Arquivoquinta-feira, 8 de setembro de 2016

CARS & GIRLS

C

zCalderoni MM 89Os anos 80 eram mesmo muito loucos. Dú Cardim mandou o recorte da revista “Placar” com a Regina Calderoni posando para Silvio Porto. Ela correu nas Mil Milhas de 1989, mas não tenho de cabeça informações daquela prova. Ajudem aí com informações e lembranças.

“THE PASS”

&

SÃO PAULO (que saudade) – Victor Martins lembra no GRANDE PREMIUM dos 20 anos de uma das maiores ultrapassagens de todos os tempos. 8 de setembro de 1996, encerramento da temporada da Indy em Laguna Seca. Última volta, Alessandro Zanardi persegue loucamente Bryan Herta. Era seu primeiro ano na categoria. Naquela corrida, seu companheiro de Ganassi, Jimmy Vasser, conquistou o título.

Mas foi o italiano o nome da prova. Porque passou Herta na famosa curva Saca-Rolha de um jeito improvável e maravilhoso. E a manobra entrou para a história. Foi a terceira vitória dele no campeonato, fechando com chave de ouro sua participação como melhor “rookie” do ano.

Zanardi está no Rio para a Paraolimpíada. É um herói dos nossos tempos. E pergunto a vocês: essa aí de Laguna Seca ou aquela de dez anos antes, na Hungria, de Piquet sobre Senna?

TEM CORRIDA AO VIVO NO “GP”

T

SÃO PAULO (boa) – Pela primeira vez desde a manjedoura, o Grande Prêmio será responsável pela transmissão ao vivo de corridas no país. A partir deste fim de semana, em Interlagos, o site vai mostrar as etapas do Campeonato Brasileiro de Turismo. A categoria faz parte do pacotão da Vicar, que tem também o Brasileiro de Marcas, o Mercedes-Benz Challenge e a F3 Brasil. Aliás, quem gosta de automobilismo não tem o direito de não ir a Interlagos. Olha a quantidade de provas. São cinco categorias diferentes. Carro que não acaba mais. Não dá para reclamar.

Todos os aplausos ao Victor Martins e sua equipe, que costuraram o acordo e oferecem mais um produto ao amigo internauta.

brasdeturnatv

FUERZA MÉXICO

F

Motor Racing - Formula One World Championship - German Grand Prix - Qualifying Day - Hockenheim, Germany

SÃO PAULO (lá vem) – O que rola é que Carlos Slim está comprando a Force India. O bilionário mexicano cansou de apenas apoiar pilotos e patrociná-los em várias equipes. Vijay Mallya, o simpático indiano que comprou o espólio da Spyker no fim de 2007 (que, por sua vez, tinha comprado o time do grupo Midland, que sucedeu a velha e boa Jordan) está com sérios problemas financeiros, devendo até as calças, e é provável que o negócio seja fechado em breve.

Me parece claro que, se isso acontecer, a equipe mude de nome de novo. Fuerza México?

LIBERTY Quæ SERA TAMEN

L

SÃO PAULO (novos tempos) – A negociação é intrincada e complicada, ações pra lá, grana pra cá, e a descrição detalhada de tudo está aqui. Mas o fato é que o grupo norte-americano Liberty Media é o novo dono da F-1, tendo adquirido o controle do grupo CVC Capital Partners, que comanda os negócios da categoria desde 2006 — embora Bernie Ecclestone, na prática, mande em tudo.

Num primeiro momento, 18,7% das ações que pertencem ao CVC (que nada tem a ver com a agência de turismo brasileira) serão transferidos imediatamente ao Liberty. Um novo executivo assume a chefia do novo Formula One Group, que será criado para gerir a coisa toda — seu nome é Chase Carey, oriundo da indústria cinematográfica, um dos braços do grupo.

No GRANDE PREMIUM, Renan Martins Frade esmiúça as atividades desse gigante da indústria do entretenimento global, com atuação em áreas diversas como TV a cabo, esportes, streaming, cinema, telefonia e sei lá mais o quê. O perfil dos caras indica que a F-1 sairá do marasmo em que se encontra no que diz respeito à relação com o público, e que muita coisa vai mudar. Regulamento, calendário, características técnicas? É possível que sim. Aparentemente, a influência da FIA nessas questões vai diminuir. As pessoas envelheceram. A F-1 também.

Aguardemos. O que se sabe é que Bernie continuará tendo grande influência política em todas as decisões, já que controla as equipes. Mas ele mesmo já avisou que fica apenas mais três anos. O “apenas”, aí, é força de expressão.

Acho que veremos uma nova F-1 nos próximos anos. Como será, não tenho a menor ideia.

libertymedia

LEVE A GUERRA PRA CASA

L

SÃO PAULO (até lá) – Primeiro, diga-se que é uma judiação. O leilão que vai acontecer em Catz, na Normandia, no dia 18, resulta do fechamento de um museu, o Normandy Tank Museum — inaugurado em 2013, mas que aparentemente não atraiu muita gente. Isso não é comum na Europa. Ele nasceu de uma coleção enorme de objetos militares da Segunda Guerra que inclui tanques, jipes, motos, caminhões, aviões e anfíbios. Muitos deles participaram do desembarque nas praias do norte da França no Dia D.

Quando estive na região pela última vez, o museu não existia. Mas a Normandia me falou fundo ao coração.

normandy-tank-museum-auction

APAIXONEI

A

oxtruck-004

SÃO PAULO (Gurgel, Gurgel…) – Putz, não lembro quem mandou a dica, aí nos comentários. Mas assim que abri a página indicada, fui atrás de mais informações. E encontrei mais um ótimo texto no “Top Gear”.

Estamos falando do pequeno OX. Não sei bem como defini-lo. Um caminhão? Uma picape? Um mini-caminhão? Uma super-picape?

Fiquemos com caminhãozinho.

[bannergoogle]Esse troço foi mostrado pela primeira vez em 2013. Mas, agora, parece que vai. E a ideia é genial: um caminhãozinho que possa ser vendido para países subdesenvolvidos e em desenvolvimento. Que seja barato. Que possa ser exportado desmontado em contêineres, seis por vez. Que possa ser montado rapidamente por operários locais — três pessoas montam um em 12 horas, no máximo. Que seja robusto. Que ande em qualquer terreno. Que não quebre. Que seja fácil de consertar. Que salve a humanidade, enfim.

OK, é meio exagerado salvar a humanidade. Mas seu criador, Sir Torquil Norman — de acordo com o “Top Gear”, ex-piloto de caça, advogado, economista, banqueiro e magnata da indústria de brinquedos –, investiu três milhões de libras no projeto e calcula que o OX vai custar entre 10 mil e 15 mil dinheiros da rainha. Multiplique por cinco para chegar ao valor em michel-têmeres-golpista. Ele quer vendê-lo para organizações de ajuda humanitária, agências de fomento que atuem no Terceiro Mundo, órgãos da ONU, entidades assistenciais. “Meu sonho é que cada cidade na África tenha um OX”, disse.

O trem de força vem todo do Ford Transit, um furgão popularíssimo — e muito feio — na Inglaterra. Motor a diesel, câmbio de cinco marchas, paineis que se transformam em rampa, rodas de aro 16. Suas suspensões são intercambiáveis. A posição de dirigir é central, para que seja usado em qualquer mercado — os de “mão inglesa” e onde o volante fica do lado esquerdo. Seu manual de instruções para montagem é todo impresso com pictogramas, para que seja compreendido em qualquer país.

[bannergoogle]Mas, agora, o melhor. O projetista é Gordon Murray. Ele mesmo.

Precisa apresentações? Acho que não. O sul-africano, mago da F-1 nos anos 80, tem um currículo que inclui as Brabham campeãs com Piquet em 1981 e 1983, além do melhor McLaren de todos os tempos, o MP4/4 de 1988. Murray disse em entrevistas que nenhum carro que construiu na vida lhe deu mais orgulho que o OX. Ele pesa 1.700 kg, e pode carregar 1.800 kg. “A relação do custo por kg carregado quando comparado a uma Hilux é cinco vezes menor”, contou.

O OX é tão simples e tão feinho, que acaba sendo lindo. Tomara que dê certo, esse projeto, e que, realmente, ele se espalhe pelo mundo. Porque o mundo está precisando de simplicidade.

Perfil


Flavio Gomes é jornalista, dublê de piloto, escritor e professor de Jornalismo. Por atuar em jornais, revistas, rádio, TV e internet, se encaixa no perfil do que se convencionou chamar de multimídia. “Um multimídia de araque”, diz ele. “Porque no fundo eu faço a mesma coisa em todo lugar: falo e escrevo.” Sua carreira começou em 1982 no extinto jornal esportivo “Popular da Tarde”. Passou pela “Folha de S.Paulo”, revistas “Placar”, "Quatro Rodas Clássicos" e “ESPN”, rádios Cultura, USP, Jovem Pan, Bandeirantes, Eldorado-ESPN e Estadão ESPN — as duas últimas entre 2007 e 2012, quando a emissora foi extinta. Foi colunista e repórter do “Lance!” de 1997 a 2010. Sua agência Warm Up fez a cobertura do Mundial de F-1 para mais de 120 jornais entre 1995 e 2011. De maio de 2005 a setembro de 2013 foi comentarista, apresentador e repórter da ESPN Brasil, apresentador e repórter da Rádio ESPN e da programação esportiva da rádio Capital AM de São Paulo. Em janeiro de 2014 passou a ser comentarista, repórter e apresentador dos canais Fox Sports no Brasil, onde ficou até dezembro de 2020. Na internet, criou o site “Warm Up” em 1996, que passou a se chamar “Grande Prêmio” no final de 1999, quando iniciou parceria com o iG que terminou em 2012. Em março daquele ano, o site foi transferido para o portal MSN, da Microsoft, onde permaneceu até outubro de 2014. Na sequência, o "Grande Prêmio" passou a ser parceiro do UOL até maio de 2019, quando se uniu ao Terra por um ano para, depois, alçar voo solo. Em novembro de 2015, Gomes voltou ao rádio para apresentar o "Esporte de Primeira" na Transamérica, onde ficou até o início de março de 2016. Em 2005, publicou “O Boto do Reno” pela editora LetraDelta. No final do mesmo ano, colocou este blog no ar. Desde 1992, escreve o anuário "AutoMotor Esporte", editado pelo global Reginaldo Leme. Ganhou quatro vezes o Prêmio Aceesp nas categorias repórter e apresentador de rádio e melhor blog esportivo. Tem também um romance publicado, "Dois cigarros", pela Gulliver (2018), e o livro de crônicas "Gerd, der Trabi" (Gulliver, 2019). É torcedor da Portuguesa, daqueles de arquibancada, e quando fala de carros começa sempre por sua verdadeira paixão: os DKWs e Volkswagens de sua pequena coleção, além de outras coisinhas fabricadas no Leste Europeu. É com eles que roda pelas ruas de São Paulo e do Rio, para onde se mudou em junho de 2017. Nas pistas, pilotou de 2003 a 2008 o intrépido DKW #96, que tinha até fã-clube (o carro, não o piloto). Por fim, tem uma estranha obsessão por veículos soviéticos. “A Lada foi a melhor marca que já passou pelo Brasil”, garante. Por isso, trocou, nas pistas, o DKW por um Laika batizado pelos blogueiros de Meianov. O carrinho se aposentou temporariamente no início de 2015, dando o lugar a um moderníssimo Voyage 1989. Este, por sua vez, mudou de dono em 2019 para permitir a volta do Meianov à ativa no começo de 2020.
ASSINE O RSS

Categorias

Arquivos

TAGS MAIS USADAS

Facebook

DIÁRIO DO BLOG

setembro 2016
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930