MENU

sábado, 11 de outubro de 2014 - 10:50Brasil

GOSTEI

SÃO PAULO (mas há dúvidas) – Não teve a devida repercussão a apresentação, nesta semana, das novas placas de carros que serão adotadas nos países do Mercosul a partir de 2016. Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela passarão a usar placas com quatro letras e três números, formato que permite 450 milhões de combinações diferentes. Serão três blocos: duas letras, três números, mais duas letras. Por exemplo: AB 123 CD.

No visual, são parecidas com as utilizadas nos países da União Europeia. Gosto. Sempre achei o preto sobre cinza das brasileiras uma burrice tremenda, combinação que não dá contraste, além de serem usadas fontes que confundem D com O, O com 0 e por aí vai. Ficam algumas perguntas, porém. As placas brasileiras perderão a marca registrada de indicar cidade e Estado do automóvel? As placas pretas serão como? E as vermelhas? As novas serão usadas nos carros novos a partir de 2016, OK. E quem quiser trocar nos seus carros usados? E o custo da brincadeira? Os sistemas informatizados de registro, controle e aplicação de multas estão preparados para a mudança?

Em todo caso, repito, são bonitas. E até que enfim o Brasil adotará padrão europeu de placas compridas, livrando-nos dessa macaquice de imitar americano, com suas plaquinhas minúsculas.

71 comentários

  1. angelo disse:

    a belgica fica na europa e ao contrario do brasil usa placa 12x 6 polegadas iguais
    as americanas

  2. angelo disse:

    as placas brasileiras nao sao do mesmo tamanho das americanas as americanas desde 1956 quando padronizaram medem 12 x 6 polegadas

    vc gosta das placas europeias porque vc gosta de carrinhos europeus

    mas estas placas europeias compridas ficam uma bosta em carros americanos

  3. Andre disse:

    PQP!!! Mais uma taxa para pagar!!!

  4. Gustavo Curty disse:

    Não forma palavras? Tá bom, até alguém pegar a placa NO 123 CU.

  5. Pedro Medeiros disse:

    Essas placas só estarão disponíveis para carros em 2018 (2016 para veículos comerciais), e a troca das placas antigas não será obrigatória.

  6. gustavo maia disse:

    A Couple’s Incredible 550,000-Mile Odyssey Through 177 Countries Over 26 Years. In a Single Car.
    http://www.thisiscolossal.com/2014/10/gunther-christine-holtorf-odyssey/

  7. Rafael Banzales disse:

    Ficaremos sem as saudosas placas pretas argentinas fazendo cagada nas estradas do sul durante o verão. Dá para ver de longe os gringos invadindo o território. Único porém que sou contra é não identificar o município e o estado de origem. Poderiam deixar isto para todas as nações. Considero as placas sul-americanas sem graça mesmo. Uma unificação seria interessante, mas acredito que não pega não. Temos outros assuntos internacionais mais importantes para revermos antes dessa baboseira.

  8. Carlos Santista disse:

    sem o nome da cidade não tem graça, o pessoal do litoral não terá como identificar os farofeiros!

    • Evandro disse:

      Temos sim é fácil se forem paulistas ou gaúchos o carro estará cheio de macho e ele fazem turismo de dentro do carro enquanto puxam a fila se forem paranaenses os carros rebaixado ou caminhonetes suja de barro no caso do plantadores de soja vulgo agroboys

  9. Rafael disse:

    Uma grande inutilidade, que só gerará mais despesas para os cidadãos (e lucros para certos beneficiados). Duvido que não seja possível interligar sistemas de modo inteligente sem padronizar placas. Na prática, não haver uma interligação efetiva mesmo com placas padronizadas. Criar despesas para todos ( lucros para alguns, repito) é fácil. Difícil é pensar numa forma de obter resultados concretos com eficiência e sem gastos desnecessários. O importante é a sociedade do espetáculo. O governo sempre ter que criar algo de “novo” para mostrar ao povo – ainda que seja uma enorme e inútil besteira.

  10. Daniel disse:

    Será que finalmente com a unificação de placas de países do Mercosul poderemos comprar carros usados de nossos países vizinhos, só alterando a placa do país, como se faz na Europa a muito anos? Adoraria poder comprar carros dos nossos hermanos Paraguaios e Bolivianos com o preço que eles pagam….

    • Ulisses disse:

      Conta outra que essa foi boa!

    • Jorge Diehl disse:

      Será que os guardas argentinos vão parar de nos perseguir e inventar multas absurdas (como ser obrigatório ter um saco para cadáver dentro de uma camionete)?

      • angelo disse:

        porque que so as montadors podem vender carros no mercosul de pais p/ pais conforme suas necessidades e nos nao podemos comprar carros usados em qualquer pais do mercosul…
        o mercosul surgiu no final da decada de 80 quando a autolatina, a gm, fiat, pegeout etc falaram para os governos do brasil e argentina que o mercado interno desses paises era tao fraco que nao valia mais a pena manter uma fabrica de carro so p / um mercadinho interno de bosta como era o brasil e a argentina da epoca . eles simplesmente transformaram os mercados consumidores do brasil e da argentina em um so e quase trinta anos depois o mercosul continua
        sendo isto apenas uma reserva de mercado para fabricantes de veiculos

  11. Rodolfo Goes disse:

    Desnecessário, só isso.

  12. F.Raeder disse:

    Como se já não bastasse o passaporte Mercosur, agora essa “placa-hermanito”…

  13. Luciano disse:

    As placas nacionais erm para serem brancas com números pretos. Não sei por que no meio do caminho apareceu o cinza. Aliás se não me enganos chegamos a ter as placas com 3 letra e 4 números em branco e preto.
    Quanto a esta nova identificação acho uma bobagem.

  14. Ricardo disse:

    Gostaria que fosse parecido com os EUA: uma vez que você compra uma placa, ela é sua pra sempre. Se trocar de carro, só tirar a placa de um e colocar no outro. Paga só uma vez.
    Mas…aqui na república da banânia….

  15. Junior Ribeiro disse:

    E as motos? Vao ter as placas aumentadas? Vão ficar ridículas se houver um aumento, as atuais já acho exageradas!

  16. RAPHAEL LIMA disse:

    Que eu saiba, aqui se fala português, logo essa vinheta tinha também que ter dublagem portuguesa, mas esperar o quê desse desgoverno que só sabe lamber o saco desses bolivarianos sujos, nem se impor como maior país da região eles fazem. mas isso não vai acontecer não FG, Aécio vai ganhar e enterrar mais esse bolivarianismo de quinta.

  17. leopoldo disse:

    Nas placas da alemanha eh possivel saber de onde eh o carro, regiao e ate cidade!

  18. Daniel Ramos De Oliveira disse:

    Gostei deste novo formato de placas, e realmente essas cores azul e branco as deixaram mais bonitas, e além disso acredito que ficará mais visível. Já em referência aos sistemas de controle e de produção destas placas, penso que até 2016 esteja 100% pronto e integrado em todos países, se fomos pensar, atualmente com os novos sistemas e formas de interação que a informática fornecer, isto não será o maior problema.
    Agora um problemão que com certeza irá gerar será o dos carros usados, pois essas placas pela a lógica serão mais caras (principalmente no brasil) e provavelmente terão que mudar junto da transferência e certamente os DETRAN de todo o país e as fabricantes de placas irão cobrar uma bom dinheiro por estas placas e taxas de mudança, acho que vai dá muita confusão.

  19. Mateus Soldati disse:

    Gostei da ideia também, pena que terei que mudar a minha ADK-0003 que gosto tanto

  20. Tulio disse:

    450 milhões de placas é um número ridiculamente pequeno.

  21. Sergio Magalhães disse:

    Não gostei e tem mais: É mais uma maneira de enfiar “guela” abaixo do povo mais uma medida que vai arrancar dinheiro de todo mundo.

    Assim como já nos fizeram colar adesivo no para-brisa, comprar kit de primeiros socorros, fazer curso de primeiros socorros que ninguém sabe nada como agir ao se deparar com um acidente grave, capacete com selo do Inmetro inspeção mecânica envolta a corrupção, e agora mais essa.

    Em todos esses casos teve gente enchendo as burras de dinheiro. Com essas placas não será diferente… é a povo que paga, né!

  22. J. disse:

    Não sei a resposta de nada. Mas para mim seria boa, a troca de placas. Tem um FDP por aí com minha placa clonada e de vez em quando recebo multa. Nem da mesma marca o carro é…

  23. Paulo Travaglini disse:

    Prá que placa em 2016??? Põe um chip e pronto.

  24. Pedro Paiva disse:

    Gostei, mas gostaria mais sem a faixa azul em cima. Na Europa o país é identificado com uma ou duas letras na esquerda. Na França, do lado direito tem o símbolo e número do departamento (estado), pode escolher quando você vai trocar de placa (troca-se de placa toda vez que a propriedade troca de departamento). Não acho que precise ser igual à européia pra ser legal, mas, no caso da placa sulamericana, penso que a bandeira já seria suficiente.

  25. Paulo Penna disse:

    Muito inteligente estas placas gigantes. Quero ver elas caberem nos carros antigos, pois a atual já não cabe.
    Não adianta nada placas enormes e visíveis se ninguém confere se os carros são roubados. Garanto que vão conferir se pagamos os milhões de impostos.

  26. Carlos P. disse:

    Pesquisei, e as dimensões serão de 40×13 para carros,
    Para as motos, espero que diminua o tamanho, pois a atual é ridícula.
    ainda falta muita informação.

  27. Alexandre Zamariolli disse:

    As novas placas para os carros manterão o formato atualmente usado no Brasil (40 x 13 cm). Resta saber como ficarão as placas das motos.

  28. Maurício disse:

    Pelo que li (sei lá onde) o formato é o mesmo do atual.

  29. Paulo César_PCB disse:

    Tudo muito bonito, mas se, dentro do Brasil detran do A não conversa com o detran B, os “sistemas” não se conversam. Imagina como será entre “Los 5 amigos “. Será fogueira das vaidades total !

    Quem só compra “usadinhos” vai pagar a conta, nos novos a “trolha” já tá no preço.

    Ninguém tem para onde correr. Mais uma conta que pagaremos certamente.

  30. André Luiz disse:

    Não gostei.

  31. ba disse:

    Eu era criança na época, mas não poderia ser nos moldes da migração da placa amarela para a placa cinza (com exceção da questão sobre o estado/município)?

  32. disse:

    Pois então, e do sistema ser online? Vai ter o Banco Mercosul para pagamento de multas? Acho balão de ensaio, pois imaginem adequar todos municípios do Mercosul, seus despachantes, departamentos de trânsito e do nada, em 2016 ser esta maravilha! Licitação para fabricação das placas vai ser de fazer inveja as do Brasil.

  33. Luke disse:

    Pelo visto a simpática e divertida identificação de estado e município da placa nacional dançou. Se confirmada, será mais uma concessão brasileira a esse tal mercado comum que é cada vez menos mercado e cada vez mais política. Uma pena.

  34. Pablo Muniz disse:

    Flavito,

    Num passado não tão remoto, substituímos as placas amarelas de duas letras pelas atuais. Meu primeiro carro, inclusive, foi adquirido com placa amarela e tive de trocar por uma então nova de três letras. Não houve nenhum trauma.
    Será tranquila a mudança. Inclusive ônibus que fazem linhas internacionais já estão fazendo a mudança.

  35. Juarez Mota disse:

    Nada contra ter um registro único. Agora, deveria continuar indicando cidade e estado aqui no Brasil. Minhas perguntas seriam qual o sentido prático do novo sistema? Nem nossos detrans são plenamente integrados.
    Quem vai pagar o custo de gestão do sistema? O que se pretende com a unificação? O que exatamente querem controlar?

  36. Alex Matias disse:

    Acabará com nossa frescura de ter o ano do carro na placa.

    • guest disse:

      Realmente essa foi uma decisão infeliz. Para quebrar o galho, o jeito é conseguir com que a segunda letra seja ‘I’ e completar com os três números.
      Quem fazia algo parecido era a família proprietária da concessionária VW da Rua dos Trilhos, Primo Rossi: as placas de seus carros tinham nos últimos caracteres sempre a sequência R0551.
      Só quero ver como ficará no Simca.

  37. Luis Michielin disse:

    Mas as placas serão do mesmo tamanho das atuais, não?

  38. Edu Franco disse:

    Não é ano que vem que todos terão de trocar as placas dos carros usados pelas reflexivas? E em 2018 vamos ter de trocar de novo?

  39. Antonio Carlos disse:

    Na Alemanha as duas primeiras letras identificam a cidade.

  40. Douglas disse:

    Também gostei da idéia. “Emblema del Mercosur claramente visible”. Nem tanto, achei que ficou muito apagado. No dia-a-dia só iremos notar a bandeira.
    Poderiam ter seguido o layout Europeu, pois ele dá visibilidade para o bloco com aquele detalhe lateral em azul. Curiosamente, a mesma disposição é encontrada no formato estabelecido por Israel em toda a Cisjordania, usando azul e verde para distinguir os territórios.

  41. Ricardo disse:

    As dimensões dessas novas placas serão as mesmas do atual padrão brasileiro (400mm X 130mm).
    As européias têm 520mm X 110mm.

  42. Rodrigo Melo disse:

    Não mudará o tamanho.
    Seguirá o padrão de tamanho da nacional cinza.

  43. Vinícius disse:

    Pois é, Flávio! Elas podem ser mais bonitas, parecidas com as europeias… Mas lá vamos nós, novamente, gastar com troca de placa, com vistoria, etc etc etc…

  44. Ronald disse:

    As placas continuarão a medir 40 cm de comprimento por 13 cm de largura, como as brasileiras, segundo o FlatOut: http://www.flatout.com.br/novas-placas-brasil-e-mercosul-bugatti-veyron-aparece-pichado-lamborghini-huracan-em-versao-de-pista-e-mais/

  45. Valente disse:

    Ainda fico com as placas minúsculas, aliás preferiria sem placas, os carros ficam muito mais bonitos. Mas já que o padrão vem aí, ao menos acaba com as placas de hoje que são horríveis e, como você mesmo disse, com infeliz combinação de cores.
    Poderiam suprimir de vez as dianteiras não?

  46. Henrique L. disse:

    As placas terão o mesmo formato da atual brasileira (40cm x 13cm) , nada de padrão europeu, não. E que escrevam “Mercosul” na nossa, e não “Mercosur” . Respeito o idioma dos vizinhos, mas falamos Português.

  47. RJ Silva disse:

    Oi, Flavio.

    Concordo com vc, estas placas são realmente mais bonitas e acredito que funcionais, mas assim que vi a noticia também me surgiu a duvida a respeito do custo, Lá vem outra facada.

    Quanto a Cidade na placa não vejo necessidade, acredito que uma forma de resolver isso é utilizarmos o sistema europeu de a placa ser de propriedade do dono do carro e não mais do veiculo, assim quando vc. vende o carro retira sua placa e o novo proprietário caso não tenha uma vai ao Detran e compra o direito de utilização de uma placa que vai ficar veiculada a seu nome até ele a devolver ao mesmo.

    Dessa forma evitaria-nos alguns transtornos, acredito ser algo para nossas autoridades pensarem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>