HABIB’S (4)

H

LONDRINA (sem surpresas) – E o Mundial de F-1 acabou sem graça, como se esperava. Aliás, como se sabia que seria nessa pista ridícula de Abu Dhabi, cheia de gente bonita tomando champanhe, barcos ancorados, hotéis iluminados e picas de corrida. É um traçado muito, muito ruim. Não me lembro de ter visto uma única prova boa no circuito árabe. Se vocês viram, me contem — a de 2010 foi OK pela decisão do título, mas o resto…

Corridinha standard, dobradinha da Mercedes (12ª no ano), Ferrari no pódio, zero surpresa. Parabéns a Rosberg, que termina a temporada muito melhor que o campeão Hamilton.

Ao GP, pois.

Logo de cara, o pobre Maldonado foi atingido no meio por Alonso, que por sua vez havia tocado em Nasr. Pelotão da merda dá nisso. Fernandinho ainda conseguiu ficar na corrida. Pastor abandonou com a suspensão quebrada. Na frente, a largada foi normal, o perde-ganha de posições de curva a curva, até que todas se estabilizaram com Rosberguinho na ponta e Hamilton em segundo, ambos escoltados por Raikkonen.

Havia uma curiosidade natural pela estratégia de Vettel, largando em 15º depois da cagada da Ferrari no Q1, ontem. E ela foi: fica na pista até arregaçar a borracha, adiando a primeira parada. Isso foi cumprido à risca. Sebastian chegou a andar em segundo depois que todos pararam, na 16ª volta. Aí, naturalmente, a galera de pneu novo foi chegando e passando.

Bottas foi outro que, a exemplo de Maldonado, acordou do lado errado da cama. Em seu pit stop, a Williams o liberou quando Button entrava nos boxes. Bateram, claro. A asa dianteira do finlandês quebrou. Ele teve de voltar para trocar o bico e ainda levou um pênalti de 5s. Já tinha largado mal. Depois dessa, despencou lá para o fundão e ficou esperando a corrida acabar.

A primeira parada de Vettel aconteceu apenas na volta 24. Retornou à pista em sexto, o que não era nada ruim. Numa pista de ultrapassagens complicadas, acabou ganhando várias posições ao atrasar o pit stop. Foi inteligente, embora milagre não tenha acontecido — um pódio, por exemplo.

Nico-Nico no Fubá não parecia ter a menor dificuldade para vencer mais uma vez no ano, a sexta — terceira seguida, 14ª na carreira. Depois de sustentar a ponta na largada, abriu uma distância segura para Hamilton e foi ficando nela. Parou na volta 11, e continuou sem problemas na frente. Mas na altura da volta 25, essa diferença começou a cair. Os pneus do alemão começaram a granular na medida em que o sol se punha e o asfalto esfriava. Lewis era informado pelo rádio das dificuldades de seu parceiro e partiu para cima.

Quando apenas 1s separava os dois, Rosberg foi para os boxes, na volta 31. Hamilton enfiou o pé no porão e tentou abrir, em poucas voltas, uma vantagem suficiente para parar e voltar na frente do inimigo platinado. Não deu. Na passagem seguinte à parada de Rosberg, essa diferença era de 20s — precisaria de uns 22s para alcançar o objetivo. Na volta 35, caíra para 18s. Nico, com pneus melhores, vinha descontando. Reassumiria a ponta no momento da parada do inglês, e a questão era: com borracha mais fresca no fim da corrida Hamilton seria capaz de atacar?

Só que, na verdade, Lewis não queria parar. E começou a conversar freneticamente com a equipe pelo rádio. E o time dizendo que tinha de parar. E ele parou, na volta 42, e colocou pneus macios, e não os supermacios para um ataque final, como se imaginava. Vettel fizera isso poucas voltas antes, para buscar alguma coisa sobre Ricciardo e Pérez, à sua frente. Conseguiu e passou os dois para terminar em quarto, um resultado brilhante para quem estava tão atrás no grid.

Rosberguinho voltou à liderança, com folga: mais de 12s. Faltavam 12 voltas, e seus pneus eram 11 voltas mais velhos que os de Hamilton, que começou a remar tudo de novo, virando tempos muito bons. Só que a distância era muito grande. Talvez com pneus supermacios esse caminho pudesse ser encurtado. Mas eles gastariam mais rápido, também. A Mercedes foi conservadora, apostando na segurança. Algo que Comandante Amilton não curte muito.

Na volta 47, a diferença caíra pra 8s5. Hamilton vinha chegando, claramente. Mas já diz o sábio: chegar é uma coisa, passar é outra. Ainda mais em Abu Dhabi. E eu acrescentaria: pneus perdem performance, e por isso às vezes nem chega. Foi o que aconteceu.

O rádio informava Rosberguinho volta a volta da diferença que tinha sobre o tricampeão. O ritmo de Hamilton, excelente nas primeiras voltas após o pit stop, se estabilizou. Assim como a vantagem para o inglês, que estacionou na casa dos 7s. E assim foi até o final.

Rosberg, Hamilton e Raikkonen fizeram o último pódio do ano. Vettel, Pérez, Ricciardo, Hülkenberg, Massa, Grosjean e Kvyat fecharam a zona de pontos. 2015 acabou como começou. Previsível.

Sobre o Autor

Flavio Gomes

Flavio Gomes é jornalista, mas gosta mesmo é de dirigir (e pilotar) carros antigos.

120 Comentários

  • Uma coisa que não vi muita gente comentando foi o fato do Sérgio Perez, aquele que só fazia cagada, ter jantado o mítico Hulkenberg. E agora, quem merece carro em equipe grande? Os fans do incrível Hulk devem ter ficado chateados

  • Temporada chata, corrida chata, apesar de que já tiveram mais chatas nas Arábias.
    Torço, mas sem muita esperança, que as coisas venham melhores no ano que vem. Acho que a Haas vai andar melhor que a Marussia, um ano de preparação e uma estrutura aparentemente séria ajudam e muito. E Grosjean, de piloto estabanado, se mostra hoje capaz de andar mais que o carro. Não espero milagres, mas espero um mínimo de competitividade deles.
    E gostaria, sinceramente, de que, já que, salvo uma tragédia ou um erro de projeto monumental, ninguém vai bater a Mercedes, que pelo menos o resto da turma andasse mais embolada. Ia deixar as corridas um tanto menos desinteressantes, já que algo interessante tá difícil.
    Melhor que hoje, que Mercedes anda sozinha, Ferrari anda sozinha, Williams, dependendo da pista, ou anda sozinha ou briga com o pelotão do meio, Mclaren e Sauber fazem o penúltimo pelotão, e a Marussia briga com ninguém.
    Pedido pra Papai Noel: Que eu ficasse sempre na maior expectativa de quem vai sair no “queum”, e não já saber antes do treino que quem vai sair sempre serão as Marussias, alguém da Sauber, alguém da Mclaren, e alguém tomando alguma punição esdrúxula.
    O que quer dizer isso? Maior competitividade. Umas sandices de vez em quando, tipo uma Marussia beliscando o “quetrês” num treino bem louco, ou a Haas já beliscando o “quedois” na primeira corrida. Quem não gosta de sandices de vez em quando?

  • Bem pessoal, Pinto, Luz Prata, Flávio, Vecellez e outras enfermeiras de plantão…..É chegado o fim da temporada e acho bom àqueles que cravaram no início que Vettel faria bonito com a ferrada se RETRATEM ainda neste post! Afinal não vimos nada de excepcional do Fakezinho alemão Jr…………………nem de longe repetiu o feito de Alonso em 2010!!

    R E T R A T E M – S E !!

  • Corrida relativamente boas em Abu Dabi.. 2009 uma briga entre as Brawn GP e a Red Bull e o Kobayashi vindo q nem um maluco la de tras, se nao me engano ele chegou em sexto lugar nessa prova, ainda correndo pela Toyota. E a de 2012 tb foii muto boa… Maldonado largou em quarto no grid, ficou em terceiro por muitas voltas ate tomar uma porrada do webber e ai teve uma colisao entre varios, incluindo o Massa. Tb nao gosto do traçado, mas nem sempre as corridas la sao ruins, e q ja olhamos e logo de cara ja se acha q ruim.. as sa GP2., sempre sao super animadas

    • Se somar os três anos que correram na McLaren, o Button fez mais pontos que o Hamilton.
      Um dos motivos que fez o Hamilton sair da McLaren foi o próprio Button que o desestabilizou a ponto de dar tantos chiliques que não aguentou o tranco e pediu as contas.

  • Final horrível, para uma temporada horrível.

    A coisa estava tão feia que chegaram a colocar no Rosberg o papel de um protagonista em busca do título, sendo que o Hamilton já estava com a cabeça em outro mundo.

    O pior é que ano que vem o negócio vai continuar na mesma.

    • Paulo,

      Não estou defendendo o Massa, por favor, claramente o Bottas é melhor do que ele, mas essa corrida comprovou que quando ocorrem problemas nos carros das Williams, como a cagada feita ao soltar o Bottas em cima do Button, o piloto pouca coisa pode fazer.

      Cansamos de ver o Massa se lascando por alguma coisa, caindo pro final do pelotão, e não conseguindo mais nada nas corridas. Dessa vez vimos que não depende tanto do piloto.

      E de novo, não quero defende o Massa!!!

  • Essa valorização exagerada do final de ano do Rosberg é ridícula. Seu único real adversário é um tricampeão já de férias e pensando na zoeira. Não significa absolutamente nada.

  • A F1 termina chata, mas tenho algumas considerações a fazer:
    1) Nars terminou o ano dignamente, em 13°, a quase 20 pontos de seu companheiro, atrás no campeonato do badalado estreante Verstappen, e, pasmem, à frente de Sainz, companheiro daquele na Toro Rosso…
    2) A quantidade de pontos e a constância de Nars no campeonato (tendo em conta a péssima evolução da Sauber) não deixam de ser uma surpresa para um piloto cuja tocada muito lembra a de Prost, guardadas as devidas proporções…
    3) Sobre Vettel e Ferrari: feitos um para o outro. Não deve ser fácil para o Raikkonnen andar com um lastro no segundo carro…
    4) Ricciardo, o sobrestimado, termina o campeonato atrás do russo estreante…
    5) Alonso vive um inferno astral e será compulsoriamente aposentado pelo Ron até o final da temporada de 2016…
    6) E a Williams? O que dizer de Massa, um caraque termina 15 pontos atrás de um piloto mediano como o Bottas, que cansou de levar pau do Maldonnado quando os dois corriam na mesma Williams? O WEC te espera, Massa. Ou a F-E, quem sabe…
    7) Para 2016, acredito que não haverá nenhuma surpresa, Mercedes na frente, seguida por Ferrari, RBR, Force India, McLaren e Williams. A Haas vai penar como estreante, e teremos mais uma temporada apagada da Sauber. Espero que o Nars sobreviva à mediocridade de sua equipe, pois a F1 costuma ser implacável com a falta de resultado de pilotos novatos.

    Desejo um 2016 repleto de alegrias para você, Gomov, e para todos os leitores do blog!

  • Não dá para insistir nessa pista em que é impossível ver uma corrida sequer razoável. O Bernie reclama da falta de apoio da Globo pelo desinteresse do público, mas apesar de achar que os brasileiros só curtem a F1 com um compatriota liderando, a queda no interesse é mundial. Grande parte da culpa é do próprio Bernie, que tirou pistas tradicionais e extremamente interessantes para levar a F1 a lugares enfadonhos, tudo para encher os bolsos com cada vez mais dinheiro. Agora, ele toda hora parece preocupado, critica emissoras, organizadores locais, responsáveis pelo regulamento e outros pela falta de interesse e chatice das corridas. Esquece que foi ele quem começou, quando decidiu levar as corridas para essas pistas completamente sem graça em locais sem qualquer relação com o automobilismo. Também poderiam acabar com essas tais unidades de força em prol dos motores normais, além de abolir a aberração da asa-móvel.

    • Guilherme , concordo com suas colocações , mas tudo que é monopolizado tende a virar coisas para protegidos que nem sempre são os mais capazes ,coisa muito comuns em ditaduras . Por exemplo ,este Tilke que tem o monopólio da construção de novos autódromos ,cujos traçados , “Seu Zé do Concreto” faz muito melhor( a critica é quanto aos traçados (não há criticas quanto a luxuosidade das edificações) , Nas pistas do “Seu Zé” os carrinhos não precisam de asinhas moveis para fingir uma difícil ultrapassagem . Outra coisa são essas unidade motrizes , onde os ditadores da F I A especificaram que a unidade de combustão interna tem que ter uma arquitetura X , tirando dos fabricantes a oportunidade de descobrir novos “caminhos” ,quando só bastaria limitar “cilindrada” e consumo o resto deveria ficar por conta e risco do fabricante .
      Outra coisa que chega a ficar cansativo é a babação de ovo do Sr. Gagalvão Globueno ,criador do “PNEU Mercedes” quanto ao chatodomo de traçado tilkhdo , ele já tem “grana” e posição” suficiente , chega ao ridículo este ‘DESLUMBRAMENTO ,ante Ricos e Poderosos do Petróleo toda vez que vai ao Oriente Médio .(e desta vez nem foi , valeu-se do FOM TV , deve ter estragado o Screen da emissora com toda a sua baba )

  • Flavio,

    tem um errinho de digitação no paragrafo 4: “Na frente, a largada foi nromal”

    Mas, em se tratando de Flavio Gomes pode ter sido uma sutil ironia com a palavra e nós, tapados’é que não entendemos…

  • Essa temporada terminou tão sonolenta quanto começou. Quando os bastidores são (muito) melhores que as corridas, tem realmente algo errado com essa F1!

    Pelo menos ano que vem a Haas virá para animar um pouco o negócio, assim espero…

    • Seria para animar muito mesmo . Pois desde a criação do campeonato de F 1 até o momento nenhuma equipe americana que se envolveu com a F 1 ,teve muito sucesso . Nem Dan Gurney que era competente tanto quanto piloto como construtor , más vamos aguardar para ver .

  • so pra não passar batido destaque para presença de rubens barrichello nos box chupa globo
    para quem não sabe após sair brigado da emissora a mesma se recusa a falar ou mostra ele em sua programação o maxximo possivel mesmo quando transmite a stock car

  • Vitória de Nico Rosberg completamente manipulada pela Mercedes

    1: Chamou Rosberg aos boxes rapidamente quando viram que a ultrapassagem era questão de 2-3 voltas

    2: Deixou Hamilton sacrificar seus pneus macios, para depois colocar novamente pneus macios que obviamente não dariam ritmo para que Hamilton recuperasse terreno

    Se queriam ser democráticos que obrigassem Hamilton a parar na volta seguinte da parada de Rosberg, enfim uma vergonha.

    • Pois é, melhor pensar duas vezes antes de jogar boné no companheiro de equipe, principalmente se ele é alemão e você corre pela Mercedes. Acho até que 2016 deu pra bola pro Hamilton, vai sempre ter um parafuso mal apertado no carro dele. Melhor ir para a McLaren, tudo inglês, eles se entendem……………….

      • Cara, se o Hamilton perde é a equipe que sabotou… engraçado demais essa teoria da conspiração dos brasileiros. O cara ganhou os últimos dois campeonatos, tem o maior salário da fórmula 1, e o brasileiro acha q ele é um coitadinho que fica sendo sacaneado pelos brancos alemães. Oh complexo de cachorro vira latas. Me poupem.

    • Engraçado, quando a estratégia beneficiava o Hamilton ninguém reclamava. Obviamente, dois podem jogar esse jogo. O cara já levou o campeonato e ainda fica resmungando, querendo toda à atenção pra si.

  • Alonso deixou a melhor diversão para o final da temporada:

    1 – De cara, tirou Maldonado da corrida (depois de tocar em Nasr) numa lambança digna da vítima que, além de ficar puto da vida, também ficou com inveja. E quase sobrou para Vettel (com certeza, protegido dos Deuses).

    2 – Não satisfeito, o espanhol trapaceiro sugeriu na volta 25, um Safety Car à equipe, pensando que era o Briatore comandando a “McLata”. Será que a descarga elétrica no início do ano o fez voltar no tempo? Ou foi o anoitecer em Abu Dhabi? Será que ele pensou que estava em Cingapura?

    3 – Para não dizer que não falei de ultrapassagens, o “Arrastonso” passou os dois marússicos, chegando com duas voltas de atraso.

    4 – Pela segunda vez na carreira, Alonso LEVOU PAU do companheiro de equipe! E desta vez, do semi-aposentado Button.

    5 – E pra fechar com “chave de ouro”: Ron Dennis quer ver o espanhol pelas costas!. Está torcendo por um ano sabático do espanhol…

  • Ser 4o com a Ferrari é brilhante, poderia ter sido no México, se não batesse em spa, se não inventasse.
    Péssima temporada da Ferrari, bateu williams e redbull, que nem de longe fizeram bons carros nesse ano.
    Alonso foi tocado, o replay foi claro.
    Vettel reclamando que não consegue passar o Alonso foi hilário, kkkkkk! Lembrei do mimimi de silverstone – 2014, vettel deve ter medo até hoje quando vê um capacete azul e amarelo, hahahaha!!!

  • Balanço do ano de 2015
    1- Mercedes inbatível , sera tambem em 2016.
    2- Ferrari a segunda força . para formar podium
    3- Segundo semestre , force India a que mais cresceu, muito bem Peres,
    4- depois red bull , se tivesse mais motor, brigaria com Ferrari.
    5- Pra mim a revelação é Kvyat, terminou na frente de Ricciardo.
    6- Williams andou de ré no segundo semestre, já é a quarta força ,
    Perguntas de um leigo sobre a Williams .
    1- Porque é sempre o carro mais rápido do speed trap, e lento em curva
    ora mais asa e equilibra isso.
    2- È o carro mais econômico do grid, ora maior consuma maior potência.
    3- A pior equipe nas paradas, , hoje 4,1 para massa, e 5,6 para Bottas,que com
    5 que pagou , por falha da equipe na hora de sair , deu 10,6 segundos
    4-Estratégia de corrida , nota zero , Massa saiu em oitavo, terminou e, oitavo,
    Vettel decimo sexto, terminou em quarto..

  • Não adianta ficar inventando teorias para as vitórias de Rosberg. O cara se preparou melhor para as corridas depois do título do Hamilton. Se adaptou melhor às alterações na suspensão da Mercedes, foi pra fábrica, treinou largadas como um louco e se concentrou para bater Hamilton nas 3 corridas finais. Enquanto isso, Lewis estava na balada. A equipe o ajudou? Provavelmente sim, para garantir o vice do alemão. Isso servirá de alguma coisa pra 2016? Na prática não. O regulamento é o mesmo, mas o carro será diferente, com alterações nos pneus, aerodinâmica e motor. É um recomeço. Sou fã do piloto inglês, vibrei muito com o TRI e torcerei muito em 2016 para o tetra.

    • Paulo de tudo que vc falou aí, a única verdade é a melhor adaptação às alterações na suspensão dos carros. Ou vc acredita mesmo que em no intervalo de três corridas, Rosberg iria fazer um supleitvo de ir a fábrica, treinar largadas e se transformar pra ser 4 décimos mais rápido que LH, agora no final da temporada depois do título decidido?.

      Não sou dado a teorias de conspiração, mas, a única explicação pra esse up repentino é que Rosberg se adaptou melhor às mudanças no carro.

  • Hami-mi-mi-lton não queria parar de novo? Se eu fosse da equipe deixaria ele na pista. Rosberg ia passar por ele como uma flecha.

    Anda muito chorão, para um tricampeão.

    Tomara que a Ferrari acerte no carro pro ano que vem.

  • corridinha chata no padrão do campeonato todo a mercedes ta acabando com a f1 não deixo o rosboga incomodar o hamilton na caminhada para o titulo e agora deixou o rapaz ganha tres corrida como premio de consolação e fornece motores com um pistão a menos (tem pistão nesse motor ?) pra equipes clientes assegurando sua vantagem um campeonato pífio sera esquecido na historia da categoria

    ps flavio espero que não esqueça do blog nessas ferias sempre acompanho ele não so pela f1 mas por todo o conteudo abç

  • A corrida de 2009 também foi interessante. As duplas de Brawn e Red Bull travaram duelos bem animados até a última volta, e um novato Kobayashi, pela Toyota, enfileirou ultrapassagens sobre gente grande – se não me engano, era a segunda corrida dele na carreira. 2010, como você disse, pela decisão do título; e só.

    Triste o rótulo de “Mônaco Árabe” que o Galvão tentou colar hoje. Se há uma ambientação genérica aproximada à monegasca no oriente, esta é a de Cingapura.

    Abs

  • Comparar o fim do campeonato de Moto GP e o da Fórmula 1 demonstra bem a falta de competitividade que existe na segunda categoria. A F1 precisa de mudanças, não sei exatamente quais nem é minha obrigação saber, mas que está uma porcaria não existe dúvida.

  • Sobre o público das “arquibancadas”, o que dizer, além de perceber que era nada mais do que um bando de alienado querendo demonstrar o seu “poder” em relação aos “mortais” que não têm “condições” de estar nas suas tão “almejadas” posições?
    Se fizer a estas pessoas qualquer pergunta básica sobre F1, como nome de piloto, último campeão, por exemplo,, provavelmente 90% delas vai errar pelo simples fato de estar lá por outro motivo, que não a F1.

    Ou seja, a F1 olha pra quem não está nem aí pra ela.

    Acorda F1

  • Muito da culpa da corrida parecer ser chata é pela péssima transmissão da FOM. A transmissão da FOM, junto com asa móvel e pitstop, transformou as corridas numa bagunça.

    Na ânsia de mostrar ultrapassagens, os caras ficam mostrando briga pela 10a posição e “esquecem” a corrida dos ponteiros que é o que interessa! O problema maior disso é que se torna impossível de contextualizar a corrida! Porra, a TV mostrava a disputa pela 87a posição enquanto o Hamilton descontava a diferença do Rosberg de 8s para 1s. Aí, de repente, a TV mostrou o Hamilton colado no Rosberg. Pra quem não acompanha de perto, a pessoa fica totalmente perdida na transmissão. E aí, vem a pergunta: Como que alguém que está começando a assistir F1 vai se interessar por uma bagunça dessas?

    Sem falar nos pitstops… Precisa mostrar todo mundo parando?

    A impressão geral é que as corridas viraram num circo de ultrapassagens artificiais e troca de pneus sem contexto algum e que, embora tenham havido umas 60 ultrapassagens, no fim, a corrida termina sem parecer ter emoção alguma.

    A F1 devia para de usar essas maquiagens fajutas que agora estão invadindo até o formato de transmissão das corridas, e entender que muitas vezes um pega é muito mais interessante do que dezenas de ultrapassagens sem sentido que só dificulta a compreensão de quem assiste.

    Um exemplo claro é a emoção no futebol SEM GOL, em que surge nos momentos em que a bola vai na trave, o goleiro pega, ou um jogador é expulso, principalmente quando há um contexto que sustente os fatos!

    A F1 tá tão ruim que ATÉ o Galvão Bueno criticou o momento da categoria, caso muito raro na Globo (falar mal do próprio produto). E com razão.

    • Comentário muito lúcido. A F1 hoje parece uma gincana de carros, tipo um Mario kart da vida. DRS, pneu que se esfarela… sempre tem algo a acontecer, mas em 95% das vezes é algo que nada acrescenta. Bobagem pura.

      E sempre digo: se ultrapassagem por si só fosse emocionante, bastaria colocar um monte de retardatários e teríamos muita emoção. O que torna uma disputa emocionante é a briga, é o piloto a retardar a freada, o de trás a tentar pegar o vácuo… Abrir uma asa e passar, qual graça tem? É pior que em oval nos tempos da IRL, quando a direção da Indy pedia para os pilotos não defenderem posição. Pelo menos ali o cara da frente poderia buscar um traçado diferente e ultrapassar novamente logo à frente.

      É patético. Mataram a F1. E pra encerrar: outra merda, além do DRS e fim do reabastecimento, são essas trocentas corridas por ano. Campeonato acaba e fica sem graça. 16 é o ideal — tanto pra quem cobre quanto para quem acompanha.

    • “…’esquecem’ a corrida dos ponteiros que é o que interessa!”

      Na corrida dos ponteiros, com raras exceções, nada acontece. O pole vence, o segundo no grid chega em segundo e o terceiro no grid chega em terceiro…

      • O Hamilton descontou a vantagem do Rosberg de 8s para 1s em 7 voltas e você nem percebeu porque a FOM não mostrou.

        A transmissão da Globo se resume aos seguintes papeis:
        Galvão Bueno: olha mais pra tempo de volta do que pra TV

        Luciano Burti: tenta traduzdir os 250 rádios rádios inúteis que aparecem ao longo da corrida.

        Reginaldo Leme: tenta sintetizar a corrida, linkando o que o Galvão e o Burti falam com a bizarrice mudança de câmeras da TV.

  • As duas últimas corridas foram de doer mesmo. Minha esperança é que em 2016 a Ferrari possa chegar. Pq eu não acredito no Rosberg. Só ganhou depois que o Hamilton meteu o pé na jaca e a Mercedes resolveu ajudar. Pq não colocou os pneus supermacios hoje? Eles determinam quem ganha e quem perde. De resto a comentar apenas a batida do Alonso na largada. Triste situação da Mclaren, pior ainda a do Alonso. Estou triste..sqn rsrsrs

  • Hamilton pensando para 2016: “Não jogar novamente boné no meu companheiro de equipe, não jogar……….. ” A Mercedes deu uma “congelada” nele, será que aprendeu, ou vai vir “chei di marra” novamente em 2016? Só zoando da cara de alemão? Olha, olha tem uma estrelinha de 3 pontas ali no seu macacão toma cuidado…………….não provoca………………

  • Tudo certo (será?). Nem tudo. As coisas mudam na F1 e por consequência os velhos chavões também. Chegar é uma coisa, passar é… não, não, não, isso não se aplica mais à F1. Sinto muito. Chegar é uma coisa, abrir a asa e passar é consequência natural.
    Como a F1 tá chata!!!
    Abs.

  • A Ferrari foi a única coisa que realmente surpreendeu neste ano. E, nesta corrida, o Vettel largar do fundão deu um pouquinho de animação a um GP muito chato. É interessante ver que, apesar da diferença enorme de pontos entre o Vettel e o Räikkönen, a Ferrari conseguiu ficar com a segunda fila na tabela de pilotos, o que mostra o quão para trás ficou a Williams. Se a Ferrari evoluir mais e o Rosberg mostrar essa força toda no ano que vem, vamos ter um campeonato muito melhor.

  • Chuuuuuuuuuuupa Allonzo!

    E engole sem gargarejar!

    Temporada fantástica!

    Viceonso realmente chegou ao fundo do fundo da fossa abissal do poço. Ser culpado de um acidente com o Maldonado?

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Amonso, o pilotinho Michelin, o maior piloto pagante da história da F1, um fake desmascarado, terminou em…? Último! Ou a GP2 Marússia conta?

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Eternando Picaretonso se torna o 1º (até que enfim!!! Primeiiiiiiiro!!!) piloto da história da F1 a ser humilhado por um estreante (Hamilton em 2007) e por um ex piloto em atividade (Button 2015)!

    Classificação da F1no (F 1-no, F-Uno, FUMO!)

    Button 16 pontos
    Amonso 11 pontos
    Ericson 9 pontos

    Chuuuuuuuuuuupaaaaaa!!!!!

    Torço exaustivamente para que o Ron Denis não tenha razão: não tire um ano sabático, Amonso! Continue firme, a F1 precisa de você. Afinal, se você sair, vamos rir de quem??!!!!

    O Show tem que continuar!!!

    Eu avisei… Vai doer…

    Ano que vem vai ser pior (ou melhor, depende do ponto de vista!)

    Chupa Matrix!!!

    Allez Mão!!!!

    P.S.: Corridaça do Ve44el.

    • Foram dois grandes momentos na corrida, Vettel não conseguindo passar o Alonso e chorando no rádio. E, claro, algo que não ocorreu em 2014 com Alonso: “Vettel, Kimi is faster than you”, kkkkk!
      Kkkkkkkkk!
      Vettel terminou 2015 como terminou 2014, como segundo piloto.
      Kkkkkk!
      Alonso, sem fazer pre temporada e com uma corrida a menos, tinha muito mais pontos que o Button até o GP do Japão, mas mesmo assim terminou na frente do Button em qly. E graças ao motor de Austin, vimos a mclaren andando próximo dos pontos.
      Vettel levou ferro do Ricciardo, que levou do Kvyat esse ano. Pensa um pouco, vettel é um piloto medíocre, mediano.
      E não fez nada esse ano com o excelente desse ano, errou como um amador, nem vice foi, terminou o ano se rastejando atrás do Kimi, piloto aposentado que corre pra ser escudeiro de luxo. Kkkkk, #NemVice!
      #SorryICrashed!

    • Você poderia rir muuuuiiito se tivesse condições de comparar a sua conta bancária com a dele ,não é mesmo ,pilotão de carro 1,0 !
      Não gosto do Alonso,por suas atitudes pessoais ,mas ignorar que é um grande piloto ,seria no minimo admissão de MUITA ESTUPIDEZ e BURRICE .
      E seu querido Vettel também não foi feliz na escolha(se é que teve esta oportunidade) ,pois enquanto tiver Mercedes na F 1 ,muito dificilmente a Rossa di Maranello fará um campeão ,isto é histórico vem desde os anos 30 quando surgiram as Flechas de Prata e acabaram com o reinado da Scuderia Ferrari ,que na época corriam com Alfa Romeu e nos anos 50 com a W 196 , a Mercedes fez Fangio campeão de 1954. ( E não pense que sou torcedor dos tedescos , pois meu avo foi um dos assistentes de Vittório Jano e posteriormente Gioacchino Colombo , a vida da famiglia foi dedicada ao departamento de competições da Alfa Romeu e depois Autodelta ,somos italianos ,amamos nosso país ,mas fatos históricos são incontestes )

      • Kkkkk, não xinguei e não fui agressivo como o chupador ali, mas meu comentário não foi aprovado pelo blogueiro… Torcedor do alemão fake falando de levar pau do companheiro não pode, kkkk!
        Alonso terminou com mais qualificações na frente e até o Gp do Japão liderava, isso com uma corrida a menos e sem participar da pre temporada.
        Vettel não fez nada, terceiro até minha vó seria com essa Ferrari.

      • Acorda, Vicellez! Não dá mais pra mascarar! O espanhol trapaceiro LEVOU PAU do companheiro, o inglês semi-aposentado!

        16 x 11… !!!!!!!!!!!!!!!!

        Chora, Vicellez!

        Hahahahahahaha!

      • Vicellez, já falei e vou repetir:

        Niki Lauda levou ferro de John Watson na McLaren em 1982 e 1983, e nem por isso o tricampeão deixou de ser a referência que é.

        E John Watson?

    • HUAHUAHUAHUAHUAHUA

      Implorando por um Safety Car!!!

      HUAHUAHUAHUAHUAHUA

      Tentando segurar o Ve44el!!!

      HUAHUAHUAHUAHUAHUA

      Tomou um couro do Button, e essa historinha de “sem pré-temporada e uma corrida a menos” não cola.

      HUAHUAHUAHUAHUAHUA

      Pq no lugar do “GP2 ENGINE” não pediu “MICHELIN TIRES”???

      HUAHUAHUAHUAHUAHUAHUA

      E fiquem com essa constatação do próprio FG:

      “- Frase de Vettel, fazendo um balanço da temporada. “Se a gente olhar para onde a Ferrari estava no ano passado e para o que conseguiu neste, é quase um milagre”, falou o alemão. A saber: o time foi quarto colocado no ano passado, com 216 pontos, e pulou para segundo em 2015, com 428; três vitórias nesta temporada, contra nenhuma na última; uma pole em 2015, nenhuma em 2014; três melhores voltas agora, uma no ano passado; quatro presenças na primeira fila em 2015, nenhuma em 2014; e o grande salto na quantidade de pódios 16 x 2.”

Por Flavio Gomes

Perfil


Flavio Gomes é jornalista, dublê de piloto, escritor e professor de Jornalismo. Por atuar em jornais, revistas, rádio, TV e internet, se encaixa no perfil do que se convencionou chamar de multimídia. “Um multimídia de araque”, diz ele. “Porque no fundo eu faço a mesma coisa em todo lugar: falo e escrevo.” Sua carreira começou em 1982 no extinto jornal esportivo “Popular da Tarde”. Passou pela “Folha de S.Paulo”, revistas “Placar”, "Quatro Rodas Clássicos" e “ESPN”, rádios Cultura, USP, Jovem Pan, Bandeirantes, Eldorado-ESPN e Estadão ESPN — as duas últimas entre 2007 e 2012, quando a emissora foi extinta. Foi colunista e repórter do “Lance!” de 1997 a 2010. Sua agência Warm Up fez a cobertura do Mundial de F-1 para mais de 120 jornais entre 1995 e 2011. De maio de 2005 a setembro de 2013 foi comentarista, apresentador e repórter da ESPN Brasil, apresentador e repórter da Rádio ESPN e da programação esportiva da rádio Capital AM de São Paulo. Em janeiro de 2014 passou a ser comentarista, repórter e apresentador dos canais Fox Sports no Brasil. Na internet, criou o site “Warm Up” em 1996, que passou a se chamar “Grande Prêmio” no final de 1999, quando iniciou parceria com o iG que terminou em 2012. Em março daquele ano, o site foi transferido para o portal MSN, da Microsoft, onde permaneceu até outubro de 2014. Na sequência, o "Grande Prêmio" passou a ser parceiro do UOL até maio de 2019, quando se uniu ao Terra por um ano para, depois, alçar voo solo. Em novembro de 2015, Gomes voltou ao rádio para apresentar o "Esporte de Primeira" na Transamérica, onde ficou até o início de março de 2016. Em 2005, publicou “O Boto do Reno” pela editora LetraDelta. No final do mesmo ano, colocou este blog no ar. Desde 1992, escreve o anuário "AutoMotor Esporte", editado pelo global Reginaldo Leme. Ganhou quatro vezes o Prêmio Aceesp nas categorias repórter e apresentador de rádio e melhor blog esportivo. Tem também um romance publicado, "Dois cigarros", pela Gulliver (2018), e o livro de crônicas "Gerd, der Trabi" (Gulliver, 2019). É torcedor da Portuguesa, daqueles de arquibancada, e quando fala de carros começa sempre por sua verdadeira paixão: os DKWs e Volkswagens de sua pequena coleção, além de outras coisinhas fabricadas no Leste Europeu. É com eles que roda pelas ruas de São Paulo e do Rio, para onde se mudou em junho de 2017. Nas pistas, pilotou de 2003 a 2008 o intrépido DKW #96, que tinha até fã-clube (o carro, não o piloto). Por fim, tem uma estranha obsessão por veículos soviéticos. “A Lada foi a melhor marca que já passou pelo Brasil”, garante. Por isso, trocou, nas pistas, o DKW por um Laika batizado pelos blogueiros de Meianov. O carrinho se aposentou temporariamente no início de 2015, dando o lugar a um moderníssimo Voyage 1989. Este, por sua vez, mudou de dono em 2019 para permitir a volta do Meianov à ativa no começo de 2020.
ASSINE O RSS

Categorias

Arquivos

TAGS MAIS USADAS

Facebook

DIÁRIO DO BLOG

novembro 2015
D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930