MENU

segunda-feira, 18 de novembro de 2019 - 21:29Autódromos

DICA DO DIA

A Floresta de Camboatá: santuário ecológico (foto: Gustavo Pedro/piauí)

RIO (de volta) – Essencial a excepcional matéria de Roberto Kaz na última edição da revista “piauí” sobre a Floresta de Camboatá, onde incautos seguem acreditando que será erguido um autódromo no Rio. Ele também traça um perfil do fabuloso JR Pereira e seu mirabolante Rio Motorpark, o consórcio que “venceu” a licitação para ocupar a área.

Se depois de ler isso alguém ainda achar que essa empreitada é factível, convido os crentes a visitar as bordas da nossa linda e plana Terra. Pago as passagens.

20 comentários

  1. Antonio Seabra disse:

    Eu pessoalmente acho a escolha do lugar para construção desse autódromo, péssima.
    Não por conta de proteger a pequena Floresta remanescente no meio de uma das zonas mais perigosas do Rio de Janeiro, que, se não fosse uma área militar já teria sido invadida a muito tempo, e todo esse dito santuário já teria ido pro beleléu !!! Basta dar uma olhada em volta, usando o Google Earth. Eu justamente não gosto da escolha dessa área pelo índice de periculosidade do local.
    Então, sem querer entrar nas questões politicas nem comparar as negociatas atuais e passadas, só lamento não ter visto tamanha mobilização dos meios de comunicação quando o governo estadual, a prefeitura municipal, com total apoio (deveria dizer conivência ?) do governo federal, orquestraram a destruição do Autódromo do Rio para construir o parque olímpico, atual elefante branco, que brevemente deveremos ver destruído, já que está quase sem utilização e sem manutenção. Só não o foi ainda porque houve uma desaceleração na venda de imoveis no local, senão já teriam dado um jeito para instalação de enormes arranha céus no local, que poluirão visualmente (ainda mais) a paisagem da Barra.
    O autódromo representava um grande investimento feito ao longo de muitos anos, então, ate hoje não entendo porque não se construiu o parque olímpico em outro lugar (havia opções), na própria Barra.
    Pessoalmente, conversei com a Diretoria do COI quando me sentei ao lado deles num avião,. Eles estavam indo Brasilia, para um reunião com a presidente Dilma, em busca da garantia de que Brasil cumpriria os prazos para a construção do parque olímpico. Durante o voo relatei toda a negociação, no minimo canhestra, que envolvia a destruição de uma praça esportiva de renome internacional , Mas eles não se interessaram nem um pouco pelo assunto. Interessava era ganhar dinheiro, isso sim. Na volta de Brasilia, vim no mesmo voo que eles, que alegres me confirmaram que o governo federal garantira as verbas para manutenção dos prazos de construção do parque olímpico no lugar do autódromo.
    Quem perdeu com isso ? Todos os brasileiros, porque o parque olímpico seria construído, o autódromo seria destruído, e algum dia alguém forneceria $$$ para se construir um novo autódromo, em algum lugar.. Ou seja seria necessário dispensar $$$ duas vezes, no parque olímpico e num autódromo novo. Genial e maquiavélico.
    Onde estava a mídia, a grande imprensa, pra protestar contra a ação coordenada de maus dirigentes e maus politicos (que por sinal quase todos já estiveram na cadeia, depois disso). Só vi protestos aqui nesse blog, e com mais veemência, no blog do Rodrigo,
    Hoje torço que esse autódromo não se materialize em Deodoro, pela péssima localização e pela insegurança. Não pela tal Floresta, que está virtualmente condenada a desaparecer. Porque mesmo não se tornando autódromo, o dia em que os militares saírem de la, será invadida e destruida. Fatalmente.

  2. Nick B disse:

    O quê???
    Tem swing no twingo também?
    Ulalá!
    Abafa o caso!

  3. Ricardo Bigliazzi disse:

    Mas isso não irá acontecer.

  4. Eumesmo disse:

    Um lugar no RJ que daria um belo autódromo seria na região de Itaguaí/Seropédica , às margens do Arco Metropolitano. Não teria vizinhança pra incomodar, tem uma ótima estrada de acesso, terrenos planos (pastagens com até algumas montanhas, se for pra fazer mais seletivo), não muito distante de Petrópolis, onde as principais equipes da stock car estão instaladas, e com rede hoteleira já instalada, próximo a praias (lindíssimas), inclusive.
    Se houvesse um interesse sério do governo do Estado, seria ótimo (e inteligente) para fomentar a região, o turismo e o comércio, etc, etc, etc….

    Mas claro que isso foi um devaneio apenas….

  5. Fábio disse:

    Ainda esse assunto de autódromo no Rio de Janeiro! Vocês jornalistas estão sem matéria….

  6. Victor disse:

    Excelente reportagem sobre a Floresta do Camboatá. Pequeno deslize em falar que a Floresta da Tijuca é uma das áreas remanescentes da Mata Atlântica que cobria a área ocupada hoje pelo Grande Rio. Isso porque a Floresta da Tijuca, como todo bom carioca sabe, é fruto de uma grande operação de reflorestamento encomendada por D. Pedro II. A área ali já havia sido desmatada em grande parte há muito tempo e era ocupada por cafezais.

  7. Gabriel P. disse:

    No Brasil quase sempre quando se fala em “grande empresário” se encontra por trás, podridão de todo tipo e quando se fala em licitação pública é a mesma coisa, podridão para todo lado e ilegalidades mil..
    Nesse caso , certamente estão contando com a grana pública, da qual vão embolsar alguns milhões e este é o principal “motivo” para tanto empenho na construção do tal autódromo. (F1 no Rio é apenas uma boa desculpa)
    Simples assim.
    Se vai sair ?
    Bom, isso depende de quanto pretendem e podem gastar para corromper todos envolvidos no caso e que tenham algum poder de decisão.

  8. Navegante disse:

    Flávio, todos sabemos que você é um manifesto torcedor da querida Portuguesa de Desportos. Sabendo disso, fica fácil imaginar o meu espanto quando me deparei com a informação, na Wikipédia, de que Flávio Magliari Gomes é um jornalista corintiano. Peraí, será que eu perdi alguma coisa? Provável que não. De qualquer maneira, achei melhor dar um toque…

  9. Amaral disse:

    Chamaria esse texto de “a pá de cal definitiva”…
    O grande problema é que alguns terraplanistas serão tentados a aceitar a oferta.
    Mas ficarão decepcionados em saber que tais passagens não são encontradas em nenhuma companhia aérea, rodoviária ou ferroviária. Não, tampouco naqueles sites que prometem economia nas passagens e mostram gente feliz com dinheiro infinito que vive viajando.

  10. Nick B disse:

    Fla, só vou se você me levar lá na esquina do hemisfério Sul. E aí a gente vai percorrendo as bordas, meu blondie terraplan.

    Bitocas

    Nick B.
    (Quidê o Zé Ramalho?)

    • Flavio Gomes disse:

      As borboletas, né?

      • Nick B disse:

        Iéis!
        A dança das borboletas, plis.

      • Flavio Gomes disse:

        Vamos procurar. Fique tranquilo. Você sempre foi muito ansioso.

      • Nick B disse:

        Em um dicionário ilustrado, o verbete ansiedade conta com minha fotinha (muito cuidado com o corretor nesta hora) ao lado.
        Você deve se lembrar que montei acampamento em frente ao Morumbi em agosto de 1992 para assistir ao show da Madonna (detalhe: o show foi em 11/93).
        E você inventava as maiores desculpas para não ir nesse show comigo.
        Até hoje não engoli a sua justificativa de realizar um procedimento cirúrgico chamado Scrotox (joga no gugol, benhê) para não me fazer companhia no show da Diva.
        Lembro-me, também, que durante minha estada no Morumba você passava todo garboso dentro de um twingo recém desembarcado das Oropa e proferia as piadinhas mais escrotas possíveis (talvez por causa da natureza de sua cirurgia).
        Recordo -me, como se hoje fosse, você sobre o capô do twist + tango com um cartaz na mão direita dizendo que Cyndi Lauper era melhor que Madonna. Na mão esquerda? Empunhava uma garrafa de cerveja. Preciso dizer o nome?

        Nick B

      • Flavio Gomes disse:

        A saudosa Malt 90. E Twingo é twist + swing + tango, você sempre omite swing, e acho que sei por quê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *