GIRA MONDO, GIRA

comandanteSÃO PAULO – Hugo Chávez foi um libertador. É um dos heróis desta América Latina violentada por séculos que encontrou, ao longo dos anos, pouca gente de coragem para enfrentar o que de pior a espécie humana produziu. Do seu jeito, porque na Venezuela não havia outro jeito, peitou as mais odiosas elites econômicas e políticas de seu país e do vizinho ao norte, e ganhou.

Ganhou no voto, ao contrário do que os obtusos guiados pela imprensa de sempre, cada vez menos relevante, imaginam. Tentaram tirá-lo do poder à força, mas o povo venezuelano o conduziu de volta a Miraflores. Chamam-no de ditador. Um ditador que nunca teve medo de uma eleição. Que não deu um passo fora da Constituição de seu país. Que não partiu para a vendetta contra aqueles que chegaram, até, a defender seu assassinato em horário nobre de TV. Esses se retiraram do jogo democrático, covardes que são. E fugiram para a Flórida.

O comandante morre cedo, mas deixa uma herança política eterna, que se espalhou por sua querida América do Sul. Brasil, Bolívia, Equador e Uruguai, principalmente, ao seu modo, seguem os passos do bolivariano no sentido de defender sua autonomia e de se preocupar com os pobres, gerações de pobres estupradas por uma minoria abjeta que sempre deteve, e na maioria dos casos ainda detém, o poder econômico e político no continente. Amar os pobres é algo que não entra na cabeça de uma parcela da sociedade.

Sua morte será comemorada em Miami, nas redações da “Veja” e dos jornalões e em alguns outros círculos desprezíveis formados por gente desprezível.

As ruas da Venezuela, porém, vão mostrar quem foi Chávez e o que ele representou. E, aí, aqueles que festejam sua morte e se preparam para tomar o país de volta perceberão que já não é mais possível.

Subscribe
Notify of
guest
410 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Aliandro Miranda
Aliandro Miranda
9 anos atrás

O problema é que, aqui no Brasil, achamos que estamos numa democracia quando falamos de imprensa. Mas todos os veículos têm seu lado, da Veja à Carta Capital, e procuram passar suas mensagens em formato de notícia.

Por isso, todas as informações que leio eu critico, analiso, observo e contraponho. É o mínimo. O que mais tenho lido é que Chavez foi um pária, ditador, safado e negligente. Aí eu pergunto por que e ninguém sabe responder. Como digo, viram no “quatro” (aqui no Rio é quatro) ou leram na Veja.

Aí fica difícil.

Wanderson Ricardo Marques
Wanderson Ricardo Marques
9 anos atrás

A Venezuela ficou orfã! A América Latina vê desaparecer o grande líder de povos dos tempos modernos. Mais que a trizteza, me invade o temor da simples perspectiva de que as elites retrógradas do grande vizinho do oeste, afinal, se tornem vitoriosas e façam refluir, em pouquíssimo tempo, todos os ganhos que as classes menos favorecidas ali obtiveram sob o governo democrático e legítimo do Grande HUGO CHAVES.
Que a República Bolivariana viva para sempre!

Paulo Pinto
Paulo Pinto
Reply to  Wanderson Ricardo Marques
9 anos atrás

Está falando sério ou está de gozação?

Ivan Drumond
Ivan Drumond
9 anos atrás

Analisar o governo de Hugo Chávez é muito simples. Acesse o site do Banco Mundial e veja o gráfico da % da população abaixo da linha da pobreza:

http://data.worldbank.org/indicator/SI.POV.NAHC/countries/VE?display=graph

Quando ele assumiu eram mais de 70% de pobres, agora são 31%. Assunto encerrado. Descanse em paz comandante.

Parabéns pelo post FG, muito bom!

Junior
Junior
9 anos atrás

Texto pueril sobre um pseudo defensor da democracia, que se dizia socialista e vivia como um capitalista de Wall Street; que condenava o grande império Satam Norte Americano e tinha nele o principal parceiro econômico; que manipulou os meios de comunicação fechando as portas dos oposicionistas para que a voz uníssona do seu poder ditatorial ecoasse pelos 4 cantos da venezuela; que nunca saiu da linha constitucional, pois sempre que precisava exceder o seu poder promovia uma emenda a constituição para que a ordem constitucional se curvasse a sua vaidade. Foi sem dúvida um grande estadista, mas muito longe de ser um herói ou um libertador. Teve uma tragetória política contraditória, assim como a de outros pseudo socialista bolivarianos espalhados pela américa do sul. Derrubou a elite histórica da venezuela e colocou a sua elite no lugar, no final trocou 6 por meia dúzia. Para alimentar sua vaidade e enaltecer sua pseudo revolução afundou a venezuela numa crise sem precedentes, maquiando a real situação economica do estado e se sustentando apenas na produção do petróleo e na sua dependência aos Estados Unidos, que segundo afirmou o vice presidente (atual presidente) venezuelano implantou o câncer em Hugo Chavez. Agora com estas observações seu texto fica completo, sem paixão e nem ódio, apenas fatos históricos, que eu não li na Veja e nem em outro jornaleco capitalista. Aliás, fica aqui uma pergunta que não quer calar: O sistema que você defende é infalível e não pode ser nunca questionado, sob pena de ser taxado de desprezível?

Junior
Junior
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Obrigado pela correção, realmente não havia reparado neste equívoco. Vejo que a etimologia da palavra TRAJETÓRIA e sua grafia, sem dúvida, são mais importantes do que tudo o que foi escrito. Como você não soube responder minha pergunta, conclui-se que a verdade por si só cala qualquer argumento. Como tréplica ao que foi exposto, acho que agora virá de sua parte uma ofensa, o que, no fim das contas, justificará todo o meu pensamento: Você não pode ser nunca questionado, assim como Hugo Chavez não poderia. Provavelmente, o que é lamentável,
você vai me mandar pra PQP, então é melhor, se você não tem argumento para debater, não abrir a boca para ofender.
Primeira e última vez que escrevo Trajetória com “G”. Mais uma vez obrigado pela observação.

Junior
Junior
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Entendo. Muito conveniente!

RENE FERNANDES
RENE FERNANDES
Reply to  Junior
9 anos atrás

Aproveita a determinação em cima da palavra “trajetória” e inclua a palavra ” Satã” ou em latim “Satan”. E arruma algo para fazer com a palavra “ecoasse”, pois ela não existe….Não empola o texto pois fica pretensioso…O menos é mais…Feijão-com-arroz…

Ricardo Silva
Ricardo Silva
9 anos atrás

Olha, eu não vou falar do que li ou do que vi na televisão.

Residente legal do Texas, eu tive colegas de trabalho que sairam da Venezuela e eu tenho uma família de amigos, que você qualifica como “aqueles que fogem para a Flórida”.

Depois de chegar a Flórida meus amigos receberam asilo político, pois na Venezuela existia uma lista negra que dificultava a vida de opositores ao Chavez.

De funcionário compentente de empresa petrolífera, ele aceitou trabalhar como funcionário de depósito de loja de eletrodomésticos, viu seu filho nascer em Hospital Público nos Estados Unidos, com sua esposa passando dificuldades pós parto e outras dificuldades até conseguir se recolocar no mercado de óleo e gás.

Como testemunha ocular destes e outros fatos eu me pergunto:

Que tipo de governo faz com que pessoas aceitem passar por estas dificuldades ao invés de permanecer em seu país natal onde foram incluídos em lista negra?

É o tipo de pergunta que não encontro resposta nestas ideologias pseudo socialistas, pseudo comunistas de esquerdista capitalista.

Basilio
Basilio
Reply to  Ricardo Silva
9 anos atrás

Engraçado, empregados de empresas públicas que foram privatizadas no governo FHC, com 20 anos ou mais de serviço, foram “convidados” a aderirem a um plano de demissão voluntária sem que houvesse nenhum programa de recolocação profissional de pessoas, e infelizmente centenas, se entregaram ao alcoolismo, enlouqueceram ou se suicidaram. Não é exagero, centenas mesmo, que de repente se viram sem possibilidade de sustentar as suas familias. Mas a quem interessa divulgar isso? Preferem apontar os problemas do vizinho. Quem tem do que reclamar do Chavez são apenas os abastados da venezuela, que até o governo dele concentravam toda a riqueza do país numa minoria. Será que o chavez morto obrigou os milhões de venzuelanos a invadirem as ruas do país hoje?

Paulo Pinto
Paulo Pinto
Reply to  Basilio
9 anos atrás

E quando as “demissões epidêmicas” começaram a manchar o programa de privatização, o “nosso” ilustre presidente veio a público, via TV, para soltar a pérola:
“- Peço para que não demitam…”

Os empresários devem ter rolado de rir!

Rodrigo
Rodrigo
9 anos atrás

Flávio, acompanho seu blog, textos, informações e opiniões há algum tempo já.

Normalmente concordo com suas impressões sobre a vida lá fora.

Dessa vez, contudo, é com grande decepção que vejo mais um de seus comentários sobre a Venezuela. Com todo o respeito, você chega a ser inocente. Chaves era a seu modo e ao modo em que é possível no ocidente nos dias de hoje, um ditador. Avançou em políticas sociais, mas não deixa de ser um ditador, que impunha a força suas leis e suas posições. Era, além disso, um verdadeiro populista, tal como aqueles da década de 1930/1950.

Grande abraço,
Rodrigo

marcelo silva
marcelo silva
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Boa essa, Flavio! Rssssss! Sou teu fã cara.

Moy
Moy
9 anos atrás

Ele morreu mesmo? Não é invenção da imprensa imperialista?
Brincadeiras à parte, meus pêsames aos familiares.
Pro bem ou pro mal, o cara deixou o legado dele.

E eu acreditei na Dilma, quando ela disse que ele estava bem … tsc tsc tsc

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-02-23/dilma-diz-que-quadro-de-saude-de-chavez-%E2%80%9Cnao-e-muito-preocupante%E2%80%9D

Nelson Barreiros Neto
Nelson Barreiros Neto
9 anos atrás

Flavio e todos que porventura leiam, bom dia…

Gostaria apenas de dizer que alguém que tapa a boca da imprensa, seja ela qual for, como ele fez com vários meios de comunicação em seu país, não pode ser chamado de libertador de nada…

Pela primeira vez li um texto seu e me decepcionei… Vc vai cagar pra isso, eu sei, mas me decepcionei por ser um admirador seu, e quando a gente vê uma visão de alguém que admira tão diferente da nossa, realmente a gente se decepciona.

Certo ou errado, discordo de vc, pra mim, alguém que muda uma constituição pra ficar se reelegendo como ele fez, não merece respeito… É apenas mais um ditador sul-americano que se vai…

E que não venha outro… Que a Venezuela possa ter uma democracia de verdade… Porque se eleger, com todos os meios de comunicação no bolso, ou sob sua batuta, é muito fácil…

Só uma opinião..,. Tenham todos um bom dia.

Nelson Barreiros Neto
Nelson Barreiros Neto
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

É, realmente vc tem um grande nível…

Continue falando de carro e corrida que vc entende bastante… Já tá bom…

Mauricio
Mauricio
Reply to  Nelson Barreiros Neto
9 anos atrás

FHC mudou a constituição para se reeleger. Pior: comprou o congresso para isso. Um “mensalão” que nunca foi devidamente investigado.
Você certamente não chamaria FHC de ditador. E provavelmente votaria nele.

Minoru
Minoru
9 anos atrás

Dizem alguns que a Venezuela é uma ditadura mas ao que me conste, a Constituição venezuelana foi alterada porque em dado momento a “oposição” resolveu não participar das eleições legislativas e com isso abriu as portas para que fossem feitas essas alterações na Constituição que foram referendadas em um plebiscito, essa mesma oposição que tentou derrubá-lo em 2002, dez anos após Chaves ter feito o mesmo e ficar preso por dois anos por isso, e que talvez tenha a “oposição” cometido aí o seu maior erro pois se tivesse aguardado as eleições seguintes, as coisas poderiam ser diferentes hoje.

Então, neste caso o erro foi da oposição, certo?

Todas as eleições foram monitoradas de perto por organismos internacionais e também por um ex-presidente americano (Jimmy Carter, se não me engano), então não cabe chamar a Venezuela de ditadura pois se o fosse os americanos já teriam achado “o seu motivo” para chutar a porta e tomar conta da casa, como fez no Iraque para garantir o seu suprimento de petróleo, que está cada vez mais ameaçado pelo avanço do consumo chinês que já abriu os seus braços e bolsos para a Venezuela, que responde por uma parcela significativa do óleo fornecido aos USA.

Se é certo ou errado alguém poder concorrer à reeleição “ad eternum” cada um tem a sua resposta mas os venezuelanos decidiram que era certo sim, então os inconformados que respeitem a decisão das urnas pois afinal, isso não é ser democrático???

Rodrigo
Rodrigo
9 anos atrás

Gosto dos seus textos sobre carros, F1 e sobre esportes a motor em geral, mas quando voce deixa opinioes sobre outros assuntos como este é dose. Experimente fazer negocios com a Venezuela ou morar -la..que maravilha que é..nao se esqueça que o populismo nao leva a nada..esse foi mais um ditadorzinho que torceu as instituiçoes democraticas para ficar no poder…ahh.aproveite e pergunte quem mora na Argentina para saber se é facil morar la ou fazer negocios.

Daniel Sanchez
9 anos atrás

Descanse em Paz, Comandante. Aos que tem suas consciências musculadas pelos pasquins do Instituto Millenium, deixo a frase do saudoso sociólogo Milton Santos: “Quem sempre teve privilégios, nunca lutaram por direitos”.

Ricardo
Ricardo
9 anos atrás

Flavio, parabéns pelo texto, e parabéns pela postura diante dos comentários, argumentando, e não só xingando (sei que tem hora que não dá pra não xingar, haha).

Matheus
Matheus
9 anos atrás

Flávio, geralmente acho que sua visão política é um pouco extrema, no sentido de ver as coisas muito preto no brando, quando acredito que as coisas são muito mais complexas do que essa “beatificação” de um lado e “demonificação” (existe essa palavra?) do outro.

Porém, dessa vez você escreveu um belíssimo texto. Parabéns, e que o Chávez descanse em paz, porque certamente merece pelo tanto que lutou e defendeu seus ideais, apesar de eu não concordar 100% com os métodos ocasionalmente usados por ele.

Mas quem é que concorda 100% com outro ser humano, né?

Enfim, que a Venezuela trilhe por um bom caminho, independente de quem vier a assumir o comando do país.

Jaime
Jaime
9 anos atrás

Ô Flavio, agora faz um post no estilo daquele da Farrah Fawcett-Michael Jackson, dizendo que o Chorão é o Ratzemberger do Chavez.

Jaime
Jaime
Reply to  Jaime
9 anos atrás

ou seria Chávez o ratzemberger do chorão?

afinal, o que tá dando mais mídia?

João Carlos
João Carlos
9 anos atrás

Bravo! Viva Chávez!

gus
gus
9 anos atrás

Muito bem Flávio; texto enxuto e no ponto, não fomentando discussões com pessoas que só têm como tábua de salvação, o fato de que ele foi um “quase ditador”.

charles
charles
9 anos atrás

É verdade, Chavez nunca fez nada em desacordo com a Constituição, ele simplesmente alterava-a.

Zé Clemente
Zé Clemente
9 anos atrás

“Eu não comemoro a morte de ninguém. E essa gente, sim, comemora.”

Não comemoraria a morte de ninguem por nenhuma razão. Minha visão disso é muito espiritualista. Alem disso, no ano passado vivi um periodo traumatico lutando como podia pela vida da minha mãe, que afinal seguiu o caminho natural.

Mas, visões políticas não estão atreladas à sobrevida ou morte de alguem. E penso que no campo político o Chavez não deixou nenhum legado efetivamente digno de nota positiva. Não fará falta à estabilidade política e social do nosso continente. Aqui na America do Sul ainda vivemos uma ‘revolução’ que nunca acaba, e em alguns casos contra inimigos hipotéticos ou até mesmo já mortos.

Que descanse em paz e que o continente consiga encontrar um rumo melhor. Nunca atingimos essa condição aqui.

Ivan
Ivan
9 anos atrás

Parabens, Flavio!

Giovani Blumenau SC
Giovani Blumenau SC
9 anos atrás

Uma pena Flávio, é que não vamos conhecer a maturidade do personagem/homem Chaves, pois para mim era ainda um revolucionário com características de “adolescente”, quando viesse a serenar e menos passional jogar mais o jogo, acho que trocaria as declarações fáceis por ações pragmáticas revelaria os métodos de seus algozes pela beirada com mais estilo.
A Venezuela poderia ter sido sob seu comando um “EUA” do avesso, uma Cuba sem a bola de ferro do embargo e com modelo de democracia sujeito a qualquer exame, uma referência social que muitos países se espelhariam e poderia por em risco esse modelo de capitalismo midiático moribundo. Em 2003 fui fazer um concurso em Porto Alegre durante o Fórum Social Mundial e pude ver Chávez e a atmosfera que o cercava, pude ver que cara era era calejado e representava um risco muito grande, visto o aparato de segurança para resguardá-lo. Quem enfrentava as idéias e interesses dos americanos não podia dormir em serviço. Quanto a natureza da doença dele, não tenho dúvida, a incidência de câncer em dirigentes legítimos e independentes da américa latina, palestina, e algumas ex-repúblicas soviéticas falam por si só, não há estatísticas que a sustentem sem pensar em conspiração.

pedro ar reflexivo
pedro ar reflexivo
Reply to  Giovani Blumenau SC
9 anos atrás

OPERAÇÃO CONSPIRAÇÃO PARTE e reparte… e depois não da aparte… rs

Norson Botrel
9 anos atrás

Flávio, tudo que a gente concorda sobre carros, a gente discorda sobre política.
Não nos esqueçamos que Chavez deu um golpe de estado em 92. Não me parece algo democrático.
Não nos esqueçamos que Chavez fraudou pelo menos uma das eleições que venceu. Não me parece algo democrático também.
Não nos esqueçamos das bravatas antiamericanas totalmente desconexas e populistas.
Não nos esqueçamos que a Venezuela está quebrada depois do governo dele.

Quanto à pessoa, concordo contigo: não se comemora a morte de ninguém. Portanto, não comemoro a morte de pessoas, mas comemoro a morte de símbolos. E quanto ao símbolo, eu estaria igualmente feliz se ele tivesse se mudado para Marte. Não fará falta alguma. E agora a Venezuela precisa pagar essa fatura. Desejo sorte aos vizinhos venezuelanos, pois eles precisarão.

Mário Sérgio
Mário Sérgio
9 anos atrás

Flavio, esses jornais e revistas podem escrever as baboseiras que quiserem. Não engulo. Sorte ao povo Venezuelano e muita prosperidade à Venezuela é o que desejo.

Valmir Passos
Valmir Passos
9 anos atrás

É impressionante o radicalismo que permanece no “discurso de esquerda”. Chaves foi um herói?Libertador? Não deu um passo fora da constituição? Claro, sempre a alterou para favorecer seus interesses de poder. Então, todos aqueles que pensam diferente dele são piores? São torpes? Ainda bem que esse tipo de pensamento é cada vez menor no mundo. O tal discurso de defesa da democracia que os socialistas praticam é pura mentira. Só falta agora assinar embaixo a afirmação do governo da Venezuela de que o câncer de Chaves foi provocado pelos EUA intencionalmente. Não dá para levar a sério alguém assim.

RODRIGO CARVALHO
RODRIGO CARVALHO
9 anos atrás

Flávio, quando você defende Hugo e Fidel, eu me pergunto: como alguém pode defender um processo em que o poder é perpetuado? Estas pessoas, mesmo com graves problemas de saúde, não largam do poder, Por quê?????

Osmer
Osmer
9 anos atrás

Para se lutar contra as elites econômicas e políticas é preciso ser forte.
Quem ama os pobres deve dar-lhes oportunidades de combater sua pobreza.
Fortalecer a indústria e investir em tecnologia criam a força do país e a oportunidade para o povo.
Os países latino-americanos (com ou sem hífen?) não tem agido neste sentido e seus governantes (Argentina, Bolívia, Brasil, Venezuela) tem se ocupado mais em se perpetuar em seus cargos que em criar condições dignas de saúde, segurança e desenvolvimento. Além de não devolver ao povo serviços à altura dos impostos que arrecadam, são ineficazes no combate à corrupção.
Ao meu ver, criam-se assim condições ideais para a existência das injustiças sociais, enfraquecendo o país e aumentando as desigualdades.

med
med
9 anos atrás

Flavio Gomes, genio!

Edson Del Rio
9 anos atrás

Iconoclastas, acordem ! ! ! No passado, os ídolos eram fabricados em madeira, barro ou outro material inerte, ou então adorávamos a lua ou o sol ou algo que não entendíamos. Atualmente, também temos nossos ídolos, feitos de “pele e osso, simplesmente e quase sem recheio”. São artistas, esportistas, religiosos e também políticos. Quase sem recheio pois é fácil mudar o alvo para si próprio. Se um religioso muda o alvo de sua mensagem de Deus para si mesmo, torna-se, imediatamente, uma espécie de ídolo. Mas é muito difícil vender idéias, principalmente de um Deus invisível. Torna-se mais fácil vender pessoas. Ficamos acreditando em pessoas, acreditamos que o esportista salvaria, com uma única bala, nosso país, depois o intelectual e ainda o metalúrgico e depois a guerrilheira.Obviamente, são apensa homens. Gostaria muito de comprar idéias, de votar em idéias e não em pessoas. Partidos políticos centrados no homem, igrejas centradas no homem é o que vemos o tempo todo. Gostaria de ver os partidos centrados em idéias e as igrejas centradas na mensagem de uma cruz vazia.

pedro ar reflexivo
pedro ar reflexivo
Reply to  Edson Del Rio
9 anos atrás

Mas assim posso acreditar na maxima:
” PRINCÍPIOS ACIMA DAS PERSONALIDADES ”
parabens

Emerson
Emerson
9 anos atrás

A maior besteira que se pode falar é essa de que se Chavez foi eleito várias vezes ele não era ditador e apoiava a democracia. Pode até ser que fosse um super cara, um democrata, blá, blá, blá. Mas ser eleito imfelizmente não prova nada, nada. Moro em um estado em que vejo as pessoas votarem por medo… Sim, isso existe no Brasil.

PEDRO AR REFLEXIVO(muito mais agora...rs)
PEDRO AR REFLEXIVO(muito mais agora...rs)
9 anos atrás

Socialismo imaginário bolivariano
Desde a morte de Tche Guevara existe uma vaga de mito latino desocupada, e o meio século de Fidel a frente da ilha desgastou suas pretensões. No Brasil o socialismo moreno de Brizola nunca o permitiu alçar vôos mais altos já que nem o inconsciente coletivo da esquerda festiva o levou a sério. Nas últimas duas décadas surgiu um candidato com alguma chance de ser alçado a este patamar de líder futuro mito, cultuado como criador bissexto do que poderia pejorativamente ser chamado de SOCIALISMO IMAGINÁRIO BOLIVARIANO. O incrível Hugo Bolívar Chaves tomou o centro do palco político com suas performances singulares que ainda reverberam num universo avesso a seres antropofágicos e suas escolhas controversas de parceiros políticos, com atitude estrategicamente escolhida de confronto com o senhor símbolo do poder EUA, reuniu em torno de si ressentimentos de muitos elevando a auto-estima dos esquecidos e sem nação. Com sua sedução sutil dos mais fracos inebriados na esperança de uma quebra de paradigma, alcançou um lugar simbólico que por muito tempo vários pretensos lideres políticos apenas imaginavam, este Chaplin venezuelano tinha defeitos, limites e era mesmo controverso, mas também tinha incontestáveis qualidades ao caminhar por perigosas vias de forma camaleônica era ousadamente surpreendente. Só o tempo poderá dimensionar o real tamanho de Chaves dentro da dinâmica global em que se fez presente e seu potencial poderá ser sempre apenas estimado, figura de sorte que sai do real sensibilizando a compaixão humana e potencializando sua capacidade como promotor de mudanças tão desejadas na América Latina, talvez seja para sempre incensado, como líder máximo simbólico de uma era de poucos homens brilhantes, de um tempo em que a maior ausência era de estadistas. O imaginário popular foi seu melhor combustível na busca de um verdadeiro carbonário, mesmo com traços de pseudo caudilho, o possibilitavam se afastar do comportamento insosso e previsível dos seus rivais políticos quase sempre amorfos que tentavam preencher o espaço reservado só aos mitos. Chaves em sua lembrança de Bolívar se destaca de forma singular ao ser sempre lembrado como possível mito, agregando em torno de si todos os anseios da revolta contra um poderoso ícone, representante podre insensato de um império há muito falido, antes senhor do tempo e da verdade agora amaldiçoadamente capitalista.

marcelo silva
marcelo silva

Parabéns! Belissimo texto.

Pereira
Pereira
9 anos atrás

Que seja feita a justiça ao homem, ao político. Que seus méritos sejam reconhecidos e seus erros aprendidos.

Mas essa idolatria toda a um líder político nunca cheira bem.

André
André
9 anos atrás

Apesar de eu ser apartidário e crer que, no final das contas, politico é tudo igual, deem uma pesquisada sobre o Cisneros antes de sair atirando por aqui.
Existem outros temas interligados que tb devem ser pesquisados.

Lucas Fadul
Lucas Fadul
9 anos atrás

Parabéns pelo texto.

Mozart Netto
Mozart Netto
9 anos atrás

Com todo respeito, posso dar minha opinião?

A sua afirmação de que a morte de alguém, por melhor ou pior que seja esse alguém, será comemorada por quem quer que seja… Mais uma vez, com todo respeito Flávio, você é muito melhor que isso!
Já imaginou ao contrário ? E se numa hipótese alguém escrevesse que você e a Carta Capital iriam comemorar a morte de, sei lá, FHC (o demônio), chamando você e a revista de desprezível, por comemorar a morte de um líder para alguns e um corrupto para outros?
Como você se sentiria?
Como você responderia ?
Com sua bela verve irônica responderia: “é isso mesmo, comemorei mesmo, já foi tarde!”.?
Provavelmente, aliás não, com certeza absoluta, algum leitor da veja vai postar um comentário do mesmo tipo…

As pessoas que fazem esse tipo de comentário deveriam olhar a foto recente de Chávez com suas duas filhas e reconhecer, lembrar, que antes do político, do caudilho, do corrupto, do Salvador, do ditador, do democrata, está ali, um homem, um ser humano, um pai, que se foi, cedo, abatido por uma doença horrível! Qualquer um que comemore sua morte é sim desprezível, mas, mais uma vez, e se fosse ao contrario?

Por amor ao debate, deixo minhas idéias e minhas perguntas aqui expostas, já esperando porrada de tudo quanto é lado, mas assim é a democracia, não é verdade?

Muito se fala que as pessoas “do contra” chamam Chávez de ditador.
Posso afirmar que ele não era.
Ele venceu eleições! Três se não me engano, e por ampla maioria!
Mas podemos afirmar que era um Democrata?
Esse mesmo homem que nunca teve medo de eleições e que venceu todas que disputou, democraticamente, foi o mesmo que tentou dar um golpe de estado em 1992.
Por quê um golpe? Golpe não é uma maneira de atropelar uma eleição?

Certamente, milhares de pessoas que saíram da miséria irão as ruas mostrar seu sentimento, seu agradecimento.
Mas quantos ficarão em casa pensando que, com a morte dele, poderão ver novamente uma imprensa mais livre?
Quantos ficarão em casa preocupados com o que vai acontecer a partir de agora, com o vácuo deixado pela sua ausência ? Será que a elite volta governar, será que os militares assumem, ou vai ficar como estava?

E como estava quero dizer: inflação em alta, desemprego idem, e um pais que não tem um sistema de saúde capaz de tratar seu próprio presidente. Mas quero dizer, também, fica como estava: um povo menos sofrido, menos pobre por ações feitas no governo dele.

Será que alguém já se perguntou quem pagou a mansão onde a família dele mora em Barinas? Como é que o sítio de galinhas e porcos da família dele se transformou numa fazenda enorme? Ou quem é que paga as bolsas Prada e sapatos Ferragamo da mãe dele, D. Elena Frias?
Será que essas são perguntas legítimas? É permitido questionar isso?
Ou são simplesmente perguntas de pessoas que “não amam os pobres”? Perguntas de “Pessoas obtusas guiadas pela imprensa?”

Será que não gostar dos métodos que ele usou para governar e possivelmente enriquecer sua família e melhorar a vida dos pobres, me faz automaticamente um “reaça” que nega os avanços que ele trouxe ao povo miserável?
Qual é? Não precisa ser tão preto no branco!
É possível reconhecer os avanços mas ao mesmo tempo é obrigatorio questionar métodos!
Ou não?
Negar o contraditório é democrático? Esquecer os “malfeitos” em prol de um bem maior é correto?

Chavez foi o cara que teve a coragem e a capacidade de dizer: “pátria, socialismo ou morte!”, “O socialismo do século 21 é a grande arma para evitar a contaminação do imperialismo e do neoliberalismo”.
Que, sim, teve a coragem de peitar muitos em seu pais e fora, não há como negar.
Mas ele também foi capaz de dizer coisas como: “Mugabe é um guerreiro da liberdade”, “Assad tem a mesma visão política que nossos revolucionários bolivarianos”, “Lukashenko preside um modelo de estado social”.

Portanto nem santo nem demônio, nem ditador nem democrata.
Somente um homem.
Lamento a morte de um homem, de um pai, de um ser humano.
Não sentirei saudades de métodos de governo que julgo errados,
Aplaudirei, para sempre, politicas de governo que melhoraram a vida de milhares de pessoas.
Questionarei sempre, pois assim devem fazer os que se acham verdadeiramente democratas.

Nem por isso sou “reaça”, nem por isso sou “vermelhinho”.

Um abraço e desculpe.

Mozart Netto
Mozart Netto
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Não foi isso que eu disse. Se você não comemora – tenho certeza disso – , por quê acusar os outros de algo que você não faria? Ser ou ter diferentes visões políticas não faz alguém melhor ou pior! Esse é meu ponto.
By the way, meu link para a BBC, funcionou, né?

Mozart Netto
Mozart Netto
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Discordo novamente, com todo respeito. A visão política de Stalin era de esquerda. Correto? Se a visão dele era de esquerda e ele foi um assassino, esquerdistas, por conseguinte são maus? Pinochet tinha uma visão de direita. Correto? Se a visão dele era de direita e ele foi um assassino, direitistas por conseguinte são maus? Sei lá, acho que essa dicotomia, esse maniqueismo só serve para afastar o diálogo, tão necessário para o entendimento entre nós, diferentes, e acho que breca o avanço da liberdade. Mas, cada um com sua visão, que repito não o faz ser pior ou melhor. O faz apenas diferente de você.

Thiago Moyses
Thiago Moyses
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Certíssimo, Flávio… Temos que respeitar diferenças sim, mas existem discursos e visões políticas intragáveis.. que podem existir mas que temos que detonar… é a mesma coisa que defender o nazismo como uma opinião política diferente. Essa galera de direita maluca prega a morte sim, e muitas vezes ela mesma manda matar…porque sua visão é pragmática, é isso que defendem, não defendem ideologias, mas o próprio interesse… claro que Hugo Chávez tinha interesses, ele é humano, mas ele foi além dele próprio… E parabéns por demonstrar sua opinião sem cair no politicamente correto, essa baboseira, e fugir dessa ditadura da imprensa oficial do Brasil…

Thereza
Thereza
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

vê-se que a conversa termina quando a intolerância começa.

Tiozão
Tiozão
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Mozart, não adianta ele só tem uma visão.

SergioCJr.
SergioCJr.
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Desculpe Flávio,

Mas este comentário seria o mesmo que dizer que uma religião diferente torna uma pessoa pior.

Não necessariamente a sua visão/preferência política é a correta, pois desvios de finalidade existem em qualquer tipo de governo, simplesmente, porque o ‘homem’ é imprevisível e, em sua maioria, refém de seus desejos mais obscuros (poder, fortuna, vaidade, etc).

Exatamente pela imprevisibilidade do ‘homem’ é que diversos sistemas de governo naufragaram, por melhor que, ideologicamente falando, fossem.

Uma vez perguntaram ao Dalai Lama, salvo engano, qual era a melhor religião, esperando que ele fosse responder o budismo…. Sua resposta foi de que a melhor religião é aquela que faz a pessoa melhor.

Nesse sentido, acho que podemos adaptar essa resposta ao contexto, uma vez que – na minha opinião – o melhor sistema de governo é aquele que torna a vida de seu povo (seja pobre, rico, negro, branco, etc.) melhor, independente de sua verve ‘vermelha’ ou ‘azul’.

pc
pc
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Querido Flavio, permita-me tecer alguns comentários que talvez não tenham sido feitos, devido à emoção do momento.
Penso que Chaves tinha uma visão equivocada da época em que vivemos, onde tecnologia e portanto, a educação do povos que constituem as nações, é o fator determinante do sucesso ou fracasso das sociedades civilizadas. O fato de governar para as massas, não dá a quem quer que seja, mandato divino para se perpetuar no poder. Alterar a constituição para tal, aproveitando uma maioria momentanea no Congresso, a fim de violar o principio da alternancia do poder, é um ato oportunista e caudilhesco. É este prinicipio que permite a presença de governo e oposição funcionais, o embate de ideias e imprensa livre. Não sei se o sapato da primeira dama era Gucci ou se a casa de Chaves era uma mansão. Tenho apenas a certeza que era um ser humano com todas as tentações e fraquezas caracteristicas desta condição. A produção de petroleo diminuiu? A violencia aumentou? O desemprego está crescendo? Há muito de cinza nesta situação e não vejo santos e demonios. Há um povo sentado sobre a terceira reserva de hidrocarbonetos, localizada pertinho do maior consumidor do mundo, que talvez por isso e para isso, tem a maior armada já construida ao longo da história.
Chaves achou que retórica e boas intenções iriam mudar a dependencia da economia venezuelana em relação ao petroleo. Assim como Cuba e ao contrario da Coreia do Sul, não investiu na formação cientifica e tecnologica para a formação de uma elite, capaz de transformar petroleo bruto em refinarias, fabricas de fertilizantes, plasticos, desenvolvimento tecnologico e demais produtos industrializados. Aproveitou a alta dos preços e instituiu um grande programa social com o objetivo de resgatar da pobreza, grande parte da sociedade. Petroleo acaba. Quantas universidades e centros de pesquiza foram criados nesses anos de governo. Quantos geologos e engenheiros foram treinados ?
Cuba de 61 até 89 recebeu apoio da URSS. Quantos engenheiros foram treinados para aproveitar o bagaço de cana para geração de eletricidade ou alimentação de animais? Os que eu conheci, estavam fazendo doutorado na UNICAMP ao redor de 98.
Esse embate ideologico de direita versus esquerda, brancoxpreto não pode ocultar os fatos.
Se não houver mobilização, e pra isso servem os lideres, no sentido de educar a população para enfrentar as demandas de bem estar social, acaba assim. Como Péron, é mais um caudilho que se vai. Aqueles que foram beneficiados, passam agora a depender da elevação continua do preço do petroleo, porque a população só aumenta. Infelizmente, o almoço não é de graça e desgraçadamente, ao contrario dos crocodilos, temos que almoçar todos os dias. E pior, quem passava fome e passou a almoçar todos os dias, passa a pensar com a barriga. As veias abertas da America Latina ainda sangrarão enquanto os seus povos continuarem escolhendo o caminho mais facil do populismo. Recomendo a todos a leitura de Colapso , livro de Jared Diamond, autor de Armas , Germes e Aço. abração a todos.

Carlos
Carlos
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Concordo. Quanto mais totalitária a visão de poder político do indivíduo, maior a sua falta de humanidade – vide Hitler, Stálin… estes sim se compraziam com a morte dos adversários. E vai dizer que o Chavez não era assim? Lembra dele da Assembléia Geral da ONU fazendo o sinal da cruz e chamando o Bush de demônio? Vai dizer que ele não comemoraria a morte do Bush?
Em qual categoeia de político vc colocaria o Chavez?
Mas é lamentável a morte de qualquer pessoa, pois como disse o poeta, “não pergunte por quem os sinos dobram, eles dobram por ti”.
Flávio, gosto muito dos seus textos quando vc fala de automobilismo e quando vc faz humor com a política, bem como com a parte saudosística – posto, carros e cars & girls – mas as posições de esquerda são … deixa pra lá; mas fica aqui o registro – defendo seu direito de discordar de mim até a minha morte.

Felipe
Felipe
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Concordo com Mozart. Visões políticas diferentes não fazem uns piores que os outros. Mas a intolerância a visões distintas, sim.

Sandro
Sandro
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

De forma nenhuma, se todos olhassem sempre da mesma forma não teríamos debates, a política de lá é estritamente governamental, já ouviram falar em Democracia? Pelo visto na Venezuela só ele dava as cartas, o povo o adorava porque não há abertura pra nada quando se fala em política, pura ditadura. Como votar em outra pessoa se o governo atual não dava abertura pra isso. Uma prova é de que o “governo local” dizia que ele estava se tratando e melhorando a cada dia, quando a corda rompeu não tinham mais o que esconder, nem a imprensa tem espaço pra passar pro povo o que realmente acontece. Preciso dizer mais?

Marcel
Marcel
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Nada mais justo (e genial se fosse feito sem ser sugerido) que o comentário do Mozart Netto fosse publicado como parte da postagem dando status maior ao contraponto pertinente e educado.

Não vejo nem como precisaria argumentar os motivos, pois é profundamente óbvio. Nem vejo como imaginar que discordar disso teria outro motivo que não ego.

Mozart Netto
Mozart Netto
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Rapaz, cheguei do trabalho agora e vi que nossa conversa de madrugada rendeu, hein?
Mas achei muito legal os comentários, ao mesmo tempo que achei estranho alguém comentar algo que escrevi. Só posso me sentir aliviado que os comentários vieram pra enriquecer o debate democrático. E, claro, aliviado por não ter recebido tanta porrada, nem de você, nem dos demais.
Abraço e obrigado pelo espaço!

Alexey Karpov
Alexey Karpov
Reply to  Mozart Netto
9 anos atrás

Mas vão comemorar. Sempre comemoram os que só conseguem pensar em dinheiro e poder. Eles estão pouco se lixando para o que o povo realmente precisa. Só pensam em seus próprios umbigos.
O mundo capitalista obteve hoje mais uma vitória. Uma lástima.

Ubaldir Jr.
Reply to  Alexey Karpov
9 anos atrás

Sabe o que todo povo precisa? É de educação, de anos atrás de um banco de escola. É disso que se precisa. A visão arcaica e populista de que o povo precisa de dinheiro em primeiro lugar para depois procurar educação é equivocada. Você dá dinheiro pra quem não tem educação ou qualificação e ele se acomoda. Pouquíssimos vão buscar educação para seus filhos, o que só faz perpetuar a pobreza.

Leonardo Koerich
Leonardo Koerich
Reply to  Mozart Netto
9 anos atrás

Olha… no Facebook, que é um zoológico de todos os tipos humanos imagináveis (e inimagináveis), tem muita gente, mas muita gente comemorando. Logo, dizer que pessoas vão comemorar a morte dele, é apenas, por mais triste que seja, dizer o óbvio, anotar um fato.

Ubaldir Jr.
Reply to  Leonardo Koerich
9 anos atrás

Leonardo, sinceramente essa informação significa absolutamente nada. Pode ter certeza de que se o camarada Gomes, eu ou até mesmo você morresse hoje, ia ter uns pra achar bom. Não é primazia do comandante Chaves não. É coisa do ser humano mesmo.

Chico Camargo
Chico Camargo
Reply to  Mozart Netto
9 anos atrás

Mozart, parabéns por seu comentário equilibrado e com visão crítica.

Ubaldir Jr.
Reply to  Mozart Netto
9 anos atrás

Fantástico texto, Mozart. Enquanto as pessoas teimarem em se “entrincheirar” no lado do “preto” ou no lado do “branco”, ignorando que as soluções estarão sempre ao longo da grande faixa “cinzenta” existente entre os dois extremos, o que ganharemos serão só confrontos, guerras e fracassos.
Nem “8” nem “80”. A obra de Chaves, para o bem e para o mal, estará ali na faixa dos “40”. Algumas coisas certas, outras nem tanto, outras muito erradas. Esse é seu legado, assim como o é o legado de grande parte das pessoas que caminham por esse nosso mudinho esquisito.
A minha opinião é a mesma sua: se vai um ser humano, um pai de família, uma pessoa que deve ter um bocado de entes que o amam e que vão sentir muito a sua falta. O resto, neste momento, beira a irrelevância.

Gustavo Muller
Gustavo Muller
Reply to  Mozart Netto
9 anos atrás

Excelente seu texto, Mozart Netto!!!

Luis
Luis
Reply to  Mozart Netto
9 anos atrás

Me desculpe sair do assunto, mas o Robert Mugabe é “guerreiro da liberdade” sim: o Zimbabue antes dele era um feudo particular de alguns brancos ricos que criaram um país chamado Rodésia, que a ONU nunca reconheceu, aí o Mugabe tomou o poder e promoveu um governo de igualdade para brancos e negros. Tudo bem que a igualdade foi deixar todo mundo pobre, mas isso é outro assunto…

Mozart Netto
Mozart Netto
Reply to  Luis
9 anos atrás

Luis, permita-me a réplica?
Como é que alguém que luta pela liberdade está no governo desde 1980, mais precisamente desde a independência da Grã Bretanha?
Vamos esquecer do Gukurahundi ? Esse “pequeno incidente” ocorreu nos anos 80, onde milhares, sim, milhares, de oposicionistas foram mortos por BRIGADISTAS leais ao “guerreiro da liberdade”…
É verdade que pessoas leais a Mugabe também morreram vitimas de atrocidades patrocinadas pela oposição.

Ah, mas ele é um monstro? Não sei, mas matar seus compatriotas é correto? A ditadura brasileira também matou compatriotas, vamos chamar Medici de “guerreiro da liberdade” ?

Não há como negar que ao longo do tempo, Mugabe vem adotando praticas mais democráticas, hoje há membros do principal partido de oposição, o MDC, no gabinete dele. O problema é que Mugabe repetidas vezes se disse um discípulo de Maquiavel…
Mas daí a ser “guerreiro da liberdade”, hum, sei não…

Só pra lembrar, este mês o ministro da finanças Tendai Biti disse que havia apenas US$ 300,00 (isso mesmo trezentos dólares) nos cofres do pais! E que não haverá dinheiro para fazer… as eleições ! Só para lembrar, ano passado a receita com a venda de diamantes pelo governo do Zimbabue (tem acento no “a” ou não? Nunca sei) foi de US$ 680 milhões. A oposição MDC, diz que a receita que entrou no cofre destas vendas foi de apenas US$ 40 milhões…

Abraço respeitoso

Fabiano Lacerda
Fabiano Lacerda
Reply to  Mozart Netto
9 anos atrás

Meus olhos foram ofuscados por tantos coxinhas…

Italo
Italo
Reply to  Mozart Netto
9 anos atrás

Mozart, para mim bastou ler seu comentario. Quanta propriedade e eloquencia.Disse exatamente o que eu penso, mas que provavelmente, eu não faria melhor que você.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Mozart Netto
9 anos atrás

Concordo com você Mozart.

Rabino Maldonado
Rabino Maldonado
9 anos atrás

FG, só não concordo que ele não tenha dado um único “passo fora da Constituição”, afinal, foi alterando-a ao seu bel-prazer para se reeleger indefinidamente (apesar de ter fixado um limite, parece, depois de trocentos mandatos).

Acho que, se ele realmente tivesse um projeto político, ele já teria abdicado de participar desta última eleição, onde claramente já não tinha condições físicas para prosseguir. Ele devia já ter lançado o Maduro como candidato para disputar a eleição (ou quem quer que seja de seu partido). O fato é que ficou uma situação esquisita: com certeza a oposição vai espernear e tentar melar (e eu diria com razão) o jogo se Maduro continuar no poder (provavelmente continuará). Situação desnecessária, e que pode ameaçar o futuro desse governo. Se Chávez era tão popular assim, qual a dificuldade em eleger seu sucessor, como Lula fez por aqui? Agora a oposição tem um argumento: o povo não votou em Maduro. É mais ou menos como Sarney aqui em 85. Vai ter nova eleição, ou o vice vai tapar o buraco em todo o mandato?

Por isso acho que Chávez tinha somente um projeto de se perpetuar no poder, totalmente pessoal. Com pontos positivos e negativos, acho que mais negativos, até. Mas, por outro lado, em função dele, pode ter melhorado o nível da oposição, da elite, pois agora eles devem estar minimamente considerando a ideia de fazer alguma coisinha pelos pobres, senão não vão ganhar eleição nenhuma nunca mais.

Tom
Tom
Reply to  Rabino Maldonado
9 anos atrás

O FHC ,alterou também a lei para por recandidatar e ninguém da imprensa falou nada….

Chico Camargo
Chico Camargo
Reply to  Rabino Maldonado
9 anos atrás

Maldonado, concordo contigo.

Marcelo Pacheco #49
Marcelo Pacheco #49
Reply to  Rabino Maldonado
9 anos atrás

Concordo com você Rabino Maldonado, tbm é minha opinião.

Rafael Wüthrich
Rafael Wüthrich
9 anos atrás

Grande comentário!

Luciano
Luciano
9 anos atrás

Bem Flávio Gomes se realmente acreditas na democracia, acredito que terás a sabedoria de publicar o que se segue:
A coisa mais terrível para um oprimido é justamente não poder exprimir-se de modo livre. O que caracteriza uma ditadura, seja ela de direita ou de esquerda, capitalista ou socialista? Uma possível resposta: o cerceamento das liberdades políticas individuais e, particularmente, a liberdade de expressão. Não acredito que o regime político-jurídico instaurado por Hugo Chavez tenha sido verdadeiramente democrático, visto que, por exemplo, a imprensa venezuelana tornou-se extensão dos mandos e desmandos do “Comandante”. Acho muito engraçado um séquito de sei lá o que de ideologia supostamente vermelha fazer apologia a um sistema de governo que, por exemplo, reputa uma doença cancerosa – neste particular, a do próprio Chavez – às “forças ocultas” do “american way of life”! Para mim, se a ausência de liberdade de consciência ou expressão é um sinal evidente de ditadura, explicações como as que percorrem os meandros da “teoria da conspiração” não passam de uma paranoia delirante de um regime fascista e totalitário. Mas o que realmente me espanta é gente que se diz esclarecida lamentar a perda, digo, a morte de um ditador.
Por fim, é duro de acreditar que pessoas que no período da ditadura militar supostamente lutaram por liberdade e democracia e que inclusive foram perseguidas, presas e até mesmo mortas, deêm crédito a tais Caudilhos que empestam a América Latina e mantém o nosso sofrido continente no atraso.
Por fim, não prego ideologias ou quaisquer ideiais ou até culto a personalidades ou a regimes econômicos, apenas adoro e defendo um regime democrático em que há alternância de poder e que a demagogia não prevaleça, prego apenas a liberdade, a democracia e a saudável liberdade de opinião e alternância de poder, apenas espero, sinceramente, que no Brasil jamais um caudilho, seja ele de esquerda ou de direita, governe e se encastele no poder e impeça que nós como cidadãos possamos expressar as nossas opiniões e nossa liberdade.

Luciano
Luciano
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Como bobagem? Estás falando sério? Quando falo em democracia e liberdade civil, falo também imprensa livre, uma coisa está ligada a outra, não tem jeito!
Numa democracia, séria e consolidada, como acredito que a do Brasil realmente está ficando, há alternância de poder, com apenas, eu digo apenas, UMA reeileção, mais nada, só isso, FHC foi duas vezes, elegeu e se reelegeu, Lula, também foi duas vezes, elegeu e se reelegeu, passou para sua sucessora, outra pessoa, a Dilma, que provavelmente, vai ser de novo, apesar de tudo está indo bem, aí passa para seu futuro sucessor, seria bom que o FHC e o Lula continuassem sendo ex-presidentes, sem assumir mais nenhum cargo político, diferente do Collor e do Sarney, bem como o Itamar, que não tiveram a elegância de não mais voltar ao poder, eu disse elegância, pois deveriam dar o exemplo e se desapegar do poder, pois estamos em uma democracia – poder do povo – e vivemos em uma República – coisa pública, de todos, em quem sabe no futuro teremos o Eduardo Campos, o Aécio Neves, a Marina Silva, a Heloisa Helena ou o Cid Gomes, não seria mais livre e democratico?
Agora se eternizar no poder, ficando mais de dez anos, mesmo que sendo legitimado popularmente, mediante uma constituição, em uma análise crítica e lúcida, vemos de que não se trata mais de uma verdadeira democracia republicana, mas de uma ditadura, concentrando o poder não mão de um homem, que com tanto poder, realmente controla tudo e todos, inclusive a imprensa, pregando inclusive o seu culto pessoal, de forma inclusive fanática.
Porque não passou o poder para o seu sucessor, seja ele de seu partido ou não, criando realmente a alternância de poder? Vai dizer por que ele tem uma missão e o povo quer e deve ser assim em nome de algo maior… Balela, era um homem como nós, e como todo ser humano se corrompe com o poder, assim como eu ou como você Flávio…
Com certeza isso não é mais democracia, e sabes disso, se isso ocorresse no Brasil, jamais irias gostar.
Para deixar bem claro, falo isso como um antigo eleitor somete do PT, que votou no Lula duas vezes, não votou no FHC, não votou na Dilma e até em dezembro pensava em votar nela, mas agora não pois acho que ela tá perdendo a mão, mas que gostaria de ver O Eduardo Campos como presidente e o Aécio não, e seria bom a Marina Silva como Presidente e a Heloísa não.
Beleza?

Mavex
Mavex
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Ele não impedia ninguém de dizer nada, só não havia como os oposicionastas divulgar suas idéias, não havia jornal, radio, tv, fanzine, tudo era controlado pelo governo. E que historia é essa de criticar a imprensa brasileira se é através dela que vc põe comida pra dentro de casa? Vc parece o chávez, abomina os EUA, mas são os EUA que compram mais da metado do petroleo produzido na venezuela, sem eles não haveria nem migalhas pro ricos, imagino os pobres q ele tanto amava.

Sandro
Sandro
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Claro que impedia, pô Flavio, vc parece que só está vendo o lado que gosta, esse cara tentou fechar televisões, jornais,o povo não sabe o que é liberdade de expressão, não votam em outra pessoa porque não a conhece, não tem espaço pra isso, quando abrirem de verdade e ser um país democrático eles perceberão quem foi o Chaves. Não estou dizendo que a Democracia é a melhor coisa do mundo, me refiro a liberdade.

Luciano Saraiva
Luciano Saraiva
Reply to  Luciano
9 anos atrás

Meu chará você está mais de um século atrasado: hoje, no ocidente, não se se cerceia mais nada. Não são tiradas contas de Twitter do ar. A estratégia é outra (bem mais eficaz): descredita-se o discurso adversário… por meio da imprensa.
Chavez consolidou-se por meio de propaganda. Lula consolidou-se por meio de propaganda. A Veja tenta combatê-los por meio de… propaganda.
Vá a uma faculdade de publicidade e pergunte qual a diferença entre jornalismo e publicidade e lhe dirão: “ambos basicamente trabalham com o convencimento”.
O jornalismo deveria ser o oposto da publicidade. Mas quem faz jornalismo é humano. E humano descuidado – sem pensamento científico – repete memes que lhes foram incutidos: humanos como você.

Luciano
Luciano
Reply to  Luciano Saraiva
9 anos atrás

Xará! Não fiz faculdade de jornalismo, fiz de direito, e sei que ninguem é isento, todos tem interesse de defender a sua opinião, mas não de impô-la, falo acima em uma análise político-jurídico, analisando os mecanismos de poder, o que envolve os mecanismos jurídicos, só isso, todo mundo tem opinião e posição, e para expô-las se usa dos canais necessários, nós temos isso, não é uma maravilha? Já pessou se tivessemos no Brasil um sujeito no poder, que fica quatro, oito, doze, dezesseis anos no poder, já pensou que loucura? Já imaginou como esse sujeito se viciou no Poder? Sabes o que ele vai fazer? Pois é, não dá para se acreditar em um homem que não queira mais sair do poder, não é?
Na boa! O Chavez era isso! Porque ele nunca transmitiu o poder?

Luciano Saraiva
Luciano Saraiva
Reply to  Luciano
9 anos atrás

Viu quem tb é intolerante? Você não tolera sequer desacordo ortográfico em relação a uma norma. Imagine se fosse líder de algo! Chavez tinha seu poder dado por seu povo. Eu não concordo com o povo da Venezuela. Mas seu povo concordava com Chavez. Não concordo com Lula. Lula é ditador?
E veja que se ofendera com meu comentário sobre faculdade… num textículo onde eu critico a faculdade.
Descuidado: usa constantemente sabedoria popular adquirida em Veja em vez de ciência falseável.
Nunca se perguntou por que escrevemos “cheque” quando Millôr escrevia “xeque”.
Porque Millôr pensava por si mesmo; o que você, pela segunda vez, provou que não faz.

Alex
Alex
9 anos atrás

Só posso dizer uma coisa: parabéns! Suas palavras lavam a alma de quem tem um mínimo do consciência do que anda acontecendo no mundo

Eric Ohtake
Eric Ohtake
9 anos atrás

Não quero endeusar o morto, mas temos que concordar, ele peitou os que quase ninguém tem coragem de peitar. Do jeito dele, como vc bem disse. Tem coisas piores acontecendo por de baixo dos panos, através de países e instituições que se dizem guardiões da liberdade que é melhor nem chafurdar.

Lucas Carioli
Lucas Carioli
Reply to  Eric Ohtake
9 anos atrás

Exatamente isso.

Chico Camargo
Chico Camargo
Reply to  Eric Ohtake
9 anos atrás

O Chaves peitava os USA para “inglês ver”. Ele peitava os USA publicamente mas sempre negociou perfeitamente o petróleo com os ianques capitalistas. Sempre recebeu em dia os dólares de seu maior cliente comprador os USA. Chaves era muito bom neste jogo de cena.

Julio Cesar
Julio Cesar
9 anos atrás

Morre o homem, fica a lenda.

Flavio Mendes
Flavio Mendes
9 anos atrás

Chávez tentou alterar a constituição do país para que pudesse ser eleito ininterruptamente. Não conseguiu.
O “ao seu jeito” mencionado no texto é, no mínimo, um eufemismo grosseiro para ditadura, uma interpretação perigosa de que os fins justificam os meios.

Marcelo Dalbelles
Marcelo Dalbelles
Reply to  Flavio Mendes
9 anos atrás

aí ele (Chavez) fez um referendo e perguntou pro povo!
Nossa reeleição previa um referendo na constituição, vc viu o FHC fazer?
Eu apenas vi que ele comprou os votos no Senado.

Gabriel Leal
Gabriel Leal
Reply to  Marcelo Dalbelles
9 anos atrás

Marcelo

Sobre a questão das reeleições do Chaves eu concordo com você. Foi feito dentro da lei e a partir de referendo popular, melhor do que ocorreu aqui.

Eu só não compro esta idéia de Grande Líder, herói, imaculado que se sacrifica em nome do povo e outras baboseiras mais. Só se passarmos a considerá-lo como um novo “messias”.

Para mim tratava-se apenas de um político carismático, controverso, cheio de ambição de poder, com uma visão de mundo e política econômica totalmente ultrapassada (na minha opinião), e que ao final acaba prejudicando a próprio população.

abr

Gabriel

Marcelo Dalbelles
Marcelo Dalbelles
Reply to  Gabriel Leal
9 anos atrás

Gabriel, o problema do mundo atual é a falta de ideias e de ideologia.

governos que vivem pela economia de mercado pelo qual são tidos como modernos não tem ideal nenhum a não ser o capitalismo financeiro.
Algo quase que tribal do tipo: “O mercado está de nervoso, serão necessárias medidas para acalmá-lo”. Não importam as medidas desde que as ações subam, pode ser corte de investimento, demissões em massa enfim…
Algo parecido com jogar uma virgem no vulcào para acalmar o deus da ilha.

Chávez não era o messias mas começou a virar o jogo e era um cara idealista, levando em conta a falta de sonhos e ideais para melhorar o mundo e peitar opressores; ele fez muita coisa…
Agora é por conta do povo da Venezuela!

Marcelo Pacheco #49
Marcelo Pacheco #49
Reply to  Gabriel Leal
9 anos atrás

concordo Gabriel.

Minoru
Minoru
Reply to  Marcelo Dalbelles
9 anos atrás

E fora que o FHC com informações privilegiadas, se aposentou e a sua senhora pela USP e em seguida alterou as regras da aposentadoria para os demais brasileiros…

Luis
Luis
Reply to  Marcelo Dalbelles
9 anos atrás

Se algum deputado hoje em dia fizer um referendo sobre criminalizar o homossexualismo, existem grandes chances dos votos a favor serem a maioria.

Pedro Araújo
Pedro Araújo
Reply to  Marcelo Dalbelles
9 anos atrás

Opa, eu também vi o FHC comprando votos no senado para modificar a constituição e poder se eleger de novo!!! Alguém mais aí viu? Ou todo esse povo fez que não viu? Ah, a indignação seletiva… Uma beleza, isso, hein?

(PS: vou dar um jeito de patentear esse conceito de “indignação seletiva”. Aí quem sabe eu ganho uma grana em cima do leitor da Veja… hehehe)

Marcelo Dalbelles
Marcelo Dalbelles
Reply to  Pedro Araújo
9 anos atrás

curti

Flavio Mendes
Flavio Mendes
Reply to  Marcelo Dalbelles
9 anos atrás

Não seja malicioso, Marcelo.
A emenda constitucional entrou em vigor para todos os cargos do executivo, ou seja, para prefeitos e governadores também. Olhando assim, dá a entender que o ex- presidente fez em causa própria, como o finado caudilho venezuelano, ávido por um quarto mandato básico…

Cesar
Cesar
9 anos atrás

Falou e disse, FG!
Chavez fez sua parte, mas ainda há muito a ser feito na Venezuela e na América Latina. Vamos em frente!

Fabiano Lacerda
Fabiano Lacerda
9 anos atrás

Os bons vão muito cedo. Temo pelos próximos dias, confesso. Mas confio no povo venezuelano.

Descanse em paz. Que teu legado se eternize.

Gabriel Leal
Gabriel Leal
9 anos atrás

Flavio

Gosto muito do seu blog, dos seus posts, mas apesar de respeitar a sua opinião, normalmente as minhas opiniões sobre questões Políticas são bem diferentes das suas.
Este é mais um caso. Penso eu, que se o Brasil tivesse um presidente como o Chaves, o seu blog e a ESPN Brasil, por exemplo, possivelmente seriam perseguidos, pois neste tipo de “democracia” que existe no país vizinho, a imprensa contestadora é considerada inimiga da Pátria.

abr,

Gabriel

Gabriel Leal
Gabriel Leal
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Flávio

Se alguém defendeu na TV ou em Jornal o assassinato do Presidente, então, dentro da lei, que se processe o indivíduo o meio de comunicação e tudo mais que a justiça permitir, mas simplesmente censurar e cassar os registros das TVs é tudo o que não pode ocorrer em uma democracia. E eu considero a Venezuela como uma democracia (apesar de cheio de falhas), pois ele foi eleito pelo povo por meio de um processo eleitoral com outros candidatos.
Para mim a imprensa tinha que ser livre inclusive para se posicionar politicamente, dizendo em Editorial qual a sua tendência, qual partido ou candidato apoia, para a população ter o direito de saber e fazer seu próprio juizo.
E não esta falsa imparcialidade que a lei brasileira, por exemplo, tenta impor aos meios de comunicação, principalmente em época eleitoral.
E para terminar, acho muito inocente esta idéia de grande líder que leva uma nação sozinho ao desenvolvimento. Só quem pode fazer isto é a própria população, o governante é só parte do processo.

abr

Gabriel

Elvys
Elvys
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Flávio, acrescente ai que nos EUA existe a limitação de audiência na TV, caso eu não esteja enganado. E nem por isso Obama ou qualquer antecessor dele foi rotulado como ditador por lá, nem pelo famigerado Tea Party até onde saiba.

Chico Camargo
Chico Camargo
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Flávio, você só pode estar brincando…

Se não houve censura, houve perseguição!!!

El Clarin na Argentina sabe bem do que estou falando.

Pedro Araújo
Pedro Araújo
Reply to  Chico Camargo
9 anos atrás

O Clarin é um conglomerado que detém (ou detinha, não sei se isso foi mudado) o monopólio de comunicação na Argentina. Jornais, rádio, TV. Por isso não foram (ou não serão, ou não seriam, também não tenho certeza) renovadas várias das concessões.

Sandro
Sandro
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Claro, nos EUA quantas TVs existem? Na Venezuela 1/2 dúzia? e ainda tem que ser submissa ao Governo?

João
João
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

Não renovação da concessão é a mesma coisa. Você apenas tergiversa, troca palavras para dizer a mesma coisa. É como dizer: não vou lhe matar, apenas tirar o seu direito à vida.

Pedro Araújo
Pedro Araújo
Reply to  Flavio Gomes
9 anos atrás

E é por isso que toda vez que algum governo (incluso o Brasil) pensa em mexer nas concessões, a chiadeira é que “estão colocando em risco a liberdade de imprensa”. lembrem-se que o Sarney ficou 5 anos em troca de concessões distribuídas pelo ACM, e o FHC conseguiu a chance de reeleição também com distribuição de concessões pelo – se não me engano – Sergio Mota. Concessões e outros mimos, aliás. Olha a indignação seletiva aí de novo, meu povo!!!

Marcelo Dalbelles
Marcelo Dalbelles
Reply to  Gabriel Leal
9 anos atrás

Uma emissora de TV que apoiou um golpe de Estado, e que mentiu em edições de imagem, além de ter gravado horas antes do sequestro do Chávez o anúncio de que ele havia sido deposto do cargo…

Uma coisa é ter posição, outra é um veículo de comunicação faltar com a verdade, criar desinformação e apoiar uma tentativa de assassinato.

Se você vê um médico omitir socorro a um paciente aposto que você diz, esse cara não é médico, cadê o juramento e a ética na profissão.

Isso vale para imprensa e veículos de comunicação, liberdade sim, dizer o que quer baseado em mentiras e criação de fatos é outra coisa.

Roberto
Roberto
9 anos atrás

Tenho grandes restrições a Hugo Chaves, mas é inegável que para o povo da Venezuela ele foi muito mais que um presidente. Seu exemplo de patriotismo e amor ao seu povo foi inquestionável. Pode-se até questionar seus métodos, mas não podemos deixar de reconhecer os avanços que ele juntamente com seu grupo proporcionou a Venezuela.
É verdade que seu viés estatizante prejudicou demais a economia Venezuelana, mas como FG abordou em seu texto, a elite venezuelana era muito pior e concentrava toda economia venezuelana antes de Chaves.
Talvez, se Chaves estivesse vivo e continuasse seu governo, poderíamos vivenciar as formações das sociedades de capital misto.
Morreu o comandante. Um comandante que ganhou todas eleições no VOTO.
Algo raríssimo na história.
Apesar de todos os esforços para derrotá-lo, ele venceu.
Infelizmente, para o povo venezuelano ou 60% dele, atualmente, Chaves não venceu a última batalha.
O martírio que ele impôs a si mesmo é algo impossível de se imaginar.
Quem é oncologista sabe e imagina a dor que esse senhor vinha sentido.
O Câncer que provavelmente deve ter se espalhado por todo abdômen.
Colostomias, uterotomias, gastrotomias, a pélvis toda metastática, insuficiência respiratória? que nada…
Deve ter sido uma linfangite carcinomatosa…
Com o corpo todo metastático, ele ainda sorria.
Morreu da pior forma. Disse não a morfina, queria lutar uma guerra perdida.
Foi um ser humano peculiar.
Ao povo da Venezuela e a família de Chaves, muita força e sigam o caminho que escolherem.

Roberto.

Zá Boaventura
Zá Boaventura
Reply to  Roberto
9 anos atrás

Sofreu tudo pelo poder e não pelo povo venezuelano. O cara não queria largar o osso…

Diego
Diego
9 anos atrás

Tomara que já não seja mais possível que “refodam” o pais, como vc disse na úlitma frase, tomara…

Fernando Kesnault
Fernando Kesnault
9 anos atrás

Vivenciamos um dos grandes lideres latinoamericanos de todos os tempos…RIP Chavez..

Fuel
Fuel
9 anos atrás

Acho engraçado quando chamam o chaves de populista. Parece que e um pecado melhorar a vida dos mais pobres. Ainda acho que seu governo poderia se menos personalista e ele poderia ter pensado em um sucessor, evitando essa ultima reeleição; principalmente para evitar a sensação de vácuo que o povo venezuelano deve estar sentindo. Mas as pessoas parecem ignorar que ele foi reeleito por meio de sufrágio popular, devidamente monitorado por diversos organismos internacionais. Por fim, como e bom ler alguém que se recusa a repetir o discurso fácil, sem nenhuma reflexão.

Fred
Fred
9 anos atrás

” Hugo Chávez foi um libertador.” Libertador que censura, que barra, que limita, que controla? Será? Para constar, todas essas ações valem para qualquer Kassab, Maluf, Serra, Aécio, Cabral, Lula ou Paes.

“É um dos heróis desta América Latina”. Herói? Vilão. Vilão que lutou contra vilões, perdeu, venceu. Vilões, de todos os lados, vilões. Lutar, perder, vencer… essa fétida humanidade é bélica, é da guerra e pela guerra por essência, podre essência.

“Tentaram tirá-lo do poder à força”, assim como ele antes tentou o mesmo e, de forma honrosa, é preciso admitir, aceitou a derrota. Derrota, vitória, olha aí o conflito de novo, esta aí desde sempre em nós, aqui e acolá. Harmonia é o caralho.

“O povo venezuelano o conduziu de volta a Miraflores”… o povo? O povo é muita coisa. É um ente absoluto ou, pelo menos, uma maioria gigantesca, um mundaréu de gente. Pelo menos 80%, determino. Ou seja, o povo é exagero.

“O comandante morre cedo, mas deixa uma herança política eterna, que se espalhou por sua querida América do Sul. “[o] Brasil (…) segue[m] os passos do bolivariano no sentido de defender sua autonomia e de se preocupar com os pobres, gerações de pobres estupradas por uma minoria abjeta que sempre deteve, e na maioria dos casos ainda detém, o poder econômico e político no continente. Amar os pobres é algo que não entra na cabeça de uma parcela da sociedade.”

Puta que pariu, Flávio. O Brasil? Esse aqui? Defender sua autonomia? Preocupar-se com os pobres? Amar os pobres? Não vou nem contra-argumentar.

“Sua morte será comemorada em Miami, nas redações da “Veja” e dos jornalões e em alguns outros círculos desprezíveis formados por gente desprezível.”

A imprensa, essa imprensa, é torpe e podre. Veja bem (Veja? Bem?), a imprensa desta época, isto é, mesmo que numa carta capital qualquer, não vale bulhufas. Mas… e a imprensa da Venezuela, as vejas de lá, a boa e a má, se é que existiu ou existirá a boa, que teve e terá sua liberdade de ação castrada ao longo do governo chavista. E aí?

“As ruas da Venezuela, porém, vão mostrar quem foi Chávez e o que ele representou. E, aí, aqueles que festejam sua morte e se preparam para tomar o país de volta perceberão que já não é mais possível.”

Populistas, ditadores, facínoras, uns piores, uns piores ainda… quantos desses já não fizeram com que as ruas de suas Venezuelas (ou Uganda, ou Costa do Marfim, ou o todo poderoso EUA) vissem uma regurgitação febril das tolas massas alimentadas por pão e circo. Ou petróleo. Ou lirismo.

Gira mondo, gira.

Lucas S.A.
Lucas S.A.
Reply to  Fred
9 anos atrás

Velho, lindo comentário. Excelente visão, aplicabilíssima desse lado da fronteira. Mas na casa dos outros, é opinião de gringo.

MM
MM
Reply to  Lucas S.A.
9 anos atrás

Opinião de gringo, que seja… Mas “quem” ou “de onde vem” o argumento, tem menos importancia pra discussão do que “o que” contem. Bom argumento, sim.

Fred
Fred
Reply to  MM
9 anos atrás

Perfeito, MM.

Lucas S.A.
Lucas S.A.
Reply to  MM
9 anos atrás

Foi mal, mas pros locais, não é assim nem nunca vai ser. Cada povo decide seu caminho como achar conveniente, e quem vem de fora é incapaz de entender as nuances de cada localidade.

Acarloz
Acarloz
Reply to  Fred
9 anos atrás

Parabéns pela lucidez.

Claudio Stork
Claudio Stork
9 anos atrás

Verdade, mandou para Miame uma elite odiosa e ensinou os podres da Venezuela a ter dignidade, reconhecer e exigir o que e seu direito.

Mas desperdicou as riquesas do Petroleo, nao criou um crescimento sustentavel para seu povo no futuro e deixa o pais em frangalhos, economicamente de joelhos e socialmente um dos paises mais violentos da America Latina .

E verdade que governou com com a constituicao, constituicao que ele fez!

Mas nao e por isto que lhe escrevo. Sao so o meu modo de ver as coisas! Certamente manipulado pela grande imprensa.

Lhe escrevo para dizer que gosto de seus textos, da forma clara e acida como coloca suas ideias, as quais nem sempre concordo, mas que respeito principalmente pela coragem com que escreve.

Meus sentimentos ao povo da Venezula que perdeu hoje seu grande lider, ….e os EUA que perdeu um grande amigo (bom lembrar que nao e bom ser manipulado por nenhum dos lados)

Beto Carpini
Beto Carpini
9 anos atrás

Não se deve comemorar a morte de ninguém, seja quem for. Outro ponto que levanto, como ficará o “apoio” ao Pastor Maldonado? O sucessor de Hugo Chaves vai continuar a apoiar? Ou se abrirá uma vaga na Willians?

Sandro
Sandro
Reply to  Beto Carpini
9 anos atrás

Também tem isso, se fosse no Brasil o apóio do Governo a um Piloto ia ser bombástico como já foi anteriormente. Na Venezuela ninguém pode falar nada porque seria banido do País ou fechariam jornais e TVs. O Flavio poderia dizer que o valor desse patrocínio poderia ser utilizado pra construir hospitais, casas populares, etc… ou pra não contratarem um artista para inauguração de alguma coisa.

Paulo Pinto
Paulo Pinto
Reply to  Beto Carpini
9 anos atrás

Bruno Senna já deve estar de olho…