animado, tipo Nitro do Velozes e Furiosos. Para mim não dá.

Trasher
Trasher
11 anos atrás

Eu não acho. Vejo algumas ultrapassagens que são passões. Mas acredito que estes casos também aconteciam no passado.

Pra mim o que mudou é que carros com desempenhos mais equilibrados agora tem a possibilidade de ultrapassar.

Ricardo Arcuri (Paddock Press)
Ricardo Arcuri (Paddock Press)
11 anos atrás

Flavio, como ja falei pra muita gente, esses artificios sao necessarios numa epoca em que a F-1 depende muito da aerodinamica. Nao ha mais como vermos o que acontecia na decada de 80, pq os carros sao construidos para terem grip causado pelas asas, que sao mais eficientes que os mecanicos a partir de determinada velocidade. O que ninguem esta pensando NA FORMULA 1 é que isso pode ser controlado.

Como? Respondo com uma pergunta: o que a Indy faz a respeito? Push to pass, limitado a um determinado uso por corrida (a Stock Brasil segue da mesma ideia). Como seria se limitassemos o uso do KERS e da DRS? Teriamos um uso mais inteligente do recurso e ultrapassagens mais inteligentes, certo?

Grande abraço!

Wilson Lima
Wilson Lima
11 anos atrás

Flavio, Bom Dia!

Tenho o mesmo sentimento que vc, daqui a pouco aquela “espetacular” ultrapassagem do Piquet no Senna na Hungria vai ficar banalizada. Se o problema era falta de potência desde o inicio, pq a FIA não libera a potencia dos motores?? So porq a Ferrari explodia 12 motores por ano!!!! tão fundamentais nas ultrapassagens na década de 80. Cresci ouvindo que em Mônaco o ideal seria sem ASA na parte travada e ASA aberta na pequena curva reta ou tunel, agora vamos ter.

Abrs!

Mauro Batera
Mauro Batera
11 anos atrás

Já faz tempo que a F1 como um todo esta super artificial!

Roberto Martinez
Roberto Martinez
11 anos atrás

Muito artificial.
Do jeito antigo seria como conquistar uma linda mulher e passar a noite com ela…comer mesmo!
Do jeito atual, vc pega quem quiser, mas só no 5 X 1…

Marcelo Barros
Marcelo Barros
11 anos atrás

Eu estou gostando, embora em Istambul tenha sido exagerada a facilidade das ultrapassagens. Mas não esqueçamos que não é proibido ultrapassar no restante do circuito, inclusive vimos no domingo uma sensacional do Button em cima do Hamilton sem uso da asa, mais algumas outras (se não me engano, a maioria em cima do Schumacher). Um bom termômetro será a próxima corrida na Espanha, que sempre gera “desfiles” enfadonhos. Será um belo teste. Abraço.

Zeno
Zeno
11 anos atrás

“As ultrapassagens, que eram como o gol do futebol, elaboradas, tecnicamente difíceis, bonitas, marcantes” de que ultrapassagens esta falando? elas não existiam, lembro da “era Shumacher” meu deus, assistir a corrida inteira e não ver uma, uma ultrapassagem sequer, ficar esperando erros do box, motores quebrarem (alias não quebram mais, porque?) ou loucos invadirem a pista pelados para se ter um pouco de “emoção”? concordo que o 113 numa corrida é um pouco demais, chega a atrapalhar, mais voltar ao que era antes não é uma coisa que eu gostaria; e tem mais, acho que em pistas mais travadas como Mônaco e até mesmo na Hungria esse numero vai ser bem menor, vai dar até pra lembrar de épocas distantes…

marcio riva
marcio riva
11 anos atrás

Seria muito mais legal se os carros da F-1 não fossem tão dependentes da aerodinâmica e não tivessem freios tão absurdamente potentes. Um bom exemplo é a GP 2 que na corrida do sábado proporcionou belas disputas, algumas vezes de 3 lado a lado, ou quem sabe a indy que tem carros que se valem do efeito solo e não dependem tanto das “asas”, proporcionando ao piloto que está atrás consiga andar bem mais próximo do carro que está a frente.

Edu Guanaes
Edu Guanaes
11 anos atrás

Na minha humilde opinião, esta muito sem graça.
Mal comparando é o mesmo que em um jogo de futebol quando o adversário pegar a bola o goleiro não poder se mover em frente ao gol.

jbchaves
jbchaves
11 anos atrás

Fico com o Andre Jung: são como gols de penalty, mas são gols…mesmo que o penalty seja garfado.

Flávio
Flávio
11 anos atrás

O ideal não seria que fizessem com que o carro da frente criasse o vácuo, como sempre vimos antigamente?

Milton Eller
Milton Eller
11 anos atrás

Não gosto do formato pois não há briga por posições, é como passar por um retardatario, somente falta o fiscal avisar com uma bandeira (tomara qua a FIA não leia este comentário). Que tal retirar parte destes comandos e deixar que os pilotos resolvam com uma boa disputa???.

marcão
marcão
Reply to  Milton Eller
11 anos atrás

Ixíííí´ !!!
VC tocou num ponto muito importante!
Já pensou se o “”iluminado”” do diretor de provas mandar o fiscal de pista ficar mostrando a azul pro cara que vai ser passado pra trás?
No final da corrida o cara vai estar com os braços “”esfarelados””!!!
Sem direito a troca!

miguel direito
miguel direito
11 anos atrás

Eu prefiro assim. No dia em que tiver corrida feita fila indiana, estilo Hungria ou Barcelona sem chuva em ano normal, vai ver que é melhor como está este ano.
E na verdade várias ultrapassagens não se conseguem efectuar, mesmo neste ano. Acresce que o facto de o piloto A ultrapassar o B facilmente na volta 10 não significa que no final o piloto B não fique à frente do A, e esta diversidade de andamentos e estretégias é espectacular.

Wendell Fiorin
Wendell Fiorin
11 anos atrás

Tá legal pra caramba, melhor assim do que aquela procissão.

Foi muito legal ver o pega do Button X Hamilton.

Deixa do jeito que tá.

Piloto de carrinho de supermercado
Piloto de carrinho de supermercado
11 anos atrás

Ainda estou meio na dúvida também. Embora tenha havido ultrapassagens bem disputadas, muitas foram banais mesmo. No entanto, será que não estamos estabelecendo parâmetros muito altos? Neste vídeo de 1982, as trocas de posição entre Gilles Villeneuve e Keke Rosberg não se parecem com as da atual temporada também?

http://www.youtube.com/watch?v=eHDi6ev0xt4

Sei lá… Talvez seja questão de se acostumar.

marcão
marcão
Reply to  Piloto de carrinho de supermercado
11 anos atrás

Só pra lembrar que: Naquela época, o cambio era alvanca, 5 marchas, e tinha embreagem, não tinha ABS.. No volante não tinha nenhum botão, o freio era cavalo,e a direção não era nem hidraulica….
E nesse vídeo que vc nos mostra ( que por sinal é muito legal) a zona de ultrapassagens existia sim.. Sabe onde era? Era a onde dava pra passar, se não dava os caras arrumavam um jeito de o fazer….Valia muito uma ultrapassagem ou várias delas…
Certamente esse vídeo e muitos outros desse piloto e de muitos outros deve ser muito mais valorizado daqui pra frente….

Janus
Janus
11 anos atrás

A comparação co futebol é pertinente, é claro. Pq vc acha que quase ninguém gosta de assistir handebol? Pq não tem emoção do quase, se o cara não marca um gol num ataque, fatalmente no seguinte vai marcar, e ninguém vê nada demais nisso, o goleiro não tem a mínima chance. É como gol de pênalti, também não tem graça. Se todos os jogos disputados ‘no relvado’ terminassem 31×28, ou coisa parecida, teria graça?

karkara
karkara
11 anos atrás

Sem duvida alguma pra mim ta muito artificial. Na categoria maxima do automobilismo, onde estao os melhores pilotos do planeta na teoria, ultrapassar foi simplificado a apertar um botao no volante. Nessa a fia errou e feio. O campeonato do ano passado foi muito melhor do que este esta sendo. É o mesmo da fifa, cansada de resultados magros dos jogos resolvesse aumentar o gol em 10×3 metros ou nao permitir que o goleiro utilizasse mais as maos. Os jogos terminariam 19 x 15. Beleza, aumentaria a media e muito dos gols… mas banalizaria o gol e iria contra a filosofia do esporte. O mesmo ta acontecendo com a f1 e essa asa.

Caio Rodrigues
Caio Rodrigues
11 anos atrás

De fato, ficou bem mais interessante assistir corridas de F1 com esses pneus e asa móvel. Tanto para quem entende e acompanha de perto, quanto para telespectador esporádico de domingo. Também é fato que algumas dessas ultrapassagens (a maioria) ficaram fáceis demais. Chega, vira e passa. Mas convenhamos que as ultrapassagens bonitas também aumentaram bastante. Esqueça o número total de passa-passa. Em todas as corridas do ano – em especial as duas últimas – o número de ultrapassagens ‘emocionantes’ foram maiores que nos últimos anos.

Isso vale. E muito.

E outra: O argumento de artificialismo não é de todo válido. Por que era difícil vermos muitas ultrapassagens nos últimos anos? Em grande parte, por causa das características dos carros (não culpem muito os circuitos), da influência aerodinâmica que o carro da frente impõe ao de trás. Ou seja, as não-ultrapassagens também eram artificiais! Criadas. Embora sem intenção. Acionar a asa-móvel faz com que esse efeito aerodinâmico não intencional seja anulado (até demais!).

Anular um artificialismo ruim com um artificialismo bom nos deixa com um saldo positivo. Isso, sim, é válido.

E uma dica para a FIA: Pra deixar as brigas “Pneus Novos” vs “Pneus Gastos” mais justa, o regulamento deve ser menos rígido com algumas manobras atualmente tidas como desleais.

Ladis
Ladis
11 anos atrás

A resposta para esta pergunta virá na forma de “audiência”. Eu, particularmente, detestei as novas regras.

Rodrigo Assis
Rodrigo Assis
Reply to  Ladis
11 anos atrás

Eu, também achei uma merda.