MENU

Tuesday, 27 de March de 2012 - 0:46Cinema, Indústria automobilística

BRASIL GRANDE

SÃO PAULO (profissional) – Mais um filme do Jean Manzon restaurado pela Dana. A qualidade é excepcional. Mostra o centro de pesquisas da Ford em São Bernardo e testes feitos pela montadora em estradas de terra e asfaltadas. Para quem tem Corcel e Belina, é um colírio. E a woodie? Como é linda essa perua… Quem mandou foi o Remi Martin. O tom grandiloquente da narração do Luiz Jatobá é típico do início dos anos 70, quando os militares queriam nos convencer de que este era um país que ia pra frente.

59 comentários

  1. Silas Mauerberg (saço) says:

    Os comentarios feitos sôbre o corcel alguns não procede, trabalhei no CPQ como motorista de teste especiais em caraguatatuba, autodromo de interlagos e jacarepagua RJ no Mato Grosso Campo Grande , Tatui SP Cuiabá MT ,foram importados veiculos Europeus que durante os teste em estradas ( de terra) junto do Corcel , apos os teste os importados tinham problemas na carroceria que o capô não abria . façam um bom curso de mecanica e aprendam dirigir carro ,moto , caminhão , para depois fazer avaliações de de veiculos,

  2. nilson coelho says:

    Gostei muito do vídeo mas meu grande interesse é nos jeeps Ford, tenho um ano 78. Por acaso não teria videos, reportagens, imagens, etc… sobre Jeep Ford? Teria algum contato para me passar? Fico aguardando ancioso. Um abraço, Nilson Coelho/BH

  3. José Luiz de Guido says:

    PARABÉNS!!!
    Resgatei momentos maravilhosos de minha vida. Trabalhei durante 6 anos no Centro de Pesquisas da Ford e participei do desenvolvimento do Corcel II que foi feito em uma fazenda em Campo Grande – Mato Grosso. Fantástico tempo e maravilhosas recordações.
    Muito obrigado pelo “PRESENTE”.
    Abraços
    Guido

  4. Itamar Savio says:

    Bom dia;
    Gostei muto da reportagem do “Senhor dos Corceis”. Não sabia que exisia uma pessoa que preocupa-se tanto na conservação da história da indústria automobilística brasileira. Parabéns à ele por sua dedicação.
    Porém na reportagem foi feita a tradução da sigla LDO (Usada também nos Mavericks) como Decoração Luxuosa Opcional. Na verdade a tradução de Luxurious Decoration Ornamentation seria Decoração Luxuosa Ornamental.
    Espero encontrar mais reportagens deste nipe aqui.
    Obrigado e até logo.

  5. Itamar Savio says:

    Bom dia. A reportagem sobre o “Senhor dos Corcéis” está muito interessante. Não conhecia esta pessoa que mantém viva parte da história da Indústria Automobilística Brasileira.
    Só gostaria de fazer uma pequena correção. Quando perguntado sobre a sigla LDO, ela foi traduzida como Decoração Luxuosa Opcional. O que não é correto…. A tradução correta e literal de Luxurious Decoration Ornamentation seri

  6. Anselmo says:

    Caramba, Sinceramente agora tenho ainda mais orgulho de ter um Corcel! Belíssimo documentário.

  7. Fábio Maurício says:

    Para quem cresceu na década de 70 e aprendeu a dirigir (bem pequeno…) no Corcel l do pai este vídeo desperta um infinito saudosismo. Como se não ainda não bastasse eu sempre viajava para o interior de S. Paulo e passava pelo campo de provas da Ford em Tatuí. Ficava sonhando com o trabalho de passar os dias testando carros naquilo que para mim era (e ainda é) um dos mais perfeitos dos playgrounds.

  8. Álvaro Azevedo says:

    “início dos anos 70, quando os militares queriam nos convencer de que este era um país que ia pra frente”. Realmente quanta ilusão tentar nos convencer que o Brasil iria pra frente né, taí o Brasil hoje, melhoras em todos os segmentos da sociedade e o mais importante, temos PAZ pra ir e vir por todos os lugares sem sermos molestados, parabéns Brasil, você foi pra frente. E viva o Brasil !!!!!!!

  9. Junior do Guarujá says:

    Gostei da “freadinha suave” que os discos proporcionam!!!rsrsrss

  10. Thiago Azevedo says:

    Um barato o vídeo! Putz, curto demais esses carangos!

    De fato eles aguentam um tranco bom. No entanto os responsáveis por todos esses testes não devem ter assistido essas filmagens – se tivessem visto, corrigiriam os problemas crônicos da tranca do capô.

    Que pena que eles também não notaram o quão legal seria uma quinta marcha…

  11. Sandro Auzani says:

    Seria os primódios de Jacarepaguá o local do show com os Corcéis andando em duas rodas?
    Parabéns a Dana e ao Flávio pela postagem deste vídeo. Um pouco de História Automotiva Brasileira não faz mal a ninguém.

  12. Paulo Travaglini says:

    Aos 2:20 aparece a famosa cruzeta do Corcel, a qual ocasionou o primeiro recall no Brasil, e depois foi substituída pela junta homocinética.

  13. antonio stricagnolo filho says:

    Era quase grande naquele tempo,hoje o que tem vem pelo porto,aquele centro de pesquisa da Ford já era faz tempo e muitos outros que tinham por ai.Hoje a colonia Brasil com os portos escancarados manda minerio e comida e os produtos vem prontos,as estradas ainda são as mostradas no video,não fizeram mais nenhuma(zinha) sequer.Era quase grande,agora é obsoleto! Se naquele tempo a industria era fraquinha hoje é quase nula,ela contribui em 14% do PIB,é nada.O extrativismo sangra amazonias inteiras a cada dia e ainda votam anistia pra quem desmata,obviamente é bem mais facil viver do que a terra dá do que projetar e fazer maquinas,equipamentos e outros manufaturados.Grande nem naquele tempo e muito menos hoje,um feudo aonde os nobres donos das capitanias hereditarias fazem o querem e a população fica feliz com as migalhas (carro,celular,futebol etc…) que caem.

  14. Batista Lara says:

    ahhh se eu fosse rico… Teria todas as versões do Corcel I , II , Del Rey e Belina…. Tenho inveja (branca) do “Senhor dos Corcéis”…. Belo video..

  15. Fernando says:

    Duvido que as SUVs de hoje em dia suportem o que o corcelzinho suportou no vídeo…

    • Edu T.driver, Road sailor says:

      As bandejas do Corcel são fixadas nas longarinas, não tem um quadro de suspensão como o do Gol, por exemplo; tenho certeza que as longarinas abriram e a cambagem das rodas dianteiras foi “pru caralhu”.
      Tenho uma Pampa 88 a mecanica é mesma do Corcel, já precisei puxar essas longarinas 2 vezes no Konigami. O Corcel é bonitinho, mas dizer que um SUV não aguenta um tranco desses, vc não entende nada de mecanica, sem ofender…

      • Corcel Man says:

        Desculpa Edu, mas seu comentário não procede.
        Tenho Corcel 74 comprado 0km pelo meu pai, e ele jamais abriu longarina.
        Existe uma barra de aço, parafusada em suas extremidades, que une uma longarina à outra por baixo do carro, perto do carter do motor. Verifique se sua Pampa tem essa barra. Se não tiver, pode ser que abra longarina mesmo.
        Com tudo original não vai abrir nunca, e vai mesmo aguentar muito mais do que esses pseudo-SUVs (SUV de verdade aguenta o tranco). O meu já recebeu um belo preparo e continua aguentando numa boa. Se tem uma coisa que jamais precisei me preocupar é com estrutura.

  16. V. Maghetti says:

    Posição política à parte, olhando apenas e tão-somente para o lado técnico, os documentários do Jean Manzon eram incrivelmente bem feitos! Parabéns à Dana pela recuperação e preservação dessas preciosidades!

    Adorei o Corcel azul e a Belina Woody, me diverti com alguns comentários, como “poderoso motor” (justo o motorzinho do Corcel?), a connstante repetição de “motor dianteiro” (para enfatizar a diferença para os Fuscas?), lamentei ver tantos carros do passado jogados no ferro-velho, estranhei ver o guarda rodoviário dirigindo a motocicleta sem capacete, enfim, viajei, ótima dica!!!

  17. Betobage says:

    Bah tche que baita video!!!!!!!!!!! Parabens a DANA pela iniciativa

  18. Flavio Gomes says:

    Não é possível que eu tenha leitores tão escrotos quanto esse cara aí em cima. Por que você não desaparece daqui, rapaz? Não respeita sequer a memória de um primo da mãe assassinado pelo regime militar. É de perder as esperanças, mesmo.

    • Edu T.driver, Road sailor says:

      Sem criar muita polêmica, a ditadura prendeu, torturou e matou, cometeram crimes, tudo isso são fatos, verdades, e se o outro lado tivesse chegado ao poder, o que poderia ter acontecido?
      Não sei, ocorreria perseguissão tambem? Crimes?
      Teriam empurrado goela abaixo o comunismo?

  19. Alex says:

    Foi um dos piores momentos da história do país. Só comparável à privataria de FHC e da tucanalha. Em um territorio tão imenso e com um litoral tão grande, qual seria, disparado, o pior tipo de tranporte a se investir? O rodoviário. E quais os melhores? Marítimo e sobretudo ferroviário. Adivinhem qual deles recebeu 99% dos investimentos e qual foi sucateado e abandonado…
    Mas o vídeo é legal. O corcelzinho quatro portas é o máximo. E o fundo musical estilo Roberto Carlos é o supra-sumo da tosqueira.

    • Alex says:

      Outra detalhe interessante: embora nosso mercado automobilístico continue até hoje a vender carros muito ultrapassados (e caros…) a evolução do automóvel pode ser vista ainda assim. O corcel, apesar de simpático e com bom acabamento, era um carro muito ruim. No começo da década de 80 (portanto com uns dez anos de uso) quando se encontrava um desses carros na rua, já estavam em uma condição que nem ferro-velho aceitaria mais. Completamente devorados pela ferrugem e com o motor pra lá de Bagdá…hoje a gente vê facilmente carros 1.0 com dez anos de uso ou mais e com a lataria inteira, motor em condições aceitáveis e tudo mais.

      • Bruno says:

        Mesmo assim preferia manter um Corcel 70 do que um popular 2002…

      • Burn baby burn...... says:

        Se voce batesse de frente um carro atual 1.0 com um corcel 69 com certeza o atual viraria um monte de entulho.. nem o seguro iria cobrir.. rsrs.

        Você encontra corcel I e II rodando po aí ainda amigo.. comece a reparar e vc vai se assustar como este carro ainda dura e roda por aí. e faz 14 Km na cidade..tive um II /80 em 1986.. adorava o carro.

      • Edu T.driver, Road sailor says:

        Sou vendedor, rodo quase todos os dias com um Gol 92
        motor CHT, econômico pra caramba….

      • Edu T.driver, Road sailor says:

        Realmente ferrugem brotava nesses carros dos
        anos 70, acho que a chapa era muito ruim, algum
        problema de qualidade das siderurugicas…
        Meu pai tinha um aamigo que trabalhou na VW, começo dos anos 60, ele contava que as bobinas de aço nessa época vinham do Japão, ficavam no porto de Santos 60 dias no tempo e não enferrujavam…

    • João Paulo says:

      com todo respeito mais acho que vc não sabe o que esta falando durante o periodo militar o brasil:

      – Criação de 13 milhões de empregos;
      – A Petrobrás aumentou a produção de 75 mil para 750 mil
      barris/dia de petróleo;
      – Estruturação das grandes construtoras nacionais;
      – Crescimento do PIB de 14%;
      – Construção de 4 portos e recuperação de outros 20;
      – Criação da Eletrobrás;
      – Implantação do Programa Nuclear;
      – Criação da Nuclebrás e subsidiárias;
      – Criação da Embratel e Telebrás (antes, não havia ‘orelhões’ nas ruas nem se falava por telefone entre os Estados);
      – Construção das Usinas Angra I e Angra II;
      – Desenvolvimento das Industrias Aeronáutica e Naval (em 1971 o Brasil foi o 2º maior construtor de navios do mundo);
      – Implantação do Pró-álcool em 1976 (em 1982, 95% dos carros no país rodavam a álcool);
      – Construção das maiores hidrelétricas do MUNDO: Tucuruí, Ilha Solteira, Jupiá e Itaipú;
      – Brutal incremento das exportações, que cresceram de 1,5 bilhões de dólares para 37 bilhões; o país ficou menos dependente do café, cujo valor das exportações passou de mais de 60% para menos de 20% do total;
      – Rede de rodovias asfaltadas, que passou de 3 mil para 45 mil km;
      – Redução da inflação galopante com a criação da Correção Monetária, sem controle de preços e sem massacre do funcionalismo público;
      – Fomento e financimento de pesquisa: CNPq, FINEP e CAPES;
      – Aumento dos cursos de mestrado e doutorado;
      – INPS, IAPAS, DATAPREV, LBA, FUNABEM;
      – Criação do FUNRURAL – a previdência para os cidadãos do campo;
      – Programa de merenda escolar e alimentação do trabalhador;
      – Criação do FGTS, PIS, PASEP; (**)
      – Criação da EMBRAPA (70 milhões de toneladas de grãos); (**)
      – Duplicação da rodovia Rio-Juiz de Fora;
      – Criação da EBTU;
      – Implementação do Metrô em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza;
      – Criação da INFRAERO, proporcionando a criação e modernização dos aeroportos brasileiros (Galeão, Guarulhos, Brasília, Confins, Campinas – Viracopos, Salvador, Manaus);
      – Implementação dos Pólos Petroquímicos em São Paulo (Cubatão) e na Bahia (Camaçari);
      – Investimentos na prospecção de petróleo no fundo do mar que redundaram na descoberta da bacia de Campos em 1976;
      – Construção do Porto de Itaquí e do terminal de minério da Ponta da Madeira, na Ilha de S. Luís, no Maranhão;
      – Construção dos maiores estádios, ginásios, conjuntos aquáticos e complexos desportivos em diversas cidades e universidades do país;
      – Promulgação do ‘Estatuto da Terra’, com o início da Reforma Agrária pacífica;
      – Polícia Federal;
      – Código Tributário Nacional;
      – Código de Mineração;
      – Implantação e desenvolvimento da Zona Franca de Manaus;
      – IBDF – Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal;
      – Conselho Nacional de Poluição Ambiental;
      – Reforma do TCU;
      – Estatuto do Magistério Superior;
      – INDA – Instituto de Desenvolvimento Agrário;

      e vc ainda acha que os militares foram ruins ? pare de acreditar em professorzinho comunista e no que a rede globo fala, e mais as privatizações acabaram com a divida interna e ajudou na redução a inflação, hoje a vale produz 20 vezes mais impostos para o governo do que lucro no tempo que era estatal, vc lembra das filas para usar orelhão ? para vir aqui dizer uma coisa destas ou vc e PeTista ou e esquerdista, ou tem menos d e20 anos e acredita no que essa mídia porca fala.

      • Flavio Gomes says:

        Posso acrescentar assassinatos, tortura, supressão de direitos políticos, censura, corrupção desenfreada, conchavos com a elite econômica dominante, perseguições, desaparecimentos? Se quiser tenho mais algumas conquistas dos militares para listar aqui.

  20. Rafael says:

    Incrivel!!!!
    Hoje em dia, testa-se tudo com computadores e componentes computadorizados… naquele tempo era na munheca mesmo!

    E o tente de frenagem em??? Quase um ABS. Hehehe.

  21. Fabio Farias says:

    Esse locutor nunca foi o Luiz Jatobá.

  22. Fabio Farias says:

    Esse locutor nunca foi Luiz Jatobá. Este aqui sim !!! O melhor do seu tempo.http://www.youtube.com/watch?v=etWRZjCYtvM

  23. Marcelo says:

    Putz, Flávio… É o meu avô, Olívio, já falecido, quem fala ao telefone (de dentro do Corcel) quando o filme se passa nos 6 minutos e 53 segundos! Ele foi piloto de testes da Willys e da Ford durante muitos anos. Temos guardado até hoje o seu macacão azul com o logo da Ford.
    Me lembro das histórias que ele contava sobre os testes, sobre a equipe Willys, sobre o Bird, Lameirão, Luizinho Pereira Bueno e também das vezes que falava sobre as gravações que faziam. E hoje, graças a você, pude visualizar tudo o que tinha na minha mente. Obrigado!
    Ele contou que em uma das vezes que fizeram o pulo da rampa com o Corcel, na estrada de terra, estourou toda a suspensão dianteira, fazendo com que o conjunto amortecedor/mola saísse pela caixa do paralama, entortando todo o capô.
    Valeu! Vou mostrar para a minha avó. Será que ela aguenta?
    Grande abraço

    • Flavio Gomes says:

      Incrível…

      • Marcelo says:

        Puxa, me emocionei mesmo. Todas as histórias, todas as lembranças agora tem uma forma. Tenho várias fotos, mas nunca tinha achado nenhum vídeo. Veio dele a minha paixão por carros e corridas. Ele começou na Willys, antes de ser vendida para a Ford.
        Minha família é do interior, Pirassununga, e, às vezes, a Willys e depois a Ford marcavam alguns testes na região (na estrada para Aguaí) e ele, que morava durante a semana aqui em São Paulo, passava em casa para dar um “oi”. Sempre com um carro diferente – Rural, Aero Willys, Corcel, F-100, Maverick, Galaxie. Até de caminhão ia. Incrível ver isso hoje. Ganhei o meu dia!!!
        Ele contava dos testes de diferenciais da F-100, nos quais tinham de subir, de ré (!), a Estrada de Santos (já fechada na época) com a pick-up carregada.
        Foi ele e mais seis pilotos que foram buscar, no porto de Santos, os primeiros 7 Mavericks que chegaram ao Brasil para a “tropicalização”. Vieram andando, nada de caminhão cegonha.
        Contava muito sobre a equipe Willys, sobre a pista que havia dentro da Ford em São Bernardo do Campo.
        Incrível, mesmo!
        Abraço!

    • Edu T.driver, Road sailor says:

      Caralho!!!! Que legal!!!!!,
      Que sorte !!!!!

  24. Renan Nery says:

    Belíssimo documentário, realmente temos que guardar estes vídeos para eternidade, em tempo, informo que estou colocando a venda parte de meu acerto de veículos antigos, segue o link do leilão: http://www.superbid.net/home/auction/listOffers.htm?auction_id=13887#barranavegacaoleilao

    • Flavio, faz algum tempo eu procuro um corcel GT e nesse site que o Renan Nery postou, ele está vendendo um que me interessa mas no site não tem muitas fotos e o carro está na Bahia. Voce consegue pra mim o email dele pra que eu possa falar com ele? Ou até mesmo o telefone?

  25. Nelson says:

    O pior é que convenceram e o país realmente foi para frente,crecendo a taxas de até surpreendentes 13%.Só travou com o choque do petróleo.

  26. Minoru says:

    Há um momento do filme que dá para ver o bom e velho “cruzetão” trabalhando, que virou o apelido para o modelo e a Belina com aplique em madeira, raridade hoje em dia!

  27. Rico-HP says:

    Muito legal o filme! A qualidade depois da restauração ficou excelente! Agora, os dois motoristas se falando por um telefone normal, ligados por fio, isto é impagável… kkkkkk

  28. Jason Vôngoli says:

    Em 1:43, um jipe Nissan Patrol de primeira geração (1951-1960), no pátio dos carros porrados. Bicho raro no Brasil.

    Em 2:21, as medonhas cruzetas do Corcel. Fico imaginando o que acontecia nesses testes de resistência…

    O filme deve ter sido rodado em 1971 – já há vários Corcel com a calota de miolinho preto, mas a placa ainda era do modelo provisório usado somente em São Paulo (um grande “S” na frente, seguido por vários dígitos).

    As imagens do Corcel vermelho que voa (5:09) são bem mais antigas, de 1968, feitas para a campanha do lançamento.

    O órgão Hammond, tocado ao estilo Lafayette e seu Conjunto (ou será o próprio?), faz a trilha da época. Logo se tornaria cafona…

    Jean Manzon fez fortuna produzindo curtas de propaganda para a ditadura. Uma apurrinhação antes de cada sessão de cinema…

    Antes disso, Manzon já ganhava um din-din da direita, fazendo filmes para o IPES (Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais). Era uma das entidades civis que fomentaram o golpe de 64.

    Luiz Jatobá – ídolo!

    Parabéns à DANA pelo resgate.

  29. Rodrigo Lombardi says:

    Tournament of thrills?
    Seria a Equipe J. Cardoso?

  30. Gustavo says:

    Vou olhar com tempo depois, mas já vi que o cara andando em duas rodas (mas suspenso com o lado DIREITO no chão, e aquela velocidade), é muito fera!

  31. Mauricio Canzian says:

    E pensar que morei pertinho dai… Que coisa linda a Belina versão wood, só tinha visto nas 4 rodas que herdei do meu avô

  32. Manolo says:

    Flavio estou mandando um link de um site interessante (não tem nada a ver com este post) o site se chama Oficina Aberta e o cara reproduz Scanias, FNM’s, muito bom mesmo, se puder de uma olhada, abs.
    Putz ia esquecendo, segue o link: http://www.oficinaaberta.com.br/
    Manolo

  33. Queria ver se algum carro de hoje resistiria a esses testes.

    Não consigo parar de dar risada com a narração. Lembra muito os delírios do nosso atual governo do “Brasil potencia”.

  34. Manolo says:

    Como dizia um menbro do governo daquela época ” Ontem o brasil estava a beira do abismo, hoje demos um passo a frente”

  35. Danilo Cândido says:

    (7:35) “Um bom motorista, dirigindo de um carro tecnicamente perfeito, não pode sofrer acidentes”…kkkk, em qual planeta isso é possível ??? não aqui na Terra, certo ?

  36. PabloRocha' says:

    E ainda tinha gente querendo transformar isto aqui em uma Cuba…

  37. Romero says:

    Meu Deus! Que coisa mais linda. Quero o azul pra mim. Parabéns a Dana. Uma vez fizeram algo do tipo sobre a história do Copersucar. Muito bom

  38. Alexandre Medeiros says:

    Caramba
    Gostei muito,é impressionante perceber que nos anos 60 tinham já essas preoculpações
    ma era poetica para os automoveis

  39. Thiago Sabino says:

    O tom da narrativa pode até não agradar quem não era favorável ao regime, mas que dá saudades ouvir um português correto, irretocável, bem falado, com pontuação, de excelente entonação, sóbrio…… ah isso dá saudades também.

    Hoje em dia, a narração de eventos similares, é feita por pessoas que malemá são analfabetas funcionais….

    Ficou na poeira do tempo mesmo. Falar um português correto.

    E os carros…ahhh os carrinhos.

  40. Fernando Melo says:

    Muito legal! Queria saber qual é essa música que toca no começo.

Leave a Reply to Edu T.driver, Road sailor Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *