TRETA WING

SÃO PAULO (mas…) – Treta no mundo do motor. A Panoz, que assumiu a vida do DeltaWing quando a Nissan pulou fora, está processando a… Nissan. Porque a fábrica japonesa lançou o ZEOD RC (Zero Emission On Demand Racing Car) para correr em Le Mans no ano que vem, no programa da Garagem 56 — o box reservado a protótipos malucos que não se encaixam no regulamento do WEC. E segundo a turma do DeltaWing, trata-se de uma cópia do carro que amamos.

A notícia foi enviada pelo Ricardo Divila, com quem devo tomar um chopinho esta semana, porque ninguém é de ferro.

De fato, é cara de um, focinho do outro. Sem entrar nas minúcias da disputa, que inclui possível aquisição indevida de projetos, desenhos e o escambau deltoide, o fato é que o conceito do carro, a partir do momento em que foi para a pista, deixa ser propriedade de alguém. Lamento. As pessoas copiam, se inspiram, adotam, sei lá. Há, claro, direitos intelectuais sobre um monte de coisa. Mas sobre um… formato? Carro é carro. Daquilo que dá certo, os outros vão atrás. Ou alguém acredita que todas as fábricas do mundo têm de pagar royalties para quem criou o primeiro carro com quatro portas, ou com duas, ou com farol redondo?

O DeltaWing lançou uma possibilidade de tendência para competições: carro em formato de delta, com pneus estreitos na frente. A Nissan estava envolvida no projeto. Fez parte dele.

Acho que estão exagerando, aí. A não ser, claro, se for provado que alguém roubou algum desenho, ou um pen-drive com valores, medidas etc. Acho, mesmo, que o fato de a Nissan apostar num clone é uma baita homenagem ao nosso Deltinha.

zeod

Comentários

  • Quem quebrou a patente dos carros nos EUA foi Henry Ford. Antes para fabricar um carro você tinha que ter aprovação e pagar para uma associação dessas americanas. A disputa foi para suprema corte e Ford que na época era uma pequena fábrca ainda, ganhou.

    É uma coisa semelhante ao que ocorre entre a Apple e a Samsung, e o motivo para se comprar milhares de patentes, que na maior parte dos casos é rascunho de ideia, e ganha quem tiver mais dinheiro para pagar advogados.

  • Formato de carro (linhas externas), desde que inovador (diferente do que já existe), é protegido, sim … no Brasil, a proteção tem o nome de Registro de Desenho Industrial … que protege, exatamente, as linhas externas do produto, quer seja ele “conceitual” ou não … vc pode reparar que as empresas, com o passar dos anos, sempre alteram o formato de seus produtos … e, muitas vezes, um concorrente lança um produto semelhante, já que a proteção do formato expirou (Desenho Industrial tem prazo de validade) … mais uma coisa … o Desenho Industrial, por proteger apenas formato externo, é extremamente “frágil”, pois, se vc mudar “algumas” linhas, já deixa de violar o direito de terceiro … por fim, o formato externo protegido, não precisa ter nenhuma inovação tecnológica ou aprimoramento técnico que melhore o produto (senão, seria outra proteção), pois o que se protege no desenho industrial, é a simples forma externa … Vc se lembra da garrafa da cachaça Velho Barreiro ??? Antigamente, a Velho Barreiro tinha uma propaganda que dizia: “Até a garrafa é coisa fina”, porque o formato da garrafa era protegido … quando o registro de desenho industrial expirou, a Velho Barreiro parou de fazer tal propaganda, pois não tinha mais exclusividade sobre aquele formato específico … agora, no caso do DeltaWing, fica difícil opinar, pois não conhecemos os detalhes “sórdidos” do caso … e deve “mais coisa debaixo deste angu” …

  • Sou muito cético, normalmente. Isso me parece aquele caso típico em que lançaram um protótipo, identificaram diversos erros de projeto e, antes de lançar a segunda versão, melhorada, vendem o mico pro primeiro trouxa que aparece.

  • A história é um pouco diferente e mais antiga. A Panoz era sócia na criação do DeltaWing. Tudo foi bem até o cidadão que criou o desenho se empirulitar para trabalhar na Nissan. Como o Panoz era sócio, ficou com os direitos de imagem.

    O processo se dá por isso, basicamente. O Panoz, como ele mesmo diz, não é milionário e arriscou muito ao investir no projeto – que foi criado para e rejeitado pela indy. Ele processa a Nissan com base nos direitos que ainda detém sobre o DW.

    Paguem o homem, japonesada.