MENU

quarta-feira, 29 de maio de 2019 - 0:32Enigmas & desafios

DESAFIO DO DIA

Quero ver quem adivinha que carro é esse e qual a sua história. Quase morro ao ver tanta beleza junta.

612676

20 comentários

  1. César disse:

    É um Studebaker Avanti com calotas do Plymouth Valiant 1973.

  2. Antonio Seabra disse:

    Um dos maiores clássicos norte americanos, desenho excêntrico e autentico, causou impacto desde o lançamento até os dias de hoje.
    Em 1962/63 eu tinha a 8-9 anos de idade, e fiquei impressionadíssimo com o Avanti.!!! Coloquei o carro entre os meus favoritos de então, junto com o Karmann Ghia, e o Alpine / Interlagos Berlineta. A adição seguinte a minha lista foi o Uirapuru (na época ainda protótipo, depois Brasinca 4200GT, e mais tarde Uirapuru de novo).
    Essa lista (dos meus favoritos) aumentou muito desde então….kkkk… mas os 4 carros citados nunca sairam dela !

    Parabéns aos leitores por alguns comentários bem completos.

  3. Nelson Pasini disse:

    Para quem quiser ver uma restauração do Avanti, segue o URL do Programa Fanton Works.
    https://youtu.be/twHp5OSrkVk

    Pasini

  4. andre disse:

    Carro horroroso !!! Carro bom é o ômega, o resto é lixo.
    Quero ver se vão ter coragem de publicar meu comentário ou vão me censurar.

  5. joao calango disse:

    É Stubaker Avanti 1963. É um veículo coupe de luxo pessoal fabricado e comercializado pela Studebaker Corporation entre junho de 1962 e dezembro de 1963.

    Desenhado pela Raymond Loewy & Associates
    Motor V8 4.7 L de 240 hp (179 kW)

    O Avanti foi desenvolvido sob a direção do presidente da Studebaker, Sherwood Egbert. “O tema de design do carro é o resultado de esboços que Egbert” rabiscou “em um vôo a oeste de Chicago 37 dias depois de se tornar presidente da Studebaker em fevereiro de 1961.” Projetado pela equipe de Tom Kellogg, Bob Andrews, de Raymond Loewy, e John Ebstein em um programa de colisão de 40 dias, o Avanti apresentava um corpo radical de fibra de vidro montado em um chassi conversível modificado Studebaker Lark Daytona de 109 polegadas e acionado por um motor 289 Hawk modificado.

    Em oito dias os estilistas terminaram um “modelo em escala de argila com dois lados diferentes: um esportivo de dois lugares, o outro um cupê GT de quatro lugares.” Tom Kellogg, um jovem estilista californiano contratado para este projeto por Loewy , “senti que deveria ser um cupê de quatro lugares”. “Loewy imaginou um cupê semi-fastback baixo-longo-longo-capuz-curto-deck com um nariz sem grade e uma curvatura vespa-quadrada aos para-choques traseiros, sugerindo uma aeronave supersônica. ”

    A forma complexa do corpo da Avanti “teria sido desafiadora e proibitivamente cara de construir aço” com a Studebaker optando por moldar os painéis externos em plástico reforçado com fibra de vidro (fibra de vidro), terceirizando o trabalho para Molded Fiberglass Body (MPG) Ashtabula, Ohio – a mesma empresa que construiu os painéis de fibra de vidro para o Chevrolet Corvette em 1953.

    A Avanti apresentava freios a disco dianteiros que eram unidades projetadas pela British Dunlop, feitas sob licença da Bendix, “o primeiro modelo de produção americano a oferecê-las”. Foi um dos primeiros projetos de respiro inferior, onde o ar entra por baixo da frente do veículo, em vez de através de uma grade convencional, uma característica de design muito mais comum após os anos 80. Um supercompressor Paxton foi oferecido como uma opção.

    O Avanti foi apresentado publicamente em 26 de abril de 1962, “simultaneamente no Salão Internacional do Automóvel de Nova York e na Assembléia Anual de Acionistas.” Rodger Ward, vencedor do Indianapolis 500 de 1962, recebeu um Studebaker Avanti parte de seu pacote de prêmios, “tornando-se assim o primeiro proprietário privado de um Avanti.” Um conversível Studebaker Lark foi o carro de ritmo de Indianápolis naquele ano e o Avanti foi nomeado carro de corrida honorário.

    Em dezembro de 1962, o Los Angeles Times relatou: “O lançamento de operações na própria fábrica de fibra de vidro da Studebaker aumenta a produção de Avantis.” Muitos problemas de produção relacionados ao fornecedor, adequação e acabamento resultaram em atrasos e cancelamentos de pedidos.

    Egbert planejava vender 20.000 Avantis em 1962, mas poderia construir apenas 1.200
    Após o fechamento da fábrica da Studebaker em 20 de dezembro de 1963, a Competition Press relatou: “A Avantis não será mais fabricada e contrária ao relatório de que há milhares de poeira nos armazéns de South Bend, a Studebaker tem apenas cinco Avantis. Os revendedores têm cerca de 2.500 e 1600 foram vendidos desde a sua introdução. “Isto contrastou com a Chevrolet que produziu 23,631 carros desportivos Corvette em 1963. De acordo com o livro My Father The Car escrito por Stu Chapman, responsável pelo setor de publicidade e relações públicas da Studebaker Corporation no Canadá, Studebaker considerou seriamente a reintrodução do Avanti nos showrooms da Studebaker em 1965/66 após a retomada da produção em 1965 por meio dos concessionários Studebaker-Packard. Newman e Altman.

    O nome Avanti, o ferramental e o espaço da fábrica foram vendidos para dois negociantes de South Bend, Indiana, Studebaker, Nate Altman e Leo Newman, o primeiro de uma sucessão de empresários a fabricar pequenos números de réplicas da Avanti e novos carros de design até 2006.

    A Avanti Owners Association International (AOAI) é uma associação ativa com quase 2.000 membros em todo o mundo e se reúne anualmente em várias cidades dos Estados Unidos e na Suíça. Os membros da organização sem fins lucrativos recebem a publicação trimestral “Avanti Magazine”, publicada desde a fundação da organização em 1965.

  6. WAGNER FLORENCIO disse:

    Studebaker Avanti – um cupê de luxo pessoal fabricado e comercializado pela Studebaker Corporation entre junho de 1962 e dezembro de 1963. O Avanti foi desenvolvido sob a direção do presidente da Studebaker, Sherwood Egbert . “O tema de design do carro é o resultado de esboços que Egbert” rabiscou “em um vôo de avião a oeste de Chicago 37 dias depois de se tornar presidente da Studebaker em fevereiro de 1961.” Projetado por Raymond Loewy equipe ‘s de Tom Kellogg, Bob Andrews e John Ebstein em um programa intensivo de 40 dias, o Avanti contou com um corpo de fibra de vidro radical montado em um modificado Studebaker Lark Daytona 109 polegadas chassis conversível e alimentado por um motor 289 Hawk modificado (4,7 l) 240 hp (179 kW) V8 (1963) .https://en.wikipedia.org/wiki/Studebaker_Avanti

  7. Atheops disse:

    Studebaker Avanti. Menos de 6 mil fabricados entre 1962 e 1963.
    É um cupê de luxo de quatro lugares e motor V8. Carroceria em fibra de vidro e freios dianteiros a disco. A entrada de ar na dianteira é bem baixa, um design incomum na época. Tem vários recordes em Bonneville Salt Flats.
    A Studebaker não conseguiu atender a demanda por diversos problemas, provavelmente pelas dificuldades financeiras em que se encontrava desde os anos 50. A empresa foi vendida aos poucos e parou de fabricar carros em 1966.

  8. Sergio Luis dos Santos disse:

    Bom, complementando, se não for o original pode ser uma das réplicas.

  9. Sergio Luis dos Santos disse:

    Studebaker Avanti.

  10. roberto eduardo santonini ceconello disse:

    Studebaker Avanti 1963.
    É tão feio que é bonito!
    Hahahahaha.

  11. Paulo F. disse:

    Studbaker Avanti, depois Avanti. Desenho de Raymond Loewy. Fabricado em aço, depois fibra de vidro até meados dos anos 1990. Motor v8 inicialmente Stud, depois GM , do Corvette. Tem quem chame de o Morgan norte-americano.
    Tá bom por hoje

  12. Rafael disse:

    Esse é um Studebaker Avanti. Desenhado pelo gigante Raymond Loewy, o carro logo chamou atenção por suas linhas complexas. Teve uma produção de 4743 unidades entre 1962 e 1964. Era equipado com um V8 de 4.7 litros e cambio manual de 4 marchas ou automático de 3 marchas. Feito em fibra de vidro, o carro bateu varios recordes de velocidade em Bonneville, chegando a impressionantes 273,2 km/h em uma das passagens. Enfrentando graves problemas financeiros desde o inicio da década, a Studebaker encerrou as atividades da fabrica de Indiana onde o Avanti era produzido em dezembro de 1963. Ainda foram montados 809 carros em 1964. Considerado um ícone do design e desempenho, modelos chegam a valer mais de 100.000 dólares nos Estados Unidos.

  13. Guilherme disse:

    A traseira lembra a do Chevetão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *