EU FUI | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

quarta-feira, 16 de abril de 2014 - 19:20Brasil

EU FUI

eufui84SÃO PAULO (volta, tempo…) – Éramos mais de um milhão. Um milhão, número mágico. Chutado, provavelmente. Um milhão no Anhangabaú? Cabe? Um milhão e meio, de acordo com a Polícia Militar. Nunca compreendi direito esses cálculos. Quem conta?

Meses antes, eram 250 mil na Praça da Sé. Na TV, disseram que a multidão comemorava o aniversário da cidade. Ora, ora, ora…

16 de abril, 1984. Eu morava na Vila Clementino, numa rua de nome esquisito, Loefgren. Estava na faculdade e estudava à noite. Naquela segunda-feira, porém, não haveria aula nenhuma. Saí de casa antes do almoço. Preguei um button branco na camiseta, vesti meus jeans mais surrados, um tênis velho e coloquei numa bolsa de couro cru, decorada com canetinha em verde e amarelo, meu RG e algum dinheiro. A bolsa ficou murcha e meio ridícula, então acrescentei alguma coisa para fazer volume. Uma barra de chocolate, um lenço de pano, e ela continuou murcha e ridícula. Subi a pé até a Domingos, peguei o metrô na Santa Cruz e, emocionado porque muita gente no trem estava indo para o mesmo lugar, rumei para o centro.

Dali a nove dias seria votada a emenda Dante de Oliveira, que pedia a volta das eleições diretas para presidente depois de 20 anos de ditadura. Era uma das últimas chances de pressionar o Congresso e de gritar aos milicos que a gente não queria mais aquilo.

Foi minha primeira manifestação, e fui sozinho.

Ao desembarcar na estação da Sé, segui a multidão e tive pela primeira vez a sensação de que vivia num país de verdade e que pertencia a uma nação. Havia um clima de festa e não me lembro de ter notado a presença ostensiva da polícia. Estávamos todos lá querendo a mesma coisa. Viva o povo brasileiro.

Caminhei até o Vale e fiquei perambulando meio sem direção, porque não conseguia me aproximar do Viaduto do Chá — de onde Osmar Santos comandaria, ao lado de políticos, artistas e jogadores de futebol o maior dos comícios. Ali na frente era coisa para profissional, sindicatos, partidos, militantes, operários, estudantes, todos já acostumados com a mecânica desse tipo de coisa. Eu era apenas um moleque magrinho de 19 anos, que estudava numa faculdade particular de classe média e cuja vida política se resumia à venda de sanduíches num evento no MIS para arrecadar fundos para as Diretas, alguns dias antes. Não vendi nenhum, não foi ninguém no evento e não sei direito como aqueles fundos seriam entregues para as Diretas. Comi alguns dos sanduíches que deveria vender, dei prejuízo às Diretas e isso foi tudo.

Acabei ficando bem longe, na altura do Buraco do Adhemar, quase debaixo do Viaduto Santa Ifigênia, sem enxergar direito, mas escutando tudo e sentindo aquele país todo pulsando à minha volta. Foi também a primeira vez que compreendi que alguém oferecia alguma esperança àquela gente toda, a nós: Lula. Quando sua voz rouca invadiu o Vale, depois de alguns discursos inflamados de um monte de gente, o povo entrou em êxtase. O mesmo êxtase que vi 18 anos depois, na avenida Paulista, quando o operário virou presidente.

As Diretas não passaram, como se sabe. Mas olho para essa foto e me vejo nesse milhão. Olho para trás, e tenho saudades de um tempo em que tínhamos algo para lutar. Olho para esse milhão de pessoas e vejo que conseguimos alguma coisa, afinal.

109 comentários

  1. JP disse:

    Pena que toda essa festa parece que não serviu pra nada. Entra ano e sai ano e só notícia de corrupção, passada de mão, negociatas, propinas….Independente de ideologia e partido. Sempre a mesma novela.

  2. Eduardo Britto disse:

    Meu, faz 30 anos! Eu estava lá. Fui com minha ex. Sai da praça da Sé numa caminhada coletiva majestosa até o Anhangabau. Lá, em meio à massa colorida, cumprimentei o Aluísio Mercadante, meu professor de Economia Política na PUC. Ambos de bata, barbudos e com a bolsa de couro a tiracolo, naqueles tempos “sonháticos” do PT. Isso começou a degringolar com a morte do Celso Daniel, também meu professor, meu preferido em sete anos de PUC. Olha, eu colocaria a mão no fogo pela idoneidade dele… Mas passaram fogo nele antes…

  3. Jairo Fernando disse:

    A elite jamais aceitou, jamais aceitará, que Lula sem diploma tenha feito muito mais pelo país que o diplomado FHC.

    Muitos anos depois vim a saber que os militares demoraram quase 5 anos para informar a população brasileira que havia uma epidemia de meningite no Brasil, que se alastrou a partir de São Paulo, em 1971. Em 1973, com 12 anos, eu tive meningite, mas fui tratado de difteria. A demora no atendimento corretor deixou sequelas e eu saí do hospital surdo.

    A luta daqueles anos, as passeatas, são fatos que devem ser sempre enaltecidos.

  4. gilberto prescendo disse:

    Grande Lula , grande presidente.

  5. genaro crescendo disse:

    grandes e bons tempos que protestos tinham objetivo e não essa babaquice dos coxinha de hoje em dia.
    E hoje, em vez de gente do porte de Lula, Brizola, Sócrates, temos BOlsonaro e turma..

  6. Seinfeld disse:

    Diretas Já. As multidões nas ruas pedindo eleições diretas.

    E quando foram votar,VOTARAM NO COLLOR E NO LULA.

    Infelizmente esqueceram também de pedir para o voto nas eleições não ser OBRIGATÓRIO, e que políticos corruptos fossem presos ou CASSADOS seus mandatos. “Ficha Limpa”.

    Como disse o Pelé: “Brasileiro não sabe votar”. Criticaram o cara. Como é costume. O tempo mostrou.

    Resultado: o povo brasileiro 20 anos cagando nas urnas, votando eternamente no “menos pior”, no “mais simpático”, no “famoso”, no “artista”, no “doutor”, no “defensor do trabalhador”.

    Maluf, Genoino, Lula, Dilma, FHC, Collor, Alckmin, Covas, Quercia, Brizola, Sarney, ACM, Marta Suplicy, Eduardo Suplicy, Luiza Erundina, Celso Pitta, Fernando Haddad…e a lista é interminável em todos as cidades, estados, deputados, vereadores, prefeitos, governadores, senadores. Fizeram/fazem “carreira”, mandatos seguidos, até morrer graças ao VOTO das urnas.

    Sem contar os “artistas” Tiririca, Agnaldo Timóteo, etc, etc.

    Democracia é também o direito de não votar e não ter de justificar sua ausência, seu descontentamento ao deixar de comparecer á urna em eleições com candidatos que não merecem confiança.

    A “democracia brasileira” é uma piada de mau gosto. Bem meia boca.

    O povo brasileiro foi/é mais manipulado e enganado na “democracia” do que na ditadura.

    Se é pra ter democracia, que seja uma que preste. Não isso que temos hoje.

    Nada a comemorar, da minha parte.

    • Seinfeld disse:

      Corrigindo: 30 anos, não 20.

    • Minoru disse:

      Caro Seinfeld, a sua postura é típica do acomodado, que em vez de tentear melhorar apenas se queixa e olha para o umbigo achando que virá um “Salvador da Pátria” para fazer tudo aquilo que seria sua obrigação, como escolher um LEGISLADOR que se preocupe com os seus eleitores.

      Sabia que nos Estados Unidos os eleitores cobram os seus senadores, deputados e vereadores?

      E você se lembra em quem votou para estes cargos?

      Eu me lembro sim e de tempos em tempos acompanho o que fazem mas e você, pode dizer o mesmo?

      Claro que não, você e a esmagadora parte da população acha que é só votar e ir para a praia aproveitar o resto do dia que está bom demais e se esquece que o voto não é uma autorização em branco e exigir daquele que te representa faz parte do processo democrático.

      Na próxima vez que estiver a frente de uma urna eletrônica, dê mais importância a estes votos do que para Presidente, Governador e Prefeito, pois estes apenas EXECUTAM aquilo que foi LEGISLADO pelos representantes do povo.

      Se as Leis estão ruins, é porque foram mal feitas por algum/alguns legisladores; se o Juiz solta alguém é porque há ou falta uma lei que o impeça, naquelas circunstâncias, de fazê-lo.

      Se o povo vota em Bolsonaros ou Romários ou em Tiriricas, escolha alguém que escolha como meta a melhoria da educação do país ainda que título acadêmico nunca foi parâmetro de um bom legislador, vide que dos dois exemplos que citei, Tiririca é o deputado mais assíduo e Romário tem apoiado projetos para o aumento da pesquisa científica e do ensino universitário.

      Ah, ia me esquecendo, se omitir ou anular o voto apenas faz que você endosse a decisão dos outros, então fique quieto e não reclame porque você não fez nada!

      “A democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos em tempos”.
      - Democracy is the worst form of government except from all those other forms that have been tried from time to time

      Winston Churchill

    • Minoru disse:

      E em tempo… quanto a Luiza Erundina, ela como prefeita de S.Paulo, saneou as contas da cidade e foi a que mais investiu em educação básica a ponto de que as famílias começarem a tirar os seus filhos das escolas estaduais para coloca-los em escolas municipais mas isso ninguém lembra porque investir em educação leva uns 30 anos de governos sérios e para aqueles que ainda estão “no cabresto”, o importante mesmo é o túnel inaugurado pelo seu infeliz sucessor sob o Rio Pinheiros que custou mais por metro que o do Canal da Mancha e que acarretou o aumento das enchentes na região do Caxingui e Zona Norte, já que a boca do túnel está em local que era comum inundar em dia de chuva e para se evitar isso, fecha-se o Rio Pinheiros, ficando toda a água no Tietê.

  7. Fernando disse:

    Se alguém dissesse para Lula naquele momento que ele faria laços políticos com Maluf, Família Sarney, Jader Barbalho, Renan Calheiros, Fernando Collor… entre inúmeras outras figuras, ninguém acreditaria….

    • Minoru disse:

      Fernando,

      Em um país onde senadores, deputados e vereadores são basicamente da mesma panela – PMDB, Centrão ou outro nome que o valha – não há a menor possibilidade de se governar um país, seja o presidente sendo do PSOL ao DEM – sem esses senhores fazendo parte do governo.

      Isso mudará apenas quando o povo entender que o voto destes cargos é MUITO MAIS IMPORTANTE do que aos de presidente, governadores e prefeitos.

      • Fernando disse:

        Minoru,

        concordo plenamente com sua opinião!
        O problema é que o Sr Lula sempre criticou esse tipo de coligação quando a oposição e qualquer outro partido fez; disse que era diferente porque não faria e fez igualzinho….

  8. carlos lima disse:

    Um momento histórico lembrado com verve, acuidade. Texto excelente. Bravo!

  9. Ulisses disse:

    Também fui Flávio, orgulho total!
    Anos antes, já tinha levado uma “borrachada” da PM, de raspão nas costas, que quase pôs fim a minha militância tamanha dor. Como não sou cagão, fui em frente, com mais cuidado.
    Minha preocupação é:
    – O que estamos fazendo com a nossa democracia, conquistada com tanto sacrifício, torturas, desaparecimentos e até mortes, outorgando tanto poder à políticos e instituições que não merecem nem um pouco a confiança por nós depositada.
    Acredito que temos uma luta ainda maior pela frente, menos violenta, mas muito mais árdua, envolve astúcia, inteligência emocional, união, coisa que infelizmente não temos por enquanto, e sou bastante pessimista quanto a isso.
    Torço sempre para que eu esteja errado.
    Mas, estamos a caminho, o ano passado foi bastante promissor!
    Temos que continuar “indo”! (aliás, precisamos!)

  10. Speed Racer da Mooca disse:

    Saindo, ou melhor, não entrando em polêmicas políticas e viajando na nostalgia daquele momento, eu tinha 14 anos em 1984. Lembro de assistir “flashes” nos noticiários, mas o que me chamou a atenção nesse dia não foi exatamente a mobilização das personalidades envolvidas nela e sim o pequeno discurso do Sócrates, que já em clima de despedida do Corinthians, prometeu no palanque que se a emenda das diretas passasse, ele ficaria no Brasil. Me empolguei: “pô o Sócrates não irá embora, o cara da lei das diretas tem que dar um jeito lá!!!!” gritava eu pro meu pai, que italiano, era palmeirense e embora torcesse pela aprovação da emenda, queria ao mesmo tempo que Sócrates entrasse no primeiro vôo pra Nápoles. Nessa época eu morava na Travessa Urânio, ao lado do Metrô Saúde, meio distante da padaria Sagres.

  11. Marcos Alvarenga disse:

    Flavio, você acha que o Lula sabia ou não sabia do mensalão?

    Sinceramente, nunca votei no PT, mas nos dois primeiros anos do governo. Lula torci pra que desse certo, e pra que ele aproveitasse a governabilidade para fazer as reformas necessárias. Acabou fazendo apenas a da previdência. Mas depois que estourou o mensalão e ele disse não saber, pra mim acabou.

    • gilberto prescendo disse:

      mas tirar 40 milhões da miséria não é dar certo?? cara. tu é ridículo! mas é pra qualquer babaca poder dar sua opinião idiota que lutamos em 84.

      • Minoru disse:

        Marcos,

        Engraçado…

        Quando o “maravilhoso” suposto pai do Real que nem foi pai do Plano Real e nem pai do filho da repórter amante global abafada durante a presidência que ao final das contas nem com o FHC assumindo a paternidade de um filho que não era, por exame de DNA, definitivamente dele – eita história rocambolesca essa, que no final mostrou que ele com certeza colocou os chifres na mulher! – e gritam aos quatro ventos que o Real foi um sucesso, pessoas como você aplaudem.

        Mas se esquecem da moratória decretada por conta de uma crise que era coisa de criança comparada a esta de 2008, entregou um pais sem reservas cambiais e com uma desconfiança global sobre nós recorde, assim como recorde eram os juros e o dólar que bateu acima de quatro reais – valor que mesmo depois de mais de dez anos nem perto chegou – e a inflação que já começava a mostrar o seu retorno.

        Hoje eu, por exemplo, presencio a “crise das empregadas domésticas” que se tornaram cabelereiras, doceiras ou qualquer outra coisa, que sonham em serem independentes e nunca mais ter que limpar a sua latrina.

        Ví uma ascensorista comentando que estava cansada porque tinha ido à academia fazer ginástica e que no sábado iria à cabelereira fazer luzes e que , para julho, ia prestar vestibular.

        Tem uma funcionária nova que queria aproveitar uma promoção e ir para Nova York e que tinha que se atrasar um dia para tirar o visto e, feliz da vida, que era a primeira vez que ia passear de avião e para NY, ainda por cima!

        Conversei com uma amiga aposentada que abriu uma lojinha de doces e salgados em frente a um terminal de ônibus e ela sempre comenta do como o povo hoje pode e compra coisas, como salgadinhos, refrigerantes e especialmente bebidas lácteas que, em nosso tempo diríamos que eram luxos e não compraríamos.

        Eu mesmo pude comprar e quitar o meu primeiro e único imóvel durante os “anos terríveis” dos petralhas, comprei um bom carro e agora pude realizar um sonho de garoto com “o” Puma que sempre quis e olho em volta vejo pessoas se queixando mas que foram “n” viajar de avião, que trocam de carro, que compraram uma casa e que pedem pizza todos os sábados e comem em restaurantes com uma frequência muito maior do que era naqueles tempos de “ouro” do plano Real mas não admitem isso.

        Nos tempos de FHC tudo isso nem era cogitado, a empregada doméstica ia viver ad eternum na favela, a ascensorista nada ia fazer além abrir e fechar a porta do elevador e eu, com um carro velho de mais de 15 anos, rezando para que ele não quebrasse pois não teria dinheiro para pagar o conserto.

        Pare de acreditar nessa mídia, onde tudo está ruim e vai ficar pior e que enquanto o filho de um senador pego com um helicóptero com quase MEIA TONELADA de pó passa complacente por pessoas como você, se fosse o Supla com o helicóptero (que o Suplicy não tem) fosse pego com um quilo de droga não me diga que as coisas teriam sido diferentes?

        Ou quando e apenas por conta de ter sido descoberta pela Justiça de outros países aparece a roubalheira no metrô que poderia ter construído umas duas ou três linhas a mais para o povo o que acontece é nada… será que se fosse com o PT, que a 20 anos tenta colocar uma CPI na Assembléia Legislativa e por ser minoria sempre foi bloqueada, as coisas estariam assim?

        Ou ainda quando se julga e prende partidários do partido do governo de forma tão eficiente e com a permissividade da Presidenta que eu me pergunto se a Lei é realmente para todos, e que o “mensaleiro” de qualquer outro partido não deveria também ter a mesma punição?

        Mas que ainda que estes sejam crimes mais antigos ainda estão aguardando julgamento e parados na mesa de um certo presidente – juiz que é tomado como o salvador da pátria pela midia?

        Engraçado, em outros governos, de outros partidos sempre tiveram “tropas de choque”, “blindagem”, “ACM” que sempre impediam tais processos e protegiam não só os envolvidos como o governante mas nesse caso do mensalão a Lei prevaleceu como deve ser então quem é o mais honesto ou o mentiroso afinal?

        Por que os demais “Mensalões” não tem a mesma atenção e a mesma fúria raivosa que este do PT, já julgado, mesmo tenho sido mais amplo e roubado muito mais o povo?

        Ora, cidadão, pare de ler a míope Veja…

      • Fernando disse:

        Minoru,

        FHC pode não ser o pai do Real, mas esse plano que tirou o Brasil de um ciclo econômico destrutivo não foi feito pelo PT e sim pelo oposição. Lula inteligentemente manteve a linha com um integrante do PSDB na presidência do BC; fazer isso é governar com inteligência, o que Lula fez bem em inúmeros quesitos, as bolsas realmente ajudaram junto com a estabilidade econômica a reduzir as desigualdades, Mas já são 12 anos de governo e a educação e saúde estão destruídas…. não me venha com números porque há formas de forja-los…. vá aos hospitais e dependa de saúde pública, vá as escolas públicas…. estas existem apenas fisicamente porque educação não há lá!
        Minha irmã é médica e trabalha em hospital público, amigo as pessoas morrem todo dia porque não há remédios, equipamentos e se gastou bilhões em estádios. Não sou PT, PSDB, PCB, DEM…. sou a favor da democracia, dos investimentos corretos (não em estádios!!!). Não estamos em uma democracia que só se exerce com educação, que este governo parece não ter interesse em investir
        abraço

      • Ghengis Khan disse:

        O ‘pai do real’ poderia ter sido o José Sarney, pois a equipe que elaborou o plano cruzado é a mesma que elaborou o plano real.

        Já imaginou se o Sarney tivesse passado para a história como o homem que debelou a hiperinflação?

        Infelizmente ou felizmente, ainda não tinham de quem copiar o plano real, isso só veio depois, o que veio a calhar com o FHC como ministro.

        E assim o senador decadente, provável candidato a deputado federal em 1994 acabou virando presidenciável.

    • Luiz disse:

      Marcos, deixa de ser inocente. O mentirao nem sequer existiu como te vendem. Ou de outra forma, você acredita que o FHC não comprou os votos dos parlamentares para permitir sua reeleição? Ou …

      O buraco é mais embaixo Marcos. É uma guerra pelo poder entre a velha politica e o novo. Capital x social, e vale tudo.

  12. Filipe disse:

    O Flávio tocou num ponto que poucos entendem, principalmente hoje. Os discursos do Lula. Em 84 eu não tinha idade para estar lá. Mas em 89, apesar de novo, estava lá. E em 94. E em 98. E em 2002. E os discursos do Lula, principalmente em 89, eram transcendentes. Aquela algazarra toda, e quando ele começava todo mundo calava. Para além dos erros de português, para além do som chiado que saía das caixas de som, todo mundo sentia. Sentia um cara tão indignado quanto nós, mas que acreditava mas que nós todos. E a gente acreditava que ele acreditava. Era uma comunhão. E em muitos sentidos ainda é. Abraços,

  13. Dado Andrade disse:

    A conta eh fácil. São 3,5 pessoas por metro quadrado. Basta calcular a área do local,mesmo que por estimativa e pronto. Abs
    DadoAndrade

  14. Claudio Antonio Silva disse:

    Na época eu tinha 17 anos , foi uma época muito boa , por que se tinha uma impressão que tudo ia mudar para melhor.As pessoas se mobilizando para isso .
    Depois ,a emenda não passou , veio a eleição indireta de Tancredo Neves ,a sua doença e Sarney assumindo o poder .
    Com isso aquela temporada de esperança foi minguando até desaparecer por completo, mas foi muito bom viver este momento da historia.

  15. fabio disse:

    Belo texto.

    Momento de suma importância para nós, povo brasileiro.

    Tão importante que citar apenas 1 sujeito como grande responsável beira a babaquice.

    Qual a relevância de lula naquela altura!?

    Por que trazer isso a tona agora!?

    vamos valorizar todo o contexto porra. Chega de endeusamentos lulisticos, política é uma merda e ponto final.

    Mas sério, parabéns pelo blog.

    • Flavio Gomes disse:

      Não me enche o saco, rapaz. Eu escrevo o que quiser, interpreto a história como quiser, relato o que vivo como quiser. Que coisa…

      • fabio disse:

        Você está certo.

        Escreve o que quiser e interpreta como quiser.

        Não estou enchendo o saco.

        Só discordo de babação de ovo desses caras.

        Afinal de contas, porque até hoje essas bandeiras – pró sei lá o que são levantadas!? (os caras não dão a mínima para o que é esquerda ou direita, além do mais andam de helicóptero, bebem whisky e traçam modelos as nossas custas).

        é só minha opinião, não sou chato, nem quero polemizar, ponto.

        que coisa…

      • Flavio Gomes disse:

        Discorde. Mas vá chamar de babaca seus amigos, não eu.

      • fabio disse:

        Como assim Flavio!?

        Não te chamei de babaca.

        Enfim,
        fui.

      • gilberto prescendo disse:

        Fabio, cara tu é muito chato e deve achar que o presidente que mais tirou gente da miséria na história mundial e melhorou a vida dos pobres, dos ricos e dos médios foi um mau presidente.. é cada babaca..

      • fabio disse:

        Não coloque palavras na minha boca rapaz.

        Aprenda a ler e interpretar as coisas.

        Hoje em dia discordar ofende né!?

      • fabio disse:

        Gilberto você levanta a bandeira com tanta força…

        A politicada dá risada disso, se enriquece a custa de pessoas assim.

        Não dão a mínima para você, muito pelo contrário.

      • Minoru disse:

        Quem tem que voltar à escola é você cidadão… ao que me trata-se da correlação ação e agente, onde só um babaca (o autor) cita e diz babaquices (a ação)e é exatamente o que você escreveu em “Tão importante que citar apenas 1 sujeito como grande responsável beira a babaquice.”

        Volte a estudar, cidadão, dispa-se dessa mania de pobre perseguido e não me venha com churumelas!

      • Andre Juliano disse:

        vc esqueceu de dizer que o super-presidente, em seus anos de governo, tirou a si proprio, o filho e mais alguns parentes da miseria tb…sem falar na Rosemary Noronha…..

  16. Alexandre Reis disse:

    Não tinha idade nessa época pra estar em qualquer manifestação, mas mesmo assim sinto saudade disso ai.

    Quando tinha idade, fui pra rua ajudar a tirar o Collor e depois ver meu terceiro voto se tornar Presidente, tinha um orgulho danado de ter votado no Lula, hoje já não sei se faria.

    O mundo ta realmente ficando chato ou sera que sou eu que estou ficando chato.

    Belo texto Flavio, parabéns.

    • genaro crescendo disse:

      não faria?? não gostou de Lula ter feito um governo que tirou 40 milhões da miséria e empurrou outros 40 pra classe média?? sem precisar prejudicar os mais ricos?? que por sinal melhoraram pra caralho também!! faz assim: vota no Aécio ou outro, assim vamos voltar aos “bons” tempos que avião era só pra ricaço, e brasileiros morriam de fome. ninguém tinha emprego, et.. mas ao menos os nossos governantes eram da elite!!

  17. José Renato Capellini disse:

    Eu tinha 22 anos e estava no 1º ano de Ciências Socais na PUC-Campinas.
    Bons tempos aqueles, em que nós lutávamos por 1 ideal. Hoje os movimentos
    deixam muito a desejar, pois não há 1 pensamento coletivo de luta e sim pensamento
    individual de luta. Na minha visão, hoje em dia os movimentos são liderados pelos
    ” Rebeldes do Mercado “, ou seja, falam muito, lutam pouco e na hora H, fazem o
    jogo do sistema. São os rebeldes da moda. E quanto aos Blacks Bloc, são para mim
    1 bando de ” Porra Louca ” e perigosos, pois o tipo de ação, me lembram os nazistas na Alemanha na década de 1930, ou seja, promover o caos, assustando as pessoas, para desestabilizar o governo e aí todo mundo já sabe qual é o resultado.

    Abraço Flávio

    José Renato
    Campinas-SP

  18. Sergio Miami disse:

    Flavio, Loefgreen, vem de Albert Loefgren,, fenomenal botanico e geologo sueco que se erradicou no Brasil a partir de 1874. Naquela epoco nao havia biologos, botanicos ou geologos. Os profissionais eram formados em ciencias naturais e muitas escolas ainda leval esse nome ainda que tenham cursos em separado. Coincidencia ou nao o DNPM de Sao Paulo eh nessa rua tambem (Departamento Nacional da Producao Mineral). Estava na manifestacao tambem.. da Se e do Anhamgabau… lembro da vaia no Brizola que queria promover a passeata da Candelaria e so falava nisso.. idiota do Brazola….Um abraco

  19. Claudio disse:

    Ainda bem que naquela época não existiam os Black Blocs, para quebrarem tudo no final…

  20. fernando duarte amaral disse:

    Ola Flavio,
    lendo seu texto vejo que a vontade de todos, naquela epoca, era algo sensacional mas….o poder corrompe..basta ver que os politicos de hoje, que la estavam, tem seus nomes hoje envolvidos em escandalos e maracutaias mal explicadas, independente de partido…uma pena, tinhamos tudo para melhorar ainda mais nosso pais..
    Vai Lusa !!!
    abracos

  21. Marcio Rezende disse:

    Eu estava com 17 anos, estudando em Curitiba, vindo do interior, ainda encantado com a cidade e respirando os ares da minha liberdade – morando fora de casa – fazendo algumas besteiras mas aprendendo muito. Participei do movimento em Curitiba, meio perdido, eram muitas informações novas, mas foram meses que mudaram a minha vida, meu jeito de ser. Haviam motivos e motivação. Havia respeito pelo pais. Havia indignação e sentimento .Não houve confusão. Queríamos mudança e liberdade. Ninguém pensava em tirar proveito próprio. Todos estavam na busca de um bem comum: democracia.Maravilhoso ano de 1984.

  22. charles disse:

    Se houvesse um atirador de elite no alto de um prédio, a história teria sido diferente.

  23. Mathias Aguiar disse:

    É se não fosse esse espaço ocupado pela ditadura, desde 66 até um pouco o término do governo Sarney, seríamos um país de primeiro mundo e não falo por mera suposição não. A ditadura afogou muita coisa, éramos muito melhores em todos os sentidos antes dela e saímos acabados quando ela terminou.

  24. Sergio disse:

    Confesso que os discursos do Lula também me hipnotizavam. O cara engana bem ! Felizmente alguns crescem e conseguem ver a verdadeira índole por trás do mito (e olha que não precisa forçar muita a vista pra enxergar). Para os que ainda não caíram na real, só lamento…

  25. disse:

    Momentos históricos, perpetuando uma democracia. E 30 anos depois, filhos e netos de quem viveu este momento, pensam e agem assim: http://www.youtube.com/watch?v=uFUTA2cwQhE
    se achando os bacanas.

  26. Renato B . Santiago disse:

    Mais um belo texto! Pena que no fim tenha declarado seu amor ao oportunista Lula, que conseguiu tudo que conseguiu fazendo o que sabe fazer melhor: Falar o que os outros querem ouvir!

  27. Marcos Micheletti disse:

    Também fui, Flavio! Estava no 3º colegial. Também fui sozinho e encontrei (por acaso) alguns amigos da escola na Sé. Havia uma greve geral marcada para alguns dias depois e, da Sé até o Anhangabaú, cantávamos: “Greve geral, derruba o general!!!”. Delícia cantar isso, passando na cara dos policiais pelas ruas do centro. Lembro bem dos políticos no palanque (Lula, Brizola, Rogê Ferreira, etc), do Osmar e do Sócrates, claro, meu ídolo. Eu vestia uma camiseta amarela, a cor das “Diretas Já”. E, como o Sócrates, havia pintado minhas tornozeleiras de amarelo (eu treinava na sua Portuguesa de Desportos, com o Hermínio de técnico).Tenho as tornozeleiras amarelas até hoje. Conto tudo isso para o meu filho, com um orgulho danado! Sim, conseguimos alguma coisa!

  28. Paulo disse:

    Um milhão de pessoas e ninguém quebrou nada, não pôs fogo em carro, em banca de jornal. Se as atuais manifestações fossem assim e tivessem um objetivo definido acho que a população apoiaria.

  29. Luis felipe disse:

    Que Dez…Parabens ,agora como pode nao ter passado a Emenda…

  30. Leandro Santos disse:

    Gomes, tu que viveste os acontecimentos, sabes me explicar os motivos das vaias ao Brizola no comício do Anhangabaú?
    Por qual motivo a galera não gostava daquele que, do primeiro ao último dia do regime militar combateu a Ditadura, inclusive organizando a resistência armada?
    Gracias.

  31. Silvana Castro disse:

    Eu também estava lá!!!! Lembro do meu botton que era um pouco mais fashion que o seu de fundo vermelho escrito “Diretas Já” com purpurina prateada!!! Estava no último ano da faculdade de comunicação e meu TCC foi “Humor é Um Caso Sério” sobre humor gráfico no Brasil de 64 a 84!!! Fizemos 4 peças de apresentação: um livro, uma exposição, uma mostra com slides (no tempo do slide) e um painel. Depois fomos convidados pra fazer uma exposição de verdade no SESC POMPEIA (que em 84 tinha acento hahaha). No primeiro dia da exposição recebi cravos vermelhos de um cara chamado Carlito Maia (que fundou o PT praticamente) e era gentil com todo mundo (ele sempre enviava flores nas estreias de teatro ou mostras) e ainda contei com a presença do genial Angeli e Cissa (esposa do Zelio). Tudo isso me lembrou aquela noite de 16 de abril, que talvez precisássemos melhorar atualmente por falta de ideologia e era o que a gente tinha de sobra nos anos 60/70 e 80!!!! Abx brother

  32. Luiz disse:

    FG

    impressionante o que vc presenciou naquele dia, algo que uma nacao oprimida que queria e muito mudar , mas como nao estive la só tenho que presumir que nao teve quebra-quebra, tiros perdidos, porradas , pneus queimados, etc…algo que o povo sabia como se manifestar e buscar o que tinha de direito.Era epoca de ditadura ? sim era tirando este lado, havia se respeito pelo mestre ( professores), aos que nos protegiam( os policiais ) e aqueles que nos salvavam ( medicos e bombeiros) , sem contar o respeito que existia quando se cantava o Hino nacional e a bandeira sendo hasteada, jamais poderiamos mastigar chiclete u fazer gracinhas nestes momentos, sem contar que podiamos sair de casa e com certesa de que iriamos voltar são e salvo…são outros tempos…que saudades!

  33. R/T disse:

    mais outro belo texto, FG
    confesso que me emocionei, a gente prcisa de mais Jornalistas iguais a você, pra tornar a midia e esta Nação melhor, mais idealista, solidária e sonhadora, porque os jornalistas da “grande” midia só tem incitado ódio e semeado discórdia, tornando a racista, mesquinha e dividida

    abraço

  34. Pedro Araújo disse:

    Gomes, um off topic pra quem é torcedor da Portuguesa:

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/20-anos-sem-o-genio-de-dener-da-portuguesa/

    Voltando ao assunto principal: muito bom o texto. Agora se prepara aí pros comentários dos reacionários, a velha turba ignara.

  35. Tiago disse:

    Bom, eu só contei 322.438 pessoas nessa foto

  36. Celio Ferreira disse:

    Com 32 anos na época , vivi integralmente a ditadura , e foi dose aguentar, esse dia
    marcou a politica deste país, que lamentávemente apesar de livres para votar,estamos
    presos aos corrupitos e olha que em todos os partidos, e federal ,estadual e municipal.

  37. RENE FERNANDES disse:

    Nessa época, no Rio, eu tinha esperança, orgulho e vontade de transformar o País em um lugar bom e próspero. Hoje em dia tenho vergonha, nojo e raiva em ver o puteiro que isto ficou.

  38. Sanzio disse:

    Eu sinto falta do tempo que pessoas protestavam por ideais nobres, não por babaquices como nos dias de hoje.
    Já por ter de protestar pelo fim da ditadura, não tenho saudades nenhuma.

    • genaro crescendo disse:

      verdade sanzio. hoje os mauricinhos tiram os protestos para festinha. pra poder fumar uns na rua e dar beijinhos nas gatinhas. fundamento dos protestos?? não precisa. a Globo manda e os babaquinhas vão correndo pra rua prejudicar o Brasil e desgastar o governo que pela 1ª vez em 500 anos governa pro povo , acabou o desemprego e tirou milhoes da miseria.

  39. Emenelsen Marucci disse:

    Um pouco mais velho que FG, em 79 saia pelo centro de Curitiba, colando cartazes pela anistia, nos pontos de onibus, bancas, postes; em 84, já em São Paulo, fui também aos comicios pelas Diretas. Estava lá perto da escadaria quando o Osmar Santos trouxe o Dr Sócrates prá frente do palanque para jurar que, em caso da aprovação da Dante de Oliveira ele não sairia do Brasil!!!!!
    Uma multidão, se manifestando por uma causa, talvez pela maior delas, a redemocratização do Brasil!!!!
    Hoje a rapaziada vai a reboque de uma grande imprensa engajada (a Folha agora anuncia um “protestômetro” pra mobilizar a galera…), esta mesmo (a televisiva) que foi encurralada na praça da Sé quando noticiou o comicio das Diretas como parte das comemorações do aniversário da cidade….Queria enganar a quem? bem, naquela época, a nós que amávamos os Beatles e os Rolling Stones – e a revolução, ela nunca enganou, e não engana.

    • genaro crescendo disse:

      mas infelizmente emenelsen a Globo e seus parceiros de mídia enganam quase toda a classe média imbecil que acha pouco um governo acabar com o desemprego e miseria. daí a globo manda a meninada abastada pra rua e eles vão como boi

  40. Luiz disse:

    Eu tinha 16 anos, morava no interior e estudava em uma escola técnica. Não fui, mas estivemos representados por este milhão que foi. Doutor Socrates era meu idolo neste momento, pra mim naquela época tão importante quanto o Lula. Tenho a felicidade hoje de dizer que pude ver o Lula chegar onde chegou, e mais, se sair muitissimo bem como presidente e lider de uma mudança verdadeira no país.

    Você sabe que vai ter muita merda nos comentarios deste post, mas em ano de eleição e de tanto jogo sujo da impressa monopolista, não posso deixar passar a oportunidade de dizer obrigado ao PT e ao Lula, e que a luta continua. Este ano estaremos aí novamente. Para os que não entendem e vão meter o pau: desliguem um pouco a TV (mudem de canal, só assistem Globo), esqueçam um pouco a Veja, Estadão e Folha, e tentem só um pouco enxergar o Brasil de verdade, das pessoas que estão melhorando de vida e levando o país junto pra frente. Lembrem-se do marasmo nos anos do FHC. Então decidam.

    Valeu Flavio, mas prepara a orelha porque vai ter que escutar muita merda.
    Luiz

    • R/T disse:

      bacana, Luiz, concordo com o que disse

    • Jão disse:

      O povo que reclama do governo atual é o mesmo que tem viajado mais de uma vez por ano a Miami para fazer compras. Imagina se o país não estivesse quebrado economicamente como eles costumam dizer após ler a ajeV.

    • Luiz Fernando Niquet Gonçalves disse:

      Isso aí, xará! Gostei de ler seu comentário para começar bem o dia! Abs!

    • Sergio Miami disse:

      Amigo, o Brasil ateh deu certo no primeiro mandato do Lula, assim como deu certo no primeiro do FHC, o segundo do Lula, doFHC e esse da Dilma foi puro lixo. Muitos dos salvadores desse palanque do vale estao atras das grades por crimes de lavagem de dinheiro e corrupcao, incluo ai os do PSDB tambem, pelo menos aueles de Minas, mas bem que podiam estar os SP ttambem.. veja o caso da Alstom. Assim como ve nao estou nem d eum lado nem do outro, sou so brasileiro que por circunstancia profissional nao vive mais no Brasil.

      • Minoru disse:

        FHC deu certo?
        Não, mon ami, você se deixou levar pela mídia que adorava e concordava com as roubalheiras desses que vilipendiaram o bem público sob a bandeira neoliberal da privatização.
        Moratória, inflação em alta, juros na estratosfera, Risco Brasil em 2400 pontos e dólar que chegou a bater acima de R$ 4,00, essa foi a herança desses patifes!

    • Marcos Becker disse:

      Também concordo. Tem muito reaça comentando aqui, será que a Veja quebrou?

    • PedroL disse:

      Rachel Sheherazade curtiu seu comentário: “…mas em ano de eleição e de tanto jogo sujo da impressa monopolista…”

    • genaro crescendo disse:

      isso aí Luiz. como podem dizer que um governo não deu certo se todas as camadas da população melhoraram de vida? acabou o desemprego, acabou com a miséria, empurrou milhões para a classe média, parou de falar amém pros EUA.
      Esses que falam mal de Lula são de dois tipos
      1) preconceituosos que “torcem’ com on fígado. não aceitam que um homem do povo governou bem melhor que os Fernandos da elite. Mesmo que sua próprias vidas tenham melhorado. eles não gostam de ter que ver um aeroporto com gente ‘diferenciada’. a maioria deles nunca tinham viajado até 2003, mas mesmo assim eles se sentem no direito de serem os únicos a poderem viajar.
      2) burros mesmo. Acreditam mais no que a Globo diz do que o que seus olhos estão vendo. Suas vidas melhoraram, a vida de todos melhorou mas eles acham que tá ruim porque a Globo disse que tá ruim.
      Ainda dá pra dizer que tem a 3ª categoria, a dos muito jovens que nem lembram o que era esse país até dez anos atrás… nossa que diferença!!!
      P.S. antes que os fascistinhas comecem a gritar violência é bom estudar que até 2002 só crescia os números da violência e depois disso, ao menos, estancou esse evolução.
      Se algum babaca ainda vier falar de inflação é bom dar uma olhada nos índices do FHC que foram muito mais altos do que os do PT.
      E se vier algum alienado falar em petrobras, vai ver quanto valia em 2002 (U$15 bilhões) e o que vale hoje (U$200 bilhões)

    • Fernando disse:

      Escutar merda, imprensa monopolista, esquecer Veja, Estadão e Folha…. bom isso tudo na sua opinião, que respeito mas discordo!

  41. Minoru disse:

    Eu também me lembro muito bem disse dia já que eu trabalhava no centro, na Rua S.Bento e tal qual você disse, com um policiamento apenas simbólico em face do povo que estava alí, eu junto a um milhão e meio de cidadãos, e mesmo sob o manto da censura a enganar os incautos, as pessoas que decidiram por sí e TOMARAM PARTIDO, gritaram pelas Diretas Já.

    Tudo isso foi em 1984 e hoje tudo está ao contrário, com os filhos dessa geração de 84 se tornando rebeldes sem causa que apenas querem mas não sabem o quê além de ter muito dinheiro e que se dizem “sem partido”, indo “manifestar” de forma “apartidária” porquê alguém falou que era legal, na Avenida Paulista, com seus pais passeando de chihuahua na coleira sob os pés do prédio da FIESP pintada eletronicamente de verde e amarelo…

    Mas mais porque temos um povo de memória curta, mal educado em todos os níveis sociais (principalmente nas classes ditas dominantes) e que por não saber votar, inventa desculpas para se isentar dessa responsabilidade porque “isso não é problema meu” e que olha apenas para o seu umbigo… talvez seja a diferença de que não ter tido naquele dia, mesmo com um milhão e meio de cidadãos de saco cheio dos milicos, sequer um bem público ou privado depredado.

    A cabeça era outra.

  42. Fabio Amparo disse:

    Flávio

    Hoje, 30 anos depois, vemos como as pessoas se manifestam e brigam pelos seus direitos.

    Manifestações fogo-de-palha 1 ano atrás, conformismo e excesso de “web-críticas” tornam as pessoas reféns do próprio comodismo. Como disse o professor Clóvis de Barros em entrevista à Band News recentemente, o brasileiro hoje em dia é Moralista, mas não é Moral.

    Tudo o que sobre em maledicência alheia, falta em personalidade e atitude.

    Que os ânimos de 1984/85 voltem logo….

    • Ricardo disse:

      Salvo engano, a passagem de ônibus, objeto do protesto, abaixou. E rápido.

      E olha que não sou exatamente oposição. Votei no Haddad, votaria hoje de novo, e fico feliz que ele esteja enfrentando o transporte individual com as suas faixas de ônibus (algumas muito loucas). Mas nessa ele perdeu para o protesto, felizmente. Não dá nem para dizer que foi ele exatamente, porque aquela massa saiu na rua depois que a polícia do PSDB desceu o cacete e prendeu gente por porte de vinagre. Mas quem ficou com a conta foi ele.

      Mas chamar o protesto de inócuo é consciência política do nível de quem lia o Estadão do Geisel recheado de receitas de bolo e poesia portuguesa. Talvez esteja assim porque a imprensa continua do mesmo nível, e só quem vai à rua sabe do que está acontecendo na rua. Ou talvez a imprensa só sirva mesmo para o conformista, desde que o mundo é mundo, e os inconformados que se mexam para saber.

      A diferença entre 1984 e 2014 é que o seu avô provavelmente fazia comentários reacionários quando via o fedelho sair para enfrentar o estado autoritário. Hoje, quem vai fazer esses comentários reacionários é seu pai. Ou seu irmão mais novo. Porque as pessoas estão ficando velhas mais cedo, mentalmente.

      Felizmente ainda tem gente saindo na rua para protestar a respeito de qualquer coisa. Até contra a Copa, que certamente vai acontecer, serve. Pouco importa impedir a Copa ou o aumento de meros vinte centavos. O que é importa é o direito de gerar o debate sobre o que está acontecendo. Isso eles estão fazendo bem, na medida do possível.

    • PedroL disse:

      Nessa mesma linha de raciocínio me pergunto: Seria uma questão de comodismo mesmo ou o povo emburreceu? As pessoas se tornaram individualistas e arrogantes, os lideres de outrora já não surgem com tanta frequência, talvez pelo medo da ridicularização devido ao momento politicamente correto que vivemos. As mídias sociais seriam ideias se soubéssemos utilizá-las, porém estas só servem para massagear o ego de pessoas frustradas e babacas que esperam tudo de graça. Esta última manifestação foi um fiasco, sem lideres, sem organização e sem um propósito, ninguém sabia exatamente o que estava fazendo lá, isso, na minha opinião, é a burrice em seu estado puro, união e sociedade são palavras em extinção.
      Eu sinto falta da cultura do passado, da educação e da atitude, me parece que os jovens eram mais inteligentes, tenho saudades de sentar com os amigos e trocar aquela ideia cabeça, com boa música, cigarro e algum álcool; na escola, quando víamos algo de errado, nos uníamos para resolver, organizávamos almoços e jantares para arrecadar fundos para ajudar alguém ou comprar alguma coisa que precisávamos, limpávamos áreas em torno do colégio, até reformas eram feitas, era tudo em prol da sociedade, da comunidade que vivíamos, pedíamos dispensa de 1 hora para sair coletar mantimentos de porta em porta para ajudar alguma instituição, era algo fenomenal que não se vê hoje em dia, as pessoas acham que compartilhando alguma coisa pelo Facebook estão salvando o planeta.

  43. Ricardo Bigliazzi disse:

    Algo para lutar??? Ainda temos… e muito… basta vermos o que estão fazendo com o Brasil.

    Imperador

  44. Danilo Mancini disse:

    A conta é feita com base em quanto uma pessoa ocupa de espaço em relação a quanto espaço está sendo ocupado.

Deixe uma resposta para genaro crescendo Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>