MENU

segunda-feira, 24 de junho de 2019 - 21:07F-1

SOBRE ONTEM DE MANHÃ

frad196

Jornal holandês: não precisa nem do tradutor do Google

RIO (tá bom) – A nova dobradinha da Mercedes no Mundial, sexta em oito corridas, deveria acionar algum tipo de sinal de alerta na Fórmula 1. Não é possível continuar como está.

O problema não reside unicamente na supremacia da equipe alemã. Não é a primeira vez que isso acontece. Na F-1 recente já testemunhamos uma McLaren dominante (fim dos anos 80), uma Williams imbatível (meados dos anos 90), uma Ferrari hegemônica (começo dos anos 2000) e uma Red Bull soberana (início da segunda década deste século).

O que sucede agora é que essa superioridade não pode ser interrompida por ninguém, ao contrário do que acontecia no passado senão com frequência, às vezes, pelo menos.

Antes, um bom engenheiro podia ter uma grande sacada aerodinâmica no meio de um campeonato e mudar o rumo da temporada, ou ao menos de algumas corridas. Já alegrava a galera.

Às vezes, uma fábrica era capaz de modificar seu motor rapidamente para ganhar alguns cavalos inesperados e virar um jogo que parecia perdido. Até mesmo a divertida guerra de fornecedores de pneus presenteava os fãs com possibilidades distintas de competição — tinha borracha que funcionava bem em Mônaco, mas era um desastre em Monza; ainda que na marra, isso fazia com que houvesse uma alternância de vencedores e disputas menos previsíveis.

Hoje, não.

Um intrincado e engessado regulamento limita as possibilidades de uma reviravolta de quem quer que seja. No meio de um campeonato, nem pensar. De um ano para o outro, dificilmente. Quase impossível.

A F-1 não oferece alternativas de crescimento para ninguém, neste modelo adotado com o início da era híbrida, em 2014. Suas regras escritas para durar anos praticamente congelaram as relações de forças. No ano que vem, completam-se sete temporadas nessa configuração, com uma coisinha ou outra modificada aqui e ali — uma asinha maior, outra menor, um defletorzinho aqui, uma aleta ali. Mas nada de mexer no essencial: os complicadíssimos e caríssimos motores híbridos.

Desde a adoção das tais unidades de potência, foram 108 GPs disputados na categoria. A Mercedes ganhou 82 deles (76%). Ferrari e Red Bull dividiram as migalhas que sobraram: 14 triunfos dos italianos (13%) e 12 dos rubro-taurinos (11%). Não é preciso dizer que os últimos cinco títulos mundiais de pilotos e construtores ficaram com os prateados, sendo quatro de Hamilton e um do Rosberg. Lewis será campeão neste ano de novo.

Quem aguenta tanta mesmice?

Não se trata, aqui, de punir a competência e dar uma canetada na Mercedes para acabar com sua força. Ela está de parabéns e o que fez, está feito. Palmas para ela que ela merece. Mas acho que nem a própria está gostando muito da situação da qual usufrui. O campeonato que a Mercedes disputa e ganha, hoje, desperta mais indiferença do que paixão. Mais raiva do que admiração. Seus carros, às vezes, nem aparecem nas transmissões da TV. Na inglória batalha para segurar a audiência de um espetáculo ruim, a turma que seleciona as imagens que chegam aos lares do distinto público vive à cata de disputas infames pelo 12º ou 16º lugar, atrás de trapalhadas nos boxes em pit stops, ou em busca de marmotas perdidas na pista e de garotinhos simpáticos de bochechas rosadas nas arquibancadas.

FRAD195

Bottas e Hamilton no pódio: mais uma dobradinha mercêdica

O próprio Hamilton admitiu que as corridas estão chatas e disse que a culpa não é dos pilotos, mas dos dirigentes que tomam decisões, “muitas vezes ruins”. Tem toda razão. É o menor dos culpados, o inglês. Caminha para se tornar o maior de todos os tempos tendo desfrutado como ninguém de um período longo de dominação de uma só equipe. Se é dele tal primazia, quem há de lhe tirar os méritos? Outros pilotos dividiram o mesmo teto com Hamilton e não foram capazes de fazer o mesmo. OK, foram só dois — Rosberg e Bottas. Mas ele engoliu ambos. Quando Nico conseguiu a façanha de batê-lo, pegou o boné e foi para casa.

A Fórmula 1 tem de entender que é preciso estancar essa sangria logo, em nome da própria sobrevivência. Hoje as pessoas têm muitas opções de entretenimento em suas telas, grandes ou pequenas, cada vez mais abertas para o mundo. A corrida está ruim, um toque no controle remoto ou uma arrastada no visor do celular mudam o programa na hora. Ficar parado olhando um desfile de belos carros de corrida por quase duas horas sem que um chegue perto do outro, ou sem que algo de importante/épico/inesquecível aconteça, é coisa de masoquista.

Feito o longo editorial, vamos ao rescaldinho da corridinha no circuitinho francesinho.

A FRASE DE PAUL RICARD

frad198

Disputa no fim: Ricciardo punido

“Prefiro tentar alguma coisa do que não fazer nada. Tenho certeza que o público francês gostou.”

Daniel Ricciardo, da Renault, que terminou a prova em sétimo mas levou duas punições de 5s na última volta e caiu para 11º. Uma por voltar à pista perigosamente numa disputa com Lando Norris e outra por ultrapassar Kimi Raikkonen por fora dos limites da pista.

frad199

Ao lado, a leitura do GP pela pena do nosso cartunista oficial Marcelo Masili: uma comissão de pilotos se explicando ao desenhista, que já não aguenta mais fazer charges monotemáticas.

E ele tem motivos de sobra para estar de saco cheio. Cansa. Vejam só. Além dos preocupantes dados que mencionei lá em cima, sobre a predominância da Mercedes desde 2014, há alguns outros números só desta temporada que mostram bem o brejo em que a F-1 se meteu. A saber:

– A Mercedes tem 338 pontos conquistados Mundial de Construtores. Os sete times classificados de quarto a décimo, juntos, somam 143. Menos que a metade.

– Hamilton lidera o Mundial de Pilotos com 187 pontos. O total de pontos marcados por 12 pilotos entre o sexto colocado, Gasly, e o 17º, Grosjean, é de 180.

– A Mercedes chegou a dez vitórias seguidas com o resultado de Paul Ricard — oito neste ano mais as duas últimas de 2018. Com mais uma, iguala o recorde de 11 consecutivas obtidas pela McLaren em 1988.

Números, números… Até chegarmos ao…

NÚMERO DA FRANÇA

frad194…GPs nos pontos completou Hamilton em Paul Ricard. Como foram 237 corridas disputadas, a taxa de pontuação do inglês chega a 84,4%. Não dá para reclamar muito de um piloto assim. Com a vitória na França, ele chegou a 79 na carreira.

Foi bem  difícil, depois de uma corrida tão ruim, encontrar uma ou outra coisinha positiva para entrar no famosíssimo “Gostamos & Não gostamos”, que tanto sucesso faz neste blog há anos.

Fiz um esforço hercúleo e, confesso, vou perpetrar uma picaretagem apenas para registrar um dado curioso. Mas é picaretagem mesmo.

GOSTAMOS – Do décimo lugar de Pierre Gasly (mentira). Afinal, ele se tornou, com as punições a Ricciardo, o primeiro francês a pontuar em casa desde 2003, quando Olivier Panis terminou a corrida de Magny-Cours na oitava colocação (e daí?).

NÃO GOSTAMOS – Da Haas, que segundo seu chefe Günther Steiner teve “o pior fim de semana de sua história”, em Paul Ricard. “Foi uma merda”, resumiu.

Na verdade, até que gostamos da sinceridade do chefe da equipe americana — que, apesar do nome germânico, é italiano. Mas, como disse, hoje fui obrigado a algumas ginásticas verbais para cumprir as metas do dia. Espero não ter melindrado ninguém. E que ninguém tenha se achado tonto por isso. Se foi o caso, peço escusas.

103 comentários

  1. Brabham-5 disse:

    Só quero acrescentar que Hamilton não perdeu só um titulo para um companheiro de equipe, quando sua equipe tinha o melhor equipamento. Não foi só uma vez, só na Mercedes.
    Aconteceu na McLaren também, com Jenson Button.
    E vale lembrar que Alonso ficou uma ano na McLaren e saiu. Talvez se tivesse ficado mais tempo poderia ter conquistado um titulo em cima de Hamilton também, quem sabe?
    Convenhamos tanto Button quanto Rosberg estão longe da lista dos 10 ou 15 maiores campeões/pilotos (mais talentosos) de todos os tempos da F1.
    Por isso, Hamilton, na minha opinião, não será o maior/melhor de todos os tempos.
    Será sim, o próximo maior (mais vezes) vencedor de corridas e campeonatos (se passar Schumacher), se nada mudar nos próximos 3 anos.
    Hamilton é grande piloto. O maior de todos os tempos? Não acredito.
    Mas certamente é UM DOS maiores de todos os tempos.
    Pilotando o carro de F1 mais perfeito de todos os tempos.
    O carro da Mercedes. Esse sim é o caso de ser considerado “MAIOR DE TODOS OS TEMPOS”.

  2. ms disse:

    um piloto fodástico como hamilton numa equipe fodástica como a mercedez só podia dar nisso……domínio total…..tá tudo dominado e não tem pra mais ninguém…..pra hamilton chegar em Schumacher e ultrapassá-lo no numero de campeonatos conquistados é só uma questão de tempo……e se todos estamos enfastiados com toda essa monotonia imaginem o tédio de hamilton correndo de cara pro vento sem ter um adversário a sua altura e sabendo que é só uma questão de tempo largar e ultrapassar a linha de chegada como vencedor….. deve ser um tédio….

  3. Emerson disse:

    A fórmula 1 ja foi espetáculo grandes duelos porém só existem duelos entre 2 equipes as outras coadjuvante e fica aquele sentimento de rotina e falta de competividade. Tá na hora de limitar desenvolvimento retirar a era turbo peças e limitar se a um motor de 900 cavalos , entrada de novos pneus , 2 ou mais, todos utilizarem o mesmo padrão da Mercedes o mesmo software a Centralina e câmbio. Os chassis iguais e que vença a melhor equipe e piloto sem essa de Hamilton o melhor de todos os tempos respeitem Schumacher ele tem 7 títulos.

    • McLaren-12 disse:

      Você estava indo bem, mas no final cagou tudo.

      Schumacher ganhou 5 títulos pela equipe dominante desses 5 anos.

      #fail

      • Brabham-5 disse:

        Só que para ter 5 anos de dominância na Ferrari, Schumacher ralou muito no desenvolvimento do carro. E viu Haikkonen vencer com a rival McLaren.
        Já Hamilton só foi campeão de carros prontos na Mercedes. Na McLaren, a mesma coisa. Quando a McLaren precisava de mais trabalho quando a RBR passou a dominar, Hamilton saiu da equipe.
        Ter a opinião que Schumacher ainda é o mais vencedor e maior campeão com 7 titulos (dois deles com a BENETTON), deveria receber mais respeito.

      • Micromax disse:

        Respeito é conquistado, não imposto! E não acho que o alemão receba respeito só porque é o mais vitorioso da Categoria.

      • Vai Vettel! disse:

        Essa viuvinha só fala besteirol!

  4. Eduardo_SC disse:

    Estou jogando Gran Turismo no PS4 e por acaso tem uma Mercedes W18 para pilotar. Que carro mais perfeito de chato! São oito marchas para cima e a operação de redução é extenuante. Tem um outro carro que se chama F – 1500 baseado nos f1 dos anos 80. São somente 5 marchas num carro muito complicado de guiar. Mas aí está a chave para a virada da emoção.

  5. Luis Felipe disse:

    Não vejo problema nenhum em a FIA dar uma canetada e mudar drasticamente o atual cenário da F1. Já fizerem isso várias e várias vezes ao longo da história da categoria. A Mercedes, por óbvio, vai chiar. Mas e daí? Como bem escrito pelo escriba-mor deste blog, até para a equipe alemã a coisa está ficando um tanto estranha. É uma campeonato de um carro só e de um piloto só, no caso Lewis Hamilton, é claro.
    Não saberia dizer que modelo de regras a F1 deveria adotar. A indústria automotiva como um todo será, e já está sendo, totalmente eletrificada. Motores à combustão serão banidos em boa parte do mundo e a F1, que sempre foi um referencial para esta indústria no desenvolvimento de novas tecnologias, parece perdida nesta nova era que há por vir. Mas, de novo, e daí? O que os fãs querem é disputa, emoção, um campeonato em suma.
    Desse jeito, a coisa vai para o brejo mesmo.

  6. joao calango disse:

    Bom, uma coisa que a Formula 1 poderia mudar, seria deixar que as equipes pudessem melhorar os carros, exceto as equipes líderes do campeonato. Passando as três corridas iniciais, as equipes da 2ª posição, 3ª e 4ª no campeonato podem mexer no motor, por exemplo, como aumentar as rotações ou na relação de marchas. Assim a diferença entre os líderes diminui ou teríamos uma maior disputa nas próximas corridas.

  7. CRSJ disse:

    Dava mesmo pra tirar um cochilo durante a corrida da França que basicamente pouco se alterou.
    Mais um penalizado que foi o Daniel Ricciardo, aliás duas vezes penalizado em cinco segundos, ele foi o que mais ousou em ultrapassar.
    O Bottas falou que o Hamilton não é imbatível, é verdade, mas só que o Hamilton é o dono da situação na Mercedes, e o Toto Wolff aposta mais Um Milhão de Dólares nele.
    A Ferrari agora já era, só vai ficar na base das sobras, e só vence se Deus for italiano. Pierre Gasly pontuou levando um ponto do décimo lugar através das duas penalidades do Ricciardo, colocando a França dentro dos pontos na França depois de anos, pra ele foi melhor uma historinha dessa do que nada em casa.
    Tem mais três equipes no mesmo nível ruim da Haas Ferrari, ela não está sozinha!

  8. kalil01 disse:

    aproveitando o boreste:
    gp brasil f1 em 2021 – rio ou sp? bozzo ou dória? deodorov ou interlaken?
    bem
    no ritmo da mesmice e chatura,
    pode ser q nem tenha mais f1 em 2021…
    que venham rolimãs! patinetes!
    e se fosse rodizio?
    anos pares: indy sp, f1 rj
    anos impares: vice versa
    endurance internacional tbem precisa voltar
    assim como lojas de ladas, alfas, mazdas, lancias, skodas

  9. Fernando disse:

    Em contra partida a corrida da Indy foi um espetáculo, falando nisso, a Indy anda um pouco esquecida nesse blog, não?

  10. roxxonvaldez disse:

    .Deviam dar uma canetada no regulamento, da metade do campeonato prá frente os pilotos da mercedes deveriam correr com o carro da williams e vice-versa. Ou então as corridas começando as 10 e 10 minutos por exemplo os outros carros sairiam 10 minutos antes e só depois arrancariam os carros da mercedes.

  11. Leo disse:

    Pra essa corrida ter sido chata, ela teria que ter sido muito melhor.

  12. fredy disse:

    Será mesmo que a culpa é do regulamento que não permite uma reviravolta mirabolante? Para responder a essa pergunta acho que seria válido apurar e publicar o orçamento das equipes de F1. Tenho uma leve impressão de que os times mais ricos andam na frente.
    Na minha opinião, qualquer mudança na competitividade da f1 passa por uma limitação orçamentária. Estabelecer multas para quem ultrapassar tais limites e usar o dinheiro arrecadado para financiar testes para as equipes que se mantiverem dentro dos valores estipulados. Parece simples não? Infelizmente nada é simples nesse mundo da F1.

  13. Douglas Negreiros disse:

    Gosto muito de F1, por mim podia ser igual futebol,todo domingo. Mas com essas regras, o que me deixava feliz(que era mais de 18 corridas por ano) me deixa irritado. Gomes vc acha,como eu,que a F1 ficaria melhor com 10 13 GP com essas pistas de hj se alternando por temporada( ex:Brasil esse ano sim,2020 não)? Podia até deixar umas 3 fixas.

  14. Zuza disse:

    Peço escusas kkkk. Você é demais Flavio sou seu fã (principalmente politicamente) um abraço…

  15. Junior disse:

    Acompanho a Fórmula 1 desde os anos 70. Já vi muita coisa na categoria: ausência de pilotos brasileiros, morte do Senna, predomínio do Schumacher, seca de vitórias do Brasil e o reinado da Mercedes. Nada disso me desanimou, continuei a acordar cedo no domingo e a ir dormir na madrugada do sábado para assistir todas as provas. Mas esse ano está complicado, não consigo mais assistir uma corrida inteira, vejo quatro ou cinco voltas e vou fazer outra coisa. Sei que minha ausência não faz diferença alguma para a Fórmula 1, mas imagino quantas pessoas no mundo estão fazendo o mesmo que eu e deixando de acompanhar a categoria.

  16. tevez disse:

    Isso mesmo…E BROXANTE.
    Assisto F1 desde 75 e nunca vi uma porcaria como esta.
    Bora voltar pro cambio manual pra ver errar marcha e expludir motor, bora cortar trocas de pneus e reabastecimento, hibrido e asexuado nao gosto.
    A respeito de politica nem adianta cornetar aqui, cada um pensa e diz o que quer.
    ele e avermelhado eu sou coxinha, que muda isso no automobilismo que é por isso que estamos aqui?

  17. Paulo Fonseca disse:

    Prezado F&G :Passeio de Hamilton, acabou a temporada de 2019,GP da França, pista incrível, mais foi um autorama das Mercedes-Benz. Max foi exato. nota 7, Leclerc -8, Bottas -5, Vetel 9 (pela última volta, melhor da corrida Daniel Riccardo -10, pior da corrida punição aplica contra o piloto ( D.Riccardo) e regulamento engessado da F-1.
    Fato interessante recuperação das equipes Maclaren e Renault .
    Obs:* destaque você esta absolutamente certo , o regulamento é o fim da F-1, grid com só vinte carros, digo dezoito, dois são de rolimã ( Willians).
    FG: seu prognostico foi correto fim da temporada de 2019. * Você ganhou a aposta uma Pizza (Vixie Pizza no Rio de Janeiro-RJ, com catchup que horror……)

  18. CHAGAS disse:

    Olha os jornalistas são formadores de opinião, na maioria das vezes com argumentos fortes e aceitáveis.
    Mas dizer que o GP da França foi monótono….. é o fim da picada, e a maioria dos comentários também seguem a analise do blogueiro.
    O GP foi bom. Teve um pequeno drama na última volta entre Bottas/Leclerc, teve briga nas Willians e nas Toro Rosso, teve 4 carros dividindo curva na última volta, teve Mac Laren com Sainz e Red Bull com Verstappen tirando tudo do carro, teve Ricciardo fazendo nem sei quantas ultrapassagens, Vettel conquistando ponto extra no fim.
    Todos queríamos uma Ferrari mais forte e um Bottas mais combativo porém só porque já temos um campeão não quer dizer que as corridas serão ruins.

    • Alfredinho disse:

      Pequeno drama entre Bottas e Leclerc? Briga nas Williams? Ricciardo passando por onde não devia? Vettel fazendo volta rápida porque botou pneus 0 Km?
      Bottas combativo em relação ao segundo piloto de uma Ferrari forte?
      Só porque já temos um campeão, as corridas vão ser boas?

  19. Pedro Medrada disse:

    Quem critica é pq nao entendeu o espirito do texto. O que ele quis dizer é que do jeito que fizeram o regulamento ( congelado ) não há esperança que isso mude por um longo período de tempo ( apesar de 2021 com o seu novo regulamento). Antigamente existiam domínios mas a concorrência tinha meios para correr atrás, já hoje………..

    • Renato F1 disse:

      Mas, aí, Pedro, a culpa é do próprio regulamento. Antigamente, uma equipe que estivesse em desvantagem poderia testar noite e dia na busca da recuperação e igualar o carro com uma equipe rival. Não se limitava consumo de combustível, de pneus, de motor, de peças e de equipamentos, era um motor para a classificação e outro para a prova, etc. Tudo isto mudou porque ficou muito caro de fazer quase 50 motores por piloto a cada ano (a Fórmula 1 tem mais de 20 provas por ano). Aí, o mundo passou por uma alta de combustíveis e a Fórmula-1, para tentar reduzir os custos, foi reduzindo o número de válvulas (V12, V10, V8 e os atuais V6), a cilindrada do motor, limitou consumo, implantou a recuperação de energia e um único fornecedor de pneus, etc. Então, na busca de baratear a categoria, acabaram por levá-la para este caminho.

      Agora, fica a dúvida: como reduzir os custos da categoria e aumentar a competitividade? Por exemplo, a Mercedes tem o melhor motor da categoria desde a era híbrida. Ao se mudar o motor, as posições de cada fabricante podem ser embaralhadas. Mas, em relação ao custo de desenvolvimento de um novo motor (ou nova unidade de potência), não conta? Se uma equipe tem problemas em determinados circuitos (tipo circuitos travados), pode testar indefinidamente até encontrar a solução do problema?

      • Vai Vettel! disse:

        Ih, o chato do blog voltou!

      • Renato F1 disse:

        Prezado Vai Vettel

        Fiz argumentações técnicas. Mesmo sendo torcedor da Mercedes, não fiz ponderações ufanistas. Agora, diga-me, por favor, aonde está a chatice em argumentar e tentar encontrar uma solução para a melhora da disputa na categoria? Ou o senhor prefere o domínio da Mercedes e não quer admitir?

        É com um comentário tipo este que o Brasil elegeu um monte de porcarias como representantes. O povo não quer (e não sabe) discutir ideias; sabe, somente, atacar as pessoas. Uma discussão que não leva a nada.

      • Vai Vettel! disse:

        Você é político?

  20. Acarlos disse:

    Tá uma merda mesmo. Além do domínio da MB temos regras estúpidas que matam a competitividade e pistas sem graça. Pra mim é irreversível, fiquemos com a Formula E e a Moto GP.

  21. Leandro Batista disse:

    E no mesmo dia teve uma puta corrida da Indy num dos melhores circuitos desse planeta: Road America.

  22. Leandro Batista disse:

    O Lito Cavalcanti escreveu uma puta coluna sobre esse mesmo tema. Todo mundo que manja e gosta da F1 está tocando a mesma música. Ou a F1 muda, volta a simplicidade onde mais de uma equipe consiga desenvolver um carro competitivo, ou encara a morte lenta que já está em andamento. Se necessário for, mandem às favas as equipes grandes que lutam para manter as coisas como estão. Do jeito que está, o interesse só vai cair.

  23. jader disse:

    A diminuição/limitação dos testes em pistas contribui muito para a estagnação também. Eles tomaram essa atitude pra diminuir os custos, mas reduzindo custos, reduziram também a chance de melhorar o carro. Tá tudo engessado demais.

    Não sei se conseguirão mudar algo se não liberar o limite de custos, testes ou colocar uma empresa só pra construir os carros, algo como ocorre na F-Indy, mas acho que jamais a F1 irá aceitar isso, porque seria como “rebaixar” o seu status.

  24. mario aquino disse:

    Do jeito que está o espetáculo isto vai fechar, não haverá tempo para o Bozo fazer a corrida dele. Quando começo assistir pego no sono.

  25. Luciano disse:

    Não sei os dados das hegemonias do passado, mas os alemães estão massacrando a concorrência da era híbrida. Desse jeito, só se congelarem as atualizações da equipe que tiver liderando o campeonato.

  26. Sanzio disse:

    Estava no Zezinho Magalhães na hora da corrida, assistindo o XV de Jaú jogar.
    Assisti as 10 primeiras voltas da corrida pelo celular, mas depois parei porque iria estourar os dados do 3G. Dava uma sapeada a cada 10 minutos para ver como estava e a impressão que me dava era que eu tinha paralisado e continuava assistindo de onde parei.
    A corrida deve ter sido um porre, mesmo…

  27. Plinio disse:

    Uma questão central que há anos é comentada é a disparidade orçamentária entre as equipes. Entra regulamento, sai regulamento e a F1 continua com duas ou, no máximo, três equipes com orçamentos muito superiores às demais. Quando um grande piloto senta em um grande carro (sem um companheiro duríssimo) a chance de domínio é alta. Schumacher enfileirou títulos pela Ferrari, Vettel pela RBR e agora Hamilton pela Mercedes. O Senna ou o Prost teriam enfileirado títulos pela Mclaren não estivessem se degladiando. Esses domínios coincidem, justamente, com o período onde a confiabilidade dos carros aumentou muito. Um dos fatores de imprevisibilidade na F1 do passado eram as quebras. Junto a isso tem-se as restrições de regulamento que sacramentaram esse cenário. Mas a pergunta que fica é: como flexibilizar o regulamento sem aumentar os custos? Um teto orçamentário? As gigantes (especialmente Ferrari por conta dos privilégios históricos) se negam a isso. A maioria das outras equipes, mesmo que se flexibilize as regras, sem uma limitação orçamentária não conseguirão investir com tanto ímpeto para chegarem nas gigantes. É tenso. De toda forma o cenário vencedor não teria como sair de Mercedes, Ferrari e RBR que, curiosamente, implementaram os três últimos domínios acachapantes da F1. Pra piorar isso, as equipes dão graças a Deus quando tem um piloto pra vencer (hoje o Hamilton) e outro pra manter o título de construtores (Bottas). As equipes não querem mais um Senna e Prost ou um Alonso e Hamilton. A própria Mercedes deve achar mais fácil hoje com o Bottas do que era com Rosberg. Mesmo que o Hamilton fosse considerado naturalmente mais talentoso, o Rosberg dava uma canseira danada porque estava sempre perto e aproveitava muitas oportunidades. Em suma, pela gênese da F1 e a forma como se consolidou não é fácil encontrar soluções.

  28. Mônica disse:

    Eu gostei de ver o meu gatão chegando em sétimo pela segunda vez este ano. Sete é o número do carro dele e o número da sorte.

    Eu amo o meu gatão!

  29. PRNDSL disse:

    Na minha humilde opinião, poderiam começar a mudar pelo dinheiro. Por exemplo: do dinheiro a ser distribuído para as equipes 70% deveria ser igualitário (7% para cada); mais 15% ´para a 1ª 10% para a 2ª e 5% para a 3º

  30. Mauricio Rocha disse:

    Muito bom e verdadeiro. Acho que faltou falar do circuito. Oh coisa feia aquelas listas vermelhas e azuis além do traçado que não ajuda em nada. A propósito quais circuitos bons temos este ano??? SPA, Monza, Interlagos…..aqueles circuitos faraônicos também são chatos pacas.

  31. Flavio padilha disse:

    Saudações ! assisti ao FOX Nitro hoje cedinho ( gravei ) e vocês estavam extasiados como nunca essa hegemonia tivesse existido. Eu chamo essa fase de ” Maldição do Sportv” que em 2008 reuniu num programa na véspera da corrida de Interlagos, dezenas de pilotos e a pauta era : joguem o Hamilton para fora na primeira curva para Massa ganhar. Como tudo deu errado, passei a admirar mais ainda L Hamilton pela sua história de vida, sua admiração pelo Senna e a partir daí, os narradores da Globo começaram uma implacável perseguição ao garoto por pelo menos 10 anos seguidos, “errou”, “tinha que ser o Hamilton”, ” falta maturidade, mesmo ele sendo campeão, bi, tri, tetra, penta e agora, caminhando rumo ao hepta e o brasileiro ficou com essa raiva doe um piloto espetacular. Ontem tentando achar este programa, achei aquela entrevista em que você comandava junto ao Schumacher e o pessoal do Pânico entregou uma tartaruga. Sensacional! abs

    • Alfredinho disse:

      Esqueceu de citar o gato preto que o pessoal do Pânico deu para Hamilton na véspera da decisão e o inglês aceitou. Os doadores riram muito do piloto, mas não sabiam que gato preto na Inglaterra é sinal de sorte (dito pelo próprio após a corrida). Não deu outra: Hamilton campeão!

  32. Fabiano Regra disse:

    “A F-1 não oferece alternativas de crescimento para ninguém, neste modelo adotado com o início da era híbrida, em 2014. Suas regras escritas para durar anos praticamente congelaram as relações de forças” Desculpa Gomes, mas a estabilidade das regras é o melhor que se pode fazer para garantir competição, como você mesmo disse, este regulamento tem praticamente sete anos… e não tem ninguém com competência para fazer um carro equivalente ao da Mercedes? O que acontece hoje não é culpa da Mercedes, nem mérito dela… é incompetência de todo o resto. Se a F1 criar o caos, vai unicamente premiar os incompetentes, foder com os dedicados e deixar os vagabundos obterem sucesso que não merecem. Quem não gosta do que vê, vá assistir outra coisa, é justo… Sempre terá público batendo palmas para o dominante e assistindo a desgraça e humilhação dos incompetentes, afinal F1 é um circo mesmo… E a Mercedes está bem feliz em ganhar de lavada de todo mundo sim, não tenha dúvidas disso.

  33. Luciano disse:

    Não da pra esconder, vcs jornalistas são bem retratistas, e é tem.uma complacência com o Vettel que enoja. Gozado, queria ver se Lewis Hamilton fosse brasileiro e já alçado à condição de new herói nacional, se a turma que escreve e comenta estaria tão inconformada assim. Não entendo a reclamação de vcs em relação ao domínio da Mercedes se hoje a Ferrari, nesses 6 anos de era híbrida, tem o melhor motor. Que culpa tem.a Mercedes e Hamilton se são os melhores e mais competentes e a Ferrari não consegue superar tecnicamente os compwtentissimos alemães. Isso sem contar que Vettel e o mais italiano dos alemães que já vi. Erra muito, levou um no psicológico do inglês. Engraçado como.a mídia brasileira adora detonar o Alonso, mas esse sim tirou leite de pedra com.uma Ferrari inferior. Como o Vettel e protegido, se fosse o Alonso vcs não teriam essa complacência toda.

  34. kalil01 disse:

    e quando a dkw dominava lemans?
    tbem era chato ‘bagaray’?
    agora são os corollas – tá chato pela falta de competição efetiva

  35. emerson57 disse:

    Calma, Flavio.
    Em 2021 vai melhorar quando for disputado na ex-phutura pista de Deodoro que o bolço vai mandar construir.
    Koisa de loco!
    Vai ter passeio de helicóptero com a opção de tiro ao público (patrocínio Witzel), o xefe dos comi$$ários será çejumoro, e o tribunal de apelações exportivas será o Supremo de Phrango.
    ZZ supimpa: https://youtu.be/Hc4Quk9_2U8?list=PLxdssidp8egAErizG1GoKVZjaj5ZMxwEd

  36. RAFAEL PIQUEIRA CHININI disse:

    só discordo de uma coisa:
    “Ficar parado olhando um desfile de belos carros de corrida”

    BELOS ONDE? os carros desse ano estão HORRÍVEIS!

  37. Antonio disse:

    Não sei o que poderia ser feito.
    Talvez cortar uma perna do Hamilton, colocar lastro de peso na Mercedes.
    O Vettel poderia começar com 10 pontos em todas as corridas.
    Uma coisa que seria legal seria fazer rodízio de pilotos.
    O que fazer para deter Hamilton ?

  38. Comentarista Crítico disse:

    A F1 tá uma bela duma merda. Seus dirigentes estão vendo a merda e nada fazem pra mudar. Desse jeito merece e muito, afundar na audiência. E Flávio, viu as notícias sobre a corrida no Rio? Será mais uma bola fora dessa Liberty se acontecer. Vão colocar a F1 do lado de umas das favelas mais perigosas que existe.

  39. Mansell disse:

    Hamilton está prestes a assumiu o posto de melhor piloto de todos os tempos, questão de tempo, o alemão será segundão.

  40. Luis Felipe disse:

    É…. Flávio deve ser racista e odeia o Hamilton, pois suspeita que ele é Bolsominion … Sem contar que mantém declarada paixão pela Audi e, em sendo assim, nao aceita por nada nessa vida o predomínio da estrela de 3 pontas ..
    Só pode ……pra nego falar tanta besteira

    • ed disse:

      Achei o seu comentário bem racista. Afinal eu sou obrigado a torcer, ou concordar por causa da cor de pele? Eu sinceramente não gosto do HAmilton, prefiro o VEttel, me identifico mais. Sou racista? Venho notando algum tempo, alguns fãs tendo predileção do HAmilton por ser negro. em detrimento do esporte, F1, disputas, corridas etc. Isso é racismo certo. Eu acho que o que todos nós queremos é nos divertir um pouco, sem um provar nada para o outro. Assim entendo e concordo com o texto. Esporte, não é empodeiramento de raça, ou diferença física.

      • CHAGAS disse:

        Gosto de F1, torço para brasileiros e na ausência deles estou torcendo para o Bottas, mas também gosto de pilotos com talento.
        Dessa forma admiro tanto Hamilton como Vettel, que são excelentes pilotos, porém pode ter certeza que a maioria que torce para Hamilton, o faz porque o cara pilota demais e não por conta da cor da pele.

    • Sérgio Troncoso disse:

      Vc é um cara chato, argumenta fraquinho, só para provocar e nem se dá conta que enquanto insinua racismo, termina com a frase: -“nego” fala tanta besteira.

  41. Robertom disse:

    A corrida realmente foi muito ruim, mas não acho que tenha sido a pior.
    É facil lembrar de pelo menos meia dúzia de provas de F1 piores…
    A transmissão “global” contribui para piorar as coisas, a grande pisada na bola foi não mostrar a briga e as ultrapassagens na última volta entre Norris, Ricciardo, Raikkonen e Hulkenberg, para exibir a “Imagem da Corrida”, imperdoável….
    Quanto ao narrador, o Cleber Machado é fraco para narrar coridas, mas pelo menos não é irritante como o Papagaio Esquizofrênico (GB).

    • Alfredo Aguiar disse:

      “De boas” bro. Eu vivo fora do Brasil, não assisto pela globo, e aqui a corrida também foi uma merda. A não ser que tenha melhorado muito, muito, depois da 8a, 10a volta, quando voltei a dormir embalado pelo carrossel de Paul Ricard.

  42. Jonny'O disse:

    Está dando desespero ver os cartolas tão paradões , serão eles competentes?

    Lembro que quando era bem mais novo , mesmo uma corrida ruim, você ainda poderia dar olhos a outros detalhes agradáveis , a beleza dos carros e ou a interessante pista , a coisa era agradável de de se ver , existia paixão!!! Agora os carros são feios , à 10 anos eles estavam poluídos de aletas ,mas no fundo ainda que uma certa mesmice no designer , eram bonitos ,agradáveis , a mudança em 2009 para aquelas asas gigantes a frente e o spoiler traseiro alto e estreito iniciou a feiura na F1 a meu ver.

    E o pior é que os dodos do brinquedo estão lentos, poderiam usar até mesmo categorias de base pra fazer testes em regulamentos , ou mesmo contratar um time para testar mudanças , sei lá, atitude enfim.

    Mas no horizonte atualmente ……

  43. Tech49 disse:

    VC ESTA SEM CREDIBILIDADE!!!!!!!!!!!

  44. Ricardo Bigliazzi disse:

    Tudo dito Flavio, a grande questão são os motores.

    Obs.: Para azar do resto alem dos motores a Mercedes parece ter o melhor carro do grid. Tudo isso na mão do Hamilton é a receita certa para um Campeonato com poucas emoções.

  45. Boca disse:

    FG tá meio zangado porque os recordes do seu ídolo alemão estão prestes a serem batidos, e não será pelo seu outro ídolo alemão.

    Quando eram os vermelhos no começo deste século, tudo era uma maravilha.

    • Flavio Gomes disse:

      O que será que eu fiz para ter leitores babacas como esse aí?

      • Segafredo disse:

        Vc não sabe?……..eu digo:

        Pra vc, pau que dá em Chico não bate em Francisco!

      • Flavio Gomes disse:

        Sai, assombração.

      • Boca disse:

        Magoei!

        Em nenhum momento eu o ofendi. E fui chamado de Babaca por fazer um comentário.

        Apesar disso, não o acho Babaca.
        Uma boa semana pra você!

      • Fernando disse:

        Não leve em consideração meu caro Boca. Outro dia o
        Flavio decidiu que eu era o cara mais chato do mundo, e agora repete 90% das bobagens chatas que eu escrevi… Ele escreve um milhão de vezes melhor do que todos nós juntos, mas as vezes prefere ser apenas escroto. Deve ser o enorme falhanço do piloto tedesco, que ele tanto admira, a esquentar demais sua cabeça. Convém lembrar que Vettel andou jogando fora campeonatos em pleno domínio “total” da Mercedes. Boa semana para todos. Ah, o Flavio não é babaca, nem chato, muito menos eu.

    • Segafredo disse:

      O Blog existe há bastante tempo, e durante o domínio da Ferrari(2000-2004) e RBR(2010-2013) não lembro do interlocutor postar reclamações daquelas hegemonias, mas claro, isso o Flávio nunca vai admitir.

      Sinceramente, eu espero e torço que, para aqueles que julgam Schumacher ou Vettel como grandes pilotos, esse domínio do Hamilton dure pelo menos mais uns 2 anos. É a geração que cresceu achando que Schumacher foi o melhor piloto que existiu só porque ganhou um monte de títulos e vitórias absolutamentes sem adversários e passando por episódios ridículos em todos os anos que pilotou, eu disse “todos”…..tudo de forma enfadonha e quando perdeu as disputas como nos casos de 96,97,98,99,2005 e 2006 era porque seu carro não era o melhor disparado. Vettel veio na mesma cepa, um piloto mimado e protegido que conseguiu 4 títulos sentando a bunda num foguete e ainda assim perdia corridas pro Webber e Alonso!

      Pra vcs que vêem algum mérito na carreira destes dois pilotos fabricados e farsantes, digo o seguinte: Vão sofrer com o Hamilton até 2021, hehe!

      E ainda esse pessoal tem a coragem de querer comparar essas hegemonias com a fase da Mclaren de 88 à 91, quando todos sabem que sempre houve muita disputa de gigantes entre Prost-Senna-Mansell, sempre com igualdade de equipamento sendo que em 1991 inclusive a Renault tinha um equipamento melhor que a Mclaren. Não vomitem asneiras pelo amor de Deus suas schukruzetes!

      • Flavio Gomes disse:

        Cada mala que me segue, pelamor…

      • Rodrigo Lamonato disse:

        Viúva detected.

      • Comentarista Crítico disse:

        Malafredo, você até convence quando fala do Vettel. Pois eu fui um dos que me desiludi e muito com o Bastião. Agora, quando resolve falar do Schumi é puro lunatismo e incoerência. Podem contestar o caráter do cara. Podem reclamar do estilo do cara de passar pelo box. Agora, questionar o talento do cara é dose. O cara era muito foda. Foi talvez o melhor piloto de todos em ritmo de corrida e seu herdeiro não chegou aos seus pés.

      • Paulo disse:

        O tempo faz as coisas parecerem românticas.. as disputas de Senna x Prost em 1988 e 1989 não foram tão diferentes das do Hamilton e Rosberg em 2014 e 2016.

        Em 1991 a Mclaren venceu as 4 primeiras seguidas e depois a Williams comandou, ele só foi tri porque o Mansell apesar de rápido era estabanado, em 1992 todos viram o que houve..

        O ponto é, mesmo nos anos de hegemonia, ainda havia alguma imprevisibilidade, em 2002 por exemplo, a WIlliams emendava poles em sequencia com o Montoya, mesmo a Ferrari tendo o Schumacher e um carro fantastico.. havia uma disputa ao menos, ao nivel do ano passado e retrasado. Agora não. A Ferrari está morta, a Red Bull não ameaça.. e o Bottas é com muita boa vontade um bom piloto e só.

      • MANOEL CÂNDIDO disse:

        Carrisimo SEGAFREDO, boa tarde!
        Eu também sou um que acredita que o Alemão até aqui tenha sido o melhor de todos os tempos, mas acredito que o Hamilton já o superou. Entendo dessa forma pelo simples fato do Alemão ter sido nota 1o em nada, mas em tudo ele simplesmente era 8,5 (correção na canalhice ele era 10). Para exemplificar, na epoca do seu idolo Senna, que era realmente um grande piloto e realmente tinha grandes concorrentes, era muito facil destacar que um era melhor, na chuva e não tão bom em arrojo, ou outro era agressivo nas ultrapassagens mais ruim em tatica. Enfim uns se destacavam por um lado e por outro não eram tão bons. Na epoca do alemão, haviam concorrentes sim que eram melhores que ele em varios aspectos, mas ele compensava sendo simplesmente regular em tudo. Hoje entendo que o Hamilton é o melhor, simplesmente por manter exatamente essa regularidade em todos os aspectos, um nota 8,5 em tudo também, você não vê ele errando e sempre faz o que é possível fazer em cada corrida, se o maximo que ele consegue é chegar em terceiro, tranquilo ele estará lá em terceiro e por conta disso ainda possui sorte em determinado casos quando alguem a sua frente quebra ou erra, mas ele só colhe esses frutos por estar bem colocado na corrida sem cometer erros.

        E por fim, considero ele o melhor de todos os tempos por ele ser tão regular quanto o alemão foi, mas não pesa contra ele nenhuma mancha de canalhice, em toda sua trajetória não me lembro de nenhuma manobra irregular para tentar de maneira desonesta atrapalhar seu adversário. Fato que ocorreram com todos os outros grandes campeões, inclusive com os brasileiros.

        E a ideia é gostar de corridas e do esporte em si, admirar os grandes campeões independente de sua nacionalidade.

      • Comentarista Crítico disse:

        Manoel Cândido que esquema é esse que faz Schumacher e Hamilton serem pilotos 8.5 na sua opinião? E além de Schumi e Lewis, Prost também era outro muito forte pela regularidade. E o Hamilton não fez nenhuma grande manobra desonesta até hoje, porque Nico Rosberg ficou quieto em Abu Dhabi 2016. Porque se naquela corrida o Rosberg tentasse passar o Hamilton…

      • McLaren-12 disse:

        Ah, você de desiludiu? Tadinho de você.

        Quer a volta do reabastecimento, quer? Teu alemão fake foi o recordista de ganhar corrida em pit stop e você vem falar de ritmo de corrida. Acorda, chucrute chata.

      • Micromax disse:

        Sr. Manoel Cândido, concordo em partes com o que discorreu acima, principalmente quando qualifica certos pilotos como “regular” nota 8,5………..Está aí uma coisa que Ayrton não era, piloto mediano nota 8,5..!!

        Dito isso discordo com o que vc chama de mancha antidesportiva de alguns pilotos, principalmente no que se refere a Senna: Todos sabem das motivações do episódio de Suzuka em 1990(se não sabem é porquê têm uma visão unilateral do esporte). Ayrton foi o único piloto da história que deu uma resposta na pista para o que a Fia de Balestre fez um ano antes, roubando-o de forma deliberada, quando o desqualifica do gp do Japão alegando que cortou a chicane e com isso não percorreu o traçado. Ora, o próprio Bakestre, antes de falecer, admitiu o fato de beneficiar Alain Prost…seu protegido.

      • Micromax disse:

        Ainda sobre o que vc disse: sobre à época de Senna ser fácil destacar um de outro………..

        De 88 a 91, com equipamentos equivalentes, para Prost e Mansell, só restava usarem de alguma tática mesmo, pois não tinham o talento e nem a velocidade de Ayrton, então mantinham-se na disputa como podiam e principalmente nas quebras e abandonos do brasileiro(vide 1989), claro que Ayrton errou algumas vezes como em Mônaco 88, mas não foram erros decisivos no campeonato. Eu só me lembro de Prost ser mais rápido que Ayrton em treino quando o gp era na França, ainda assim Ayrton fez pole lá em 1986, mas de Lotus. Mansell em 91 quando teve um carro sabidamente mais rápido que o Mclaren, não soube capitalizar a seu favor os treinos, perdendo de 8 a 2 nas poles pra Ayrton,

      • Vai Vettel! disse:

        Pole não ganha campeonato.

      • Segafredo disse:

        Se Mansell largasse na frente de Senna no Japão em 91 com um carro sabidamente mais rápido, vc acha que não mudaria o campeonato?? Todo e qqr detalhe ao longo de uma temporada pode fazer a diferença pra um campeonato.

      • Alfredinho disse:

        O uso da palavra SE não passa de um exercício de possibilidades não acontecidas.

      • MANOEL CÂNDIDO disse:

        Prezado Micromax, boa tarde!
        Desculpe, acho que não fui claro.
        Não necessariamente quis dar notas para ninguém, sou apenas um fã do automobilismo e nem sou tão bom em matemática assim, RSRSRSRS.
        O quis expressar é que determinado piloto é 10 em uma característica, 7 em outra característica, 8 em outra característica, etc… E aí o fã se assemelha mais ao piloto que tem mais a ver com o seu gosto pessoal de guiar.
        O que falei do alemão e do Hamilton é que eu não vejo eles sendo nota 10 em nenhuma característica especifica de pilotagem, a meu ver eles são simplesmente bons e regulares em todas as características e isso para mim fez a diferença nas carreiras deles.
        Quanto a desonestidade do Senna, desculpe, mas não é por que é brasileiro que tenho que encontrar desculpas para atitudes equivocadas, ele agiu de má fé, independente de ser resposta para quem quer que seja, sei que o francês safado que comandava a categoria na época privilegiava o professor Prost, mas ainda assim não me interessa os motivos, o fato é que agiu errado.
        Alias características egoístas e desonestas permeiam ao meu ver a historia de todos os grandes campeões.
        Mas desonestidade é desonestidade! Independente de quem seja e de qual seja a sua nacionalidade.
        A maior tolice para mim, é que se achar que o alemão, ou Hamilton, ou Vetel, ou qualquer um que seja, possa ter sido o melhor de todos, isso diminue o grande talento do outro.
        Senna foi um magnifico piloto!
        Não é por que acho que outro piloto possa ter sido melhor, que isso imediatamente deixo claro que ele é ruim. Nada a ver!!
        Senna esta entre os melhores pilotos de todas as épocas, mesmo com manchas de desonestidades como todos os outros grandes campeões também possuem ( a exceção até o momento para mim é o Hamilton, mas a carreira dele ainda não acabou, não quer dizer que não possa vir a agir de maneira errada como todos os outros).
        Por fim, essa é apenas uma divergência de opiniões respeitosa da minha parte, não quero ser grosseiro ou deselegante com ninguém. Se por acaso eu tenha sido, foi realmente sem querer, pois sei que não tenho talento para a escrita como o dono do BLOG e posso ter me expressado mal.

      • Micromax disse:

        Sr. Manoel Candido……….

        Fique tranquilo, entendi perfeitamente seu ponto de vista quanto aos critérios que tem. Só discordei mesmo quanto à Senna ter sido desonesto em sua carreira, apenas pelo episódio de Suzuka em 90, já que ali havia muita coisa no contexto para considerá-lo desonesto. Mas claro é minha opinião e respeito a sua.

        Quanto a questão de quando achamos um piloto fora de série não significar que o outro seja ruim………

        Se o assunto for Senna vs Schumacher, neste caso, o Schukrute, pra mim sempre foi muito inferior ao brasileiro, seja qual for o critério a analisar. Inclusive o de regularidade, pois é fácil se manter regular nas vitorias por 5 anos com um equipamento muito acima dos demais e consequentemente sem ter adversários!

      • Marmelada-44 disse:

        O teu ídolo ficou pelo caminho e só você que não viu!

  46. Sandro disse:

    https://youtu.be/AnxUu36-uYw
    Para quem nunca viu massa x kubica. Fuji 2007

    • Danir disse:

      Isto é pilotar com a faca nos dentes. Se fosse hoje provavelmente seriam punidos por direção perigosa, e talvez tivessem que fazer aquele ridículo curso de reciclagem do DETRAN para continuar competindo. A F-1, com o perdão da palavra, está uma merda. É melhor acompanhar moto GP e qualquer outra corrida de automovel, até se for daquelas baratinhas a pedal, com que nos divertìamos em nossa infãncia. Eu tinha uma Ferrari vermelha que me dava mais emoção do que ver as corridas deste ano. Nada a ver com os pilotos, que em muitos casos são excepcionais, tudo a ver com os administradores do caça-níqueis em que a categoria se transformou. Sem devolver um centavo sequer do tempo que empregamos para assistir. E ainda tendo que aturar alguns narradores que são ruins a bessa. Estou começando a procurar outras alternativas de entretenimento no lugar da F-1.

    • Ed disse:

      É isso que eu estou falando, o antigamente os caras botavam o carro na grama pra passar. Hoje as áreas de escape são asfaltadas mas vc não pode sair dos limites da pista. Que piada.

  47. Sandro disse:

    Pobre Riccardo. Nem vi as ações dele
    Mas me faz pensar que massa e Kubtza teriam perdido a superlicença em fuji

    • Ricardo Bigliazzi disse:

      No site da F-1 (www.formula1.com) tem a sequencia de imagens dos 4 carros envolvidos).

      Dessa vez o Ricciardo (que gosto muito como piloto) estragou a corrida do Norris. Punição justa. Não aconteceria se em vez dessa area de escape pintada houvessem areas de escape não trafegaveis, se fosse isso o Ricciando não chegaria nem em 11. lugar, ficaria enterrado na terra na entrada da curva. Esse Norri é bom e valente.

    • Andre H Tamura disse:

      As corridas não estão boas e os comissários estão ajudando a piorá-las. No Canadá Vettel, agora Ricciardo. Não acho que o australiano fez nada de errado, principalmente ao tentar ultrapassar o Raikkonen. Só colocou as rodas fora da pista.

      • Ed disse:

        Então, se ele colocou as rodas fora da pista, está errado. Mas mais errado são essas áreas de escape asfaltadas, que permitem esse tipo de manobra só pro cara ser punido. Tinha que ser tudo grama ou brita.

      • Marmelada-44 disse:

        A gente podia fazer um pacote de apostas: Um bolo onde apostaríamos quem vai ser o próximo piloto a ser punido injustamente!

      • Leo disse:

        Mas isso está claro nas regras: saiu com as 4 rodas pra fora dos limites da pista e levou vantagem, oras. ISSO é uma das poucas coisas corretas do regulamento – e existe desde sempre, senão ninguém faria a chicane em Monza, por exemplo.
        Errada é a pista, que só tem tinta no chão e não pune quem passa dos limites. Tivesse ali uma grama marota, ou até uma zebra alta, o sorrisão iria estar rodando até agora.

      • Ricardo Bigliazzi disse:

        A F-1 vive um dilema, ou coloca área de escape seguras ou coloca grama ou pedriscos nas áreas de escape expondo os pilotos e publico a acidentes sérissimos?

        A área pintada não é “pista”, na década de 70 o Ricciardo teria que colocar o carro na grama ou na brita e essa ultrapassagem nunca aconteceria.

        Diante desse raciocínio é lógico se esperar que as punições sempre venham a acontecer, o piloto que sai para esse tipo de área em hipótese alguma pode ter uma vantagem. Como o cidadão pode ultrapassar um outro piloto num “lugar em que não existe pista”?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *